GONE
By Deborah Bladon
Parte Dois
Capítulo Um
— Eu disse a alguém. — eu não elaboro a resposta, quando olho sobre seu
ombro em direção a um grupo de mulhere...
mas mais do que isso, ele se tornou um irmão mais velho para mim. Vejo a mesma dor
que sinto dentro de mim quando olho em ...
— Eu disse a você que eu não quero nada disso. — ele sorri. — Você fez todo o
trabalho para colocá-lo lá fora. Tudo o que ...
Eu não sou um cão de fofocas, mas acho divertido que Ben me imagine como
um. Eu gostaria que o problema fosse algo tão sim...
— O quê? — pergunto com um grande sorriso no meu rosto. As soluções de
Ben para os problemas da vida, quase sempre envolve...
Capítulo Dois
— Lilly.
Vacilo quando ouço sua voz no espaço atrás de mim. Não é como se possa saltar
para cima da cadeira ...
Estou tentado não lançar de volta uma réplica me perguntando por que ele
apenas não recorreu ao software de rastreamento e...
Exalo suavemente. Deveria perguntar a ele para o que seria o pedido de
desculpas. Eu quero que ele sinta algum sentimento ...
de ir para a entrevista que agendei daqui a pouco mais de uma hora. — Eu assumi que
o homem que estava na cama era o mesmo...
— Não. — engulo passando o repentino nó na minha garganta. — Você deve
ter desenterrado cada detalhe que podia sobre a min...
Capítulo Três
— Será que você conseguiu o trabalho da entrevista que você teve na sexta-
feira? — Ben olha para mim sobre ...
— Você pode lidar com qualquer coisa, Lil. — ele começa antes de fazer o
pedido rapidamente.
Espero até o garçom sair do a...
Grata pelo fim do questionamento sobre o porquê de repente precisava mudar
endereços, tento dar uma interpretação positiva...
amizade que temos. Eu não posso. É a única coisa que está me segurando inteira neste
momento.
Abro a boca para responder, ...
Capítulo Quatro
Ben tinha insistido em andar de metrô comigo de volta ao meu hotel. No
momento em que ele percebeu que est...
***
— Srta. Bell disse que haveria um envelope aqui para mim. — bato os dedos
sobre a borda do balcão de aço não acreditan...
terminado. Eu esfrego minha mão sobre meu rosto assim que os sapatos entram no
meu campo de visão.
— Lilly. — diz ele em u...
Capítulo Cinco
— Obrigada. — eu agradeço quando pego o copo de água gelada dele. Eu não
hesitei quando ele me perguntou se...
passado. A maneira despreocupada e honesta que eles me tratam inevitavelmente
muda para algo diferente uma vez que eles sa...
— Eu não faço Lilly. — ele balança a cabeça levemente. — O que aconteceu
entre nós não tem nada a ver com olhar o seu comp...
cima. Dar ao Sr. Parker um peep show1
é parte do meu passado. Depois de hoje, nunca
mais vou ter que me preocupar em pisca...
não pode me olhar nos olhos fala mais do que qualquer uma das suas palavras. —
Nada disso importa mais. Você pode mandar R...
— Você estava disposta a compartilhar suas fotos nuas com Parker. Você nem o
conhecia. — diz ele com a voz rouca. — Se fiz...
Capítulo Seis
O homem tem uma das mentes mais brilhantes da tecnologia de hoje. Ele dirige
uma empresa que alguns estimam ...
desde que enviei esse material para o Parker. É por isso que você realmente me queria
vivendo com Rebecca.
— Você está err...
— Você conseguiu que eu me encontrasse com a Jordan aqui naquele dia para
olhar seus arquivos de segurança. — paro enquant...
— O amigo do meu marido ainda quer conhecê-la. — ela levanta seu
smartphone. — Eu lhe mostrei uma foto que tirei de você q...
— Diga a ela. — ele pontua cada sílaba de cada palavra como se isso lhes desse
mais significado.
Ela balança a cabeça em c...
Capítulo Sete
— Quando é que você vai perceber que você está perdendo seu tempo? — eu
bato meu sapato contra a janela do c...
Não há como negar que é uma afirmação sem qualquer curiosidade por trás
dela. Estou supondo que ele pulou essa conclusão c...
— Você estava interessada em mim, Lilly.
Eu corro o meu dedo indicador sobre a minha sobrancelha esquerda. — Eu
estava.
— ...
Capítulo Oito
— Então você é a garota maravilha que eu tenho ouvido falar? — seus olhos
verdes trancam nos meus. É raro en...
Meu coração quer saltar com a ideia de fazer o que eu mais amo e ser paga por
isso, mas estou hesitante após o que acontec...
Eu rio em voz alta sobre o comentário. — Era sobre um projeto pessoal que eu
venho trabalhando. Na verdade, eu tenho uma p...
Capítulo Nove
— Eu ainda posso ajudar você e Kayla com o que vocês precisarem. — aceno
com a cabeça em direção ao quarto d...
que nós gastássemos o tempo como amigos fora do grupo de terapia do luto, eu estava
hesitante. Eu tinha me desligado de to...
Não é a pergunta que pensei que gostaria de ouvir. A julgar pelo passado e
todas as inúmeras vezes em que Ben me pressiono...
Capítulo Dez
— Tudo o que Hughes está pagando para você, eu pago em dobro.
Não, não é Clive Parker dizendo essas palavras ...
em primeiro lugar, mas estou farta disso. Todos os cartões de Clive estão sobre a mesa
junto aos meus. Eu conheço as suas ...
Eu não posso dizer se ela está sendo sincera ou não. Eu não me incomodo de
ficar por perto para descobrir. Eu puxo a minha...
Capítulo Onze
A batida fraca na porta do meu apartamento me puxa para cima do conforto da
minha cama. Já passa das sete. E...
poltrona ao lado que o proprietário acredita que justifica a taxa de apartamento
mobiliado que ele está me cobrando.
— Eu ...
— Lilly. — seus olhos avançam em torno do espaço vazio. — Você gostaria de ir
para outro lugar para conversar? Eu prefiro ...
Capítulo Doze
— Como é que você espera que eu acredite em você? — eu tento manter a
minha voz em um tom uniforme e control...
vergonha e crua quando ele me tocou. Eu gozei enquanto estava sendo pressionada
contra uma janela, o meu desejo desenfread...
— Eu estava preocupado que houvessem mais como ele. — ele respira,
fechando os olhos por alguns instantes. — Depois que nó...
Capítulo Treze
— Por que você está fazendo isso? — tomo um gole do café agora frio antes de
colocá-lo de volta para baixo....
— Eu espero que ele seja um sucesso, e eu sei que ele tem o potencial para ser.
— ele passa a mão pelo cabelo. — É somente...
— Posso te perguntar uma coisa antes de você subir? — suas mãos estão
dobradas no bolso de sua calça, o paletó pendurado a...
Capítulo Quatorze
— Ela morreu há mais de 10 anos. — ele oscila à beira de um dos bancos que
fica ao lado do balcão na min...
— Ela é como se fosse da família para você? — pergunto por pura
curiosidade. Tentei imaginar o mesmo cenário na minha vida...
momento em que ouvi meu pai caminhar através da porta da frente da nossa casa e
metodicamente começar a sua fúria assassin...
Capítulo Quinze
Suas mãos embalam meu rosto enquanto ele tira uma lágrima do meu rosto
com o polegar. — Você entende o que...
— Você vai jantar comigo amanhã? — ele corre o polegar sobre meu lábio
inferior. — Deixe-me mostrar-lhe que eu a respeito,...
ter tido um vislumbre do topo das minhas meias quando entrei no carro. Eu preciso
começar a olhar mais para o meu colo.
— ...
Capítulo Dezesseis
— Eu te quero tanto. — seus lábios empurram os meus, o doce sabor do vinho
em sua língua. — Eu estou tã...
Ele entrelaça minha mão na sua, trazendo-a para seus lábios úmidos em um
movimento fluido. — Vem sente-se. Deixe-me dizer-...
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Gone #2   deborah bladon-2
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gone #2 deborah bladon-2

193 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
193
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gone #2 deborah bladon-2

  1. 1. GONE By Deborah Bladon Parte Dois
  2. 2. Capítulo Um — Eu disse a alguém. — eu não elaboro a resposta, quando olho sobre seu ombro em direção a um grupo de mulheres que se instalaram nas cadeiras ao nosso lado. A ponta do sapato empurra contra o meu quando ele desliza pelo chão de azulejos. — Alguém com que você trabalha ou um amigo? Eu não definiria Clive Parker como meu amigo. Sinto um pequeno sorriso que deriva fugazmente sobre meus lábios com a noção de que jamais seriamos amigos. Eu trabalhava para ele. Tivemos relações sexuais. Eu não sei como explicar então eu não vou. — Ele é dono da empresa que eu trabalhava. — Trabalhava? — ele se inclina para frente até os cotovelos pegarem o limite da pequena mesa circular. — O que isso significa? Evitar o contato visual com ele não vai alterar o âmbito dessa conversa. Eu vim ao hospital para falar com ele. Ele é a única pessoa em quem posso confiar e se eu quiser deixar esse sentimento menos emocionalmente do que eu faço, tenho que ser honesta com ele. — Deixei o meu novo trabalho, Ben. — Lil. — ele se ajeita na cadeira. — Quando estávamos trocando mensagens de texto na semana passada, você me disse que conseguiu um emprego na Corteck. É uma declaração. Não é uma questão, mas a expectativa implícita de uma resposta está lá. — Eu estou falando sobre Corteck. Esse é o trabalho que eu deixei. — Tudo o que você falou nos últimos anos era que queria trabalhar lá. — ele levanta uma sobrancelha escura enquanto seus olhos castanhos digitalizam meu rosto. — Você está me dizendo que finalmente conseguiu um emprego lá e saiu depois de dizer ao proprietário... As palavras derivam da mesma maneira que elas costumam fazer quando a conversa vira para o tema da minha família. Tem sido assim desde que conheci Ben Foster no grupo de apoio que busquei consolo depois que fui baleada. Ele é um médico,
  3. 3. mas mais do que isso, ele se tornou um irmão mais velho para mim. Vejo a mesma dor que sinto dentro de mim quando olho em seus olhos. Sua mãe morreu quando ele era um adolescente por isso ele entende a minha perda de forma que a maioria das pessoas não consegue. — Por que você disse a ele? — ele bate o dedo indicador sobre a parte superior de minha mão. — Mais importante, por que você se demitiu depois de dizer a ele? Puxo minha mão para passar ao longo do meu cabelo comprido, alisando-o. — Ele me acusou de uma coisa e eu disse a ele sobre o meu passado para provar que ele estava errado. Vejo a hesitação em sua expressão antes dele falar. — Do que ele a acusou? Sabia que havia uma forte possibilidade de quando vim para ver Ben que ele iria me fazer essa pergunta. Eu não compartilhei com ninguém os detalhes dolorosos do que aconteceu no escritório de Clive antes de sair do meu trabalho. Depois de fugir da sede da Corteck, fui direto para o apartamento que dividia com Rebecca. Eu tinha jogado tudo que tinha de volta nas duas malas que trouxe comigo para Nova Iorque e corri para fora do prédio, embora fosse meio do dia e ela ainda estivesse no trabalho. Ela tentou me ligar e enviar textos várias vezes desde que eu me mudei há dois dias, mas não tenho nada a dizer para ela. Ela é amiga de Clive e deveria saber que ele queria que eu vivesse com ela para que ele pudesse mexer em meu computador enquanto eu não estivesse em casa. — Você se lembra do aplicativo que eu falei? — sei que posso levar a conversa em uma direção diferente, mas vim aqui para me apoiar em seus fortes ombros largos e tenho que me abrir se isso vai acontecer. — O que eu te ajudei? — seu rosto se ilumina instantaneamente. — Eu tenho pensado mais sobre isso. Eu acho que há uma maneira de podermos melhorá-lo. Eu sorrio para sua referência ao aplicativo médico de viagem que ele me ajudou a desenvolver. Quando tinha inicialmente trazido a ideia para ele, ele aproveitou a chance para participar. Dada a sua experiência como médico de emergência só fez sentido quando aceitei sua contribuição e terminamos. — Eu quero ouvir sobre isso. Eu tenho um cheque da sua porcentagem de vendas do último mês.
  4. 4. — Eu disse a você que eu não quero nada disso. — ele sorri. — Você fez todo o trabalho para colocá-lo lá fora. Tudo o que fiz foi dar alguns conselhos. Ele está sendo modesto. É um traço de caráter do Ben que admiro muito. Ele faz um bom trabalho no mundo e raramente toma qualquer crédito por isso. Seu mais recente foco tem sido um novo empreendimento de caridade que ajuda os indivíduos que não têm os meios financeiros para receber os cuidados médicos que necessitam. Ele está em parceria com sua noiva, Kayla, para lançar a Fundação Foster. É uma organização sem fins lucrativos em memória da sua mãe, em que ele está trabalhando ao lado de seu irmão gêmeo, Noah. Cada vez que ele me fala sobre isso sinto uma mordida indesejada de inveja. Ele tem uma família e eles estão trabalhando juntos para fazer a diferença na vida das pessoas. É o que estou tentando fazer com o aplicativo de doadores de órgãos. — Eu gostaria de doar o meu percentual para a Fundação se você não se importar. — digo ao tentar segurar a minha emoção. Eu sei o quanto Ben quer ajudar os outros e se puder contribuir para isso, como uma forma silenciosa de lhe agradecer por estar sempre lá para mim, é algo que me sinto obrigada a fazer. — Eu gostaria disso. — ele balança a cabeça lentamente. — Vamos voltar para Corteck. Diga-me o que aconteceu, Lil. — Eu tive que assinar alguns contratos antes de começar a trabalhar lá. — eu esfrego minha mão no meu rosto. — Um deles deu ao meu patrão acesso a qualquer computador que eu tenho. — O quê? — sua testa franziu. — Como eles podem fazer isso? Parece uma invasão de privacidade para mim. Defender as exigências do emprego de Clive Parker não está na minha lista de coisas a fazer hoje, mas sou a pessoa que assinou o contrato completamente sem lê- lo. — Eu acho que é uma coisa normal quando você trabalha para uma empresa de tecnologia. Eles são todos protetores de seus desenvolvimentos futuros. — Então, alguém passou por seu computador de trabalho? — ele inclina seu queixo em minha direção. — O que eles acharam? Você estava navegando em sites de fofocas quando você deveria estar trabalhando?
  5. 5. Eu não sou um cão de fofocas, mas acho divertido que Ben me imagine como um. Eu gostaria que o problema fosse algo tão simples e inocente como isso. — Foi o meu laptop pessoal. Todos os meus arquivos sobre o aplicativo de doadores de órgãos que venho trabalhando estão lá. Ben se inclina para trás na cadeira de plástico que ele está sentado enquanto estuda meu rosto. — Merda, Lil. Isso deve ter chateado você. Eu sei como protetora você é sobre isso. Ele sabe por que cada vez que trouxe o aplicativo para ele, pedi para mantê-lo entre nós. Por mais que sinta que vá beneficiar todos os envolvidos em uma doação de órgãos, é também um assunto emocionalmente desgastante para mim. Se estou sendo completamente honesta comigo mesma, nem tenho mais certeza se terei a coragem de trazer o aplicativo para o mercado. Se fizer isso, quero que seja disponibilizado gratuitamente. Lucrar com qualquer pessoa envolvida em uma situação tão difícil não me atrai. — É por isso que você saiu, não foi? — ele empurra a questão entre os dentes cerrados e antes que tenha a chance de responder, ele continua: — Eu posso ir até lá e dar-lhe um sermão, se você quiser. Eu sorrio do outro lado da mesa para ele. Esta é a parte dele que preciso: O carinho. Ben é a coisa mais próxima que tenho de uma família agora desde que a minha avó morreu há pouco mais de um ano. — Você não precisa ser um super-herói. — eu brinco. — Eu posso cuidar de mim mesma. Ele brinca levantando o braço, flexionando seu bíceps direito sob o tecido de seu jaleco branco. — Eu sei que você pode, mas enquanto estamos nesse assunto, em que você está trabalhando agora? Mesmo que a ideia de voltar para Boston e trabalhar no café tenha passado pela minha cabeça por mais de uma dúzia de vezes, não vou fazer isso. Estou em Nova Iorque e desde que o meu trabalho dos sonhos terminou, estou seguindo em frente para maiores desafios e espero coisas melhores. — Eu já comecei a entregar alguns currículos em algumas outras empresas de tecnologia. Ele coça o pescoço, enquanto estuda meu rosto. — Eu tenho uma solução enquanto isso.
  6. 6. — O quê? — pergunto com um grande sorriso no meu rosto. As soluções de Ben para os problemas da vida, quase sempre envolvem abrir a carteira dele. Ele é generoso e eu estou preparada para ouvi-lo me oferecer algum dinheiro disfarçado como um empréstimo que ele não espera que seja pago de volta. — Kayla está à procura de alguém para ajudá-la com algumas coisas de computação com a Fundação. — ele toma um gole do café que está apoiado na frente dele durante os últimos vinte minutos. — Você tem tempo para ir até o escritório esta semana e dar-lhe uma mão? Mesmo que a minha agenda não consistisse em sair para entregar currículos e assistir televisão no meu quarto de hotel, eu aproveitaria a chance para ajudar Ben. — Eu vou fazer isso. — Kayla pode contratá-la por enquanto. — ele empurra a mão contra a borda da mesa, preparando-se para ficar em pé. — Eu não quero a sua companheira de quarto jogando-a para fora, porque você não pode pagar o aluguel. Aqui é onde lhe digo que estou vivendo em um hotel de estadia prolongada perto do aeroporto LaGuardia. É também o ponto em que peço para me ajudar com a tarefa que tenho adiado nos últimos seis anos. — Ben, eu queria falar de outra coisa. Ele se levanta enquanto as palavras deixam meus lábios. — Podemos falar mais tarde, Lil? Estou atrasado para voltar para a emergência. Eu aceno com um leve sorriso enquanto sinto seus lábios pincelarem sobre a minha testa antes de ele se virar e ir embora.
  7. 7. Capítulo Dois — Lilly. Vacilo quando ouço sua voz no espaço atrás de mim. Não é como se possa saltar para cima da cadeira que estou trabalhando e correr pela biblioteca lotada em direção à saída. Eu preciso virar e encará-lo. Isso ou eu preciso ignorá-lo completamente com a esperança de que ele vá pegar a dica e me deixar em paz. Embora eu não seja muito sutil. Eu preciso acabar com isso e na biblioteca, com as suas regras esperadas de protocolo em vigor, parece um lugar tão bom como qualquer outro. — Sr. Parker. — eu viro para olhar para ele. Ele está vestido com um terno preto e camisa combinando. Seu olhar austero é impressionante para o meio da manhã em uma sexta-feira. — Eu gostaria de falar com você. — seus olhos checam em torno da grande sala como se estivesse à procura de um canto isolado que ele pudesse me puxar para lá. Movimento com a mão para uma cadeira ao lado de onde estou sentada em uma mesa retangular. — Podemos conversar aqui. Ele hesita antes de abaixar-se na cadeira de madeira. O peso de seu corpo puxa um rangido audível na madeira resistente. — Eu preferiria fazer isso em particular. Eu não olho para ele enquanto fecho lentamente meu laptop. Meu primeiro instinto quando ouvi sua voz foi fechá-lo abruptamente, mas não fiz. Ele já viu todos os meus segredos que mantenho no disco rígido então a necessidade de protegê-lo de seus olhos, parece ilógica. É muito parecido com um amante se escondendo por trás de um lençol na cama depois de fazer amor com as luzes acesas. — Eu prefiro que façamos isso aqui. — eu deslizo meu computador dentro da capa do laptop de couro que comprei quando comecei as aulas no MIT. Está gasta e danificada, mas a familiaridade que me oferece é reconfortante de uma forma abstrata. — Eu estive procurando por você desde que você saiu do meu escritório.
  8. 8. Estou tentado não lançar de volta uma réplica me perguntando por que ele apenas não recorreu ao software de rastreamento e GPS que ele instalou no meu computador quando se serviu do seu conteúdo há poucos dias. Abstenho-me embora porque se começar a cuspir as palavras, ele pode ver o pedaço de verdade que está tecido. Eu tinha executado vários programas de spyware no meu laptop depois que fui para o hotel, mas não encontrei nada. Eu não confio nele e duvido que precise anunciar isso a ele. — Como você sabia que eu estaria aqui? Seu olhar voa sobre as duas pessoas sentadas perto do fim da mesa. — Estive aqui por seis vezes nos últimos três dias. Eu esperava que, eventualmente, você fosse aparecer. Previsibilidade não é um bom companheiro de cama quando você está tentando evitar alguém que você não deveria ter dormido em primeiro lugar. Voltei para a biblioteca, porque me sinto segura e em paz aqui. Talvez sejam as fileiras de livros ou talvez seja apenas a expectativa de que você não tem que jogar conversa fora com ninguém enquanto estiver aqui. Eu sou atraída por ela porque ela me faz lembrar de uma época em que eu era criança e não sentia o mundo tão amargo e injusto como sinto agora. — Eu não atendi aos seus telefonemas. — eu me inclino para trás cruzando as pernas, alisando as minhas mãos sobre o tecido do meu vestido azul-marinho. — Você deveria ter pegado a dica. Caçar-me seria um desperdício de seu tempo. Ele espelha minha postura. Seu sapato bate contra a perna da minha cadeira enquanto cruza as pernas. — Se eu estivesse realmente te caçando, Lilly, eu teria te achado imediatamente. Eu não duvido disso. Mesmo que ele não tivesse colocado nada no meu computador para rastrear meu paradeiro, ele tinha os recursos para me encontrar em um instante. Eu tinha usado o nome de Lilly Randall para me registrar no hotel. É o meu nome legal agora, embora ainda me sinta estranha sempre que me apresento. Tinha sido o nome de solteira de minha mãe e cada vez que digo ou escrevo, lembro-me de sua orientação delicada. — O que você quer? Ele estuda a meu rosto antes de responder: — Quero pedir desculpas.
  9. 9. Exalo suavemente. Deveria perguntar a ele para o que seria o pedido de desculpas. Eu quero que ele sinta algum sentimento de culpa sobre o fato de que ele era terno e amoroso na cama e, em seguida, com calculada determinação tomou uma decisão consciente para me afastar da minha casa para que ele pudesse ter acesso aos meus arquivos privados. Eu quero que ele se sinta mal sobre isso, mas o crescente nó na boca do meu estômago está me dizendo que ele não está sentindo nada, apenas um sentimento de realização. — Eu não sei lidar com as coisas muito bem. — ele faz uma pausa. — Eu não tinha ideia sobre a sua família. Falar sobre o que aconteceu não vai mudar os fatos daquele dia. Todas as sessões de terapia que fui, as reuniões do grupo de apoio e a tristeza que senti, me ensinaram isso. Eu aprendi como lidar. Vivendo cada dia agora é menos uma luta do que era há cinco anos, mas nunca será um assunto que eu abrace abertamente. — Eu me arrependo de levantá-lo. — Eu a forcei. — diz ele uniformemente. — Eu sou muito protetor sobre a memória da minha irmã. Quando vi esses arquivos em seu computador presumi que você... — Você só assumiu que eu estava usando o nome dela para tentar lucrar. — interrompo. — Eu entendo. Ele olha para mim. — Não havia nenhuma maneira que eu pudesse saber sobre o seu passado, Lilly. Se tivesse, eu não teria pulado em você do jeito que fiz. — Sr. Parker. — eu descruzo as pernas, tomando um momento para ajustar a barra do meu vestido. — Você fez suposições sobre mim. Eu fiz suposições sobre você. Nós dois estávamos errados. Eu não acho que precisamos discutir mais esta questão. — Que suposições você fez sobre mim? — sua mão chega para tocar minha coxa. Tento não golpeá-lo sem fazer um gesto dramático de proibição, eu não consigo. Não quero qualquer atenção para nós dois, isso não é meu objetivo. Quero terminar esta conversa para que tenha tempo de recompor as minhas emoções antes
  10. 10. de ir para a entrevista que agendei daqui a pouco mais de uma hora. — Eu assumi que o homem que estava na cama era o mesmo homem que estava no escritório. Eu vejo em seu rosto, a dor batendo. — Eu sou o mesmo homem, Lilly. — Uma vez você disse que eu era muito jovem. — puxo a capa do laptop para minhas pernas. — Eu queria discutir esse ponto com você, mas acho que você está certo. A única resposta que ele oferece é uma cara de bunda quando ele cruza os braços sobre o peito. — Eu sou inteligente o suficiente para saber que não sou madura o suficiente para separar os meus sentimentos do sexo. — eu seguro o seu olhar enquanto continuo. — Eu pensei que você confiasse em mim depois que fizemos amor. Eu pensei que significava algo para você, porque isso significava algo para mim. — Significou algo para mim. — ele exala em uma corrida. — Foi por isso que me rasgou por dentro quando vi os arquivos do aplicativo em seu computador. Eu pensei que você tinha feito atrás das minhas costas, desenvolvendo algo que era muito pessoal para mim. Eu levanto e me afasto, precisando ganhar distância, não só dele, mas também de todas as emoções que tenho mantido à distância nos últimos dias. — Eu entendo porque você acha isso. Eu sei tudo sobre proteger a memória das pessoas que amamos. O que eu não consigo entender é que você sentiu necessidade de olhar tudo no meu computador. Eu acho que apenas pensei que o que aconteceu entre nós... o que aconteceu em seu apartamento significava mais do que isso. — Significou muito para mim. — ele levanta. — Eu só estava tentando me proteger. Minha empresa é a única coisa que me resta. Eu mordo meu lábio para lutar contra a vontade de rir na cara dele. — A sua empresa está a salvo de mim, Clive. Eu não quero ter nada a ver com ela ou com você. — Não diga isso, Lilly. — ele suspira. — Isto é tudo um grande mal-entendido. Eu quero falar sobre você voltar ao trabalho. Eu quero falar sobre a sua família.
  11. 11. — Não. — engulo passando o repentino nó na minha garganta. — Você deve ter desenterrado cada detalhe que podia sobre a minha família depois que saí. Eu duvido que haja espaços em branco que precise preencher para você. O leve rubor que aparece sobre o seu rosto é toda a confirmação que preciso. — Eu estava preocupado, Lilly. Você não esperava que eu fosse ignorar isso, não é? É claro que não. Qualquer um em sua posição teria se esforçado para descobrir o máximo que pudesse sobre aquela noite há seis anos. Você pode chamá-lo de mórbida fascinação ou genuína preocupação. Independentemente disso, os resultados são os mesmos. Ele pesquisou o que aconteceu e ele sabe todos os fatos implacáveis sobre uma noite que alterou completamente a minha vida. Eu me sinto mais exposta agora do que estava há três dias, quando ele me acusou de ser insensível em busca de dinheiro. — Eu tenho que estar em um lugar. — eu olho por cima do ombro para onde um grande relógio ornamentado está pendurado na parede. — Nós não temos mais nada a discutir. Ele se mexe um pouco sobre os seus pés como se estivesse abrindo caminho para que eu possa passar por ele. — Nós não terminamos. Entrarei em contato. Eu não me importo com o comentário. Nós terminamos. Nós terminamos no momento em que ele abriu meu laptop, pressionado o botão de ligar e quebrando a minha confiança.
  12. 12. Capítulo Três — Será que você conseguiu o trabalho da entrevista que você teve na sexta- feira? — Ben olha para mim sobre a taça de vinho empoleirada em sua mão. — Você foi lá e empolgou-os, não foi? Eu gostaria de poder dizer que eu tinha. A entrevista foi na Hughes Enterprises para um programador júnior. Eu passei a maior parte do horário corrigindo a mulher que estava me entrevistando sobre a logística da posição. Era evidente a partir do momento em que entrei no escritório que ela não tinha ideia exatamente o que implicava o trabalho de um programador. Eu tinha sido instruída sobre os melhores pontos da tecnologia tudo em uma tentativa de me convencer de que merecia a baixa remuneração e o emprego de nível iniciante que ela estava me oferecendo. Assim que voltei para o meu quarto no hotel me repreendi internamente por sabotar a minha chance de que teria este trabalho, pelo menos, teria o meu pé na porta de um conglomerado que lida com programação para algumas das maiores empresas da Europa. — Eu estraguei tudo. — confesso. Eu não vejo nenhum ponto em tentar camuflar o desastre total que fiz da minha vida. — Eu acho que não vou conseguir o emprego. — Você só está sendo dura consigo mesma, Lil. — ele faz um gesto em direção ao garçom que tem pairado perto de nós durante a maior parte dos últimos dez minutos. — Você está pronta para pedir, certo? Eu não estou com fome, mas dado o fato de que Ben fez uma reserva em um dos mais agradáveis restaurantes de toda Manhattan para comemorar o sucesso de nosso aplicativo médico de viagem, não posso ofendê-lo, perguntando se só posso beliscar a pão enquanto ele come. — Eu vou pedir o que você pedir. — Você deve estar morrendo de fome. — ele retruca de volta. — Eu vou querer um bife. Eu rolo meus olhos. — Eu posso lidar com um bife.
  13. 13. — Você pode lidar com qualquer coisa, Lil. — ele começa antes de fazer o pedido rapidamente. Espero até o garçom sair do alcance da voz antes de puxar a minha cadeira mais perto da mesa. Eu só ouvi sobre Axel NY e sua localização em Boston. Eu nunca jantei em qualquer restaurante porque o custo desta refeição cobriria minha conta do supermercado por quase um mês. — Você não tem que me trazer para um lugar tão caro, Ben. O canto do seu lábio aparece em um sorriso brilhante. — Eu sou um médico. Eu posso pagar. Eu dou risada das palavras. — Talvez quando me instalar em um novo apartamento eu possa cozinhar algo para você e Kayla. Sua expressão congela enquanto seus olhos piscam no meu rosto. — O que você quer dizer? Você está morando em um novo apartamento agora, não é? Ben e eu fizemos um pacto anos atrás de não mentirmos um para o outro. Isso era resultado da necessidade desesperada que ambos sentíamos em encontrar alguém que pudéssemos confiar implicitamente. Eu não sei todos os detalhes da sua vida e ele não sabe tudo o que acontece na minha, mas há um entendimento tácito entre nós dois de ser sempre baseado na verdade. — Mudei-me do apartamento. — eu pego e dou uma pequena mordida em um dos pães crocantes que estão na cesta que o garçom trouxe para nós, juntamente com o nosso aperitivo. — Minha companheira de quarto e eu não nos entendemos muito. Ele coça o queixo. — O que ela fez? — Talvez eu tenha feito alguma coisa. — digo com uma risada atrofiada. — Você deixou toalhas molhadas no chão? Eu não tinha. Rebecca sim, mas nunca teria sido motivo suficiente para arrumar minhas coisas e dar o fora. — Ela conhece o proprietário da Corteck. Eles são amigos próximos, teria sido muito difícil me manter lá. — Onde você está vivendo agora? — ele pressiona.
  14. 14. Grata pelo fim do questionamento sobre o porquê de repente precisava mudar endereços, tento dar uma interpretação positiva sobre o estado deplorável das minhas condições de vida. — Eu estou em um quarto de hotel de longa estadia. É barato e confortável. — Esses lugares são horríveis. Eu tive um quarto assim... — sua voz deriva enquanto seus olhos vagam por mim. — Quero dizer que eu costumava manter um quarto assim para quando eu... ia lá algumas vezes. Era um quarto de foda. O fato do seu rosto ficar vermelho confirma. Eu nunca pensei em Ben de qualquer forma sexual e a inferência de que ele mantinha um quarto só para foder mulheres me deixou instantaneamente desconfortável. Não há como negar que ele é lindo, mas não quero que a imagem dele na cama flutue através dos meus pensamentos. — Entendo. — Por que você não fica comigo e Kayla? — ele se inclina para trás em sua cadeira. — Nós temos dois quartos extras. Eu sei que ela adoraria ter você lá. Eu acredito nele. Eu conheci Kayla brevemente ontem, quando passei pelo escritório da Fundação Foster no distrito financeiro. Fiquei surpresa por ela estar trabalhando em uma manhã de sábado até que ela explicou tudo o que tinha planejado. Eu disse a ela que iria ajudar de qualquer maneira que pudesse e o alívio em sua expressão era quase palpável. Eu poderia dizer imediatamente que a bondade que irradiava dela foi uma das razões pela qual Ben estava tão profundamente apaixonado por ela. Ele tamborila seus longos dedos em sua coxa. — Eu não quero que você se hospede em um hotel, Lilly. Você deve pegar suas coisas e vir para o nosso apartamento hoje à noite. A parte de meu coração que quer a garantia de que ainda há um lugar onde eu pertenço no mundo está mastigando o freio para aceitar a sua oferta. As partes realistas estão gritando que é uma má ideia. Ben tem me ajudado em alguns dos piores momentos da minha vida, mas sempre houve o comprimento de um braço de emoção entre nós. Estamos próximos de muitas maneiras, mas as coisas fundamentais da vida, do dia-a-dia, não estão tão familiarizadas. Intrometendo-me no espaço que divide com a mulher que ama não é algo que eu queira fazer. Não quero colocar em risco a
  15. 15. amizade que temos. Eu não posso. É a única coisa que está me segurando inteira neste momento. Abro a boca para responder, assim quando o garçom se aproxima da mesa para encher a taça de vinho do Ben. Eu balanço minha cabeça ligeiramente quando ele pergunta se quero outra água com gás. Ele balança a cabeça em reconhecimento enquanto nós ouvimos Ben responder seu smartphone. Encaro-o quando uma frase médica após a outra cai facilmente dos seus lábios. Ele sobreviveu a uma perda horrível e agora sua vida está exatamente onde ele quer que esteja. Eu quero isso também. A única diferença é que não tenho nenhuma ideia de como levar a minha vida em direção a um futuro feliz.
  16. 16. Capítulo Quatro Ben tinha insistido em andar de metrô comigo de volta ao meu hotel. No momento em que ele percebeu que estávamos atravessando o Queens, tinha começado uma tentativa de convencer-me a arrumar minhas coisas e ir para casa com ele. Tão convidativo como era a oferta, não vou mudar de ideia. À medida que tomamos o elevador até o meu andar, prometi a ele que se não tivesse um trabalho dentro de uma semana eu iria morar com ele e Kayla temporariamente. Foi o suficiente para aplacar a sua ansiedade. Também foi o suficiente para me dar espaço para respirar. Eu preciso avaliar o meu próximo passo. Eu dei um suspiro pesado quando olhei para o meu smartphone. Uma mensagem de texto brilhou em toda a tela, era de Rowan Bell, a assistente de Clive. Tive um inferno de mensagens nos últimos dias. Ela quer que eu passe no escritório para pegar o meu primeiro e único contracheque ou ela quer o meu endereço atual para que ela possa enviá-lo para mim. Não há nenhuma maneira de que vá responder a ela, porque sei que há uma forte probabilidade de que Clive use essa decisão a seu favor. Caminhar de volta para os escritórios corporativos da Corteck seria um lembrete brutal do meu sonho perdido e dando-lhe o endereço do meu hotel deixaria saber exatamente onde estou. Preciso demais do dinheiro para ignorá-la por mais tempo. Digito uma mensagem rápida perguntando se ela pode deixar o envelope pronto na recepção principal amanhã. Eu sei que é duvidoso que serei capaz de sair do prédio sem ter que enfrentar Clive, mas pelo menos no saguão lotado, tenho a chance de sair com as minhas emoções intactas. Ela responde quase que imediatamente com um texto dizendo que fará isso. Eu não olho para o meu telefone de novo antes de rastejar para a cama. Ligo a televisão esperando que o barulho bloqueie os zumbidos murmurados do casal discutindo no quarto ao lado e derivo em um sono tão necessário.
  17. 17. *** — Srta. Bell disse que haveria um envelope aqui para mim. — bato os dedos sobre a borda do balcão de aço não acreditando no que ela está falando. — Eu te disse, não há nada. — a mesma recepcionista que havia tentado se livrar de mim, no dia em que conheci Rowan está olhando para um caminho através de mim. — Você deve chamá-la e perguntar-lhe o que há de errado. Realmente? Esta é a cara da Corteck? Eu sorrio por dentro enquanto penso em quantas pessoas que vêm para o lobby e são recebidos com isso. — Não é o seu trabalho? Ela empurra as mãos contra o teclado e pergunto-me brevemente se ela está prestes a me dar um tapa no rosto. — Tudo bem. — ela cospe tão violentamente que sprays de saliva voam em toda a mesa. Eu dou um passo para trás. Evitei o primeiro ataque e não tenho certeza de que não haverá outro. — Diga a ela que Lilly Randall está aqui. — digo as palavras antes de perceber que Rowan pode realmente saber o meu nome de nascimento. Minha impressão inicial dela era que ela e Clive são próximos. Eles tinham que ser para ela ter sabido sobre Parker, seu meio-irmão. De repente me sinto constrangida e arrependida por não lhe dar o endereço do hotel que estou hospedada. — Ela vai descer em um minuto. — ela aponta com o queixo em direção a uma fileira de cadeiras Eu estou muito familiarizada com elas. Eu fiquei acampada lá por horas a fio, enquanto esperava para ver Clive depois de ter me graduado na MIT. A ironia da situação não é perdida enquanto resolvo esperar por Rowan para me trazer o único dinheiro que alguma vez vou ganhar trabalhando para a empresa dos meus sonhos. Eu ouço o som de seus passos pelo chão de mármore antes do primeiro traço de seu perfume me bater. Eu sabia que havia uma forte possibilidade de que ele seria o único quem eu teria que falar quando descesse do trem esta manhã para voltar para Manhattan. Eu não me esqueci das suas palavras incisivas sobre não termos
  18. 18. terminado. Eu esfrego minha mão sobre meu rosto assim que os sapatos entram no meu campo de visão. — Lilly. — diz ele em um rosnado baixo. — Eu gostaria de vê-la em meu escritório. — Você trouxe o meu salário, Sr. Parker? — eu olho para o seu rosto maravilhoso com a forma que se mantém no controle, mesmo quando seu cabelo está ligeiramente despenteado. — Eu vou pedir que o leve para lá. — ele contrapõe à medida que estende a sua mão na minha direção. — Podemos subir? O fato de que eu preciso dessa pequena quantidade de dinheiro que ganhei aqui é a única coisa que está me fazendo considerar a sua proposta. Eu não quero falar sobre o que aconteceu da última vez que estive neste edifício. Eu não quero que ele entenda a dor constante que cresce nas minhas partes mais profundas. Eu mostrei-lhe muito do meu coração, mas o fato de que preciso pagar o quarto do hotel é o suficiente para me fazer levantar. — Eu só tenho alguns minutos. — Isso é tudo que eu preciso. — diz ele em um sussurro enquanto coloca a mão na parte inferior das minhas costas para me levar pelo lobby até a entrada dos elevadores que nos levarão para o trigésimo sétimo andar.
  19. 19. Capítulo Cinco — Obrigada. — eu agradeço quando pego o copo de água gelada dele. Eu não hesitei quando ele me perguntou se queria alguma coisa para beber. Minha boca está seca pela ansiedade que está surgindo através de mim. Ele não disse uma palavra no elevador. O fato de que havia três pessoas no elevador pode ter sido a razão, mas isso pouco importava. Eu sabia que não havia nenhuma maneira que ele ia se aprofundar no assunto do que aconteceu na última terça neste escritório na frente de alguém. Clive Parker é um homem muito privado para lavar sua roupa suja na frente de qualquer pessoa. — Rowan tem o seu salário, Lilly. — ele começa antes de acenar em direção a porta fechada do seu escritório. — Vou ligar para ela para trazê-lo para você, mas quero discutir algumas coisas primeiro. Eu não posso dizer que estou surpresa por sua confissão de que queira falar comigo. Sabia quando o vi na biblioteca que ele precisava dizer o que pensava antes de me livrar dele para sempre. Eu posso agir como uma moleca teimosa e adiar o inevitável ou posso tentar sorrir e aguentar agora. Eu sou a pessoa que abriu a caixa de Pandora, que joguei diretamente em sua cabeça. Eu não deveria ter jogado os detalhes sobre a minha família para ele, mesmo que estivesse tentando defender a minha honra. É um assunto que não abro por um bom motivo. — O que você gostaria de discutir? Ele puxa o tecido da calça antes de abaixar-se na cadeira ao lado da minha na frente da sua mesa. Ele me confronta diretamente, puxando uma respiração profunda e lenta. — Eu sinto muito pelo que aconteceu com a sua família e com você. Ouvi essas palavras dezenas de vezes antes. Elas eram frequentes e sinceras nos dias e semanas após o tiroteio. Ao longo do tempo, a gravidade do seu significado tem diminuído enquanto me recompunha e avançava para o mundo sozinha. — Eu aprecio isso, Clive. — eu não olho para ele quando respondo. Não é porque não valorizo o pensamento por trás do sentimento. É porque sei que se olhar para ele verei tristeza e piedade lá. É por isso que não digo às pessoas sobre o meu
  20. 20. passado. A maneira despreocupada e honesta que eles me tratam inevitavelmente muda para algo diferente uma vez que eles sabem. Eles me vêem como frágil ou quebrada. Eu não sou essas coisas. Talvez tenha sido em um momento, mas não sou agora. — Há um monte de detalhes on-line sobre o que aconteceu. — eu ouço o som audível dele engolindo em seco. — É um milagre que você tenha sobrevido. Os médicos haviam me dito a mesma coisa quando fui levada para o hospital após o tiroteio. A bala tinha entrado no meu pescoço em um ângulo extremo antes de atravessar a minha pele. Não tinha causado qualquer dano físico duradouro. O trauma contínuo daquela noite é o conhecimento que corri pela casa após o tiroteio. Vi cada pessoa que eu amava sangrando até a morte e tive que ligar para o 911 antes de desmaiar. Essas imagens nunca vão sair da minha memória. Elas moram comigo, assim como a cicatriz na base do meu cabelo. — Eu me sinto muito mal sobre algumas das coisas que disse a você no outro dia. — seus dedos correm sobre a borda de seu joelho, chamando a minha atenção. — Eu não tinha o direito de acusá-la de nada. É um começo. E também um fim. Ouvir Clive explicar seu comportamento cruel não vai mudar nada. O homem arranjou para eu estar fora do apartamento que eu estava morando, para que ele pudesse tomar conhecimento dos arquivos do meu computador pessoal. É uma violação de confiança que nunca vou superar e independentemente do que ele me disser, não vai mudar o fato de que trabalhar para ele não é mais meu único objetivo na carreira. Fechando os olhos brevemente, eu puxo toda a compostura que posso encontrar dentro de mim, antes de olhar para o seu rosto. — Você não tinha o direito de ir atrás do meu computador pessoal. — Você assinou um documento quando você... Eu puxo a minha mão para o ar afastando as suas palavras. — Eu assinei um documento e, em seguida, eu dormi com você. Você me fez sentir especial. Eu não sei se você faz isso normalmente com os seus novos funcionários ou não.
  21. 21. — Eu não faço Lilly. — ele balança a cabeça levemente. — O que aconteceu entre nós não tem nada a ver com olhar o seu computador. É uma afirmação ridícula, mas estou muito irritada para encontrar o humor nela. — Tem tudo a ver com isso. Você me violou. — Eu sei que se sente assim. — eu posso ouvir uma nota de sinceridade nas palavras. — Eu confiei em pessoas no meu passado que me foderam. Eu confiei em um homem na semana passada que me fodeu. Eu estou olhando diretamente para ele. — Você queria que eu morasse com Rebecca para que você tivesse acesso ao meu computador. — cuspi as palavras com toda aversão à noção trazida com elas. — Você tinha planejado desde o início. — Não. — ele murmura. — Eu queria que você vivesse com Rebecca, porque sabia que ela ia cuidar de você. Você é jovem e esta cidade não é sempre gentil com as mulheres como você. Ele acabou de me dar outro rótulo. Além de ser jovem, agora ele pensa que eu sou ingênua e incapaz de cuidar de mim mesma. Eu pressiono porque eu preciso. Não tenho mais nada para provar a ele, além do fato de que ele está errado sobre a minha capacidade de cuidar de mim mesma. Meu passado é prova suficiente disso. — Mulheres como eu? O que isso significa? Ele aperta a ponta do seu nariz. Eu posso dizer que a conversa não está indo na direção que ele queria e eu sinto uma pontada de alívio sobre isso. Clive gosta de estar no controle. O alinhamento simétrico de tudo em cima da mesa é uma prova desse fato. Eu vi isso quando estava no seu apartamento também. Ele precisa e quer ditar todos os aspectos da sua vida, incluindo discussões e esta ficou longe dele. — Você está tomando o caminho errado, Lilly. Por favor, não faça isso. — Não importa que caminho esteja tomando, Clive. — eu puxo o decote do vestido verde que estou usando. Eu não quero que o topo do meu sutiã se esgueire para
  22. 22. cima. Dar ao Sr. Parker um peep show1 é parte do meu passado. Depois de hoje, nunca mais vou ter que me preocupar em piscar para o homem novamente. — Quando nós saímos para jantar na semana passada. — ele fala enquanto seus olhos se concentram em minhas mãos e minha medida desesperada para me manter coberta. — Na semana passada, nós saímos para jantar. — Eu me lembro. — digo calmamente. Eu não quero mergulhar de volta ao fato de que nós brevemente tivemos um encontro por algumas horas. Nosso relacionamento pessoal explodiu no momento em que tomou a liberdade de ligar meu laptop. — Foi um erro. Seu olhar se estreita quando se inclina para frente em sua cadeira, apoiando os cotovelos nas coxas. — Não foi um erro. O erro foi quando invadi sua privacidade. Em termos de desculpas, não é a mais óbvia que já recebi. Embora eu a tenho desejado, então vou relevar suas palavras e me consolar com o fato de que ele percebe que o que ele fez foi errado. — Isso foi mais do que um erro. — Lilly. — sua mão se projeta em direção a mim. Ele para antes de encostá-la no meu joelho, puxando-a de volta em punho para seu colo. — Quando estávamos no restaurante, havia algo sobre a maneira que você sorriu para mim. Eu... — Eu estava me divertindo. — não é uma mentira. Lembro-me da noite com carinho. Senti-me como se tivéssemos conectados em um nível que transcendia o trabalho. Ele me contou histórias sobre quando ele estava na faculdade e ele ouviu atentamente a minha. O homem com quem jantei naquela noite era um homem com quem queria jantar todas as noites. Eu tinha começado a me apaixonar por ele e pensei que o mesmo sentimento estava lá, refletido de volta em seus olhos. — Eu acho que não havia um homem no restaurante que não olhasse para você. — sua voz endurece. — Eu não posso culpá-los. Eu tive a mesma reação quando a vi pela primeira vez em Boston no bistrô. Flertar é bem-vindo, mas ele não está indo a nenhum lugar de desespero. A culpa está fazendo com que ele diga as coisas que ele está dizendo. O fato de que ele 1 Espetáculo realizado por mulheres seminuas.
  23. 23. não pode me olhar nos olhos fala mais do que qualquer uma das suas palavras. — Nada disso importa mais. Você pode mandar Rowan trazer o meu salário? Ele olha para baixo em seu relógio de pulso. — Vou ligar para ela em breve. Eu preciso que você entenda uma coisa. É muito importante. Isso não é importante. Pelo menos para mim não é. Eu não sei como tudo o que ele diz pode ser relevante para a minha vida neste momento. Eu não trabalho para ele. Eu não vou dormir com ele novamente. Minha conexão com Clive Parker acabou para sempre. — Eu só quero ir. — Eu queria que você fosse morar com a Rebecca, porque sabia que ela ia ficar de olho em você. — ele puxa lentamente o punho endurecido sobre sua coxa. — Eu admito que fiz isso por um motivo egoísta. Ele admite ser egoísta? Não é como se fosse uma epifania que vai alterar a minha opinião sobre ele. — Eu entendo que você queria o controle sobre mim. — eu olho para a porta do escritório, desejando que Rowan a atravesse logo com o meu salário na mão. — Você queria ter acesso ao meu computador e me fazer viver com sua melhor amiga, deu isso a você. — Eu quis ter o controle. — sua voz é profunda enquanto ele se inclina para frente, pegando minhas mãos nas dele. — Mas não tinha nada a ver com o seu computador. Eu fico olhando para as minhas mãos e como são pequenas em comparação com as dele. — Então o que é? Do que você está falando? — Eu queria que você vivesse com ela, porque sabia que você estaria segura lá. — ele aperta as minhas mãos na sua. — Há um lado imprudente em você, Lilly. Você compartilhou muito com meu irmão. Eu estava preocupado com o que você faria quando chegasse à Nova Iorque. Eu só queria que Rebecca cuidasse de você. — O que exatamente isso significa? — eu retruco porque eu preciso de alguns esclarecimentos desesperadamente.
  24. 24. — Você estava disposta a compartilhar suas fotos nuas com Parker. Você nem o conhecia. — diz ele com a voz rouca. — Se fizesse essas merdas em Nova Iorque, você poderia encontrar um tipo diferente de bagunça.
  25. 25. Capítulo Seis O homem tem uma das mentes mais brilhantes da tecnologia de hoje. Ele dirige uma empresa que alguns estimam valer bilhões de dólares. Ele é culto, refinado e sofisticado. Ele já namorou mulheres bonitas pela maior parte de sua vida adulta e ele pode ficar com qualquer uma que quiser com um estalar de dedos. No entanto, ele quer que eu acredite que ele arranjou para que eu morasse com uma das suas amigas mais queridas, porque ele pensou que eu iria distribuir fotos nuas minhas na Times Square? O homem me taxou como uma idiota se ele acha que eu ia cair nessa besteira. Eu puxo minhas mãos livres das suas e me sinto desprovida quando faço. Meu corpo está traindo o meu desejo de correr para longe dele. — Você está me dizendo que você me queria morando com Rebecca porque eu mandei uma foto minha nua para um homem que vem a ser seu irmão? — Você mandou uma foto nua sua e uma carta sobre chupar um pau. Eu puxo as minhas mãos para o meu rosto. — Eu fiz isso uma vez. Eu estava tentando me divertir um pouco. Não houve nenhum dano. — Nenhum dano? — ele aperta a mão em um punho. — E se alguém tivesse visto Lilly? Uma imagem como essa pode afetar todo o seu futuro. Eu sei disso. O pensamento passou pela minha mente uma vez ou outra desde que tinha enviado. — Eu nunca faria isso novamente. — Você não deveria ter feito isso na primeira vez. — ele cospe de volta. Estudo seu rosto. Eu posso dizer que ele está frustrado. — Eu me arrependo de ter feito isso. Eu sei que tenho sorte que ninguém mais viu. — Você está certa, você teve sorte. — ele abaixa o queixo em direção ao chão. — Eu a destruí junto com a carta de modo que ninguém nunca verá. Gostaria de agradecer a ele por ter feito isso por mim, mas agora não posso torcer minha mente longe da raiva que estou sentindo. — Você não confiou em mim
  26. 26. desde que enviei esse material para o Parker. É por isso que você realmente me queria vivendo com Rebecca. — Você está errada. — ele se recosta na cadeira de novo, cruzando as pernas. — Eu não teria lhe oferecido o trabalho se eu não confiasse em você. — Rowan me ofereceu o trabalho. — eu falo. — Ela viu o valor na minha formação e meu currículo. Ele levanta uma sobrancelha escura enquanto ele estuda a minha expressão. — Você não acha que eu vejo o valor nessas coisas, Lilly? Eu não sei como responder essa pergunta de forma lógica. Eu quero acreditar que ele estava sendo honesto quando me disse que eu era a mulher mais inteligente que ele já conheceu. Agora, eu não sei o que é real e o que é baseado unicamente em seu desejo de confirmar suas suspeitas sobre mim. — Eu acho que você honestamente pensou que eu ia usar o nome da sua família para comercializar o aplicativo de doação de órgãos que desenvolvi. Eu acho que você olhou meu computador, porque algo dentro de você não confiava em mim. Seu queixo cai e os ombros vão para frente enquanto ele exala. — Eu não fui ver Rebecca naquela manhã com a intenção de olhar o seu computador. A força da declaração me empurra para trás no meu lugar. Eu me inclino para trás na cadeira de couro, tentando decifrar exatamente o que ele disse para mim. — Isso é uma mentira, Clive. — Você falou com Rebecca desde aquele dia? É uma questão retórica para mim. Ele já sabe a resposta para isso e eu apostaria minhas economias irrisórias sobre isso. — Você sabe que não. Você perguntou a ela se falei com ela, não é? Ele revira os olhos para o teto. Eu posso ver a sua exasperação surgindo cada momento que passa. Eu não vou recuar disto porque, neste momento, não tenho nada a perder. Eu não trabalho para esse homem mais e nunca vou rastejar de volta para a cama com ele.
  27. 27. — Você conseguiu que eu me encontrasse com a Jordan aqui naquele dia para olhar seus arquivos de segurança. — paro enquanto aponto o dedo no ar em direção a ele. — Você não se importou com o que eu pensava sobre esses arquivos. Era uma desculpa para me prender aqui para você olhar o meu computador. Sua mão mergulha no bolso interno do paletó para recuperar seu smartphone. Eu assisto em silêncio enquanto ele rola o dedo sobre a tela antes de levar o telefone no ouvido. — Jordan venha ao meu escritório. Agora. *** — Ouvi dizer que você tinha saído. — Jordan sorri para mim enquanto ela toma o lugar de Clive na cadeira ao meu lado. — O que você está fazendo aqui? Eu não posso proteger minha surpresa com o fato de que ela parece realmente feliz em me ver. — Eu vim buscar o meu salário. — Fiquei chocada por você ter nos deixado. — seu olhar se dirige a Clive antes de voltar para mim. — Eu estava preocupada com você. Nós tínhamos um jantar na terça-feira passada, lembra? Eu me lembrei na quarta-feira. Até então, a ideia de mandar uma mensagem de texto ou ligar para ela para explicar por que não compareceria no jantar parecia inútil. Ela é uma parte da família Corteck, o que significa que ela provavelmente tem que fazer relatórios de tudo o que ela faz para Clive. Se tivesse ligado para pedir desculpas por não ter ido ao seu apartamento, ele teria ouvido isso imediatamente. Eu não tenho nenhuma dúvida sobre isso. Eu não posso imaginar que alguém possa trabalhar para Clive por muito tempo antes que esteja fazendo o que ele espera. Tenho que admitir que a noção de que Clive havia a instruído para me ajudar para que ele pudesse ganhar mais informações sobre mim tinha passado pela minha cabeça. Eu não duvidaria dele. — Me desculpe, eu não liguei. — eu ofereço um pedido de desculpas esperado, não por que seja algo que eu realmente queira dizer.
  28. 28. — O amigo do meu marido ainda quer conhecê-la. — ela levanta seu smartphone. — Eu lhe mostrei uma foto que tirei de você quando nós estávamos trabalhando juntas no sistema de segurança. Ele está me perturbando para ter o seu número desde então. Eu coro na admissão. A única pessoa que costumo sair em Nova Iorque é o Ben e nosso relacionamento é baseado unicamente no fato de que estamos conectados através do sofrimento. Eu pensei que Clive poderia preencher o espaço vazio que sinto, mas isso não vai acontecer. — Vou pegar o seu número. Eu posso ligar... — Lilly está comprometida. — Clive cruza os tornozelos enquanto se inclina para trás contra a borda da mesa. — Diga ao amigo do seu marido que não vai acontecer. Eu me sentiria tocada pelo tom territorial da sua voz, se sentisse alguma coisa além de frustração e desprezo por ele. — Ele está errado. — faço um gesto com o meu queixo para Clive. — Eu não estou comprometida. Você pode dar o meu número. Nós duas viramos para olhar Clive em uníssono quando ouvimos o palavrão que ele diz baixinho. — Eu tenho que ir, Jordan. — eu me levanto. — Foi bom vê-la novamente. — Sente-se, Lilly. — Clive acena com a cabeça em direção a cadeira que eu estava sentada. — Eu pedi a Jordan para vir aqui porque quero que ela explique o que está acontecendo com o sistema de segurança. Eu não me sento, porque não tenho nenhum interesse em qualquer coisa que qualquer um deles tem a dizer. — Eu não trabalho mais aqui. — indico através de um sorriso fechado. — O sistema de segurança não é relevante para mim. A sombra de um sorriso pega o canto da boca dele antes que ele olhe para Jordan. — Explique a Lilly o que nós descobrimos depois de olhar suas anotações. Jordan passa a mão na parte de trás de sua cabeça. Eu vejo a hesitação em seus olhos enquanto ela olha para ele. — Ela não trabalha mais aqui, Clive.
  29. 29. — Diga a ela. — ele pontua cada sílaba de cada palavra como se isso lhes desse mais significado. Ela balança a cabeça em concordância. — Nós percebemos depois de olhar as suas anotações que havia um potencial ponto de quebra. Eu não saio de onde estou de pé ao lado de Clive. Meus olhos estão centrados em Jordan. — Eu estou feliz por poder ajudar. — digo com mais sarcasmo do que pretendo. — Dois dos computadores que estão sendo utilizados pelos pesquisadores precisavam de um patch de sistema operacional. — ela olha para o chão brevemente antes de puxar o seu olhar de volta para mim. — Partimos do princípio de que tínhamos resolvido isso semanas atrás, mas você pegou a questão imediatamente. Foi uma descoberta importante, Lilly. Foi uma incrível descoberta dada a segurança que está em vigor na Corteck. Ele estava preso como uma ferida no meu polegar e eu tinha mencionado isso para a Jordan naquele momento. Ela entendeu como sendo um simples descuido, mas agora a julgar pela expressão séria no rosto de Clive era uma questão que poderia ter tido grandes consequências. — Você pode ir. — Clive move-se rapidamente em direção à porta do seu escritório e eu imediatamente sigo o exemplo. — Eu vou até o escritório de Rowan para pegar o meu salário. — murmuro baixinho enquanto passo por ele como uma brisa. Sinto sua mão agarrar meu cotovelo, assim quando estou a ponto de andar sobre o limiar para o corredor. — Você não vai a lugar nenhum.
  30. 30. Capítulo Sete — Quando é que você vai perceber que você está perdendo seu tempo? — eu bato meu sapato contra a janela do chão ao teto, enquanto olho para baixo nas ruas movimentadas de Manhattan. — Eu só quero o meu dinheiro para que eu possa ir. — Nós não terminamos aqui, Lilly. — sua respiração paira sobre meu pescoço. — Eu não vou deixar você sair daqui até você entender algumas coisas. Eu ando para o lado para evitar ser presa entre seus braços. Eu não quero uma repetição do que aconteceu na noite da festa do escritório. Meu corpo está ansioso por ele, mas minha mente está no controle e ela está me dizendo que Clive Parker é o maior erro que já cometi. — Eu não preciso entender nada. Por que você não pode simplesmente deixar isso para lá? — Isso? — sua mão voa através do ar e paira sobre a minha cabeça. — Você? Fecho minhas mãos juntas na minha frente. — Eu não quero mais ficar aqui. Eu gostaria de sair. — Você gosta de passar um tempo comigo? É uma pergunta ridícula considerando a magnitude do que se passou entre nós nos últimos dias. — Eu gostaria de sair. — repito. — Eu disse a você que nunca conheci alguém como você, Lilly. — ele dá um passo mais perto e por pura necessidade, dou um passo para trás para aumentar a distância entre nós ainda mais. — Eu não acho que já tenha conhecido alguém tão impiedoso quanto você. — as palavras estão cheias de rancor e espírito infantil, mas não tenho me importado se pareço um adulto ou não. — As coisas que as pessoas dizem sobre você on-line são verdades. Ele levanta seu queixo em minha direção. — Você me pesquisou.
  31. 31. Não há como negar que é uma afirmação sem qualquer curiosidade por trás dela. Estou supondo que ele pulou essa conclusão com base no fato de que tinha tentado desesperadamente conseguir um emprego na Corteck por anos. — Eu queria trabalhar aqui. Eu sabia que se tivesse uma melhor compreensão do seu trabalho me daria uma oportunidade de crescer. — Eu não estou falando sobre isso. — ele cruza os braços na frente dele, antes de levantar o polegar esquerdo para o lábio. — Eu estou falando sobre o histórico do navegador no seu computador. O homem não tem nenhum senso de decência. Suas tentativas desastrosas para me convencer de que ele só passou para visitar Rebecca quando viu o meu computador não são confirmadas por esta última confissão. — Você realmente olhou o meu histórico do navegador quando estava olhando os meus arquivos no computador? Ele dá um passo para frente novamente, diminuindo o espaço entre nós. Eu não recuo desta vez. Eu sinto meu coração batendo. Estou lívida. O conhecimento adicional de que ele teve tempo para abrir o meu navegador e verificar através do meu histórico de pesquisa me leva ao limite da raiva total. Tenho certeza de que uma rápida olhada no espelho iria confirmar o fato de que meu rosto está realmente ficando vermelho de toda a fúria que sinto correndo pelo meu corpo. Eu posso sentir que ele está lutando para encontrar as palavras certas. Sua língua se lança sobre seu lábio inferior, umedecendo-o. — Não, eu estou falando sobre o computador usado aqui. Eu sinto meu maxilar cerrar. Eu não consigo controlar minha reação. — Merda. — Vamos ver. — ele se inclina para baixo e sua respiração flui sobre minha testa. — Namorada de Clive Parker era um termo de pesquisa. Clive Parker namoro era outro. Idade das mulheres com quem Clive Parker tem encontros. Eu puxo minha mão sobre a boca para abafar o grito interno que sinto que está prestes a fugir de mim. Lembro-me de estar sentada na minha mesa durante um almoço um dia e fazer uma pesquisa de todas as coisas sobre Clive Parker. Eu sou muito inteligente para estar fazendo essas merdas. Eu sei que apaguei meu histórico do navegador, mas na Corteck, não levaria mais de vinte segundos para alguém recuperar essa informação. — Foda-se.
  32. 32. — Você estava interessada em mim, Lilly. Eu corro o meu dedo indicador sobre a minha sobrancelha esquerda. — Eu estava. — Você ainda está. — sua mão salta para o meu quadril. Eu dou um passo para trás o suficiente para que ela caia para o lado dele. — Eu não estou mais. — Quero consertar o que aconteceu entre nós. — Você não pode. — meus olhos atiram para a porta do seu escritório. Eu preciso sair. Eu tenho que ficar longe dele agora. — Eu fodi tudo. — suas mãos voltam para mim e quase tropeço enquanto me viro rapidamente. — Eu não posso mais ficar aqui. — eu preciso de ar e captar algo para nivelar a mim mesma. Sua mão pega a minha. — Por favor, não vá. Eu preciso que você fique. Eu olho para baixo, onde os meus pés estão firmemente plantados no chão. Retiro minha mão da dele. — Sr. Parker, eu não trabalho mais aqui. Eu não vou dormir com você novamente. Eu quero meu dinheiro para que possa sair. Ele não me diz outra palavra enquanto puxa seu smartphone do bolso. Ele corre o dedo sobre a tela e diz a Rowan para trazer o meu salário em seu escritório.
  33. 33. Capítulo Oito — Então você é a garota maravilha que eu tenho ouvido falar? — seus olhos verdes trancam nos meus. É raro encontrar alguém com o mesmo tom de olhos que os meus. Há uma estranha afinidade lá que duvido que ele esteja sentindo. O homem, afinal, é Alec Hughes. — Sr. Hughes. — olho para a saia lápis vermelho que estou usando. — Eu quero agradecer a você... — Nunca me chame assim, Lilly. — ele bate o fim da sua caneta contra a mesa. — Eu sou Alec. Você vai me chamar de Alec. Você entendeu? Eu sorrio para o lembrete austero do seu nome. — Eu entendi. Ele pega um pedaço de papel que tem apoiado em cima de uma enorme pilha de revistas no canto da sua mesa. — Meu assistente Lance me disse que você não omitiu nada durante sua entrevista. E falou sobre tudo. Eu coro. Eu nunca esperei ser chamada para uma segunda entrevista da Hughes Enterprises. Eu tinha realmente me candidatado em vários ontem durante o almoço com a esperança de que pudesse conseguir alguma coisa para me ajudar a sair do hotel e encontrar um apartamento. — Eu estava apenas tentando esclarecer o que implicava esta posição. — Você praticamente inventou uma nova posição para si. — ele levanta ambas as sobrancelhas. — Na verdade, tecnicamente, você fez. Eu me inclino para frente. Tento dificilmente não ler nas entrelinhas, mas estas linhas trazem a promessa de algo que pode lavar da minha memória a breve passagem pela Corteck fora da minha mente. Faço a pergunta óbvia. — Em que posição? — Eu estive tentando nos ramificar mais no mercado de aplicativos. — ele empurra as mãos contra os braços da cadeira. — É um espaço que precisamos ter mais presença. Eu acho que você poderia trazer isso para nós.
  34. 34. Meu coração quer saltar com a ideia de fazer o que eu mais amo e ser paga por isso, mas estou hesitante após o que aconteceu na Corteck. Eu pressiono por mais informações enquanto tento conter a minha crescente emoção. — Eu não tenho certeza se entendi o que exatamente você está procurando. Existem aplicativos específicos que você está pensando em desenvolver? — Eu fiz o download desse aplicativo médico de viagem que você está vendendo. — ele balança a cabeça em direção ao seu smartphone, que está apoiado em sua frente sobre a mesa. — É uma obra de arte, Lilly. Seu cérebro está em uma organização própria. Eu quero que você esteja no comando do desenvolvimento de novos aplicativos para nós. Você vai trabalhar principalmente em seu próprio ritmo chegando com ideias e, em seguida, a nossa equipe sênior vai ajudar a resolver os problemas. Estas são as palavras que ansiava ouvir de Clive Parker quando entrei no seu escritório. Eu posso sentir a emoção na voz do Alec. Ele vê o valor que estou trazendo para a empresa e para mim, isso não vai traduzir-se em apenas uma renda estável, mas vai me permitir ter a liberdade para trabalhar nos projetos que vejo maior valor. — Seu currículo diz que você trabalhou principalmente em um bistrô. — ele ergue uma sobrancelha. — Você tem alguma experiência, além disso? Eu sei que você está desenvolvendo coisas por conta própria, mas estou querendo saber sobre qualquer coisa relacionada diretamente com o que você estaria fazendo aqui. — Eu trabalhei para Corteck por algumas semanas. — sinto-me uma tola em admitir o meu breve tempo na empresa de Clive, mas eu preciso ser honesta. Eu odiaria que essa pequena informação aparecesse meses depois. Quero ser sincera, mesmo que não tenha nenhuma ideia de como vou explicar por que saí de lá. — Você trabalhou para Clive? — sua sobrancelha escura aparece. — Aquele cara é outra coisa. Eu não respondo, porque não tenho ideia se a outra coisa que ele está se referindo é uma coisa boa ou ruim. — O que aconteceu? Ele percebeu que você era mais esperta do que ele para que a deixasse ir?
  35. 35. Eu rio em voz alta sobre o comentário. — Era sobre um projeto pessoal que eu venho trabalhando. Na verdade, eu tenho uma pergunta se me permite? — Você pode perguntar o que quiser. — ele agita as mãos no ar. — Eu preciso de você para trabalhar aqui, por isso pergunte. Eu olho para a minha palma por um momento. Eu preciso perguntar se quero começar com o pé direito na Hughes Enterprises. — Eu só estou querendo saber se estou autorizada a trabalhar nos meus próprios projetos no meu tempo livre. Eu tenho um monte de ideias para aplicativos que poderia ajudá-lo a desenvolver, mas estou trabalhando em alguns que são apenas meus. O canto da boca aparece. — O que você faz depois de sair deste escritório todos os dias não é da minha conta. Na verdade, gostaria que você dirigisse o desenvolvimento de seu próprio material. Isto mostra como você está empenhada no seu trabalho. Isso é tudo que preciso ouvir. — Eu realmente gostaria de trabalhar aqui. — Considere-se parte da nossa equipe, Lilly.
  36. 36. Capítulo Nove — Eu ainda posso ajudar você e Kayla com o que vocês precisarem. — aceno com a cabeça em direção ao quarto do pequeno apartamento que aluguei em Murray Hill. — Eu quero dizer que quero ser voluntária no meu tempo livre para ajudá-los. — Você não tem que fazer isso, Lil. — Ben solta a mala pesada que ele estava carregando pelos três lances de escadas por cima do ombro. — Suas roupas pesam uma tonelada de merda. Eu lanço a minha cabeça para trás numa gargalhada. — Elas não pesam. Você não é tão forte quanto você pensa que é. Ele para e me atira uma careta boba. — Isso não é possível. Murmuro baixinho sobre como ele precisa trabalhar seus músculos enquanto o sigo no curto corredor para o quarto. — Eu queria falar com você sobre uma coisa desde que cheguei à Nova Iorque. — Você quer que te ajude a guardar algumas dessas coisas? — ele balança a cabeça em direção às duas malas que guardam todas as minhas posses desde que deixei o apartamento da Rebecca. — Ou você quer arrumar isso sozinha? É um gesto amável que mostra como nossa relação é vagamente familiar. Após lembrar inadvertidamente da minha coleção de roupas íntimas que comprei para Clive Parker, estou tentando mantê-la em segredo. O pensamento de Ben vendo minha roupa íntima cria um nó instantâneo na boca do meu estômago. — Eu vou organizar tudo depois. Você pode sentar e conversar um pouco? — Claro Lil. — ele puxa a parte inferior da camiseta branca que está usando, antes de se sentar na borda da cama. — Você parece preocupada. Aconteceu alguma coisa? É sua parte médico falando. Desde que conheci o Ben ele tem usado o mesmo olhar de preocupação em seu rosto sempre que seu instinto interior diz-lhe que estou lutando com o que aconteceu com a minha família. Quando ele sugeriu inicialmente
  37. 37. que nós gastássemos o tempo como amigos fora do grupo de terapia do luto, eu estava hesitante. Eu tinha me desligado de todo mundo. Raramente falava com minha avó materna, que me levou para a casa dela, embora ela mal conseguisse ficar em linha reta sob o peso da sua própria dor. Eu me viro sobre a cama ao lado dele, chegando para pegar sua mão. Não é a proximidade que tenho vontade, mas a estabilidade. — Lil. — ele empurra o meu cabelo atrás da minha orelha. — Eu posso dizer que algo não está certo. Você tem que me dizer. Eu olho para o rosto dele vendo o homem quebrado que me confessou anos atrás que ele sentiu que era sua culpa sua mãe ter morrido. Mesmo que ele fosse apenas um adolescente quando ela se foi, ele sentiu a necessidade de arcar com a culpa com base no fato de que não tinha verificado as conexões em seu tanque de oxigênio. Ela morreu, enquanto ele estava em um motel com uma menina. Sua morte pode não ter tido a violência da minha família, mas a dor da sua perda é tão profundamente sentida por ele como a minha perda é sentida por mim. — Está na hora, Ben. Ele olha para a minha mão. Deveria expandir as minhas palavras, mas sei que não é uma necessidade. Ele esteve me empurrando para dar esse passo há anos e cada vez que estou perto, parte de mim que não pode deixar ir completamente minha mãe e meus irmãos, me empurra de volta para mim. Eu tenho apego a esta parte do meu passado, porque quando deixá-los ir, eu terei que encarar o fato de que a minha história estará completamente esquecida. Não haverá nenhum lugar para que eu possa mais ir. Vou ter que tomar decisões que não me sentia preparada para fazer até agora. — Você teve uma série de mudanças nos últimos tempos. — ele bate o dedo sobre o cobertor branco liso que se espalha sobre a cama. — Você acha que este é o melhor momento? Duvido que algum dia haverá um melhor momento para vender a casa que a minha família viveu e morreu. — Eu preciso fazer isso agora. — Por que agora?
  38. 38. Não é a pergunta que pensei que gostaria de ouvir. A julgar pelo passado e todas as inúmeras vezes em que Ben me pressionou para vender, pensei que ele iria pular de alegria. Ele deixou claro para mim que ele sentiu que manter a casa estava dificultando a minha capacidade de seguir em frente. Eu nunca tinha visto dessa forma. — Estou construindo uma nova vida para mim. — digo com toda a convicção que sinto por dentro. — Eu não posso fazer isso se ela ainda for parte de quem eu sou. Ele estuda o meu rosto com cuidado. — Eu estou orgulhoso de você. Sorrio para as palavras. Estou orgulhosa de mim também. Tomar esta decisão não foi fácil, mas uma vez que consegui o emprego na Corteck e me mudei para Nova Iorque, eu sabia que era hora de enfrentar o meu passado e colocá-lo de lado e as pessoas que mais amava no mundo para descansar. — Isso significa tudo para mim, Ben. — Eu tenho um amigo que trabalha no setor imobiliário, em Long Island. — ele ajeita suas longas pernas para puxar seu smartphone do bolso da frente da calça jeans. — Eu posso ligar para ele e nós vamos fazer a bola rolar. É apenas uma parte do quebra-cabeça. — Eu tenho que ir lá para arrumar as coisas. — Kayla e eu vamos com você. — ele dá um tapinha na minha mão sobre o meu joelho. — Nós não vamos deixar você fazer isso sozinha. Eu sei que eles não vão. Eu sou grata por isso. Se vou seguir em frente na minha vida, este é o primeiro e mais importante passo que tenho que tomar.
  39. 39. Capítulo Dez — Tudo o que Hughes está pagando para você, eu pago em dobro. Não, não é Clive Parker dizendo essas palavras para mim, a menos que tenha alguma tensão ímpar de inflamação de garganta que o deixou soar como uma mulher. É Rowan, assistente de Clive. Estou em pé na fila da lanchonete do outro lado da rua do meu novo escritório esperando para pegar o meu almoço. O fato de que estou a alguns quarteirões de distância da sede da Corteck não deveria ter me dado à sensação de facilidade que estou sentindo. Seria inevitável encontrar alguém que trabalha lá. — Como você sabe que trabalho na Hughes Enterprises? — eu giro em torno do meu calcanhar. Ela aponta com a mão para o crachá de identificação que está pendurado em uma corda ao redor do meu pescoço. — Eu vi quando você entrou Lilly. Minha imaginação excessivamente ativa estava convencida, por um breve segundo, que ela sabia sobre o meu novo local de trabalho por causa de um desses espiões corporativos de Clive por ser tão paranoico. — Certo. — eu me afasto por um senso de vergonha. — Estou falando sério. Eu vou dobrar o que você está sendo paga agora, se você voltar para Corteck. Quero ser impulsionada por suas palavras. A parte da carreira impulsionada por mim adoraria acreditar que ela está desesperada para me ter de volta na Corteck porque valorizam a minha programação e minha competência para o desenvolvimento. Embora eu saiba que não é a base da sua oferta. Tem que estar saindo de seu senso de lealdade para com Clive. — Por que você está me oferecendo isso? Eu posso dizer que ela está surpresa pela forma como fiz essa pergunta. Posso ter desempenhado um papel atuando como ingênua para conseguir um emprego lá,
  40. 40. em primeiro lugar, mas estou farta disso. Todos os cartões de Clive estão sobre a mesa junto aos meus. Eu conheço as suas motivações e estou convencida de que sua oferta tem mais a ver com a sua necessidade desesperada de vencer do que qualquer outra coisa. — Você tem um talento brilhante, Lilly. — ela olha para além do meu ombro, quando ela diz as palavras. — Clive e eu sentimos que o seu futuro está na Corteck. Temos muito para lhe oferecer. A única coisa que podem me oferecer é anos de preocupação com os meus arquivos pessoais serem comprometidos. Não tenho nenhum desejo de voltar para um ambiente em que as minhas ideias nunca são verdadeiramente minhas. — Eu tenho uma pergunta. — Claro. — seu olhar finalmente se fixa no meu rosto. — Qual é? Eu vejo um flash de compaixão lá e eu tenho que saber se Clive preencheu os espaços em branco sobre o porquê de eu ter saído. — O Sr. Parker tomou para si alguns dos meus arquivos do meu computador pessoal, quando estava trabalhando para ele e estou querendo saber se ele guardou uma cópia deles. Seus olhos vão até a minha bolsa do laptop que estava por cima do meu ombro direito. Desde que Clive me disse o que fez, eu o mantive o mais perto de mim o quanto eu pude. Senti uma profunda sensação de alívio quando percebi que não teria de conceder acesso ao meu computador para qualquer outra pessoa na Hughes Enterprises. Lance, assistente do Alec, havia reiterado o fato de que a minha vida fora do escritório era a minha. — Eu não sei nada sobre isso. — sua voz diminui quando ela diz as palavras em voz baixa. — Vou perguntar a Clive sobre isso, se você quiser. — Eu aprecio isso e se ele tiver uma cópia, gostaria que me devolvesse desde que não estou trabalhando mais para você. — Claro. — sua mão salta para o meu pulso. — Eu sinto muito, Lilly. Eu não tinha ideia.
  41. 41. Eu não posso dizer se ela está sendo sincera ou não. Eu não me incomodo de ficar por perto para descobrir. Eu puxo a minha mão livre dela enquanto me afasto e caminho através da porta para a calçada lotada.
  42. 42. Capítulo Onze A batida fraca na porta do meu apartamento me puxa para cima do conforto da minha cama. Já passa das sete. Eu tinha caído entre os edredons logo depois que cheguei em casa. Ver Rowan antes tinha me jogado emocionalmente em uma pirueta. Eu não tinha considerado que Clive poderia ter mantido uma cópia dos meus arquivos, até que me ouvi explicar suas ações a um de seus colaboradores mais próximos. A carga emocional tinha puxado em cada pedaço de mim enquanto tentava me ligar no meu trabalho esta tarde. No momento em que estava no metrô, estava pronta para dormir a noite toda. A batida é mais alta na segunda vez e sei que tudo o que eu preciso fazer para afugentar Ben é mandar uma mensagem de texto rápida dizendo-lhe que não estou me sentindo bem o suficiente para falar sobre a venda da casa da minha família. O corretor de imóveis que ele tinha chamado para lidar com a venda tinha vindo com um preço justo. Tudo o que restava era eu ir lá para arrumar todas as fotos, brinquedos e lembranças que simbolizava o fim das vidas das pessoas que eu amava. Adiar o inevitável não vai mudar o que precisa ser feito. Eu sou a única que lhe perguntou se ele tinha tempo de parar para conversar, então abro o trinco antes de girar a maçaneta da porta na minha mão. — Lilly. — Clive está de pé na minha frente enquanto balanço a porta aberta. — Você está aqui. Ele pegou as minhas palavras antes que tivesse a chance de dizê-las. — Eu moro aqui. — Eu sei. — Por que você está aqui? — eu sei que a coisa educada seria convidá-lo a entrar. Eu não quero isso. Quero que Ben apareça atrás de Clive para dar apoio moral. — Posso entrar? — seu olhar vai para trás de mim para o espaço vazio, que acabará por ser a minha sala de estar. Agora, tudo o que está lá é uma mesa e uma
  43. 43. poltrona ao lado que o proprietário acredita que justifica a taxa de apartamento mobiliado que ele está me cobrando. — Eu estou esperando alguém. — eu olho sobre o seu ombro em direção à escadaria que leva até o terceiro andar. Não vejo Ben mesmo sendo 30 minutos depois que ele prometeu que estaria aqui. Ter um médico de emergência como o seu único amigo vem com um monte de concessões, incluindo cancelamentos no ultimo momento. — Eu vou embora quando ela chegar aqui. Eu não o corrijo, porque isso não é da conta dele quem estou esperando. — Tudo bem. — cuspo entre os dentes cerrados. Ele vira às costas no momento em que fecho a porta atrás de mim. — Rowan me disse que viu você hoje. — É por isso que você está aqui. — eu não pergunto sobre isso porque não vale à pena perder o meu tempo tentando ter uma visão sobre o que ele discutiu com ela. — Como você sabe onde eu moro? Ele coça a cabeça próximo a orelha direita. — Você ligou para o porteiro do prédio da Rebecca ontem para enviar sua correspondência para cá. — Por que o porteiro lhe disse isso? — eu empurro minhas costas contra a porta. Eu gostaria de tê-la deixado aberta. Meu apartamento parece muito pequeno e confinado para nós dois. — Ele não me disse. — ele empurra as mãos nos bolsos da calça. — Ele disse a Rebecca. Ela estava em pé no lobby quando você ligou. Eu tinha debatido essa decisão mais e mais na minha mente, antes de finalmente decidir que não tinha escolha. Eu pensei que eu viveria com Rebecca por pelo menos vários meses até dei o endereço dela para todas as empresas que ainda tinham relação com a casa dos meus pais. Eu não poderia saber que quando liguei para o porteiro para pedir-lhe que me enviasse as correspondências que ainda não haviam sido recolhidas, que ele iria compartilhar todos esses detalhes com a minha ex-colega de quarto.
  44. 44. — Lilly. — seus olhos avançam em torno do espaço vazio. — Você gostaria de ir para outro lugar para conversar? Eu prefiro me sentar. Eu sinto uma onda de alívio por suas palavras. — Há um café do outro lado da rua. Eu posso te encontrar lá. Ele olha para baixo em seu relógio de pulso enquanto ele fecha o espaço entre nós. — E sobre a pessoa que você está esperando? Eu posso esperar, se você quiser vê- la antes. Saio do seu caminho, segurando a porta para deixá-lo passar. — Eu vou ver o meu amigo outra hora. Vou descer em dez minutos.
  45. 45. Capítulo Doze — Como é que você espera que eu acredite em você? — eu tento manter a minha voz em um tom uniforme e controlável. — Você deve ter guardado os arquivos. Eu não acredito que você se afastou do meu laptop sem guardar uma cópia deles. Ele abaixa a cabeça entre as mãos. — Eu não salvei os arquivos, Lilly. — Como é que eu sei que você está dizendo a verdade? — eu aperto minhas mãos firmemente juntas antes de puxá-las para o meu colo. Seu dedo traça uma trilha ao redor da tampa de papel do copo de café em cima da mesa na frente dele. — Eu não vou mentir para você. Pergunte-me qualquer coisa. Eu não vou mentir. Eu fico olhando para o copo intocado de café que ele comprou para mim. Eu tenho um milhão de perguntas para ele, mas nenhuma delas parece relevante agora. Eu segui em frente com o que aconteceu no seu escritório e na sua cama. Estou avançando com uma vida nova para mim, que inclui um apartamento e um trabalho que nunca percebi que queria. Analisando depois o porquê do que ele fez não traz nenhum peso no mundo que estou vivendo agora. — Eu não quero te perguntar nada, Clive. Eu só quero a sua garantia de que você não salvou nada que você viu no meu computador. — Eu disse a você que não fui ao apartamento da Rebecca com a intenção de olhar o seu computador. Simplesmente aconteceu. — Simplesmente aconteceu? — repeti. — Assim como quando você me chamou ao seu escritório durante a festa e me tocou? Isso simplesmente aconteceu também, certo? — Não. — seus olhos pegam os meus sobre a mesa. — Eu planejei isso. Eu queria você. Eu não sei o que me obrigou a trazer esse momento de intimidade. Eu me sinto envergonhada por ter tido tanto prazer vindo dele como eu fiz. Eu estava sem
  46. 46. vergonha e crua quando ele me tocou. Eu gozei enquanto estava sendo pressionada contra uma janela, o meu desejo desenfreado e exposto. Ele me ajudou a descobrir a paixão que nunca soube que tinha dentro de mim e foi tudo em busca da sua necessidade desesperada para descobrir meus segredos. Ele é um mestre da manipulação admitindo ou não. — Eu ainda quero você, Lilly. — suas palavras me fazem sentir alta e fora de lugar na pequena e quase vazia cafeteria que estamos sentados. Eu rio de uma necessidade desesperada de não deixar nenhuma das minhas outras emoções subirem à superfície. O homem me violou de uma forma que me abalou profundamente e ouvi-lo dizer que ele ainda me quer deixa-me completamente desequilibrada. Eu não posso julgar se ele está me dizendo à verdade ou não, porque não o conheço. — Eu não sei como você espera que eu acredite em você, Clive. — Deixe-me provar isso para você. — seu maxilar se contrai. — Eu vou fazer o que for preciso para provar a você que eu quero você, Lilly. — Mesmo que você pudesse provar que você ainda me quer. — eu começo dentro de um sussurro. — Eu nunca seria capaz de confiar em você novamente. — Eu fodi tudo. — ele exala acentuadamente. — Eu não tinha planos de olhar o seu computador. Eu o vi parado ali e pensei sobre Parker e eu, eu tinha que saber. — Parker? — eu tento perguntar com um tom uniforme. — Que merda ele tem a ver com isso? — Eu odeio que Parker viu aquela imagem sua e leu a carta que você escreveu sobre chupar meu... chupar seu... — ele visivelmente estremece com a afirmação. — Eu não posso aceitar a porra de que ele viu seu corpo e leu essas palavras. Nós não falamos sobre Parker em semanas. Eu não o considero uma parte relevante do nosso relacionamento. Ele foi a razão pela qual nos conhecemos, mas, além disso ele não é nada para mim e, a julgar pelo fato de que Clive o tinha enviado para o outro lado do mundo com uma passagem só de ida, imagino que ele sente o mesmo por seu irmão. — Por que você está trazendo Parker?
  47. 47. — Eu estava preocupado que houvessem mais como ele. — ele respira, fechando os olhos por alguns instantes. — Depois que nós transamos, não podia suportar a ideia de outro homem vendo seu corpo ou tocando em você. Eu olhei seu laptop para ver se você tinha algumas fotos de outros homens ou se você tinha enviando para mais alguém além de Parker. Ele poderia estar fazendo tudo isso para cobrir seus rastros. Ele não tem escassez de mulheres à espreita para saltar em cima dele. Mesmo a garçonete, atrás do balcão nesta pequena cafeteria, estava olhando para ele desde que nos sentamos. — Você não me parece o tipo ciumento, Clive. Você dorme com uma mulher diferente a cada semana. Ele se apoia de volta na cadeira. Eu sinto as palavras insultá-lo, mas elas são verdadeiras. Ele quer que eu acredite que ele estava tão preocupado que eu iria dormir com outro homem que ele decidiu ir através do meu computador? O simples fato do seu dia de pescaria terminar vendo os arquivos relacionados com o aplicativo de doação de órgãos que estou desenvolvendo prova que ele estava acima e além de olhar minhas imagens guardadas e e-mails. O homem estava em uma missão para encontrar algo para jogar na minha cara e ele o fez. — Eu não tenho dormido com uma mulher desde que te vi no bistrô. — sua voz se aprofunda. — Eu não tenho vontade de transar com mais ninguém. Eu quero estar com você, Lilly. Você vai me dizer como posso fazer isso acontecer?
  48. 48. Capítulo Treze — Por que você está fazendo isso? — tomo um gole do café agora frio antes de colocá-lo de volta para baixo. — Fazendo o quê? — ele embala seu próprio copo em sua mão sem levá-lo aos lábios. — O que exatamente você acha que eu estou fazendo? Eu deveria ter uma resposta pronta na ponta da minha língua para cuspir para ele, mas eu não tenho. — Só não entendo por que você ainda não entendeu isso. Eu não trabalho para você. Eu não vou roubar suas ideias ou segredos. Por que você continua me incomodando? — Você acha que estou te incomodando? — um fraco sorriso corre por seus lábios. — Chamo isso de perseguir o que eu quero. Eu suponho que nós apenas pensamos de forma diferente. — Você realmente não me quer Sr. Parker. — A formalidade parece natural para mim, mesmo depois de tudo o que compartilhamos. — Eu sei que se trata de outra coisa. — É sobre o meu desejo desesperado de transar com você de novo, Lilly. — ele não diminui seu tom. — Embora seja mais do que isso. Eu nunca conheci alguém como você. Eu quero conhecer você. Eu quero passar um tempo com você. Ele quer algo que está enterrado apenas abaixo da superfície, onde não posso vê-lo claramente. — Isso ainda é sobre o aplicativo de doação de órgãos? — O aplicativo? — sua testa franze. — Eu lhe disse que estava arrependido, que tinha chegado à conclusão errada sobre isso. — O que vai acontecer se eu decidir avançar com ele e trazê-lo para o mercado?
  49. 49. — Eu espero que ele seja um sucesso, e eu sei que ele tem o potencial para ser. — ele passa a mão pelo cabelo. — É somente a ponta do iceberg para você, Lilly. Você vai fazer coisas incríveis na sua carreira. — Você não vai ter uma equipe de advogados pronta para me processar por algum tipo de violação da memória da sua irmã? — as palavras soam mais duras do que a intenção do que está alimentando-as. Eu não sou amarga. Estou apenas tentando compreender onde sua cabeça está realmente. — Eu vou fazer o que puder para ajudá-la a fazer do aplicativo um sucesso. Você pode usar qualquer um dos meus recursos. — ele bate o dedo na borda da mesa. — Quero dizer isso, Lilly. É um compromisso importante e eu sei que ele vai fazer uma enorme diferença na vida de muitas pessoas. Eu vou fazer o que puder para que isso aconteça para você. Eu inclino minha cabeça para o lado para passar a mão pelo meu cabelo em uma tentativa irrefletida de reunir minhas emoções. Eu não ouço ou sinto qualquer motivo oculto por trás das palavras. Ele parece honesto e genuíno, mas este é Clive Parker. O homem já provou para mim que ele pode me manipular de forma que não eu não esperava. — Você assinaria algo garantindo que não vai me processar mais por isso? Seus ombros empurram para trás de repente. — Eu não tenho qualquer direito legal para processá-la, Lilly. Desculpe-me, por ter te ameaçado com isso. Eu sinto uma onda de alívio, mas a questão ainda está lá, demorando-se no ar entre nós. — Você vai assinar alguma coisa? — Eu vou assinar qualquer coisa que você quiser que eu assine. — ele se inclina para frente em sua cadeira, sua mão deslizando suavemente por cima da minha. — Eu quero te proteger, Lilly. Se eu puder provar isso para você de qualquer forma, eu vou fazê-lo. ***
  50. 50. — Posso te perguntar uma coisa antes de você subir? — suas mãos estão dobradas no bolso de sua calça, o paletó pendurado aberto. — Estaria tudo bem? Eu olho para a porta do meu prédio a poucos metros de distância. Mesmo que Ben tivesse me mandado uma mensagem a mais de uma hora atrás pedindo desculpas por ter que cancelar nossos planos para a noite, não tinha dito a Clive. Ele ainda está sob a impressão de que estou com pressa para chegar em casa, porque tenho um amigo a chegar. A verdade é que estou com pressa para subir para que possa pensar em paz no meu apartamento. Eu preciso processar tudo o que ele me disse esta noite e só posso fazer isso se estiver sozinha. — O que você quer me perguntar? — eu lanço a pergunta para ele enquanto fuço na minha bolsa grande procurando minhas chaves. — Como é que você faz isso? — ele suga uma respiração profunda antes de continuar. — Quer dizer, como você consegue ficar tão bem assim? Eu paro o que estou fazendo para olhar para o rosto dele. Eu pego a dor que existe no momento em que seus olhos se encontram com os meus. Eu sei o que ele está pedindo. Eu posso vê-lo lá, escondido por trás do véu de controle que está sempre na superfície da sua conduta. — Você quer subir por alguns minutos? — Eu quero. — a sua voz grosa me pega desprevenida. — Por favor, deixe-me.
  51. 51. Capítulo Quatorze — Ela morreu há mais de 10 anos. — ele oscila à beira de um dos bancos que fica ao lado do balcão na minha pequena cozinha. É o único local, além do quarto, onde posso manter uma conversa confortável com ele. — Você sente muita a falta dela. — digo, porque isso é o que vejo cada vez que olho para ele. Eu sei o que é um rosto de dor. Ele olha para mim do espelho na parede do meu banheiro todos os dias quando estou me preparando para ir para o trabalho. Ele pega o copo de água que deixei sobre o balcão depois que tínhamos chegado. Eu duvidei brevemente da minha decisão de convidá-lo para o meu apartamento, mas sabendo que ele queria falar sobre sua irmã, não consegui parar. Eu ficava vendo o rosto de Ben na minha mente e no conforto que ele sempre me traz quando ele me ouve falar sobre a minha família. Clive precisa disso e, independentemente de tudo o que aconteceu entre nós, nós compartilhamos um vínculo comum que não posso ignorar. — Você já conheceu alguma das pessoas? — ele engole um grande gole de água. — Desde que descobri sobre a sua família, eu queria saber se você já conheceu alguma das pessoas que receberam... — Os seus órgãos. — termino para ele. — Conheci dois deles. Alguns anos atrás e não mantivemos contato. Ele balança a cabeça com o queixo para o meu peito. — Eu vejo a mulher que tem o coração da Coral o tempo todo. Eu fui capaz de ligar os pontos suficientes para saber isso. Em uma reviravolta rara do destino, a mulher que está cuidando do sobrinho de Clive também passa a ser a mesma mulher que recebeu o coração da sua irmã após o acidente de carro que tirou a vida dela. — Eu não posso imaginar o que você deve sentir. — Eu odeio isso. — ele murmura. — Eu preciso disso também. Neste ponto, nós nos tornamos amigos e eu me importo com o que acontece com ela.
  52. 52. — Ela é como se fosse da família para você? — pergunto por pura curiosidade. Tentei imaginar o mesmo cenário na minha vida várias vezes, mas a situação está tão distante da minha realidade que não posso juntar todos os pedaços emocionalmente. — Não é exatamente como da família. — diz ele com um leve aceno de cabeça. — Nós dois nos preocupamos com Cory, meu sobrinho, e nós dois queremos o que é melhor para ele. — Você o ama muito, não é? — eu sorrio, com a pergunta. Vi pela primeira vez o carinho que Clive tem com seu sobrinho no seu escritório quando ele me disse que tinha que ir ver Cory porque ele não estava se sentindo bem. Soou como se fosse algo tão simples como um resfriado comum, mas o peso da preocupação estava lá, empurrando os ombros de Clive. — Ele é a única família que me resta. — sua voz é plana e constante. — Eu tenho outra família, mas eles não são como Cory. Sinto-me próximo a ele. — E a sua mãe? — eu salto para esclarecer que não quero assumir nada sobre Sadie. — Sua irmã é a mãe de Cory, certo? — Christina. — ele preenche o espaço em branco sem esforço. — Eu não tenho nenhuma ideia de onde ela está. Ela desistiu da custódia de Cory para perseguir seus próprios sonhos. Eu tinha lido alguns artigos on-line sobre Christina Parker. Ela é alguns anos mais jovens do que Clive e muitas vezes aparecia em pesquisas relacionadas a ele. Ela não parece ter qualquer direção clara na vida e tenho que saber se isso está relacionado ao fato de que ela estava no carro no dia que Coral morreu. Ela tinha testemunhado a morte horrível em primeira mão da irmã e, pessoalmente, conheço o trauma que pode causar. Julgá-la não faz parte da minha agenda. — Eu quero saber mais sobre você, Lilly. — sua voz me destoa dos meus pensamentos. — Eu olho para você e eu não sei como você conseguiu tudo o que você tem depois do que aconteceu com você. Eu seriamente debato como responder. Eu nunca gostei de falar sobre o que aconteceu naquela noite, há seis anos. Dar voz ao que sempre me leva de volta para o
  53. 53. momento em que ouvi meu pai caminhar através da porta da frente da nossa casa e metodicamente começar a sua fúria assassina. — Eu tento manter o foco sobre o futuro. Eu não gosto de pensar no passado. — Eu não consigo esquecer o passado. — seus olhos piscam sobre o meu rosto. — Eu admiro muito você. Ele diz isso porque ele não pode ver dentro de mim. Ele não sabe que estou tão fraturada que nunca vou curar totalmente. Eu tive o suficiente de terapeutas me dizendo que a chave para seguir em frente é a aceitação. É fácil para um estranho lançar esse conselho quando eles têm o conforto de um abraço amoroso de uma família para descansar todas as noites depois de um longo dia de trabalho. Tudo que tenho é a memória dos gritos da minha irmã, apelos da minha mãe e o olhar vago do meu pai quando ele puxou o gatilho uma e outra vez. — Eu estou tentando deixar ir. — eu digo de volta. — Eu não acho que seja possível deixar ir totalmente. Ele se inclina para trás no banco em frente de onde ainda estou de pé ao lado do balcão. — E se eu não quiser deixar Coral ir? As palavras caem no espaço entre nós e permanecem lá. — Eu acho que você tem que fazer, em algum momento, Clive. — Se eu fizer isso... — sua voz falha enquanto ele racha. Ele fecha os olhos enquanto ele puxa uma respiração pesada. — Se eu a deixar ir, ninguém nunca vai se lembrar de quem ela era. Concordo com a cabeça enquanto tento afastar as lágrimas inevitáveis que sinto inundar através de mim. — Você sempre vai se lembrar. É impossível esquecer.
  54. 54. Capítulo Quinze Suas mãos embalam meu rosto enquanto ele tira uma lágrima do meu rosto com o polegar. — Você entende o que eu sinto Lilly. Ninguém nunca entendeu antes. — Eu sei. — digo com uma necessidade de expressar algo. Ele me puxou para perto dele depois que comecei a chorar. Ele não disse uma palavra. Em vez disso, ele me segurou contra seu peito forte, enquanto eu chorava pelo que pareceram intermináveis momentos. Isto não poderia ter sido mais de dois ou três minutos, mas a proximidade foi o suficiente para me lembrar de que quero mais do que alguma vez terei com ele. — Eu realmente quero te beijar. — seus olhos trancam nos meus lábios. — Eu queria beijá-la por dias. Meu corpo também deseja a mesma coisa, mas se eu ceder, eu vou arriscar expor mais de mim para um homem que não tenho certeza se posso confiar. — Eu não posso te beijar. Seus lábios escovam suavemente sobre minha testa. — Eu sei que você não pode. Eu me sinto desolada com as palavras que desejam de alguma forma que ele force mais a questão. Minha resistência está diminuindo depois de ouvi-lo falar sobre sua família. Sinto uma conexão com ele que transcende o denominador comum das perdas que nós dois sofremos. — Eu estou cansada. Eu acho que você deve ir. Vejo seu peito subir enquanto ele absorve as minhas palavras. Duvido que ele não pensou que a nossa conversa profundamente emocional levaria a algo íntimo. Eu me sinto como se tivesse sido colocada no ritmo de uma prova de triátlon. Eu estou machucada, surrada e precisando do conforto e consolo da minha cama nova. Anseio por sono e a fuga que sempre é oferecida para mim.
  55. 55. — Você vai jantar comigo amanhã? — ele corre o polegar sobre meu lábio inferior. — Deixe-me mostrar-lhe que eu a respeito, Lilly. Por favor, me dê outra chance. Meu bom senso quer que eu diga a ele que não há nenhuma chance de que alguma coisa vá acontecer entre nós novamente. Eu sei que é a coisa segura e lógica para dizer-lhe, mas algo mudou. Pode ser por causa de sua confissão sobre não querer outro homem me tocando. É provável que isso tenha mais a ver com o nosso momento compartilhado de luto. Independentemente disso, sei que vou me arrepender se eu não for pelo menos jantar com ele. — O jantar vai funcionar. Os cantos dos seus lábios exuberantes puxam para cima em um pequeno sorriso. — Eu não vou estragar isso dessa vez. — É só um jantar. — eu me afasto do seu toque. — Eu quero que seja apenas um jantar. — O jantar é um começo. — ele se inclina para frente para beijar suavemente na minha bochecha. — Eu venho buscá-la às oito. *** — Você veste isso em seu novo emprego? — Veste o quê? — eu viro o meu olhar da paisagem fora da janela do carro para olhar para ele. Minha respiração ficou presa quando eu andava pela porta da frente do meu prédio para vê-lo esperando em um terno azul-marinho. Duvido que eu vá encontrar um homem tão devastadoramente bonito como ele de novo na minha vida. — Estas. — sua mão desliza sobre a minha perna direita, rente à borda do laço da cinta liga preta. Eu empurro de volta para o banco do carro. Sinto as minhas bochechas corarem ao saber que o motorista sentado a poucos metros à frente de nós poderia facilmente
  56. 56. ter tido um vislumbre do topo das minhas meias quando entrei no carro. Eu preciso começar a olhar mais para o meu colo. — Você se veste assim quando você vai trabalhar? — ele não pode conter seu sorriso largo. Eu torço um pouco a minha bunda, me dando espaço suficiente para puxar a bainha do vestido de volta para um nível decente. — Eu as uso sim. — Jesus. — ele balança a cabeça. — Graças a Cristo Hughes vai se casar. Eu não posso deixar de rir. Eu conheci a mulher de Alec Hughes apenas ontem, foi meio louco. Libby Duncan é bonita, gentil e tão acolhedora que eu já estou pensando em ir para o apartamento que eles compartilham para jantar na próxima semana. Eu encontrei um lugar na Hughes Enterprises onde não só me encaixei, mas pude florescer também. Eu amo lá. — Alec é um ótimo chefe. — Alec é um idiota. — Clive joga de volta as palavras com um sorriso. — Eu tive uma conversa com ele no outro dia sobre você. Eu não deveria estar surpresa. Uma vez que Clive sabia que eu estava trabalhando para Alec esperava que os dois fossem discutir sobre mim. — Alec ligou para ter uma referência? Eu disse a ele que trabalhei para você por um breve período. — Alec me ligou sim. — ele bate no couro do banco, entre nós. — Ele me ligou para tripudiar. — Para tripudiar? — Ele sabe como você é talentosa. — ele estuda a borda das unhas. — Eu disse a ele que teve sorte de ter você. — Tenho sorte de trabalhar lá. — não há malícia nas palavras e posso dizer pela expressão de Clive que ele não absorveu tudo desse jeito. — Você vai fazer grandes coisas para eles, Lilly. — ele pega minha mão na sua. — Eu sei do você é capaz.
  57. 57. Capítulo Dezesseis — Eu te quero tanto. — seus lábios empurram os meus, o doce sabor do vinho em sua língua. — Eu estou tão duro, Lilly. Você pode sentir isso, não pode? — Sim. — digo em sua boca. Eu senti sua ereção pressionando contra mim desde que chegamos ao seu condomínio há dez minutos. Eu concordei em subir, sob o pretexto de um café rápido, mas eu queria mais. Eu sei que ele pode dizer com base na maneira como suas mãos foram pegando minha bunda. Ele tem que saber o quão molhada eu já estou. — Tudo o que eu penso é o seu sabor. Eu senti falta do cheiro da sua pele. — ele corre os lábios sobre o meu pescoço, empurrando meu cabelo para o lado. — Eu nunca quis tanto uma mulher. Teço meus dedos em seus cabelos, inclinando a cabeça para que possa reivindicar sua boca novamente. Eu aprofundo o beijo e sou recompensada com um gemido que lhe escapa e corre diretamente em mim. — Eu quero que isso seja real. Ele se afasta abruptamente, suas mãos pulando para meus ombros, me empurrando de volta para a parede. — Isto é real. Estudo a expressão dele tentando puxar qualquer coisa que posso com isso. — Eu não posso dizer se é. Ele dá um passo pesado para trás. — Você não pode dizer que eu te quero? Meus olhos caem para a sua virilha, o contorno inconfundível de seu pênis grosso pressionando contra o tecido da calça. — Eu posso dizer que você quer me foder. Ele passa a mão pelo cabelo, alguns palavrões murmurados saem dos seus lábios em uma corrida aquecida. — É mais do que isso, Lilly. Cristo. Você não pode sentir isso? Preciso ser honesta. — Eu não sei o que eu sinto. Estou confusa.
  58. 58. Ele entrelaça minha mão na sua, trazendo-a para seus lábios úmidos em um movimento fluido. — Vem sente-se. Deixe-me dizer-lhe uma coisa. Eu não resisto porque saúdo o indulto da intensidade que senti desde que entrei no carro com ele mais cedo. Nós tínhamos flertado descaradamente durante o jantar. Eu o observava olhando para mim enquanto voltávamos para o seu apartamento. Eu sabia que ele iria me beijar no momento em que entramos no elevador, pois estávamos subindo para o seu condomínio. Ele faz um gesto em direção a uma poltrona de couro. Eu deixei minha bolsa para baixo ao lado dele antes de sentar, cruzando cuidadosamente as minhas pernas enquanto esperava que ele falasse. — Eu odeio que você trabalhe para Alec. As palavras parecem estranhas no contexto do que está acontecendo entre nós esta noite. Nós não tínhamos falado sobre o meu trabalho desde que chegamos ao restaurante. — Por quê? — Você é muito boa para eles. — ele se desloca de um lado para o outro, seus sapatos batendo em uma batida rítmica sobre o piso de madeira. — Você deveria estar trabalhando para Corteck. Era inevitável que nós trouxéssemos de volta essa discussão em algum ponto. Embora eu não tivesse previsto que seria agora. Não quando tínhamos acabado de compartilhar um beijo muito apaixonado. — Eu não posso trabalhar para Corteck. Ele desliza o paletó dos seus ombros, permitindo-lhe cair sobre o sofá atrás dele. — Eu sei que você não pode. Eu respeito isso. — Por que você trouxe esse assunto, então? — pergunto com uma ponta de arrependimento. Eu não quero falar sobre esse assunto que se funde às razões pelas quais eu não posso trabalhar para esse homem. — Eu quero o melhor para você, Lilly. — ele se aproxima de onde estou sentada. — Eu só quero o que é melhor para você. — Você acha que trabalhar para você é o melhor para mim, não é?

×