Formas de aproveitamento de resíduos da produção de coco

1.927 visualizações

Publicada em

Publicada em: Engenharia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.927
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Formas de aproveitamento de resíduos da produção de coco

  1. 1. FORMAS DE APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS DA PRODUÇÃO DE CÔCO NO BRASIL André Barros Ederson Freitas Jakson Sousa Layo Ricardo Machado Leal
  2. 2. RESÍDUOS Subprodutos gerados em todos o estágios das atividades humanas, em termos tanto de composição como de volume, variam em função das práticas de consumo e dos métodos de produção. Figuras 1 e 2: Resíduos de coco depositados ao relento.
  3. 3. PRODUÇÃO DE COCO TABELA 1: Produção de coco no mundo em 2011 O consumo de água de coco tem gerado milhões de toneladas de casca de coco por ano, já que 80% a 85% do peso bruto do coco verde é considerado lixo.
  4. 4. O PROBLEMAS DE RESÍDUOS DO COCO As principais preocupações estão voltadas para as repercussões que podem ter sobre a saúde humana e sobre o meio ambiente. - Grande demanda de áreas para deposição; - Proliferação de insetos e roedores; - Proliferação de vetores pelo acúmulo de água em suas cascas; - Poluição das águas superficiais e subterrâneas Figura 3: Depósito ilegal de resíduos de coco.
  5. 5. FORMAS DE APROVEITAMENTO: TELAS E MANTAS BIODEGRADÁVEIS Tem por objetivo proporcionar a rápida recuperação do solo e a um baixo custo se comparado com outros sistemas além de ser incorporado ao terreno com o passar do tempo, diminuindo o impacto gerado sobre o meio ambiente. Figura 4: Mantas de fibra de coco. EMBRAPA
  6. 6. GERAÇÃO DE ENERGIA TÉRMICA Vantagens: - Redução na queima de madeira; - Redução nas emissões de gases estufa; - Baixo preço da matéria-prima (principalmente no Nordeste brasileiro) - Redução desse subproduto nos lixões e aterros sanitários - Poder calorífico satisfatório. Desvantagens: - Liberação de substância danosa à estrutura de fornos cerâmicos; - Alta umidade na casca do fruto imaturo(Secagem prévia). Figura 5: Depósito de cascas secas para queima
  7. 7. ISOLAMENTO ACÚSTICO Figura 6: Manta Anti-ruido. Fonte: D´arte flores (2007) A fibra de coco pertence à família das fibras duras e tem como principais componentes a celulose e o lenho que fazem com que ela tenha índices elevados de dureza e rigidez, transformando-a em um material quase perfeito para o isolamento acústico e térmico. A fibra de coco verde e maduro contribui para uma redução substancial dos níveis sonoros, quer de impacto, quer aéreos, sendo a solução ideal para muitos dos problemas na área acústica, superando largamente os resultados obtidos com a utilização de outros materiais.
  8. 8. INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA A fibra de coco é utilizada na fabricação de peças como encostos de cabeça, pára-sol interno, assentos e encostos de bancos, que equipam os veículos da marca Mercedes-Benz produzidos no Brasil. Figura 7: assentos, encostos e para-sol de fibra de coco.
  9. 9. TIJOLOS FIBRA DE COCO VERDE Segundo o INPA (Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia) o tijolo não utiliza argila, é mais resistente, oferece maior proteção térmica e não precisa ser cozido, o que evita cortes de árvores para alimentar os fornos. Figura 8: Tijolos de casca de coco compactada e prensada
  10. 10. OUTRAS UTILIDADES - Utilização do coco como substrato Objetivo de otimizar o desenvolvimento da planta - Produção de papel Reduzir o consumo de papel da indústria madeireira - Engenharia civil e de materiais Aumento da resistência de matrizes de polímeros e atua como reforço de estruturas Entre outras
  11. 11. CONCLUSÃO Conclui-se a existência de várias alternativas para o aproveitamento dos resíduos da indústria do coco verde, formas e atividades nobres como a adubação, o estofamento de bancos para veículos automotores e até energia térmica entre outros. Porém, o elemento de bloqueio destas práticas ainda é a economicidade, pois se torna o maior gargalo para sua aplicação, os custos de desenvolvimento das novas tecnologias .
  12. 12. Referências  SILVA, G.O.; JERÔNIMO, C.E. “ESTUDO DE ALTERNATIVAS PARA O APROVEITAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DA INDUSTRIALIZAÇÃO DO COCO”. Monografias Digitais, v(10), nº 10, p. 2193 – 2208, OUT-DEZ 2012.  PEREIRA, C.L. “APROVEITAMENTO DO RESÍDUO DO COCO VERDE PARA PRODUÇÃO DE COMPÓSITOS DESTINADOS À CONSTRUÇÃO RURAL”. Tese (Doutorado), Faculdade de Zootecnia e Engenharia de Alimentos – Universidade de São Paulo  Machado, K.C.; Damm, D.D.; Fornari,C.C.M. “REAPROVEITAMENTO TECNOLÓGICO DE RESÍDUO ORGÂNICO: CASCA DE COCO VERDE NA PRODUÇÃO DE GABINETES ECOLÓGICOS DE COMPUTADORES”. In: 2º Fórum Internacional de Resíduos Sólidos – julho 2009  COCO: qual destino dar à casca? A Lavoura Nº 690/2012, pg 26-30.

×