OOD - Princípio da Substituição de Liskov

956 visualizações

Publicada em

Slides do hangout da série sobre SOLID.
Dessa vez com a letrinha L - o Princípio de Substituição de Liskov.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
956
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

OOD - Princípio da Substituição de Liskov

  1. 1. Hangout OOD - Princípio da Substituição de Liskov 17/06/2014 Apoio
  2. 2. Participantes: • João Batista Neto – Moderador Hoster • Priscila Mayumi Sato – Slides • Ivo nascimento – Controlador do chat • Luís OtavioDaniel Ribeiro - Ignorado
  3. 3. Pauta • Repassar o que foi discutido no hangout passado e apontar o link para a gravação. • Abordar, com profundidade e exemplos, o princípio de design O.C.P. • Aberto mas fechado, como algo pode ser aberto mas fechado? • Como saber se meu código não está fechado? • Ilustrar casos do mundo real, através de exemplos em frameworks ou bibliotecas conhecidas, o uso de L.S.P. e as consequências que esse uso trouxe para o FW ou biblioteca.
  4. 4. Princípios de design passados
  5. 5. Princípio Substituição de Liskov
  6. 6. Substituição de Liskov • “Classes derivadas devem poder ser substituídas por suas classes base”
  7. 7. Substituição de Liskov • “O termo mais importante do principio de Liskov: o cliente. Quando falamos de OO é a objetos. Temos o cliente que consome o objeto qualquer. No Liskov quando o cliente utiliza determinado participante ele precisa confiar no participante original. Seu participante consegue não ser alterado pela variação? Essa é a grande pergunta do Liskov: poder substituir o participante sem alterar o cliente.” João
  8. 8. Substituição de Liskov • “Além da assinatura temos a expectativa do retorno. No pre conditions iremos abortar o input e no pro conditions iremos abortar output.” Ivo • “As classes derivas não podem ser mais fortes que as originais. Por exemplo: um dos parâmetros é um inteiro e a classe pai determina que ele é entre 1 e 10. A classe filha não pode restringir de 1 a 4, mas pode de 1 a 15. Essa é a questão do input.” Luiz Otávio
  9. 9. Substituição de Liskov • “O filho não pode ser mais restritiva que a classe pai.” Ivo • “Você pode substituir uma classe por sua classe base. A pergunta é: qual a consequência dessa substituição” João
  10. 10. Exemplos ENVIADOS ANONIMAMENTE PELO PÚBLICO
  11. 11. Sorteio! PARA QUEM PREENCHEU O FORMULÁRIO
  12. 12. Pôs pauta! DISCUSSÃO ALÉM DA PAUTA E RESOLUÇÃO DE DÚVIDAS DO PÚBLICO

×