1ªs JORNADAS DE CICLISMO DA ERDAL                    CONDUÇÃO DE                 BICICLETA NA CIDADE                      ...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    PARTILHAR A ESTRADA :        CICLISMO VEÍCULAR  • Ter bicicletas e automóveis a partilhar  o mesm...
CONDUÇÃO DE BICICLETA     PARTILHAR A ESTRADA :        CICLISMO VEÍCULAR    • Os ciclistas devem ter em conta que a grande...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    PARTILHAR A ESTRADA :          CICLISMO VEÍCULAR  • Embora a confiança só se adquira com a  práti...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    ATITUDE NA ESTRADA   • O ciclista deve adotar uma   atitude de igual para igual.   Não é aconselh...
CONDUÇÃO DE BICICLETA      VISIBILIDADE E CONTACTO VISUAL     • Os motociclistas e sobretudo os automobilistas têm uma noç...
CONDUÇÃO DE BICICLETAPOSICIONAMENTO – O ciclista deve ocupar a zona de estrada onde:          • Assim, não deve seguir inv...
CONDUÇÃO DE BICICLETA     PASSAR SARJETAS E     CARROS     ESTACIONADOS    • Dê uma margem de 1 metro    (aproximadamente)...
CONDUÇÃO DE BICICLETA   PASSAR INTERCEÇÕES  • Quando estiver a 50 metros de uma interseção, dê uma  margem de pelo menos 1...
CONDUÇÃO DE BICICLETA   ESTRADAS MULTI-VIAS  • Um ciclista experiente estará apto a virar à esquerda em estradas  complexa...
CONDUÇÃO DE BICICLETA     ROTUNDAS    • Nunca circule no limite exterior da rotunda, os condutores    concentram a sua ate...
CONDUÇÃO DE BICICLETA                        Orlando Lemos
CONDUÇÃO DE BICICLETA   ESTACIONAMENTO  • Prenda o quadro da bicicleta a um objeto  que esteja bem fixo ao chão e não perm...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    VEÍCULOS PESADOS  • Tenha especial atenção sempre que  estiver a ser ultrapassado por um veículo ...
CONDUÇÃO DE BICICLETA   PEÕES  • Nas cidades os peões reagem  sobretudo ao som dos motores quando  atravessam a estrada, m...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    PASSAR CARRIS DE ELÉTRICO  • Ponha as duas rodas a um ângulo de 45  graus dos carris para cruzá-l...
CONDUÇÃO DE BICICLETA    MASSA CRÍTICA - BICICLETADAS   A Bicicletada/Massa Crítica em Guimarães é sempre na última sexta-...
CONDUÇÃO DE BICICLETA     VÍDEO 1 - Vídeo encartado na publicação "A Bicicleta e as     Cidades: como inserir a bicicleta ...
1ªs JORNADAS DE CICLISMO DA ERDAL     Agradeço a vossa atenção            Orlando Lemos          3 de Maio de 2012
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação do workshop condução de bicicleta na cidade

667 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
667
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Seringa e ampola baixo custo Fáceis de manusear não reutilizáveis , diferentes capacidades Canetas Recarregáveis (cartuchos) / descartáveis Praticamente indolor (zonas com + tec. celular subcutâneo) Permitem dosear o nº de unidades a administrar Bomba infusora Controlo mais apertado das glicémias Permite programar: Dose de infusão basal contínua Dose de infusão basal + baixa durante a noite Dose de infusão basal ≠ durante exercício, período pós-exercício e período de doença Bolus de insulina antes das refeições Vantagens: evita hipoglicémias; >conforto; controlo mais apertado das glicemias redução das complicações a longo prazo Desvantagens: +dispendioso; >risco de infecções >risco de cetoacidose diabética Inalada: Vantagens: > comodidade Absorção alveolar mais rápida Desvantagens: Dose 3x superior à injectável Biodisponibilidade afectada em asmáticos e fumadores Pouco segura > nº de reacções alérgicas? Inflamação pulmonar a longo prazo? Locais : Abdómen > Braços > Coxas > Nádegas
  • Apresentação do workshop condução de bicicleta na cidade

    1. 1. 1ªs JORNADAS DE CICLISMO DA ERDAL CONDUÇÃO DE BICICLETA NA CIDADE Orlando Lemos
    2. 2. CONDUÇÃO DE BICICLETA PARTILHAR A ESTRADA : CICLISMO VEÍCULAR • Ter bicicletas e automóveis a partilhar o mesmo espaço é possível e está previsto no Código da Estrada (Artigo 90º). • Além disso, a segurança e conforto do ciclista que circula na estrada não depende exclusivamente da boa vontade dos automobilistas, estando sobretudo dependente das ações e manobras do utilizador de bicicleta. Orlando Lemos
    3. 3. CONDUÇÃO DE BICICLETA PARTILHAR A ESTRADA : CICLISMO VEÍCULAR • Os ciclistas devem ter em conta que a grande maioria dos automobilistas não têm uma condução deliberadamente agressiva nem querem competir com as bicicletas pelo uso do espaço. Não devemos partir do princípio que os automobilistas são inimigos das duas rodas, até porque geralmente respeitam um ciclista que conduza com confiança e de forma previsível. Orlando Lemos
    4. 4. CONDUÇÃO DE BICICLETA PARTILHAR A ESTRADA : CICLISMO VEÍCULAR • Embora a confiança só se adquira com a prática, para ter uma condução assertiva, previsível e segura bastará saber quais são os riscos existentes e como evitá-los, assim como prever as manobras dos outros utilizadores da via e responder- lhes adequadamente. • Apresentamos, de seguida, as situações mais frequentes que podem encontrar no trânsito e qual a melhor forma de lidar com cada uma delas. Há manobras que só devem ser feitas por ciclistas experientes, mas todas as situações mais complexas têm uma solução para ciclistas sem experiência na estrada. Orlando Lemos
    5. 5. CONDUÇÃO DE BICICLETA ATITUDE NA ESTRADA • O ciclista deve adotar uma atitude de igual para igual. Não é aconselhável assumir-se como um veículo inferior e submeter-se às decisões dos outros condutores, como também não se recomenda uma atitude altiva e agressiva, podendo esta criar situações de risco para o ciclista. Orlando Lemos
    6. 6. CONDUÇÃO DE BICICLETA VISIBILIDADE E CONTACTO VISUAL • Os motociclistas e sobretudo os automobilistas têm uma noção inferior do que se passa ao seu redor, devido ao ruído produzido pelos seus veículos e também ao ambiente “mais fechado” em que circulam – o capacete para mota e o interior de um automóvel reduzem a amplitude de visão dos seus condutores. • Evite circular próximo dos ângulos mortos dos veículos com que se cruza. Mantenha contato visual com os demais (automobilistas, ciclistas e peões) de forma a antecipar-lhes as intenções de manobra e para comunicar melhor as suas. Orlando Lemos
    7. 7. CONDUÇÃO DE BICICLETAPOSICIONAMENTO – O ciclista deve ocupar a zona de estrada onde: • Assim, não deve seguir invariavelmente junto das bermas, mas apenas quando isso não afetar a sua segurança. • Sempre que mudar da berma para o centro da via olhe para trás e confirme se algum veículo se está a aproximar. Orlando Lemos
    8. 8. CONDUÇÃO DE BICICLETA PASSAR SARJETAS E CARROS ESTACIONADOS • Dê uma margem de 1 metro (aproximadamente) e mantenha a trajetória para que os outros condutores o vejam e possam prever a sua intenção. • É essencial manter uma distância de segurança dos veículos estacionados na berma da estrada de forma a evitar ser surpreendido pela abertura de uma porta. Orlando Lemos
    9. 9. CONDUÇÃO DE BICICLETA PASSAR INTERCEÇÕES • Quando estiver a 50 metros de uma interseção, dê uma margem de pelo menos 1 metro da berma. • Desse modo verá melhor e será mais visível para quem vem da direita e evitará ser ultrapassado por alguém que queira mudar de direção. MUDANÇAS DE DIREÇÃO • Ocupe o centro da via para não ser ultrapassado por veículos que pretendam virar na mesma direção. • Para virar à esquerda, prepare a manobra 100 metros antes da interseção. Orlando Lemos
    10. 10. CONDUÇÃO DE BICICLETA ESTRADAS MULTI-VIAS • Um ciclista experiente estará apto a virar à esquerda em estradas complexas seguindo a par com o tráfego (método direto). • Para os ciclistas menos confiantes, é aconselhável seguir pelo método indireto. Deve seguir sempre com a bicicleta à mão enquanto estiver no passeio (Artigo 104º do Código da Estrada). COLOCAÇÃO NOS SEMÁFOROS • Ocupe o centro da via quer pretenda seguir em frente, virar à direita ou à esquerda. • O importante é não permitir que outro veículo ocupe a mesma via ao seu lado enquanto espera, seja na frente da fila ou atrás de um automóvel. Orlando Lemos
    11. 11. CONDUÇÃO DE BICICLETA ROTUNDAS • Nunca circule no limite exterior da rotunda, os condutores concentram a sua atenção no lado esquerdo, de onde vem o tráfego, e poderá não ser visto. Uma vez dentro, o ciclista tem prioridade sobre os veículos que pretendem entrar na rotunda (Artigo 31º do Código da Estrada) e deve ocupar a via correspondente à sua saída. Se necessário, indique com o braço esquerdo a sua intenção de permanecer na rotunda. Para os ciclistas menos confiantes, siga pelo método indireto, com a bicicleta à mão (passeio e passadeira). Orlando Lemos
    12. 12. CONDUÇÃO DE BICICLETA Orlando Lemos
    13. 13. CONDUÇÃO DE BICICLETA ESTACIONAMENTO • Prenda o quadro da bicicleta a um objeto que esteja bem fixo ao chão e não permita tirar a bicicleta por cima. Tenha atenção às rodas e selim se tiver fecho rápido. CONDUÇÃO NOTURNA • É obrigatório o uso de luzes e refletores do anoitecer ao amanhecer e sempre que houver visibilidade insuficiente (Artigo 93º do Código da Estrada). • A luz dianteira deve ter um feixe luminoso contínuo e a luz traseira pode ser intermitente. Os refletores são obrigatórios nas rodas, na traseira (cor vermelha) e na frente (cor branca) da bicicleta (Portaria nº 311-B/2005 de 24 de Março). Orlando Lemos
    14. 14. CONDUÇÃO DE BICICLETA VEÍCULOS PESADOS • Tenha especial atenção sempre que estiver a ser ultrapassado por um veículo longo. Mesmo que o condutor lhe dê espaço suficiente na dianteira, a parte traseira dos veículos longos poderá deslocar-se para a direita antes de ter ultrapassado completamente o ciclista. Prepare os travões para o caso de ter que abrandar para permitir a total ultrapassagem do pesado. Ocupe o centro da via antes da ultrapassagem de forma a ganhar mais margem de fuga para a direita. Regra geral, os condutores de veículos longos são muito experientes mas lembre-se que têm ângulos de visão reduzidos (ângulos mortos). Orlando Lemos
    15. 15. CONDUÇÃO DE BICICLETA PEÕES • Nas cidades os peões reagem sobretudo ao som dos motores quando atravessam a estrada, muitas vezes nem olham à sua volta, por isso é frequente não se aperceberem da presença de ciclistas. Tenha especial atenção aos peões distraídos e faça-se notar através da campainha ou pela voz, lembre-se que a bicicleta não faz barulho! ESTRADAS EM PARALELO • Este tipo de piso na zona histórica das cidades e torna-se muito escorregadio quando está molhado. Não use o travão dianteiro nas curvas, utilize preferencialmente o travão de trás. Orlando Lemos
    16. 16. CONDUÇÃO DE BICICLETA PASSAR CARRIS DE ELÉTRICO • Ponha as duas rodas a um ângulo de 45 graus dos carris para cruzá-los. Escolha o melhor local da via para circular, dependendo do estado do pavimento e das grelhas das sarjetas. VIAS BUS • Não é permitido por lei circular de bicicleta nas vias destinadas aos transportes públicos. No entanto, muitos ciclistas optam por fazê-lo devido ao menor fluxo de tráfego. Os condutores de autocarros têm uma condução defensiva que normalmente não incomoda o ciclista. Nunca circule sobre a linha de separação entre vias. Orlando Lemos
    17. 17. CONDUÇÃO DE BICICLETA MASSA CRÍTICA - BICICLETADAS A Bicicletada/Massa Crítica em Guimarães é sempre na última sexta- feira de cada mês, no Largo da Oliveira, a partir das 18:30h com saída às 19:00h. A primeira Bicicletada/MC em Guimarães aconteceu no dia 24 de Setembro de 2010, com a presença de 4 participantes. A ERDAL associou-se à Massa Crítica e todos os meses, quer faça sol quer faça chuva, marca a sua presença, para promover o uso da bicicleta na cidade. Orlando Lemos
    18. 18. CONDUÇÃO DE BICICLETA VÍDEO 1 - Vídeo encartado na publicação "A Bicicleta e as Cidades: como inserir a bicicleta na política de mobilidade urbana", organizado em 2009 pelo Instituto de Energia e Meio Ambiente. http://youtu.be/__EYANHqrkM VÍDEO 2 - Reportagem sobre o uso da bicicleta na Holanda http://youtu.be/zsNBJJ6-QZw Orlando Lemos
    19. 19. 1ªs JORNADAS DE CICLISMO DA ERDAL Agradeço a vossa atenção Orlando Lemos 3 de Maio de 2012

    ×