Atividades de um naturalista marinho – descobrir as conchas e as algas
Resumo da atividade Esta atividade proposta centra-...
Atividades de um naturalista marinho
A) As conchas marinhas
As conchas marinhas têm formas curiosas, cores brilhantes e mo...
Chave dicotómica de identificação de conchas marinhas
1. Concha de uma só peça (gastrópodes) – 2
Concha formada por duas p...
Organismo 7: castanholas (Glycymeris glycymeris);
Organismo 8: lapa (Patella intermedia);
Organismos 9: Epitonium clathrus...
2. Muitas vezes quando colhemos conchas na praia nem nos lembramos que uma
concha é o esqueleto externo de um animal de co...
deslocação da amêijoa através de movimentos com o pé. Desenha o a experiência.
4. Atividade sobre o crescimento dos bivalv...
Para saberes mais sobre as conchas marinhas podes ler o artigo “Conchas marinhas”
publicado na revista “Pais e Filhos” (au...
B) As algas da zona entre-marés
Tal como as conchas, as algas marinhas apresentam uma enorme variedade de formas e
de core...
Com a ajuda das fotografias do guia fotográfico de algas fornecido em anexo identifica
cada uma das algas que recolheste. ...
• Empilhar 4 a 6 folhas de papel de jornal, na última das quais se coloca a folha de papel
branco com o exemplar (espalmad...
Notas para o professor
Objetivos
Pretende-se com estas atividades contribuir para: a) a construção de conhecimentos
substa...
• Moldes e impressões
• Arames para soldar
* *
*
Utilizações médicas e farmacêuticas
• Laxantes
• Cápsulas e pastilhas
• A...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Conchas e algas

398 visualizações

Publicada em

LINDAS CONCHAS

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
12
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Conchas e algas

  1. 1. Atividades de um naturalista marinho – descobrir as conchas e as algas Resumo da atividade Esta atividade proposta centra-se na exploração de alguns aspetos relacionados com as conchas que encontramos nas praias e com as algas que existem nas plataformas de rocha da zona entre-marés. Apresenta-se um conjunto de atividades atividade sobre as conchas - história de vida, identificação e realização de coleções, com uma proposta de atividade prática sobre a vida e crescimento de bivalves e uma proposta de pesquisa sobre os animais que viveu nas conchas; e um conjunto de atividades sobre direcionada para as algas – identificação e construção de um algário, com uma sugestão de pesquisa sobre o papel das algas nas cadeias alimentares e as suas aplicações para os humanos. Ano de escolaridade (grupo alvo) 1º ciclo, 2º ciclo, 3º ciclo Objetivos Compreender que existe uma grande diversidade de organismos. Identificar diferentes espécies de gastrópodes e bivalves marinhos através das suas conchas. Identificar diferentes espécies de algas. Compreender a função de algumas das estruturas presentes nos bivalves. Compreender a função das algas nos ecossistemas marinhos. Compreender as aplicações que as algas têm no fabrico de certos materiais, higiene, produtos farmacêuticos e alimentação. Tempo (número de aulas) previsto Identificação das conchas: 1 aula Coleção de conchas: 2 aulas Algario: 2/3 aulas Atividade prática vida das conchas: 1 aula Recursos envolvidos Material das experiências; Livros informativos infanto-juvenis sobre algas; Computador com ligação à internet; “Guia ilustrado das macroalgas”.
  2. 2. Atividades de um naturalista marinho A) As conchas marinhas As conchas marinhas têm formas curiosas, cores brilhantes e modelos às vezes espetaculares. Embora algumas conchas sejam frágeis e se quebrem facilmente, muitas são sólidas e agradáveis de tocar, o que fazem delas um objeto fácil de se colecionar. Propomos-te que faças uma coleção de conchas marinhas. 1. Juntamente com os teus colegas e o professor junta as conchas que tens em casa ou que recolheste nas tuas idas à praia. 1.1. O primeiro passo para poderes fazer a coleção é identificar as conchas que conseguiste reunir. Observa a seguinte fotografia. Consegues reconhecer alguma das conchas que estão na fotografia? Para descobrires o nome de cada uma das conchas utiliza a seguinte chave de identificação. 12 10 13 11 1 2 3 4 5 6 16 7 8 9 17 15 14
  3. 3. Chave dicotómica de identificação de conchas marinhas 1. Concha de uma só peça (gastrópodes) – 2 Concha formada por duas peças ou valvas (bivalves) – 14 2. Concha em forma de búzio – 3 Concha com outra forma – 13 3. Concha em forma de fuso – 4 Concha sem ser em forma de fuso – 6 4. Concha estreita e delgada, com estrias verticais bem marcadas – organismo 9 Concha larga e volumosa – 5 5. Concha com lábio estendido, com três digitações – organismo 6 Concha com lábio sem qualquer digitação – organismo 14 6. Concha em forma de cone – 7 Concha em forma de clava – 9 7. Concha com ápice bicudo – organismo 3 Concha com ápice arredondado – 8 8. Altura da concha semelhante à largura – organismo 15 Altura da concha maior que a largura, com vértice alaranjado quando gasto – organismo 1 9. Concha com textura estriada – 10 Concha com textura lisa – 12 10. Concha de forma oval globosa, com três grupos de manchas acastanhadas no dorso – organismo 2 Concha de forma oval, acuminada – 11 11. Concha reticulada – organismo 12 Concha com estrias transversais salientes – organismo 5 12. Concha com ápice acuminado – organismo 10 Concha com ápice arredondado – organismo 17 13. Concha com perfurações; face inferior nacarada (madrepérola) – organismo 13 Concha sem perfurações; coloração semelhante nas duas faces – organismo 8 14. Concha com rugosidades que não seguem nenhum padrão regular; face inferior nacarada (madrepérola) – organismo 4 Concha com estrias paralelas – 15 15. Concha com estrias horizontais – organismo 7 Concha com estrias verticais – 16 16. Concha com orelhas – organismo 11 Concha sem orelhas – organismo 16 Lista das espécies (nome comum e nome científico): Organismo 1: caramujo (Osilinus lineatus); Organismo 2: beijinho (Trivia monacha); Organismo 3: burrié-bicudo (Calliostoma zizyphinum); Organismo 4: madrepérola (Anomia ephippium); Organismo 5: nucela (Nucella lapillus); Organismo 6: pé-de-pelicano (Aporrhais pespelecani);
  4. 4. Organismo 7: castanholas (Glycymeris glycymeris); Organismo 8: lapa (Patella intermedia); Organismos 9: Epitonium clathrus (o da frente), Gyroscala lamellosa (os outros dois atrás); Organismo 10: Columbela (Columbella rustica); Organismo 11: pente (Chlamys varia); Organismo 12: búzio (Nassarius reticulatus); Organismo 13: lapa-real ou orelha-do-mar (Haliotis tuberculata); Organismo 14: Ocenebra erinaceus; Organismo 15: burrié (Gibbula umbilicalis); Organismo 16: berbigão-grande ou berbigão-burro (Acanthocardia tuberculata); Organismo 17: ferro-de-engomar (Cymbium olla). 1.2. Após a identificação das conchas, temos de as limpar para poderem ser guardadas na nossa coleção. Procedimento: - retira todos os resíduos que se encontrem à superfície da concha (*), mergulhando- as em lexívia diluída - lava muito bem as tuas conchas com água corrente - retira as incrustações que ainda se encontram agarradas com uma agulha ou uma escova dura - seca-as bem com um pano e/ou algodão - deixa-as um tempo ao ar para que garantir que ficam bem secas - tapa a abertura da concha com um bocado de algodão para absorver algum fluido desagradável. (*) Nota: estes resíduos que se encontram agarrados à superfície das conchas são restos de outros animais, como algas e vermes tubícolas – ver fotografia 1.3. As conchas estão agora prontas para serem guardadas. Para isso precisas de caixas de plástico (pequenas) e algodão. Coloca na base da caixa uma porção de algodão e coloca a concha por cima do algodão, com uma etiqueta com o respetivo nome – ver fotografia.
  5. 5. 2. Muitas vezes quando colhemos conchas na praia nem nos lembramos que uma concha é o esqueleto externo de um animal de corpo mole, conhecido por molusco. Faz uma pesquisa na internet para descobrires como é o animal que vive dentro destas conchas. Compara a forma do corpo do animal que vive nas conchas formadas por uma única peça (gastrópodes), com a do animal que vive nas conchas formadas por duas valvas (bivalve). 3. Atividade sobre o funcionamento dos sifões nos bivalves. A amêijoa é um organismo filtrador e por isso precisa de filtrar um grande volume de água para extrair o alimento para o seu crescimento e respirar. Para isso, utiliza dois sifões. O sifão inalante bombeia água para o interior do corpo. Nas brânquias dão-se as trocas gasosas e são capturadas as partículas que servirão de alimento. As partículas excedentes aglutinam-se e saem em fios (fezes) pelos sifão exalante, assim como o dióxido de carbono resultante da respiração. Queres ver como isto se passa? Vais precisar de: 1. Amêijoas da praça 2. Àgua fresca do mar 3. Um recipiente transparente 4. Canela em pó 4. Caderno de naturalista e um lápis Coloca as amêijoas no recipiente com água do mar, mas atenção, de forma a que parte da concha fique exposta ao ar. Mantém as amêijoas num sítio fresco. Se a água aquecer ficará pobre em oxigénio. Espera até que estas se ambientem. Não agites a água. Observa a abertura da concha, isto é, a saída dos sifões e do pé para o exterior. Polvilha a água junto dos sifões da amêijoa com uns pozinhos de canela (se colocares muita canela a experiência não resulta). Observa o fluxo de água devido ao funcionamento dos sifões, através do movimento da canela na superfície da água. Observa também a
  6. 6. deslocação da amêijoa através de movimentos com o pé. Desenha o a experiência. 4. Atividade sobre o crescimento dos bivalves. A concha nos moluscos cresce com o animal, sendo depositadas novas camadas á medida que o corpo fica maior. As amêijoas alimentam-se de fitoplâncton e por isso o seu crescimento é maior na primavera/verão, altura em que se dão os blooms destas algas microscópicas. Assim, em cada ano, a amêijoa adiciona uma nova faixa à sua concha. Esta é diferenciada do crescimento de Inverno que é muito pequeno. Com base nas camadas de crescimento anuais da concha, podes contar a idade dos bivalves. Utiliza a seguinte imagem legendada para te orientares. As amêijoas que compramos têm geralmente dois anos. Copyright da foto: Domitília Matias. IPIMAR Tavira
  7. 7. Para saberes mais sobre as conchas marinhas podes ler o artigo “Conchas marinhas” publicado na revista “Pais e Filhos” (autor: Raquel Gaspar) disponível em: http://www.viveraciencia.org/index/files/bichos_conchas%20marinhas(1).pdf ; podes consultar o “Pequeno guia de identificação dos moluscos marinhos, em contextos arqueológicos portugueses” (autor: Maria João Valente”); podes consultar o livro “à descoberta das conchas da praia” da caixa pedagógica da beira-mar do projecto “Sair da Concha: à descoberta das ciências da Vida no Jardim de Infância”, disponível em: http://viveraciencia.org/index/images/stories/loja/conchas_stamp1.pdf e o livro: “Conchas marinhas de Portugal” (autores: Maria Candida Macedo, Maria Isabel Macedo and Jose Pedro Borges). 1 ano 2 ano
  8. 8. B) As algas da zona entre-marés Tal como as conchas, as algas marinhas apresentam uma enorme variedade de formas e de cores. Embora não sejam tão fáceis de preparar como as conchas, as algas também podem ser guardadas numa espécie de livro – catálogo, a que se dá o nome de algário. Propomos-te que construas um algário com as algas mais comuns da tua praia. 1. Juntamente com os teus colegas e o professor recolhe as algas que encontrares nas tuas visitas à praia. Quando recolheres as algas tem o cuidado de as colocares muito direitas dentro de um jornal ou leva-as dentro de um balde com água. 1.1. O primeiro passo para poderes fazer o algário é identificar as algas que conseguiste reunir. As algas agrupam-se em três grandes grupos conforme as cores que apresentam (ver fotografia): algas verdes, algas castanhas (que podem ser castanhos, verde-azeitona ou castanho-amareladas), e algas vermelhas (que podem ser vermelhas, rosa, púrpura- acastanhadas ou quase negras). Foto de Raquel Gaspar
  9. 9. Com a ajuda das fotografias do guia fotográfico de algas fornecido em anexo identifica cada uma das algas que recolheste. Todas as fotografias contidas no guia fornecido foram retiradas do “Guia ilustrado das macroalgas” da autoria de Leonel Pereira (https://woc.uc.pt/botanica/getFile.do?tipo=2&id=4092). 1.2. Podes agora construir um livro de algas (adaptado do “Guia ilustrado das macroalgas” da autoria de Leonel Pereira, https://woc.uc.pt/botanica/getFile.do?tipo=2&id=4092). Material necessário: • Papel branco de boa qualidade de espessura média, ligeiramente rugoso • Pequenos pedaços com aproximadamente 22x30 cm, de um tecido fino de pano-cru, de malha apertada, ou papel encerado • Papel de jornal ou de listas telefónicas • Uma tina em plástico, pouco profunda (5-8 cm), rectangular, com pelo menos 30 cm de largura e 50 cm de comprimento • Uma placa de “plexiglass” (ou de “fórmica”) perfurada, de dimensões um pouco menores que as da tina • Pincéis de tamanhos diferentes, uma agulha de dissecação, pinças e bisturi. Procedimento • Enche-se a tina, até 2/3 da sua altura com água do mar • Coloca-se a placa dentro da tina de modo a formar um plano inclinado de queda suave, do qual cerca de 2/3 ficam mergulhados na água • Limpa-se a alga dos ramos supérfluos, e mergulha-se na tina juntamente com uma folha de papel branco com dimensões correspondentes ao seu tamanho. • Dentro de água, com auxílio das pinças e dos pincéis, estende-se a alga sobre o papel, • Retira-se da tina a folha de papel com a alga espalmada, fazendo-a deslizar muito lentamente para fora, para que a posição da alga se mantenha • Deixar escorrer um pouco a água da folha de papel branco com a alga espalmada • Anotar na folha as identificação da alga
  10. 10. • Empilhar 4 a 6 folhas de papel de jornal, na última das quais se coloca a folha de papel branco com o exemplar (espalmado e já escorrido) voltado para cima. Sobre a alga coloca-se cuidadosamente um pedaço de tecido cru, para que esta não cole às folhas de jornal que vão ser colocadas por cima. • Continuar-se-á a alternar sucessivamente papel de jornal, com folhas com outros exemplares de algas • A pilha assim formada coloca-se em posição correta numa prensa de secagem, ou entre duas placas de madeira com dimensões pelo menos iguais à das folhas de papel de jornal. Por cima da placa superior coloca-se uma massa pesada • Após cerca de 24 horas, retiram-se as folhas de papel de jornal e os pedaços de tecido cru, substituindo-os por outros enxutos. • Quando as algas já estiverem secas e aderentes ao papel de suporte podem ser colocados em folhas A4 de cartolina preta, que serão as folhas do livro • No final, todas folhas do algário devem ser devidamente etiquetadas. 2. Faz uma pesquisa na internet sobre: - O papel das algas na cadeia alimentar dos organismos marinhos. Recorta ou desenha espécies de algas e os organismos que as comem (búzios, lapas, ouriços-do-mar). Procura identificar alguns predadores destes herbívoros (sargo, estrela-do-mar) e desenha-os ou utiliza recortes. Constrói um painel sobre a cadeia alimentar a partir das algas marinhas. - o papel das algas na nossa vida (alimentação, fabrico de materiais, higiene e medicina).
  11. 11. Notas para o professor Objetivos Pretende-se com estas atividades contribuir para: a) a construção de conhecimentos substantivos sobre a diversidade de conchas e algas; e b) a compreensão acerca do modo de vida de alguns destes organismos e da inter-dependência entre as espécies nos ecossistemas. Breve enquadramento científico As algas são utilizadas para a alimentação humana desde tempos imemoriais, sobretudo os países do sudeste asiático como o Japão, a China ou a Coreia. Nos últimos anos o consumo mundial de algas duplicou e a sua procura tem sido crescente tanto nos países orientais como no Ocidente, sendo reconhecidas como um fator de saúde e um ingrediente recomendado pelos nutricionistas. Nos Açores as algas são utilizadas tradicionalmente como alimento sendo consumidas fritas ou incorporadas em sopas, omeletas ou tortas. Para além da utilização direta na alimentação humana, outra das principais utilizações das algas é para a extração de substâncias existentes nas paredes celulares das algas castanhas (alginatos) e das algas vermelhas (ágar e os carragenatos) que possuem numerosas aplicações a vários níveis. Tabela 1. Exemplos de utilizações das substâncias retiradas das algas (adaptado de Almeida, A. (2007). Guia de campo das algas do intertidal da praia da vigia, Universidade do Algarve) Ágar Alginatos Carragenatos Aplicações na alimentação • Congelação de alimentos • Recheios de massas • Coberturas de bolos • Doces • Molhos • Temperos para saladas • Cremes para coberturas • Leite com chocolate • Queijos • Pudins • Iogurtes * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * * Utilizações na indústria • Aditivos para papel • Adesivos • Tintura e estampagem de tecidos • Ambientadores • Polimentos * * * * * * * * *
  12. 12. • Moldes e impressões • Arames para soldar * * * Utilizações médicas e farmacêuticas • Laxantes • Cápsulas e pastilhas • Anticoagulantes • Loções e cremes • Champôs • Pastas de dentes * * * * * * * * * *

×