Encontro do dia 21/07/2009

343 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
343
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
20
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Encontro do dia 21/07/2009

  1. 1. Oficina TP6 Unidade 21
  2. 2. <ul><li>É pelo uso efetivo da língua, como ação tipicamente humana, social e intencional que Austin (1962) tenta estabelecer critérios para definir o caráter performativo da linguagem, ou seja, o poder que a linguagem tem de praticar ações por meio dos atos de fala . </li></ul><ul><li>A linguagem </li></ul><ul><li>forma de ação dotada de intencionalidade. </li></ul><ul><li>A concepção de argumentação </li></ul><ul><li>atividade subjacente a todo e qualquer uso da linguagem abarca, pois, o jogo de relações intersubjetivas travado entre interlocutores no uso da linguagem. (GUIMARÃES, apud MOSCA, 1997). </li></ul>
  3. 3. <ul><li>“ O ato de argumentar é visto como o ato de persuadir que procura atingir a vontade, envolvendo a subjetividade, os sentimentos, a temporalidade, buscando adesão e não criando certezas”.  KOCH (2002, p.10) </li></ul>
  4. 4. <ul><li>“ (...) o valor argumentativo de uma frase não é somente uma conseqüência das informações por ela trazidas, mas a frase pode comportar diversos morfemas, expressões ou termos que, além de seu conteúdo informativo, servem para dar uma orientação argumentativa ao enunciado, a conduzir o destinatário em tal ou qual direção” .(Ducrot, 1981, p.178) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>As marcas de argumentação nas produções escritas, conforme definidas por Golder & Coirier (1994), são: </li></ul><ul><li>a) contra-argumentos : um argumento a favor de uma dada conclusão é apresentado como sendo mais forte que uma inicialmente apresentada a favor de uma conclusão oposta (conectivos concessivos e apositivos tais como mesmo se, contudo etc., são indicadores lingüísticos de contra-argumentação); </li></ul><ul><li>b) formas prescritivas : que definem uma obrigação moral ou constitucional (não se deve, deve-se...) e formas axiológicas que expressem uma avaliação subjetiva de fatos ou um julgamento de valores (é bom, é estúpido); </li></ul><ul><li>c) expressões de graus de certeza : aquele que fala indica o alcance de seu julgamento (talvez, certamente); </li></ul><ul><li>d) endosso do locutor e expressão : o sujeito indica a fonte enunciativa de uma declaração e mantém alguma distância do próprio discurso ou está disposto a ser tido como responsável por ele (creio que, em minha opinião). </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Na propaganda, o texto não serve apenas para informar. A escolha das palavras (e de outros elementos) é feita em decorrência de sua força persuasiva, porque, mais do que argumentar, é necessário envolver o interlocutor no universo criado por ela, introduzi-lo em um mundo de sonhos, desejos e fantasias. </li></ul>
  7. 8. Tarefa para <ul><li>Leitura da unidade 21 do TP6 </li></ul><ul><li>Avançando na Prática da página 39 </li></ul><ul><li>AAA do aluno página 15 e 33 AAA do professor página 15 e 36 </li></ul>Boas Férias!

×