SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
FORMAS DE APROVEITAMENTO DE
RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE CÔCO
NO BRASIL
André Barros
Ederson Freitas
Jakson Sousa
Layo Ricardo Machado Leal
RESÍDUOS
Subprodutos gerados em todos o estágios das atividades humanas,
em termos tanto de composição como de volume, variam em função
das práticas de consumo e dos métodos de produção.
Figuras 1 e 2: Resíduos de coco depositados ao relento.
PRODUÇÃO DE COCO
TABELA 1: Produção de coco no mundo em
2011
O consumo de água de coco tem gerado milhões de toneladas de casca
de coco por ano, já que 80% a 85% do peso bruto do coco verde é
considerado lixo.
O PROBLEMAS DE RESÍDUOS DO COCO
As principais preocupações estão voltadas para as repercussões que
podem ter sobre a saúde humana e sobre o meio ambiente.
- Grande demanda de áreas para deposição;
- Proliferação de insetos e roedores;
- Proliferação de vetores pelo acúmulo de água em suas cascas;
- Poluição das águas superficiais e subterrâneas
Figura 3: Depósito ilegal de resíduos de coco.
FORMAS DE APROVEITAMENTO:
TELAS E MANTAS BIODEGRADÁVEIS
Tem por objetivo proporcionar a rápida recuperação do solo e
a um baixo custo se comparado com outros sistemas além de ser
incorporado ao terreno com o passar do tempo, diminuindo o impacto
gerado sobre o meio ambiente.
Figura 4: Mantas de fibra de coco. EMBRAPA
GERAÇÃO DE ENERGIA TÉRMICA
Vantagens:
- Redução na queima de madeira;
- Redução nas emissões de gases
estufa;
- Baixo preço da matéria-prima
(principalmente no Nordeste
brasileiro)
- Redução desse subproduto nos
lixões e aterros sanitários
- Poder calorífico satisfatório.
Desvantagens:
- Liberação de substância danosa à
estrutura de fornos cerâmicos;
- Alta umidade na casca do fruto
imaturo(Secagem prévia).
Figura 5: Depósito de cascas secas para
queima
ISOLAMENTO ACÚSTICO
Figura 6: Manta Anti-ruido. Fonte: D´arte flores
(2007)
A fibra de coco pertence
à família das fibras duras e tem
como principais componentes a
celulose e o lenho que fazem com
que ela tenha índices elevados de
dureza e rigidez, transformando-a
em um material quase perfeito
para o isolamento acústico e
térmico. A fibra de coco verde e
maduro contribui para uma
redução substancial dos níveis
sonoros, quer de impacto, quer
aéreos, sendo a solução ideal
para muitos dos problemas na
área acústica, superando
largamente os resultados obtidos
com a utilização de outros
materiais.
INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA
A fibra de coco é
utilizada na fabricação
de peças como encostos
de cabeça, pára-sol
interno, assentos e
encostos de bancos, que
equipam os veículos da
marca Mercedes-Benz
produzidos no Brasil.
Figura 7: assentos, encostos e para-sol de fibra de coco.
TIJOLOS FIBRA DE COCO VERDE
Segundo o INPA
(Instituto Nacional de
Pesquisas da Amazônia) o
tijolo não utiliza argila, é
mais resistente, oferece
maior proteção térmica e
não precisa ser cozido, o
que evita cortes de
árvores para alimentar os
fornos.
Figura 8: Tijolos de casca de coco compactada e prensada
OUTRAS UTILIDADES
- Utilização do coco como substrato
Objetivo de otimizar o desenvolvimento da planta
- Produção de papel
Reduzir o consumo de papel da indústria madeireira
- Engenharia civil e de materiais
Aumento da resistência de matrizes de polímeros e atua como
reforço de estruturas
Entre outras
CONCLUSÃO
Conclui-se a existência de várias
alternativas para o aproveitamento dos
resíduos da indústria do coco verde, formas
e atividades nobres como a adubação, o
estofamento de bancos para veículos
automotores e até energia térmica entre
outros. Porém, o elemento de bloqueio
destas práticas ainda é a economicidade,
pois se torna o maior gargalo para sua
aplicação, os custos de desenvolvimento
das novas tecnologias .
Referências
 SILVA, G.O.; JERÔNIMO, C.E. “ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA O
APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO
COCO”. Monografias Digitais, v(10), nº 10, p. 2193 – 2208, OUT-DEZ
2012.
 PEREIRA, C.L. “APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO COCO VERDE PARA
PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO RURAL”.
Tese (Doutorado), Faculdade de Zootecnia e Engenharia de
Alimentos – Universidade de São Paulo
 Machado, K.C.; Damm, D.D.; Fornari,C.C.M. “REAPROVEITAMENTO
TECNOLÓGICO DE RESÍDUO ORGÂNICO: CASCA DE COCO VERDE NA
PRODUÇÃO DE GABINETES ECOLÓGICOS DE COMPUTADORES”. In: 2º
Fórum Internacional de Resíduos Sólidos – julho 2009
 COCO: qual destino dar à casca? A Lavoura Nº 690/2012, pg 26-30.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporteAgricultura Sao Paulo
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...Portal Canal Rural
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralfabio schwab
 
Propriedades físico-químicas de agrotóxicos
Propriedades físico-químicas de agrotóxicosPropriedades físico-químicas de agrotóxicos
Propriedades físico-químicas de agrotóxicosGeagra UFG
 
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural Revista Cafeicultura
 
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOBENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOGeagra UFG
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do AlgodãoGeagra UFG
 
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosQuestões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosAndré Fontana Weber
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaGeagra UFG
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasMarcos Ferreira
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroGeagra UFG
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilNetNexusBrasil
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAGeagra UFG
 
A reserva legal e o novo código florestal
A reserva legal e o novo código florestalA reserva legal e o novo código florestal
A reserva legal e o novo código florestalIRIB
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Emidio Barros
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidadesigor-oliveira
 

Mais procurados (20)

Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transportePós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
Pós colheita em Frutas: pesquisa, armazenagem e transporte
 
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi... Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
Giberela ou brusone? Orientações para a identificação correta dessas enfermi...
 
Métodos de extensão rural
Métodos de extensão ruralMétodos de extensão rural
Métodos de extensão rural
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
 
Propriedades físico-químicas de agrotóxicos
Propriedades físico-químicas de agrotóxicosPropriedades físico-químicas de agrotóxicos
Propriedades físico-químicas de agrotóxicos
 
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural Bb roteiro projeto completo Credito Rural
Bb roteiro projeto completo Credito Rural
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃOBENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
BENEFICIAMENTO DO ALGODÃO
 
Colheita do Algodão
Colheita do AlgodãoColheita do Algodão
Colheita do Algodão
 
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãosQuestões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
Questões pós-colheita/ Armazenagem de grãos
 
Sorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologiaSorgo morfologia e fisiologia
Sorgo morfologia e fisiologia
 
Aplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolasAplicação de defensivos agrícolas
Aplicação de defensivos agrícolas
 
Sistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastorilSistema agrosilvipastoril
Sistema agrosilvipastoril
 
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiroManejo do solo e plantio do feijoeiro
Manejo do solo e plantio do feijoeiro
 
Controle biológico no Brasil
Controle biológico no BrasilControle biológico no Brasil
Controle biológico no Brasil
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 
A reserva legal e o novo código florestal
A reserva legal e o novo código florestalA reserva legal e o novo código florestal
A reserva legal e o novo código florestal
 
Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)Manejo de-pragas-finalizado (2)
Manejo de-pragas-finalizado (2)
 
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
1 agroecossistemas e propriedades estruturais de comunidades
 
Aula cacau
Aula cacauAula cacau
Aula cacau
 

Destaque

Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicas
Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicasCaracterização de fibras de coco por diferentes técnicas
Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicasmonica silva
 
Materiais compósitos na engenharia automotiva
Materiais compósitos na engenharia automotivaMateriais compósitos na engenharia automotiva
Materiais compósitos na engenharia automotivaSérgio Faria
 
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...Franklin Oliveira
 
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012Madrid Forest S.A.
 
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu EstiloMeu Espaço Meu Estilo
 
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu EstiloMeu Espaço Meu Estilo
 
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos Uso de materiais compósitos em reparos de dutos
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos Géssica Nicolau
 
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu EstiloMeu Espaço Meu Estilo
 
Pisos de vinil y pvc
Pisos de vinil y pvcPisos de vinil y pvc
Pisos de vinil y pvcmela2314
 
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu EstiloMeu Espaço Meu Estilo
 
Cactáceas e Suclentas
Cactáceas e SuclentasCactáceas e Suclentas
Cactáceas e SuclentasAndre Benedito
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Franklin Oliveira
 

Destaque (20)

Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicas
Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicasCaracterização de fibras de coco por diferentes técnicas
Caracterização de fibras de coco por diferentes técnicas
 
Fibra de coco
Fibra de cocoFibra de coco
Fibra de coco
 
Materiais compósitos na engenharia automotiva
Materiais compósitos na engenharia automotivaMateriais compósitos na engenharia automotiva
Materiais compósitos na engenharia automotiva
 
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
Ministério do Meio Ambiente - Secretaria de Articulação Institucional e Cidad...
 
Programa Bambú
Programa BambúPrograma Bambú
Programa Bambú
 
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012
Catálogo suelos de bambú Moso MadridForest 2012
 
2011 marmoglass juliaferreira
2011 marmoglass juliaferreira2011 marmoglass juliaferreira
2011 marmoglass juliaferreira
 
Plasticos ''pvc''
Plasticos ''pvc''Plasticos ''pvc''
Plasticos ''pvc''
 
Linóleo
LinóleoLinóleo
Linóleo
 
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Linoleo Meu Espaco Meu Estilo
 
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Assoalho de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
 
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos Uso de materiais compósitos em reparos de dutos
Uso de materiais compósitos em reparos de dutos
 
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Taco de Madeira Meu Espaco Meu Estilo
 
Pisos de vinil y pvc
Pisos de vinil y pvcPisos de vinil y pvc
Pisos de vinil y pvc
 
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu EstiloFicha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu Estilo
Ficha Técnica Piso Vinilico Meu Espaco Meu Estilo
 
Coco[1]
Coco[1]Coco[1]
Coco[1]
 
Cactáceas e Suclentas
Cactáceas e SuclentasCactáceas e Suclentas
Cactáceas e Suclentas
 
Especialidade de Cactos (Aula Visual)
Especialidade de Cactos (Aula Visual)Especialidade de Cactos (Aula Visual)
Especialidade de Cactos (Aula Visual)
 
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
Guia para elaboração dos Planos de Gestão de Resíduos Sólidos.
 
Tuberia de-pvc
Tuberia de-pvcTuberia de-pvc
Tuberia de-pvc
 

Semelhante a Formas de aproveitamento de resíduos do coco

Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercutKarina Miranda
 
Intregração de conhecimentos para o ENEM - Biocombustíveis
Intregração de conhecimentos para o ENEM  - BiocombustíveisIntregração de conhecimentos para o ENEM  - Biocombustíveis
Intregração de conhecimentos para o ENEM - BiocombustíveisMaiquel Vieira
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterJean Silva
 
Biomassa para Produção de Energia
Biomassa para Produção de EnergiaBiomassa para Produção de Energia
Biomassa para Produção de EnergiaRural Pecuária
 
Trabalho indstria
Trabalho indstriaTrabalho indstria
Trabalho indstriajoaoaliardi
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industriasGiulio Altoé
 
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)Leandra Alencar
 
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalNota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalCarlos Alberto Monteiro
 
Biocombustivel de algas
Biocombustivel de algasBiocombustivel de algas
Biocombustivel de algasRecupera
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeAdriana Mendes
 
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...Maria da Paz Ferreira do Nascimento
 
58262701 plasticos-na-industria-mecanica
58262701 plasticos-na-industria-mecanica58262701 plasticos-na-industria-mecanica
58262701 plasticos-na-industria-mecanicajacqueagnet
 
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdf
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdfECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdf
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdfLidianePatriciaGonal
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completaClaudinéa Ribeiro Neves
 

Semelhante a Formas de aproveitamento de resíduos do coco (20)

Papel e Celulose
Papel e CelulosePapel e Celulose
Papel e Celulose
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
 
Intregração de conhecimentos para o ENEM - Biocombustíveis
Intregração de conhecimentos para o ENEM  - BiocombustíveisIntregração de conhecimentos para o ENEM  - Biocombustíveis
Intregração de conhecimentos para o ENEM - Biocombustíveis
 
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air WaterBoletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
Boletim informativo - Grupo EkoBio e Ô Amazon Air Water
 
70 304-1-pb
70 304-1-pb70 304-1-pb
70 304-1-pb
 
Estudo enem
Estudo enemEstudo enem
Estudo enem
 
Estudo enem
Estudo enemEstudo enem
Estudo enem
 
Biomassa para Produção de Energia
Biomassa para Produção de EnergiaBiomassa para Produção de Energia
Biomassa para Produção de Energia
 
Trabalho indstria
Trabalho indstriaTrabalho indstria
Trabalho indstria
 
Resíduos industrias
Resíduos industriasResíduos industrias
Resíduos industrias
 
V19n2a09
V19n2a09V19n2a09
V19n2a09
 
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)
05 024-alencar silva-b&e-2011-pf-141-148 (1)
 
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão VegetalNota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
Nota técnica sobre a produção de Carvão Vegetal
 
Biocombustivel de algas
Biocombustivel de algasBiocombustivel de algas
Biocombustivel de algas
 
Engenharia da Sustentabilidade
Engenharia da SustentabilidadeEngenharia da Sustentabilidade
Engenharia da Sustentabilidade
 
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...
Importância de compósitos sustentáveis fibra natural - polímero para produção...
 
58262701 plasticos-na-industria-mecanica
58262701 plasticos-na-industria-mecanica58262701 plasticos-na-industria-mecanica
58262701 plasticos-na-industria-mecanica
 
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdf
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdfECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdf
ECF_AND_TCF_BLEACHING_OF_SECONDARY_FIBER_PULP.pdf
 
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação  completaReciclagem de garrafas pet apresentação  completa
Reciclagem de garrafas pet apresentação completa
 
Combustiveis - Química
Combustiveis - QuímicaCombustiveis - Química
Combustiveis - Química
 

Último

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (7)

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
AE03 - INFORMATICA INDUSTRIAL UNICESUMAR 51/2024
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Formas de aproveitamento de resíduos do coco

  • 1. FORMAS DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE CÔCO NO BRASIL André Barros Ederson Freitas Jakson Sousa Layo Ricardo Machado Leal
  • 2. RESÍDUOS Subprodutos gerados em todos o estágios das atividades humanas, em termos tanto de composição como de volume, variam em função das práticas de consumo e dos métodos de produção. Figuras 1 e 2: Resíduos de coco depositados ao relento.
  • 3. PRODUÇÃO DE COCO TABELA 1: Produção de coco no mundo em 2011 O consumo de água de coco tem gerado milhões de toneladas de casca de coco por ano, já que 80% a 85% do peso bruto do coco verde é considerado lixo.
  • 4. O PROBLEMAS DE RESÍDUOS DO COCO As principais preocupações estão voltadas para as repercussões que podem ter sobre a saúde humana e sobre o meio ambiente. - Grande demanda de áreas para deposição; - Proliferação de insetos e roedores; - Proliferação de vetores pelo acúmulo de água em suas cascas; - Poluição das águas superficiais e subterrâneas Figura 3: Depósito ilegal de resíduos de coco.
  • 5. FORMAS DE APROVEITAMENTO: TELAS E MANTAS BIODEGRADÁVEIS Tem por objetivo proporcionar a rápida recuperação do solo e a um baixo custo se comparado com outros sistemas além de ser incorporado ao terreno com o passar do tempo, diminuindo o impacto gerado sobre o meio ambiente. Figura 4: Mantas de fibra de coco. EMBRAPA
  • 6. GERAÇÃO DE ENERGIA TÉRMICA Vantagens: - Redução na queima de madeira; - Redução nas emissões de gases estufa; - Baixo preço da matéria-prima (principalmente no Nordeste brasileiro) - Redução desse subproduto nos lixões e aterros sanitários - Poder calorífico satisfatório. Desvantagens: - Liberação de substância danosa à estrutura de fornos cerâmicos; - Alta umidade na casca do fruto imaturo(Secagem prévia). Figura 5: Depósito de cascas secas para queima
  • 7. ISOLAMENTO ACÚSTICO Figura 6: Manta Anti-ruido. Fonte: D´arte flores (2007) A fibra de coco pertence à família das fibras duras e tem como principais componentes a celulose e o lenho que fazem com que ela tenha índices elevados de dureza e rigidez, transformando-a em um material quase perfeito para o isolamento acústico e térmico. A fibra de coco verde e maduro contribui para uma redução substancial dos níveis sonoros, quer de impacto, quer aéreos, sendo a solução ideal para muitos dos problemas na área acústica, superando largamente os resultados obtidos com a utilização de outros materiais.
  • 8. INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA A fibra de coco é utilizada na fabricação de peças como encostos de cabeça, pára-sol interno, assentos e encostos de bancos, que equipam os veículos da marca Mercedes-Benz produzidos no Brasil. Figura 7: assentos, encostos e para-sol de fibra de coco.
  • 9. TIJOLOS FIBRA DE COCO VERDE Segundo o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) o tijolo não utiliza argila, é mais resistente, oferece maior proteção térmica e não precisa ser cozido, o que evita cortes de árvores para alimentar os fornos. Figura 8: Tijolos de casca de coco compactada e prensada
  • 10. OUTRAS UTILIDADES - Utilização do coco como substrato Objetivo de otimizar o desenvolvimento da planta - Produção de papel Reduzir o consumo de papel da indústria madeireira - Engenharia civil e de materiais Aumento da resistência de matrizes de polímeros e atua como reforço de estruturas Entre outras
  • 11. CONCLUSÃO Conclui-se a existência de várias alternativas para o aproveitamento dos resíduos da indústria do coco verde, formas e atividades nobres como a adubação, o estofamento de bancos para veículos automotores e até energia térmica entre outros. Porém, o elemento de bloqueio destas práticas ainda é a economicidade, pois se torna o maior gargalo para sua aplicação, os custos de desenvolvimento das novas tecnologias .
  • 12. Referências  SILVA, G.O.; JERÔNIMO, C.E. “ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO COCO”. Monografias Digitais, v(10), nº 10, p. 2193 – 2208, OUT-DEZ 2012.  PEREIRA, C.L. “APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO COCO VERDE PARA PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO RURAL”. Tese (Doutorado), Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos – Universidade de São Paulo  Machado, K.C.; Damm, D.D.; Fornari,C.C.M. “REAPROVEITAMENTO TECNOLÓGICO DE RESÍDUO ORGÂNICO: CASCA DE COCO VERDE NA PRODUÇÃO DE GABINETES ECOLÓGICOS DE COMPUTADORES”. In: 2º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos – julho 2009  COCO: qual destino dar à casca? A Lavoura Nº 690/2012, pg 26-30.