MICORRIZAS
 O que são micorrizas................................. 3
 Classificação ............................................. 4
...
 Micorriza: é uma associação mutualística não
patogênica entre certos fungos do solo e as
raízes das plantas.
 1885 – Al...
 Dividas em dois grupos gerais:
Ectomicorrizas e Endomicorrizas.
 Endomicorrizas: Mais abundantes no reino
vegetal, pres...
 Bazidiomicetos e Ascomicetos
 Zigomicetos
5
 Tipo de Infecção: Intracelular e intercelular
 Reconhecimento
 Desenvolvimento
 Alterções bioquímicas e morfológicas....
 Ectomicorrízas: Rede de Hartig
7
 Endomicorrizas - Árbusculos
Glomus mossae
8
 Esquematizando as diferenças
9
 Inóculo natural: Produção de viveiros com solo
pré-inoculado de uma cultura florescida.
Produção em mudas;
 Inóculo art...
11
 Classificação das plantas de acordo com sua
condição micorrízica:
 Não micotróficas (nunca formam micorriza)
 Micotróf...
 As hifas de Glomus mosseae contribuem no
processo de estabilização de agregados do
solo, formando estruturas de esquelet...
 Rhizanova
 O Brasil apresenta um enorme potencial para
utilização de micorrizas;
15
 Aumento da produtividade de madeiras, fibras e
alimentos;
16
 Maior produtividade, gerando assim
um retorno financeiro
significativamente bom;
 Redução do uso de fertilizantes
quími...
 As micorrizas são um importante meio de
substituição ao atual tratamento químico de solo
produtivos, devido a sua associ...
 http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar
ttext&pid=S1415-43662006000300011
 http://www.agrolanzarote.com/actualida...
 http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstre
am/item/19386/1/Cavalcante.pdf
 http://www.ia.ufrrj.br/cpacs/arquivos/te...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Micorrizas

2.124 visualizações

Publicada em

Aspectos Biológicos e econômicos das micorrizas;

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.124
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Micorrizas

  1. 1. MICORRIZAS
  2. 2.  O que são micorrizas................................. 3  Classificação ............................................. 4  Aspectos Biológicos .................................. 6  Inoculação e Propagação ........................... 10  Produto Comercial .................................... 11  Aspectos Econômicos ............................... 14  Conclusão ................................................ 16 2
  3. 3.  Micorriza: é uma associação mutualística não patogênica entre certos fungos do solo e as raízes das plantas.  1885 – Albert Bernard Frank  Coevolução: a associação simbiótica surgiu na evolução das plantas e dos fungos simultaneamente. 3
  4. 4.  Dividas em dois grupos gerais: Ectomicorrizas e Endomicorrizas.  Endomicorrizas: Mais abundantes no reino vegetal, presente em 80% da população.  Predominantemente fungos do Filo Zygomycota  Ectomicorrizas: são mais comuns em regiões temperadas, em algumas espécies de árvores e arbustos  Predominante do Filo Basidiomycota e Ascomycota 4
  5. 5.  Bazidiomicetos e Ascomicetos  Zigomicetos 5
  6. 6.  Tipo de Infecção: Intracelular e intercelular  Reconhecimento  Desenvolvimento  Alterções bioquímicas e morfológicas. 6
  7. 7.  Ectomicorrízas: Rede de Hartig 7
  8. 8.  Endomicorrizas - Árbusculos Glomus mossae 8
  9. 9.  Esquematizando as diferenças 9
  10. 10.  Inóculo natural: Produção de viveiros com solo pré-inoculado de uma cultura florescida. Produção em mudas;  Inóculo artificial: É limitado o uso pela dificuldade de produzir em condições axênicas. Meios de cultura específicos, contendo raízes.  Aspectos de Inoculção:  - Endomicorrizas: Uso de raízes modificadas com a bactéria Agrobacterium rhizogenes  Biotróficas obrigatórias;  - Ectomicorrizas: Maceração dos esporângios. 10
  11. 11. 11
  12. 12.  Classificação das plantas de acordo com sua condição micorrízica:  Não micotróficas (nunca formam micorriza)  Micotróficas facultativas (sobrevivem com e sem a simbiose)  Micotróficas obrigatórias (precisam da micorriza para sobreviver). No entanto, podem se tornar independentes com a maturidade.
  13. 13.  As hifas de Glomus mosseae contribuem no processo de estabilização de agregados do solo, formando estruturas de esqueleto que fisicamente conserva as partículas minerais do solo, servindo como fonte de agentes de ligações orgânicas e inorgânicas.
  14. 14.  Rhizanova
  15. 15.  O Brasil apresenta um enorme potencial para utilização de micorrizas; 15
  16. 16.  Aumento da produtividade de madeiras, fibras e alimentos; 16
  17. 17.  Maior produtividade, gerando assim um retorno financeiro significativamente bom;  Redução do uso de fertilizantes químicos;  Contribuição para uma agricultura sustentável; 17
  18. 18.  As micorrizas são um importante meio de substituição ao atual tratamento químico de solo produtivos, devido a sua associação ser benéfica para a vegetação de diversas formas: em sua proteção contra invasões patogênicas, o auxílio ao acesso dos nutrientes mais afastados da rizosfera, a produção de hormônios que auxiliam no crescimento e manutenção das comunidades vegetais. Elas, juntamente com outros simbiontes têm se mostrado fundamentais ao aumento da cadeia produtiva de madeiras de uma forma sustentável e benéfica aos ecossistemas, sendo biofertilizantes e biorreguladores do solo. 18
  19. 19.  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ar ttext&pid=S1415-43662006000300011  http://www.agrolanzarote.com/actualidad/pu blicacion/micorrizas-biofertilizadores- naturales-del-suelo  Universidade de Lavras; Avanços em fundamentos e aplicação de micorrizas; José Oswaldo Siqueira, editor. Federal de lavras/DCS e DCF, 1996. 290 p. 19
  20. 20.  http://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstre am/item/19386/1/Cavalcante.pdf  http://www.ia.ufrrj.br/cpacs/arquivos/teses_ dissert/248_(ME- 2011)_Camila_Pinheiro_Nobre.pdf  http://www.ipef.br/publicacoes/ctecnica/nr0 71.pdf 20

×