Arte media

2.051 visualizações

Publicada em

este slide vai mostra todas as artes da idade media e o que cada uma é.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.051
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Arte media

  1. 1. A ARTE DA IDADE MÉDIA A arte da Idade Média insere-se no período que, convencionalmente, se chama de Idade Média . A Igreja Católica assume neste período um papel de extrema importância filtrando todas as produções cientificas e culturais, fazendo com que muitas obras artísticas tenham temática religiosa. A arte da Idade Media é conceituada em três estilos: Periodização, período Pré - românico, maior proximidade formal ao Românico, Românico e Gótico
  2. 2. PERIODIZAÇÃO
  3. 3. ARTE BIZANTINA  A arte Bizantina teve seu centro de difusão a partir da cidade de Constantinopla, capital do Império Romano do Oriente, e desenvolveu-se a princípio incorporando características provenientes de regiões orientais, como a Ásia Menor e a Síria.
  4. 4. Arquitetura O grande destaque da arquitetura foi a construção de Igrejas, facilmente compreendido dado o caráter teocrático do Império Bizantino. A necessidade de construir Igrejas espaçosas e monumentais, determinou a utilização de cúpulas sustentadas por colunas, onde haviam os capitéis, trabalhados e decorados com revestimento de ouro, destacando-se a influência grega.
  5. 5. Pintura e Escultura A pintura bizantina não teve grande desenvolvimento, pois assim como a escultura sofreram forte obstáculo devido ao movimento iconoclasta . Encontramos três elementos distintos: os ícones, pinturas em painéis portáteis, com a imagem da Virgem Maria, de cristo ou de santos; as miniaturas, pinturas usadas nas ilustrações dos livros, portanto vinculadas com a temática da obra; e os afrescos, técnica de pintura mural onde a tinta era aplicada no revestimento das paredes, ainda úmidos, garantindo sua fixação. Destaca-se na escultura o trabalho com o marfim, principalmente os dípticos, obra em baixo relevo, formada por dois pequenos painéis que se fecham, ou trípticos, obras semelhantes às anteriores, porém com uma parte central e duas partes laterais que se fecham.
  6. 6. Mosaicos O Mosaico foi uma forma de expressão artística importante no Império Bizantino, principalmente durante seu apogeu, no reinado de Justiniano, consistindo na formação de uma figura com pequenos pedaços de pedras colocadas sobre o cimento fresco de uma parede. A arte do mosaico serviu para retratar o Imperador ou a imperatriz, destacando-se ainda a figura dos profetas.
  7. 7.  A arte islâmica abrange a literatura, dança, música, tea tro e artes visuais da população do Oriente Médio que adotou o islamismo a partir do século VII. Ela não significa somente uma manifestação que tem por objetivo render culto a fé, pois apresenta grandes características artísticas de um povo que dominou uma grande parte do mundo durante muito tempo. ARTE ISLÂMICA
  8. 8. Arquitetura Na arquitetura, os muçulmanos se expressavam através da construção de mesquitas, escolas religiosas, conhecidas como madrasas, locais de retiros espirituais e túmulos. Arte visual Suas artes visuais constituem-se de elementos geométricos e arabescos que geralmente não possuem expressões figurativas. Mesmo assim encontramos expressões com imagens de animais e humanos.
  9. 9. Pintura Já na pintura islâmica destacam-se afrescos e miniaturas. Muito pouco desta arte existe ate hoje, pois eram empregadas em paredes de palácios ou edifícios públicos. Cultura Islâmica Dentro da cultura islâmica, os tapetes e tecidos desempenharam grande papel na decoração de tendas na época do nomadismo. Esta arte abrange ainda a literatura, a música, a dança e o teatro.
  10. 10. ARTE DOS POVOS GERMÂNICOS  Arte dos povos germânicos ou arte bárbara refere-se à arte dos povos conhecidos genericamente como bárbaros (mongóis, vâ ndalos, alanos, francos, germâ nicos e suecos entre outros) que, depois da queda do Império Romano, avançaram definitivamente sobre a Europa.
  11. 11. Arquitetura Quase totalmente desprovidos de arquitetura, os bárbaros apropriaram-se das formas da Antiguidade tardia e da arte Bizantina, às quais acrescentaram alguns elementos próprios. Os francos (França) usaram nas suas construções salas retangulares de três naves e absidesemisircular, com silharia de madeira para as igrejas, e cúpula para os batistérios; os ostrogodos (Itália) ergueram edifícios mais representativos e ricamente decorados com pinturas a fresco e mosaicos, nos quais combinaram as formas bizantinas com as romanas.
  12. 12. Escultura A escultura em pedra foi destinada à decoração de igrejas e batistérios, na forma de relevos planos, capitéis e sarcófagos, seguindo o estilo do Império Romano. A entalhadura do marfim também foi muito usada e continuou-se com a tradição dos dípticos consulares de influência bizantina, cujas formas foram adaptadas na confecção de capas de livros evangélicos e Bíblias.
  13. 13. Ourivesaria Os bárbaros, como povos nómadas, desenvolveram uma grande destreza no fabrico de objetos facilmente transportáveis, fossem eles de luxo ou utilitários. Deste modo destacam-se na ourivesaria, na fundição e moldagem de metais, tanto para o fabrico de armas como de joias (braceletes, colares, anéis, etc.), e nas técnicas de decoração correspondentes.
  14. 14. ARTE CAROLÍNGIA  A arte sofreu uma grande influência das culturas grega, romana e bizantina. Destacam-se a construção de palácios e igrejas. As iluminuras (livros pequenos com muitas ilustrações, com detalhes em dourado) e os relicários (recipientes decorados para guardar relíquias sagradas) também marcaram este período.
  15. 15. ARTE OTONIANA  A arte otoniana é um momento da arte que surge na Alemanha, de meados do século X a inícios do século XI durante o Sacro Império Romano-Germânico com Otão I da Germânia e seus sucessores. É o estilo que sucede ao carolíngio do qual recebe grande influência e que antecipa formalmente o românico.
  16. 16. Arquitetura A arquitetura da época otoniana inspira-se especialmente na tradição da arquitetura carolíngia, mas também sofreu influência da arquitetura das basílicas paleo-cristãs. Ao contrário da época carolíngia, quando as grandes obras arquitetônicas foram financiadas pelos soberanos carolíngios, a arquitetura otoniana foi impulsada tanto pelos reis otonianos como por figuras religiosas destacadas, como bispos e abades das cidades e mosteiros germânicos.
  17. 17. Escultura A escultura é realista e expressiva e a iluminura é de grande força e intensidade, revelando uma grande variedade de matizes e a tentativa de clarificação da mensagem através da hierarquia pela escala das figuras. Pintura Na pintura, o período otoniano foi marcado ainda pela elaboração de iluminuras, onde se combinam elementos carolíngios e bizantinos. O centro mais importante de criação de manuscritos era o mosteiro da Ilha de Reichenau, uma ilha no lago de Constança. A sua mais bela realização foi o Evangeliário de Oton III.
  18. 18. ARTE ROMÂNICA  Arte românica é o nome dado ao estilo artístico vigente na Europa entre os séculos XI e XIII, durante o período da história da arte comumente conhecido como "românico". O estilo é visto principalmente nas igrejas católicas construídas após a expansão do cristianismo pela Europa e foi o primeiro depois da queda do Império Romano a apresentar características comuns em várias regiões.
  19. 19. Arquitetura A arquitetura românica é o estilo arquitectónico que surgiu na Europa no século X e evoluiu para o estilo gótico no fim do século XII. Caracteriza-se por construções austeras e robustas, com paredes grossas e minúsculas janelas, cuja principal função era resistir a ataques de exércitos inimigos.
  20. 20. Escultura A escultura renasceu no românico, depois de muitos anos esquecida. Seu apogeu se dá no século XV, quando inicia um estilo realista, mas simbólico, que antecipa o estilo gótico. A escultura é sempre condicionada à arquitetura. Outra importante característica é seu caráter simbólico e antinaturalista. Não havia a preocupação com a representação fiel dos seres e objetos. Volume, cor, efeito de luz e sombra, tudo era confuso e simbólico, representando muitas vezes coisas não terrenas, mas sim provenientes da imaginação. Em algumas esculturas, nota-se a aparência clássica, influência da Antiguidade, como no Apóstolo, de Saint-Sernin de Toulouse.
  21. 21. Pintura A pintura não se destacou tanto quanto a arquitetura nesse período. Os principais trabalhos são a pintura mural, as iluminuras e as tapeçarias. A pintura parietal, ou seja, executada nas paredes, era dependente da arquitetura, como pode-se deduzir, tendo aquela somente função didática. Em um período em que a grande maioria da população era analfabeta, a pintura era uma forma de transmitir os ensinamentos do cristianismo.
  22. 22. ARTE GOTICA  O estilo Gótico desenvolveu- se na Europa, principalmente na França, durante a Baixa Idade Média e é identificado como a Arte das Catedrais.
  23. 23. Arquitetura

×