SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Baixar para ler offline
Filo Uniramia
Classe Insecta
Morfologia
Morfologia
 O corpo dos insetos: divide-
se em 3 partes: cabeça,
tórax e abdome;
• Cabeça: é onde estão
localizados o aparelho
bucal, as antenas e os olhos;
• Tórax: Formado por 3
segmentos: o protórax,
mesotórax e o metatórax;
• Abdome: se compões de
vários segmentos, sendo
que cada um deles possui
um par de espiráculos, que
são aberturas que permitem
a respiração do inseto;
Morfologia
 Aparelhos bucais:
• Labro, mandíbulas, maxilas, labium e hipofaringe;
 Pernas:
• As pernas são denominadas anteriores, medianas
e posteriores de acordo com a sua inserção;
 Asas:
• Existem tipos de asas diferentes, que são importantes
na hora de determinar a ordem do inseto: tégminas,
élitros, hemiélitros, menbranosas e escamosas;
Morfologia
Morfologia
 Em alguns insetos há a união das 3
principais divisões do corpo:
• Cefalotórax: cabeça + tórax;
• Tronco: tórax + abdome;
• Pós-abdome: telso;
Exoesqueleto
Exoesqueleto
 O corpo dos insetos é revestido por uma
armadura muito resistente que chamamos de
exoesqueleto. O exoesqueleto é constituído
principalmente por quitina, um carboidrato do
grupo dos polissacarídeos;
 Como o exoesqueleto é uma estrutura muito
rígida, o inseto só consegue crescer após a troca
desse exoesqueleto, processo que
chamamos muda ou ecdise;
Exoesqueleto
Asas
Asas
 Existem ao todo 8 tipos de asas:
• Membranosa: fina com nervuras bem distintas
(borboletas, moscas);
• Tégmina: aspecto coriáceo (gafanhotos, baratas);
• Hemiélitro: aspecto coriáceo em sua base e
extremidade membranosa (percevejos);
• Élitro: asa anterior enrijecida, formando um estojo
que recobre o par posterior membranoso
(besouros, tesourinhas);
Asas
• Balancins/halteres: par posterior atrofiado
servindo para o equilíbrio durante o voo (moscas,
muticas);
• Pseudo-halteres: par anterior atrofiado (macho de
Strepsiptera);
• Franjada: apresenta pelos nas laterais das asas
(tripes);
• Lobada: apresentam lobos na região marginal
(microlepidópteros);
Asas
Desenvolvimento
Desenvolvimento
 Existem 3 tipos de desenvolvimento:
• (A) Desenvolvimento direto (ametábolo) – neste
grupo de insetos os animais não passam por
mudanças (sem metamorfose); Exemplo: traça-
de-livro.
• (B) Desenvolvimento indireto incompleto
(hemimetábolos) – reúne os insetos com
desenvolvimento gradativo, passando por etapas
de crescimento (metamorfose incompleta);
Exemplo: barata.
Desenvolvimento
• (C) Desenvolvimento indireto completo
(holometábolos) – insetos cuja metamorfose,
posterior eclosão dos ovos, apresenta etapa de
desenvolvimento larval (anatomicamente
diferente do organismo adulto) (metamorfose
completa); Exemplo: borboleta.
Desenvolvimento
Importâncias
Importâncias
 Importância ecológica:
• Muitas flores dependem dos insetos polinizadores
para sua reprodução (entomoflia);
• Equilíbrio das cadeias alimentares;
 Importância econômica:
• Produção de seda (bicho-da-seda) para roupas;
• Produção de mel (abelhas) para consumo;
Importâncias
 Importância médica:
• Diversos insetos atuam como vetores de agentes
infecciosos, como por exemplo: malária, Doença
de Chagas, filarioses;
Órgãos sensoriais
Órgãos sensoriais
 Visão: composta tanto pelos olhos compostos
como pelos ocelos;
 Tato: percebido através de sensilos ou
tricógenos, o senso tátil é percebido por essas
estruturas que se assemelham à pelos e que
atuam amplificando a pressão causada por um
contato;
 Audição: o som é captado e percebido pelo
tímpano que fica nas pernas, e também, em
alguns grupos, no órgão de Johnston, localizado
nas antenas;
Órgãos sensoriais
 Olfato: captado por sensilos que atuam
como receptores químicos, e estão
localizados nas antenas em sua maioria
das vezes, mas também ocorre nas
pernas;
 Paladar: assim como o olfato, sensilos
atuam como receptores químicos, com
localização nas antenas;
Digestão
Digestão
 Podemos distinguir três porções do tubo
digestório: anterior, médio e posterior;
 As porções anterior e posterior são revestidas
internamente por quitina. A porção anterior é
responsável principalmente pelo tratamento
mecânico dos alimentos;
 É na porção média que acontece a digestão
química;
 A porção posterior é responsável pela
reabsorção de água e elaboração das fezes;
Excreção
 Os túbulos de Malpighi se localizam no limite
entre a porção média e a porção posterior do
intestino. Cada túbulo possui fundo cego e
mergulha nas lacunas do corpo, de onde retira
as impurezas e as descarrega no intestino para
serem eliminadas com as fezes;
 O produto de excreção nitrogenada dos insetos
é o ácido úrico, substância que requer
pequeníssima quantidade de água para a sua
eliminação;
Circulação
 A circulação é do tipo
lacunar ou aberta;
 Na maioria dos insetos, o
"sangue" é incolor e chamado
de hemolinfa;
 O coração é dorsal e bombeia
a hemolinfa para a
extremidade anterior, fazendo-
a atingir lacunas corporais ou
hemocelas onde, lentamente,
ocorrem as trocas (nutrientes
por excretas) nos tecidos;
Circulação
Respiração
 Os insetos respiram por traquéias,
pequenos canais que ligam as células do
interior do corpo com o meio ambiente;
 O movimento de contração dos
músculos abdominais renovam
continuamente o ar das traqueias, de
modo semelhante a um “fole”;
Respiração
 A respiração é principalmente por
difusão;
 Os insetos podem inclusive controlar sua
respiração. Ele pode abrir e fechar os
espiráculos com contrações musculares.
Um inseto que vive em um ambiente seco
vai manter as válvulas espiráculo
fechada para evitar a perda de
umidade;
Respiração
 Os espiráculos são os orifícios por onde
entra e sai o ar;
 Um espiráculo aproximado:
Sistema nervoso
Sistema nervoso
 O sistema nervoso dos insetos consiste em
um cérebro localizado na cabeça, e um
cordão nervoso localizado ventralmente,
com gânglios em cada segmento;
 As células nervosas se comunicam
através das sinapses com ação de
neurotransmissores, como a acetilcolina,
e os impulsos são transmitidos através de
mudanças na carga elétrica nas
sinapses;
Reprodução
Reprodução
 A maioria dos insetos tem reprodução
sexuada e por oviparidade, isto é, com
postura de ovos diretamente no
ambiente;
Reprodução
Reprodução
 Há casos, no entanto, onde podem
ocorrer reproduções assexuadas,
conhecidas como partenogênese;
 De maneira menos comum, pode ocorrer
a viviparidade;
Reprodução
 Situações mais específicas podem ocorrer:
• Em alguns dípteros, formas imaturas podem ter
óvulos desenvolvidos por partenogênese,
caracterizando um reprodução do tipo
pedogênese;
• Quando há presença de caracteres imaturos
em fases adultas, denomina-se neotenia;
• A produção de dois ou mais embriões em um
único ovo também pode ocorrer, ainda que
raramente, sendo chamado de poliembrionia;
• Situações de hermafroditismo são ainda mais
raras;
Adaptações
 Para a vida terrestre:
• Corpo revestido por um exoesqueleto de quitina, que,
além de fornecer proteção mecânica, evita o
ressecamento do corpo;
• A respiração aérea é traqueal, que permite que o ar
penetre no corpo pelos espiráculos e alcance todos os
tecidos do corpo através das traquéias, levando o
oxigênio a todas as células;
• Na grande maioria dos insetos, a fecundação é interna
(o macho deposita os espermatozóides diretamente no
corpo da fêmea);
• A excreção de ácido úrico que precise de pouquíssima
água para a eliminação;
Adaptações
 Para a vida aquática:
• Dobrar as asas em repouso;
• Passagem de hemimetábolos para
holometábolos;
• Originaram-se de formas terrestres,
portanto, a qualidade da adaptação
(locomoção, respiração, mecanismos de
nutrição e ciclo de vida) não é boa,
explorando melhor ou pior o ambiente;
Morfologia e anatomia dos insetos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Entomologia florestal, introducao geral ao estudo dos insetos
Entomologia florestal, introducao geral ao estudo dos insetosEntomologia florestal, introducao geral ao estudo dos insetos
Entomologia florestal, introducao geral ao estudo dos insetos
 
Coleopteros
ColeopterosColeopteros
Coleopteros
 
Morfologia externa tórax e abdome
Morfologia externa   tórax e abdomeMorfologia externa   tórax e abdome
Morfologia externa tórax e abdome
 
Ordem dos insetos
Ordem dos insetosOrdem dos insetos
Ordem dos insetos
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Apresentação orthoptera
Apresentação orthopteraApresentação orthoptera
Apresentação orthoptera
 
Guia de campo insetos
Guia de campo insetosGuia de campo insetos
Guia de campo insetos
 
Morfologia tegumento
Morfologia   tegumentoMorfologia   tegumento
Morfologia tegumento
 
Sistema digestório
Sistema digestórioSistema digestório
Sistema digestório
 
Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)Anelídeos (Power Point)
Anelídeos (Power Point)
 
Insetos
InsetosInsetos
Insetos
 
Artrópodes: Insetos
Artrópodes: InsetosArtrópodes: Insetos
Artrópodes: Insetos
 
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragasTaxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
Taxonomia, morfologia e sistemática de insetos-pragas
 
Slide dos artrópodes
Slide dos artrópodesSlide dos artrópodes
Slide dos artrópodes
 
As Algas
As AlgasAs Algas
As Algas
 
Catálogo classe insecta
Catálogo classe insectaCatálogo classe insecta
Catálogo classe insecta
 
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
BIOLOGIA: Os peixes (COMPLETO)
 
Classe das Aves
Classe das AvesClasse das Aves
Classe das Aves
 
Cordados
CordadosCordados
Cordados
 
Briofitas
BriofitasBriofitas
Briofitas
 

Destaque

Didatica
DidaticaDidatica
Didaticadterror
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticoskarolpoa
 
Fatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosFatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosJefferson Santos
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climajulio2012souto
 
Resumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticosResumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticosRoberta Sumar
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia Thepatriciamartins12
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperaturaabarros
 

Destaque (9)

Didatica
DidaticaDidatica
Didatica
 
5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos5 fatores e elementos climáticos
5 fatores e elementos climáticos
 
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores ClimáticosClima - Elementos e Fatores Climáticos
Clima - Elementos e Fatores Climáticos
 
Fatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticosFatores do clima e tipos climáticos
Fatores do clima e tipos climáticos
 
Fatores climáticos
Fatores climáticosFatores climáticos
Fatores climáticos
 
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-climaFatores climaticos-e-tipos-de-clima
Fatores climaticos-e-tipos-de-clima
 
Resumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticosResumo fatores climáticos
Resumo fatores climáticos
 
Variação da temperatura geografia
Variação da temperatura   geografia Variação da temperatura   geografia
Variação da temperatura geografia
 
Factores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - TemperaturaFactores do Clima - Temperatura
Factores do Clima - Temperatura
 

Semelhante a Morfologia e anatomia dos insetos

Semelhante a Morfologia e anatomia dos insetos (20)

Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Classe insecta
Classe insectaClasse insecta
Classe insecta
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Ap. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demoAp. 3 biologia_2_demo
Ap. 3 biologia_2_demo
 
embriologia animal.pptx
embriologia animal.pptxembriologia animal.pptx
embriologia animal.pptx
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Embriogenese
EmbriogeneseEmbriogenese
Embriogenese
 
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdfdesenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
desenvolvimentoembrionriodosanimais2-110117092527-phpapp02.pdf
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2Desenvolvimento embrionário dos animais 2
Desenvolvimento embrionário dos animais 2
 
Apresentação de biologia
Apresentação de biologiaApresentação de biologia
Apresentação de biologia
 
Artropodes16082011
Artropodes16082011Artropodes16082011
Artropodes16082011
 
Embriologia
EmbriologiaEmbriologia
Embriologia
 
Embriogênese
EmbriogêneseEmbriogênese
Embriogênese
 
Platelmintos.pdf
Platelmintos.pdfPlatelmintos.pdf
Platelmintos.pdf
 
Embriologia
Embriologia Embriologia
Embriologia
 
Artrópodes
ArtrópodesArtrópodes
Artrópodes
 
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2Zoologia de invertebrados - Estudo 2
Zoologia de invertebrados - Estudo 2
 

Morfologia e anatomia dos insetos

  • 3. Morfologia  O corpo dos insetos: divide- se em 3 partes: cabeça, tórax e abdome; • Cabeça: é onde estão localizados o aparelho bucal, as antenas e os olhos; • Tórax: Formado por 3 segmentos: o protórax, mesotórax e o metatórax; • Abdome: se compões de vários segmentos, sendo que cada um deles possui um par de espiráculos, que são aberturas que permitem a respiração do inseto;
  • 4. Morfologia  Aparelhos bucais: • Labro, mandíbulas, maxilas, labium e hipofaringe;  Pernas: • As pernas são denominadas anteriores, medianas e posteriores de acordo com a sua inserção;  Asas: • Existem tipos de asas diferentes, que são importantes na hora de determinar a ordem do inseto: tégminas, élitros, hemiélitros, menbranosas e escamosas;
  • 6. Morfologia  Em alguns insetos há a união das 3 principais divisões do corpo: • Cefalotórax: cabeça + tórax; • Tronco: tórax + abdome; • Pós-abdome: telso;
  • 8. Exoesqueleto  O corpo dos insetos é revestido por uma armadura muito resistente que chamamos de exoesqueleto. O exoesqueleto é constituído principalmente por quitina, um carboidrato do grupo dos polissacarídeos;  Como o exoesqueleto é uma estrutura muito rígida, o inseto só consegue crescer após a troca desse exoesqueleto, processo que chamamos muda ou ecdise;
  • 10. Asas
  • 11. Asas  Existem ao todo 8 tipos de asas: • Membranosa: fina com nervuras bem distintas (borboletas, moscas); • Tégmina: aspecto coriáceo (gafanhotos, baratas); • Hemiélitro: aspecto coriáceo em sua base e extremidade membranosa (percevejos); • Élitro: asa anterior enrijecida, formando um estojo que recobre o par posterior membranoso (besouros, tesourinhas);
  • 12. Asas • Balancins/halteres: par posterior atrofiado servindo para o equilíbrio durante o voo (moscas, muticas); • Pseudo-halteres: par anterior atrofiado (macho de Strepsiptera); • Franjada: apresenta pelos nas laterais das asas (tripes); • Lobada: apresentam lobos na região marginal (microlepidópteros);
  • 13. Asas
  • 15. Desenvolvimento  Existem 3 tipos de desenvolvimento: • (A) Desenvolvimento direto (ametábolo) – neste grupo de insetos os animais não passam por mudanças (sem metamorfose); Exemplo: traça- de-livro. • (B) Desenvolvimento indireto incompleto (hemimetábolos) – reúne os insetos com desenvolvimento gradativo, passando por etapas de crescimento (metamorfose incompleta); Exemplo: barata.
  • 16. Desenvolvimento • (C) Desenvolvimento indireto completo (holometábolos) – insetos cuja metamorfose, posterior eclosão dos ovos, apresenta etapa de desenvolvimento larval (anatomicamente diferente do organismo adulto) (metamorfose completa); Exemplo: borboleta.
  • 19. Importâncias  Importância ecológica: • Muitas flores dependem dos insetos polinizadores para sua reprodução (entomoflia); • Equilíbrio das cadeias alimentares;  Importância econômica: • Produção de seda (bicho-da-seda) para roupas; • Produção de mel (abelhas) para consumo;
  • 20. Importâncias  Importância médica: • Diversos insetos atuam como vetores de agentes infecciosos, como por exemplo: malária, Doença de Chagas, filarioses;
  • 22. Órgãos sensoriais  Visão: composta tanto pelos olhos compostos como pelos ocelos;  Tato: percebido através de sensilos ou tricógenos, o senso tátil é percebido por essas estruturas que se assemelham à pelos e que atuam amplificando a pressão causada por um contato;  Audição: o som é captado e percebido pelo tímpano que fica nas pernas, e também, em alguns grupos, no órgão de Johnston, localizado nas antenas;
  • 23. Órgãos sensoriais  Olfato: captado por sensilos que atuam como receptores químicos, e estão localizados nas antenas em sua maioria das vezes, mas também ocorre nas pernas;  Paladar: assim como o olfato, sensilos atuam como receptores químicos, com localização nas antenas;
  • 25. Digestão  Podemos distinguir três porções do tubo digestório: anterior, médio e posterior;  As porções anterior e posterior são revestidas internamente por quitina. A porção anterior é responsável principalmente pelo tratamento mecânico dos alimentos;  É na porção média que acontece a digestão química;  A porção posterior é responsável pela reabsorção de água e elaboração das fezes;
  • 26. Excreção  Os túbulos de Malpighi se localizam no limite entre a porção média e a porção posterior do intestino. Cada túbulo possui fundo cego e mergulha nas lacunas do corpo, de onde retira as impurezas e as descarrega no intestino para serem eliminadas com as fezes;  O produto de excreção nitrogenada dos insetos é o ácido úrico, substância que requer pequeníssima quantidade de água para a sua eliminação;
  • 27. Circulação  A circulação é do tipo lacunar ou aberta;  Na maioria dos insetos, o "sangue" é incolor e chamado de hemolinfa;  O coração é dorsal e bombeia a hemolinfa para a extremidade anterior, fazendo- a atingir lacunas corporais ou hemocelas onde, lentamente, ocorrem as trocas (nutrientes por excretas) nos tecidos;
  • 29. Respiração  Os insetos respiram por traquéias, pequenos canais que ligam as células do interior do corpo com o meio ambiente;  O movimento de contração dos músculos abdominais renovam continuamente o ar das traqueias, de modo semelhante a um “fole”;
  • 30. Respiração  A respiração é principalmente por difusão;  Os insetos podem inclusive controlar sua respiração. Ele pode abrir e fechar os espiráculos com contrações musculares. Um inseto que vive em um ambiente seco vai manter as válvulas espiráculo fechada para evitar a perda de umidade;
  • 31. Respiração  Os espiráculos são os orifícios por onde entra e sai o ar;  Um espiráculo aproximado:
  • 33. Sistema nervoso  O sistema nervoso dos insetos consiste em um cérebro localizado na cabeça, e um cordão nervoso localizado ventralmente, com gânglios em cada segmento;  As células nervosas se comunicam através das sinapses com ação de neurotransmissores, como a acetilcolina, e os impulsos são transmitidos através de mudanças na carga elétrica nas sinapses;
  • 35. Reprodução  A maioria dos insetos tem reprodução sexuada e por oviparidade, isto é, com postura de ovos diretamente no ambiente;
  • 37. Reprodução  Há casos, no entanto, onde podem ocorrer reproduções assexuadas, conhecidas como partenogênese;  De maneira menos comum, pode ocorrer a viviparidade;
  • 38. Reprodução  Situações mais específicas podem ocorrer: • Em alguns dípteros, formas imaturas podem ter óvulos desenvolvidos por partenogênese, caracterizando um reprodução do tipo pedogênese; • Quando há presença de caracteres imaturos em fases adultas, denomina-se neotenia; • A produção de dois ou mais embriões em um único ovo também pode ocorrer, ainda que raramente, sendo chamado de poliembrionia; • Situações de hermafroditismo são ainda mais raras;
  • 39. Adaptações  Para a vida terrestre: • Corpo revestido por um exoesqueleto de quitina, que, além de fornecer proteção mecânica, evita o ressecamento do corpo; • A respiração aérea é traqueal, que permite que o ar penetre no corpo pelos espiráculos e alcance todos os tecidos do corpo através das traquéias, levando o oxigênio a todas as células; • Na grande maioria dos insetos, a fecundação é interna (o macho deposita os espermatozóides diretamente no corpo da fêmea); • A excreção de ácido úrico que precise de pouquíssima água para a eliminação;
  • 40. Adaptações  Para a vida aquática: • Dobrar as asas em repouso; • Passagem de hemimetábolos para holometábolos; • Originaram-se de formas terrestres, portanto, a qualidade da adaptação (locomoção, respiração, mecanismos de nutrição e ciclo de vida) não é boa, explorando melhor ou pior o ambiente;