SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 31
Baixar para ler offline
Messias Miranda Junior
messias.miranda@yahoo.com.br
Unidade Itapetininga - SP
Estrututa e Função dos
Anticorpos
Imunoglobulinas – Proteínas de conformação globular
que participam da Resposta Imune.
Podem ser encontradas secretadas ou ancoradas na
membrana das células do sistema imunológico.
Anticorpos – Glicoproteínas de formato globular
secretadas por Linfócitos B que conferem a característica
de especificidade da Resposta Imune Adquirida
Humoral.
Todo anticorpo é uma imunoglobulina, mas nem toda
imunoglobulina é um Anticorpo!!!
Imunoglobulinas e Anticorpos
Eletroforese de Proteínas do Soro
Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo
Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo
IgG secretada
Cadeia
leve
Cadeia
pesada Sítio ligador
de antígeno
Região
FabDobradiça
Sítios ligadores
do receptor Fc e
do complemento
Cauda carboxi-terminal
Ligação
dissulfeto
Domínio Ig
Região
Fc
Estrutura cristalina de uma IgG secretada
Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo
Modelo em fita da cadeia pesada de uma IgG secretada
CH VH
Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo
Modelo em fita da cadeia leve e pesada de uma IgG secretada ligada a um antígeno
antígeno
antígeno
Formados por 4 cadeias polipetídicas:
2 cadeias idênticas entre si denominadas
Cadeias Pesadas (H)
E 2 cadeias idênticas entre si
Denominadas Cadeias Leves (L)
As cadeias leves se
ligam às cadeias
pesadas através de
ligações dissulfeto.
As cadeias pesadas se
ligam entre si
Também por ligações
dissulfeto
A cadeia pesada possui uma região rica em determinados
Aminoácidos, a qual confere maleabilidade à estrutura do
Anticorpo, denominada Região da Dobradiça.
Além disso, podemos encontrar distribuídos pelas Cadeias Leves
e Pesadas, estruturas denominadas domínios, que são
seqüências repetidas de Aminoácidos que assumem
conformação particular
Os anticorpos são classificados de acordo com o tipo de cadeia
pesada que apresentam (Isotipos).
As cadeias leves e pesadas possuem duas regiões distintas,
classificadas de acordo com sua seqüência de aminoácidos: A
Região Constante e a Região Variável
Nas regiões variáveis, podemos identificar partes denominadas Regiões
Hipervariáveis, ou mesmo CDRs (Regiões Determinantes De
Complementariedade), que são estruturas que entram em contato
Íntimo com o antígeno para o qual o anticorpo é específico
Esquema das Regiões CDRs
Ligação do Antígeno ao Anticorpo
As regiões variáveis das cadeias pesadas e leves são mostradas em azul e
amarelo. As cadeias em vermelho compõem o sítio de ligação, evidenciando os
resíduos de aminoácidos, nas regiões determinantes de complementariedade
(CDR), que fazem contato com o antígeno.
o Fc tem funções importantes. Veja então as
funções do Fab e algumas do Fc
RECEPTOR DE
Fc
Fab
Fc
MICRÓBIO 1 - SE
LIGA AO ANTICORPO MICRÓBIO 2 - NÃO SE
LIGA AO ANTICORPO
LIGAÇÃO DO Fc AO
FAGÓCITO
LIGAÇÃO DO Fc AO
COMPLEMENTO
Ligação com o
antígeno
específico
Outras
atividades
funcionais
Neutralização, Opsonização e Ativação do Complemento
IgM
• Neutralizam toxinas.
• Fixam o complemento.
• Receptor de antígenos na superfície dos Linf. B.
• Marcador de fase aguda de doenças infecciosas.
IgG
• Quatro subclasses: IgG1, IgG2, IgG3 e IgG4.
• Neutralizam toxinas (todos).
• Fazem opsonização (IgG1 e IgG3).
• Fixam complemento (IgG1, IgG2 e IgG3).
• São os únicos que podem atravessar a placenta (IgG2).
• Marcador de fase crônica de doenças infecciosas.
IgA
• Neutralizam toxinas.
• Bloqueiam a ligação de antígenos nas mucosas.
• Apresentam-se na forma dimérica.
IgE
• Levam a degranulação de mastócitos e basófilos.
• Participam da imunidade contra helmintos.
IgD
• Receptor de antígenos na superfície dos linf. B.
Antígeno
-Toda molécula reconhecida como estranha pelo organismo,
interage com Ac e TCR
- Imunoglobulina de Membrana e TCR se ligam a moléculas que
não fazem parte das células do organismo em questão,
reconhecimento do antígeno
- TCRs se ligam somente a peptídeos processados e apresentados
por APCs!
Ligação do Antígeno ao Anticorpo
A ligação entre Ag e Ac é resultado da conformação do Ag e do Fab
do Ac e das interações químicas entre eles
FORÇAS DE INTERAÇÃO AG-AC
• A ligação entre o antígeno e o anticorpo é o resultado de ligações
químicas entre as moléculas do anticorpo e do antígeno.
• Podem ocorrer diferentes tipos de interação e diferentes números
de ligações em ligações Antígeno-Anticorpo diferentes.
• São forças químicas não covalentes reversíveis que regem essa
interação.
FORÇAS DE INTERAÇÃO AG-AC
Diversos tipos de ligações químicas podem estar envolvidas
ao mesmo tempo na ligação Ag-Ac
Complexo Ag-AC
A quantidade de um antígeno e de um anticorpo em uma
Solução é fundamental para a formação de complexos Ag-Ac
Afinidade – representa a força da ligação entre o Ag e o Ac
Avidez – representa o somatório de todas essas forças
Valência, Avidez e Afinidade

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Gildo Crispim
 
Tolerância imunológica
Tolerância imunológicaTolerância imunológica
Tolerância imunológica
Mara Farias
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
Crismontalvao
 

Mais procurados (20)

Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunosEstrutura e funções dos anticorpos para alunos
Estrutura e funções dos anticorpos para alunos
 
Tolerância imunológica
Tolerância imunológicaTolerância imunológica
Tolerância imunológica
 
Imunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e AdaptativaImunidade Inata e Adaptativa
Imunidade Inata e Adaptativa
 
Imunidade Inata
Imunidade InataImunidade Inata
Imunidade Inata
 
Hipersensibilidade
HipersensibilidadeHipersensibilidade
Hipersensibilidade
 
Antígenos
AntígenosAntígenos
Antígenos
 
Imunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata AdaptativaImunidade Inata Adaptativa
Imunidade Inata Adaptativa
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Autoimunidade
AutoimunidadeAutoimunidade
Autoimunidade
 
Antigeno e Anticorpo
Antigeno e AnticorpoAntigeno e Anticorpo
Antigeno e Anticorpo
 
Ap3 - Bases da Interação intígeno anticorpo
Ap3 - Bases da Interação intígeno anticorpoAp3 - Bases da Interação intígeno anticorpo
Ap3 - Bases da Interação intígeno anticorpo
 
Imunologia
ImunologiaImunologia
Imunologia
 
Processamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenosProcessamento e apresentação de antígenos
Processamento e apresentação de antígenos
 
Patogenicidade Bacteriana
Patogenicidade BacterianaPatogenicidade Bacteriana
Patogenicidade Bacteriana
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
 
Anticorpos: estrutura, classes, subclasses e atividades biológicas
Anticorpos: estrutura, classes, subclasses  e atividades biológicasAnticorpos: estrutura, classes, subclasses  e atividades biológicas
Anticorpos: estrutura, classes, subclasses e atividades biológicas
 
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDFICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
ICSA17 - Resposta Imune a infecções PDF
 
Citocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquiridaCitocinas da imunidade inata e adquirida
Citocinas da imunidade inata e adquirida
 
Diversidade De Imunoglobulinas
Diversidade De ImunoglobulinasDiversidade De Imunoglobulinas
Diversidade De Imunoglobulinas
 

Destaque (8)

Introdução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fspIntrodução ao metabolismo fsp
Introdução ao metabolismo fsp
 
Ciclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítricoCiclo do ácido cítrico
Ciclo do ácido cítrico
 
Lipídeos fsp
Lipídeos fspLipídeos fsp
Lipídeos fsp
 
Coenzimas pdf
Coenzimas pdfCoenzimas pdf
Coenzimas pdf
 
Vitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimasVitaminas e coenzimas
Vitaminas e coenzimas
 
41.act.enzimas13
41.act.enzimas1341.act.enzimas13
41.act.enzimas13
 
4 coenzimas (1)
 4 coenzimas (1) 4 coenzimas (1)
4 coenzimas (1)
 
I M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I AI M U N O F L U O R E S C E N C I A
I M U N O F L U O R E S C E N C I A
 

Semelhante a Anticorpos

Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
mfernandamb
 
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorposFabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
guestd78ba9e
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
Aline Garcia
 

Semelhante a Anticorpos (20)

ICSA17 - Antígenos e anticorpos
ICSA17 - Antígenos e anticorposICSA17 - Antígenos e anticorpos
ICSA17 - Antígenos e anticorpos
 
silo.tips_anticorpos-estrutura-e-funao.pdf
silo.tips_anticorpos-estrutura-e-funao.pdfsilo.tips_anticorpos-estrutura-e-funao.pdf
silo.tips_anticorpos-estrutura-e-funao.pdf
 
Revisao linf t e b
Revisao linf t e bRevisao linf t e b
Revisao linf t e b
 
Anticorpos Estrutura
Anticorpos EstruturaAnticorpos Estrutura
Anticorpos Estrutura
 
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
Aula 4 imunidade adquirida humoral_2-2011
 
Respostas imunes humorais
Respostas imunes humoraisRespostas imunes humorais
Respostas imunes humorais
 
Anticorpos
AnticorposAnticorpos
Anticorpos
 
Anticorpo
AnticorpoAnticorpo
Anticorpo
 
Mecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoralMecanismos efetores da imunidade humoral
Mecanismos efetores da imunidade humoral
 
Aula 8
Aula 8 Aula 8
Aula 8
 
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorposFabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
Fabiane apresenta￧ ̄o+anticorpos
 
Anticorpo poster (4)
Anticorpo poster (4)Anticorpo poster (4)
Anticorpo poster (4)
 
Anticorpos Monoclonais
Anticorpos MonoclonaisAnticorpos Monoclonais
Anticorpos Monoclonais
 
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos MonoclonaisAp4 - Anticorpos Monoclonais
Ap4 - Anticorpos Monoclonais
 
IMUNIDADE III
IMUNIDADE IIIIMUNIDADE III
IMUNIDADE III
 
Aminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínasAminoácidos e proteínas
Aminoácidos e proteínas
 
Aula1 imuno clínica revisional
Aula1 imuno clínica  revisionalAula1 imuno clínica  revisional
Aula1 imuno clínica revisional
 
Resposta Imune Humoral - Imunologia
Resposta Imune Humoral - ImunologiaResposta Imune Humoral - Imunologia
Resposta Imune Humoral - Imunologia
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
 
Proteínas
ProteínasProteínas
Proteínas
 

Mais de Messias Miranda

Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Messias Miranda
 

Mais de Messias Miranda (18)

Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos tReceptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
Receptores de antígenos e moléculas acessórias dos linfócitos t
 
Introdução à imunologia
Introdução à imunologiaIntrodução à imunologia
Introdução à imunologia
 
Interpretação do hemograma
Interpretação do hemogramaInterpretação do hemograma
Interpretação do hemograma
 
Imunologia do transplante
Imunologia do transplanteImunologia do transplante
Imunologia do transplante
 
Continuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativaContinuação imunidade inata e adaptativa
Continuação imunidade inata e adaptativa
 
Imunidade celular
Imunidade celularImunidade celular
Imunidade celular
 
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoralDesenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
Desenvolvimento dos linfócitos e imunidade humoral
 
Metabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fspMetabolismo de aminoácidos fsp
Metabolismo de aminoácidos fsp
 
Metabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fspMetabolismo de lipídeos fsp
Metabolismo de lipídeos fsp
 
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fspFermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
Fermentação alcoólica e lática, gliconeogênese, glicogênese e glicogenólise fsp
 
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via GlicolíticaMetabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
Metabolismo de Carboidratos - Via Glicolítica
 
Carboidratos
CarboidratosCarboidratos
Carboidratos
 
Enzimas
EnzimasEnzimas
Enzimas
 
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínasAminoácidos, peptídeos e proteínas
Aminoácidos, peptídeos e proteínas
 
Introdução à bioquímica
Introdução à bioquímicaIntrodução à bioquímica
Introdução à bioquímica
 
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e ParasitáriasDiagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
Diagnóstico de Doenças Infecciosas e Parasitárias
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria BiotecnológicaAtuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
Atuação do Biomédico na Biotecnologia e Indústria Biotecnológica
 

Anticorpos

  • 1. Messias Miranda Junior messias.miranda@yahoo.com.br Unidade Itapetininga - SP Estrututa e Função dos Anticorpos
  • 2. Imunoglobulinas – Proteínas de conformação globular que participam da Resposta Imune. Podem ser encontradas secretadas ou ancoradas na membrana das células do sistema imunológico. Anticorpos – Glicoproteínas de formato globular secretadas por Linfócitos B que conferem a característica de especificidade da Resposta Imune Adquirida Humoral. Todo anticorpo é uma imunoglobulina, mas nem toda imunoglobulina é um Anticorpo!!!
  • 5. Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo
  • 6. Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo IgG secretada Cadeia leve Cadeia pesada Sítio ligador de antígeno Região FabDobradiça Sítios ligadores do receptor Fc e do complemento Cauda carboxi-terminal Ligação dissulfeto Domínio Ig Região Fc Estrutura cristalina de uma IgG secretada
  • 7. Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo Modelo em fita da cadeia pesada de uma IgG secretada CH VH
  • 8. Estrutura básica de uma molécula de Anticorpo Modelo em fita da cadeia leve e pesada de uma IgG secretada ligada a um antígeno antígeno antígeno
  • 9. Formados por 4 cadeias polipetídicas: 2 cadeias idênticas entre si denominadas Cadeias Pesadas (H) E 2 cadeias idênticas entre si Denominadas Cadeias Leves (L) As cadeias leves se ligam às cadeias pesadas através de ligações dissulfeto. As cadeias pesadas se ligam entre si Também por ligações dissulfeto
  • 10. A cadeia pesada possui uma região rica em determinados Aminoácidos, a qual confere maleabilidade à estrutura do Anticorpo, denominada Região da Dobradiça.
  • 11. Além disso, podemos encontrar distribuídos pelas Cadeias Leves e Pesadas, estruturas denominadas domínios, que são seqüências repetidas de Aminoácidos que assumem conformação particular
  • 12. Os anticorpos são classificados de acordo com o tipo de cadeia pesada que apresentam (Isotipos).
  • 13. As cadeias leves e pesadas possuem duas regiões distintas, classificadas de acordo com sua seqüência de aminoácidos: A Região Constante e a Região Variável
  • 14. Nas regiões variáveis, podemos identificar partes denominadas Regiões Hipervariáveis, ou mesmo CDRs (Regiões Determinantes De Complementariedade), que são estruturas que entram em contato Íntimo com o antígeno para o qual o anticorpo é específico
  • 16.
  • 17. Ligação do Antígeno ao Anticorpo As regiões variáveis das cadeias pesadas e leves são mostradas em azul e amarelo. As cadeias em vermelho compõem o sítio de ligação, evidenciando os resíduos de aminoácidos, nas regiões determinantes de complementariedade (CDR), que fazem contato com o antígeno.
  • 18. o Fc tem funções importantes. Veja então as funções do Fab e algumas do Fc RECEPTOR DE Fc Fab Fc MICRÓBIO 1 - SE LIGA AO ANTICORPO MICRÓBIO 2 - NÃO SE LIGA AO ANTICORPO LIGAÇÃO DO Fc AO FAGÓCITO LIGAÇÃO DO Fc AO COMPLEMENTO Ligação com o antígeno específico Outras atividades funcionais
  • 19. Neutralização, Opsonização e Ativação do Complemento
  • 20.
  • 21. IgM • Neutralizam toxinas. • Fixam o complemento. • Receptor de antígenos na superfície dos Linf. B. • Marcador de fase aguda de doenças infecciosas.
  • 22. IgG • Quatro subclasses: IgG1, IgG2, IgG3 e IgG4. • Neutralizam toxinas (todos). • Fazem opsonização (IgG1 e IgG3). • Fixam complemento (IgG1, IgG2 e IgG3). • São os únicos que podem atravessar a placenta (IgG2). • Marcador de fase crônica de doenças infecciosas.
  • 23. IgA • Neutralizam toxinas. • Bloqueiam a ligação de antígenos nas mucosas. • Apresentam-se na forma dimérica.
  • 24. IgE • Levam a degranulação de mastócitos e basófilos. • Participam da imunidade contra helmintos.
  • 25. IgD • Receptor de antígenos na superfície dos linf. B.
  • 26. Antígeno -Toda molécula reconhecida como estranha pelo organismo, interage com Ac e TCR - Imunoglobulina de Membrana e TCR se ligam a moléculas que não fazem parte das células do organismo em questão, reconhecimento do antígeno - TCRs se ligam somente a peptídeos processados e apresentados por APCs!
  • 27. Ligação do Antígeno ao Anticorpo A ligação entre Ag e Ac é resultado da conformação do Ag e do Fab do Ac e das interações químicas entre eles
  • 28. FORÇAS DE INTERAÇÃO AG-AC • A ligação entre o antígeno e o anticorpo é o resultado de ligações químicas entre as moléculas do anticorpo e do antígeno. • Podem ocorrer diferentes tipos de interação e diferentes números de ligações em ligações Antígeno-Anticorpo diferentes. • São forças químicas não covalentes reversíveis que regem essa interação.
  • 29. FORÇAS DE INTERAÇÃO AG-AC Diversos tipos de ligações químicas podem estar envolvidas ao mesmo tempo na ligação Ag-Ac
  • 30. Complexo Ag-AC A quantidade de um antígeno e de um anticorpo em uma Solução é fundamental para a formação de complexos Ag-Ac
  • 31. Afinidade – representa a força da ligação entre o Ag e o Ac Avidez – representa o somatório de todas essas forças Valência, Avidez e Afinidade