Relatório de Responsabilidade                        Socioambiental 2009Catanduva/SP
www.redenergia.com.br
Relatório de Responsabilidade         Socioambiental 2009
Sumário        Mensagem da presidente               6        1. Rede Energia                      11        2. Governança ...
Mensagem da presidenteO          ano de 2009 esteve repleto de desafios, e          estes foram respondidos pela Rede Ener...
Carmem Pereira                         Presidente Executiva da Rede EnergiaCorporativo para prestar assessoria e orientar ...
Mensagem da presidentevezes, a desativação de usinas termelétricas movidasa diesel. De 2005 a 2009, foram desativadas 34 u...
Continuamos a investir na melhoria da qualidade de vidadas comunidades com as quais interagimos, especialmentepor meio da ...
Campo Grande/MS
Rede Energia       Capítulo 1
Rede Energia Perfil da empresa A Rede Energia S.A. (REDE ENERGIA) (GRI 2.1) é um dos maiores grupos privados do setor elét...
Cachoeira da Véia/TOFaz parte da Rede Energia: (GRI 2.7)DistribuidorasCaiuá Distribuição de Energia S.A. (“CAIUÁ”)A Caiuá ...
Rede EnergiaCompanhia de Energia Elétrica do Estadodo Tocantins (“CELTINS”)A Celtins é hoje a única distribuidora de energ...
Empresa Elétrica Bragantina S.A. (“EEB”)A Empresa Elétrica Bragantina S.A., a Bragantina,possui sede regional em Bragança ...
Rede Energia A distribuição, geração e comercialização de energia da Companhia é levada a 4,5 milhões de unidades consumid...
PaRticiPação PoR claSSe De conSumoVendas em GWh           14,4%                                                   Residenc...
Rede Energia Missão, visão e valores Missão Prestar serviços de energia elétrica com responsabilidade social e ambiental, ...
Mercado e regulaçãosetorialO setor elétrico mundial tem passado por amploprocesso de reestruturação organizacional. No Bra...
Rede Energia No mercado atual, há dois ambientes de comercialização de energia: Ambiente de Contratação Regulado (ACR) e A...
Gestão sustentávelA Rede Energia busca atuar de forma responsável,aderente à legislação e ao compromisso com seusstakehold...
Rede Energia Política de Sustentabilidade A Rede Energia, considerando a importância dos públicos com os quais se relacion...
Aerobarco Rede Energia,                                                                       Corumbá/MSClientes e Consumi...
Rede Energia Comunidade •    Atuar como agente de melhorias socioambientais, maximizando os impactos positivos e minimizan...
A definição de diretrizes e a orientação da aplicação dapolítica, entre todos os funcionários, estão submetidas àárea de r...
Rede Energia Ainda com o objetivo de fortalecer as práticas, foram adotadas metodologias consagradas como Ethos, iBase (ut...
O projeto para levar energia elétrica, desenvolvimentoe educação aos moradores da Ilha de Marajó é mais umentre os vários ...
Rede Energia Principais impactos, riscos e oportunidades Presente em regiões ricas em biodiversidade, como a floresta amaz...
Nos 2.787.107 km2 de área de concessão, envolvendo,Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins, oatendimento à população r...
Rede Energia Reconhecimentos (lista de prêmios) – (GRI 2.10) Os resultados obtidos pelas empresas da Rede Energia em 2009,...
•   Prêmio IASC – Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor,conquistado pela quinta vez: 2002, 2003, 2004, 2006 e 2009.•   ...
Governança Corporativa                 Capítulo 2
Governança Corporativa Valores, transparência e governança A satisfação dos stakeholders e a busca da sustentabilidade do ...
Estrutura de governançaComo uma sociedade anônima de capital aberto,a governança da Rede Energia estrutura-se a partirda A...
Governança Corporativa Política de Divulgação e Negociação Em conformidade com a Instrução nº 358 da CVM, a Companhia poss...
Conselho de AdministraçãoO Conselho de Administração é composto por no mínimo setee no máximo de nove membros, sendo dois ...
Governança Corporativa Jorge Queiroz de Moraes Junior         Alberto José Rodrigues Alves    Antonio da Cunha Braga – É P...
Sebastião Bimbati                               Omar Bittar                     Plácido Gonçalves Meirelles– É membro do C...
Governança Corporativa Joaquim Dias Castro                            Martus Antonio Rodrigues            João Carlos Hopp...
Diretoria ExecutivaA Diretoria Executiva da Rede Energia é eleita peloConselho de Administração e composta por até seismem...
Governança Corporativa     Valdir Jonas Wolf                        Ricardo Del Guerra Perpétuo     – É membro da diretori...
Sidney Simonaggio                               José Eduardo Costanzo                Alexei Macorin Vivan– É membro da Dir...
Governança Corporativa Conselho Fiscal O Conselho Fiscal, órgão responsável pela fiscalização dos atos de gestão da Admini...
Os membros do Conselho Fiscal permanecem em seuscargos até a data da realização da Assembléia GeralOrdinária de acionistas...
Governança Corporativa Fernando Quartim Barbosa de Figueiredo                        Carlos Sousa Barros – É membro do Con...
Osmar José Vicchiatti                 Annibal Ribeiro– Membro do Conselho Fiscal           do Valle Filhodesde abril de 20...
Governança Corporativa       Rafael Costa Strauch    Antonio Carlos                Marcos de Jesus Costa       – Membro do...
Otmar Mário Brull             Kleber Cimini Lage                               Marcelo Marcolino– Membro do Conselho      ...
Governança Corporativa Comitês Comitê de Gestão Dentre as práticas de governança corporativa, o Conselho de Administração ...
Os grupos de trabalho atuam nas respectivas áreas:Administrativa e Financeira, Regulatória, Jurídica e deGestão de Pessoas...
Governança Corporativa Estrutura societária da Rede Energia em 2009 (GRI 2.3)                                             ...
Mercado de capitaisAs ações preferenciais (REDE4) e ordinárias (REDE3) da holdingRede Energia são listadas na BM&F Bovespa...
Governança Corporativa Societário e Relação com Investidores A Companhia dispõe de uma área ligada diretamente à vice-pres...
escolhe, periodicamente, a empresa de auditoriaindependente, nos termos da Instrução nº 308/99da CVM que impede a prestaçã...
Desempenho econômico financeiro                          Capítulo 3
Desempenho econômico financeiro Estratégia e modelo de gestão “Foi um ano de redefinição de papéis entre corporativo e emp...
•   Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico(MCPSE) – Atualizará o cadastro técnico, operacionale patrimonial de 1...
Desempenho econômico financeiro Gestão de risco A Rede Energia e suas controladas possuem procedimentos de controles preve...
A mitigação desse risco ocorre pelo monitoramento e pelaaplicação das normas e dos procedimentos definidospela ANEEL, e po...
Desempenho econômico financeiro Tecnologia e inovação (“P&D”) Os programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Rede Ene...
2) Redução de carbono nas cadeias de fornecimentode energia elétrica da Rede EnergiaO objetivo do projeto é realizar o inv...
4) Projeto de segmentação de atendimento de clientes por nichos não convencionais A meta é, a partir de pesquisa de opiniã...
de mercado como aviários, consumidores em etapasde projetos, corporativos, grandes consumos, entreoutros, terão um plano d...
Desempenho econômico financeiro Resultados financeiros Lucro líquido O resultado econômico-financeiro da Rede Energia foi ...
Receita operacionalA receita operacional bruta consolidada da Rede Energia– composta pela receita de fornecimento ao consu...
Desempenho econômico financeiro Endividamento financeiro (GRI 2.8) Companhia O saldo da conta empréstimos, financiamentos,...
Perfil do endividamento (Rede Energia)                      0,7%       12,3%       25,7%                                  ...
Desempenho econômico financeiro      Desemprenho econômico financeiro                                                     ...
Distribuição do ValorAdicionado (DVA)O valor adicional gerado pela Rede Energia em 2009e distribuído aos funcionários, gov...
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Relatorio rede-energia-sgasst
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatorio rede-energia-sgasst

1.066 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.066
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatorio rede-energia-sgasst

  1. 1. Relatório de Responsabilidade Socioambiental 2009Catanduva/SP
  2. 2. www.redenergia.com.br
  3. 3. Relatório de Responsabilidade Socioambiental 2009
  4. 4. Sumário Mensagem da presidente 6 1. Rede Energia 11 2. Governança Corporativa 33 3. Desempenho econômico financeiro 57 4. Desempenho operacional 75 5. Meio ambiente 97 6. Desempenho social 125 7. Sobre o relatório 1614
  5. 5. Mensagem da presidenteO ano de 2009 esteve repleto de desafios, e estes foram respondidos pela Rede Energia com investimentos na ampliação e melhoriados serviços, no aprimoramento das práticas de gestãoempresarial e em iniciativas socioambientais e degovernança corporativa. O cenário de retração global noprimeiro semestre de 2009, com efeitos negativos naprodução industrial de muitas empresas brasileiras, nãoalterou nossa confiança no País.Apoiados por nossos stakeholders, demos continuidade aimportantes investimentos em 2009, como o programado Governo Federal “Luz para Todos”, do qual a RedeEnergia é a segunda maior parceira. O programa, aliadoa outros projetos, nos permitiu levar luz a 211 mil novosconsumidores dos segmentos industrial, comercial,residencial e rural, atendidos em 578 municípios, desete diferentes estados brasileiros.Em 2009, ainda foi iniciado o projeto “Interligação daIlha de Marajó”, que prevê a construção de cerca de 500quilômetros de linhas de distribuição para a chegadade energia limpa e de qualidade, pela primeira vez, aosmoradores do maior arquipélago fluviomarinho do mundo,promovendo o crescimento local.As nove distribuidoras doaram 150.058 lâmpadasfluorescentes compactas e também investiram R$ 6,8milhões para substituir gratuitamente 6.876 geladeirasde famílias de baixa renda. A iniciativa tem o objetivo deadequar o orçamento da família ao consumo mensal deenergia levada às comunidades, com noções básicas deconsumo consciente de energia elétrica.Investimos na eficiência da gestão e sinergia entreas empresas da holding. Nesta linha, desenvolvemoso Programa Evoluir, que engloba sete projetos deestruturação em diferentes áreas da empresa até2011. Concomitantemente, criamos um Comitê Gestor6
  6. 6. Carmem Pereira Presidente Executiva da Rede EnergiaCorporativo para prestar assessoria e orientar o Conselhode Administração nos assuntos relacionados aoplanejamento estratégico.A qualidade dos serviços é nosso compromisso e, a cadaano, melhoramos nossos indicadores de performance.Como reconhecimento pelo nosso trabalho, fomoscontemplados com excelentes resultados em pesquisasde satisfação dos clientes, realizadas em 2009, como aspremiações da Vale Paranapanema, vencedora de trêsprêmios da Associação Brasileira de Distribuidores deEnergia Elétrica (ABRADEE): “Melhor Empresa Nacional”,“Melhor Empresa na Avaliação do Cliente” e “Evoluçãode Desempenho”.Esse conjunto de esforços, gestão responsável eplanejamento estratégico trouxeram resultados. Ao finalde 2009, todos os segmentos de mercado da Rede Energia– residencial, comercial, industrial e rural – apresentaramampliação. A energia fornecida passou de 15.995 GWh, em2008, para 18.405 GWh, em 2009. O perfil com maior altano consumo foi o rural: 26,1%, em 2009. Este também foi osegmento que mais expandiu na base de clientes da RedeEnergia, com um aumento de 17,4% sobre o ano de 2008.Encerramos 2009, com lucro líquido de R$ 466,6 milhõesnas nove distribuidoras– 285,1% superior ao de 2008.Cientes de que os 368 mil quilômetros de sistema dedistribuição da Rede Energia se encontram em umadas áreas mais ricas em biodiversidade do planeta – embiomas como a floresta amazônica, o pantanal, o cerradoe a mata Atlântica –, temos certeza de que os resultadosoperacionais e financeiros não seriam suficientes se nãoestivessem acompanhados do aperfeiçoamento da gestãoe da atuação socioambiental da empresa.Com a expansão do alcance das linhas de transmissãoda empresa, foi possível a chegada de energia limpa e dequalidade às comunidades isoladas, permitindo, muitas relatório de responsabilidade socioambiental 2009 7
  7. 7. Mensagem da presidentevezes, a desativação de usinas termelétricas movidasa diesel. De 2005 a 2009, foram desativadas 34 usinas.Projeções indicam que mais de 814 mil toneladas de CO2(dióxido de carbono) deixaram de ser emitidas e 306milhões de litros de diesel deixaram de ser queimados.Foco de nossa atuação, a segurança foi um dos valorespriorizados em 2009. Para reforçá-la e garantir aintegridade dos nossos 12.763 colaboradores e contratados,houve a implantação do projeto “Segurança em PrimeiroLugar” em todas as empresas do grupo.O aperfeiçoamento de cada procedimento de segurançano trabalho, exercido em nossas redes de distribuição,será constante. Centro de Operação de Distribuição - Campo Grande/MS8
  8. 8. Continuamos a investir na melhoria da qualidade de vidadas comunidades com as quais interagimos, especialmentepor meio da Fundação Aquarela e de parcerias com osstakeholders locais, voltadas ao desenvolvimento regional,à educação e à geração de renda. Destacam-se entreas iniciativas, a implantação no Tocantins e no Pará doprojeto “Agenda Criança Amazônia”, do UNICEF (Fundodas Nações Unidas para a Infância), que atende a novemilhões de crianças da Amazônia Legal do Brasil e no qualfomos a primeira empresa privada brasileira a integrá-lo.Os resultados alcançados neste projeto já nos permitiramplanejar a expansão do projeto para o Mato Grosso em 2010.Compartilhamos todas as conquistas e a superação dedesafios ao longo de 2009, com nossos colaboradores,clientes, acionistas e demais parceiros. Estamos convictos deque a mudança estrutural, promovida pelo Programa Evoluir,apontará para o crescimento sustentável da Rede Energia,com qualidade e com o olhar direcionado ao longo prazo,para continuarmos oferecendo valores agregados a todos osnossos stakeholders.Por fim, reiteramos nossa confiança em continuarinvestindo na sociedade para a criação de valores eagradecemos a todos que, de maneira direta e indireta,nos ajudaram a alcançar os resultados históricos obtidosno decorrer de 2009. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 9
  9. 9. Campo Grande/MS
  10. 10. Rede Energia Capítulo 1
  11. 11. Rede Energia Perfil da empresa A Rede Energia S.A. (REDE ENERGIA) (GRI 2.1) é um dos maiores grupos privados do setor elétrico brasileiro, apresentando controle direto e indireto sobre 15 empresas operacionais, das quais nove são distribuidoras de energia elétrica, uma geradora, uma comercializadora, uma prestadora de serviços, uma empresa de bioenergia e duas outras holdings. (GRI 2.2) Ao todo, o grupo empresarial detém a concessão de 2.787.107 km2, correspondente a 34% do território nacional. Operando exclusivamente no Brasil (GRI 2.5), a Rede Energia tem expertise em reorganização e estruturação de empresas com dificuldade financeira e operacional. Também se destaca no setor elétrico nacional pelo registro de alto potencial de crescimento na sua área de concessão. Ao levar luz elétrica a novos consumidores todos os anos, a companhia acelera o desenvolvimento regional. Em troca da ajuda recebida, o mercado de consumo local também cresce. Nos últimos quatro anos, de 2005 a 2009, a Rede Energia tem registrado crescimento médio de 12% ao ano no número de clientes. Somente em 2009, o incremento foi de 5,9%. Foram 250 mil novos clientes.12
  12. 12. Cachoeira da Véia/TOFaz parte da Rede Energia: (GRI 2.7)DistribuidorasCaiuá Distribuição de Energia S.A. (“CAIUÁ”)A Caiuá Distribuição de Energia S.A. (Caiuá) tem suasede regional em Presidente Prudente (SP). Atende auma área de concessão de 9.149 km2, beneficiandomais de 206.022 consumidores, o equivalente auma população de cerca de 600 mil habitantes,em 24 municípios das regiões de Alta Sorocabana eAlta Paulista. (GRI 2.7)Centrais Elétricas do Pará S.A. (“CELPA”)A Centrais Elétricas do Pará S.A. (Celpa) abrange todoo estado do Pará, distribui energia em uma áreade 1.247.690 km2 e beneficia mais de 7,4 milhõesde habitantes, em 143 municípios. Sua sede fica nomunicípio de Belém. (GRI 2.7)Centrais Elétricas Matogrossenses S.A. (“CEMAT”)A Cemat atende ao estado de Mato Grosso – o 4º maiorestado brasileiro, com área de 903.358 km2. A empresaé responsável por distribuir energia elétrica a 992.368unidades consumidoras, localizadas nos 141 municípiosde Mato Grosso – sendo 135 atendidos pelo SistemaInterligado Nacional (SIN) e seis atendidos pelo SistemaIsolado. Ao final de 2009, representa 992 mil unidadesconsumidoras conectadas à rede elétrica de distribuiçãoda concessionária Cemat. (GRI 2.7) relatório de responsabilidade socioambiental 2009 13
  13. 13. Rede EnergiaCompanhia de Energia Elétrica do Estadodo Tocantins (“CELTINS”)A Celtins é hoje a única distribuidora de energia elétricado Tocantins. Tem uma área de concessão que abrange277.621 km2, o equivalente a 3,3% do território nacional.Beneficia uma população estimada em 1,2 milhão dehabitantes, distribuídos em 139 municípios, com 270localidades, o que corresponde a 416.390 unidadesconsumidoras atendidas (dezembro de 2009). (GRI 2.7)Companhia Força e Luz do Oeste (“CFLO”)A Companhia Força e Luz do Oeste é umadistribuidora de energia elétrica cuja sede regionallocaliza-se em Guarapuava (PR). É responsávelpela distribuição de energia elétrica à cidade deGuarapuava e às localidades de Guará e Jordão, noestado do Paraná. Totaliza 48.695 clientes, em umaárea de concessão de 1.200 km2. (GRI 2.7)Companhia Nacional de Energia Elétrica (“CNEE”)A Companhia Nacional de Energia Elétrica (Nacional)é uma distribuidora de energia elétrica cuja sederegional localiza-se em Catanduva (SP). A Nacionalpossui uma área de concessão de 4.500 km2 e,atualmente, a energia elétrica distribuída beneficiamais de 97.680 consumidores, o equivalente a umapopulação de aproximadamente 400 mil habitantes,em 15 municípios das regiões de Catanduva eNovo Horizonte. (GRI 2.7)Empresa de Distribuição de Energia ValeParanapanema S.A. (“EDEVP”)A Vale Paranapanema possui uma área deconcessão de 11.780 km2 e beneficia mais de 156.470consumidores, o equivalente a uma populaçãode aproximadamente 600 mil habitantes, em27 municípios das regiões da Média Sorocabanae Alta Paulista. (GRI 2.7)14
  14. 14. Empresa Elétrica Bragantina S.A. (“EEB”)A Empresa Elétrica Bragantina S.A., a Bragantina,possui sede regional em Bragança Paulista (SP).Abastece 15 municípios da região de BragançaPaulista, entre os estados de São Paulo (cincomunicípios) e Minas Gerais (10 municípios),atendendo a 123.903 clientes ou, aproximadamente,500 mil habitantes. (GRI 2.7)Empresa Energética de Mato Grossodo Sul (“ENERSUL”)A Enersul atende quase à totalidade do estado deMato Grosso do Sul – 73 dos 78 municípios – em umaárea de 328.316 km2, o equivalente a 91,9% do Estadoe a 94,6% da população total, correspondendo a 2,23milhões de habitantes. (GRI 2.7)Geradoras:Tangará Energia S.A. (“TANGARÁ”)Outros serviços:Rede Comercializadora de Energia S.A. (“REDECOM”)Rede Eletricidade e Serviços S.A. (“REDESERV”)Bioenergia:Vale do Vacaria Açúcar e Álcool S.A. (“VALE DO VACARIA”)Holdings:QMRA Participações S.A. (“QMRA”)Rede Power do Brasil S.A. (“REDE POWER”) relatório de responsabilidade socioambiental 2009 15
  15. 15. Rede Energia A distribuição, geração e comercialização de energia da Companhia é levada a 4,5 milhões de unidades consumidoras, o equivalente a 16,5 milhões de pessoas, em 578 municípios dentro de sete diferentes estados brasileiros: Pará, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Minas Gerais e Paraná. Ao distribuir 18.405 GWh em 2009 (GRI EU01), a companhia alavancou o desenvolvimento regional das diferentes áreas – principalmente das mais longínquas – em regiões ricas em biodiversidade, como a floresta amazônica, o pantanal, o cerrado e a mata Atlântica. Para se ter idéia da grandeza do trabalho realizado pelos 6,5 mil empregados diretos da Rede Energia, somando o total de comprimento das linhas de transmissão das empresas que a compõem, chega-se ao total de 15 mil quilômetros (GRI EU04), distância suficiente para ir do extremo norte ao extremo sul do País, pelo menos, três vezes. Mesmo com todo o investimento realizado, a Rede Energia finalizou 2009 com o lucro líquido consolidado de R$ 20,3 milhões. O segmento residencial responde por 34,7% da energia fornecida pela Companhia e, 80,9% do número total de consumidores. A classe industrial fica com a fatia de 21,9% da energia distribuída e, 0,9% do número total de consumidores. O comércio representa 21% do total da energia fornecida e, 7,8% do número total de consumidores, enquanto a área rural fica com 8,1% do total da energia fornecida e, 9,3% do número total de consumidores.16
  16. 16. PaRticiPação PoR claSSe De conSumoVendas em GWh 14,4% Residencial 8,1% 34,7% Industrial Comercial 21,0% Rural Outros 21,9%PaRticiPação PoR claSSe De conSumoNúmero de consumidores 1,2% Residencial 9,3% Industrial7,9% 80,9% Comercial0,9% Rural OutrosconSumiDoReSEm milhares CAGR: 12,1% 4.493 4.243 3.152 3.348 2.847 2005 2006 2007 2008 2009 relatório de responsabilidade socioambiental 2009 17
  17. 17. Rede Energia Missão, visão e valores Missão Prestar serviços de energia elétrica com responsabilidade social e ambiental, visando à satisfação dos clientes, colaboradores, fornecedores e acionistas, e contribuindo para o desenvolvimento do País. Visão Ser reconhecido como grupo de excelência no setor de energia elétrica pelo serviço prestado, pela tecnologia empregada e pela qualificação dos colaboradores. Valores • Integridade: respeito à moral, aos bons costumes, às leis, a si próprio e ao próximo. • Competência: saber fazer, poder fazer e querer fazer. • Excelência: realizar suas atividades com grau de qualidade que o diferencie. • Responsabilidade: bem cumprir os deveres para com a sociedade, a família e a empresa. • Criatividade: buscar soluções alternativas, inovadoras e originais (novos paradigmas). (GRI 4.8)18
  18. 18. Mercado e regulaçãosetorialO setor elétrico mundial tem passado por amploprocesso de reestruturação organizacional. No Brasil,este processo de reestruturação foi desencadeadocom a criação de um novo marco regulatório em 1998e reformulado posteriormente em 2004, o qual vigeaté o presente momento. A reestruturação envolveua desestatização das empresas do setor elétrico, adesverticalização em unidades de negócio de geração,transmissão, distribuição e comercialização, além daabertura do mercado de energia elétrica.O Brasil tem investido maciçamente em transmissão deenergia de longa distancia entre regiões, possibilitandoa operação eficiente das bacias hidrográficas regionaise a transmissão de energia elétrica entre as principaisusinas geradoras. Com a interligação crescente, é possívelampliar a confiabilidade, otimizar os recursos energéticose homogeneizar mercados por meio do chamado SistemaInterligado Nacional (SIN), responsável por mais de 95%do fornecimento nacional. Atualmente, fazem parte doSIN as empresas de geração, transmissão e distribuição –atividade de concessão pública –, que operam de maneirainterligada.O SIN engloba as regiões Sudeste, Sul e Nordeste e partedas regiões Centro-Oeste e Norte. As demais localidadesdas regiões Centro-Oeste e Norte não estão interligadasao SIN e constituem sistemas isolados. Os segmentosde comercialização e mercado livre completam o setor,coexistindo tanto no sistema interligado como no isolado.A regulação e fiscalização das empresas responsáveispela produção, transmissão, distribuição ecomercialização de energia, no ambiente decontratação regulada, é feita pela ANEEL. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 19
  19. 19. Rede Energia No mercado atual, há dois ambientes de comercialização de energia: Ambiente de Contratação Regulado (ACR) e Ambiente de Contratação Livre (ACL). O ACR é o segmento no qual se realizam as operações de compra e venda de energia elétrica, precedidas de licitação. O ACL é o segmento no qual se realizam operações de compra e venda de energia elétrica, por meio de contratos, livremente negociados, firmados com produtores independentes de energia, agentes comercializadores ou geradores com concessão de serviço público de energia. Os geradores estatais só podem fazer suas ofertas por meio de leilões públicos. Os agentes setoriais participantes do setor de energia elétrica reúnem-se por comunhão de interesses nas associações representativas de cada segmento. As principais associações do setor são: Associação Brasileira de Grandes Empresas de Transmissão de Energia Elétrica (ABRATE), Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (ABRADEE), Associação Brasileira dos Agentes Comercializadores de Energia Elétrica (ABRACEEL), Associação dos Produtores Independentes de Energia (APINE), entre outros. estrutura organizacional do modelo do setor elétrico CNPE CMPE MME EPE ONS ANEEL CCEE20
  20. 20. Gestão sustentávelA Rede Energia busca atuar de forma responsável,aderente à legislação e ao compromisso com seusstakeholders. O mapa de stakeholders da empresa podeser representado pelo seguinte diagrama: (GRI 4.14) Cadeia de valor Value Chain Poderes públicos e Meio Sociedade Fornecedores Agência Reguladora ambiente Society Suppliers Governments & Environment t Regulatory agency Consumidores e c lientes Acionistas Consumers & Shareholders costumers Colaboradores Employess Fonte: Adaptação do modelo do livro Comunidade Investidores Community Investors “Managing for Stakeholders – Survival, Reputation, and Success”, de Freeman, Harrison & Wicks, do capítulo 3: The Basic FrameworkSão considerados stakeholders primários oscolaboradores, os acionistas, os poderes públicos ea agência reguladora do setor, os fornecedores e osconsumidores e clientes.Como stakeholders secundários, consideram-se osinvestidores, a sociedade, a cadeia de valor, o meioambiente e a comunidade onde a empresa está inserida.A Política de Sustentabilidade, vigente desde 2007,define diretrizes e orienta a aplicação de compromissosde todo o grupo. Em 2009, ocorreu disseminação internada política aos colaboradores. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 21
  21. 21. Rede Energia Política de Sustentabilidade A Rede Energia, considerando a importância dos públicos com os quais se relaciona (acionistas, poderes públicos, investidores, comunidade, clientes, fornecedores, público interno) e o ambiente no qual está inserida, cumpre o seu papel de empresa cidadã e adota o conceito de responsabilidade socioambiental em sua gestão, assumindo os seguintes compromissos: Valores, Transparência e Governança • Disseminar valores, políticas e manter canais de comunicação abertos com nossos stakeholders; • Prestar contas de nossas ações e respectivos impactos de forma clara e transparente; • Estabelecer uma relação de confiança e considerar as expectativas e opiniões de nossos stakeholders. Governo e Sociedade • Ao interagir com todos os nossos públicos, adotar padrões éticos, fundamentados em princípios de honestidade, integridade e transparência; • Contribuir sempre que pertinente e possivel, com políticas, programas e projetos que colaborem para o desenvolvimento sustentável de nossa área de concessão; • Cumprir a legislação ambiental, a legislação de saúde e segurança do trabalho e demais normas vigentes. Fornecedores • Assegurar a equidade, a isenção e a integridade na relação com fornecedores e parceiros, contribuindo para o seu desenvolvimento por meio do compartilhamento de conhecimentos, diretrizes e valores, estimulando seu envolvimento em práticas de responsabilidade socioambientais.22
  22. 22. Aerobarco Rede Energia, Corumbá/MSClientes e Consumidores• Atender às expectativas dos acionistas,colaboradores, parceiros, do órgão regulador econsumidores, por meio do comprometimentoconstante com a melhoria da qualidade da energiafornecida e dos serviços prestados, contribuindo parao desenvolvimento socioeconômico e ambiental.• Promover a melhoria contínua de nossossistemas de gestão. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 23
  23. 23. Rede Energia Comunidade • Atuar como agente de melhorias socioambientais, maximizando os impactos positivos e minimizando os impactos negativos de nossas atividades, viabilizando investimentos socioambientais que promovam o desenvolvimento regional, a geração de renda, o esporte e a educação, respeitando a cultura, os valores e costumes das comunidades que atendemos; • Respeitar os direitos humanos e apoiar o cumprimento das “Metas do Milênio”, incentivando nossa rede de relacionamento a fazer o mesmo. Público Interno • Valorizar e respeitar o colaborador, adotando práticas de trabalho que promovam a segurança e a saúde, proporcionando um ambiente seguro e adequado, estimulando a participação na gestão do negócio, garantindo o direito à associação e à negociação coletiva, respeitando a diversidade; motivando a construção de uma harmonia interna e a melhoria da qualidade de vida. Meio Ambiente • Promover a preservação do meio-ambiente, a prevenção da poluição e o consumo consciente; • Estimular a educação ambiental dos colaboradores, fornecedores e da comunidade; • Apoiar entidades de pesquisas, a inovação tecnológica e do setor elétrico associadas ao meio- ambiente, à saúde e à segurança do trabalho.24
  24. 24. A definição de diretrizes e a orientação da aplicação dapolítica, entre todos os funcionários, estão submetidas àárea de responsabilidade socioambiental. Em 2009, paraque houvesse o alinhamento das práticas sustentáveisno grupo, cada empresa da Rede Energia passou a ter umcomitê de responsabilidade socioambiental na própriaempresa, além do comitê corporativo reestruturado em2008. Também foram revisadas as prioridades e metassocioambientais no plano estratégico da Companhiaem 2009. (GRI 4.12)Por definição da Política de Sustentabilidade, os projetossociais da Rede Energia estão divididos em três classes:educação, esporte e desenvolvimento regional (geração derenda para as comunidades). Pode-se destacar em 2009 osprojetos da Fundação Aquarela (Rede Atletismo e a EscolaNuremberg), a realização de peças de teatro educacionais,o patrocínio de feiras de negócios e a elaboração de guiaturístico para o fomento do turismo na área de concessãoda empresa.A Rede Energia possui um processo sistematizado decadastro e avaliação de demandas socioambientaisda comunidade, que fica disponível em cada umadas operadoras. Com isso, aplica critérios corporativosalinhados à Política de Sustentabilidade e aos pactose princípios socioambientais que a empresa endossa– “Todos pela Educação” e “Objetivos do Milênio da ONU”– na seleção de projetos a serem apoiados. (GRI 4.12)A avaliação dos resultados alcançados por cada projeto dasempresas da holding é feita por processos e ferramentasde análise de investimentos socioambientais que estãosendo aperfeiçoados, assim como a comunicação sobre oassunto para colaboradores e executivos da Rede Energia.Uma iniciativa bem-sucedida foi a realização da “Semanada Sustentabilidade”, ocorrida de 1º a 5 de junho de 2009,que reforçou ainda mais a integração entre as práticassustentáveis das nove distribuidoras da holding. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 25
  25. 25. Rede Energia Ainda com o objetivo de fortalecer as práticas, foram adotadas metodologias consagradas como Ethos, iBase (utilizada desde 2005), Global Reporting Initiative (GRI) e ANEEL (ambos utilizados desde 2007) para a análise de indicadores de performance e na elaboração dos relatórios de sustentabilidade para seus stakeholders. Compromissos com os princípios de sustentabilidade Em sua trajetória de construção de gestão sustentável, a Rede Energia gerencia resultados de seus negócios sob as dimensões ambiental, econômica e social. A Companhia promove a conservação do meio ambiente nas áreas de concessão ricas em biodiversidade. Para onde leva a energia elétrica, a Rede Energia também leva o desenvolvimento local: aumentando o número de negócios e, consequentemente, com maior oferta de empregos e maior geração de renda. No longo prazo, o amadurecimento da comunidade local promoverá também o crescimento da Rede Energia. Um bom exemplo da prática sustentável na rotina da companhia é a construção de cerca de 500 quilômetros de linhas de distribuição, com 16 subestações, na Ilha de Marajó. Pela primeira vez, a comunidade da ilha terá acesso à energia limpa e de qualidade, permitindo o desligamento de 15 usinas térmicas movidas a diesel. Sem a queima de óleo diesel, a emissão de CO2 será reduzida no maior arquipélago fluviomarinho do mundo. A primeira etapa do projeto foi iniciada em 2009 e seguirá até 2011. Um destaque importante é o fato de que houve uma orientação para que as empreiteiras envolvidas contratassem, preferencialmente, mão de obra local qualificada para o trabalho exigido. (GRI EC07) Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), 62% das famílias da Amazônia Legal (Pará, Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Rondônia, Roraima e Tocantins) vivem com uma renda per capita de até meio salário mínimo.26
  26. 26. O projeto para levar energia elétrica, desenvolvimentoe educação aos moradores da Ilha de Marajó é mais umentre os vários já realizados pela Rede Energia, que, em2009, já trocou 6.876 geladeiras da população de baixarenda, e também já levou luz aos quilombos, às aldeiasindígenas e a outras regiões extremas da sua áreade concessão.No papel de responsável pelo desenvolvimentosustentável local, a Rede Energia segue com o desafiode criar um sistema de valores onde está inserida,preservando relacionamento próximo ao governo, àscomunidades locais e às demais empresas da região.Além de obedecer aos requisitos ANEEL, que é a agênciareguladora do setor, a empresa busca participarativamente da construção de normas, aplicação detratados e pactos que promovam o desenvolvimentosustentável. Exemplo disso é a participação no grupode trabalho da ISO 26000, no qual houve o patrocínioda empresa, bem como o apoio ao programa “TodosPela Educação” e aos “Oito Objetivos do Milênio”,definidos pela ONU. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 27
  27. 27. Rede Energia Principais impactos, riscos e oportunidades Presente em regiões ricas em biodiversidade, como a floresta amazônica, o pantanal, o cerrado e a mata Atlântica, a Rede Energia leva energia aos lugares mais distantes e isolados do País, passando por aldeias indígenas, populações quilombolas e ribeirinhas. No total, a energia chega a 4,5 milhões de unidades consumidoras, promovendo desenvolvimento e a melhoria da qualidade de vida aos moradores de 578 municípios da área de concessão da Companhia. A atuação das nove distribuidoras concessionárias abrange aproximadamente um terço do território nacional. A dimensão da área faz com que a Rede Energia mobilize grande volume de investimentos, recursos humanos e naturais para o desenvolvimento de análises e pesquisas sobre o impacto socioambiental produzido pelo negócio na sua área de atuação. A principal preocupação da companhia tem sido minimizar os impactos negativos e ampliar os benefícios advindos de sua atuação. Faz parte dos principais desafios socioambientais da Rede Energia: • Eliminação de cerca de 40 usinas termelétricas movidas a diesel, até 2014, nos estados de Mato Grosso e Pará. Desde o início das desativações, em 2005, até 2014, haverá a redução de 4,2 milhões de toneladas de CO2 na atmosfera. • Continuidade dos trabalhos de remediação do solo e de águas subterrâneas contaminados por hidrocarbonetos (derivados do diesel) em usinas desativadas. • Inserção de localidades das regiões Centro-Oeste e Norte no Sistema Interligado Nacional (SIN), promovendo o desenvolvimento econômico dos locais que se encontram nos sistemas isolados. • Desenvolvimento de um sistema de monitoração da quantidade de emissão, direta e indireta, de gases relevantes ao efeito estufa, ao longo de toda a cadeia de valor.28
  28. 28. Nos 2.787.107 km2 de área de concessão, envolvendo,Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Tocantins, oatendimento à população requer soluções criativas epersonalizadas para cada situação, seja às margens dosrios e igarapés (na região amazônica ou no pantanal),seja em áreas de dunas de areia (no cerrado).Atualmente, a Rede Energia conta com um aerobarcopara levar seus técnicos para a manutenção de todainfraestrutura em regiões afastadas. Quando não hácondições de tráfego pelas estradas, ou quando parteda região fica debaixo d’água no período chuvoso,há a necessidade de construção de jangadas para otransporte de cada poste (550 quilogramas, em média)e dos cabos pelos rios.São usados barcos grandes que transportam até 4 miltoneladas, além de balsas pequenas. Há a necessidadede 20 homens para a instalação dos postes nesseslocais. Por terra ou areia, a ocorrência de atolamentodas carretas com os pesados postes é uma constante narotina dos colaboradores que, muitas vezes, acampamno local ou consertam pontes para completar opercurso com os postes.Para facilitar e agilizar a operação, a Rede Energiaestuda a implantação dos postes de fibra em regiõesribeirinhas nos próximos anos. São várias as vantagensdo modelo alternativo: o poste de fibra de vidro pesaquatro vezes menos, precisa de apenas quatro homenscomo mão de obra e é instalado mais rapidamente,além de ter vida útil de 80 anos – três vezes mais queo de concreto. (GRI 1.2) relatório de responsabilidade socioambiental 2009 29
  29. 29. Rede Energia Reconhecimentos (lista de prêmios) – (GRI 2.10) Os resultados obtidos pelas empresas da Rede Energia em 2009, em pesquisas de satisfação com o cliente, reforçam ainda mais a presença da gestão socioambiental responsável em todas as hierarquias da Companhia. Veja os resultados obtidos pela Rede Energia ao longo de 2009: Rede Energia • Holding ocupa 64ª posição no ranking dos 200 maiores grupos por receita bruta no Brasil, segundo a edição 2009 do anuário Valor Grandes Grupos, do jornal Valor Econômico. A companhia também é destaque entre os 20 maiores em patrimônio líquido. • Holding é a 53ª colocada no ranking dos 100 maiores grupos empresariais, segundo a edição 2009 do anuário Melhores & Maiores que mede o desempenho financeiro das maiores empresas e dos principais setores da economia brasileira da revista Exame. Dentre as 100 maiores empresas de capital aberto, a Rede Energia ocupa a 80ª posição • Prêmio Top Social, concedido pela Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil (ADVB) ao projeto “Rede Atletismo Novos Talentos”, na categoria “organizações e profissionais que se destacam em programas relacionados às ações de responsabilidade social”. • Prêmio Funcoge, concedido pela Fundação Coge, para o projeto “Rede Atletismo Novos Talentos”. Celtins • Prêmio Eletricidade 2009 – Categorias “Melhor Evolução Nacional”, “Melhor Empresa” (região Norte) e “Melhor Evolução” (região Norte). A Celtins já conquistou premiações como a “Melhor Empresa da região Norte” nas edições de 2000, 2001, 2002 e 2004.30
  30. 30. • Prêmio IASC – Índice ANEEL de Satisfação do Consumidor,conquistado pela quinta vez: 2002, 2003, 2004, 2006 e 2009.• Prêmio SESI Qualidade no Trabalho (PSQT) - Pioneirano setor, a premiação destaca o esforço das indústriasque investem em práticas diferenciadas de gestão e navalorização dosseus colaboradores.Vale Paranapanema• Prêmio Nacional de “Melhor Distribuidora de EnergiaElétrica”, na categoria até 500 mil consumidores – ABRADEE.• Avaliação pelo cliente.• Melhor evolução do desempenho. Troféu Prêmio ABRADEECFLOPrêmio Eletricidade Moderna – “Melhor Empresa Nacional”,“Menor Índice de Perdas”, “Melhor Desempenho Comercial”e “Melhor Desempenho Operação”, na categoria MédiaEmpresa.CematPrêmio ABRADEE – “Melhor Distribuidora de Energia dasRegiões Norte e Centro-Oeste”, com mais de 500 milconsumidores.Enersul• Prêmio Eletricidade Moderna – “Melhor Distribuidora daregião Centro-Oeste”.• Medalha Eloy Chaves.• Foi certificada, pelo quinto ano consecutivo, com o seloABRINQ.• “Prêmio de Qualidade do Trabalho do Serviço Social daIndústria (SESI)” – organismo vinculado à Federação dasIndústrias de Mato Grosso do Sul –, como a melhor empresado Estado que promove a qualidade de vida do trabalhador ede seus dependentes, com foco em educação, saúde e lazer. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 31
  31. 31. Governança Corporativa Capítulo 2
  32. 32. Governança Corporativa Valores, transparência e governança A satisfação dos stakeholders e a busca da sustentabilidade do negócio são compromissos assumidos pela Rede Energia. Na prática dos negócios, tem prevalecido a transparência no relacionamento com as partes envolvidas, com prestação de contas de cada ação e de seus respectivos impactos. Durante reunião do Conselho da Administração da Rede Energia, em fevereiro de 2009, foi aprovada a criação do Comitê de Gestão e as diretrizes para seu funcionamento. O Comitê de Gestão prestará assessoria ao Conselho de Administração, e seu escopo de atuação abrangerá a Rede Energia e suas controladas. Dentro dos princípios de governança corporativa, a Rede Energia não permite a participação de familiares do acionista controlador na gestão, diretoria ou no conselho de administração. A eficácia dessa norma evitou o registro de conflitos de interesse na Companhia ao longo de 2009. Dentro das práticas estabelecidas pela Rede Energia, qualquer desentendimento entre gestores passaria, primeiramente, pelos gestores de recursos humanos; na sequência, pela diretoria; e, em última instância, pelo presidente do Conselho de Administração. (GRI 4.6) Pelo organograma da companhia, faz parte da responsabilidade do Conselho de Administração, a avaliação do desempenho da Diretoria Executiva e da gestão dos negócios. (GRI 4.10) Ainda faz parte das práticas estabelecidas pela Rede Energia, a avaliação, pela presidente da Companhia, do desempenho econômico, social e ambiental e do cumprimento das metas por parte dos integrantes da diretoria executiva. São realizadas reuniões mensais nas quais comparecem os vice-presidentes para apresentarem os avanços e desafios das empresas controladas nas áreas de atuação. As estratégias corporativas são construídas com base nessas reuniões. (GRI 4.9)34
  33. 33. Estrutura de governançaComo uma sociedade anônima de capital aberto,a governança da Rede Energia estrutura-se a partirda Assembléia Geral de Acionistas, responsável pelodirecionamento da empresa.A Assembléia Geral Ordinária da Companhia ocorreaté o final de abril de cada ano, ocasião em que háa aprovação das Contas da Administração, por meiodo Relatório da Administração e das DemonstraçõesFinanceiras, acompanhadas dos Pareceres dos AuditoresIndependentes e do Parecer do Conselho Fiscal. Poderá,ainda, ser convocada Assembléia Geral Extraordinária deAcionistas para deliberar sobre quaisquer outros assuntosde interesses da Companhia.A Companhia é administrada por um Conselho deAdministração e uma Diretoria Executiva. O mandato deambos é de dois anos, sendo permitida a reeleição. Osrespectivos mandatos terminarão na data da AssembléiaGeral que examinar as contas relativas ao último exercíciode suas gestões. (GRI 4.01)A Rede Energia, por tratar-se de companhia de capitalaberto, está sempre atenta ao cumprimento dasnormas do mercado de capitais, com ênfase nas normase orientações expedidas pela Comissão de ValoresMobiliários – CVM (“CVM”). relatório de responsabilidade socioambiental 2009 35
  34. 34. Governança Corporativa Política de Divulgação e Negociação Em conformidade com a Instrução nº 358 da CVM, a Companhia possui uma política de divulgação e de negociação por meio do “Manual das Políticas de Uso e Divulgação de Informações Relevantes e de Negociação dos Valores Mobiliários de emissão da Companhia” A política de divulgação e negociação da Rede Energia formaliza a postura de transparência, ampla disseminação, acuidade e suficiência de informações relevantes, relativas à Companhia, que sempre orientou a conduta da Administração. Todos os administradores estatutários (Conselheiros de Administração, Fiscal e Diretores) aderiram à política de divulgação e de negociação no ato de suas eleições, podendo ser estendida a outros cargos de confiança. Compõem o Conselho de Administração: (GRI 4.03) Órgão Nome Indicação Presidente Jorge Queiroz de Moraes Junior Controlador Conselheiro Administrativo Alberto José Rodrigues Alves Controlador Conselheiro Administrativo Antonio da Cunha Braga Controlador Conselheiro Administrativo Sebastião Bimbati Controlador Conselheiro Administrativo Omar Bittar Controlador Conselheiro Administrativo Plácido Gonçalves Meirelles Controlador Conselheiro Administrativo Joaquim Dias de Castro BNDESPAR Conselheiro Independente Martus Antonio Rodrigues Tavares Independente Conselheiro Independente João Carlos Hopp Independente36
  35. 35. Conselho de AdministraçãoO Conselho de Administração é composto por no mínimo setee no máximo de nove membros, sendo dois deles conselheirosindependentes: João Carlos Hopp e Martus Antonio RodriguesTavares. (GRI 4.3) A composição do Conselho conta, ainda,com um representante da empresa BNDES ParticipaçõesS.A (BNDESPAR) e os demais são indicados pelo acionistacontrolador, todos com mandatos de dois anos, podendoser reeleitos.A presidência do Conselho de Administração é exercidapelo acionista controlador, responsável pela elaboração deestratégias de longo prazo e pela formulação das políticase diretrizes da Companhia. Os membros do Conselho deAdministração permanecem no exercício da função até aposse de seus sucessores. (GRI 4.02)Todos os membros do conselho da Rede Energia têmparticipação no capital social da companhia, conformeexigência da lei corporativa do país.Em 2009, o Conselho de Administração realizou 14 reuniõespara aprovação das demonstrações contábeis, eleição e/ousubstituição dos membros da Diretoria Executiva, aprovaçãodas operações financeiras e/ou contratações cujos valoressejam superiores a 5% (cinco por cento) do total de ativos daCompanhia, planejamento estratégico, elaboração de projetose investimentos diversos, e ainda, reúne-se sempre que osinteresses da sociedade as exigirem. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 37
  36. 36. Governança Corporativa Jorge Queiroz de Moraes Junior Alberto José Rodrigues Alves Antonio da Cunha Braga – É Presidente do Conselho de – É membro do Conselho – É membro do Conselho Administração desde abril de de Administração desde de Administração, tendo 1995. É Diretor Presidente da abril de 1995. É Diretor ingressado na Rede Energia Denerge e Presidente do Conselho Vice-Presidente da Denerge desde 1998, exercendo o cargo de Administração da EEVP e de e membro do Conselho de de Diretor de Distribuição. É outras subsidiárias da Rede Energia. Administração da Denerge, formado como Eletrotécnico Também preside o Conselho de EEVP e de outras subsidiárias pelo Instituto Americano de Administração da REDEPREV - da Rede Energia. Formado Lins, e em Administração de Fundação Rede de Previdência. Até em Engenharia Elétrica, com Empresas e Economia pelas 1999, atuou como professor adjunto especialização em Eletrônica, Faculdades Integradas de da Faculdade de Administração da pela Escola de Engenharia Marília, e ainda, possui MBA em Fundação Getúlio Vargas. Formado Mauá. Possui MBA e Administração Geral pela USP em Engenharia Naval pela Escola mestrado em Finanças e – Universidade de São Paulo. Politécnica da Universidade de Economia pela Fundação São Paulo, possui mestrado em Getúlio Vargas. Administração de Empresas e PhD em Finanças e Economia pela Universidade de Michigan.38
  37. 37. Sebastião Bimbati Omar Bittar Plácido Gonçalves Meirelles– É membro do Conselho de – É membro do Conselho – É membro do ConselhoAdministração de várias empresas de Administração desde de Administração desde abril de 2000. Tambémcontroladas pela Rede Energia desde 1995, dezembro de 2005. É atua como Conselheiro dasendo, atualmente membro do Conselho sócio-proprietário da EEVP e é Diretor Executivode Administração das seguintes empresas Omar Bittar Assessoria da Nacional e Bragantina.controladas: Empresa de Eletricidade e Consultoria Jurídica É sócio-proprietário da TroisVale Paranapanema S.A., Rede Energia S/C. Foi vice-presidente da Elles Modas e Confecções.S.A., Centrais Elétricas do Pará S.A – CELPA, CODETEC – Companhia Atuou como membro do Conselho Consultivo daCompanhia de Energia Elétrica do Estado de Desenvolvimento REDEPREV e como Diretor dado Tocantins – CELTINS, Centrais Elétricas Tecnológico de Campinas. Termocerâmica São Martinho.Matogrossenses S.A. – CEMAT, Companhia Formado em Direito pelaForça e Luz do Oeste, Tangará Energia S.A, Faculdade de Direito deVale do Vacaria Açúcar e Álcool S.A., Couto Niterói, Rio de Janeiro,Magalhães Energia S.A.. Foi Gerente e em Administração deFinanceiro e Contábil da Companhia Empresas pela FundaçãoEnergética de São Paulo. É formado em Getúlio Vargas.Economia pela Faculdade ArmandoÁlvares Penteado-SP. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 39
  38. 38. Governança Corporativa Joaquim Dias Castro Martus Antonio Rodrigues João Carlos Hopp – É membro do Conselho de Administração Tavares – É membro do Conselho da Rede Energia S.A e CTX Participações – É membro do Conselho de de Administração desde S.A, empresa controladora da Contax, Administração desde julho de dezembro de 2005. É maior empresa brasileira de contact center. 2006. É Vice-Presidente Executivo Conselheiro da Cemat Também, desde abril de 2008, é membro da Federação das Indústrias e membro do Conselho suplente do Conselho de Administração do Estado de São Paulo (FIESP). Consultivo da Açucareira da Telemar Participações S.A., da Tele Norte Foi Secretário da Fazenda e do Corona S/A. Lecionou na Leste Participações S.A. e da Light Energia Planejamento do Estado de Faculdade de Administração S.A.. Em 2003 foi membro do Conselho São Paulo, em 2005, e atuou da Fundação Getúlio Vargas. de Administração da Telemig Celular como Diretor Executivo do BID É formado em Economia pela Participações S.A. É Gerente da Área de pelo Brasil e Suriname, de 2002 Faculdade de Economia de São Mercado de Capitais do BNDES, no qual a 2004. Possui mestrado em Paulo da Fundação Armando trabalha desde 2004. Possui formação Economia pela Universidade Álvares Penteado. (GRI 4.7) em Economia pela Universidade Federal de São Paulo. do Rio Grande do Sul, concluído em 2000, e mestrado em economia pela EPGE/FGV (Rio de Janeiro), concluído em 2008.40
  39. 39. Diretoria ExecutivaA Diretoria Executiva da Rede Energia é eleita peloConselho de Administração e composta por até seismembros, que podem ou não ser acionistas, residentesno país, sendo permitida a reeleição. Os DiretoresExecutivos são responsáveis pela gestão diária dosnegócios e pela implantação das resoluções tomadaspelo Conselho de Administração. As atribuições daDiretoria Executiva são estabelecidas pelo EstatutoSocial e pelo Conselho de Administração.Em 2009, integravam a Diretoria Executiva da RedeEnergia: um Diretor Presidente, um Diretor Vice-Presidente Executivo, um Diretor Administrativo eFinanceiro, um Diretor de Distribuição, um Diretor deProdução e Transmissão e um Diretor Gerente. Compõem a Diretoria Executiva: Diretora Presidente e de Relação com Investidores Carmem Campos Pereira Diretor Vice-Presidente Executivo Valdir Jonas Wolf Diretor Administrativo e Financeiro Ricardo Del Guerra Perpetuo Diretor de Distribuição Sidney Simonaggio Diretor de Produção e Transmissão José Eduardo Costanzo Diretor Gerente Alexei Macorin VivanCarmem Campos Pereira– Presidente da Rede Energia e membro daDiretoria Executiva desde maio de 1998. ÉDiretora Executiva Financeira da EEVP e de outrassubsidiárias da Rede Energia. Também é DiretoraFinanceira da Fundação Aquarela. É formada emDireito pelas Faculdades Metropolitanas Unidas,em Administração de Empresas pela UniversidadeSão Judas Tadeu e possui mestrado em GestãoFinanceira pela Universidade de São Paulo. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 41
  40. 40. Governança Corporativa Valdir Jonas Wolf Ricardo Del Guerra Perpétuo – É membro da diretoria da Cemat – É membro da Diretoria Executiva desde outubro de 2009. desde 1997 e membro da diretoria Atuou na área Financeira de Techint Engenharia S.A., Banco desde maio de 2005. Atua no setor de Boston, Civilcorp Engenharia, Construção e Incorporação elétrico desde 1979, trabalhou na CFLO Ltda. Foi Diretor Financeiro da Método Engenharia S.A. por 08 (oito) anos. Atualmente ocupa Em 1999 passou a ser Diretor Financeiro e de Relação com o cargo de Vice-Presidente de Assuntos Investidores da Sanepar - Cia de Saneamento do Paraná. Em Regulatórios da Rede Energia S.A, 2003/2004 assumiu a Diretoria Financeira e de Relação com onde é responsável pela coordenação Investidores da Amazônia Celular S.A., Telemig Celular S.A., e acompanhamento de todos os Tele Norte Celular S.A. e Telemig Celular Participações S.A. Em atos ligados ao Poder Concedente, 2007 trabalhou na Diretoria Financeira da TRB Trump Realty bem como coordena e executa todo e na Inpar S.A. Em 2008, assumiu a Diretoria Financeira e o processo tarifário da Companhia. de Relação com Investidores da Construtora Tenda e até É formado em Contabilidade pela setembro de 2009 ocupava o cargo de Diretor Financeiro Faculdade de Filosofia, Ciências e do Grupo Schahin- Schahin Engenharia S.A. É formado em Línguas de Guarapuava. engenharia civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie e em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas.42
  41. 41. Sidney Simonaggio José Eduardo Costanzo Alexei Macorin Vivan– É membro da Diretoria Executiva desde – É membro da Diretoria – É Bacharel em Direitomaio de 2009. Foi Diretor de Geração e Executiva desde março pela Faculdade de Direito daTransmissão da Eletropaulo Eletricidade de 2004. Foi responsável Universidade de São Paulode São Paulo S.A no período de out/1995 pela coordenação das – 1996, Advogado inscritoa dez/1997, e exerceu outros cargos de usinas hidrelétricas de na OAB/SP e Doutor emdireção e gerência, tendo ingressado como Rosal, Guaporé e Lajeado. Direito pela Universidade deEngenheiro de Operação de Sistemas desde Foi diretor de Engenharia São Paulo - 2005. Foi Diretormarço/1980. É formado em Engenharia e Construção da CESP Jurídico da CMS EnergyElétrica modalidade Eletrotécnica (1979) – Companhia Energética Brasil; Advogado interno de- Faculdade de Engenharia Industrial (São do Estado de São Paulo e Duke Energy ParanapanemaBernardo do Campo/SP), com Mestrado Diretor de Construção da S.A. (cedido pelo Pinheirosem dissertação na área de Sistema de Badra S.A. É formado em Neto - Advogados);Potência (1982) - Escola Politécnica da Engenharia Civil pela Escola Estagiário e Advogado deUniversidade de São Paulo (São Paulo/SP). de Engenharia de São Pinheiro Neto – Advogados.É formado também em Direito (2004) Carlos, da Universidade É diretor de outras empresas- Pontífice Universidade Católica/RS (Porto de São Paulo. controladas da Rede Energia.Alegre/RS). relatório de responsabilidade socioambiental 2009 43
  42. 42. Governança Corporativa Conselho Fiscal O Conselho Fiscal, órgão responsável pela fiscalização dos atos de gestão da Administração da Companhia, conforme estabelecido no seu Estatuto Social, sendo seus membros eleitos anualmente pela Assembléia Geral Ordinária. O Conselho Fiscal é um órgão permanente composto por, no mínimo, três membros e, no máximo, cinco, com igual número de suplentes substitutos, sendo que no mandato de 2009, um membro efetivo e um membro suplente são indicados pela acionista BNDES Participações S.A (BNDESPAR) e os demais pelo acionista controlador. Compõem o Conselho Fiscal Conselheiro Efetivo Fernando Quartim Barbosa de Figueiredo Controlador Conselheiro Efetivo Carlos Souza Barros de Carvalhosa Controlador Conselheiro Efetivo Osmar José Vicchiatti Controlador Conselheiro Efetivo Annibal Ribeiro do Valle Filho Controlador Conselheiro Efetivo Rafael Costa Strauch BNDESPAR Suplente Antonio Carlos de Paula Controlador Suplente Marcos de Jesus Costa Controlador Suplente Otmar Mário Brull Controlador Suplente Kleber Cimini Lage Controlador Suplente Marcelo Marcolino BNDESPAR44
  43. 43. Os membros do Conselho Fiscal permanecem em seuscargos até a data da realização da Assembléia GeralOrdinária de acionistas que deliberar sobre as contasdo exercício de suas gestões, ou seja, até abril do anoseguinte ao ano de sua eleição. Acionistas com, nomínimo, 10% do capital votante da empresa têm direito aeleger um membro do Conselho Fiscal. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 45
  44. 44. Governança Corporativa Fernando Quartim Barbosa de Figueiredo Carlos Sousa Barros – É membro do Conselho Fiscal, tendo exercido vários cargos de Carvalhosa de Administrador na Rede Energia e em empresas por ela – Membro do Conselho controladas desde 1985 a 1988, e ainda, como consultor, Fiscal desde abril de 2006. desde 1988 a 1995. Foi consultor do Grupo Vicunha e do É também membro do Banco Safra para assuntos de privatização – 1994/1995, Conselho Fiscal da Celpa, assessor do Secretário na Secretaria de Planejamento e Cemat e Celtins. Foi gerente da Gestão de São Paulo – 1994/1995; coordenador de Recursos CNBO – Produtora de Energia Hídricos da Secretário de Recursos Hídricos Saneamento e Elétrica Ltda., de 1997 a 1998, Obras São Paulo – 1993/1994; coordenador de Energia da e Diretor de Investimentos Secretaria de Energia e Saneamento, São Paulo – 1992/1993; Incentivados da Investco. É Diretor de Concessões do Dep. Nacional de Águas e Energia Engenheiro Civil formado Elétrica -DNAEE –1991/1992; Diretor do Departamento de pela Escola Politécnica da Energia do Instituto de Engenharia de São Paulo – 1993. Universidade de São Paulo. É formado em Engenharia pela Escola de Engenharia de Mauá – 1966 e Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas – 1972.46
  45. 45. Osmar José Vicchiatti Annibal Ribeiro– Membro do Conselho Fiscal do Valle Filhodesde abril de 2006. É membro – Membro do Conselho Fiscal desdedo Conselho Deliberativo da abril de 2000. Foi Gerente TécnicoREDEPREV. Foi Diretor da EEB e da Construtora Beter S.A., e GerenteDiretor e Membro do Conselho de Planejamento, Orçamento ede Administração de outras Controle da Badra S.A., de 1982 aempresas controladas pela 1995. É sócio-gerente da PlanorcRede Energia de 1980 a 2003. Serviços de Engenharia S/C Ltda. FoiÉ graduado em Administração professor da Escola de Engenharia dede Empresas e Ciências Alfenas, Minas Gerais. É formado emEconômicas pela Universidade Engenharia Civil pela Universidadede São Paulo. Federal de Minas Gerais, com curso de especialização em Administração pela Fundação Getúlio Vargas. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 47
  46. 46. Governança Corporativa Rafael Costa Strauch Antonio Carlos Marcos de Jesus Costa – Membro do Conselho de Paula – Membro do Conselho Fiscal desde abril – Membro do Conselho Fiscal desde abril de 2008. É de 2008. É formado Fiscal desde abril de 2000. formado em Publicidade e em Economia pela É gerente de projetos da Propaganda pela Faculdade Universidade Federal Ericsson Telecomunicações. de Comunicação Social do Rio de Janeiro, em Engenheiro Elétrico Cásper Líbero e tem MBA Administração de formado pela Universidade em Gestão Estratégica e Empresas pelo IBMEC de Mogi das Cruzes, com Econômica pela Fundação e mestrando pela extensão em Contabilidade Getúlio Vargas. EPGE/FGV-RJ. e Finanças para Executivos e Gerenciamento de Empreendimentos pela Fundação Getúlio Vargas.48
  47. 47. Otmar Mário Brull Kleber Cimini Lage Marcelo Marcolino– Membro do Conselho – Engenheiro Eletricista formado – Membro do ConselhoFiscal desde abril de 2008. pela Universidade Federal de Goiás. Fiscal desde abril deÉ formado em Engenharia Foi professor do Departamento de 2008. É formado emCivil e Elétrica pela Eletrotécnica da Escola de Engenharia Ciências Contábeis pelaUniversidade Mackenzie. desta mesma universidade. Atuou na Universidade do Estado do área de engenharia nas Centrais Elétricas Rio de Janeiro. Tem MBA de Goiás S.A. (Celg), de 1968 a 1975, e em Finanças e Direito pela posteriormente passou a exercer o cargo Fundação Getúlio Vargas, de Diretor de Operações. Foi Diretor do e MBA Executivo em Departamento Estadual de Águas e Finanças Corporativas Energia Elétrica de Goiás e Assessor da pelo IBMEC - RJ. Diretoria da Eletronorte em 1983. Atuou como Diretor de Planejamento da Celtins e como Diretor Estatutário da Investco S.A., de 1998 a 2003. Exerceu ainda o cargo de Assessor da Rede Energia de 2003 a 2006. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 49
  48. 48. Governança Corporativa Comitês Comitê de Gestão Dentre as práticas de governança corporativa, o Conselho de Administração deliberou pela criação do Comitê de Gestão, cujo funcionamento é de caráter permanente. O Comitê deverá ter quatro membros, sem hierarquia entre si, composto exclusivamente por membros do Conselho de Administração, sendo que ao menos um deve ser conselheiro independente, para um mandato de dois anos. O Comitê de Gestão reúne-se mensalmente para prestar assessoramento e orientação ao Conselho de Administração nos seguintes assuntos: (1) análise e acompanhamento do planejamento estratégico; (2) planejamento financeiro; (3) o orçamento anual; (4) o planejamento tributário; (5) o desempenho do negócio; (6) assuntos financeiros diversos e de interesse da Companhia e suas Controladas; e (7) cumprir as demais responsabilidades contidas nas Diretrizes do Comitê de Gestão. Grupos de Trabalho A Rede Energia conta com grupos de trabalho, de caráter permanente, compostos por superintendentes, diretores estatutários ou não e vice-presidentes. A composição é feita por designação do diretor vice-presidente, responsável pela área de atuação do grupo. Os grupos de trabalho reportam-se à presidência por intermédio dos vice-presidentes, nas respectivas áreas de atuação. Denominados internamente como comitês, os grupos de trabalho realizam análises técnicas, levantamentos das execuções e de propostas, cujo objetivo final é a apresentação das análises relativas ao cumprimento dos planos de trabalho e das metas estabelecidos pela diretoria executiva.50
  49. 49. Os grupos de trabalho atuam nas respectivas áreas:Administrativa e Financeira, Regulatória, Jurídica e deGestão de Pessoas, Distribuição e Gestão de Energia, sendopresididos pelos respectivos vice-presidentes, os quaispodem receber contribuições de terceiros.Os assuntos de interesse da sociedade são analisados emreuniões promovidas pelos comitês e, posteriormente,levados à presidência. Nessa instância, sugestões epropostas poderão ser encaminhadas ao secretário doConselho de Administração para eventual deliberação peloComitê de Gestão.Uma vez que as sugestões e propostas do grupo detrabalho sejam apreciadas pelo Comitê de Gestão, estepoderá recomendar a deliberação destas pelo Conselho deAdministração.Comitê de Responsabilidade SocioambientalA Rede Energia apresenta um Comitê de ResponsabilidadeSocioambiental constituído formalmente em 2008. Écomposto por representantes de todas as empresas para oalinhamento das práticas socioambientais na Rede Energia.O Comitê de Responsabilidade Socioambiental éresponsável pela elaboração do Relatório Anual deResponsabilidade Socioambiental da Rede Energia,que consolida as práticas da Holding e das empresascontroladas, distribuidoras, geradoras e comercializadorado grupo.Desde 2009, o Conselho de Administração e o ConselhoFiscal das empresas controladas se reúnem para apreciaçãoe aprovação dos Relatórios Anuais de ResponsabilidadeSocioambiental que seguem as diretrizes do GlobalReporting Initiative (GRI) e as exigências da AgênciaNacional de Energia Elétrica (ANEEL). relatório de responsabilidade socioambiental 2009 51
  50. 50. Governança Corporativa Estrutura societária da Rede Energia em 2009 (GRI 2.3) Holding BNDESPAR DENERGE EEPV OUTROS Distribuição (*) Capital Aberto Geração Comercialização e Serviços 23.88% 15.62% 56.43% 4.07% % Capital Total Bio Energia REDE ENERGIA (*) 100.00% 99.98% 100.00% EDEVP QMRA REDE POWER REDE COM 99.60% 51.26% 10.11% CELPA (*) REDE SERV 99.50% 39.92% CEMAT(*) TANGARÁ 70.78% 100.00% CAIUÁ VALE DO 60.48% VACARIA 50.86% CELTINS 91.45% EEB 98.69% 43.74% CNEE 97.70% CFLO 56.18% ENERSUL A Rede Energia é uma sociedade anônima de capital aberto (GRI 2.6), com patrimônio líquido consolidado de R$ 1.13 bilhões em 2009. O último processo de reestruturação societária ocorreu em 11 de setembro de 2008, quando a Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) aprovou a troca de ativos entre a Rede Energia e a empresa portuguesa EDP – Energias do Brasil. Pela operação, a Rede passou a deter o controle da Enersul, distribuidora de energia do estado de Mato Grosso do Sul, aumentando de 30% para 35% sua participação no mercado brasileiro de distribuição. Pelo acordo, a Usina Hidrelétrica de Lajeado, no Tocantins, foi transferida para a EDP - Energias do Brasil.52
  51. 51. Mercado de capitaisAs ações preferenciais (REDE4) e ordinárias (REDE3) da holdingRede Energia são listadas na BM&F Bovespa. Ao longo dos anos, aRede Energia segue implantado requisitos mínimos de governançacorporativa, exigidos para a adesão ao Nível 2, como a presençade conselheiros independentes no Conselho de Administração daholding. (GRI 4.1 e 4.2) No encerramento de 2009, o capital social daRede Energia era constituído 322.075.470 ações, das quais 221.157.990eram ações ordinárias (ON) e 100.917.480 mil, ações preferenciais(PN). A maior parte, 72,05% do total do capital social pertenciam aosacionistas controladores em 2009. O público investidor representava4,07% do capital acionário total da empresa.No encerramento de 2009, constavam como os maiores acionistasda Rede Energia: a Empresa de Eletricidade Vale Paranapanema(EEVP), com 56,43% do capital total, e Denerge – DesenvolvimentoEnergético S.A, com 15,62% do capital total, seguida pela acionistaBNDES Participações S.A (BNDESPAR), com 23,88% do capital total,por meio de um Acordo de Acionistas.Os acionistas da Rede Energia têm direito de receber comodividendo obrigatório, no mínimo, 25% do lucro líquido do exercícioem cada exercício, observadas as diminuições e acréscimospermitidos pelo Estatuto Social e pela Lei 6.404/76.Os acionistas titulares de ações preferenciais têm direito a receberdividendos não cumulativos, no mínimo, 10% superiores aosatribuídos às ações ordinárias, além das demais vantagens e direitosprevistos no Estatuto Social e Lei 6.404/76.Do resultado positivo do exercício de 2009, a Companhia, antesde qualquer participação, compensou prejuízos acumulados deexercícios anteriores, nos termos do que determina a Lei 6.404/76e o Estatuto Social. Por esse motivo, não houve distribuição dedividendos aos acionistas. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 53
  52. 52. Governança Corporativa Societário e Relação com Investidores A Companhia dispõe de uma área ligada diretamente à vice-presidência jurídica e de gestão de pessoas, especializada no atendimento aos acionistas, administradores e parceiros. A área é responsável pelo envio e pela disponibilização de informações periódicas e eventuais, tais como: informações padronizadas de mercado, editais de convocação, avisos aos acionistas, atas dos órgãos da administração, comunicados e fatos relevantes; utilizando-se do sistema Informações Periódicas e Eventuais (IPE), da CVM No site www.redenergia.com, há um link específico para a área de Relação com Investidores, denonimado “Investidores”, no qual estão disponíveis relatórios financeiros, informações sobre o desempenho das ações da Companhia, iniciativas relacionadas à Governança Corporativa e avisos, comunicados ao mercado e fatos relevantes que foram informados em 2009 e nos anos anteriores. Qualquer sugestão ou requerimento do acionista, enviado por telefone, carta, e-mail ou levado pessoalmente aos estabelecimentos ligados à Rede Energia, são encaminhados à Presidência. Auditoria Independente A posição patrimonial, financeira, aplicações e operações da Rede Energia – descritas nas demonstrações contábeis – são avaliadas por uma auditoria independente, de acordo com as Normas Brasileiras de Contabilidade e legislação do setor. O Conselho de Administração da Rede Energia54
  53. 53. escolhe, periodicamente, a empresa de auditoriaindependente, nos termos da Instrução nº 308/99da CVM que impede a prestação dos serviços deauditoria para um mesmo cliente por prazosuperior a cinco anos consecutivos.Mecanismos para que acionistas façamrecomendações ou dêem orientações aomais alto órgão de governança.Os acionistas podem se utilizar dos mecanismosacima referidos, bem como, de vários outros paraefetuar recomendações ou dar orientações àAdministração, tais como envio de carta à presidência,visita pessoal à sede social da Companhia e/ou manifestar-se por e-mail, disponível no sitecorporativo do grupo.Qualquer sugestão ou requerimento de acionistapode ser protocolado nos estabelecimentos e/oufiliais das empresas controladas pela Rede Energia.As solicitações serão encaminhadas à Presidência. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 55
  54. 54. Desempenho econômico financeiro Capítulo 3
  55. 55. Desempenho econômico financeiro Estratégia e modelo de gestão “Foi um ano de redefinição de papéis entre corporativo e empresas.” – Frase da Presidente Executiva Carmem Pereira. “Para atender às necessidades de um Brasil que cresce, e ser referência em gestão empresarial, é preciso evoluir.” Com este mote, a Rede Energia iniciou 2009 com um dos mais audaciosos programas já realizados na história da Companhia: o Evoluir. A implantação do programa deixará a Rede Energia alinhada às modernas práticas de gestão empresarial. O Programa Evoluir conta com sete projetos fundamentais: centro de serviços compartilhados; estruturação de processo de cobrança; estruturação da operação e engenharia; manual de controle patrimonial elétrico; Call Center; procedimento de distribuição e SAP. • Centro de Serviços Compartilhados (CSC) – Tem o objetivo de uniformizar os processos contábeis, fiscais e financeiros das empresas que formam a Rede Energia. • Estruturação do Processo de Cobrança (EPC) – Resultará em uma área de cobrança corporativa responsável pela elaboração de estratégias e pela implantação de melhorias, definindo as políticas e as normas para todo o grupo. • Estruturação da Operação e Engenharia (EOE) – Visa ao aumento de eficiência da área operacional da Rede Energia, aprimorando as estruturas de engenharia e de distribuição de cada distribuidora. A melhoria evitará o retrabalho entre as áreas, com economia de tempo e de recursos.58
  56. 56. • Manual de Controle Patrimonial do Setor Elétrico(MCPSE) – Atualizará o cadastro técnico, operacionale patrimonial de 100% dos ativos das empresas. Otrabalho levará três anos para ser concluído.• Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica(PRODIST) – A adequação dos procedimentos segue asorientações da Agência Nacional de Energia Elétrica(ANEEL). O resultado trará um ganho de escala emtodas as empresas da Companhia.• Call Center – Será todo reestruturado, de acordocom as determinações da Agência Nacional de EnergiaElétrica (ANEEL). Além de suprir as demandas da própriaempresa, prestará serviços às outras companhias.• Sistema de Gestão Empresarial – Com uminvestimento de R$ 40 milhões, a Rede Energiaserá modernizada com um novo software da SAP,empresa responsável pelo desenvolvimento da novaferramenta. O objetivo é integrar as áreas (tesouraria,cobrança, jurídico, infraestrutura, planejamento e frota,contabilidade e área fiscal) das diferentes empresasda Rede Energia. A previsão é de que a substituição doprocesso antigo pela nova ferramenta seja concluídaaté julho de 2011 nas nove empresas da Companhia.Além de maior agilidade, haverá 30% de economia porano no gasto com gestão.Em 2010, o sistema de gestão empresarial seráimplantado primeiramente nas empresas Cemat eCeltins. No ano seguinte, será a vez das empresasEnersul, Bragantina, Caiuá, Força e Luz do Oeste,Nacional, Vale Parapanema e Rede Comercializadora.O processo mobilizará a dedicação de cerca decem pessoas. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 59
  57. 57. Desempenho econômico financeiro Gestão de risco A Rede Energia e suas controladas possuem procedimentos de controles preventivos que monitoram sua exposição aos riscos de crédito, de mercado, de escassez de energia e aos riscos relacionados à Companhia e suas operações. Riscos de crédito Trata-se do risco da Companhia e de suas controladas incorrerem em perdas resultantes da dificuldade de recebimento de valores faturados a seus consumidores, suas concessionárias e permissionárias. A mitigação desse risco ocorre com a aplicação de procedimentos analíticos de monitoramento das contas a receber de consumidores, ações de cobrança e corte no fornecimento de energia. Outro fator que minimiza o risco de crédito é o perfil da carteira de crédito, que é pulverizada em um número expressivo de consumidores. Riscos de mercado Risco de mercado é a eventual perda resultante de mudanças adversas das taxas e preços de mercado. A Rede Energia está exposta a riscos de mercado decorrentes da atividade. Os riscos de mercado envolvem, principalmente, a possibilidade de que mudanças nas taxas de juros, taxas de câmbio e inflação afetem negativamente o valor dos ativos financeiros, fluxos de caixa e rendimentos futuros da Companhia. A mitigação desse risco ocorre por meio da aplicação de procedimentos de avaliação da exposição dos ativos e passivos ao risco de mercado e, consequentemente, da contratação de “hedge” junto às instituições financeiras de primeira linha. Risco operacional (GRI 4.11) As receitas operacionais da Rede Energia podem ser afetadas ou não por decisões da ANEEL em relação às tarifas praticadas. As tarifas cobradas pela venda de energia aos consumidores são determinadas de acordo com os contratos de concessão celebrados com a ANEEL e estão sujeitas à regulação da agência.60
  58. 58. A mitigação desse risco ocorre pelo monitoramento e pelaaplicação das normas e dos procedimentos definidospela ANEEL, e por um criterioso gerenciamento decustos operacionais.Risco de escassez de energia (GRI EU06)O sistema elétrico brasileiro é abastecido predominantementepela geração hidrelétrica. Um período prolongado de escassezde chuva, durante a estação úmida, reduziria o volume de águanos reservatórios dessas usinas, trazendo como consequênciao aumento no custo da aquisição de energia no mercado decurto prazo e a elevação dos valores de encargos de sistemaem decorrência do despacho das usinas termelétricas. Emoutra situação extrema, poderia ser adotado um programa deracionamento, que implicaria redução de receita. No entanto,considerando os níveis atuais dos reservatórios e as últimassimulações efetuadas, o Operador Nacional de SistemaElétrico (ONS) não prevê para os próximos anos um novoprograma de racionamento.Política de utilização de instrumentos derivativosO uso de derivativos tem o propósito de atender àsnecessidades da Rede Energia no gerenciamento deriscos de mercado – principalmente de riscos de variaçãocambial que possam resultar em perda financeira– decorrentes dos descasamentos entre moedas eindexadores. A Companhia e suas controladas possuemapenas operações de swap, sem outros instrumentosderivativos. As operações com derivativos são realizadaspor intermédio das superintendências financeiras, deacordo com a estratégia previamente aprovada pelosgestores da Companhia. Os contratos são fechadosem mercado de balcão, diretamente com instituiçõesfinanceiras de primeira linha. As operações comderivativos da Rede Energia e suas controladas nãopossuem verificadores nem chamada de margens,sendo liquidados integralmente no vencimento. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 61
  59. 59. Desempenho econômico financeiro Tecnologia e inovação (“P&D”) Os programas de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) da Rede Energia incentivam projetos inovadores que tragam soluções aos desafios tecnológicos do setor elétrico. Em parceria com as melhores universidades e com os mais avançados centros de pesquisa do País, a Rede Energia busca a melhoria do produto e do serviço prestado aos clientes. Desde o início dos programas, a Rede Energia destinou R$ 160 milhões aos programas de P&D. Em 2009, houve o investimento aproximado de R$ 10 milhões em 48 projetos. Alguns dos projetos em andamento são: 1) Desenvolvimento de metodologia para estabelecimento de estrutura tarifária para o serviço de distribuição de energia elétrica entre as distribuidoras Proposto pela ANEEL, o estudo sobre a metodologia de construção de tarifas no setor elétrico é pesquisado pela Rede Energia. O projeto sugere uma estrutura tarifária horo-sazonal, orientando o consumo para as horas e os períodos nos quais o fornecimento de energia elétrica seja menos oneroso para o País. Dessa forma, aumentaria o uso mais racional do sistema elétrico, postergando a realização de investimentos futuros em sua expansão.62
  60. 60. 2) Redução de carbono nas cadeias de fornecimentode energia elétrica da Rede EnergiaO objetivo do projeto é realizar o inventário dasemissões de carbono na cadeia de energia elétrica e,assim, elaborar um estudo de viabilidade econômicapara Projetos de Mecanismo de DesenvolvimentoLimpo (MDL) de redução de carbono e criar estratégiaspara a compensação e neutralização de emissõesde carbono nas cadeias de geração, transmissão edistribuição de energia elétrica.3) Sistema de gerenciamento e centralização decomunicação móvel de dados de voz comtransmissão híbridaA meta é desenvolver um sistema de comunicaçãohíbrida (TCP/IP, rádio VHF/UHF, GPRS/GSM e satélites)para transmissão móvel de dados de voz em diferenteslocalidades. Haveria a integração de tecnologiasexistentes e o desenvolvimento de softwares ehardwares dedicados às especificidades do sistema decomunicação das empresas cooperadas.A Rede Energia já desenvolveu um projeto que resolveo problema de comunicação entre a área que cuidado atendimento ao cliente e o funcionário que faz oatendimento presencialmente. O sistema de despachodecodifica e envia informação. Ao mesmo tempo, oemissor da informação recebe o relatório, confirmandoa chegada dela. É uma maneira de se evitar o extraviode mensagens. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 63
  61. 61. 4) Projeto de segmentação de atendimento de clientes por nichos não convencionais A meta é, a partir de pesquisa de opinião, segmentar o atendimento de clientes do grupo A (ligados em média e alta tensão – acima de 13,8 KV), dividindo-os por interesses e demandas comuns. Assim, segmentos64
  62. 62. de mercado como aviários, consumidores em etapasde projetos, corporativos, grandes consumos, entreoutros, terão um plano diferenciado de atendimento, oque deverá melhorar continuamente o relacionamentodeste segmento de mercado com as distribuidorasda Rede Energia. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 65
  63. 63. Desempenho econômico financeiro Resultados financeiros Lucro líquido O resultado econômico-financeiro da Rede Energia foi positivo em 2009, com lucro líquido consolidado de R$ 20,3 milhões. Quando consideradas apenas as nove distribuidoras, o lucro líquido somado representa o montante de R$ 466,6 milhões em 2009, ou seja, 285,1% superior ao de 2008, quando foi registrado R$ 121 milhões. O aumento percentual de 285,1% é significativo, se avaliado que, nos primeiros meses de 2009, devido ao temor da crise financeira global iniciada em meados de 2008, a atividade econômica local se restringiu, principalmente, na região Norte do País – área de concessão da Rede Energia. O próprio consumidor acabou pisando no freio em termos de consumo, especialmente nos primeiros meses do ano, quando a crise ainda estava iminente. Conseqüentemente, houve menor consumo de energia elétrica. Mesmo assim, os investimentos da Rede Energia foram mantidos em 2009, ainda que em uma escala mais modesta que a do ano anterior. Principais indicadores financeiros (GRI 2.8 e EC01) Dados Econômicos 2009 2008 Var% Receita Operacional Bruta - R$ mil 7.586.966 6.075.141 24,9% Receita Operacional Líquida - R$ mil 5.044.554 3.995.756 26,2% EBITDA - R$ mil 1.187.610 993.963 19,5% Margem EBITDA (%) 23,5% 24,9% -5,4% Lucro Líquido - R$ mil 20.338 179.169 -88,6% Lucro Líquido Combinado das Distribuidoras - R$ mil 466.622 121.170 285,1% Investimento Bruto - R$ mil 885.830 1.482.764 -40,3%66
  64. 64. Receita operacionalA receita operacional bruta consolidada da Rede Energia– composta pela receita de fornecimento ao consumidorfinal, fornecimento de energia para revenda (suprimento)e receita do uso do sistema de distribuição (“TUSD”)– aumentou 24,9%, passando de R$ 6.075,1 milhõesem 2008 para R$ 7.587,0 milhões em 2009, devido aocrescimento do mercado em 15,1%. Também houve oaumento da tarifa média anual em 8,5% e o processo deconsolidação da Enersul a partir de setembro de 2008,data da aquisição da concessionária.Em relação à receita operacional líquida consolidadada Rede Energia, foi registrado o incremento de 26,2%,passando de R$ 3.995,7 milhões, em 2008, para R$ 5.044,5milhões, em 2009.EBITDAO EBITDA consolidado da Rede Energia somou R$ 1.187,6milhões, em 2009, contra R$ 994,0 milhões, em 2008. Ocrescimento de 19,5% (R$ 193,6 milhões) foi influenciado,principalmente, pelo expressivo aumento de 26,2% (R$1.048,8 milhões) na receita líquida.O Ebitda representa o resultado operacional calculadocom base no resultado do serviço das demonstrações doresultado, acrescido da depreciação e amortização dasdemonstrações dos fluxos de caixa. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 67
  65. 65. Desempenho econômico financeiro Endividamento financeiro (GRI 2.8) Companhia O saldo da conta empréstimos, financiamentos, debêntures e encargos de dívida passou de R$ 1.065,0 milhões, em 2008, para R$ 1.431,9 milhões, em 2009, representando um aumento de 34,5% (R$ 366,9 milhões), dos quais 53,8% são dívidas em moeda nacional e 46,2% em moeda estrangeira. O aumento ocorreu, principalmente, devido ao saldo devedor dos bônus perpétuos que, embora tenha sido favorecido pela variação cambial, foi negativamente afetado pela variação da marcação a mercado (melhor cotação), decorrente da melhora da percepção de crédito da companhia pelo mercado financeiro e de capitais. O saldo dos empréstimos, financiamento e encargos líquido de caixa e aplicações passou de R$ 1.046,1 milhões, em 2008, para R$ 1.425,0 milhões, em 2009, aumento de 36,2% (R$ 378,9 milhões). Consolidado O saldo consolidado da conta empréstimos, financiamentos, debêntures e encargos de dívida passou de R$ 4.484,7 milhões, em 2008, para R$ 5.017,7 milhões em 2009, representando um aumento de 11,9% (R$ 533 milhões), dos quais 72,4% são dívidas em moeda nacional e 27,6% em moeda estrangeira. Reclassificando, portanto, as dívidas em moeda estrangeira, que estão protegidas das variações cambiais por meio de swap, para o grupo de moeda nacional, os percentuais passam a ser: 84,4% em moeda nacional e 15,6% em moeda estrangeira. Descontando as disponibilidades em caixa e as aplicações, o saldo líquido da conta empréstimos, financiamentos, debêntures e encargos de dívidas passou de R$ 4.088,7 milhões, em 2008, para R$ 4.603,7 milhões, em 2009, representando um aumento de 12,6% (R$ 515 milhões).68
  66. 66. Perfil do endividamento (Rede Energia) 0,7% 12,3% 25,7% BNDES Perpetual Bonds Dívida Bancária 46,1% Debêntures 15,2% 9,7% Curto Prazo Longo Prazo 90,3%Financiamento do endividamentoEm 2009, a Rede Energia realizou diferentes operaçõespara o alongamento do endividamento:• Bônus perpétuo – Houve a recompra parcial dos bônusperpétuos com deságio de 47,1% no final do ano. A favor daCompanhia, a variação cambial, no decorrer de 2009,contribuiu para a redução de R$ 837,7 milhões no saldodevedor em moeda estrangeira. No entanto, o efeito damarcação a mercado dos bônus perpétuos compensounegativamente esse ganho, reduzindo o saldo emmoeda estrangeira em R$ 237,5 milhões de 2008para 2009. relatório de responsabilidade socioambiental 2009 69
  67. 67. Desempenho econômico financeiro Desemprenho econômico financeiro Espaço Cultural José Gomes Sobrinho Palmas/TO • Debêntures – Foi feita a emissão de debêntures simples, com prazo de cinco anos, no valor de R$ 370 milhões em dezembro de 2009. Desse total, R$ 320 milhões foram usados na liquidação de notas promissórias. O restante foi usado para a composição do capital de giro da companhia. (GRI 2.9) • BNDES – Entrada da primeira tranche do banco no valor de R$ 100 milhões, referente ao Contrato de Financiamento para projetos de melhorias na área de concessão da Celpa, no Pará, no valor total de R$ 449,3 milhões. As próximas tranches estão previstas para 2010. • Eletrobrás – Incremento de R$ 73,4 milhões referente ao Programa Luz para Todos. Esses contratos contam com prazo para liquidação de 12 anos, sendo dois anos de carência e 10 anos para a amortização do principal. O custo da operação foi de 5% ao ano de juros e 1% ao ano de taxa de administração. (GRI EC04) • BID – Desembolso de R$ 15 milhões em dezembro de 2009. Os recursos serão aplicados na Celtins, no Tocantins.70
  68. 68. Distribuição do ValorAdicionado (DVA)O valor adicional gerado pela Rede Energia em 2009e distribuído aos funcionários, governo, financiadoresexternos e acionistas aumentou de R$ 4,3 milhões em2008 para R$ 4,9 milhões em 2009. Na distribuiçãodessa riqueza pela Rede Energia, a maior parte, 51,17%do valor gerado, teve como destino os cofres públi-cos (municipal, estadual e federal) com as taxas e osimpostos. Em segundo lugar, parte da riqueza (38,53%)foi destinada à remuneração de capitais de terceiros(despesas financeiras, aluguéis, encargos de dívidas evariações monetárias). Em 2009: R$ 4.948.642 Em 2008: R$ 4.288.654 51,17% governo 6,28% colaboradores(as) 54,37% governo 7,83% colaboradores(as) - 1,31% 38,53% 5,33% 0,80% 32,24% 6,36% acionistas terceiros lucros retidos acionistas terceiros lucros retidos relatório de responsabilidade socioambiental 2009 71

×