SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
PROTOZOÁRIOS
O Reino Protista agrupa organismos eucariontes, unicelulares autótrofos e heterótrofos. Neste
reino se colocam as algas inferiores: euglenófitas, pirrófitas (dinoflagelados) e crisófitas
(diatomáceas), que protistas autótrofos (fotossintetizantes). Os protozoários são Protistas
heterótrofos. Eles habitam a água e o solo
CARACTERÍSTICAS DOS PROTOZOÁRIOS
Morfologia
apresentam
variações,
conforme sua fase
e meio que estejam
adaptados.
Fases dependendo
de sua atividade
fisiológica.
Reprodução Nutrição Respiração locomoção
ovais trofozoíto assexuada holofíticos ou
autotróficos
aeróbicos pseudópodes
esféricos cisto sexuada Holozóicos ou
heterotróficos
anaeróbicos flagelos
alongados gameta saprozóicos cilios
mixotróficos
RESUMO BREVE
 Este reino é constituído por cerca de 65.000 espécies conhecidas, das quais 50% são fósseis e o
restante ainda vive hoje; destes, aproximadamente 25.000 são de vida livre, 10.000 espécies são
parasitos dos mais variados animais e apenas cerca de 30 espécies atingem o homem.

 Ilustração de protozoários e euglena.
 É uma única célula que, para sobreviver, realiza todas as funções mantenedoras da vida. Para cada
função existe uma organda própria.
 Fases
 Trofozoíto - É a forma ativa do protozoário, na qual ele se alimenta e se reproduz, por diferentes
processos.
 Cisto - É a forma de resistência ou inativa. O protozoário secreta uma parede resistente (parede cística)
que o protegerá quando estiver em meio impróprio ou em fase de latência. Freqüentemente há divisão
nuclear interna durante a formação do cisto.
 Gameta - É a forma sexuada, que aparece em algumas espécies. O gameta masculino é o microgameta,
e o feminino é o macrogameta.
Reprodução
Assexuada - divisão binária ou cissiparidade; brotamento ou gemulação; esquizogonia: é uma fissão
múltipla; o núcleo se divide múltiplas vezes antes da célula se dividir. Após a formação de vários
núcleos, uma pequena porção do citoplasma se concentra ao redor de cada núcleo e então, uma única
célula se separa em células-filhas
Sexuada - conjugação: união temporária de dois indivíduos, com troca mútua de materiais nucleares
singamia ou fecundação: união de microgameta e macrogameta formando o ovo ou zigoto, o
qual pode dividir-se para fornecer um certo número de esporozoítos. O processo de formação de
gametas recebe o nome de gametogonia e o processo de formação dos esporozoítos recebe o nome de
esporogonia
Nutrição - holofíticos ou autotróficos: são os que, a partir de grãos ou pigmentos citoplasmáticos
(cromatóforos), conseguem sintetizar energia a partir da luz solar (fotossíntese);
holozóicos ou heterotróficos: ingerem partículas organicas, digerem-nas (enzimas) e,
posteriormente, expulsam os metabólitos. Essa ingestão se dá por fagocitose (ingestão de partículas
sólidas) ou pinocitose (ingestão de partículas líquidas);
saprozóicos: "absorvem", substancias inorgânicas, já decompostas e dissolvidas em meio
líquido;
mixotróficos: quando são capazes de se alimentar por mais de um dos métodos acima
descritos.
Digestão
Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares são
englobadas por pseudópodos ou penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma. Já
no interior da célula ocorre digestão, e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos em qualquer
ponto da periferia, por extrusão do vacúolo, ou num ponto determinado da membrana, o citopígio ou
citoprocto.
Respiração - aeróbicos: são os protozoários que vivem em meio rico em oxigênio;
anaeróbicos: quando vivem em ambientes pobres em oxigênio;
Locomoção - A movimentação dos protozoários é feita com auxílio de uma ou associação de duas ou
mais das organelas abaixo:
Pseudópodes - são expansões citoplasmáticas transitórias que a célula emite para se
locomover e capturar alimentos.
Flagelos - são prolongamentos da cutícula formando filamentos longos. São dotados de
movimentos ondulatórios e serpenteados, permitindo o deslocamento da célula e a captura de alimento.
Cílios - tem as mesmas estruturas do flagelos, diferindo por serem menores e
aparentemente em grande número, movimentando-se em conjunto. Seu batimento produzem uma
corrente que facilita e captura de alimentos e locomoção.
PROZOÁRIOS CAUSADORES DE DOENÇAS
Entamoeba histolitica parasita causador da disenteria ou amebíase, o homem é contaminado ao ingerir
alimentos e água contaminada. Esta ameba atinge principalmente o intestino grosso dos seres humanos,
onde provoca ulcerações e se alimenta de glóbulos vermelhos do sangue. No intestino, essa ameba se
reproduz assexuadamente por cissiparidade e, algumas delas, formam cistos, estruturas que possuem
uma membrana resistente e que contêm alguns núcleos celulares. Eliminados com as fezes, os cistos
podem contaminar a água e alimentos diversos, como as verduras. Se forem ingeridos, esses cistos se
rompem no tubo digestivo, libertando novas amebas, que recomeçam um novo ciclo. As pessoas com
amebíase eliminam fezes líquidas, às vezes com sangue e quase sempre acompanhadas de fortes dores
abdominais. Para evitar contrair essa doença é necessário ferver a água que se vai beber e lavar muito
bem as verduras e frutas, além de cuidados higiênicos, como a lavagem de mãos, principalmente antes
das refeições.
Trypanosoma cruzi causador da doença de chagas este protozoário vive no intestino de um percevejo
sugador de sangue, conhecido popularmente como barbeiro. Esse percevejo vive em frestas de paredes,
chiqueiros e paióis. À noite, saem de seus esconderijos e vão sugar o sangue das pessoas que dormem.
Quando alguém é picado pelo percevejo pode contrair a doença da seguinte forma: durante a picada, o
barbeiro infestado elimina fezes contendo o tripanossomo. Coçando o local da picada, a pessoa espalha
as fezes do barbeiro e introduz o parasita em seu organismo, através do pequeno orifício feito pela
picada. Uma vez na corrente sangüínea, o tripanossomo atinge o coração. Ali ele se fixa, podendo
causar a morte da vítima. As principais medidas para evitar a doença de Chagas consistem em substituir
moradias de barro e de madeira por outras de tijolos, que não tenham frestas onde o barbeiro possa se
esconder; e exigir, em transfusões de sangue, a garantia de que o sangue doado não esteja
contaminado com tripanossomos.
Leishmania brasiliensis provoca a úlcera de Bauru doença que ataca a pele e as mucosas dos lábios e
do nariz produzindo muitas feridas, é um protozoário parecido com o tripanossomo. Transmitida pela
picada do mosquito flebótomo, cuja picada produz uma infecção do sangue e dos tecidos pelo parasito
cuja picada produz uma infecção do sangue e dos tecidos pelo parasito Leishmania, do qual existem
várias espécies que podem afetar o ser humano:
Leishmania donovani, causa da leishmaniose visceral.
Leishmania tropica, que produz o chamado <<botão do Oriente>> ou leishmaniose cutânea
Leishmania braziliensis, que causa a leishmaniose mucocutânea.
Trichomonas Vaginalis é responsável pela doença chamada tricomoníase, é encontrado na vagina e no
trato urinário masculino. Trata-se de uma doença sexualmente transmissível (DST) que acomete
principalmente o sexo feminino e está relacionada a falta de higiene corporal. A transmissão comumente
ocorre pela relação sexual, mas também através do uso comum de roupas intimas, água de uso comum
para o asseio íntimo, uso comum de toalhas e até por gotículas de secreção vaginal no assento de vasos
sanitários (principalmente em banheiros públicos). A sintomatologia no homem é mais discreta:
corrimento uretral, geralmente pela manhã, antes da primeira micção, bem como irritação da uretra.
Dificilmente ocorre prostatite ou epididimite. Na mulher, corrimento abundante, amarelo ou amarelo-
esverdeado, bolhoso, com mau cheiro característico; prurido e/ou irritação vulvar; ocasionalmente dor
pélvica; vaginite (colpite) e uretrite, etc.
O tratamento é feito com uso de nitroimidazóis, em administração oral e vaginal. Em todos os casos em
que se positiva o diagnóstico da infecção na mulher, deve-se estender também o tratamento ao seu
marido ou companheiro, já que, sem tal cuidado, poderá surgir uma nova contaminação da mulher e
perpetuação do quadro clínico apresentado.
Giárdia lamblia flagelado que parasita o intestino humano, a doença geralmente causa fortes diarréias,
podendo levar o doente à desidratação. No intestino delgado, ocorre a eclosão dos cistos com produção
de trofozoítos, que se fixam na parede duodenal. É transmitida através de água e alimentos
contaminados pelo protozoário. Evita se essa doença com as mesmas medias utilizadas contra a
amebíase
Plasmodium vivax protozoário causador da malária, é transmitida ao homem por meio da picada do
mosquito, anófele, ao sugar-lhe o sangue para se alimentar. Durante a picada, o mosquito libera saliva,
que contém o protozoário plasmódio. Então o parasita entra no sangue da pessoa e se instala em órgãos
diversos, como o fígado e o baço, onde se multiplica. Após um certo período, os parasitas retornam ao
sangue e penetram nos glóbulos vermelhos, onde voltam a se multiplicar. Os glóbulos parasitados se
rompem liberando novos protozoários que passam a infectar outros glóbulos vermelhos. A malária
provoca febre muito alta, que coincide com os períodos em que os parasitas arrebentam os glóbulos
vermelhos, liberando toxinas na corrente sangüínea. Se não for combatida pode causar a morte do
doente. A pulverização de córregos, lagoas e poças de água parada, com inseticida, é uma das
maneiras de combater os mosquitos transmissores da malária. É na água que os mosquitos põem seus
ovos para se reproduzirem.
Fontes: www.enq.ufsc.br
www.universitário.com.br
www.sóbiologia.com.br
www.fam.br
www.colégiosãofrancisco.com.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Parasitoses humanas
Parasitoses humanasParasitoses humanas
Parasitoses humanas
 
Protozooses
Protozooses Protozooses
Protozooses
 
Parasitas
ParasitasParasitas
Parasitas
 
Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Platelmintos
PlatelmintosPlatelmintos
Platelmintos
 
Algas
AlgasAlgas
Algas
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Virus e viroses
Virus e virosesVirus e viroses
Virus e viroses
 
Aula 12 virus
Aula   12 virusAula   12 virus
Aula 12 virus
 
Doenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermesDoenças causadas por protozoários e vermes
Doenças causadas por protozoários e vermes
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Giardia
GiardiaGiardia
Giardia
 
Algas aula
Algas aulaAlgas aula
Algas aula
 
Giardiase
GiardiaseGiardiase
Giardiase
 
Doença de chagas
Doença de chagasDoença de chagas
Doença de chagas
 
Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1Zoologia geral aulas 1
Zoologia geral aulas 1
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 

Semelhante a Protozoarios

Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctistainfoeducp2
 
Aula 21 protozoários parasitas
Aula 21   protozoários parasitasAula 21   protozoários parasitas
Aula 21 protozoários parasitasJonatas Carlos
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravAlbano Novaes
 
Apostila biologia
Apostila biologiaApostila biologia
Apostila biologiacicoutinho
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosLeandro Mota
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxJoaraSilva1
 
2º bim (2) classificação dos seres vivos
2º bim (2)   classificação dos seres vivos2º bim (2)   classificação dos seres vivos
2º bim (2) classificação dos seres vivossanthdalcin
 
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protistaNeila
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraPaulocosta510
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosCarla Brígida
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protistaespacoaberto
 

Semelhante a Protozoarios (20)

Reino Protista
Reino ProtistaReino Protista
Reino Protista
 
Reino Protoctista
Reino ProtoctistaReino Protoctista
Reino Protoctista
 
Aula 21 protozoários parasitas
Aula 21   protozoários parasitasAula 21   protozoários parasitas
Aula 21 protozoários parasitas
 
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.GravA.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
A.P.Point.Protistas.ProtozoáRios2007.Grav
 
Apostila biologia
Apostila biologiaApostila biologia
Apostila biologia
 
Reino protista
Reino protistaReino protista
Reino protista
 
Platelmintos & Nematódeos
Platelmintos & NematódeosPlatelmintos & Nematódeos
Platelmintos & Nematódeos
 
1ª protozoarios
 1ª protozoarios 1ª protozoarios
1ª protozoarios
 
Protozoários
ProtozoáriosProtozoários
Protozoários
 
Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3Resumo parasitologia 3
Resumo parasitologia 3
 
Filo platelminto
Filo platelmintoFilo platelminto
Filo platelminto
 
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdfMICRO AULA 4 PARASITO.pdf
MICRO AULA 4 PARASITO.pdf
 
Aula protista
Aula protistaAula protista
Aula protista
 
Aula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptxAula Amebíase.pptx
Aula Amebíase.pptx
 
2º bim (2) classificação dos seres vivos
2º bim (2)   classificação dos seres vivos2º bim (2)   classificação dos seres vivos
2º bim (2) classificação dos seres vivos
 
Aula 1 reino protista
Aula 1  reino protistaAula 1  reino protista
Aula 1 reino protista
 
Reino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e MoneraReino Protista, Fungi e Monera
Reino Protista, Fungi e Monera
 
Reino protoctista
Reino protoctistaReino protoctista
Reino protoctista
 
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - PlatelmintosFilo Platyhelminthes - Platelmintos
Filo Platyhelminthes - Platelmintos
 
Marcelo Brilhante Reino Protista
Marcelo Brilhante   Reino ProtistaMarcelo Brilhante   Reino Protista
Marcelo Brilhante Reino Protista
 

Protozoarios

  • 2. O Reino Protista agrupa organismos eucariontes, unicelulares autótrofos e heterótrofos. Neste reino se colocam as algas inferiores: euglenófitas, pirrófitas (dinoflagelados) e crisófitas (diatomáceas), que protistas autótrofos (fotossintetizantes). Os protozoários são Protistas heterótrofos. Eles habitam a água e o solo CARACTERÍSTICAS DOS PROTOZOÁRIOS Morfologia apresentam variações, conforme sua fase e meio que estejam adaptados. Fases dependendo de sua atividade fisiológica. Reprodução Nutrição Respiração locomoção ovais trofozoíto assexuada holofíticos ou autotróficos aeróbicos pseudópodes esféricos cisto sexuada Holozóicos ou heterotróficos anaeróbicos flagelos alongados gameta saprozóicos cilios mixotróficos
  • 3. RESUMO BREVE  Este reino é constituído por cerca de 65.000 espécies conhecidas, das quais 50% são fósseis e o restante ainda vive hoje; destes, aproximadamente 25.000 são de vida livre, 10.000 espécies são parasitos dos mais variados animais e apenas cerca de 30 espécies atingem o homem.   Ilustração de protozoários e euglena.  É uma única célula que, para sobreviver, realiza todas as funções mantenedoras da vida. Para cada função existe uma organda própria.  Fases  Trofozoíto - É a forma ativa do protozoário, na qual ele se alimenta e se reproduz, por diferentes processos.  Cisto - É a forma de resistência ou inativa. O protozoário secreta uma parede resistente (parede cística) que o protegerá quando estiver em meio impróprio ou em fase de latência. Freqüentemente há divisão nuclear interna durante a formação do cisto.  Gameta - É a forma sexuada, que aparece em algumas espécies. O gameta masculino é o microgameta, e o feminino é o macrogameta.
  • 4. Reprodução Assexuada - divisão binária ou cissiparidade; brotamento ou gemulação; esquizogonia: é uma fissão múltipla; o núcleo se divide múltiplas vezes antes da célula se dividir. Após a formação de vários núcleos, uma pequena porção do citoplasma se concentra ao redor de cada núcleo e então, uma única célula se separa em células-filhas Sexuada - conjugação: união temporária de dois indivíduos, com troca mútua de materiais nucleares singamia ou fecundação: união de microgameta e macrogameta formando o ovo ou zigoto, o qual pode dividir-se para fornecer um certo número de esporozoítos. O processo de formação de gametas recebe o nome de gametogonia e o processo de formação dos esporozoítos recebe o nome de esporogonia Nutrição - holofíticos ou autotróficos: são os que, a partir de grãos ou pigmentos citoplasmáticos (cromatóforos), conseguem sintetizar energia a partir da luz solar (fotossíntese); holozóicos ou heterotróficos: ingerem partículas organicas, digerem-nas (enzimas) e, posteriormente, expulsam os metabólitos. Essa ingestão se dá por fagocitose (ingestão de partículas sólidas) ou pinocitose (ingestão de partículas líquidas); saprozóicos: "absorvem", substancias inorgânicas, já decompostas e dissolvidas em meio líquido; mixotróficos: quando são capazes de se alimentar por mais de um dos métodos acima descritos. Digestão Nas espécies de vida livre há formação de vacúolos digestivos. As partículas alimentares são englobadas por pseudópodos ou penetram por uma abertura pré-existente na membrana, o citóstoma. Já no interior da célula ocorre digestão, e os resíduos sólidos não digeridos são expelidos em qualquer ponto da periferia, por extrusão do vacúolo, ou num ponto determinado da membrana, o citopígio ou citoprocto.
  • 5. Respiração - aeróbicos: são os protozoários que vivem em meio rico em oxigênio; anaeróbicos: quando vivem em ambientes pobres em oxigênio; Locomoção - A movimentação dos protozoários é feita com auxílio de uma ou associação de duas ou mais das organelas abaixo: Pseudópodes - são expansões citoplasmáticas transitórias que a célula emite para se locomover e capturar alimentos. Flagelos - são prolongamentos da cutícula formando filamentos longos. São dotados de movimentos ondulatórios e serpenteados, permitindo o deslocamento da célula e a captura de alimento. Cílios - tem as mesmas estruturas do flagelos, diferindo por serem menores e aparentemente em grande número, movimentando-se em conjunto. Seu batimento produzem uma corrente que facilita e captura de alimentos e locomoção.
  • 6. PROZOÁRIOS CAUSADORES DE DOENÇAS Entamoeba histolitica parasita causador da disenteria ou amebíase, o homem é contaminado ao ingerir alimentos e água contaminada. Esta ameba atinge principalmente o intestino grosso dos seres humanos, onde provoca ulcerações e se alimenta de glóbulos vermelhos do sangue. No intestino, essa ameba se reproduz assexuadamente por cissiparidade e, algumas delas, formam cistos, estruturas que possuem uma membrana resistente e que contêm alguns núcleos celulares. Eliminados com as fezes, os cistos podem contaminar a água e alimentos diversos, como as verduras. Se forem ingeridos, esses cistos se rompem no tubo digestivo, libertando novas amebas, que recomeçam um novo ciclo. As pessoas com amebíase eliminam fezes líquidas, às vezes com sangue e quase sempre acompanhadas de fortes dores abdominais. Para evitar contrair essa doença é necessário ferver a água que se vai beber e lavar muito bem as verduras e frutas, além de cuidados higiênicos, como a lavagem de mãos, principalmente antes das refeições.
  • 7. Trypanosoma cruzi causador da doença de chagas este protozoário vive no intestino de um percevejo sugador de sangue, conhecido popularmente como barbeiro. Esse percevejo vive em frestas de paredes, chiqueiros e paióis. À noite, saem de seus esconderijos e vão sugar o sangue das pessoas que dormem. Quando alguém é picado pelo percevejo pode contrair a doença da seguinte forma: durante a picada, o barbeiro infestado elimina fezes contendo o tripanossomo. Coçando o local da picada, a pessoa espalha as fezes do barbeiro e introduz o parasita em seu organismo, através do pequeno orifício feito pela picada. Uma vez na corrente sangüínea, o tripanossomo atinge o coração. Ali ele se fixa, podendo causar a morte da vítima. As principais medidas para evitar a doença de Chagas consistem em substituir moradias de barro e de madeira por outras de tijolos, que não tenham frestas onde o barbeiro possa se esconder; e exigir, em transfusões de sangue, a garantia de que o sangue doado não esteja contaminado com tripanossomos.
  • 8. Leishmania brasiliensis provoca a úlcera de Bauru doença que ataca a pele e as mucosas dos lábios e do nariz produzindo muitas feridas, é um protozoário parecido com o tripanossomo. Transmitida pela picada do mosquito flebótomo, cuja picada produz uma infecção do sangue e dos tecidos pelo parasito cuja picada produz uma infecção do sangue e dos tecidos pelo parasito Leishmania, do qual existem várias espécies que podem afetar o ser humano: Leishmania donovani, causa da leishmaniose visceral. Leishmania tropica, que produz o chamado <<botão do Oriente>> ou leishmaniose cutânea Leishmania braziliensis, que causa a leishmaniose mucocutânea. Trichomonas Vaginalis é responsável pela doença chamada tricomoníase, é encontrado na vagina e no trato urinário masculino. Trata-se de uma doença sexualmente transmissível (DST) que acomete principalmente o sexo feminino e está relacionada a falta de higiene corporal. A transmissão comumente ocorre pela relação sexual, mas também através do uso comum de roupas intimas, água de uso comum para o asseio íntimo, uso comum de toalhas e até por gotículas de secreção vaginal no assento de vasos sanitários (principalmente em banheiros públicos). A sintomatologia no homem é mais discreta: corrimento uretral, geralmente pela manhã, antes da primeira micção, bem como irritação da uretra. Dificilmente ocorre prostatite ou epididimite. Na mulher, corrimento abundante, amarelo ou amarelo- esverdeado, bolhoso, com mau cheiro característico; prurido e/ou irritação vulvar; ocasionalmente dor pélvica; vaginite (colpite) e uretrite, etc. O tratamento é feito com uso de nitroimidazóis, em administração oral e vaginal. Em todos os casos em que se positiva o diagnóstico da infecção na mulher, deve-se estender também o tratamento ao seu marido ou companheiro, já que, sem tal cuidado, poderá surgir uma nova contaminação da mulher e perpetuação do quadro clínico apresentado.
  • 9. Giárdia lamblia flagelado que parasita o intestino humano, a doença geralmente causa fortes diarréias, podendo levar o doente à desidratação. No intestino delgado, ocorre a eclosão dos cistos com produção de trofozoítos, que se fixam na parede duodenal. É transmitida através de água e alimentos contaminados pelo protozoário. Evita se essa doença com as mesmas medias utilizadas contra a amebíase
  • 10. Plasmodium vivax protozoário causador da malária, é transmitida ao homem por meio da picada do mosquito, anófele, ao sugar-lhe o sangue para se alimentar. Durante a picada, o mosquito libera saliva, que contém o protozoário plasmódio. Então o parasita entra no sangue da pessoa e se instala em órgãos diversos, como o fígado e o baço, onde se multiplica. Após um certo período, os parasitas retornam ao sangue e penetram nos glóbulos vermelhos, onde voltam a se multiplicar. Os glóbulos parasitados se rompem liberando novos protozoários que passam a infectar outros glóbulos vermelhos. A malária provoca febre muito alta, que coincide com os períodos em que os parasitas arrebentam os glóbulos vermelhos, liberando toxinas na corrente sangüínea. Se não for combatida pode causar a morte do doente. A pulverização de córregos, lagoas e poças de água parada, com inseticida, é uma das maneiras de combater os mosquitos transmissores da malária. É na água que os mosquitos põem seus ovos para se reproduzirem. Fontes: www.enq.ufsc.br www.universitário.com.br www.sóbiologia.com.br www.fam.br www.colégiosãofrancisco.com.br