Overtraining

1.059 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.059
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Overtraining

  1. 1. Leonardo Kenji Hirao Residente de Medicina do EsporteOrientadora: Dra. Ana Lucia Sá Pinto
  2. 2. Treinamento“Definido como processo de sobrecarga comperturbação da homeostase associado afadiga aguda capaz de gerar adaptaçõeslevando a melhora de performance”.
  3. 3. Esporte
  4. 4. Overreaching ≠ Overtraining“Tempo necessário para a performance serrestaurada”“Não está relacionado com o tempo ouduração do estresse do treino ou grau decomprometimento”Consensus Statement of the European College of Sports Sciences; Meeusen et al. 2006
  5. 5. • Overreaching Funcional (ORF) – Supercompensação em até 2 semanas,• Overreaching Não Funcional (ORNF) – Recuperação de semanas a meses,• Overtraining (OTS) – Recuperação de meses a anos, geralmente, levando a cessação de uma carreira esportiva de ponta.
  6. 6. Overreaching Funcional
  7. 7. ORNF e OTSPrimeiros Sinais e Sintomas Fatores de Confusão1. Diminuição da 1. Dieta inadequada, performance, 2. Doenças (IVAS),2. Vigor diminuido, 3. Estresse psicossocial,3. Aumento da fadiga, 4. Distúrbios do sono.4. Distúrbios hormonais.
  8. 8. Overtraining
  9. 9. Hipótese da fadiga central e overtrainingHipótese do desbalanço autonomico Hipótese do BCAA Síndrome da piora de performance inexplicadaHipótese neuroendócrina Hipótese da IL-6 Hipótese da miopatia do exercício Hipótese das Citocinas Hipótese da monotonia Hipótese do SNC
  10. 10. Prevalência da ORNF e OTS “Maior em atletas mais treinados” “Maior em atletas de esporte individual” “Maior em esportes de endurance”
  11. 11. Diagnóstico de Exclusão• Doenças orgânicas,• Doenças infecciosas,• Restrição calórica,• Dieta inadequada,• Deficiência de ferro,• Deficiência de magnésio,• Alergias.
  12. 12. Fatores Predisponentes• Desequilíbrio entre carga de treino e recuperação,• Treinos monótonos,• Muitas competições,• Problemas psicológicos,• Demandas emocionais.
  13. 13. OvertrainingFisiologia Imunologia“Variabilidade da “Aumento do númerofrequência cardíaca” de IVAS” “Infecções virais que demoram a curar”
  14. 14. OvertrainingEstatus de Treino Psicologia“Realizar 2 testes “Profile of Mood Statesmáximos com intervalo (POMS)”de 4 horas, com piora “RestQ-Sport”maior que 10%” “Teste neurocognitivo”“Aumento na “Teste de atençãopercepção do esforçodo mesmo exercício”
  15. 15. Bioquímica• CPK • Glicose• Uréia • Ferritina• Creatinina • Sódio• Proteína C reativa • Potássio• TGO • Magnésio• TGP
  16. 16. Hormônios• ACTH• Prolactina• GH• Cortisol• Testosterona• IGF-1
  17. 17. Overtraining
  18. 18. Considerações Finais• Manter relatórios de performance durante treinos e competições,• Incluir dia de descanso quando a performance diminui ou ocorre fadiga em excesso,• Evitar treinos monótonos,• Individualizar treinos o máximo possível,• Atentar a nutrição e descanso adequados,• Atentar a fatores estressores múltiplos,
  19. 19. Considerações Finais• Tratar OTS com descanso ou redução da carga de treino,• Comunicação com o atleta em relação ao seu estado físico, mental e emocional,• Utilizar questionários psicológicos com certa frequência,• Acompanhamento por equipe multiprofissional,
  20. 20. Considerações Finais• Lembrar de manter sígilo para preservar relação médico-paciente,• Permitir tempo de recuperação após lesões e doenças,• Controlar o número de infecções que o atleta apresenta,• Sempre descartar doenças orgânicas em casos de diminuição de performance.

×