SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 21
Baixar para ler offline
Instituto Superior Dom Bosco
Organizar e Gerir Centros num contexto de FBC
4: Caracterizar os princípios e
instrumentos do modelo de gestão
descentralizada da IEP
Maputo, ano lectivo2022
Docente: Me. Vera Cristalina Alar
Gestão de qualidade naEducação
profissional em Moçambique
• AgestãodequalidadenasIEP’s,nascecomoumadas
apostas resultantes da reforma operada na EP através
do PIREP (Programa Integrada de Reforma da
Educação Profissional) cujos objectivos foram
aumentar a oferta e a produtividade da mão-de-obra
especializada e melhorar as oportunidades dos
graduados da escola em encontrar empregolucrativo
nos sectores formal e informal da economia (PIREP
2005, p. 02).
• Para a efectividade da reforma, o Governo criou a Autoridade Nacional da
Educação Profissional (ANEP) através da Lei n°.23/2014 de 23 de Setembro de
2014, com atribuições reguladoras dentre as quais a responsabilidade de
implementarosistemadegarantiadequalidadedaeducaçãoprofissional(Artigo
45 da Lei 6/2016).
• A ANEP enquanto regulador determinou que todas as IEP’s deviam incluir
durante a realização de sua missão, a avaliação da qualidade do seuexercício,
através da auto-avaliação do seu funcionamento em todos os âmbitos envolvidos
no sucesso escolar dos formandos (com destaque para as áreas chave de
avaliação,assunto que abordaremos mais adiante
O que é gestao de qualidade?
• Qualidade pode ser percebido de diferentes formas, uma vez que
está associado à satisfação de uma necessidade,dai que indivíduos
diferentes terão obviamente necessidades diferentes e,
consequentemente, diferentes percepções de qualidade
(Campos,2015).
• Segundo Garvin (1992) a qualidade consiste na capacidade de
satisfazerdesejos,istoé,naanálisefinaldemercado,eaqualidade
de um produto ou serviço, depende de até que ponto ele se ajusta
aos padrões das preferências do consumido.
• Controle da qualidade- é a parte da gestão da qualidade
focalizada em atender aos requisitos da qualidade” (ISO
9000:2000).
• Sistema de gestão de qualidade alude a uma estrutura
organizacional criada para gerir e garantir a qualidade,os recursos
necessários,os procedimentos operacionais eas responsabilidades
estabelecidas (Santos, et al.2013).
• No nosso contexto, esta proposta da ANEP concernente à
implementação do SGQ nas IEP’s é assegurada, pela implementação de
mecanismos de garantia e controle de qualidade,estabelecidos no Quadro
de Garantia da Qualidade do Sistema Nacional de Qualificações
Profissionais para a Educação Profissional,e à semelhança do preceituado
por Campos (2015), também advoga que o trabalho com a qualidade nas
IEP’s pressupõe um exercício que deve estar em torno não só dos
beneficiários directos dos seus serviços (os alunos) mas também os
outros actores do sistema,como os empregadores e as famílias (Artigo 32,
Lei 6/2016).
Princípio Básico para a gestão de qualidade
O PIREP (2013) na sua Estratégia e Plano de Acção (2011 – 2015) para a
Formação de Formadores da Educação Profissional em Moçambique, aponta 3
aspectos fundamentais,referindo que que é preciso:
(1) conhecer a Lei e Regulamentos de garantia de qualidade nas IEPs,
aprovados e em vigor em Moçambique;
(2) conhecer e entender o funcionamento e estruturação dos órgãos de
garantia de qualidade nas IEPs e por fim
O principio básico da gestão de qualidade refere que “a melhoria escolar é melhor
alcançada usando uma auto avaliação escolar rigorosa e válida baseada em evidência,
reportandoosresultadoserespondendocomplanosapropriadosdemelhoramento”.
(3) entender o funcionamento e importância do processo de avaliação de
qualidade nas IEPs: Auto-Avaliação (pela escola) e Avaliação Externa,se
consideramos que este processo de avaliação de qualidade é essencialmente
caracterizadopela auto-avaliaçãoe a avaliação externa (pelo regulador).
Ciclo de gestão de qualidade nas IEP’s
N
.
Etapas doGQ
nas IEP’s
Descrição
1 Identificação
das áreas chave
São padrões de qualidade educacional, definem as
características da qualidade exigidas para cada instituição.
Procuram guiar as acções conducentes a melhorar a qualidade
de gestão e da oferta formativa nas IEPs e devem ser
incorporados nos planos da instituição.
2 Auto-avaliação Auto-avaliaçãododesempenhoemtermosdepadrõesrelativos
ao sucesso dos alunose daeficácia e eficiência das operações.
3 Planos de
melhoria
contínua
Plano definido objectivos chave, prioridades, principais
estratégias e medidas de avaliação em conjunto com a
comunidade escolar e outros intervenientes externos.
4 Implementação
/
supervisão/avali
ação interna
Actividade de acompanhamento do exercício de melhoria
realizado,através da avaliação interna,para a preparação da fase
seguinte (avaliação externa).
5 Revisão
externa
Pelo menos uma vez por ano, durante a fase piloto, sera
realizada uma revisão externa por um revisor externo ou uma
equipa de revisão nomeada pela ANEP.
6 Prestação de
contas
Reportar os resultados da auto-avaliação e avaliação externa a
todos os intervenientesrelevantes.
Principais áreas chave ou padrões/Indicadores de
qualidade do SGQ para as IEP´s
Área
chave
(KRAs)
Descrição
01 Liderança Estabelecer uma direcção e metas para a Instituição e pôr em
funcionamento, de forma apropriada, os mecanismos e estratégias
necessárias para atingir os objectivos pretendidos.
02 Sucesso
Escolar do
Estudante
O sucesso escolar do estudante,está ligado a habilidades profissionais
genéricas e específicas e aos resultados de aprendizagem que têm em
conta as suas competências para apreender e atingir um alto nível de
realização.
03 Currículo O currículo é receptivo às necessidades do aluno e relevante para as
necessidades sócio-económicas da sociedade multicultural a que os
estudantes pertencem. Durante a fase- piloto, o maior foco será na
implementação da formação baseada em competências (CBT) e no uso de
material e métodos para apoiar este processo.
04 Metodolo
gia de
Formação
A planificação efectiva e a leccionação com base na tentativa de
colaboração entre o Professor e o estudante para garantir que a
aprendizagem tenha lugar,é uma realidade. A aplicação de CBT pelos
trabalhadores tanto da Instituição de Ensino Profissional, como dos locais
de trabalho,deve ser o maior foco desta KRA.
05 Gestão de
Pessoal
Garante a gestão efectiva dos trabalhadores para que se mantenham os
padrões estabelecidos e se garanta o profissionalismo na prática da
educação e formação dos estudantes.
06 Gestão de
Recursos
A atribuição e a gestão de recursos (humanos / físicos / financeiros) para
garantir que a IEP atinja efectiva e eficientemente, as metas educacionais
definidas para os estudantes (Há um foco especial na manutenção de
meios auxiliares de aprendizagem, e na instalação de novos e actualizados
equipamentos, como parte das reformas do PIREP).
07 Ambiente de
Aprendizagem
A IEP, providencia um ambiente adequado à maximização da
aprendizagem dos estudantes, da sua preparação para o emprego pós-
escolarização e sua da formação posteriorl. Os recursos disponíveis,são
usados e direccionados para se adquirir conhecimento, habilidades e
atitudes (por ex. confiança, habilidades interpessoais e maior
independência).
08 Envolvimento
Comunitário
A comunidade em geral interage com a IEP (incluindo através de ligações
formais com a indústria) na persecussão de metas combinadas para os
seus estudantes.
09 Receptividade A IEP, responde às necessidades dos estudantes e dos intervenientes,
adapta e adopta medidas mais adequadas quando estas necessidades
mudam (incluindo em resposta a quaisquer mudanças políticas, iniciativas
de educação profissional financiadas pelo governo, relatórios de
avaliação- por exemplo, para atender às sugestões de um avaliador
externo).
Caracterizar os princípios e instrumentos do
modelo de gestão descentralizada da IEP
• Projecto da IEP (ou projecto educativo da IEP ou plano
estratégico da IEP) é o documento de caráter pedagógico
que, elaborado com a participação da comunidade
educativa, estabelece a identidade da própria IEP através
da adequação do quadro legal em vigor à sua situação
concreta, apresenta o modelo geral de organização e os
objectivos pretendidos pela instituição e, enquanto
instrumento de gestão, é ponto de referência orientador na
coerência da acção educativa.
• Isto é, um Projeto Educativo é um documento de
orientação pedagógica que, não podendo contrariar a
legislação vigente, explicita os princípios, os valores, as
metas as estratégias através das quais a IEP propõe
realizar a sua função educativa
Características do Projecto da IEP ou plano estratégico da
IEP)
Objectivo da Planificação
• O Plano articula a visão da IEP e liga a comunidade e o sector
produtivo a objectivos e acções estabelecidos em conjunto. Identifica
áreas-chave na resposta a um ambiente em mudança e providencia
um caminho evidente para o IEP demonstrar a sua capacidade de
utilizar os recursos de forma responsável e estratégica.
• OPlano,providenciaummecanismo transparentequepermiteaos
funcionáriosanalisaredocumentaroqueestãoafazereporqueo
estãoafazer.OprocessodeveincluirumaAvaliaçãodaeficiênciadas
estratégias e direcçõesestabelecidas.
Plano estratégico
• O conceito de planeamento estratégico se referea
umprocessosistêmicoquepermitedefiniromelhor
caminho a ser seguido por uma organização, para
atingir um ou mais objetivos, dentro de um
contexto previamente analisado. Isso se faz analisando
cenários, definindo metas e ações que permitirão chegar
onde se deseja.
• Ele é um conceito básico da gestão e administração
das organizações, por isso, muito útil também para as
IEP’s.
O Plano Estratégico
• Este plano, deve responder às áreas-foco
identificadas e expressar alvos e estratégias para a sua
melhoria. Deve também garantir a sustentabilidade de
boas práticas.
• A IEP, deve ter um horizonte de plano de dois, três ou
cinco anos, com um conjunto particular de iniciativas
planificadas para o primeiro ano. O plano de dois, três
ou de cinco anos, é então anualmente revisto e
actualizado, em consulta com os intervenientes.
O Plano Estratégico deverá ser regido por:
• Uma declaração de propósito; a abordagem holística de
aprendizagem do aluno, os padrões a serem alcançados e o apoio
necessário para que os programas de ensino e aprendizagem
possam levar o aluno a alcançar este objectivo.
• Informação gerada e analisada através do processo de Auto-
Avaliação
• Foco numa melhoria que fortaleça a capacidade de toda a IEP e
uma cultura profissional.
• Contextos da IEP’s e de comunidades locais.
• Uma percepção das tendências locais e internacionais e de como a
política e direcção do Governo e do ministério de tutela terão
impacto nos alunos.
O plano deve ser sucinto eincluir:
• Áreas foco para melhoria.
• Alvos de melhoria.
• Áreas não principais a seremsustentadas.
• Requisitos financeiros.
• Medidas para Avaliação do progresso.
• Calendário incluindo a revisão anual.
Planos Operacionais (Plano Anual deActividades)
• O plano operacional, determina a vida quotidiana
da IEP. É estabelecido anualmente em resposta à
direcção geral definida pelo Plano Estratégico mais
amplo e providencia alvos específicos que estão
ligados aos alvos do Plano Estratégico.
• Os planos operacionais, devem informar a
planificação das salas de aulas e estabelecer o
contexto para processos de execução e de gestão.
O plano operacional deverá ser regido por:
• Informação obtida e analisada através dos
processos de Auto-Avaliação da IEP.
• Plano Estratégico.
• Revisão de planos anteriores.
O plano operacionaldeverá:
• Identificarasprincipaisestratégias paralidarcomas
áreas que carecem de melhoria.
• Estabelecer alvos específicos para cada área de
operação.
• Identificar recursos necessários para implementar as
estratégias.
• Identificar os processos de medidas dedesempenho
e de recolha de dados,para elaborar juízos sobre o
sucesso do plano.
• Especificar o papel do pessoal-chave, calendários e
pontos de revisão.
Em suma:
• O Plano Estratégico,é uma declaração pública das intenções da IEP e deve
pois incluir alvos, expressos numa linguagem simples que a comunidade possa
entender perfeitamente. Estes alvos, devem também ser considerados no
contextodeesperançaseexpectativasdacomunidade,doactualgovernoedos
requisitos da reforma do MEC,sobre o desempenho da IEP.
• Os planos operacionais, estabelecem alvos mais específicos, que
contribuem para o alcance dos alvos expressos no Plano Estratégico.Estes,
devem reflectir as direcções profissionais estabelecidas através do curriculum
nacional e das políticas do governo.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...
A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...
A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...diagoprof
 
Apresentacao do Curso de Formacao de E-Formadores
Apresentacao do Curso de Formacao de E-FormadoresApresentacao do Curso de Formacao de E-Formadores
Apresentacao do Curso de Formacao de E-FormadoresFrancisco Pires
 
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)Mahcell
 
A importancia do plano de aula
A importancia do plano de aulaA importancia do plano de aula
A importancia do plano de aulaRê Rodrigues
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresRosario Cação
 
Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011dencia999
 
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfCEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfanabelamartins61
 
Planos de sessão
Planos de sessãoPlanos de sessão
Planos de sessãoAna Narciso
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Debora_Marques
 
Instrução e demonstração
Instrução e demonstraçãoInstrução e demonstração
Instrução e demonstraçãoCassio Meira Jr.
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemviviprof
 

Mais procurados (20)

Planos de Formação
Planos de FormaçãoPlanos de Formação
Planos de Formação
 
A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...
A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...
A importância do estágio supervisionado na formação do profissional de educac...
 
Apresentacao do Curso de Formacao de E-Formadores
Apresentacao do Curso de Formacao de E-FormadoresApresentacao do Curso de Formacao de E-Formadores
Apresentacao do Curso de Formacao de E-Formadores
 
Vertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolarVertentes fundamentais de gestão escolar
Vertentes fundamentais de gestão escolar
 
PIAF CARDÁPIO 2023.pdf
PIAF CARDÁPIO 2023.pdfPIAF CARDÁPIO 2023.pdf
PIAF CARDÁPIO 2023.pdf
 
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)
Atividades complementares-5c2ba-s-2012 (2)
 
A importancia do plano de aula
A importancia do plano de aulaA importancia do plano de aula
A importancia do plano de aula
 
Complementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadoresComplementos de formação de formadores
Complementos de formação de formadores
 
Meios didacticos iv
Meios didacticos   ivMeios didacticos   iv
Meios didacticos iv
 
Ficha de leitura
Ficha de leituraFicha de leitura
Ficha de leitura
 
Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011Plano coordenção 2011
Plano coordenção 2011
 
O Plano de Sessão
O Plano de SessãoO Plano de Sessão
O Plano de Sessão
 
Estagio supervisionado
Estagio supervisionado Estagio supervisionado
Estagio supervisionado
 
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdfCEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
CEFOSAP-PlanoSessaoInstrucoes.pdf
 
Planos de sessão
Planos de sessãoPlanos de sessão
Planos de sessão
 
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
Projeto de Intervenção Pedagógica (PIP)
 
Instrução e demonstração
Instrução e demonstraçãoInstrução e demonstração
Instrução e demonstração
 
Avaliacao 360
Avaliacao 360Avaliacao 360
Avaliacao 360
 
Portifólio milena
 Portifólio   milena Portifólio   milena
Portifólio milena
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagem
 

Semelhante a Caracterizar os princípios e instrumentos do modelo de gestão descentralizada da IEP-convertido.pdf

Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptxSensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptxmargarida
 
Orientativo pefe 2018 (1)
Orientativo pefe 2018 (1)Orientativo pefe 2018 (1)
Orientativo pefe 2018 (1)Gleibiane Silva
 
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogicaWaleska Ufal Letras
 
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxApresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxildo punguane
 
Projeto Curso de Didática
Projeto Curso de DidáticaProjeto Curso de Didática
Projeto Curso de DidáticaAlesfer
 
17-CERTIFICADO A.pdf
17-CERTIFICADO A.pdf17-CERTIFICADO A.pdf
17-CERTIFICADO A.pdfSheizeMorais
 
2011 competencias empreendedoras
2011 competencias empreendedoras2011 competencias empreendedoras
2011 competencias empreendedorasSofia Novo
 
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresCinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresunieubra
 
Cartilha Educação Corporativa - Embrapa
Cartilha Educação Corporativa - EmbrapaCartilha Educação Corporativa - Embrapa
Cartilha Educação Corporativa - EmbrapaAna Szerman
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...Instituto Unibanco
 

Semelhante a Caracterizar os princípios e instrumentos do modelo de gestão descentralizada da IEP-convertido.pdf (20)

Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptxSensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
Sensibiliza_StakeHolders ESEN.pptx
 
Orientativo pefe 2018 (1)
Orientativo pefe 2018 (1)Orientativo pefe 2018 (1)
Orientativo pefe 2018 (1)
 
Manual sobre a tese
Manual sobre a teseManual sobre a tese
Manual sobre a tese
 
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
5 manual de-elaboracao_da_proposta_pedagogica
 
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptxApresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
Apresentação - 23.10.21 - Maxixe.pptx
 
Veja aqui o que fazem e onde trabalham os profissionais: Gestor e Corrdenador...
Veja aqui o que fazem e onde trabalham os profissionais: Gestor e Corrdenador...Veja aqui o que fazem e onde trabalham os profissionais: Gestor e Corrdenador...
Veja aqui o que fazem e onde trabalham os profissionais: Gestor e Corrdenador...
 
Projeto Curso de Didática
Projeto Curso de DidáticaProjeto Curso de Didática
Projeto Curso de Didática
 
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCPreferencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
referencial detalhado do curso formação pedagógica inicial de formadores | CCP
 
Programa trainee
Programa traineePrograma trainee
Programa trainee
 
17 certificado a
17 certificado a17 certificado a
17 certificado a
 
17-CERTIFICADO A.pdf
17-CERTIFICADO A.pdf17-CERTIFICADO A.pdf
17-CERTIFICADO A.pdf
 
2011 competencias empreendedoras
2011 competencias empreendedoras2011 competencias empreendedoras
2011 competencias empreendedoras
 
Submodulo 8.2
Submodulo 8.2Submodulo 8.2
Submodulo 8.2
 
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolaresCinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
Cinco critérios para uma formação eficaz de gestores escolares
 
Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2Manual tcc 2014_2
Manual tcc 2014_2
 
Case Capacitação Schulz
Case Capacitação SchulzCase Capacitação Schulz
Case Capacitação Schulz
 
Oficina de Construção de Aprendizagem
Oficina de Construção de AprendizagemOficina de Construção de Aprendizagem
Oficina de Construção de Aprendizagem
 
Cartilha Educação Corporativa - Embrapa
Cartilha Educação Corporativa - EmbrapaCartilha Educação Corporativa - Embrapa
Cartilha Educação Corporativa - Embrapa
 
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formaçãoreferencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
referencial detalhado do curso de pós-graduação gestao coordenação da formação
 
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...
Metodologias do Projeto Jovem de Futuro - Curso de Gestão Escolar para Result...
 

Caracterizar os princípios e instrumentos do modelo de gestão descentralizada da IEP-convertido.pdf

  • 1. Instituto Superior Dom Bosco Organizar e Gerir Centros num contexto de FBC 4: Caracterizar os princípios e instrumentos do modelo de gestão descentralizada da IEP Maputo, ano lectivo2022 Docente: Me. Vera Cristalina Alar
  • 2. Gestão de qualidade naEducação profissional em Moçambique • AgestãodequalidadenasIEP’s,nascecomoumadas apostas resultantes da reforma operada na EP através do PIREP (Programa Integrada de Reforma da Educação Profissional) cujos objectivos foram aumentar a oferta e a produtividade da mão-de-obra especializada e melhorar as oportunidades dos graduados da escola em encontrar empregolucrativo nos sectores formal e informal da economia (PIREP 2005, p. 02).
  • 3. • Para a efectividade da reforma, o Governo criou a Autoridade Nacional da Educação Profissional (ANEP) através da Lei n°.23/2014 de 23 de Setembro de 2014, com atribuições reguladoras dentre as quais a responsabilidade de implementarosistemadegarantiadequalidadedaeducaçãoprofissional(Artigo 45 da Lei 6/2016). • A ANEP enquanto regulador determinou que todas as IEP’s deviam incluir durante a realização de sua missão, a avaliação da qualidade do seuexercício, através da auto-avaliação do seu funcionamento em todos os âmbitos envolvidos no sucesso escolar dos formandos (com destaque para as áreas chave de avaliação,assunto que abordaremos mais adiante
  • 4. O que é gestao de qualidade? • Qualidade pode ser percebido de diferentes formas, uma vez que está associado à satisfação de uma necessidade,dai que indivíduos diferentes terão obviamente necessidades diferentes e, consequentemente, diferentes percepções de qualidade (Campos,2015). • Segundo Garvin (1992) a qualidade consiste na capacidade de satisfazerdesejos,istoé,naanálisefinaldemercado,eaqualidade de um produto ou serviço, depende de até que ponto ele se ajusta aos padrões das preferências do consumido. • Controle da qualidade- é a parte da gestão da qualidade focalizada em atender aos requisitos da qualidade” (ISO 9000:2000). • Sistema de gestão de qualidade alude a uma estrutura organizacional criada para gerir e garantir a qualidade,os recursos necessários,os procedimentos operacionais eas responsabilidades estabelecidas (Santos, et al.2013).
  • 5. • No nosso contexto, esta proposta da ANEP concernente à implementação do SGQ nas IEP’s é assegurada, pela implementação de mecanismos de garantia e controle de qualidade,estabelecidos no Quadro de Garantia da Qualidade do Sistema Nacional de Qualificações Profissionais para a Educação Profissional,e à semelhança do preceituado por Campos (2015), também advoga que o trabalho com a qualidade nas IEP’s pressupõe um exercício que deve estar em torno não só dos beneficiários directos dos seus serviços (os alunos) mas também os outros actores do sistema,como os empregadores e as famílias (Artigo 32, Lei 6/2016).
  • 6. Princípio Básico para a gestão de qualidade O PIREP (2013) na sua Estratégia e Plano de Acção (2011 – 2015) para a Formação de Formadores da Educação Profissional em Moçambique, aponta 3 aspectos fundamentais,referindo que que é preciso: (1) conhecer a Lei e Regulamentos de garantia de qualidade nas IEPs, aprovados e em vigor em Moçambique; (2) conhecer e entender o funcionamento e estruturação dos órgãos de garantia de qualidade nas IEPs e por fim O principio básico da gestão de qualidade refere que “a melhoria escolar é melhor alcançada usando uma auto avaliação escolar rigorosa e válida baseada em evidência, reportandoosresultadoserespondendocomplanosapropriadosdemelhoramento”.
  • 7. (3) entender o funcionamento e importância do processo de avaliação de qualidade nas IEPs: Auto-Avaliação (pela escola) e Avaliação Externa,se consideramos que este processo de avaliação de qualidade é essencialmente caracterizadopela auto-avaliaçãoe a avaliação externa (pelo regulador).
  • 8. Ciclo de gestão de qualidade nas IEP’s
  • 9. N . Etapas doGQ nas IEP’s Descrição 1 Identificação das áreas chave São padrões de qualidade educacional, definem as características da qualidade exigidas para cada instituição. Procuram guiar as acções conducentes a melhorar a qualidade de gestão e da oferta formativa nas IEPs e devem ser incorporados nos planos da instituição. 2 Auto-avaliação Auto-avaliaçãododesempenhoemtermosdepadrõesrelativos ao sucesso dos alunose daeficácia e eficiência das operações. 3 Planos de melhoria contínua Plano definido objectivos chave, prioridades, principais estratégias e medidas de avaliação em conjunto com a comunidade escolar e outros intervenientes externos. 4 Implementação / supervisão/avali ação interna Actividade de acompanhamento do exercício de melhoria realizado,através da avaliação interna,para a preparação da fase seguinte (avaliação externa). 5 Revisão externa Pelo menos uma vez por ano, durante a fase piloto, sera realizada uma revisão externa por um revisor externo ou uma equipa de revisão nomeada pela ANEP. 6 Prestação de contas Reportar os resultados da auto-avaliação e avaliação externa a todos os intervenientesrelevantes.
  • 10. Principais áreas chave ou padrões/Indicadores de qualidade do SGQ para as IEP´s Área chave (KRAs) Descrição 01 Liderança Estabelecer uma direcção e metas para a Instituição e pôr em funcionamento, de forma apropriada, os mecanismos e estratégias necessárias para atingir os objectivos pretendidos. 02 Sucesso Escolar do Estudante O sucesso escolar do estudante,está ligado a habilidades profissionais genéricas e específicas e aos resultados de aprendizagem que têm em conta as suas competências para apreender e atingir um alto nível de realização. 03 Currículo O currículo é receptivo às necessidades do aluno e relevante para as necessidades sócio-económicas da sociedade multicultural a que os estudantes pertencem. Durante a fase- piloto, o maior foco será na implementação da formação baseada em competências (CBT) e no uso de material e métodos para apoiar este processo. 04 Metodolo gia de Formação A planificação efectiva e a leccionação com base na tentativa de colaboração entre o Professor e o estudante para garantir que a aprendizagem tenha lugar,é uma realidade. A aplicação de CBT pelos trabalhadores tanto da Instituição de Ensino Profissional, como dos locais de trabalho,deve ser o maior foco desta KRA.
  • 11. 05 Gestão de Pessoal Garante a gestão efectiva dos trabalhadores para que se mantenham os padrões estabelecidos e se garanta o profissionalismo na prática da educação e formação dos estudantes. 06 Gestão de Recursos A atribuição e a gestão de recursos (humanos / físicos / financeiros) para garantir que a IEP atinja efectiva e eficientemente, as metas educacionais definidas para os estudantes (Há um foco especial na manutenção de meios auxiliares de aprendizagem, e na instalação de novos e actualizados equipamentos, como parte das reformas do PIREP). 07 Ambiente de Aprendizagem A IEP, providencia um ambiente adequado à maximização da aprendizagem dos estudantes, da sua preparação para o emprego pós- escolarização e sua da formação posteriorl. Os recursos disponíveis,são usados e direccionados para se adquirir conhecimento, habilidades e atitudes (por ex. confiança, habilidades interpessoais e maior independência). 08 Envolvimento Comunitário A comunidade em geral interage com a IEP (incluindo através de ligações formais com a indústria) na persecussão de metas combinadas para os seus estudantes. 09 Receptividade A IEP, responde às necessidades dos estudantes e dos intervenientes, adapta e adopta medidas mais adequadas quando estas necessidades mudam (incluindo em resposta a quaisquer mudanças políticas, iniciativas de educação profissional financiadas pelo governo, relatórios de avaliação- por exemplo, para atender às sugestões de um avaliador externo).
  • 12. Caracterizar os princípios e instrumentos do modelo de gestão descentralizada da IEP • Projecto da IEP (ou projecto educativo da IEP ou plano estratégico da IEP) é o documento de caráter pedagógico que, elaborado com a participação da comunidade educativa, estabelece a identidade da própria IEP através da adequação do quadro legal em vigor à sua situação concreta, apresenta o modelo geral de organização e os objectivos pretendidos pela instituição e, enquanto instrumento de gestão, é ponto de referência orientador na coerência da acção educativa. • Isto é, um Projeto Educativo é um documento de orientação pedagógica que, não podendo contrariar a legislação vigente, explicita os princípios, os valores, as metas as estratégias através das quais a IEP propõe realizar a sua função educativa
  • 13. Características do Projecto da IEP ou plano estratégico da IEP) Objectivo da Planificação • O Plano articula a visão da IEP e liga a comunidade e o sector produtivo a objectivos e acções estabelecidos em conjunto. Identifica áreas-chave na resposta a um ambiente em mudança e providencia um caminho evidente para o IEP demonstrar a sua capacidade de utilizar os recursos de forma responsável e estratégica. • OPlano,providenciaummecanismo transparentequepermiteaos funcionáriosanalisaredocumentaroqueestãoafazereporqueo estãoafazer.OprocessodeveincluirumaAvaliaçãodaeficiênciadas estratégias e direcçõesestabelecidas.
  • 14. Plano estratégico • O conceito de planeamento estratégico se referea umprocessosistêmicoquepermitedefiniromelhor caminho a ser seguido por uma organização, para atingir um ou mais objetivos, dentro de um contexto previamente analisado. Isso se faz analisando cenários, definindo metas e ações que permitirão chegar onde se deseja. • Ele é um conceito básico da gestão e administração das organizações, por isso, muito útil também para as IEP’s.
  • 15. O Plano Estratégico • Este plano, deve responder às áreas-foco identificadas e expressar alvos e estratégias para a sua melhoria. Deve também garantir a sustentabilidade de boas práticas. • A IEP, deve ter um horizonte de plano de dois, três ou cinco anos, com um conjunto particular de iniciativas planificadas para o primeiro ano. O plano de dois, três ou de cinco anos, é então anualmente revisto e actualizado, em consulta com os intervenientes.
  • 16. O Plano Estratégico deverá ser regido por: • Uma declaração de propósito; a abordagem holística de aprendizagem do aluno, os padrões a serem alcançados e o apoio necessário para que os programas de ensino e aprendizagem possam levar o aluno a alcançar este objectivo. • Informação gerada e analisada através do processo de Auto- Avaliação • Foco numa melhoria que fortaleça a capacidade de toda a IEP e uma cultura profissional. • Contextos da IEP’s e de comunidades locais. • Uma percepção das tendências locais e internacionais e de como a política e direcção do Governo e do ministério de tutela terão impacto nos alunos.
  • 17. O plano deve ser sucinto eincluir: • Áreas foco para melhoria. • Alvos de melhoria. • Áreas não principais a seremsustentadas. • Requisitos financeiros. • Medidas para Avaliação do progresso. • Calendário incluindo a revisão anual.
  • 18. Planos Operacionais (Plano Anual deActividades) • O plano operacional, determina a vida quotidiana da IEP. É estabelecido anualmente em resposta à direcção geral definida pelo Plano Estratégico mais amplo e providencia alvos específicos que estão ligados aos alvos do Plano Estratégico. • Os planos operacionais, devem informar a planificação das salas de aulas e estabelecer o contexto para processos de execução e de gestão.
  • 19. O plano operacional deverá ser regido por: • Informação obtida e analisada através dos processos de Auto-Avaliação da IEP. • Plano Estratégico. • Revisão de planos anteriores.
  • 20. O plano operacionaldeverá: • Identificarasprincipaisestratégias paralidarcomas áreas que carecem de melhoria. • Estabelecer alvos específicos para cada área de operação. • Identificar recursos necessários para implementar as estratégias. • Identificar os processos de medidas dedesempenho e de recolha de dados,para elaborar juízos sobre o sucesso do plano. • Especificar o papel do pessoal-chave, calendários e pontos de revisão.
  • 21. Em suma: • O Plano Estratégico,é uma declaração pública das intenções da IEP e deve pois incluir alvos, expressos numa linguagem simples que a comunidade possa entender perfeitamente. Estes alvos, devem também ser considerados no contextodeesperançaseexpectativasdacomunidade,doactualgovernoedos requisitos da reforma do MEC,sobre o desempenho da IEP. • Os planos operacionais, estabelecem alvos mais específicos, que contribuem para o alcance dos alvos expressos no Plano Estratégico.Estes, devem reflectir as direcções profissionais estabelecidas através do curriculum nacional e das políticas do governo.