Midia, cultura e imaginario urbano

406 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
406
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Midia, cultura e imaginario urbano

  1. 1. ALAGOA NOVA E SUAS MEDIAÇÕES NO ESPAÇO URBANO GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PRÁTICAS PEDAGÓGICAS INTERDISCIPLINARES DISCIPLINA: MÍDIA, CULTURA E IMAGINÁRIO URBANO PROFESSOR: VALÉCIO IRINEU BARROS EQUIPE: MARTINHO CORREIA BARROS MARTA DANIELY BARROS SANDRO GARCIA
  2. 2. ALAGOA NOVA - PB Localizado na Região Metropolitana de Esperança; População estimada em 19.146 habitantes; Área territorial de 122 km²; Região primitivamente habitada pelos índios bultrins; Elevado à categoria de vila com a denominação de Alagoa Nova em 5 de setembro de 1850, desmembrado-se de Campina Grande; Foi palco da Revolta do Quebra-Quilos, em 1874; Em 5 de junho de 1900, foi extinta a vila de Alagoa Nova; Elevado à categoria de município com a denominação de Alagoa Nova em 10 de novembro de 1904.
  3. 3. ALAGOA NOVA - PB
  4. 4. A IGREJA MATRIZ
  5. 5. A IGREJA MATRIZ  Em Alagoa Nova predominam as religiões Católica e Evangélica. Na avenida principal da cidade se coloca de forma altiva, a Igreja sob a invocação de Santana, padroeira do município. É aqui que quase toda a sociedade se encontra nas noites dos sábados e manhãs de domingo.  Neste caso podemos perceber que a conservação e manutenção desta estrutura, através de constantes campanhas entre os fiéis católicos que é a grande parcela da população local, permite entender como a arquitetura constrói a cidade não apenas pra funcionar, mas para viver e comunicar, podendo haver grandes intenções e transformações ideológicas.
  6. 6. PRAÇA SANTA ANA
  7. 7. PRAÇA SANTA ANA  Trata-se do coração da cidade, pois é um espaço público central acessível a todos a qualquer momento do dia.  É o ponto de referência para o encontro entre as pessoas.  A arquitetura da “pracinha” nos faz refletir que sua proposta é alimentar a construção de uma cultura local, cultura esta pautada no cotidiano dos filhos de Santana que gera comportamentos marcados por hábitos e rotinas religiosas de cada localidade. A cidade assim é antes de tudo lugar identitário. E por ser este lugar identitário e espaço geográfico é que possibilita interação.
  8. 8. NOVOS TEMPOS  A cidade é resultado de planejamentos políticos, econômicos etc, mas não se pode pensá-la como um objeto estático ou construído e encerrado, pois ela também é, nas palavras de Ferrara (2008), um “organismo espontâneo que surge ao acaso ou, no extremo oposto pensa-se em construí-la”. E é nesse ponto que o Parque da Lagoa, A Pista de Motocross e o Moraesão se encaixam como espaço de construção constante da cidade, onde as relações sociais e culturais que são representadas e reinterpretadas a todo instante, gerando novos processos que influenciam e são influenciados pela cidade, como por exemplo a FESTA DA GALINHA E DA CACHAÇA.
  9. 9. PARQUE DA LAGOA
  10. 10. PISTA DE MOTOCROS
  11. 11. MORAESÃO
  12. 12. CONCLUINDO... Como podemos observar, não basta considerar a cidade como unidade construída, pois se trata de algo mas amplo e complexo que nos leva a superar a simplicidade de pensá-la como organismo espontâneo que surge ao acaso, e considerá-la como transformação midiática constante que agasalha o cotidiano, a sociabilidade e as trocas interativas.

×