Dinâmicas e vivências para o trabalho em grupo(1)

9.906 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
9.906
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
204
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dinâmicas e vivências para o trabalho em grupo(1)

  1. 1. Dinâmica de Grupo: Surgimento, definição e objetivos; alguns cuidados...27/05/12 1
  2. 2.  Surgimento: Surgiu pela primeira vez num artigo publicado por Kurt Lewin, em 1944, onde tratava da relação entre teoria e prática em Psicologia Social.  Definição: Dynamis = força, energia, ação (grego).  Objetivos: - Ensinar ou facilitar o conhecimento através da discussão e decisão em grupo, em substituição ao método tradicional de transmissão sistemática de conhecimentos em palestras, reuniões, grupos de estudos, seleções ou treinamentos.27/05/12 2
  3. 3.  Desinibir a capacidade criadora dos participantes, levando-os a se tornarem bastantes desenvoltos;  Aumentar as transformações no grupo, alternando a sua produtividade;  Aumentar a coesão do grupo;  Proporcionar um aperfeiçoamento do trabalho coletivo;  Transformar o potencial do grupo, fazendo-o crescer em igualdade harmônica de relacionamento interpessoal.27/05/12 3
  4. 4.  Dinâmicas de Apresentação;  Dinâmicas de Integração e conhecimento;  Dinâmicas de recreação;  Dinâmicas de Aprendizagem;  Dinâmicas de Sensibilização;  Estórias e Fábulas.27/05/12 4
  5. 5.  Visa a apresentação e conhecimento imediato das pessoas do grupo.  Quando utilizá-la? Em grupos de pessoas que se conhecem superficialmente, pessoas que nunca se viram antes, pessoas que convivem bastante mas não trabalham em grupo, realizando alguma tarefa específica.27/05/12 5
  6. 6.  Voltadas para grupos já iniciados, objetivando um maior entrosamento, “quebra-gelo” e aprofundamento do conhecimento inicial.  Quando utilizá-la?  Geralmente no segundo momento, após a dinâmica de apresentação.27/05/12 6
  7. 7.  Voltadas para grupos já iniciados, objetivando o descontração e “quebra-gelo” fora do formalismo, fortalecendo os elos de ligação entre os seus membros.  Quando utilizá-la?  Podem ser utilizadas em intervalos de grandes eventos, jantares, almoços, aniversários e encontros sociais de qualquer natureza.27/05/12 7
  8. 8.  São técnicas para estimular o raciocínio, exercitar a percepção e aprendizado.  Quando utilizá-la?  Podem ser utilizadas em grupos de estudo de diferentes níveis intelectuais e variados tamanhos.Então responda:“O pai do padre é filho únicodo meu pai. O que é que o padre é meu?”27/05/12 8
  9. 9.  São técnicas para estimular que os membros do grupo externalizem sentimentos e pontos de vista pessoais com relação a algum assunto, exercitam a sensibilidade.  Quando utilizá-la?  Podem ser utilizadas em grupos de estudo de diferentes níveis intelectuais e variados tamanhos.27/05/12 9
  10. 10.  Voltadas para grupos já iniciados, objetivando o exercício da empatia nos integrantes através de parábolas.  Quando utilizá-la?  Podem ser utilizadas para abertura e fechamento de eventos (reuniões, palestras, cursos, congressos) ou para ilustrações, visando enriquecer algum tema que está sendo abordado.27/05/12 10
  11. 11. Quando convidado para proferir alguma palestra, reunião, conduzir um grupo de estudo ou ministrar um treinamento, deve-se ficar atento para as providências (logísticas e de conteúdo) que deverão ser tomadas: 1. Prévio planejamento, objetivando segurança e tranqüilidade no processo de condução do grupo; 2. Visitar, preferencialmente, o local do evento, com antecedência, para checagem de equipamentos – conforme a necessidade:27/05/12 11
  12. 12. • TV/Vídeo ou projetor de vídeo (telão); • Projetos Multimídia, com computador e vídeo / DVD; • Retroprojetor (verificar foco, lâmpadas e ventilador interno); • Flip-Chart • Equipamentos de som;• Mesa de apoio para material didático instrucional;• Luminosidade (onde acende as luzes), ventilação, cortinas;• Tamanho da sala compatível com a quantidade de pessoas e para o tipo de atividade que irá realizar.27/05/12 12
  13. 13. 1. Elaborar previamente o roteiro/sequência do conteúdo que irá trabalhar com o grupo (vivências, músicas intervalos, etc); 4. Chegar ao local com pelo menos uma hora de antecedência para “energizar” a sala, conforma a sua metodologia;5. Revisar roteiro elaborado e fazer checagem final dos equipamentos e material que será utilizado;6. Manter sempre consigo o “Kit de primeiros socorros do Facilitador”, contendo: Pincéis (quadro branco e papel), tesouras, canetas, barbante, cola, filmes de vídeo/DVD, fitas de áudio e/ou CD’s, vendas/máscaras, etc. – tudo de acordo com o estilo e necessidades mais comuns.27/05/12 13
  14. 14. 1. Manter na “cartola”, sempre uma ou duas vivências/ dinâmicas para eventuais imprevistos ou mudanças de planos com o grupo. 8. Evitar confiança plena na memória; 9. Procurar não se comprometer, no início dos trabalhos, em passar crenças pessoais, ou polemizar com alguém que está ali contra a vontade ou que já chega discordando. Seja prudente, relaxe e deixe que o próprio grupo estabeleça e componha o clima do encontro; 10. Evitar “forçar a barra” para algum membro do grupo particular, falar ou opinar sobre alguma coisa, se esse não estiver afim;27/05/12 14
  15. 15. 1. Trabalhar em dupla, preferencialmente; 12. Ter cuidado com a aparência (lembre-se: você é aquilo que diz e faz e, no momento com o grupo, você estará sendo exemplo. 13. Utilizar músicas para momentos de relaxamento, escolhendo-as criteriosamente: instrumentais, que não tenham sido temas de novela ou filme conhecidos, nem tocadas exaustivamente em FM’s. Às vezes, algumas músicas com letra são importantes para algum “fechamento”; 3. Habituar-se a trabalhar proativamente, fazendo, sempre de véspera, um “check-list” das tarefas/providências que envolvem você e as demais pessoas ligadas ao evento.27/05/12 15

×