SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 11
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS
       PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL
        POLO DE APOIO PRESENCIAL UAB-CAMARGO
     CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO
TUTORAS PRESENCIAIS: Dione Meneguzzi Malfatti e Micheli Dallacort
       TUTORA A DISTÂNCIA: Elizane Pegoraro Bertineti
          PROCESSOS EDUCATIVOS V

                    MUSEU VIRTUAL


            Acadêmica: Maricleusa Folle
             Turma 2 /2013/01
                    CAMARGO
                        2013
HISTÓRIA DA COMUNIDADE SANTA LUCIA
  Em 1975 surgiu o Loteamento Vicente Riva de propriedade do Sr. José Dalasta tendo
como primeiros moradores: Osmar Sgarbi, Antônio Gali, Antoninho Mistura, Ivaldino
Saggin, Iraci Mistura e Luizinho Zancan.
  Em 1977, surge o Loteamento Bairro Industrial de propriedade do Sr. Antônio Saggin.
Estava assim criado um espaço para uma comunidade que não parou de crescer.
Com a organização paroquial esta comunidade passou a ser o setor 01.
Juntamente com o setor 02, formava a comunidade São José Operário.

  Em 19-05-91, foi celebrada uma missa na residência de Paulo Dadalt, onde foram
realizados 12 batizados inclusive de adultos vindos de outros municípios. Ali surgiu a
idéia de construir uma nova igreja nesta comunidade. Em 28-09-91 houve mais uma
celebração com a presença do então prefeito municipal José João Santin, quando a
comunidade reivindicou uma Escola para o bairro. Com isso firmou-se a idéia de formar
uma nova comunidade no setor 01.
  Por algum tempo foram realizadas as celebrações no pavilhão junto a Metalúrgica
Tessaro, hoje fábrica de estruturas da Coopmariante. Depois, com a construção da
escola, que entrou em funcionamento em 16-03-92, foi construído pela comunidade o
porão para ser o ponto de encontro da comunidade, que em 1º-06-92, foi celebrada a 1ª
missa no local, por ocasião da Trezena de santo Antônio.
Em 12-09-92, o Frei Wilson João introduziu a imagem de Santa Lúcia que ficou como a
padroeira e deu nome à comunidade.
Em 1994, o porão da Escola foi ocupado devido a construção e então as celebrações
passaram a ser realizadas no porão da residência do Sr. Honorino Caetano, que se tornou
em 1993 o primeiro presidente da comunidade, tendo como companheiros: Vlademir
Bortoluzzi, iLuís Bittú e Juvino Trento.
   Para os anos de 1997 e 1998, foi reeleito o presidente Honorino Caetano tendo como
companheiros; Wilson Tardetti, Vlademir Bortoluzzi, Luís Tadeu do Nascimento, Alberi
Pedron.
   Em 20-01-93, o pároco Frei Wilson João Sperandio, enviou uma carta para o Sr. Nelson
Confortin, solicitando a doação de um terreno para a comunidade. O terreno de 1.086
m2, foi doado. Com grande esforço desta diretoria teve início em abril de 1997 a construção
do salão comunitário, inaugurado na 1ª festa da padroeira em 07-12-97. Neste dia o Sr.
Nelson Confortin, doador do terreno, e fiel devoto de Santa Lucia, pediu que a carta fosse
lida. Estava assim dando sua importante contribuição para a comunidade, que logo adquiriu
o terreno ao lado para construção da Igreja.
   Já em 1998, teve início a construção da igreja sendo que na 2ª festa da padroeira em 06-
12-98, foi celebrada a primeira missa nas dependências da igreja em construção. As
obras continuaram e em 12-03-99, as celebrações passaram definitivamente para a
igreja. Em 05-12-98, foi dada a bênção inaugural, a igreja estava concluída.
A comunidade continuou crescendo. No dia 29 de outubro de 1999, quando
houve uma sessão da Câmara de Vereadores na comunidade, foi aprovado
oficialmente, por unanimidade, o nome Bairro Santa Lucia, incluindo os Loteamentos
Vicente Riva, Loteamento Bairro Industrial e Loteamento Santa Teresa, criado recentemente.
A COMUNIDADE ATUAL
   A comunidade Santa Lucia é formada por grande parte de pessoas oriundas de
comunidades do interior do município, que trouxeram consigo um sólido espírito
comunitário, que faz parte da vida da comunidade.
Grande número de pessoas são participativas, solidárias e fazem questão de prestar
serviços à comunidade. Resultado desta situação é o grande envolvimento de pessoas a
serviço quando a comunidade está em festa, o que gera também um bom resultado
financeiro.
   A organização dos serviços comunitários seguem a organização paroquial católica, que
designou como setor “UM” o espaço que envolve a comunidade.
Dentro dos setores, com uma coordenação geral, funcionam diversos serviços
comunitários.
    O “setor um” agrega mais de 500 famílias, distribuídas em 21 Grupos Eclesiais,
cada um com um coordenador que além de reunir o grupo de famílias vizinhas, participa
da escolha do Conselho Comunitário (a cada dois anos), indica pessoas que gostam de
trabalhar nas festas (principalmente pessoas novas na comunidade), e também realiza
a limpeza da igreja pelo período de um mês. Os grupos têm uma coordenação geral
HISTÓRICO DA ESCOLA PARCEIRA

  Em 1991, o então vereador Higino Coelho Portela, enviou um ofício ao Sr
prefeito municipal, José João Santin, reivindicando em nome da comunidade
uma Escola no Loteamento Vicente Riva, hoje Bairro Santa Lucia, tendo em
vista a falta de espaço na Escola Darvin Marosin que até então vinha
atendendo a clientela de alunos da comunidade, também considerando a
periculosidade pela travessia da RS 324 por parte das crianças.
  Em 28 de setembro de 1991, o prefeito municipal, esteve no local por
ocasião de uma celebração religiosa, e anunciou que já estava decidida a
construção da nova Escola.
  Em janeiro de 1992 teve início a construção, que em 72 dias ficou pronta,
entrando em funcionamento em 16 de março de 1992, atendendo 82 alunos,
de pré a 3ª série, com um quadro funcional de 04 professores e uma
servente. Surgiu então a Escola Municipal de 1º Grau Incompleto Darvin
Marosin Extensão.
  A responsabilidade pelo 1º ano de funcionamento da extensão ficou à
cargo da professora Igraci da Luz Risson que trabalhava em conjunto com a
direção da Escola Darvin Marosin.
Em 1993 foi nomeada a 1ª diretora Isabel Poletto Setti.
  No dia 30-07-93, houve uma inspeção na Escola, verificando a possibilidade de
desmembramento da Escola. O Conselho Municipal de Educação deu parecer favorável.
A Escola Municipal de 1º grau Vinte e Oito de Fevereiro, foi criada e denominada pelo
decreto municipal nº 1.329, de 23 de junho de 1993. Aprovada pelo Conselho Estadual de
Educação com o parecer nº 476/ 94. Em 1999 o nome da Escola foi alterado para Escola
Municipal de Ensino Fundamental Vinte e Oito de Fevereiro.
Com a ampliação do prédio, em 1995, a Escola passou a atender até a 6ª série,
aumentando gradativamente uma série por ano até completar o 1º grau em 1997.
Em 2003 a Escola recebeu mais uma ala com 04 novas salas de aula.
  Hoje a Escola atende o ensino fundamental, de pré a 8ª série, com 460 alunos
matriculados. O quadro funcional é composto de 40 professores, 04 serventes.
O nível econômico e cultural das famílias dos alunos é baixo, sendo que a maioria possui
casa própria e emprego, o que garante a subsistência.
Apesar do nível econômico e social ser razoavelmente baixo, temos uma boa participação
dos pais na vida da escola.
FOTOS ANTIGAS DA ESCOLA
FOTOS ATUAIS
A ESCOLA ESTÁ SENDO AMPLIADA
         NOVAMENTE

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Apresentaçao museu virtual

Biografia Orlandina D Almeida Lucas
Biografia  Orlandina D Almeida  LucasBiografia  Orlandina D Almeida  Lucas
Biografia Orlandina D Almeida LucasEMEF ODL
 
Museu mun humaita 2013
Museu    mun humaita 2013Museu    mun humaita 2013
Museu mun humaita 2013juleide222
 
História da Escola Afonso Guerreiro Lima
História da Escola Afonso Guerreiro LimaHistória da Escola Afonso Guerreiro Lima
História da Escola Afonso Guerreiro Limaemefguerreiro
 
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola Dominical
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola DominicalBoletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola Dominical
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola DominicalRegina Lissone
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaLucas Matos
 
História de Irauçuba
História de IrauçubaHistória de Irauçuba
História de IrauçubaMISTERCLAUDIO
 
ColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoMário
 
ColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoMário
 
Boletim bimba 11 08 2013
Boletim bimba 11 08 2013Boletim bimba 11 08 2013
Boletim bimba 11 08 2013Debora Teixeira
 
EEB Francisco Mazzola
EEB Francisco MazzolaEEB Francisco Mazzola
EEB Francisco MazzolaEdio Mazera
 
Boletim bimba 21 07 2013 (1)
Boletim bimba 21 07 2013 (1)Boletim bimba 21 07 2013 (1)
Boletim bimba 21 07 2013 (1)Debora Teixeira
 
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhada
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhadaComunidade são joão batista 30 anos de caminhada
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhadaLisiane Salles
 
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02Adrinic
 
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho lutero
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho luteroHistorico da escola municipal de ensino fundamental martinho lutero
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho luteromidiasvidal
 
Prédio Histórico(Dom Bosco)
Prédio Histórico(Dom Bosco)Prédio Histórico(Dom Bosco)
Prédio Histórico(Dom Bosco)lucasampaio
 
Frei caneca - Histórico
Frei caneca - HistóricoFrei caneca - Histórico
Frei caneca - Históricoleoxpp
 
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTEA URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTEAntenor Antenor
 
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTEA URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTEAntenor Antenor
 

Semelhante a Apresentaçao museu virtual (20)

Biografia Orlandina D Almeida Lucas
Biografia  Orlandina D Almeida  LucasBiografia  Orlandina D Almeida  Lucas
Biografia Orlandina D Almeida Lucas
 
Museu mun humaita 2013
Museu    mun humaita 2013Museu    mun humaita 2013
Museu mun humaita 2013
 
História da Escola Afonso Guerreiro Lima
História da Escola Afonso Guerreiro LimaHistória da Escola Afonso Guerreiro Lima
História da Escola Afonso Guerreiro Lima
 
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola Dominical
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola DominicalBoletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola Dominical
Boletim bimba 20-09-2015 -Dia da Escola Dominical
 
Mundo novo cartografia
Mundo novo cartografiaMundo novo cartografia
Mundo novo cartografia
 
História de Irauçuba
História de IrauçubaHistória de Irauçuba
História de Irauçuba
 
ColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom Bosco
 
ColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom BoscoColéGio Dom Bosco
ColéGio Dom Bosco
 
Boletim bimba 11 08 2013
Boletim bimba 11 08 2013Boletim bimba 11 08 2013
Boletim bimba 11 08 2013
 
EEB Francisco Mazzola
EEB Francisco MazzolaEEB Francisco Mazzola
EEB Francisco Mazzola
 
Boletim bimba 21 07 2013 (1)
Boletim bimba 21 07 2013 (1)Boletim bimba 21 07 2013 (1)
Boletim bimba 21 07 2013 (1)
 
HISTÓRICO DE CACIMBA NOVA.docx
HISTÓRICO DE CACIMBA NOVA.docxHISTÓRICO DE CACIMBA NOVA.docx
HISTÓRICO DE CACIMBA NOVA.docx
 
Museo serraria velha.
Museo serraria velha.Museo serraria velha.
Museo serraria velha.
 
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhada
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhadaComunidade são joão batista 30 anos de caminhada
Comunidade são joão batista 30 anos de caminhada
 
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02
Igrejas de Jaraguá do Sul /SC 4.02
 
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho lutero
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho luteroHistorico da escola municipal de ensino fundamental martinho lutero
Historico da escola municipal de ensino fundamental martinho lutero
 
Prédio Histórico(Dom Bosco)
Prédio Histórico(Dom Bosco)Prédio Histórico(Dom Bosco)
Prédio Histórico(Dom Bosco)
 
Frei caneca - Histórico
Frei caneca - HistóricoFrei caneca - Histórico
Frei caneca - Histórico
 
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTEA URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO G. DO NORTE
 
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTEA URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTE
A URNA DE DOM BOSCO NO RIO GRANDE DO NORTE
 

Mais de Mari Carvalho

Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualMari Carvalho
 
Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualMari Carvalho
 
Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualMari Carvalho
 
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfTecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfMari Carvalho
 
Trabalho de pesquisa slides
Trabalho de pesquisa slidesTrabalho de pesquisa slides
Trabalho de pesquisa slidesMari Carvalho
 
Slide museu imaginário
Slide museu imaginárioSlide museu imaginário
Slide museu imaginárioMari Carvalho
 
Slide museu imaginário
Slide museu imaginárioSlide museu imaginário
Slide museu imaginárioMari Carvalho
 

Mais de Mari Carvalho (10)

Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtual
 
Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtual
 
Apresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtualApresentaçao museu virtual
Apresentaçao museu virtual
 
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdfTecnologia digital e tecnologia não digital pdf
Tecnologia digital e tecnologia não digital pdf
 
Http bob pro blog
Http bob pro blogHttp bob pro blog
Http bob pro blog
 
Http bob pro blog
Http bob pro blogHttp bob pro blog
Http bob pro blog
 
Trabalho de pesquisa slides
Trabalho de pesquisa slidesTrabalho de pesquisa slides
Trabalho de pesquisa slides
 
Museu imaginário
Museu imaginárioMuseu imaginário
Museu imaginário
 
Slide museu imaginário
Slide museu imaginárioSlide museu imaginário
Slide museu imaginário
 
Slide museu imaginário
Slide museu imaginárioSlide museu imaginário
Slide museu imaginário
 

Apresentaçao museu virtual

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS PROGRAMA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL POLO DE APOIO PRESENCIAL UAB-CAMARGO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO DO CAMPO TUTORAS PRESENCIAIS: Dione Meneguzzi Malfatti e Micheli Dallacort TUTORA A DISTÂNCIA: Elizane Pegoraro Bertineti PROCESSOS EDUCATIVOS V MUSEU VIRTUAL Acadêmica: Maricleusa Folle Turma 2 /2013/01 CAMARGO 2013
  • 2. HISTÓRIA DA COMUNIDADE SANTA LUCIA Em 1975 surgiu o Loteamento Vicente Riva de propriedade do Sr. José Dalasta tendo como primeiros moradores: Osmar Sgarbi, Antônio Gali, Antoninho Mistura, Ivaldino Saggin, Iraci Mistura e Luizinho Zancan. Em 1977, surge o Loteamento Bairro Industrial de propriedade do Sr. Antônio Saggin. Estava assim criado um espaço para uma comunidade que não parou de crescer. Com a organização paroquial esta comunidade passou a ser o setor 01. Juntamente com o setor 02, formava a comunidade São José Operário. Em 19-05-91, foi celebrada uma missa na residência de Paulo Dadalt, onde foram realizados 12 batizados inclusive de adultos vindos de outros municípios. Ali surgiu a idéia de construir uma nova igreja nesta comunidade. Em 28-09-91 houve mais uma celebração com a presença do então prefeito municipal José João Santin, quando a comunidade reivindicou uma Escola para o bairro. Com isso firmou-se a idéia de formar uma nova comunidade no setor 01. Por algum tempo foram realizadas as celebrações no pavilhão junto a Metalúrgica Tessaro, hoje fábrica de estruturas da Coopmariante. Depois, com a construção da escola, que entrou em funcionamento em 16-03-92, foi construído pela comunidade o porão para ser o ponto de encontro da comunidade, que em 1º-06-92, foi celebrada a 1ª missa no local, por ocasião da Trezena de santo Antônio.
  • 3. Em 12-09-92, o Frei Wilson João introduziu a imagem de Santa Lúcia que ficou como a padroeira e deu nome à comunidade. Em 1994, o porão da Escola foi ocupado devido a construção e então as celebrações passaram a ser realizadas no porão da residência do Sr. Honorino Caetano, que se tornou em 1993 o primeiro presidente da comunidade, tendo como companheiros: Vlademir Bortoluzzi, iLuís Bittú e Juvino Trento. Para os anos de 1997 e 1998, foi reeleito o presidente Honorino Caetano tendo como companheiros; Wilson Tardetti, Vlademir Bortoluzzi, Luís Tadeu do Nascimento, Alberi Pedron. Em 20-01-93, o pároco Frei Wilson João Sperandio, enviou uma carta para o Sr. Nelson Confortin, solicitando a doação de um terreno para a comunidade. O terreno de 1.086 m2, foi doado. Com grande esforço desta diretoria teve início em abril de 1997 a construção do salão comunitário, inaugurado na 1ª festa da padroeira em 07-12-97. Neste dia o Sr. Nelson Confortin, doador do terreno, e fiel devoto de Santa Lucia, pediu que a carta fosse lida. Estava assim dando sua importante contribuição para a comunidade, que logo adquiriu o terreno ao lado para construção da Igreja. Já em 1998, teve início a construção da igreja sendo que na 2ª festa da padroeira em 06- 12-98, foi celebrada a primeira missa nas dependências da igreja em construção. As obras continuaram e em 12-03-99, as celebrações passaram definitivamente para a igreja. Em 05-12-98, foi dada a bênção inaugural, a igreja estava concluída. A comunidade continuou crescendo. No dia 29 de outubro de 1999, quando houve uma sessão da Câmara de Vereadores na comunidade, foi aprovado oficialmente, por unanimidade, o nome Bairro Santa Lucia, incluindo os Loteamentos Vicente Riva, Loteamento Bairro Industrial e Loteamento Santa Teresa, criado recentemente.
  • 4. A COMUNIDADE ATUAL A comunidade Santa Lucia é formada por grande parte de pessoas oriundas de comunidades do interior do município, que trouxeram consigo um sólido espírito comunitário, que faz parte da vida da comunidade. Grande número de pessoas são participativas, solidárias e fazem questão de prestar serviços à comunidade. Resultado desta situação é o grande envolvimento de pessoas a serviço quando a comunidade está em festa, o que gera também um bom resultado financeiro. A organização dos serviços comunitários seguem a organização paroquial católica, que designou como setor “UM” o espaço que envolve a comunidade. Dentro dos setores, com uma coordenação geral, funcionam diversos serviços comunitários. O “setor um” agrega mais de 500 famílias, distribuídas em 21 Grupos Eclesiais, cada um com um coordenador que além de reunir o grupo de famílias vizinhas, participa da escolha do Conselho Comunitário (a cada dois anos), indica pessoas que gostam de trabalhar nas festas (principalmente pessoas novas na comunidade), e também realiza a limpeza da igreja pelo período de um mês. Os grupos têm uma coordenação geral
  • 5. HISTÓRICO DA ESCOLA PARCEIRA Em 1991, o então vereador Higino Coelho Portela, enviou um ofício ao Sr prefeito municipal, José João Santin, reivindicando em nome da comunidade uma Escola no Loteamento Vicente Riva, hoje Bairro Santa Lucia, tendo em vista a falta de espaço na Escola Darvin Marosin que até então vinha atendendo a clientela de alunos da comunidade, também considerando a periculosidade pela travessia da RS 324 por parte das crianças. Em 28 de setembro de 1991, o prefeito municipal, esteve no local por ocasião de uma celebração religiosa, e anunciou que já estava decidida a construção da nova Escola. Em janeiro de 1992 teve início a construção, que em 72 dias ficou pronta, entrando em funcionamento em 16 de março de 1992, atendendo 82 alunos, de pré a 3ª série, com um quadro funcional de 04 professores e uma servente. Surgiu então a Escola Municipal de 1º Grau Incompleto Darvin Marosin Extensão. A responsabilidade pelo 1º ano de funcionamento da extensão ficou à cargo da professora Igraci da Luz Risson que trabalhava em conjunto com a direção da Escola Darvin Marosin.
  • 6. Em 1993 foi nomeada a 1ª diretora Isabel Poletto Setti. No dia 30-07-93, houve uma inspeção na Escola, verificando a possibilidade de desmembramento da Escola. O Conselho Municipal de Educação deu parecer favorável. A Escola Municipal de 1º grau Vinte e Oito de Fevereiro, foi criada e denominada pelo decreto municipal nº 1.329, de 23 de junho de 1993. Aprovada pelo Conselho Estadual de Educação com o parecer nº 476/ 94. Em 1999 o nome da Escola foi alterado para Escola Municipal de Ensino Fundamental Vinte e Oito de Fevereiro. Com a ampliação do prédio, em 1995, a Escola passou a atender até a 6ª série, aumentando gradativamente uma série por ano até completar o 1º grau em 1997. Em 2003 a Escola recebeu mais uma ala com 04 novas salas de aula. Hoje a Escola atende o ensino fundamental, de pré a 8ª série, com 460 alunos matriculados. O quadro funcional é composto de 40 professores, 04 serventes. O nível econômico e cultural das famílias dos alunos é baixo, sendo que a maioria possui casa própria e emprego, o que garante a subsistência. Apesar do nível econômico e social ser razoavelmente baixo, temos uma boa participação dos pais na vida da escola.
  • 8.
  • 9.
  • 11. A ESCOLA ESTÁ SENDO AMPLIADA NOVAMENTE