Anexo 1 balanço patrimonial 2011 (1)

1.213 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.213
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
817
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Anexo 1 balanço patrimonial 2011 (1)

  1. 1. Balanço Patrimonial, Relatório e Contas 2011
  2. 2. Mensagem da Superintendência No ano de 2011 a FURP deu continuidade a sua missão e valores institucionais, participando ativamente, com competência, responsabilidade e comprometimento das ações de assistência farmacêutica do Sistema Único de Saúde. Assumi a Superintendência da Fundação em maio, dois meses após ela completar 37 anos de existência e importantes e reconhecidos serviços prestados para a população, serviços esses que pela sua natureza constituem-se em motivo de orgulho para o corpo de funcionários da Fundação. O trabalho e dedicação de todos permitiram que colocássemos nossa produção de forma regular, atendendo as demandas de nossos parceiros representados no setor saúde pelo Ministério da Saúde, pelas Secretarias Estaduais, em especial de São Paulo, e pelas Secretarias Municipais, em especial na representação de seu Conselho de Secretários Municipais – COSEMSSP. A segunda unidade da FURP localizada em Américo Brasiliense está estabelecida e sua linha de produção de sólidos foi devidamente certificada pela Anvisa com produção complementar à Guarulhos. A produção regular depende do processo Parceria Público-Privada desencadeada no ano de 2011, e com perspectivas de encaminhamentos em 2012. Ao acompanhar, em nível federal, as gestões do Grupo Executivo do Complexo Industrial e as necessidades postas pelo Núcleo de Assistência Farmacêutica da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, a FURP participa, visando à necessária revisão de seu elenco de medicamentos, dos processos de transferência de tecnologia, que inclui medicamentos do Componente Básico, bem como do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica do SUS e, nessa linha de atuação, reativamos o Comitê de Análise da Linha de Produtos FURP, com participações do NAF/SES-SP e das Universidades Estaduais. Dentro do Programa Dose Certa, a FURP, que é responsável pelo fornecimento de 36 medicamentos (composta por 69 itens), distribuiu 1,25 bilhões de unidades farmacêuticas para os municípios que integram o Programa Dose Certa. Vale lembrar, ainda, que as unidades Farmácia Dose Certa, administradas pela FURP, dispensaram mais de 37 milhões de unidades farmacêuticas para a população paulistana. Não se pode deixar de citar o imprescindível serviço de logística – recebimento, armazenamento, controle e distribuição - de medicamentos dos Componentes Especializado e Estratégico, prestado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, cujo movimento atende a todos os municípios do Estado. A Fundação abriu as portas para o público externo, com a criação do “FURP em Debate”, evento de discussão sobre gestão e saúde, que contou em sua primeira versão, com a participação do Presidente do COSEMS-SP e Secretário Municipal de Saúde de São Bernardo do Campo, Dr. Arthur Chioro. Do ponto de vista interno, envidamos esforços para o aprimoramento dos procedimentos de comunicação entre os diferentes setores e no seio dos funcionários, visando a dar visibilidade às ações e aos processos praticados na instituição. A consulta feita aos funcionários mostrou-se bastante eficiente e proveitosa para captar sugestões de melhoria. Não obstante os transtornos gerados por acidentes e imprevistos que surpreenderam a todos, foram mantidas e implementadas, dentro das circunstâncias, as iniciativas para garantir 1
  3. 3. um ambiente harmônico e salutar de convivência de todos os funcionários da casa. Salienta-se, entre outros, o programa de vacinação dos funcionários contra a influenza sazonal e aquela gerada pelo vírus da influenza A H1N1. Sem ser exaustivo nas ações empreendidas no ano de 2011, pode-se afirmar que foi um período intenso de preparação e planejamento, para que a FURP, em 2012 e nos anos seguintes, possa cada vez mais ocupar um papel de destaque no cenário dos laboratórios farmacêuticos oficiais no Brasil, contribuindo, como sempre o fez com a qualidade que lhe é peculiar, para o aprimoramento e consolidação do SUS. Moisés Goldbaum – Superintendente 2
  4. 4. Sumário DESTAQUES DO ANO ....................................................................................... 02 DESEMPENHO Produção interna ............................................................................................... 03 Liberação de insumo e produto acabado ............................................................... 06 Faturamento .................................................................................................... 08 Expedição ........................................................................................................ 12 Farmácia Dose Certa ......................................................................................... 16 Pós venda ........................................................................................................ 18 Atendimento de solicitações de contratação de insumos ......................................... 23 Recursos humanos ............................................................................................ 28 Manutenção ..................................................................................................... 29 FINANCEIRO Balanço Patrimonial .......................................................................................... 32 Demonstração do Déficit / Superávit dos Exercícios 34 Demonstração das Mutações do Patrimônio Social ................................................. 35 Demonstração do Fluxo de Caixa ........................................................................ 36 Notas Explicativas da Administração às Demonstrações Contábeis............................ 37 Indicadores Financeiros...................................................................................... 44 Índices Comparativo Dezembro/2011 – Dezembro/2010......................................... 45 Análise Demonstração de Déficit / Superávit (Acumulado)....................................... 46 Comentários Relevantes sobre a Demonstração do Déficit....................................... 47 Demonstrativo do Faturamento............................................................................ 48 Gráfico de Análise de Desempenho....................................................................... 49 Comportamento da Receita Bruta (Faturamento) e Receita Realizada........................ 50 Participação na Receita Realizada......................................................................... 51 Participação do Estado de São Paulo, no Total da Receita Realizada.......................... 52 Demonstrativo do Déficit / Superávit.................................................................... 53 Demonstrativo do Contas a Receber..................................................................... 54 Demonstrativo de Clientes em Atraso de Pagamentos............................................. 55 Demonstrativo Receita Bruta Benefícios por Funcionário – Anual............................... 56 Fluxo de Caixa Orçado X Realizado....................................................................... 57 Relatório dos Auditores Independentes.................................................................. 58 1
  5. 5. Destaques do ano Produção FURP Durante o ano de 2011 foram produzidas mais de 1,7 bilhões de unidades farmacêuticas nas unidades de Guarulhos e de Américo Brasiliense. Novo Superintendente na FURP No mês de maio, Moisés Goldbaum assumiu como novo Superintendente. Acordo de transferência de tecnologia para produção de medicamentos Um acordo de transferência de tecnologia para produção de medicamentos para tratamentos de Parkinson e Alzheimer foi fechado entre a FURP e o Grupo Especial do Complexo Industrial em Saúde, do Ministério da Saúde. Vacinas são disponibilizadas aos profissionais da FURP Mais de 800 doses da vacina contra gripe e o vírus da H1N1 foram disponibilizados aos profissionais da Fundação. Questão de Sustentabilidade Durante a 26º SIPAT, realizada em 2011, foi criada a campanha de coleta de pilhas e baterias usadas. Foram arrecadados mais de 50 quilos. Campanha de Revitalização da Missão e Política da Qualidade Ações de conscientização sobre a importância da FURP dentro da assistência farmacêutica do SUS foram realizadas para todos os funcionários. Homenagem Os funcionários que atuaram nos incidentes, ocorridos na FURP em novembro, foram homenageados. Terreno é concedido à FURP O governador Geraldo Alckmin assinou a concessão do terreno à FURP, parte do espaço foi destinada também à prefeitura de Guarulhos para construção de um parque. 1ª edição do “FURP em DEBATE” No primeiro encontro, que contou também com a presença do presidente do COSEMS-SP, Arthur Chioro, foram discutidos assuntos relacionados à saúde e gestão. Repasse da FURP ao Programa Dose Certa Foram distribuídos 1,25 bilhões de unidades farmacêuticas para os 598 municípios integrantes do Programa. Logística, armazenamento, controle e distribuição Durante o ano de 2011, foram movimentados 354 milhões de unidades farmacêuticas de medicamentos dos Componentes Especializado e Estratégico, da Secretaria da Saúde, o qual representa uma movimentação de R$ 1,2 bilhão. 2
  6. 6. Produção interna Produção interna – unidade Guarulhos PRODUÇÃO MENSAL (em unidades farmacêuticas) 2010 2011 jan 22.706.350 11.641.400 fev 4.945.200 178.212.950 mar 45.989.771 126.365.710 abr 148.752.220 210.399.200 mai 110.630.340 172.151.160 jun 77.487.590 116.030.220 jul 147.423.407 101.031.900 ago 223.101.050 181.941.530 set 197.081.290 115.771.100 out 206.617.245 185.269.123 nov 213.868.067 157.739.650 dez 219.292.110 114.573.410 1.617.894.640 1.671.127.353 Unidades farmacêuticas produzidas ACUMULADO 250.000.000 200.000.000 150.000.000 100.000.000 50.000.000 0 jan fev mar abr mai jun jul 2010 ago set out nov dez 2011 Fonte: Gerência de Produção 3
  7. 7. Produção interna anual – unidade Guarulhos Unidades farmacêuticas produzidas Unidades farmacêuticas produzidas 2007 2008 2009 1.779.089.400 1.543.924.896 1.865.318.210 2010 1.617.894.640 2011 1.671.127.353 2.000.000.000 1.800.000.000 1.600.000.000 1.400.000.000 1.200.000.000 1.000.000.000 800.000.000 600.000.000 400.000.000 200.000.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Produção 4
  8. 8. Produção interna – unidade Américo Brasiliense PRODUÇÃO MENSAL (em unidades farmacêuticas) 2011 jan 0 0 fev 0 0 mar 0 0 abr 0 0 mai 0 0 jun 0 4.215.000 jul 0 1.800.000 ago 0 2.216.000 set 0 0 out 0 0 nov 4.220.000 0 dez 5.888.500 0 ACUMULADO Unidades farmacêuticas produzidas 2010 10.108.500 8.231.000 12.000.000 10.000.000 8.000.000 6.000.000 4.000.000 2.000.000 0 2010 2011 Fonte: Gerência Industrial da Unidade Américo Brasiliense 5
  9. 9. Liberação de Insumo e Produto Acabado Percentual de Liberação de Insumos ITENS jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Matérias primas 98,4 95,5 100,0 97,9 92,1 96,1 95,0 Materiais de embalagem 93,4 97,3 89,5 92,5 90,7 98,2 94,1 98,8 88,9 100,0 97,7 93,1 97,0 95,2 96,7 91,2 96,1 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 100,0 98,0 96,0 PERCENTUAL 94,0 92,0 90,0 88,0 86,0 84,0 82,0 jan/11 Matérias primas set/11 out/11 nov/11 dez/11 Materiais de embalagem 2007 2008 2009 2010 2011 Matérias primas 85,6% 90,8% 96,8% 96,0% 93,1% Materiais de embalagem 93,8% 91,2% 97,3% 94,9% 96,1% 120,0% Percentual 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% 2007 2008 Matérias primas 2009 2010 2011 Materiais de embalagem Fonte: Gerência de Controle de Qualidade 6
  10. 10. Percentual de Liberação de Produtos ITENS ÍNDICE DE APROVAÇÃO (%) = NÚMERO DE LOTES APROVADOS / NÚMERO DE LOTES ANALISADOS X 100 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Produtos intermediários 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 Produtos acabados 100,0 100,0 100,0 100,0 99,6 99,6 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 100,0 99,9 PERCENTUAL 99,8 99,7 99,6 99,5 99,4 jan/11 fev/11 Produtos intermediários ago/11 set/11 out/11 nov/11 2007 2008 2009 2010 2011 --- 100,0% 100,0% 100,0% 100,0% 99,8% 100,0% 99,9% 100,0% 100,0% Produtos intermediários Produtos acabados dez/11 Produtos acabados 120,0% Percentual 100,0% 80,0% 60,0% 40,0% 20,0% 0,0% 2007 2008 Produtos intermediários 2009 2010 2011 Produtos ac abados Fonte: Gerência de Garantia da Qualidade 7
  11. 11. Faturamento Unidades farmacêuticas faturadas MÊS PREVISTO REALIZADO REALIZADO 193.256.190 178.189.012 150.148.875 199.611.770 184.654.932 147.648.875 195.770.190 171.689.012 150.273.875 194.268.190 171.689.012 146.158.875 134.547.160 120.813.267 134.577.623 185.288.089 208.661.443 172.376.118 106.300.058 143.644.628 157.920.655 112.796.541 119.406.983 99.122.610 69,62% 67,80% 89,63% 92,82% 113,00% 116,75% 54,30% 83,67% 105,09% 58,06% 69,55% 67,82% 2.083.358.808 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 TOTAL JAN/11 DEZ/11 1.695.455.175 81,38% 300.000.000 250.000.000 UNIDADE S 200.000.000 150.000.000 100.000.000 50.000.000 0 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 PREVISTO jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 REALIZADO Fonte: Gerência de Administração de Vendas 8
  12. 12. Anual Unidades farmacêuticas faturadas Previsto Realizado 2007 2.449.807.599 2.190.943.778 2008 2.489.921.180 2.007.212.892 2009 1.875.700.200 2.077.608.845 2010 2.402.598.700 2.025.836.544 2011 2.083.358.808 1.695.455.175 2.500.000.000 UNIDADES 2.000.000.000 1.500.000.000 1.000.000.000 500.000.000 0 2007 2008 Previsto 2009 2010 2011 Realizado Fonte: Gerência de Administração de Vendas 9
  13. 13. Valor das unidades farmacêuticas faturadas (Valores em R$) MÊS jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 TOTAL JAN/11 DEZ/11 PREVISTO REALIZADO (*) REALIZADO 12.741.781,52 13.556.481,52 13.304.081,52 15.568.369,12 20.504.087,52 12.893.881,52 13.166.900,12 12.741.781,52 17.279.281,52 12.853.140,32 12.741.781,52 12.750.080,52 2.079.653,08 11.281.136,52 9.994.786,61 18.286.135,41 7.576.836,93 24.832.959,25 8.404.900,64 10.551.331,60 9.613.445,39 9.632.671,20 9.498.246,94 31.261.006,22 16,32% 83,22% 75,13% 117,46% 36,95% 192,59% 63,83% 82,81% 55,64% 74,94% 74,54% 245,18% 170.101.648,24 153.013.109,79 89,95% * O valor das unidades farmacêuticas faturadas inclui o programa Dose Certa e outros clientes. Para os produtos do Dose Certa é apresentado o valor repassado pela Secretaria Estadual de Saúde (SES), que difere do valor apurado nos DFMs (Documento de Fornecimento de Medicamento). 25.000.000 VALORES EM R$ 20.000.000 15.000.000 10.000.000 5.000.000 0 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 PREVISTO jul/11 ago/11 REALIZADO set/11 out/11 nov/11 dez/11 (*) NOTA: Na análise da série histórica mensal do valor das unidades farmacêuticas faturadas não existe equivalência direta entre as “unidades farmacêuticas faturadas” e o “valor das unidades farmacêuticas faturadas”, em função da composição específica de cada produto que apresentam valores unitários diferenciados. Por exemplo, o valor de uma pequena quantidade de produtos de alto valor agregado pode ser equivalente ao valor de uma grande quantidade de medicamentos de baixo valor unitário. Fonte: Gerência de Administração de Vendas 10
  14. 14. Anual Valor das unidades farmacêuticas faturadas Previsto Realizado 2007 158.512.159,70 124.254.472,62 (Valores em R$) 2008 2009 2010 2011 176.075.117,89 161.692.103,74 186.537.864,26 170.101.648,24 145.218.045,26 156.178.452,56 177.966.587,19 153.013.109,79 VALORES EM R$ 200.000.000,00 150.000.000,00 100.000.000,00 50.000.000,00 0,00 2007 2008 Previsto 2009 2010 2011 Realizado Fonte: Gerência de Administração de Vendas 11
  15. 15. Expedição Unidades farmacêuticas expedidas - Furp Mês Notas Fiscais (quant.) Peso (kg) jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 TOTAL: 2.245 2.562 1.337 1.983 3.004 1.642 1.735 3.143 2.581 1.706 822 1.382 24.142 200.516 181.124 232.238 300.166 305.340 222.931 175.322 240.390 274.498 193.300 189.108 154.784 2.669.717 Quantidade em Unidades Farmacêuticas 151.168.160 134.099.767 133.984.468 173.917.088 208.652.843 172.263.018 106.300.058 143.592.461 157.920.655 112.796.541 117.969.203 99.122.610 1.711.786.872 (*) Valor (R$) 9.619.344,42 9.740.749,01 11.800.479,96 13.919.598,04 16.224.896,77 21.921.923,22 7.926.737,22 12.812.827,57 12.267.991,57 9.334.865,13 8.937.927,68 8.812.840,29 143.320.180,88 * O valor da expedição se refere ao total apurado no programa Dose Certa e outros clientes, conforme os DFM (Documento de Fornecimento de Medicamentos) e DANFEs (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) emitidos. 350.000 PESO (kilogramas) 300.000 250.000 200.000 150.000 100.000 50.000 0 jan/1 1 fev/1 1 mar/1 1 abr/1 1 mai/11 jun/11 jul/1 1 ago/11 set/1 1 out/1 1 nov/1 1 dez/1 1 250.000.000 UNIDADES 200.000.000 150.000.000 100.000.000 50.000.000 0 jan/1 1 fev/1 1 mar/11 abr/1 1 mai/11 jun/11 jul/1 1 ago/11 set/1 1 out/11 no v/1 1 dez/1 1 Fonte: Gerência de Administração de Vendas 12
  16. 16. Anual Peso em kg 2007 3.961.768 2008 3.370.329 2009 3.929.101 2010 3.267.917 2011 2.669.717 PESO (Kilogramas) 4.000.000 3.500.000 3.000.000 2.500.000 2.000.000 1.500.000 1.000.000 500.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Unidades Farmacêuticas Expedidas - Furp UNIDADES FARMACÊUTICAS EXPEDIDAS 2007 2.130.874.505 2008 2.023.923.101 2009 2.080.552.384 2010 2.107.582.931 2011 1.711.786.872 2.500.000.000 2.000.000.000 1.500.000.000 1.000.000.000 500.000.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Administração de Vendas 13
  17. 17. Unidades farmacêuticas expedidas – Secretaria da Saúde Mês Faturas (quant.) Peso (kg) jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 TOTAL: 1.223 1.071 1.226 1.535 1.426 1.216 1.486 1.458 1.161 1.462 1.779 1.070 16.113 108.093 74.399 88.064 95.240 135.190 70.009 75.501 63.038 66.074 64.187 81.706 58.294 979.795 Quantidade em Unidades Farmacêuticas 29.603.375 27.760.318 36.476.546 44.776.267 47.751.598 25.298.825 33.091.174 17.312.964 22.735.201 24.507.619 25.508.252 19.182.663 354.004.802 Valor (R$) 75.540.190,73 94.535.540,85 38.707.352,95 164.602.003,23 119.097.472,50 41.629.615,08 126.965.209,95 102.320.423,44 70.631.419,79 124.828.641,14 159.893.370,88 56.191.122,82 1.174.942.363,36 PESO (kilogramas) 140.000 120.000 100.000 80.000 60.000 40.000 20.000 0 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 50.000.000 45.000.000 UNIDADES 40.000.000 35.000.000 30.000.000 25.000.000 20.000.000 15.000.000 10.000.000 5.000.000 0 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Fonte: Gerência de Administração de Vendas 14
  18. 18. Anual Peso em kg 2007 851.225 2008 1.069.876 2009 999.828 2010 923.953 2011 979.795 PESO (kilogramas) 1.200.000 1.000.000 800.000 600.000 400.000 200.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Unidades Farmacêuticas Expedidas – Secretaria da Saúde 2007 404.978.623 2008 545.379.526 2009 457.365.923 2010 347.405.581 2011 354.004.802 600.000.000 UNIDADES 500.000.000 400.000.000 300.000.000 200.000.000 100.000.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Administração de Vendas 15
  19. 19. Farmácia Dose Certa Receitas atendidas Janeiro 2011 Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto 44.753 40.866 44.195 44.202 46.293 41.137 40.798 47.580 Maio Junho Julho Setembro Outubro 50.923 40.976 Novembro Dezembro 29.727 24.458 Total 495.908 60.000 Nº de Receitas 50.000 40.000 30.000 20.000 10.000 0 Janeiro Fevereiro Março 2007 340.494 Abril 2008 491.776 2009 543.396 Agosto Setembro 2010 566.181 Outubro Novembro Dezembro 2011 495.908 600.000 Nº de Receitas 500.000 400.000 300.000 200.000 100.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 16
  20. 20. Unidades farmacêuticas dispensadas Janeiro 2011 Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto 3.388.484 3.031.095 3.221.750 3.354.276 3.430.177 3.067.714 2.923.727 3.514.044 Setembro Outubro Novembro Dezembro 4.019.510 3.575.743 2.382.210 1.722.257 Total 37.630.987 4.500.000 Unidade Farmacêutica 4.000.000 3.500.000 3.000.000 2.500.000 2.000.000 1.500.000 1.000.000 500.000 0 Janeiro Fevereiro Março 2007 21.297.652 Abril Maio 2008 30.937.003 Junho Julho 2009 34.678.857 Agosto Setembro 2010 38.575.760 Outubro Novembro Dezembro 2011 37.630.987 Unidades Farmacêuticas 40.000.000 35.000.000 30.000.000 25.000.000 20.000.000 15.000.000 10.000.000 5.000.000 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 17
  21. 21. Pós Venda Manifestações - total Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2011 118 48 51 103 67 57 50 82 48 110 99 53 886 Janeiro Fevereiro Março 120 Nº de Manifestações 100 80 60 40 20 0 Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro NOTA: Refere-se ao número de reclamações feitas ao SAC (Serviço de Atendimento ao Cliente) que geram Registro de Solicitação de Atendimento ao Cliente (RSAC). 2007 816 2008 1491 2009 1492 2010 802 2011 886 Nº de Manifestações 1.600 1.400 1.200 1.000 800 600 400 200 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 18
  22. 22. Manifestações – tipo: FARMACOVIGILÂNCIA Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2011 6 3 14 8 14 19 18 10 13 17 18 27 167 Maio Junho 30 Nº de Manifestações 25 20 15 10 5 0 Janeiro Fevereiro Março 2007 253 Abril 2008 209 Julho 2009 164 Agosto Setembro 2010 157 Outubro Novembro Dezembro 2011 167 Nº de Manifestações 300 250 200 150 100 50 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 19
  23. 23. PRODUTOS DE TERCEIROS * Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2011 1 8 1 16 1 0 1 29 1 47 42 13 160 * Produtos de Terceiros: Suspeita de desvio de qualidade de medicamentos adquiridos pela SES e distribuídos pelo Programa Dose Certa. 50 45 Nº de Manifestações 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Janeiro Fevereiro Março Nº de Manifestações 2007 sem medição Abril 2008 123 Maio Junho Julho Agosto 2009 164 2010 63 2009 2010 Setembro Outubro Novembro Dezembro 2011 160 200 150 100 50 0 2007 2008 2011 NOTA: No ano de 2007 não houve medição desse dado. Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 20
  24. 24. MANIFESTAÇÕES ADMINISTRATIVAS Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2011 64 19 25 36 12 9 10 19 14 24 19 2 253 Janeiro Fevereiro 70 Nº de Manifestações 60 50 40 30 20 10 0 Março 2007 563 Abril Maio 2008 626 Junho Julho 2009 844 Agosto Setembro 2010 300 Outubro Novembro Dezembro 2011 253 Nº de Manifestações 900 800 700 600 500 400 300 200 100 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 21
  25. 25. BOAS PRÁTICAS DE TRANSPORTES - BPT Ano Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro Dezembro Total 2011 47 18 11 43 40 29 21 24 20 22 20 11 306 50 45 Nº de Manifestações 40 35 30 25 20 15 10 5 0 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio 2007 sem medição 2008 424 Junho Julho 2009 336 Agosto Setembro 2010 282 Outubro Novembro Dezembro 2011 306 Nº de Manifestações 450 400 350 300 250 200 150 100 50 0 2007 2008 2009 2010 2011 NOTA: No ano de 2007 não houve medição desse dado. Fonte: Gerência de Assistência Farmacêutica 22
  26. 26. Atendimento de solicitações de contratação de insumos Pregões realizados MÊS Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 Maio/11 Jun/11 Jul/11 Ago/11 Set/11 Out/11 Nov/11 Dez/11 TOTAL ANUAL PREGÃO ELETRÔNICO 7 49 32 37 69 43 44 30 30 54 32 21 448 PREGÃO PRESENCIAL 4 5 4 4 6 3 1 1 0 7 4 2 41 70 60 Quantidades 50 40 30 20 10 0 Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 Maio/11 Jun/11 PREGÃO ELETRÔNICO Jul/11 Ago/11 Set/11 Out/11 Nov/11 Dez/11 PREGÃO PRESENCIAL Fonte: Gerência de Suprimentos 23
  27. 27. Anual Total de Pregões Realizados 2007 326 2008 403 2009 437 2010 466 2011 489 500 Quantidades 450 400 350 300 250 200 150 100 50 0 2007 2008 2009 2010 2011 NOTA: Os números incluem as diversas modalidades realizadas no período: concorrência pública, tomada de preço, carta convite e pregão. A partir de 2008, passou-se a realizar somente o pregão. Fonte: Gerência de Suprimentos 24
  28. 28. Comparativo entre Preço de Referência X Contratado PREGÃO ELETRÔNICO (Valores em R$) REFERÊNCIA % CONTRATADO % DIFERENÇA % Jan/11 4.635.045,00 100 4.405.001,26 95,04 230.043,74 4,96 Fev/11 2.667.535,40 100 2.326.245,98 87,21 341.289,42 12,79 Mar/11 3.437.269,05 100 2.884.496,36 83,92 552.772,69 16,08 Abr/11 2.967.688,40 100 2.588.799,48 87,23 378.888,92 12,77 Mai/11 12.342.850,65 100 10.776.625,32 87,31 1.566.225,33 12,69 Jun/11 10.587.469,25 100 9.659.481,82 91,24 927.987,43 8,76 Jul/11 7.107.133,50 100 6.193.771,78 87,15 913.361,72 12,85 Ago/11 1.973.224,48 100 1.726.425,18 87,49 246.799,30 12,51 Set/11 5.715.194,00 100 5.652.626,00 98,91 62.568,00 Out/11 1.751.857,00 100 1.536.577,00 87,71 215.280,00 12,29 Nov/11 1.542.542,50 100 1.372.287,30 88,96 170.255,20 11,04 Dez/11 143.608,00 100 139.747,00 97,31 TOTAL 54.871.417,23 49.262.084,48 3.861,00 5.609.332,75 1,09 2,69 10,22 14.000.000,00 Valores em R$ 12.000.000,00 10.000.000,00 8.000.000,00 6.000.000,00 4.000.000,00 2.000.000,00 0,00 Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 Mai/11 Jun/11 REFERÊNCIA Jul/11 Ago/11 Set/11 Out/11 Nov/11 Dez/11 CONTRATADO DIFERENÇA Fonte: Gerência de Suprimentos 25
  29. 29. PREGÃO PRESENCIAL (Valores em R$) REFERÊNCIA % CONTRATADO % Jan/11 887.500,00 100 839.500,00 Fev/11 0,00 100 0,00 DIFERENÇA 94,59 % 48.000,00 - 0,00 5,41 - Mar/11 1.037.434,50 100 856.679,00 82,58 180.755,50 Abr/11 2.112.000,00 100 1.620.490,00 76,73 491.510,00 17,42 23,27 Mai/11 1.870.375,00 100 1.147.324,00 61,34 723.051,00 38,66 Jun/11 3.073.175,00 100 3.052.412,50 99,32 20.762,50 Jul/11 1.086.500,00 100 931.839,00 85,77 154.661,00 Ago/11 5.000.000,00 100 4.935.626,00 98,71 64.374,00 Set/11 0,00 100 0,00 - 0,00 - Out/11 0,00 100 0,00 - 0,00 - Nov/11 869.325,00 100 630.447,50 72,52 Dez/11 831.600,00 100 831.600,00 100,00 TOTAL 16.767.909,50 14.845.918,00 238.877,50 0,00 1.921.991,50 0,68 14,23 1,29 27,48 0,00 11,46 5.000.000,00 4.500.000,00 Valores em R$ 4.000.000,00 3.500.000,00 3.000.000,00 2.500.000,00 2.000.000,00 1.500.000,00 1.000.000,00 500.000,00 0,00 Jan/11 Fev/11 Mar/11 Abr/11 REFERÊNCIA Mai/11 Jun/11 Jul/11 CONTRATADO Ago/11 Set/11 Out/11 Nov/11 Dez/11 DIFERENÇA Fonte: Gerência de Suprimentos 26
  30. 30. Anual Total dos Pregões 2007 62.896.364,01 54.496.209,15 8.400.154,86 Referência Contratado Diferença 2008 75.632.228,37 63.411.753,78 12.220.474,59 2009 51.804.300,95 43.772.968,37 8.031.332,58 2010 117.929.826,08 99.847.567,65 18.082.258,43 (Valores em R$) 2011 71.639.326,73 64.108.002,48 7.531.324,25 Valores em R$ 120.000.000,00 100.000.000,00 80.000.000,00 60.000.000,00 40.000.000,00 20.000.000,00 0,00 2007 2008 Referência 2009 Contratado 2010 2011 Diferença NOTA: Os números incluem as modalidades de pregão presencial e eletrônico. Fonte: Gerência de Suprimentos 27
  31. 31. Recursos Humanos Demonstrativos Período jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 Admissões 3 1 0 3 5 2 1 2 2 0 0 0 Demissões 4 6 8 1 6 7 2 2 2 1 1 10 Promoções 0 1 0 0 1 0 0 0 0 0 0 0 Nº Horas Extras 9.308,04 6.821,75 11.071,70 10.482,26 9.603,71 8.900,94 4.629,26 6.390,65 7.569,47 5.977,38 6.665,68 2.651,92 Índices Absenteísmo* 13,99 11,02 13,32 14,80 14,29 15,64 15,19 15,81 16,35 15,24 15,91 16,19 Horas Treinamento 2.302 1.418 1.127 5.009 1.485 1.510 2.397 1.226 3.632 2.901 3.750 1.700 0 0 1 1 4 4 5 3 2 1 2 0 1.103 1.098 1.093 1.093 1.092 1.087 1.086 1086 1086 1085 1084 1074 Quadro efetivoAmérico Brasiliense 47 47 44 46 46 46 46 46 46 46 46 46 Quadro de EstagiárioGuarulhos 57 63 64 62 64 58 63 70 66 69 67 58 Quadro de EstagiárioAmérico Brasiliense 0 0 0 1 1 2 2 2 2 2 2 2 20 24 23 19 24 26 25 25 26 22 21 23 Acidente de Trabalho Quadro efetivoGuarulhos Quadro de Jovens Cidadãos *Média do período: 14,81 Período 2007 2008 2009 2010 2011 Admissões 66 135 27 77 19 Demissões 53 60 47 66 50 Promoções 22 105 27 29 2 71.976,19 47.052,97 37.137,31 88.928,74 90.072,76 Índices Absenteísmo * 12,96 11,52 10,76 13,14 14,81 Horas de Treinamento 27.118 16.184 15.732 16.805 28.457 Acidentes de Trabalho 52 48 57 22 23 1.085 1.160 1.140 1.151 1.120 Nº Horas Extras Total de Funcionários ** * Média anual ** Posição de 31/12 Período Quadro Aprovado FURP Guarulhos FURP Américo Brasiliense FURP Guarulhos FURP Américo Brasiliense * Início das operações do Prédio Barradas. Quadro Efetivo 2007 1.808 - 2008* 1.808 - 2009 1.452 356 2010 1.452 356 2011 1.452 356 1.085 - 1.160 - 1.121 19 1.104 47 1.074 46 Fonte: Gerência de Recursos Humanos 28
  32. 32. Manutenção Disponibilidade de equipamentos para produção DISPONIBILIDADE DE HORAS DOS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO PERÍODO DE JANEIRO/2011 À DEZEMBRO/2011 18000,00 16000,00 14000,00 HORAS 12000,00 10000,00 8000,00 6000,00 4000,00 2000,00 0,00 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 MESES Horas disponíveis dos equipamentos Horas disponíveis para produção Total de horas de Manutenção 2007 2008 2009 2010 2011 148.761,80 147.821,60 151.381,50 165.228,71 162.865,20 137.620,00 137.183,60 138.247,10 144.768,92 147.719,52 11.141,39 10.637,99 13.140,42 20.459,79 15.145,68 Horas disponíveis dos equipamentos Horas disponíveis para produção Total de horas de manutenção 180.000 160.000 140.000 HORAS 120.000 100.000 80.000 60.000 40.000 20.000 0 2007 2008 Horas disponíveis dos equipamentos 2009 Horas disponíveis para produção 2010 2011 Total de horas de manutenção Fonte: Gerência de Engenharia e Manutenção 29
  33. 33. PERCENTUAL DE DISPONIBILIDADE DOS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO PERÍODO DE JANEIRO/2011 À DEZEMBRO/2011 100,00% 90,00% 80,00% PERCENTUAL 70,00% 60,00% 50,00% 40,00% 30,00% 20,00% 10,00% 0,00% jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 MESES Percentual de disponibilidade dos equipamentos Percentual de horas de manutenção Percentual de horas disponiveis para produção Percentual de disponibilidade dos equipamentos Percentual de horas de manutenção Percentual de horas disponíveis para produção 2007 100,00% 7,49% 92,51% 2008 100,00% 7,20% 92,80% 2009 100,00% 8,68% 91,32% 2010 100,00% 13,04% 86,96% 2011 100,00% 9,30% 90,70% 120,00% PERCENTUAL 100,00% 80,00% 60,00% 40,00% 20,00% 0,00% 2007 2008 Percentual de disponibilidade dos equipamentos Percentual de horas disponíveis para produção 2009 2010 2011 Percentual de horas de manutenção Fonte: Gerência de Engenharia e Manutenção 30
  34. 34. DISPONIBILIDADE DE HORAS DOS EQUIPAMENTOS DE PRODUÇÃO POR ESPECIALIDADE DE MANUTENÇÃO PERÍODO DE JANEIRO/2011 À DEZEMBRO/2011 4000,00 3500,00 3000,00 HORAS 2500,00 2000,00 1500,00 1000,00 500,00 0,00 jan/11 fev/11 mar/11 abr/11 mai/11 jun/11 jul/11 ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 MESES Horas de manutenção corretiva Horas de manutenção preventiva Horas Horas Horas Horas de de de de 2007 4.465,29 1.585,96 4.653,97 436,17 manutenção corretiva ajustes manutenção preventiva utilidades Horas de ajustes Horas de utilidades 2008 6.786,30 1.314,46 2.145,08 392,15 2009 6.283,38 1.653,13 4.561,54 642,37 2010 2.908,59 1.694,61 14.934,66 921,93 2011 4.617,27 1.826,01 8.006,63 695,77 16.000 14.000 HORAS 12.000 10.000 8.000 6.000 4.000 2.000 0 2007 2008 Horas de manutenção corretiva Horas de manutenção preventiva 2009 2010 2011 Horas de ajustes Horas de utilidades Fonte: Gerência de Engenharia e Manutenção 31
  35. 35. Financeiro Balanço Patrimonial BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO de 2011 e 2010 - CONSOLIDADO (Em Reais) ATIVO 2011 2010 CIRCULANTE Disponibilidades Aplicações financeiras Contas a receber de clientes Outros créditos Estoques Despesas pagas antecipadamente 97.802,53 11.923.287,95 1.170.332,60 576.736,92 55.518.414,60 265.006,71 69.551.581,31 92.271,09 3.492.157,30 18.665.857,18 2.085.657,78 43.109.048,26 358.718,52 67.803.710,13 2.899.697,95 3.568.036,10 Imobilizado 259.780.737,64 263.037.163,64 Intangível 6.422.576,97 269.103.012,56 6.809.783,41 273.414.983,15 TOTAL DO ATIVO 338.654.593,87 341.218.693,28 NÃO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Outros Créditos As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 32
  36. 36. BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE DEZEMBRO de 2011 e 2010 - CONSOLIDADO (Em Reais) PASSIVO 2011 2010 CIRCULANTE Fornecedores Obrigações de folha de pagamento Férias e encargos Outras contas a pagar 15.522.499,39 1.982.151,86 4.198.343,19 7.066.273,18 28.769.267,62 7.221.754,86 1.945.333,74 5.029.258,69 3.530.412,51 17.726.759,80 145.580,84 86.137.960,26 19.774.242,24 106.057.783,34 129.313,78 85.514.818,32 14.553.829,95 100.197.962,05 120.613.939,09 142.074.639,57 (58.861.035,75) 203.827.542,91 120.613.939,09 142.074.639,57 (39.394.607,23) 223.293.971,43 338.654.593,87 341.218.693,28 NÃO-CIRCULANTE Fornecedores Doações e subvenções para investimentos Provisões fiscais, previdenciárias e trabalhistas PATRIMÔNIO SOCIAL Fundo patrimonial Doações e subvenções para investimentos Déficit acumulado TOTAL DO PASSIVO E DO PATRIMÔNIO SOCIAL As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 33
  37. 37. DEMONSTRAÇÃO DO DÉFICIT / SUPERÁVIT DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO de 2011 e 2010 - CONSOLIDADO (Em Reais) 2011 2010 RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 151.947.254,31 175.280.929,49 CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (94.762.428,37) (107.219.186,28) SUPERÁVIT BRUTO OPERACIONAL 57.184.825,94 68.061.743,21 (24.604.345,93) (52.894.269,83) 283.332,36 (77.215.283,40) (25.096.178,79) (38.729.365,91) 521.387,30 (63.304.157,40) (20.030.457,46) 4.757.585,81 RECEITAS (DESPESAS) OPERACIONAIS Com pessoal Administrativas e gerais Outras receitas (despesas) operacionais DÉFICIT (SUPERÁVIT) ANTES DAS RECEITAS E DESPESAS FINANCEIRAS RECEITAS E DESPESAS FINANCEIRAS DÉFICIT (SUPERÁVIT) LÍQUIDO DO EXERCÍCIO AGNALDO DE AZEVEDO CARNEIRO Contador CRC-SP Nº1SP128211/O-5 CRISTIANE BARSOTTINI Gerente Geral da Divisão Adm. e Financeira 564.028,94 (19.466.428,52) 871.383,75 5.628.969,56 PAULO RIBEIRO DOS SANTOS JR. Gerente Financeiro MOISÉS GOLDBAUM Superintendente As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 34
  38. 38. DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO SOCIAL DOS EXERCÍCIOS FINDOS EM 31 DE DEZEMBRO de 2011 e 2010 - CONSOLIDADO (Em Reais) Fundo patrimonial Saldos em 31 de dezembro de 2009 Superávit líquido do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2010 Déficit líquido do exercício Saldos em 31 de dezembro de 2011 Reserva de Capital Doações e subvenções Superávit /Déficit acumulado Total 120.613.939,09 142.074.639,57 (45.023.576,79) 217.665.001,87 0 0 5.628.969,56 5.628.969,56 120.613.939,09 142.074.639,57 (39.394.607,23) 223.293.971,43 0 0 (19.466.428,52) (19.466.428,52) 120.613.939,09 142.074.639,57 (58.861.035,75) 203.827.542,91 As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 35
  39. 39. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - CONSOLIDADO (Em Reais) 2011 2010 FLUXO DE CAIXA DA ATIVIDADE OPERACIONAL Déficit (Superávit) líquido Depreciação / Amortização Valor líquido de bens baixados (19.466.428,52) 11.479.016,15 71.855,12 5.628.969,56 11.846.673,64 6.001,04 24.259.458,17 (9.184.057,00) 17.495.524,58 2.177.259,01 (12.409.366,34) 93.711,81 8.317.011,59 36.818,12 (830.915,50) 5.220.412,29 3.535.860,67 623.141,94 (4.706.524,17) (556.503,61) (2.608.683,74) (71.826,79) (3.474.913,92) 339.301,04 1.697.783,65 377.055,17 (948.878,49) 769.133,86 16.343.900,92 8.297.587,24 (7.844.928,03) (62.310,80) (7.111.105,22) (21.461,53) (7.907.238,83) (7.132.566,75) CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA 8.436.662,09 1.165.020,49 SALDO DE CAIXA + EQUIVALENTE - CAIXA NO INÍCIO DO EXERCÍCIO 3.584.428,39 2.419.407,90 SALDO DE CAIXA + EQUIVALENTE - CAIXA NO FINAL DO EXERCÍCIO 12.021.090,48 3.584.428,39 VARIAÇÃO DE ATIVOS E PASSIVOS Redução (aumento) em contas a receber de clientes Redução (aumento) em outros créditos Aumento em estoques Redução (aumento) em despesas pagas antecipadamente Aumento (redução) em fornecedores Aumento em obrigações de folha de pagamento Redução (aumento) em férias e encargos Aumento em provisões fiscais, previdenciárias e trabalhistas Aumento (redução) em outras contas a pagar Aumento em doações e subvenções para investimentos CAIXA LÍQUIDO PROVENIENTE DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS FLUXO DE CAIXA DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO Aquisições de imobilizado Aquisições de intangível CAIXA LÍQUIDO USADO NAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS As notas explicativas são parte integrante das demonstrações contábeis. 36
  40. 40. NOTAS EXPLICATIVAS DA ADMINISTRAÇÃO ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 - CONSOLIDADO (Em Reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A FURP é uma entidade civil instituída pela Lei Estadual nº 10.071/68 e tem por objetivo, preponderantemente, fabricar medicamentos e produtos afins e fornecê-los a órgãos de saúde pública e de assistência médica e social à população, tendo seus atos constitutivos arquivados na Rua Endres, 35, bairro Itapegica, município de Guarulhos SP. NOTA 2 - APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS As demonstrações Contábeis foram elaboradas e são apresentadas em conformidade com as Leis nº 11.638/07 e 11.941/09. NOTA 3 - PRINCIPAIS PRÁTICAS CONTÁBEIS As principais práticas contábeis adotadas das demonstrações contábeis são as seguintes: - Apuração de resultado O resultado é apurado pelo regime de competência de exercícios, exceto os valores provenientes do Programa Estadual de Assistência Farmacêutica Básica - Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, que são reconhecidos apenas quando do recebimento. - Ativos e passivos circulantes Demonstrados por valores conhecidos ou calculáveis, incluindo os rendimentos, encargos e as variações monetárias, quando aplicável, constituídas as provisões necessárias para ajustar determinados ativos ao seu valor de realização provável. - Aplicações financeiras Demonstradas ao custo acrescido dos rendimentos, auferidos até a data das demonstrações contábeis apropriados ao resultado. - Caixa e equivalentes de caixa Para fins das demonstrações de fluxo de caixa e equivalentes de caixa correspondem aos saldos de disponibilidades e outras aplicações com conversibilidade imediata ou com prazo original igual ou inferior a noventa dias. - Estoques Demonstrados ao custo médio de aquisição ou de produção, reduzidos por uma provisão para perda provável, basicamente calculada em função do vencimento de seus prazos de validade e de materiais e produtos rejeitados que não poderão mais serem aproveitados. 37
  41. 41. - Realizável a longo prazo Representado por saldos cuja estimativa de realização ultrapassa doze meses. - Imobilizado Os bens do ativo imobilizado são demonstrados pelo valor de custo de aquisição ou de construção. A depreciação é calculada pelo método linear que leva em consideração a estimativa de vida-útil de cada classe de bens. - Provisão fiscal, previdenciária e trabalhista Constituída em montante considerado suficiente para atender eventuais contingências trabalhistas e tributárias, tendo como base as causas consideradas pelos Assessores Jurídicos como “prováveis”. NOTA 4 - CONTAS A RECEBER DE CLIENTES 2011 ATIVO CIRCULANTE Valores referentes a contratos com . Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo - Diretorias Regionais e Dependentes do Tesouro . Prefeituras Municipais . Ministério da Saúde . Demais Clientes Total Provisão para Créditos de Liquidação Duvidosa Saldo 2010 3.841.685,16 1.943.916,63 2.320.288,29 2.347.115,89 10.453.005,97 (9.282.673,37) 1.170.332,60 3.804.064,31 4.155.042,04 14.966.955,36 5.064.821,78 27.990.883,49 (9.325.026,31) 18.665.857,18 A provisão constituída no exercício de 2011, consignada no ativo circulante na rubrica “Provisão para créditos de liquidação duvidosa” no valor de R$ 9.282.673,37, foi calculada com base nos clientes com atrasos superiores há 365 dias. A contabilização teve como contrapartida contas de despesas operacionais (despesas administrativas). 38
  42. 42. NOTA 5 - OUTROS CRÉDITOS 2011 2010 151.614,81 1.020,10 381.120,39 42.981,62 576.736,92 463.230,31 3.000,00 1.250.375,99 369.051,48 2.085.657,78 2.364.741,00 534.956,95 2.899.697,95 2.223.536,90 1.344.499,20 3.568.036,10 ATIVO CIRCULANTE Adiantamentos para importações Adiantamentos a fornecedores Créditos de funcionários Contas a receber Total REALIZÁVEL A LONGO PRAZO Depósito Judicial e Penhora IPI a recuperar Total Créditos de funcionários Os valores são referentes aos pagamentos de: Antecipação de férias, adiantamento para auxílio doença e adiantamento de acidente de trabalho. Depósito Judicial e Penhora Os valores são referentes aos depósitos efetuados para cada reclamante, atualizados até 31/12/2011, aguardando decisão judicial. IPI a Recuperar Os valores são referentes à crédito de IPI incidentes nas aquisições de insumos empregados na fabricação de produtos isentos ou tributados à alíquota “zero”. NOTA 6 - ESTOQUES 2011 2010 36.138.684,47 (531.012,12) 35.607.672,35 15.065.984,64 0,00 15.065.984,64 421.469,58 2.076.943,47 Matérias primas e auxiliares Provisão para perdas 15.499.638,33 (166.762,14) 15.332.876,19 23.233.167,66 (238.042,20) 22.995.125,46 Sub-total 51.362.018,12 40.138.053,57 4.156.396,48 2.970.994,69 55.518.414,60 43.109.048,26 Produtos acabados Provisão para perdas Produtos em elaboração Materiais diversos Total 39
  43. 43. NOTA 7 – IMOBILIZADO Tempo de vida útil em anos Total 25 10 10 10 10 5 5 5 2010 141.707.028,42 93.018.117,84 5.894.620,15 23.415.843,01 76.911.526,53 2.470.831,27 956.002,87 3.943.058,40 348.317.028,49 (90.824.514,55) 257.492.513,94 0,00 706.357,63 0,00 1.001.651,33 0,00 580.214,74 0,00 42.922.955,93 48.763.309,87 5.292.977,30 10.845.743,01 33.191.470,32 2.471.063,61 995.520,33 3.877.235,42 148.360.275,79 (82.192.065,17) 66.168.210,62 120.049,40 411.338,98 151.810.373,76 1.001.651,33 43.477.893,00 0,00 47.646,55 259.780.737,64 Edificações Máquinas e equipamentos Móveis e utensílios Instalações Instalações - Prédios Veículos Ferramentas Equipamentos de informática Total Depreciação acumulada Saldo Terrenos Obras em andamento Obras em américo brasiliense - Furp AMB Imobilizações em andamento Importações em andamento - Furp AMB Importações em andamento Direito de uso de linha telefônica 2011 263.037.163,64 Durante o exercício findo em 31 de dezembro de 2011, a FURP avaliou a revisão da vida útil dos ativos em linha com o ICPC 10 – Interpretação Sobre a Aplicação Inicial ao Ativo Imobilizado e à Propriedade para Investimento dos Pronunciamentos Técnicos CPCs 27, 28, 37 e 43. No exercício de 2011, os investimentos destinados à construção da nova unidade fabril de produtos farmacêuticos no município de Américo Brasiliense foram transferidos para Bens em Operação, anteriormente registrados em Imobilizações em Andamento. Da depreciação / amortização do exercício no valor de R$ 11.479.016,15 a parte correspondente a R$ 8.419.601,23 foi apropriada ao custo dos produtos vendidos e o restante em despesas administrativas e gerais. Movimentação do Imobilizado 31/12/2010 Aquisições Baixas Transferência 31/12/2011 Imobilizado 345.229.228,81 7.844.928,03 (2.389.004,75) (79.899,90) 350.605.252,19 Depreciação (82.192.065,17) (10.949.599,01) 2.317.149,63 0,00 (90.824.514,55) Total 263.037.163,64 (3.104.670,98) (71.855,12) (79.899,90) 259.780.737,64 40
  44. 44. NOTA 8 – INTANGÍVEIS 2011 4.191.982,41 (2.542.857,60) 1.649.124,81 4.773.452,16 Total 4.200.736,26 (2.164.405,01) 2.036.331,25 4.773.452,16 6.422.576,97 Sistemas Aplicativos (software) Amortização acumulada Saldo Pesq. e desenv. Produtos (andamento) 2010 6.809.783,41 Movimentação do Intangível 31/12/2010 Intangível Aquisições Baixas Transferência 31/12/2011 1.738.411,71 62.310,80 (150.964,55) 2.542.224,45 4.191.982,41 (2.164.405,01) (529.417,14) 150.964,55 0,00 (2.542.857,60) Intangível em andamento 7.235.776,71 0,00 0,00 (2.462.324,55) 4.773.452,16 Total 6.809.783,41 (467.106,34) 0,00 79.899,90 6.422.576,97 Amortização NOTA 9 – PROVISÃO FISCAL, PREVIDENCIÁRIA E TRABALHISTA 31/12/2010 Adições Baixas 31/12/2011 14.553.829,95 6.087.881,00 (867.468,71) 19.774.242,24 NOTA 10 – DETALHAMENTO DA RECEITA 2011 RECEITA OPERACIONAL BRUTA Ministério da Saúde Secretaria da Saúde (Programa Dose Certa) Farmanguinhos Prefeituras Municipais / FMS Órgãos Públicos Outras Vendas Total 2010 12.671.212,34 125.683.311,61 0,00 12.778.672,62 1.650.724,27 229.188,95 153.013.109,79 44.383.353,57 92.485.315,26 18.582.431,40 16.211.562,75 6.040.278,45 263.645,76 177.966.587,19 (1.065.855,48) 151.947.254,31 (2.685.657,70) 175.280.929,49 DEDUÇÕES DA RECEITA OPERACIONAL BRUTA Devoluções de mercadorias e abatimentos RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 41
  45. 45. NOTA 11 – SEGUROS Os valores segurados são determinados e contratados em bases técnicas que se estimam suficientes para cobertura de eventuais perdas, decorrentes de sinistros com bens do ativo imobilizado e estoques. NOTA 12 – DESPESAS COM PESSOAL, ADMINISTRATIVAS E GERAIS Variações relevantes Pessoal e Encargos Salários Contribuição ao INSS Férias Contribuição ao FGTS 13º Salários Demais Despesas Total 2011 12.080,0 4.079,0 1.638,0 1.432,0 1.198,0 4.177,0 24.604,0 2010 11.676,0 4.430,0 1.892,0 1.484,0 1.116,0 4.498,0 25.096,0 Variação 404,0 -352,0 -254,0 -51,0 82,0 -321,0 -492,0 Reais Mil Administrativas e Gerais Alugueis Fretes Segurança e Vigilância Serviço de Limpeza Despesas com Provisões Demais despesas Total 2011 3.810,0 15.360,0 3.815,0 2.247,0 6.063,0 21.599,0 52.894,0 2010 487,0 11.921,0 2.080,0 573,0 3.046,0 20.621 38.729,0 Variação 3.323,0 3.439,0 1.735,0 1.673,0 3.017,0 978,0 14.165,0 Reais Mil 42
  46. 46. NOTA 13 – ADEQUAÇÃO ÀS NORMAS INTERNACIONAIS (IFRS) CONTÁBEIS E REFLEXOS NAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E CONTÁBEIS A FURP atendeu plenamente às práticas contábeis no que concerne a convergência e harmonização das normas contábeis brasileiras com o padrão contábil internacional (International Financial Reporting Standards – IFRS): CPC 01 – Redução ao valor recuperável de ativos Testamos a recuperabilidade de todos os bens tangíveis do Ativo Imobilizado, de acordo com o CPC 01, procedendo com os ajustes necessários em atendimento e observação desta norma. CPC 03 (R2) – Demonstração do fluxo de caixa A FURP tem adotado tal demonstração desde a sua exigência pela Lei 11.638/07. CPC 04 – Ativo intangível Testamos a recuperabilidade de todos os bens intangíveis do Ativo Imobilizado, de acordo com o CPC 04, em atendimento e observação desta norma sem quaisquer necessidades de ajuste. CPC 12 – Ajuste a valor presente O prazo médio das rubricas Contas a Receber e Contas a Pagar é inferior a 90 dias e, os preços praticados para seus efeitos, não possuem juros embutidos, desse modo, não existe atividade de financiamento de natureza monetária, não sendo necessário o ajuste a valor presente (AVP). CPC 16 – Estoques Demonstrados ao custo médio de aquisição ou de produção, reduzidos por uma provisão para perda provável, basicamente calculada em função do vencimento de seus prazos de validade e de materiais e produtos rejeitados que não poderão mais serem aproveitados. CPC 25 – Provisões, passivos contingentes e ativos contingentes As provisões para contingências foram reconhecidas de acordo com o disposto nesse pronunciamento conforme descrito nas NOTAS 03 e 04. CPC 27 – Ativo imobilizado Foram feitos os ajustes necessários em atendimento e observação desta norma. ICPC 10 – Interpretação sobre aplicação inicial pronunciamento técnico CPC 27 ativo imobilizado ao ativo imobilizado do Foram feitos os ajustes necessários em atendimento e observação desta norma. 43
  47. 47. INDICADORES FINANCEIROS SITUAÇÃO FINANCEIRA A FURP encerrou 2011 com o grau de endividamento na casa dos 9%, superior ao ano de 2010 que foi de 5%, indicando um comprometimento baixo em relação a nossos credores. O Ativo Permanente representa 79% do total do ativo; e 131% do capital próprio (patrimônio social). Capital de Giro Próprio: Ativo Circulante (-) Passivo Circulante (=) Capital de Giro Próprio R$ MIL 69.551 (28.769) 40.782 Ativo Permanente: Por conta da modernização do parque industrial, a FURP investiu no ano de 2011, em ativo permanente o seguinte: INVESTIMENTOS 2011 DISCRIMINAÇÃO R$ Mil 2010 % R$ Mil % IMOBILIZADO: 0 0 135 2 INSTALAÇÕES 1.747 22 244 4 MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS 1.994 25 845 12 792 10 406 6 37 0 26 0 1.412 18 1.001 14 EQUIPAMENTOS DE INFORMÁTICA 278 4 1.078 15 OBRAS EM ANDAMENTO 295 4 379 6 OBRAS EM AMÉRICO BRASILIENSE – FURP AMB 710 9 2.900 40 0 0 98 1 580 7 0 0 SISTEMA APLICATIVOS (SOFTWARE) 62 1 21 0 TOTAL 7.907 PRÉDIOS MÓVEIS E UTENSÍLIOS FERRAMENTAS INSTALAÇÕES/PRÉDIOS IMPORTAÇÕES EM AMÉRICO BRASILIENSE – FURP AMB IMPORTAÇÕES EM ANDAMENTO INTANGÍVEL: 100% 7.133 100% 44
  48. 48. ÍNDICES COMPARATIVO DEZEMBRO/2011 - DEZEMBRO/2010 1 - LIQUIDEZ CORRENTE ( ATIVO CIRCULANTE / PASSIVO CIRCULANTE ) DEZEMBRO/2011 DEZEMBRO/2010 2,42 3,82 0,49 1,39 40.782 50.077 Este índice diminuiu pelo acréscimo do passivo circulante em função principalmente dos fornecedores a pagar. O resultado do indicador significa que a administração possui R$ 2,42 para cada R$ 1,00 de dívida fluente no curto prazo. 2 - LIQUIDEZ SECA ( ATIVO CIRCULANTE - ESTOQUE / PASSIVO CIRCULANTE ) O índice mostra a capacidade da Fundação de pagar as dívidas a curto prazo, tendo como base os ativos circulantes, menos os estoques e despesas do exercício seguinte. O resultado do indicador significa que a Fundação possui R$ 0,49 para cada R$ 1,00 de dívida fluente. 3 - CAPITAL DE GIRO PRÓPRIO - EM R$/MIL ( ATIVO CIRCULANTE - PASSIVO CIRCULANTE ) Este indicador demonstra um decréscimo relevante em termos monetários em função do acréscimo do passivo circulante. 4 - IMOBILIZAÇÃO DO CAPITAL PRÓPRIO ( ATIVO PERMANENTE / PATRIMÔNIO SOCIAL ) 131% 121% 9% 5% 60% 65% 79% 79% Este índice retrata qual a proporção de recursos próprios da Fundação, investidos como ativo permanente, e que , portanto, não estão em giro. 5 - PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL DE TERCEIROS NO ATIVO (ENDIVIDAMENTO) ( CAPITAL DE TERCEIROS / ATIVO TOTAL ) Este índice aumentou pelo acréscimo do capital de terceiros em função principalmente dos fornecedores a pagar. 6 - PARTICIPAÇÃO DO CAPITAL PRÓPRIO NO ATIVO ( CAPITAL PRÓPRIO / ATIVO TOTAL ) Este índice diminuiu pelo decréscimo do patrimônio social em função principalmente do déficit do exercício. 7 - IMOBILIZAÇÃO / ATIVO TOTAL ( ATIVO PERMANENTE / ATIVO TOTAL ) Este índice manteve a mesma paridade. 45
  49. 49. ANÁLISE DEMONSTRAÇÃO DO DÉFICIT / SUPERÁVIT ( ACUMULADO ) Valores em R$ CONTAS DEZEMBRO/2011 ANÁLISE VERTICAL % RECEITA OPERACIONAL BRUTA ANÁLISE VERTICAL ANÁLISE HORIZONTAL DEZ-11/DEZ-10 % DEZEMBRO/2010 % 153.013.109,79 177.966.587,19 (14,02) Vendas de produtos, mercadorias e convênios..................................... 153.013.109,79 177.966.587,19 (14,02) DEDUÇÕES DE VENDAS (1.065.855,48) (2.685.657,70) Devoluções de mercadorias e abatimentos.................................................................. (1.065.855,48) RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA 151.947.254,31 CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (94.762.428,37) (62,37) SUPERÁVIT BRUTO OPERACIONAL 57.184.825,94 37,63 (77.498.615,76) (51,00) (2.685.657,70) (60,31) 100% (13,31) (61,17) (11,62) 68.061.743,21 38,83 (15,98) (63.825.544,70) (36,41) 21,42 Com Pessoal............................................................................................. (24.604.345,93) (16,19) (25.096.178,79) Administrativa e Gerais.............................................................................. (49.834.854,91) (32,80) (36.249.859,45) Depreciação ................................................................................................................... (11.846.673,64) (11.479.016,15) (7,55) (-) Depreciação Apropriadas nos Custos ........................................................................................... 8.419.601,23 5,54 9.367.167,18 (14,32) (20,68) (6,76) 5,34 (1,96) 37,48 (3,10) (10,12) DESPESAS ADMINISTRATIVAS 100% (60,31) 175.280.929,49 (107.219.186,28) RECEITAS FINANCEIRAS / DESPESAS 344.586,86 0,23 339.112,59 0,19 VARIAÇÕES MONET.OBRIGAÇÕES E CRÉDITOS 219.442,08 0,14 532.271,16 0,30 528.712,94 0,30 (32,53) 5.636.295,20 3,22 (444,07) (0,00) 902,16 3,21 (445,83) OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS DÉFICIT / SUPERÁVIT OPERACIONAL 356.746,67 (19.393.014,21) 0,23 (12,76) Outros Déficit Não Operacionais .............................................................................. (73.414,31) (0,05) DÉFICIT / SUPERÁVIT LÍQUIDO DO EXERCÍCIO (19.466.428,52) (12,81) (7.325,64) 5.628.969,56 1,61 (58,77) 46
  50. 50. COMENTÁRIOS RELEVANTES SOBRE A DEMONSTRAÇÃO DO DÉFICIT ACUMULADO DE JANEIRO A DEZEMBRO/2011 1- Fatos que influenciaram o Déficit do exercício. 1.1. Receita operacional líquida decréscimo de 13% em relação ao ano anterior. 1.2. Redução nos valores de itens de despesas administrativas em comparação ao mesmo período do ano anterior, tais como: 1.3.1 1.3.2 1.3.3 1.3.4 1.3.5 1.3.6 1.3.7 – – – – – – – Lanches e refeições Materiais para incineração Materiais auxiliares Assistência Técnica Assistência contábil e jurídica Anúncios e publicações Serv. Programas e Aplicativos Informática R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ 192 mil 101 mil 399 mil 901 mil 59 mil 52 mil 195 mil 1.3. Acréscimo nos valores de itens de despesas administrativas em comparação ao mesmo período do ano anterior, tais como: 1.4.1 1.4.2 1.4.3 1.4.4 1.4.5 1.4.6 1.4.7 – – – – – – – Fretes Segurança e vigilância Serviços de limpeza Despesas com provisões Alugueis Depreciação Energia elétrica R$ R$ R$ R$ R$ R$ R$ 3.439 1.735 1.673 3.017 3.323 580 676 mil mil mil mil mil mil mil 47
  51. 51. DEMONSTRATIVO DO FATURAMENTO VALORES EM R$ / MIL CLIENTES 2.011 ACUMULADO SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA DOSE CERTA 2.010 ACUMULADO ** VARIAÇÃO 2011/2010 ** 125.683 82% 92.485 52% 36% MINISTÉRIO DA SAÚDE 12.671 8% 44.383 25% -71% DEMAIS CLIENTES 14.659 10% 41.099 23% -64% 153.013 100% 177.967 100% -14% TOTAL GERAL ** Participação sobre o faturamento total acumulado DEMONSTRATIVO DO FATURAMENTO ( R$ / MIL ) 140.000 120.000 100.000 ACUMULADO/2011 ACUMULADO/2010 80.000 60.000 40.000 20.000 0 SECRETARIA DA SAÚDE PROGRAMA DOSE CERTA MINISTÉRIO DA SAÚDE DEMAIS CLIENTES 48
  52. 52. GRÁFICO DE ANÁLISE DE DESEMPENHO Valores em R$ / MIL COMPORTAMENTO DA RECEITA BRUTA (FATURAMENTO) 200.000 180.000 160.000 140.000 120.000 100.000 80.000 60.000 40.000 20.000 0 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 49
  53. 53. COMPORTAMENTO DA RECEITA BRUTA (FATURAMENTO) E RECEITA REALIZADA - Valores em R$ / Mil 200.000 180.000 160.000 177.967 140.000 120.000 153.013 169.467 170.108 RECEITA BRUTA (FATURAMENTO) RECEITA REALIZADA 100.000 80.000 60.000 40.000 20.000 2011 2010 50
  54. 54. PARTICIPAÇÃO NA RECEITA REALIZADA ( VALORES EM R$/MIL ) 2011 DOSE CERTA - SES/SP - MS 2010 125.683 92.485 54 109 25.307 37.838 7.205 7.688 11.218 31.988 169.467 170.108 SES/SP - OUTROS MEDICAMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE PREFEITURAS / OUTROS - ESTADO DE SÃO PAULO PREFEITURAS / OUTROS - DEMAIS ESTADOS TOTAL PERCENTUAL DA PARTICIPAÇÃO NA RECEITA REALIZADA DOSE CERTA - SES/SP 74% 54% 0% 0% 15% 22% PREFEITURAS / OUTROS - ESTADO DE SÃO PAULO 4% 5% PREFEITURAS / OUTROS - DEMAIS ESTADOS 7% 19% 100% 100% SES/SP - OUTROS MEDICAMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE TOTAL PARTICIPAÇÃO NA RECEITA REALIZADA 2011 140.000 2010 120.000 100.000 80.000 60.000 40.000 20.000 DOSE CERTA - SES/SP MS SES/SP - OUTROS MEDICAMENTOS MINISTÉRIO DA SAÚDE PREFEITURAS / OUTROS - PREFEITURAS / OUTROS ESTADO DE SÃO PAULO DEMAIS ESTADOS 51
  55. 55. PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO TOTAL DA RECEITA REALIZADA ( VALORES EM R$/MIL ) 2011 SÃO PAULO 2010 132.942 36.525 TOTAL 69.826 169.467 OUTROS ESTADOS 100.282 170.108 PERCENTUAL DA PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO TOTAL DA RECEITA REALIZADA - ANUAL SÃO PAULO 78% 59% OUTROS ESTADOS 22% 41% 100% 100% TOTAL PARTICIPAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO TOTAL DA RECEITA REALIZADA ( VALORES EM R$/MIL ) 140.000 120.000 100.000 2011 80.000 2010 60.000 40.000 20.000 SÃO PAULO OUTROS ESTADOS 52
  56. 56. DEMONSTRATIVO DO DÉFICIT / SUPERÁVIT ( EM REAIS / MIL ) - ACUMULADO 2011 CONTAS ORÇADO REALIZADO 2010 R/O ORÇADO REALIZADO R/O 178.818 Vendas de Produtos, mercadorias e convênios 153.013 -14% 185.783 177.967 -4% 178.818 RECEITA OPERACIONAL BRUTA 153.013 -14% 185.783 177.967 -4% 0 Devoluções de Mercadorias e Abatimentos (1.066) 0% 0 (2.686) 0% 0 DEDUÇÕES DE VENDAS (1.066) 0% 0 (2.686) 0% 178.818 151.947 -15% 185.783 175.281 -6% (94.762) -17% (105.280) (107.219) 2% 64.388 57.185 -11% 80.503 68.062 -15% (56.026) (77.499) 38% (74.572) (63.826) -14% (-) Depreciação Apropriadas nos Custos (24.973) (29.922) (9.517) 8.386 (24.604) (49.835) (11.479) 8.420 -1% 67% 21% 0% (26.045) (47.418) (8.937) 7.828 (25.096) (36.250) (11.847) 9.367 -4% -24% 33% 20% RECEITAS FINANCEIRAS/DESPESAS 0 345 0% VARIAÇÕES MONET. OBRIGAÇÕES E CRÉDITOS 0 219 0% OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS 0 357 0% RECEITA OPERACIONAL LÍQUIDA CUSTO DOS PRODUTOS VENDIDOS (114.430) SUPERÁVIT BRUTO OPERACIONAL DESPESAS ADMINISTRATIVAS Com Pessoal Administrativa e Gerais Depreciação DÉFICIT / SUPERÁVIT OPERACIONAL Outros Déficit Não Operacionais DÉFICIT / SUPERÁVIT LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 8.362 0 8.362 (19.393) -332% (73) 0% (19.466) -333% 2.097 339 -84% 0 532 0% 0 529 0% 5.636 -30% 8.028 0 8.028 (7) 5.629 0% -30% ANUAL 53
  57. 57. DEMONSTRATIVO DO CONTAS A RECEBER Valores em R$/Mil 2011 SES/SP 2010 OUTROS CLIENTES OUTROS CLIENTES TOTAL SES/SP TOTAL (+) Vencidos em 30/11 .......................................................... 3.803 6.722 10.525 3.805 12.162 15.967 (+) A Vencer em 30/11 .......................................................... 3 1.281 1.284 11 11.514 11.525 12 294 306 (-) Deduções de Faturamento .................................................... 0 0 0 (+) Faturamento Dezembro.............................................. 40 711 751 0 5.218 5.218 (-) Recebimentos Dezembro............................................... 4 2.103 2.107 0 4.413 4.413 (=) Saldo em 31/12 ............................................................... 3.842 6.611 10.453 3.804 24.187 27.991 Vencidos ....................................................................................... 5.952 3.802 9.754 3.804 17.877 21.681 6.310 6.310 A vencer .................................................................................... 40 659 699 0 54
  58. 58. DEMONSTRATIVO DE CLIENTES EM ATRASO DE PAGAMENTOS Valores em R$/Mil SES/SP DEZEMBRO/2011 OUTROS CLIENTES TOTAL DE 01 A 15 DIAS ........................................................................ 0 100 DE 16 A 30 DIAS ...................................................................... 0 12 DEZEMBRO/2010 OUTROS CLIENTES SES/SP 100 3 TOTAL 3.864 0 12 3.861 5.623 5.623 DE 31 A 45 DIAS ......................................................................... 0 0 0 0 911 911 DE 46 A 60 DIAS .......................................................................... 0 0 0 0 22 22 ACIMA DE 60 DIAS ...................... TOTAL 3.802 5.840 9.642 3.801 7.460 11.261 3.802 5.952 9.754 3.804 17.877 21.681 55
  59. 59. DEMONSTRATIVO RECEITA BRUTA BENEFÍCIOS POR FUNCIONÁRIO ANUAL INFORMAÇÃO 2011 2010 NÚMERO FUNCIONÁRIOS 1.120 1.151 RECEITA BRUTA 153.013 177.967 SALÁRIOS + ENCARGOS 58.097 56.144 BENEFÍCIOS 11.483 10.692 137 155 62 58 FATURADO POR FUNCIONÁRIO CUSTO POR FUNCIONÁRIO Valores em Reais / Mil 56
  60. 60. FLUXO DE CAIXA ORÇADO x REALIZADO ( EM REAIS / MIL ) - ACUMULADO 2011 DESCRIÇÃO ORÇADO REALIZADO SALDO INICIAL 3.561 178.818 174.244 178.718 R/O 3.561 RECEBIMENTOS 2010 ORÇADO REALIZADO R/O 2.399 2.399 -3% 201.880 173.237 -14% 169.467 -5% 200.668 170.108 -15% 100 4.777 4677% 1.212 3.129 158% 178.818 165.881 -7% 201.880 172.075 -15% MAT.PRIMA, MATL.EMBAL., BENEF. 37.887 36.114 -5% 44.225 57.128 29% PESSOAL 52.144 57.931 11% 49.842 55.235 11% DEMAIS DESPESAS 80.425 65.363 -19% 85.785 55.548 -35% 8.362 6.473 -23% 22.028 4.164 -81% 3.561 11.924 235% 2.399 3.561 48% RECEBIMENTOS DUPLICATAS DEMAIS RECEITAS * DESEMBOLSO IMOBILIZADO * SALDO FINAL DE CAIXA * INCLUSO RECURSO DO TESOURO ANUAL 57
  61. 61. Relatório dos Auditores Independentes 58
  62. 62. 59

×