SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 26
INCLUSÃO ESCOLAR
DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DE
PROFESSORES ALFABETIZADORES
Marisa Assunção Teixeira
marisateixeira2011@gmail.com
Formação de Professores no PNAIC
Recomendações de estratégias de formação:
1) A análise de práticas de sala de aula
2) A análise das ferramentas conceituais
O objetivo é
1) Compartilhar cenas escolares que envolvem estudantes
do ciclo de alfabetização, portadores de deficiência ou
com transtorno global do desenvolvimento (TGD).
2) Apresentar a ferramenta conceitual (chave de leitura)
alicerçada na linguística e na noção de linguagem.
Cena 1
Desenho livre
Giovanna, 6 anos, 1º ano inicial do EF
É agitada, balbucia e emite palavras ininteligíveis.
• Estava com uma atividade de desenho livre com
uso de tintas.
• Fazia rabiscos coloridos sem estruturar
nenhuma forma.
• Quando pergunto o que ela está desenhando, responde
algo como:
[bé, bé, bia mãe]
• Faço a pergunta três vezes, dizendo que não entendi o
que ela me falou e a resposta tem o mesmo padrão.
• Pergunto como se chama a pessoa que está do seu
lado. – Cris.
• Pergunto qual o nome da pessoa que está a nossa
frente e aponto. – Pro.
Cena 2
Autoretrato
• A atividade seguinte é a do autoretrato.
• Do lado esquerdo da folha de desenho tinha o suporte
de uma fotografia de rosto da menina.
• Proponho que Giovanna desenhe a sua cara. A garota
traça uma forma arredondada. Peço para desenhar
uma parte de cada vez, começando pelos olhos
• Giovanna fez por sua própria conta o que eu chamei de
boca. Depois peço para colocar o nariz. Apesar de o
desenho ser muito precário, exprime coerência das partes.
• Solicito que desenhe a sua franjinha. Giovanna desenha uns
rabiscos na parte alta da “cabeça”. Novamente aparece a
coerência no traçado.
• Terminada a atividade de desenho, Giovanna retira
espontaneamente o avental de pintura que estava
usando, demonstrando boa compreensão da mudança de
rotina.
Cena 3
Escrita do nome
• Quando solicito que ela escreva o seu nome no espaço
reservado no cabeçalho onde se lia “meu nome
é”, Giovanna apenas aponta as letras e, ato
contínuo, começa a pintar a sua fotografia.
Cena 4
Fala palavras isoladas
• Para trocar de atividade, perguntei à Giovanna sobre seu
caderno.
- Você tem um caderno para me mostrar?
• Giovanna diz que não. A professora entrega dois cadernos
e mostro para Giovanna um que tem o seu nome escrito na
capa. Peço para a menina virar as folhas para mim e me
mostrar suas lições.
• Aponto figuras do caderno e pergunto:
- Que figura é essa?
• Giovanna vai nomeando-as:
casa, sol, cachorro
Observáveis
• Não fala frases.
• Fala palavras isoladas.
• Tem um desenho precário.
• Entende instruções.
• Aponta onde devia escrever seu nome e
escapa da atividade.
• A escrita do nome está próxima da garatuja.
Referencial teórico de análise
• Extraído da linguística
• Foca uma determinada concepção de linguagem.
•Linguagem é estrutura
•Linguagem é acontecimento
•Linguagem enquanto forma (oral, gestual)
Linguagem
• A escolha por abordar a linguagem como
estrutura está vinculada à:
• Língua
• Alfabetização em sua etapa inicial
• As crianças embaraçadas com a alfabetização
inicial
Linguagem
•A linguagem é atividade (operação) que
coordena e associa
Coordenação
a) Linearidade do significante (aspecto fônico): por ser uma impressão auditiva, o
significante se desdobra numa sequência de tempo.
Exemplo: M A R
b) Diferenças conceituais e diferenças fônicas
Palavra
MENINO / MENINA MAR / MARÉ
Grupo de palavras, frases, enunciados
MAR DE ROSAS / MAR DE GENTE
O que vai possibilitar o sentido (ou significação) é o contexto, a conjuntura de
produção da frase.
Essas leis mínimas envolvem a noção de tempo, ordenamento, diferenças.
A coordenação está na ordem da língua
Associação
São ligações regidas por princípios diversos:
a) Analogia de significação – ensino, instrução, educação;
b) Semelhança das imagens acústicas –“Chora menina”,
“Chora, me liga”
c) Analogia de eventos – Cauã parou de fazer contagem
quando se deparou com a figura de um coelho desenhada até
a cintura.
- Que número você falou? Perguntou a professora.
- Pipi. Cauã fechou o livro e se recusou a continuar a tarefa.
A associação pertence a outras ordens fora da
língua
Contexto de produção
• Hipótese:
Para expandir a fala/escrita é preciso oferecer
contexto, conjuntura de produção.
Regulação e controle
•São mecanismos para controlar o diálogo, a
comunicação.
Exemplos: “Você entendeu?”; “Eu não entendi o
que você disse”, “Ou seja”, “Isto é”, “Em outras
palavras”, “Eu quis dizer”.
Encerrando
É difícil identificar as operações básicas de linguagem.
• É possível ensiná-las? Ou pelo menos, potencializá-
las?
• Quais estratégias o professor poderia utilizar para
potencializar as operações de coordenação e
associação?
• Como acompanhar os resultados/as aprendizagens?
• Como o Orientador de estudo pode transmitir esta
discussão para os Professores?
Considerações
1. A utilização das experiências dos professores pode
favorecer um trabalho de resgate de suas práticas, do seu
fazer pedagógico.
2. Filmagens de situações de sala de aula.
3. Análise das atividades do aluno para identificar a operação
que o estudante fez. O objetivo é o de identificar como o
aluno “opera com e sobre a língua”.
4. Elaboração de instrumentos de avaliação e instrumentos de
acompanhamento das aprendizagens.
5. Estratégias que coloquem o corpo em ação.
Cena 3
Contexto de produção
• André (2º ano inicial EF) não desenha, não usa letras nem
números, não fala. Pica e rasga papeis, folhas, capas de livro.
• Não tem noção de corpo próprio unificado.
• Ao final de um ano, pega um adulto pelo braço para levá-lo à
biblioteca.
• Pega um livro.
• Cada vez um novo livro
• Criar contexto, conjuntura em relação ao título do livro.
Cena 5
Nome próprio
• Os alunos estavam fazendo uma atividade sobre o próprio
nome, recortando as letras de revistas
• Gustavo (6 anos, 1º ano inicial do EF) recorta as letras do
nome e as cola na folha.
• No cabeçalho Gustavo escreveu seu nome
• As letras do nome estão trocadas de lugar. A letra “G” está
por último. A letra “s” está no meio.
• Não coordena (sequencia de letras) nem associa (com a
escrita do nome feita no cabeçalho).
Operação (matemática)
Uma operação é qualquer tipo de procedimento que
é realizado sobre certa quantidade de elementos, e
que obedece sempre a uma mesma regra ou
princípio.
Formação de Professores no PNAIC
1. Análise das ferramentas conceituais
• Ela se justifica principalmente pelo fato de se estabelecer por
meio de análises contextualizadas e próximas do vivenciado
cotidianamente, permitindo ao professor deparar-se com
diferentes situações, conhecidas ou não, e colocá-las em xeque.
(Formação de Professores no PNAIC, p. 16).
2. A utilização das experiências dos professores pode favorecer
um trabalho de resgate de suas práticas, do seu fazer
pedagógico.
3. Filmagens de situações de sala de aula.
4. Análise das atividades do aluno.
5. Elaboração de instrumentos de avaliação e discussão de
seus resultados
Programas de Formação de Professores Alfabetizadores
Período 2001 à 2012
Período MEC Programa Coordenação do
Programa
Presidente Parti
do
Ministro da
Educação
2001 SEF (Secretaria
de Ensino
Fundamental) e
TV Escola
PROFA - Programa de
Formação de
Professores
Alfabetizadores
Grupo de
profissionais
coordenados pela
professora Telma
Weisz, do Instituto de
Psicologia da USP
Fernando
Henrique
Cardoso
PSDB Paulo Renato
Souza
2008 SEB (Secretaria
de Educação
Básica)
PRÓ LETRAMENTO -
Programa de
Formação Continuada
de Professores dos
Anos/Séries Iniciais
do Ensino Fundamental
Profissionais do
CEALE - Centro de
Alfabetização, Leitura
e Escrita da
Faculdade de
Educação da UFMG
Luiz Inácio Lula
da Silva
PT Fernando
Haddad
2012 SEB (Secretaria
de Educação
Básica)
PNAIC - Pacto Nacional
pela Alfabetização na
Idade Certa
Profissionais que
integram o CEEL –
Centro de Estudos
em Educação e
Linguagem da UFPE
Dilma Rousseff PT Aloizio
Mercadante

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestrePlanejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestreEDMIRSON OLIVEIIRA
 
Relatórios turmas de 1º ano
Relatórios turmas de 1º anoRelatórios turmas de 1º ano
Relatórios turmas de 1º anoNaysa Taboada
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilkeillacr
 
Plano semanal 9
Plano semanal 9Plano semanal 9
Plano semanal 9Mito Mivel
 
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Erkv
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestreNaysa Taboada
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativasespecial.pombal
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularNethy Marques
 
Plano semanal 8
Plano semanal 8Plano semanal 8
Plano semanal 8Mito Mivel
 
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdos
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdosEm relação à assimilação e fixação dos conteúdos
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdosDavi Faria
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novamariacarmcorreia
 
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexiaEstratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexiaMagda Ferreira
 
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafia
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafiaMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafia
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafiaEmanuela Pontes
 
Como montar rotinas pedagógicas parte 2
Como montar rotinas pedagógicas   parte 2Como montar rotinas pedagógicas   parte 2
Como montar rotinas pedagógicas parte 2Janaina Spolidorio
 

Mais procurados (20)

Planejamento 1 ano
Planejamento 1 anoPlanejamento 1 ano
Planejamento 1 ano
 
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestrePlanejamentos 2015 1 a 4 bimestre
Planejamentos 2015 1 a 4 bimestre
 
Relatórios turmas de 1º ano
Relatórios turmas de 1º anoRelatórios turmas de 1º ano
Relatórios turmas de 1º ano
 
1 encontro pacto matematica
1 encontro pacto matematica1 encontro pacto matematica
1 encontro pacto matematica
 
Ficha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantilFicha avaliação educação infantil
Ficha avaliação educação infantil
 
Plano semanal 9
Plano semanal 9Plano semanal 9
Plano semanal 9
 
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
Relatório descritivo de mateus amarante de aguiar.
 
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano   1 trimestreFicha descritiva 1 ano   1 trimestre
Ficha descritiva 1 ano 1 trimestre
 
Nee e respostas educativas
Nee e respostas educativasNee e respostas educativas
Nee e respostas educativas
 
Dislexia
Dislexia Dislexia
Dislexia
 
Relato7
Relato7Relato7
Relato7
 
Modelos relatorios
Modelos relatoriosModelos relatorios
Modelos relatorios
 
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regularRelatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
Relatorio de acompanhamento do professor do aee e sala regular
 
Plano semanal 8
Plano semanal 8Plano semanal 8
Plano semanal 8
 
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdos
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdosEm relação à assimilação e fixação dos conteúdos
Em relação à assimilação e fixação dos conteúdos
 
Plano de aee
Plano de aeePlano de aee
Plano de aee
 
Registo avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano novaRegisto avali.3º ano nova
Registo avali.3º ano nova
 
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexiaEstratégias para trabalhar com alunos com dislexia
Estratégias para trabalhar com alunos com dislexia
 
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafia
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafiaMaterial de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafia
Material de-apoio-para-o-professor-trabalhar-com-alunos-com-disgrafia
 
Como montar rotinas pedagógicas parte 2
Como montar rotinas pedagógicas   parte 2Como montar rotinas pedagógicas   parte 2
Como montar rotinas pedagógicas parte 2
 

Semelhante a Inclusão escolar: desafios para a formação de professores alfabetizadores - PNAIC

1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx
1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx
1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptxSecretriadeEducaoCan
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaCida Nenê Leite
 
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdf
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdfMeu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdf
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdfKARITAVCV
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxSarahTaynara
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014Claudio Pessoa
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoRoxana Alhadas
 
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVM
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVMProjeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVM
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVMproativo
 
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011Proalfacabofrio
 
Inventario dos estilos_de_aprendiz
Inventario dos estilos_de_aprendizInventario dos estilos_de_aprendiz
Inventario dos estilos_de_aprendizAcácio Duarte
 
Alfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAlfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAntonioMarquesFiguei
 
PEB l analise de texto
PEB l analise de textoPEB l analise de texto
PEB l analise de textomarcaocampos
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacaolicenciaturaavm
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacaolicenciaturaavm
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacaolicenciaturaavm
 

Semelhante a Inclusão escolar: desafios para a formação de professores alfabetizadores - PNAIC (20)

1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx
1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx
1ª FORMAÇÃO REFORÇO E OFICINAS.pptx
 
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certaPacto nacional pela alfabetização na idade certa
Pacto nacional pela alfabetização na idade certa
 
Rotina unidade 2 3
Rotina unidade 2   3Rotina unidade 2   3
Rotina unidade 2 3
 
Rotina unidade 2.3
Rotina unidade 2.3Rotina unidade 2.3
Rotina unidade 2.3
 
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdf
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdfMeu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdf
Meu livro de Lingua Portuguesa - 1 ano.pdf
 
Minicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r eMinicurso de alfabetização s r e
Minicurso de alfabetização s r e
 
Cd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogoCd2 exercicios dialogo
Cd2 exercicios dialogo
 
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptxAlfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
Alfabetização e métodos ou métodos de alfabetização.pptx
 
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
RELATO DE EXPERIÊNCIA DO MUNICÍPIO DE TOUROS NO SEMINÁRIO FINAL DO PNAIC 2014
 
Como funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetizaçãoComo funcionam os métodos de alfabetização
Como funcionam os métodos de alfabetização
 
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVM
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVMProjeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVM
Projeto Interdisciplinar de Teoria e prática da Alfabetização 4° Período AVM
 
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano  2011
Apostila Avaliação Diagnóstica Inicial no 1º Ano 2011
 
Inventario dos estilos_de_aprendiz
Inventario dos estilos_de_aprendizInventario dos estilos_de_aprendiz
Inventario dos estilos_de_aprendiz
 
Bloco1 planejamento
Bloco1 planejamentoBloco1 planejamento
Bloco1 planejamento
 
Alfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusivaAlfabetização e educação inclusiva
Alfabetização e educação inclusiva
 
Planejamento 2013 lingua_portuguesa
Planejamento 2013 lingua_portuguesaPlanejamento 2013 lingua_portuguesa
Planejamento 2013 lingua_portuguesa
 
PEB l analise de texto
PEB l analise de textoPEB l analise de texto
PEB l analise de texto
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
 
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm  teoria da alfabetizacaoFaculdade integrada avm  teoria da alfabetizacao
Faculdade integrada avm teoria da alfabetizacao
 

Último

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasBibliotecaViatodos
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...Eró Cunha
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leiteprofesfrancleite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...WelitaDiaz1
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...azulassessoria9
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoIlda Bicacro
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxKeslleyAFerreira
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfAnaAugustaLagesZuqui
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docxSílvia Carneiro
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASricardo644666
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...marioeugenio8
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEblogdoelvis
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfAndersonW5
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxprofbrunogeo95
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoVitor Vieira Vasconcelos
 

Último (20)

Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - GeoprocessamentoDados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
Dados espaciais em R - 2023 - UFABC - Geoprocessamento
 

Inclusão escolar: desafios para a formação de professores alfabetizadores - PNAIC

  • 1. INCLUSÃO ESCOLAR DESAFIOS PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES ALFABETIZADORES Marisa Assunção Teixeira marisateixeira2011@gmail.com
  • 2. Formação de Professores no PNAIC Recomendações de estratégias de formação: 1) A análise de práticas de sala de aula 2) A análise das ferramentas conceituais
  • 3. O objetivo é 1) Compartilhar cenas escolares que envolvem estudantes do ciclo de alfabetização, portadores de deficiência ou com transtorno global do desenvolvimento (TGD). 2) Apresentar a ferramenta conceitual (chave de leitura) alicerçada na linguística e na noção de linguagem.
  • 4. Cena 1 Desenho livre Giovanna, 6 anos, 1º ano inicial do EF É agitada, balbucia e emite palavras ininteligíveis. • Estava com uma atividade de desenho livre com uso de tintas. • Fazia rabiscos coloridos sem estruturar nenhuma forma.
  • 5. • Quando pergunto o que ela está desenhando, responde algo como: [bé, bé, bia mãe] • Faço a pergunta três vezes, dizendo que não entendi o que ela me falou e a resposta tem o mesmo padrão. • Pergunto como se chama a pessoa que está do seu lado. – Cris. • Pergunto qual o nome da pessoa que está a nossa frente e aponto. – Pro.
  • 6. Cena 2 Autoretrato • A atividade seguinte é a do autoretrato. • Do lado esquerdo da folha de desenho tinha o suporte de uma fotografia de rosto da menina. • Proponho que Giovanna desenhe a sua cara. A garota traça uma forma arredondada. Peço para desenhar uma parte de cada vez, começando pelos olhos
  • 7. • Giovanna fez por sua própria conta o que eu chamei de boca. Depois peço para colocar o nariz. Apesar de o desenho ser muito precário, exprime coerência das partes. • Solicito que desenhe a sua franjinha. Giovanna desenha uns rabiscos na parte alta da “cabeça”. Novamente aparece a coerência no traçado. • Terminada a atividade de desenho, Giovanna retira espontaneamente o avental de pintura que estava usando, demonstrando boa compreensão da mudança de rotina.
  • 8. Cena 3 Escrita do nome • Quando solicito que ela escreva o seu nome no espaço reservado no cabeçalho onde se lia “meu nome é”, Giovanna apenas aponta as letras e, ato contínuo, começa a pintar a sua fotografia.
  • 9. Cena 4 Fala palavras isoladas • Para trocar de atividade, perguntei à Giovanna sobre seu caderno. - Você tem um caderno para me mostrar? • Giovanna diz que não. A professora entrega dois cadernos e mostro para Giovanna um que tem o seu nome escrito na capa. Peço para a menina virar as folhas para mim e me mostrar suas lições.
  • 10. • Aponto figuras do caderno e pergunto: - Que figura é essa? • Giovanna vai nomeando-as: casa, sol, cachorro
  • 11. Observáveis • Não fala frases. • Fala palavras isoladas. • Tem um desenho precário. • Entende instruções. • Aponta onde devia escrever seu nome e escapa da atividade. • A escrita do nome está próxima da garatuja.
  • 12. Referencial teórico de análise • Extraído da linguística • Foca uma determinada concepção de linguagem. •Linguagem é estrutura •Linguagem é acontecimento •Linguagem enquanto forma (oral, gestual)
  • 13. Linguagem • A escolha por abordar a linguagem como estrutura está vinculada à: • Língua • Alfabetização em sua etapa inicial • As crianças embaraçadas com a alfabetização inicial
  • 14. Linguagem •A linguagem é atividade (operação) que coordena e associa
  • 15. Coordenação a) Linearidade do significante (aspecto fônico): por ser uma impressão auditiva, o significante se desdobra numa sequência de tempo. Exemplo: M A R b) Diferenças conceituais e diferenças fônicas Palavra MENINO / MENINA MAR / MARÉ Grupo de palavras, frases, enunciados MAR DE ROSAS / MAR DE GENTE O que vai possibilitar o sentido (ou significação) é o contexto, a conjuntura de produção da frase. Essas leis mínimas envolvem a noção de tempo, ordenamento, diferenças. A coordenação está na ordem da língua
  • 16. Associação São ligações regidas por princípios diversos: a) Analogia de significação – ensino, instrução, educação; b) Semelhança das imagens acústicas –“Chora menina”, “Chora, me liga” c) Analogia de eventos – Cauã parou de fazer contagem quando se deparou com a figura de um coelho desenhada até a cintura. - Que número você falou? Perguntou a professora. - Pipi. Cauã fechou o livro e se recusou a continuar a tarefa. A associação pertence a outras ordens fora da língua
  • 17. Contexto de produção • Hipótese: Para expandir a fala/escrita é preciso oferecer contexto, conjuntura de produção.
  • 18. Regulação e controle •São mecanismos para controlar o diálogo, a comunicação. Exemplos: “Você entendeu?”; “Eu não entendi o que você disse”, “Ou seja”, “Isto é”, “Em outras palavras”, “Eu quis dizer”.
  • 19. Encerrando É difícil identificar as operações básicas de linguagem. • É possível ensiná-las? Ou pelo menos, potencializá- las? • Quais estratégias o professor poderia utilizar para potencializar as operações de coordenação e associação? • Como acompanhar os resultados/as aprendizagens? • Como o Orientador de estudo pode transmitir esta discussão para os Professores?
  • 20. Considerações 1. A utilização das experiências dos professores pode favorecer um trabalho de resgate de suas práticas, do seu fazer pedagógico. 2. Filmagens de situações de sala de aula. 3. Análise das atividades do aluno para identificar a operação que o estudante fez. O objetivo é o de identificar como o aluno “opera com e sobre a língua”. 4. Elaboração de instrumentos de avaliação e instrumentos de acompanhamento das aprendizagens. 5. Estratégias que coloquem o corpo em ação.
  • 21. Cena 3 Contexto de produção • André (2º ano inicial EF) não desenha, não usa letras nem números, não fala. Pica e rasga papeis, folhas, capas de livro. • Não tem noção de corpo próprio unificado. • Ao final de um ano, pega um adulto pelo braço para levá-lo à biblioteca. • Pega um livro. • Cada vez um novo livro • Criar contexto, conjuntura em relação ao título do livro.
  • 22. Cena 5 Nome próprio • Os alunos estavam fazendo uma atividade sobre o próprio nome, recortando as letras de revistas • Gustavo (6 anos, 1º ano inicial do EF) recorta as letras do nome e as cola na folha. • No cabeçalho Gustavo escreveu seu nome • As letras do nome estão trocadas de lugar. A letra “G” está por último. A letra “s” está no meio. • Não coordena (sequencia de letras) nem associa (com a escrita do nome feita no cabeçalho).
  • 23. Operação (matemática) Uma operação é qualquer tipo de procedimento que é realizado sobre certa quantidade de elementos, e que obedece sempre a uma mesma regra ou princípio.
  • 24. Formação de Professores no PNAIC 1. Análise das ferramentas conceituais • Ela se justifica principalmente pelo fato de se estabelecer por meio de análises contextualizadas e próximas do vivenciado cotidianamente, permitindo ao professor deparar-se com diferentes situações, conhecidas ou não, e colocá-las em xeque. (Formação de Professores no PNAIC, p. 16). 2. A utilização das experiências dos professores pode favorecer um trabalho de resgate de suas práticas, do seu fazer pedagógico.
  • 25. 3. Filmagens de situações de sala de aula. 4. Análise das atividades do aluno. 5. Elaboração de instrumentos de avaliação e discussão de seus resultados
  • 26. Programas de Formação de Professores Alfabetizadores Período 2001 à 2012 Período MEC Programa Coordenação do Programa Presidente Parti do Ministro da Educação 2001 SEF (Secretaria de Ensino Fundamental) e TV Escola PROFA - Programa de Formação de Professores Alfabetizadores Grupo de profissionais coordenados pela professora Telma Weisz, do Instituto de Psicologia da USP Fernando Henrique Cardoso PSDB Paulo Renato Souza 2008 SEB (Secretaria de Educação Básica) PRÓ LETRAMENTO - Programa de Formação Continuada de Professores dos Anos/Séries Iniciais do Ensino Fundamental Profissionais do CEALE - Centro de Alfabetização, Leitura e Escrita da Faculdade de Educação da UFMG Luiz Inácio Lula da Silva PT Fernando Haddad 2012 SEB (Secretaria de Educação Básica) PNAIC - Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Profissionais que integram o CEEL – Centro de Estudos em Educação e Linguagem da UFPE Dilma Rousseff PT Aloizio Mercadante