1
Pontifícia Universidade Católica – PUC/SP
Curso de Jornalismo
INSTAGRAM
Instantes de Uma Vida Criada
Mariana Guimarães d...
2
Pontifica Universidade Católica – PUC/SP
INSTAGRAM – Instantes de Uma Vida Criada
Trabalho de Conclusão de Curso da
Facu...
3
Araujo, Mariana Guimarães de
Instagram – Instantes de Uma Vida Criada
Mariana Guimarães de Araujo. -- São Paulo : [s.n.]...
4
AGRADECIMENTOS
Aos meus pais e a minha irmã, que acompanharam todo o processo de
desenvolvimento do meu trabalho e me fo...
5
SUMÁRIO
Apresentação.......................................................................................................
6
APRESENTAÇÃO
Após 1880 as relações entre a compra dos produtos e os desejos mudaram
graças a três invenções: a marca, o ...
7
INTRODUÇÃO
“Ai meu Deus! Ele curtiu minha foto no Instagram! O que você acha que isso
significa?”, uma amiga me confiden...
8
Como minha cabeça (às vezes) funciona muito mais rápido do que qualquer
máquina, pensei em seguida: “por que se decepcio...
9
CONSUMO E DESEJOS
E se houvesse um lugar onde podemos ser quem nós quisermos? E se
pudéssemos estar sempre felizes nesse...
10
Antes do surgimento das marcas, as pessoas compravam apenas porque
precisavam de produtos para sua subsistência, como a...
11
mãe se lembrou no banheiro, e abaixou mãos pensas, cheias de grampos.
E considerou a cruel necessidade de amar. Conside...
12
INDÚSTRIA DA EXPERIÊNCIA
A felicidade que o consumidor sente quando possui algo material ainda existe,
porém este passa...
13
PUBLICIDADE E MARKETING
A lógica do consumo já estava presente há muitos anos, mas surge depois o
que influenciou inten...
14
arroz, por exemplo? É preciso criar uma imagem para representar aquele
produto que desperte algum sentimento no consumi...
15
"controlar a esfera das necessidades, condicionar o consumidor, tirar-lhe o
poder de decisão para transferi-lo a empres...
16
exploradas mais a fundo. Assim como diz Merleau-Ponty em sua obra “O
Visível e o Invisível, "Ver é sempre mais do que s...
17
INSTAGRAM
Antes mesmo da criação do Instagram, em 2003, um caso recebeu grande
atenção mundial, quando soldados norte-a...
18
que o mundo é melhor se partilharmos tudo, estamos sujeitos a imagens que
misturam uma experiência de prazer com descon...
19
compreendido.
Esta ferramenta também possibilita que marcas e empresas paguem para que
suas fotos ou vídeos apareçam em...
20
esporte” ou seu slogan mais famoso “Just do it” (em tradução livre, “Apenas
faça”). Essas e outras frases motivacionais...
21
Crédito: Foto retirada do Instagram da Nike
Legenda: Se você não correr riscos, sempre terá
arrependimentos #justdoit
C...
22
Enquanto isso a vida tende a se ficcionalizar, voltando-se aos códigos
midiáticos e aos recursos dramáticos da mídia au...
23
SELFIE
Em 1839, Robert Cornelius foi o primeiro a tirar uma foto de si próprio.
Aproveitando-se do processo lento das m...
24
Já a primeira selfie em grupo registrada na história, foi tirada em dezembro de
1920, em um telhado em Nova York, por u...
25
Fonte: Fotografias da coleção do Museu da Cidade de Nova York
26
As inovações tecnológicas chegaram ao alcance do público e apesar de já
existir muito antes da criação do Instagram, o ...
27
positivo sobre sua beleza, é impossível dizer qualquer coisa que vá além disso,
já que o foco está totalmente voltado p...
28
Apesar de não haver nada de errado em querer se sentir bonita ou ter
aprovação de amigos e conhecidos, tirar mais de 30...
29
Então além do interesse pelo compartilhamento do meu eu, consumir o eu dos
outros também faz parte deste movimento, do ...
30
documentar e compartilhar estas ocasiões se tornam mais importantes do que
vivê-las.
Precisamos questionar o conceito d...
31
é pessoal e intransferível, cada um enxergará o seu. Pergunto-me, qual seria o
Punctum neste momento de obsessão profun...
32
O Instagram ajuda diversas pessoas a difundirem o seu estilo de vida e, por
causa dessa busca obsessiva pelo real e pel...
33
Ela recebeu tanta atenção da mídia que acabou criando a geração Pugliesi,
onde adeptos do mesmo estilo de vida alimenta...
34
Naves (@thassianaves), com 865 mil seguidores, são vistos em sites e revistas
como referências de moda o tempo todo.
Co...
35
Para ela, o Instagram é utilizado muito mais como uma ferramenta de trabalho,
do que uma ferramenta pessoal, então suas...
36
várias definições possíveis para esse termo tão rico em conotações. Neste
contexto, porém, a personalidade é sobretudo ...
37
IMAGEM E CONTROLE
Mas esta unicidade e individualidade são reais até que ponto? Aqui a influência
da publicidade e das ...
38
alguma. O sujeito é livre para ser quem ele quer, mas ele já é de antemão um
ser massa. O sistema de comunicação atualm...
39
todos nós podemos editar uma foto, removendo manchas, rugas, olheiras,
aumentar os lábios, enfim, modificar a nossa apa...
40
Bruno Ribeiro começou um movimento chamado Real Life Instagram
(Instagram da Vida Real, em tradução livre), em 2013, qu...
41
Apesar de ser um projeto que propõe uma visão diferente em relação ao
compartilhamento de imagens nas redes sociais, se...
42
Em outras palavras, se qualquer e toda pessoa for uma celebridade, autor,
cantor, escritor, modelo, em algum tempo, tod...
43
Por causa da proliferação de imagens e notícias espetaculares em torno das
eleições, cada um tomou um partido e express...
44
CONCLUSÃO
Se voltarmos algumas décadas, antes da criação da internet, podemos traçar
claramente as diferenças nas relaç...
45
Enquanto isso, me espanto com a quantidade de pessoas que ficam
hipnotizadas pelo virtual, porque estes estão hipnotiza...
46
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS1
1.1 LIVROS
DEBORD, Guy. 2000. A Sociedade do Espetáculo. Editora Contraponto, Rio de
Janeir...
47
1.2 ESTUDOS
HOUGHTON, D., JOINSON, A., CALDWELL, N. e MARDER, B. 2013. Tagger's
Delight? Disclosure and liking behaviou...
48
1.5 FONTES
Matthew Pietropaoli. Professor de psicologia em Washington (DC), nos Estados
Unidos, na Catholic University ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

TCC Mariana Araujo

296 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

TCC Mariana Araujo

  1. 1. 1 Pontifícia Universidade Católica – PUC/SP Curso de Jornalismo INSTAGRAM Instantes de Uma Vida Criada Mariana Guimarães de Araujo São Paulo 2014
  2. 2. 2 Pontifica Universidade Católica – PUC/SP INSTAGRAM – Instantes de Uma Vida Criada Trabalho de Conclusão de Curso da Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes (FAFICLA), do curso de Jornalismo da Pontifícia Universidade Católica (PUC-SP). Orientador: Prof. Dr. Silvio R. Mieli Mariana Guimarães de Araujo São Paulo 2014
  3. 3. 3 Araujo, Mariana Guimarães de Instagram – Instantes de Uma Vida Criada Mariana Guimarães de Araujo. -- São Paulo : [s.n.], 2014. 48p. Bacharelado em Jornalismo – Faculdade de Filosofia, Comunicação, Letras e Artes da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Orientador: Prof. Dr. Silvio R. Mieli
  4. 4. 4 AGRADECIMENTOS Aos meus pais e a minha irmã, que acompanharam todo o processo de desenvolvimento do meu trabalho e me fortaleceram nas horas difíceis desta trajetória. Ao professor Silvio Mieli, pela orientação, apoio, paciência e por ter me ajudado a enxergar além do visível.
  5. 5. 5 SUMÁRIO Apresentação......................................................................................................6 Introdução...........................................................................................................7 Consumo e Desejos............................................................................................9 Indústria da Experiência....................................................................................12 Publicidade e Marketing....................................................................................13 Instagram..........................................................................................................17 Selfie.................................................................................................................23 Imagem e Controle............................................................................................37 Conclusão.........................................................................................................44 Referências Bibliográficas 1.1 Livros...........................................................................................................46 1.2 Estudos........................................................................................................47 1.3 Textos Eletrônicos.......................................................................................47 1.4 Acervos Digitais...........................................................................................47 1.5 Fontes..........................................................................................................48
  6. 6. 6 APRESENTAÇÃO Após 1880 as relações entre a compra dos produtos e os desejos mudaram graças a três invenções: a marca, o marketing e a publicidade. Empresas de diversos segmentos passaram a investir em pesquisas e novos artifícios de venda com o intuito de conhecer o seu consumidor. Os investimentos destas marcas em publicidade cresceram tanto, que esta atingiu limites que vão para além do visível. Somos condicionados a admitir imagens carregadas de valores há décadas, principalmente após a criação da internet, quando a publicidade se uniu à mídia. Estamos sobre influência dos conceitos difundidos pela publicidade e em razão disso, passamos a carregar alguns signos invisíveis das imagens. Estes são espelhados na nossa vida real e os admitimos como verdadeiros e absolutos. Por causa do avanço da tecnologia, compartilhamos esta personalidade criada por nós mesmos em diversas redes sociais. Entretanto reduziremos o foco desta análise para a ferramenta Instagram e as influências deste bombardeamento de imagens pela publicidade. Por que compartilhamos estes instantes íntimos? Como isto influencia a nossa vida pessoal e nossas interações sociais? Quais são os efeitos na nossa vida real com a criação de um “eu” virtual?
  7. 7. 7 INTRODUÇÃO “Ai meu Deus! Ele curtiu minha foto no Instagram! O que você acha que isso significa?”, uma amiga me confidenciou. A minha resposta veio automaticamente, como o disparo de uma câmera: “não significa absolutamente nada além de um clique no botão curtir, ele gostou da sua foto, achou interessante e ponto final”. Mas nesta era das relações via curtidas, eu estava errada. Significava, sim, alguma coisa. Um mero curtir no Instagram em tempos de amizades virtuais pode ser traduzido de diversas maneiras. A pessoa achou sua foto legal, ela está interessada em você ou então vê, por meio da curtida em uma foto sua, uma maneira de mostrar que existe. “Nossa, esse cara é demais! As fotos dele no Instagram são incríveis! Ele tem tudo a ver comigo”, disse outra amiga. Ainda não consigo entender como as pessoas encontram afinidades, mesmo que mínimas, por meio de fotos. Mas elas com certeza encontram. Apesar de ser apenas uma imagem, em um museu, na praia ou na balada, e mesmo que a pessoa em questão tenha ido apenas uma vez a qualquer um destes lugares, uma imagem transmite interesse naquilo. Mesmo que essa pessoa não goste de arte, deteste ir à praia, odeie balada e só tenha gostado daquela foto em particular. Acho que é por isso que nos decepcionamos tanto quando conhecemos essas pessoas na vida real: elas são tão mais interessantes na vida virtual, têm tantos amigos, uma vida tão agitada e maravilhosa. Mas será que elas realmente têm uma vida tão intensa assim? O problema é que nos acostumamos a julgar as pessoas apenas pela sua imagem que, na maioria das vezes, podem ser editadas, manipuladas e compartilhadas. “Ele nem é tudo isso que parece ser no Instagram dele. Eu o achava muito bonito, mas ao vivo, brochei”, comentou outra pessoa. E novamente, meu pensamento veio a milhão (e ainda bem que não compartilhamos nossos pensamentos da maneira que compartilhamos fotos, caso contrário eu seria considerada uma pessoa muito insensível): mas é claro que ele não é igual ao que ele mostra no Instagram dele, porque ele, como ser humano, vai muito além de um perfil em uma rede social.
  8. 8. 8 Como minha cabeça (às vezes) funciona muito mais rápido do que qualquer máquina, pensei em seguida: “por que se decepcionar com aquele cara que não é tão bonito quanto você imaginou? Você o conhece? Se não, que diferença faz se ele é ou não menos interessante na vida real?” Veja só, não faz diferença, porque essa minha amiga talvez jamais conheça aquele cara. Ou conheça e perceba que ele é realmente uma pessoa muito interessante e nem ligue mais pro Instagram dele. A questão é que a imagem pela imagem virou assunto rotineiro nas conversas. Julgamos os outros a partir da imagem: “Você viu as fotos dela? Ela engordou demais!”, “Nossa, ele está viajando de novo, não para nunca!”, “Esse aí tá bem de vida!”, “Que inveja dessas fotos! Queria muito ter ido naquela festa, deve ter sido incrível!”. Estes são alguns exemplos de comentários que escuto quase todos os dias e, como também não sou tão perfeita quanto o meu perfil no Instagram, sem querer me vejo pensando as mesmas coisas. Mas como escapar deste ciclo se, quando me reúno com meus amigos, me vejo sentada em uma roda onde todos só conseguem olhar para a tela do celular? Ou quando estamos todos juntos conversando, mas o motivo principal daquela reunião parece ser, adivinhe, uma foto em grupo para ser compartilhada imediatamente? Como posso fugir disso se essa compulsão doentia pela imagem me persegue o tempo inteiro?
  9. 9. 9 CONSUMO E DESEJOS E se houvesse um lugar onde podemos ser quem nós quisermos? E se pudéssemos estar sempre felizes nesse lugar? E se, nesse lugar, tudo fosse ser perfeito? Com a crescente evolução da tecnologia, conseguimos criar este lugar: o Instagram. Esta ferramenta permite que qualquer pessoa ou marca crie e exponha sua identidade da maneira que escolher, de modo que uma vida inteira possa ser reduzida a algumas fotos, alguns momentos, perfeitos e imutáveis. Vale ressaltar que quando digo "qualquer pessoa ou marca", é porque ambos têm oportunidade de criar a sua imagem e vender, um produto ou sua própria identidade, através desta mesma vitrine, o Instagram. Nosso sistema de consumo mudou antes mesmo da criação da publicidade e do marketing, porém, a evolução destas técnicas fez com que a maneira que desejamos e compramos coisas mudassem, influenciando diretamente na nossa felicidade. Propagandas vendem mais do que apenas produtos, vendem valores, imagens e conceitos de amor, sexo e sucesso. Ainda mais do que isso, elas nos dizem quem somos e até pior, quem devemos ser. Com o uso crescente de smartphones em todo o mundo  o site eMarketer calculou que até o final de 2014 teremos 1.75 bilhões de pessoas usando smartphones  a publicidade alcança um novo patamar, onde é possível postar e atingir possíveis compradores e seguidores em tempo real. Porém, este cenário nem sempre foi configurado dessa maneira. Antes da publicidade e de toda a tecnologia, as marcas vendiam apenas produtos de acordo com a necessidade básica dos consumidores. Já atualmente, as marcas vendem estilos de vida e conceitos que interferem não só nos nossos desejos, mas também na nossa personalidade e vida pessoal. Mas como isto aconteceu? Com o surgimento das máquinas após a segunda revolução industrial ocorre a democratização dos bens materiais. Nesta mesma época, que se estende aproximadamente entre 1880 e o final da Segunda Guerra Mundial, com a produção em maior escala de produtos, surgem as marcas, o que foi apenas o início de uma transformação na maneira em que compramos.
  10. 10. 10 Antes do surgimento das marcas, as pessoas compravam apenas porque precisavam de produtos para sua subsistência, como açúcar, farinha, arroz e assim por diante. Esta foi a primeira mudança significativa na maneira de consumir: o ato de comprar não é mais motivado apenas pela necessidade, os produtos agora são escolhidos pelo seu nome, pela sua marca. A partir daí surgem grandes hipermercados e magazines, a produção, rotação dos produtos e criação de novas marcas cresce em um ritmo muito acelerado. Esta nova maneira de produzir fez com que o ritmo do consumo também aumentasse, criando uma nova lógica: compro não apenas para suprir minhas necessidades básicas, mas sim para acompanhar a moda. Esta mudança cria uma nova sociedade de consumo, termo que apareceu pela primeira vez em 1920. Em seguida passamos para a fase da democratização do desejo: as marcas passam a convencer o comprador pela sua variedade. Mais produtos são colocados à disposição do consumidor e substituídos rapidamente por novos, fazendo com que a lógica da moda seja rápida e reciclável. Assim, as marcas passam a criar novos desejos para que o seu público compre cada vez mais. As novas facilidades fazem com que a "sociedade de consumo de massa" busque freneticamente um cotidiano confortável e fácil, que passa a ser visto como sinônimo de felicidade. A lógica básica é: quanto mais eu satisfizer meus desejos, terei mais conforto e as coisas materiais que "preciso", portanto serei mais feliz. Logo podemos concluir que nesta fase possuir bens materiais é uma das coisas que mais nos satisfaz e nos faz feliz. Essa "necessidade" que temos de obter coisas materiais para ser "feliz", foi bem descrita por Clarice Lispector neste trecho do seu conto "A menor mulher do mundo": Foi em outra casa que um menino esperto teve uma ideia esperta: — Mamãe, e se eu botasse essa mulherzinha africana na cama de Paulinho enquanto ele está dormindo? quando ele acordasse, que susto, hein! que berro, vendo ela sentada na cama! E a gente então brincava tanto com ela! a gente fazia ela o brinquedo da gente, hein! A mãe dele estava nesse instante enrolando os cabelos em frente ao espelho do banheiro, e lembrou-se do que uma cozinheira lhe contara do tempo de orfanato. Não tendo boneca com que brincar, e a maternidade já pulsando terrível no coração das órfãs, as meninas sabidas haviam escondido da freira a morte de uma das garotas. Guardaram o cadáver num armário até a freira sair, e brincaram com a menina morta, deram-lhe banhos e comidinhas, puseram- na de castigo somente para depois poder beijá-la, consolando-a. Disso a
  11. 11. 11 mãe se lembrou no banheiro, e abaixou mãos pensas, cheias de grampos. E considerou a cruel necessidade de amar. Considerou a malignidade de nosso desejo de ser feliz. (Lispector, 1960. Laços de Família). Nesse caso, a falta de uma boneca, fez com que as órfãs passassem por cima de valores morais e éticos, e brincassem com uma menina morta, apenas para suprir sua necessidade de ser feliz, para ter com o que brincar. Neste mesmo conto de Lispector, um explorador descobre a menor raça de pigmeus do mundo no Congo Central e lá se aproxima da menor mulher já vista no mundo, que estava grávida. Sendo esta a menor raça já encontrada em todo o mundo, os pigmeus estavam próximos da extinção, por isso suas preocupações e necessidades se resumem a apenas uma coisa: não ser comido. Na profundeza da floresta, amor tem um significado diferente do que estamos acostumados. Amor é sinônimo de não ser comido. Já dentro da lógica do consumo o amor também tem significados diferentes, considerando que o dinheiro e as coisas materiais, para algumas pessoas, são mais valiosos do que uma pessoa caridosa, educada, inteligente, enfim, com uma personalidade louvável. Clarice dá ênfase à "suscetibilidade que exige que seja de mim, de mim! que se goste, e não de meu dinheiro". Ou seja, esperamos que valorizem o nosso ser e não as nossas posses, mas quando vivemos em uma sociedade movida por desejos de consumo, o ter às vezes fala mais alto do que o ser. No final do conto, a menor mulher do mundo, que até então só conhecia a felicidade de não ser comida, ficou feliz ao ganhar do explorador uma árvore só sua para morar e, apesar de não se comunicar com palavras, já que sua vida curta e ameaçada constantemente por predadores fez com que sua tribo usasse apenas sinais simples para palavras como sim e não, "seus olhos se tornaram tão escuros que o disseram" que possuir é muito bom e também exerce um grande papel em nossa felicidade. Aqui a excitação por causa da novidade também está presente. Antes, sua felicidade se resumia apenas em não ser comida, mas quando o explorador oferece à menor mulher do mundo uma árvore só sua para morar ela experimenta algo novo, a sensação de posse, que faz o seu coração se encher de alegria.
  12. 12. 12 INDÚSTRIA DA EXPERIÊNCIA A felicidade que o consumidor sente quando possui algo material ainda existe, porém este passa a buscar menos a posse das coisas por si mesmas e mais a multiplicação de experiências, a felicidade por meio de sensações e emoções novas. A indústria da experiência entra em ação, cria ambientes estereotipados e faz com que o consumidor experimente o inesperado nestes locais mercantis programados. Ele espera mergulhar em um fluxo de sensações excepcionais, acessar um estado quase mágico, totalmente desconectado do real, um estado permanente de euforia criada, onde o começo e o fim estão cronometrados, assim como nos filmes. Isso não significa que exista confusão entre o real e a ilusão, o que ocorre é um deslumbramento pelos artifícios e efeitos utilizados, um prazer ligado a um universo concreto, mas que é estruturado pelo imaginário, pelas sensações, e que dura apenas até o consumo terminar. Este comprador busca ocupar seu tempo com diversas atividades, como festas, excursões, práticas ao ar livre e musicais. Esta organização de seu tempo é o desejo de retomar o controle sob seus próprios prazeres, de escolher suas próprias experiências, uma tentativa de se desvencilhar do mercado. Surge aí um paradoxo, pois de um lado, o consumidor quer experiências quase irreais, de outro, quer um mundo real e íntimo que se pareça com ele, uma maneira de tentar descobrir o seu "eu" autêntico. O consumo dos bens materiais segue a mesma lógica do consumo do lazer, com uma lógica de experiências. O shopping, por exemplo, cria uma atmosfera recreativa e de distração, uma ocupação, um divertimento para todos. Mas como funciona essa compra interativa? Como as marcas conseguem atrair este consumidor que busca novas experiências? É aí que entram as táticas da publicidade e do marketing, onde a imagem difundida pelas marcas e a interação por meio das redes sociais, cria uma experiência totalmente nova na hora de realizar a compra, porque além de adquirir certo bem material, as pessoas tomam a imagem arquitetada pela marca, como sua.
  13. 13. 13 PUBLICIDADE E MARKETING A lógica do consumo já estava presente há muitos anos, mas surge depois o que influenciou intensamente na maneira que desejamos e no nosso conceito de felicidade: a publicidade e o marketing. Estas ferramentas eram utilizadas inicialmente apenas como um meio de divulgação, para que a marca tivesse maior reconhecimento no mercado, porém, após algum tempo, a publicidade e o marketing passam a usar técnicas que opõem as classes sociais, sendo o consumo interpretado como uma lógica de diferenciação social. Devemos aqui fazer outra constatação: no capitalismo sempre haverá diferenças entre as classes sociais, logo, se o consumo é interpretado com esta lógica, os desejos jamais chegarão a um limiar de saturação das necessidades. Assim, a compra abandona totalmente sua função inicial de suprir necessidades e satisfazer desejos e assume um novo papel, o de status na sociedade. A compra em si já não traz mais prazer ao consumidor, o prazer vem do que aquele objeto representa na camada social em que aquela pessoa vive e se este atende às exigências de status e reconhecimento. Atender aos desejos instantaneamente e comprar, obter, passam a ser sinônimo de felicidade, mesmo que momentânea. À medida que cresce a quantidade de produtos no mercado, a publicidade e marketing passam a se especializar e focam suas táticas de acordo com faixas etárias, fatores socioculturais e seduzem o consumidor de maneira individual, tentando segmentar os desejos e preencher a todos. A lógica é simples, quanto mais necessidades e desejos, mais produtos e serviços podem ser criados e vendidos. Porém, atualmente este cenário mudou. Na fase do hiperconsumo a marca já não tem interesse apenas em realçar os produtos, mas passar mensagens, valores e ideias, visando fidelizar os clientes. Antes, a mercadoria era colocada sob os holofotes, mas não se trata mais apenas de estimular necessidades, e sim, criar laços emocionais com a marca. Com um número imenso de produtos que possuem a mesma finalidade, além de exaltar a marca, a publicidade também exerce o papel de diferenciação. Como escolher entre 10 marcas diferentes que vendem a mesma coisa, como
  14. 14. 14 arroz, por exemplo? É preciso criar uma imagem para representar aquele produto que desperte algum sentimento no consumidor, sentimento de familiaridade ou segurança, para que este tenha preferência, por exemplo, por aquela marca de arroz. A publicidade está tão presente em nossas vidas que é impossível passar um dia inteiro, e talvez até algumas horas, sem se submeter a referências de marcas. Por exemplo, se você se machuca e precisa de um curativo, diz que precisa de um "band-aid". Quando uma mulher está menstruada e precisa de um absorvente interno, diz que precisa de um "O.B.", e assim por diante. Algumas marcas estão dentro da rotina de uma sociedade há tanto tempo, que perdem seu status de marca, e se tornam parte de nosso dia-a-dia sem percebermos. É por meio de imagens criadas para ações publicitárias que as marcas passam a enraizar os seus conceitos em áreas particulares de nossas vidas. Os consumidores passam a escolher os produtos de acordo com o sucesso da marca, ou seja, o sucesso das imagens criadas e disseminadas pela própria marca. As empresas passam a valorizar mais as imagens do que os produtos, o que é algo incrível para os publicitários, que não precisam se ater apenas à funcionalidade do bem produzido, mas estão livres para criar qualquer conceito além de nossa imaginação. Muito mais do que um estilo de vida, os publicitários criam uma alma e essência para as marcas. Já os consumidores ficam tão acostumados com o bombardeamento constante de imagens, que passam a levar essa cultura das marcas para sua vida pessoal, onde a imagem e o conceito que você cria é muito mais importante do que o produto, ou seja, o que você mostra que é, por meio de imagens, vale muito mais do que sua personalidade, quem você é em essência. Em outro trecho de "A menor mulher do mundo" uma das personagens compra um terno novo para seu filho, como solução para criar uma boa imagem, para que ele seja bem aceito pela sociedade, com sua "superficialidade tranquilizadora". Ou seja, ter não significa ser, mas o avanço desenfreado do consumo age juntamente com a publicidade e muda essa lógica, onde ter uma boa imagem é ser, é poder. Para o sociólogo Gilles Lipovetsky a função da publicidade se resume a
  15. 15. 15 "controlar a esfera das necessidades, condicionar o consumidor, tirar-lhe o poder de decisão para transferi-lo a empresa" (Lipovetsky, G. 2006. A felicidade paradoxal – Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo). A publicidade cria e recria estas necessidades, sufocando o consumidor com imagens de felicidade e prometendo saúde e beleza. Deslumbrados com estas promessas, acabamos nos decepcionando ainda mais, porque com a distração criada por estas técnicas de persuasão, acabamos esquecendo o que realmente nos torna felizes e somos engolidos pelos maravilhosos estilos de vida criados pela publicidade. A filósofa Olgária Matos reforça esta dimensão ao dizer que: Quanto ao mundo contemporâneo, a mercadoria separa-se de sua imagem, assim como a embalagem de seu "corpo", vindo a ser mais importante que ele. A mercadoria está encoberta, dissimulada ou esquecida atrás das imagens espetaculares. (MATOS, 2005. O sex appeal da imagem e a insurreição do desejo. NOVAES. Muito além do espetáculo). Agora não são apenas as mercadorias que possuem embalagens: as marcas desenvolvem uma embalagem para si, o seu estilo de vida, sua alma, seu espírito. Criam conceitos para chegarem o mais próximo da personalidade de um ser humano. E é exatamente desta maneira que a publicidade ajuda as marcas a conquistarem seus compradores, porque estes se identificam e querem ter essa “vida”. A publicidade explora a imagem e torna presente até aquilo que não existe. Isto ocorre graças ao poder da imaginação do ser humano, que consegue enxergar coisas em certas imagens porque as interpreta de maneira individual a partir de detalhes íntimos da sua vida, como costumes, gostos e outros rastros da memória. Então uma peça publicitária que usa foto de uma família de mãos dadas pode me remeter a um sentimento de felicidade e conforto, outra de uma mulher dançando me remete ao glamour de uma grande festa, pessoas na praia tomando sol despertam tranquilidade e me fazem lembrar da maresia, entre outros exemplos. O visível desta imagem é invisível, porque apesar de termos em mãos uma imagem real, ela é coberta por camadas de realidade que necessitam ser
  16. 16. 16 exploradas mais a fundo. Assim como diz Merleau-Ponty em sua obra “O Visível e o Invisível, "Ver é sempre mais do que se vê... Na medida mesmo em que vejo, não sei aquilo que vejo” (Merleau-Ponty, M. 1971. O visível e o invisível).
  17. 17. 17 INSTAGRAM Antes mesmo da criação do Instagram, em 2003, um caso recebeu grande atenção mundial, quando soldados norte-americanos abusaram e violentaram prisioneiros de Abu Ghraib, uma prisão no Iraque. Mais de uma década após estes acontecimentos, as imagens que mostram prisioneiros desnudos, apenas com capuzes sinistros na cabeça; prisioneiros acuados e encolhidos e diversas fotos de humilhações pornográficas, como posições de sexo simuladas e corpos nus empilhados em uma terrível pirâmide humana, ainda causam terror. Obviamente que os soldados responsáveis pelas fotos não esperavam que isto fosse a público, mas com a criação das câmeras digitais e da internet, aquele abuso foi transformado em um grande espetáculo midiático depois que as imagens foram descobertas e reveladas pelo soldado Joseph Darby. Transformadas em um show, porque estas imagens foram vistas pelos seus responsáveis como prova de conquista, poder e força. Além disso, estas também são uma afirmação do controle dos Estados Unidos sobre a sociedade Iraquiana, que ficou revoltada ao ter acesso às imagens. Há tempos que a fotografia vem sendo usada para ampliar os efeitos psicológicos da violência e, no caso de Abu Ghraib, foi muito bem representada pela oficial Sabrina Harman, que enviou uma foto sua, sorrindo com o polegar para cima, ao lado de um cadáver. Na carta enviada ao seu pai junto à foto, ela diz “hoje vi o meu primeiro cadáver” e parece feliz com isso. Houve grande repercussão no julgamento dos responsáveis, que afirmavam ter recebido ordens de superiores, comandos para “amolecer” as testemunhas antes de interrogá-las. Aqui a imagem dos torturadores é modificada e rodeada de sentimentalismo, o que traz a tona o termo utilizado por Hannah Arendt: “a banalidade do mal”. Por causa da estética destas fotos, onde os soldados aparecem sorrindo em meio à violência, os torturadores não têm uma imagem sinistra associada aos fatos, mas sim, imagem de um cidadão comum, um jovem imaturo que estava apenas seguindo ordens. Após a automatização da imagem, registrar a realidade se tornou parte da nossa vida, o que provocou certa erosão na privacidade e inversão dos conceitos de público e do privado. Na era do Instagram, ferramenta que nos diz
  18. 18. 18 que o mundo é melhor se partilharmos tudo, estamos sujeitos a imagens que misturam uma experiência de prazer com desconforto, que jamais deveriam ser vistas. Certos eventos parecem desaparecer quando não são acompanhados de imagens. Será essa a razão pela qual o compartilhamento de fotos nas redes sociais faz tanto sucesso? Por causa do medo de sermos esquecidos? Por meio do Instagram fazemos questão de não sermos esquecidos, ou melhor, de sermos lembrados a todo instante, uma forma de mostrarmos que estamos aqui, que existimos. Assim como define Guy Debord em “A Sociedade do Espetáculo”, o espetáculo é a afirmação da aparência e se apresenta como algo grandioso e positivo, com uma única mensagem: “o que aparece é bom, o que é bom aparece” (Debord, G. 2000. A sociedade do espetáculo). Quando o mundo real é convertido e reduzido a imagens, estas se tornam seres reais, porém, são seres reais do sonho de uma sociedade que dorme acordada. Indivíduos transferem os seus desejos para a realidade por meio de imagens criadas, por eles próprios. Este espetáculo, que está em diversos lugares, representa uma alienação, onde quanto mais o indivíduo aceita estas imagens e signos impostos pela publicidade e lógica do consumo como sua necessidade, menos ele entende a complexidade do seu interior e seus próprios desejos. Nesta análise o foco fecha-se na ferramenta Instagram e quais os níveis da espetacularização da realidade ela promove no âmbito das redes sociais. O Instagram, nosso objeto de análise, foi criado pelo norte-americano Kevin Systrom e pelo brasileiro Mike Krieger, e lançado no dia 6 de outubro de 2010. Em dezembro de 2010 atingiu 1 milhão de usuários e em setembro de 2012 já chegava a 10 milhões. Hoje já atinge a marca de 200 milhões de usuários, com 20 bilhões de fotos compartilhadas no total, contabilizando todos os dias uma média de 60 milhões de fotos compartilhadas e 1,6 bilhões de curtidas (Fonte: site oficial do Instagram. Disponível em: http://instagram.com/press/). Este aplicativo atrai cada vez mais usuários pela sua eficácia: fazendo uso apenas de imagens e vídeos de até 10 segundos é perfeito para o hiperconsumidor, que está sempre em busca de novidades e, melhor ainda, fácil de entender, sem precisar de mais que um segundo para ser
  19. 19. 19 compreendido. Esta ferramenta também possibilita que marcas e empresas paguem para que suas fotos ou vídeos apareçam em anúncios patrocinados. Já os usuários têm a possibilidade de escolher não visualizar estes anúncios ou dar feedback para as empresas. Atualmente, mais de 2.500 marcas possuem perfis na ferramenta e as mais populares são Nike, Starbucks e Adidas. A BI Intelligence, segmento de pesquisa da revista Business Insider, calculou que a cada cinco pessoas no mundo, uma possui smartphones e, a cada 17 pessoas, uma possui algum tipo de tablet. Atualmente as marcas utilizam estes dados a seu favor e usam as redes sociais como sua nova vitrine, onde podem expor, vender e difundir o seu estilo de vida com mais facilidade. Mas por que escolher o Instagram como vitrine, se o Facebook, por exemplo, tem mais usuários? Exatamente porque o Instagram exalta a mesma coisa que a publicidade: a imagem. Apesar de o Facebook possuir mais usuários (uma média de 864 milhões de usuários ativos diariamente e 1.35 bilhões de usuários ativos por mês), ele utiliza muito mais do que apenas imagens e seus usuários utilizam a ferramenta principalmente para compartilhar conteúdo já existente online, façam check-in em algum local e expressem sua opinião de maneira escrita no seu status (Fonte: Company Info. Disponível em: http://newsroom.fb.com/company-info/). Enquanto isso, o Instagram utiliza exatamente o que a publicidade nos condicionou a assimilar, a imagem. Apesar de algumas pessoas compartilharem conteúdo criado por outras pessoas, o espaço desta ferramenta é quase que inteiramente dedicado a fotos e vídeos próprios. Assim como as marcas, pessoas comuns também utilizam esta vitrine online para mostrar e criar o seu próprio estilo de vida. A descrição oficial do Instagram, retirada do site do aplicativo, faz todo o sentido: "Faça uma foto ou vídeo, escolha um filtro para mudar sua aparência e publique no Instagram - é fácil assim. Você pode até compartilhar com o Facebook, Twitter, Tumblr e outros aplicativos. É uma nova maneira de ver o mundo". Tire uma foto sua, mude a aparência (para melhor, é claro) e veja o mundo de outra maneira, ou seja, crie o seu mundo, o seu novo “eu” e seja muito mais feliz! A Nike, por exemplo, utiliza frases em suas propagandas como “A vida é um
  20. 20. 20 esporte” ou seu slogan mais famoso “Just do it” (em tradução livre, “Apenas faça”). Essas e outras frases motivacionais são a “alma” desta marca, que busca incentivar os seus compradores e seguidores a mudar e aproveitar sua vida neste instante. A Adidas utiliza slogans semelhantes, como “Nada é impossível”, ou seja, use e siga nossa marca e alcance os seus sonhos. Muito além do uso de fotos em locais paradisíacos, grandes marcas também fazem parcerias com artistas famosos, para chamar ainda mais a atenção de seus consumidores e até de outros usuários do Instagram que podem aderir ao estilo de vida da marca por gostarem de determinada celebridade. As grandes marcas também utilizam o Instagram e criam hashtags (#justdoit, por exemplo), para unir o seu estilo de vida com o de seus seguidores. Por meio das hashtags publicamos fotos pessoais interligando nossa vida com o estilo de vida da marca. Isto reforça a tese de que a personalidade que compartilhamos, nem mesmo é nossa, mas uma junção de imagens e conceitos criados pela publicidade: nós nos identificamos, mesmo que um pouco, com certos conceitos, reunimos diversos deles e com pequenas modificações, criamos o nosso “eu”. Passamos tanto tempo na frente da televisão ou imersos no mundo digital, locais onde a lógica da publicidade assume uma dinâmica diversificada e ininterrupta que passamos a consumir muito mais do que produtos. Éramos consumidores de objetos, informações e experiências e agora, somos também consumidores de intimidade. Nesse contexto, as fantasias, o banal, o erotismo, os sentimentos subjetivos, tudo se torna objeto a ser expresso e consumido em profusão. (...) Depois do sensacionalismo das notícias e dos furos da vida política, nossa época é magnetizada pelo exibicionismo da intimidade do homem comum. (Lipovetsky, 2006. A Felicidade Paradoxal – Ensaio Sobre a Sociedade do Hiperconsumo). A publicidade permeia a mídia, que prolifera narrativas e imagens que retratam "a vida como ela é". Tentamos nos aproximar da vida destes artistas e, ao comprar um produto da marca que este representa, criamos um sentimento de afinidade e intimidade, por termos os mesmo gostos.
  21. 21. 21 Crédito: Foto retirada do Instagram da Nike Legenda: Se você não correr riscos, sempre terá arrependimentos #justdoit Crédito: Foto retirada do Instagram da Adidas Parceria da marca com o cantor e produtor Pharell Williams
  22. 22. 22 Enquanto isso a vida tende a se ficcionalizar, voltando-se aos códigos midiáticos e aos recursos dramáticos da mídia audiovisual, os quais fomos condicionados a assimilar ao longo das últimas décadas. Espetacularizar o eu consiste precisamente nisso: transformar nossas personalidades e vidas (já nem tão) privadas em realidades ficcionalizadas com recursos midiáticos. (...) Um tipo de subjetividade que responde à lógica da visibilidade e da exteriorização do eu, uma autoconstrução que utiliza recursos audiovisuais e, portanto, seu cenário preferencial só pode ser uma tela. (Sibilia, 2008. O Show do Eu). Ocorre uma intensificação e valorização da experiência vivida, como se o real já não bastasse, não fosse o suficiente. Ao mesmo tempo cresce cada vez mais o fascínio pela vida real, não é mais requisito ser famoso ou ter uma vida interessante, contanto que sejam vidas autênticas, protagonizadas por um eu de verdade (ou que pelo menos pareça real). O Instagram pode ser comparado a uma biografia composta apenas por imagens que focam o seu conteúdo na fofoca, em testemunhos e confissões. Assim como afirma Paula Sibilia, "há uma persistente obsessão pelo nível mais epidérmico do verdadeiro, por mais trivial que este seja" (Sibilia. P. 2008. O Show do Eu). Não queremos apenas conhecer a música de certo cantor, o trabalho de determinado artista, queremos conhecer o sujeito, sua vida, intimidades, gostos.
  23. 23. 23 SELFIE Em 1839, Robert Cornelius foi o primeiro a tirar uma foto de si próprio. Aproveitando-se do processo lento das máquinas da época, o norte-americano retirou a lente da máquina, correu para frente da lente, onde ficou por um minuto, para depois cobrir a lente. Para mim, isso ainda não é uma selfie porque Cornelius não estava segurando a câmera, mas representa uma inovação para a época, a primeira expressão deste desejo de retratar a si próprio. A primeira selfie, termo usado nas redes sociais para autorretratos, registrada na história é de 1914, e foi tirada pela princesa da Rússia, Anastasia Nikolaevna, filha do czar Nicolau II. Na época com 13 anos de idade, ela apontou uma câmera para o espelho e registrou sua imagem. Ela encaminhou a foto para o seu pai com uma carta, onde em certo trecho diz: “Eu tirei esta foto minha olhando no espelho. Foi muito difícil porque minhas mãos estavam tremendo”. Robert Cornelius, 1839
  24. 24. 24 Já a primeira selfie em grupo registrada na história, foi tirada em dezembro de 1920, em um telhado em Nova York, por um grupo de fotógrafos da Byron Company. Atualmente este tipo de foto foi nomeado pelos usuários do Instagram de usie, junção de “us” (nós, em inglês) com selfie. Após a mecanização da imagem, a fotografia veio para popularizar o retrato, para ajudar na reprodução do real, sem permitir amplas interpretações do que fora registrado. Para alimentar os desejos das pessoas comuns, a indústria investiu na produção de máquinas que atendessem às necessidades dos consumidores e em 1888 a Eastman Kodak Company, fundada por George Eastman, lançou o filme em forma de rolo. Podemos dizer que foi a partir da criação da cabine fotográfica que surgiu o primeiro formato das selfies e usies. Sozinho ou em grupo, já era popular tirar fotos deste tipo para recordação, a diferença é que estas eram impressas em papel, ao invés de serem compartilhadas constantemente para que os outros vejam as nossas memórias. Princesa da Rússia, Anastasia Nikolaevna, 1914
  25. 25. 25 Fonte: Fotografias da coleção do Museu da Cidade de Nova York
  26. 26. 26 As inovações tecnológicas chegaram ao alcance do público e apesar de já existir muito antes da criação do Instagram, o autorretrato foi popularizado e se expandiu em 2009 após a Apple lançar a câmera frontal no Iphone 4. Foi a partir daí que a febre da selfie tomou conta das redes sociais, principalmente no Instagram. Com essa novidade, tirar fotos de si mesmo se tornou muito mais fácil, já que a partir deste momento não é mais necessário virar o celular e direcionar a câmera. Mas por que queremos compartilhar nossa imagem? Porque de alguma maneira, é por meio desta ferramenta que buscamos aceitação de nossos amigos, conhecidos e até mesmo desconhecidos. Compartilhamos para receber curtidas e comentários, uma forma de autoafirmação do nosso eu, da nossa personalidade e também da nossa felicidade. Pesquisadores da universidade norte-americana Harvard fizeram um estudo em 2012 que prova que falar de nós mesmos e receber curtidas em nossas fotos gera liberação de dopamina, o hormônio do prazer, em nosso corpo. Este mesmo estudo também testou a teoria de que as pessoas valorizam muito mais suas próprias experiências do que a de outros. A pesquisa concluiu que as pessoas preferem falar sobre a sua opinião ao invés de julgar opinião de outros ou responder questões factuais. Falar sobre si traz mais prazer e compartilhar coisas pessoais, também. No Instagram podemos encontrar diversas confirmações deste narcisismo movido pela imagem. Em alguns perfis, o usuário comemora o seu próprio aniversário com a publicação de uma foto sua. Assim, mostra que não precisa que ninguém se lembre de seu aniversário ou lhe dê parabéns, quando pode comemorar sozinho e avisar a todos por meio da ferramenta, que é “o seu dia” e exaltar este momento, que é apenas seu. Os usuários da ferramenta procuram sempre mostrar o quanto são felizes, o quanto sua vida é maravilhosa e, aos olhos de quem vê, possuem uma vida perfeita, o que obviamente é irreal, já que a felicidade é um estado passageiro. Já foi dito que buscamos aceitação por meio de publicações, mas como isso acontece? Quando publicamos fotos do nosso rosto ou de momentos pessoais, calmamente calculados, esperamos receber comentários que elogiam nossa imagem. Mas o que mais outros poderiam comentar, quando se trata de uma foto do seu rosto, por exemplo? Além de não comentar nada ou comentar algo
  27. 27. 27 positivo sobre sua beleza, é impossível dizer qualquer coisa que vá além disso, já que o foco está totalmente voltado para o “eu” e não há informação alguma nesta imagem além do seu rosto. Isto é exatamente o que alguns buscam com auxílio do Instagram para inflar o seu ego e se sentir mais atraentes. Além disso, quanto maior a quantidade de curtidas, maior é a autoconfiança, porque esta é a aprovação, apesar de ser banal, de que nossos seguidores gostaram da foto. Ou seja, ao mesmo tempo em que refletimos nosso “eu” com segurança, felicidade extrema e uma vida maravilhosa, se não tivermos curtidas ou bons comentários, isto pode refletir de maneira negativa, provocando o efeito contrário do esperado e aumentado a insegurança. Podemos dizer que isto gera ainda mais insegurança, pois precisar de aprovação por meio de redes sociais em si, demonstra que esta insegurança já existe. Fonte: http://johnholcroft.com (imagem modificada)
  28. 28. 28 Apesar de não haver nada de errado em querer se sentir bonita ou ter aprovação de amigos e conhecidos, tirar mais de 30 selfies, até encontrar a melhor foto e esperar ansiosamente e constantemente por aprovação no mundo virtual, pode aumentar a insegurança. É neste momento que certos usuários passam a publicar e compartilhar fotos de si mesmo compulsivamente, para que a todo instante tenham uma confirmação de sua beleza. Quando uma pessoa tira diversas selfies, pode acabar desenvolvendo um senso de si próprio baseado em como está sua aparência nestas fotos. Além disso, a reação de outros às nossas fotos também pode influenciar na maneira que vemos nós mesmos. Logo, as selfies podem ser vistas como a manifestação de uma obsessão da sociedade pela imagem e o seu narcisismo. Há uma sensação de que as pessoas que compartilham selfies estão estrelando o seu próprio reality show, inflando o seu eu, o que as faz acreditar que os seus amigos ou seguidores estão realmente interessados em vê-las deitadas na cama, acordando, mandando beijos para a câmera. É como se olhar no espelho durante o dia todo e deixar os outros assistir você fazendo isso. Mostrar quem você é, não apenas para os outros, mas também para si próprio, apenas pela sua aparência, no fim das contas, não diz nada sobre você. Essa obsessão pela imagem nos deixa tão distraídos, mergulhados por inteiro na nossa timeline do Instagram, analisando a imagem compartilhada de nossos amigos e conhecidos, que acabamos nos descolando da vida real e esquecemos, mesmo que por um instante, que a vida de qualquer um vai muito além daquelas imagens. O problema é quando sua vida é apenas reduzida a aquelas imagens e aos efeitos que elas causam em outros. Segundo Paula Sibilia: Quanto mais a vida cotidiana é ficcionalizada e estetizada com recursos midiáticos, mais avidamente se procura uma experiência autêntica ou verdadeira. Busca-se o realmente real, algo não encenado – ou, pelo menos, que assim pareça. Uma das manifestações dessa fome de veracidade na cultura contemporânea é o anseio por consumir lampejos da intimidade alheia. (Sibilia, 2008. O Show do Eu).
  29. 29. 29 Então além do interesse pelo compartilhamento do meu eu, consumir o eu dos outros também faz parte deste movimento, do qual a internet é o palco. Ao mesmo tempo em que nos dá prazer compartilhar o nosso eu, nos sentimos mais próximos e gostamos de ter acesso a detalhes íntimos e banais da vida do outro, por meio de curtidas e comentários “participamos” da vida de outros. De acordo com Paula Sibilia, estes são “pequenos espetáculos descartáveis, algum entretenimento engenhoso sem maiores ambições, ou então celebrações da mais vulgar estupidez”. Um estudo feito em 2013 na Birmingham Business School, no Reino Unido, descobriu que o fenômeno da selfie pode causar danos nas relações da vida real, concluindo que o excesso de compartilhamento de imagens – incluindo autorretratos – torna as pessoas menos simpáticas aos olhos dos expectadores. O mesmo estudo também concluiu que aumentar a frequência de publicações de selfies está relacionado a uma diminuição de intimidade com outros. Em primeiro lugar, colocar tanta ênfase na sua imagem pode fazer com que outros se sintam mais conscientes em relação a sua própria imagem quando estão perto de você. E, além disso, a pressão para estar sempre pronto e perfeito para fotos podem aumentar os problemas com autoestima e também sentimentos de competição entre amigos. Sempre devemos nos questionar sobre o motivo de estarmos tirando e publicando fotos: o que elas fazem por mim? Publicar fotos pode ajudar a reajustar os padrões ideais de beleza, como faz a atriz Lena Dunham, por exemplo, com suas fotos divertidas e que mostram o seu corpo, que não se encaixa em um traje com tamanho 36, difundido pelas imagens da publicidade como o “ideal”, mas mostra que é feliz e aceita o seu verdadeiro eu. Apesar disso, compartilhar fotos compulsivamente também pode ajudar a reafirmar a ideia de que o que mais importa neste mundo é a imagem, das coisas e pessoas. Todos estão tão fixados em sua própria imagem, na das pessoas ao seu redor e também em controlar esta imagem, para que estejam sempre perfeitas, que frequentemente acabam não aproveitando o momento na vida real. Quando a sua prioridade se volta para a captura de imagens ao invés de se focar nas suas reações em pessoa, naquele momento, é quando
  30. 30. 30 documentar e compartilhar estas ocasiões se tornam mais importantes do que vivê-las. Precisamos questionar o conceito de Punctum e Studium, desenvolvidos por Roland Barthes no livro "A Câmara Clara". O punctum forma, juntamente com o studium, a dualidade que norteia o interesse pela foto. Seria em outras palavras: o objetivo (studium) e o subjetivo (punctum) da foto. Para Barthes, o studium é um interesse guiado pela consciência, o objeto de análise geral nas fotografias, como aspectos que determinam o contexto de época e a cultura, por exemplo; já o punctum tem caráter subjetivo, é um interesse que se impõe a quem olha a foto, diz respeito a detalhes que tocam emocionalmente o espectador e variam de pessoa para pessoa, é o que instiga na foto, o que fere o apreciador. O punctum interessa justamente porque é a própria subjetividade do leitor: ele Crédito: Foto retirada do Instagram da atriz Lena Dunham
  31. 31. 31 é pessoal e intransferível, cada um enxergará o seu. Pergunto-me, qual seria o Punctum neste momento de obsessão profunda pelas selfies? Para mim, este é o momento em que o Punctum é assassinado, porque com milhares de fotos de rostos, este conceito deixa de ser subjetivo e passa a ser o mesmo para todos: o eu, meu rosto, minha vida. O studium, por outro lado, também desaparece nas selfies, porque o foco está totalmente voltado para o eu e não para o ambiente. Desta maneira, é quase impossível determinar o contexto em que estas imagens foram registradas. Um indivíduo vai a um festival de música, por exemplo, e registra na memória do seu celular momentos que ele não quer esquecer. As imagens têm o seu foco voltado para o eu, mesmo com diversas outras coisas acontecendo: eu no show de certo artista, onde a imagem só registra o seu rosto e não mostra nada mais ao seu redor. Isso mostra que todo o ambiente e o contexto, o studium, são descartados em detrimento da exaltação do eu, aqui e agora. A tristeza é um tabu nas redes sociais, um imaginário criado onde buscamos mostrar o quanto somos felizes o tempo inteiro, ou seja, onde criamos nossa personalidade, que é orientada para e pelos outros. Pensando nisso, o guia de viagem online Jetpac conduziu um estudo um tanto controverso focado no Instagram para descobrir onde estão as pessoas mais felizes do mundo. Primeiro os pesquisadores identificaram os locais mais populares ao redor do mundo, se baseando na quantidade de usuários que haviam compartilhado fotos nestes locais. Depois, analisaram mais de 150 milhões de fotos compartilhadas nestes locais nos últimos 12 meses para comparar o "placar de sorrisos" de 124 países. De acordo com o CEO e co-fundador do Jetpac, Julian Green, "quanto maior o sorriso, maior a pontuação". Apesar de todos os problemas existentes em nosso país, o Brasil é o lugar onde as pessoas são mais felizes, pelo menos no Instagram. Sabemos que não podemos julgar a felicidade de ninguém com base apenas em sorrisos, mas com a publicidade nos convencendo há décadas de que a imagem é o que mais importa, as personalidades e estilos de vida compartilhados no Instagram fazem todo o sentido, mas não necessariamente são reais.
  32. 32. 32 O Instagram ajuda diversas pessoas a difundirem o seu estilo de vida e, por causa dessa busca obsessiva pelo real e pelo íntimo, muitos acabam se sensibilizando ou apoiando outros por causa de seus compartilhamentos. Por exemplo, um casal (Aline Molinari e Rodrigo Saad) resolveu mudar seus hábitos alimentares e emagrecer juntos e, para acompanharem o seu progresso criaram uma conta no Instagram, chamada @rodridrialiliteam. Tudo começou como algo direcionado apenas para eles e seus amigos, mas com o tempo, sua conta no Instagram começou a receber engajamento de desconhecidos. Diversas pessoas passaram a acompanhar a vida saudável do casal, que hoje já conta com mais de 7.000 seguidores em seu perfil. Outro rosto muito conhecido atualmente, quando se fala em vida saudável, é o de Gabriela Pugliesi, de 27 anos, que trabalhava no escritório de uma joalheria, mas se demitiu para conseguir agenciar a fama do seu perfil no Instagram. Com mais de 800 mil seguidores e apoiadores do estilo de vida saudável em seu perfil, que envolve exercícios físicos e uma alimentação balanceada, a baiana também compartilha outras dicas em seu blog, o Tips 4 Life.
  33. 33. 33 Ela recebeu tanta atenção da mídia que acabou criando a geração Pugliesi, onde adeptos do mesmo estilo de vida alimentam o Instagram com milhares de fotos todos os dias de treinos e receitas lights, com a hashtag #geracaopugliesi. Pugliesi, que se diz viciada em exercícios, hoje em dia dá palestras para contar como se mantém saudável, o que come e como treina. Estes são exemplos de como uma pessoa comum, como eu, você e todos nós, pode se tornar famosa se conseguir chamar a atenção da mídia. Com ajuda da internet nos identificamos, nos vemos em diversos destes perfis e muitos se sensibilizam ou usam esta ferramenta como apoio moral. Recentemente um movimento ocorreu em torno de uma conta de um cachorro no Instagram. O cão foi chutado e resgatado por Aline Harada, mas perdeu a mobilidade das pernas traseiras. Por causa do perfil criado na ferramenta pela a dona, diversas pessoas se mobilizaram e começaram a mandar doações para ajudar a pagar as fraldas e consultas médicas do cachorro. A mídia transforma este tipo de situação em notícia, um grande show, utilizando sentimentalismo para comover os seus leitores, como fez o jornal O Estado Online ao publicar a notícia “Página no Instagram ajuda cãozinho que perdeu movimentos após agressões”. (Fonte: O Estado Online. Acesso em: 30/10/2014. Disponível em: http://www.oestadoonline.com.br/2014/10/pagina- no-instagram-ajuda-caozinho-que-perdeu-movimentos-apos-agressoes/). Na notícia, o jornal exalta principalmente as características do cão, retratado como alegre, agitado e “como qualquer outro cachorro, não dispensa brincadeiras”. Além disso, os “episódios de sofrimento do passado” são contados de certa maneira para humanizar este cachorro, para que o leitor se envolva na situação. Não estou aqui dizendo que este cão não merece ajuda ou não merece ser salvo, estou apenas criticando o tipo de notícia propagado pela mídia, que enaltece este tipo de situação e estimula esta falsa fama em vista a acontecimentos banais e fúteis. A publicidade também exalta certos estilos de vida focados na moda, por exemplo, onde marcas pagam para blogueiras, que também são famosas no Instagram, para divulgar o seu produto. Nomes como Camila Coelho (@makeupbycamila), com mais de 1,8 milhões de seguidores ou Thássia
  34. 34. 34 Naves (@thassianaves), com 865 mil seguidores, são vistos em sites e revistas como referências de moda o tempo todo. Com posts de imagens de viagens, comida, acontecimentos do dia-a-dia, fotos com famosos, maquiagem e moda, o Instagram foi invadido por milhares de fotos de pessoas comuns que têm ou curtem “o mesmo” estilo de vida. Garotas comuns, com vidas comuns, que são famosas e hoje já podem considerar o seu perfil na ferramenta como sua profissão. Pode ser considerado o seu sustento porque devido à grande visibilidade destes novos famosos nas mídias por pessoas comuns, como eu e você, as marcas passaram a investir nestes para divulgar o seu produto. Já que há interesse pelas intimidades destas celebridades do Instagram, os seus seguidores se interessam em saber a marca das roupas, cor de esmalte, cosméticos e até, por exemplo, o local onde estas cortam o cabelo. Visto o aumento de interesse das pessoas em difundir o seu estilo de vida criado, este ano a Faculdade Belas Artes de São Paulo lançou um curso de graduação de curta duração (4 semestres), chamado Mídias Sociais Digitais. Com disciplinas que abordam moda, design, estilo de vida, styling, empreendedorismo, estratégia de negócios e marketing pessoal para preparar o aluno a produzir conteúdo relevante e fazer disso sua profissão. (Fonte: Faculdade Belas Artes. Disponível em: http://www.belasartes.br/processo- seletivo/?pagina=cursos-oferecidos&curso=midias-sociais-digitais&matriz). Estes são exemplos de como a espetacularização da mídia e as técnicas de publicidade permearam a nossa vida pessoal e estamos transformando nossas vidas em um produto. A ex-modelo e blogueira de moda Martha Graeff, por exemplo, publica diariamente fotos impecáveis da sua vida (perfil @marthagraeff), porém, a maioria delas é de campanhas publicitárias. Para a fashionista, o Instagram é uma ferramenta crucial para o seu trabalho, pois por meio dela consegue atingir pessoas de diversos países e também vender produtos das marcas que é associada. “Normalmente as pessoas que usam o Instagram refletem a imagem que querem. Não acho que minha vida seja sempre glamorosa, cheia de viagens, roupas lindas e sorrisos. Mas preciso passar uma imagem do que realmente é minha paixão: a moda. Não acho que as pessoas gostariam de me ver de pijamas assistindo televisão”, comenta Graeff.
  35. 35. 35 Para ela, o Instagram é utilizado muito mais como uma ferramenta de trabalho, do que uma ferramenta pessoal, então suas imagens são direcionadas para o que os seus seguidores querem ver, não necessariamente como ela se vê. Apesar de ela saber disso, muitas vezes, expectadores do seu perfil podem se sentir inferiores ao invejar sua vida “perfeita”, mas esquecem de que aquela imagem, refletida por meio de uma rede social, não exclui aquela pessoa como um ser humano, que tem problemas e desafios pessoais como qualquer outro. Diversos perfis do Instagram possuem patrocínio e acabam refletindo sua vida de outra maneira, com influências de marcas. O corredor Leopoldo Longo (perfil @poldolongo), possui patrocínios diversos, sendo o principal da Everlast. Para ele, o lado positivo deste apoio é a redução do custo em equipamento e também um contato maior com pessoas do segmento do esporte. Porém o esportista também destaca os lados negativos desta parceria. “Você para de viver sua vida como um ser humano e se torna uma extensão daquela marca, então você precisa se policiar com tudo o que faz, aonde vai e com quem anda, pois qualquer erro pode ser negativo para a sua imagem e a da marca”, diz Longo. Outro ponto negativo citado por ele é que diversas pessoas passam a te julgar pelos produtos que ele recebe. “Seus amigos acham que você está rico e, sem perceber, te excluem por achar que você está se “achando”. Além disso, você também acaba atraindo pessoas que só querem estar ao seu lado pelas coisas materiais que você tem e, tenho certeza, que estas fariam qualquer coisa para ter as mesmas coisas que você”. Apesar de o patrocínio ser bom para a evolução da sua carreira, as pessoas passaram a ver sua imagem de uma maneira diferente, ou seja, mude sua imagem e você mudará também o seu “eu”, ou pelo menos como outros enxergam este “eu”. Este exemplo nos faz perceber claramente que a influência da publicidade nos transformou em um produto. Mas não somos um produto comum, como um carro ou uma peça de roupa, somos a junção das experiências proporcionadas por diversas marcas e os seus estilos de vida, onde nos transformamos, ou melhor, criamos a nossa personalidade, o nosso “eu” único: Mas se é isso que se constrói e se cultiva com esmero nesses espaços da internet saturados de eu, o que seria mesmo uma personalidade? Existem
  36. 36. 36 várias definições possíveis para esse termo tão rico em conotações. Neste contexto, porém, a personalidade é sobretudo algo que se vê: uma subjetividade visível, uma forma de ser que se cinzela para ser mostrada. Por isso estas personalidades são um tipo de construção de si alterdirigida, ou orientada para e pelos outros – em oposição ao caráter introdirigido ou orientado para dentro de si mesmo... (Sibilia, 2008. O Show do Eu). Sibilia define o nosso tempo como o “... império das subjetividades alterdirigidas, o que se é deve ser visto – e cada um é aquilo que mostra de si”. É como ver uma pessoa com uma máscara, onde precisamos chegar mais perto, nos envolver, para conseguir retirar a máscara e enxergar o real. Porém com as relações sociais, a cada dia mais, sendo transferidas para o plano digital, nos comunicamos com esta máscara colada ao nosso rosto. “Ver é sempre mais do que se vê", porque somos mais do que imagens e perfis digitais. Se nossa visão se acostumar e aceitar tudo o que vê e não tiver curiosidade para ir além das banalidades e futilidades da intimidade, enxergaremos tudo sempre com a mesma profundidade. Precisamos nos esforçar para desdobrar a visão do mundo para além do fútil e do espetáculo, para multiplicar as imagens com o poder da imaginação, para além do visível.
  37. 37. 37 IMAGEM E CONTROLE Mas esta unicidade e individualidade são reais até que ponto? Aqui a influência da publicidade e das marcas vai além e atinge nossa vida pessoal. Não queremos apenas comprar, queremos vivenciar aquela compra e aquele estilo de vida, então passamos a encaixotar modos de viver e estilos "individuais" fabricados. Apesar disso, o consumidor não é totalmente passivo e hipnotizado pela publicidade, ele continua a ser um sujeito que filtra essas informações de acordo com os seus gostos, interesses e valores. Porém, acaba se distraindo facilmente com o mundo de possibilidades apresentado pela publicidade. Consideremos a definição de sociedade de controle do filósofo Gilles Deleuze. Para ele trata-se de um sistema criado para moldar as subjetividades e que se encontra apodrecido por estar "inteiramente penetrado pelo dinheiro: não por acidente, mas por natureza". Assim, entendemos sua sentença à sociedade de massa: "O marketing é agora o instrumento de controle social, e forma a raça imprudente de nossos senhores" (Deleuze, G. 1992. Conversações). Estes senhores manipulam um fantástico instrumento que tem poder de instalar os ideais das massas em nós mesmos. Então a sociedade acredita e atesta que somos todos diferentes, mas só existem mais modelos e tipos de vida criados para seguirmos ou ainda, para aceitarmos. No Instagram, somos solicitados o tempo todo a participar, interagir com nossos amigos ou outros perfis, e a compartilhar, mostrar o nosso autêntico “eu”. Ou como aponta Foucault: Em todo caso, o que gostaria de assinalar é que, de qualquer maneira, quando vemos hoje a significação, ou antes, a ausência total de significação e pensamento que conferimos a expressões - ainda que muito familiares e percorrendo incessantemente nosso discurso, como: retornar a si, libertar-se, ser si mesmo, ser autêntico, etc. -, quando vemos a ausência de significação e pensamento em cada uma dessas expressões empregadas, parece-me não haver muito do que nós orgulharmos nos esforços que hoje fazemos para reconstituir uma ética do eu. (Foucault, 2004. A Hermenêutica do Sujeito). Talvez seja possível que esta ausência de pensamento e sentido mencionada por Foucault, tenha a ver com a produção de diferença que não faz diferença
  38. 38. 38 alguma. O sujeito é livre para ser quem ele quer, mas ele já é de antemão um ser massa. O sistema de comunicação atualmente propagandeia o respeito às diferenças, mas no final das contas está apenas dizendo: seja igual a todo mundo, do seu jeito. Desta maneira nossa própria vida passa a ser um produto influenciado por imagens criadas e vendidas pela publicidade, acabamos espetacularizando e vendendo a nós mesmos por meio desta vitrine virtual, o Instagram. Segundo a psicanalista Maria Rita Kehel: Essa imensa tolerância das sociedades da hipermodernidade não é, como parece, uma abertura para o novo, e sim prova do triunfo do individualismo do mercado. Diferentes manifestações do mesmo convivem pacificamente no mundo contemporâneo sob uma mesma forma dominante: a mercadoria. (Kehel, 2005. Muito Além do Espetáculo. NOVAES. Muito além do espetáculo). É por isso que as imagens da cultura de massa são "vazias", porque têm uma forma sem especialidade, que abrange o maior número de significados possíveis. A comunicação se perde nas banalidades e procura despertar emoção, para isso ela procura ser, ao mesmo tempo, uma coisa, seu oposto e qualquer outra coisa entre os dois. Este espetáculo é criado para chamar atenção e, às vezes, ocorre em correntes, com engajamento mundial em diversas redes sociais. Como por exemplo, as hashtags #nomakeup #nomakeupselfie, que invadiram todas as redes sociais, onde mulheres compartilharam selfies sem maquiagem. Este é um exemplo deste show em que transformamos nossa vida virtual, onde podemos retocar as fotos para encobrir qualquer coisa indesejada na nossa imagem e ainda assim utilizar a hashtag #nomakeup em nossas fotos. Este movimento busca incentivar as mulheres a não usarem maquiagem e exaltar a beleza natural, mas também pode ser visto como uma crítica a nossa sociedade, que segue os padrões de beleza definidos pela publicidade, com imagens de mulheres e homens jovens, atléticos e glamourosos. Estes modelos estéticos são difundidos com ajuda dos meios midiáticos, penetram as mídias sociais e nós refletimos estes na nossa personalidade e fotos. Além disso, diante de todas as ferramentas de edição disponíveis online,
  39. 39. 39 todos nós podemos editar uma foto, removendo manchas, rugas, olheiras, aumentar os lábios, enfim, modificar a nossa aparência para algo próximo a nossa aparência real. Ao mesmo tempo em que as participantes do movimento #nomakeup querem criticar estes modelos estéticos criados pela publicidade, entram em contradição, porque não querem compartilhar uma foto onde a sua aparência não as agrada, quando acreditam que não estão bonitas, então modificam sua imagem, exatamente da maneira que a publicidade nos condicionou a fazer. Então como poderíamos provar que esta ou qualquer imagem são reais? Nem precisamos ter este trabalho, porque estas imagens são apenas grãos de instante, um milésimo de segundo da nossa vida que é transformado em algo maior do que a própria realidade, para que sejamos notados em meio a fotos do cotidiano de milhares de pessoas. As pessoas gostam de ser vistas, de criar e controlar sua individualidade, sua vida, e compartilhar esta não ficção autocentrada, este espetáculo do eu. O foco das imagens é totalmente voltado ao autor/personagem e seu estilo de vida, sua personalidade. As fotos são voltadas para o eu, eu com meus amigos, eu em um show, eu na praia. O importante aqui não é o ambiente, mas sim o eu nestes locais, como um comprovante de uma vida feliz. Além de ter perdido o amparo de todo um conjunto de instituições tão sólidas como os velhos muros do lar, o eu já não se sente mais protegido pelo perdurável rastro do passado individual e nem pela âncora de uma intensa vida interior. Para se fortalecer e para constatar sua existência deve, a todo custo, tornar-se visível. (Sibilia, 2008. O Show do Eu). À medida que a realidade virtual se difunde, as distâncias entre presença e experiência, representação e referente, produtor e espectador tendem a desaparecer. O mundo concreto ganha novas dimensões até que o real e o artificial se unam por completo: "agir" nas redes sociais não é diferente de colocar seu corpo em movimento, ambos têm resultados no mundo material. Esta é a prova concreta de que a virtualização digital tem o poder de produzir "realidades".
  40. 40. 40 Bruno Ribeiro começou um movimento chamado Real Life Instagram (Instagram da Vida Real, em tradução livre), em 2013, que critica esta confusão entre o real e o virtual, onde fica cada vez mais difícil separar os dois. O brasileiro desenvolveu um quadro de cartolina com filtros idênticos aos do Instagram e espalhou estes pela cidade de Londres. Atualmente, também difundiu o projeto nas ruas de Tóquio, no Japão. Qualquer pessoa que cruzar com estes quadros e registrarem uma imagem podem compartilhar a foto com a hashtag #reallifeinstagram. Um projeto inovador feito para criar uma reflexão em torno da imagem, mas pode servir de inspiração para alguma marca, rede de hotéis ou companhias de viagem, por exemplo. Empresas que estão bem localizadas em relação a pontos turísticos ou recebem um evento nestes locais poderiam incentivar este compartilhamento de imagens, para assim aumentar sua visibilidade.
  41. 41. 41 Apesar de ser um projeto que propõe uma visão diferente em relação ao compartilhamento de imagens nas redes sociais, se for utilizado pelas pessoas apenas para tirar mais algumas fotos interessantes, sem reflexão alguma em torno da real intervenção que o seu criador buscava alcançar, este perde o seu sentido. Não podemos desprezar o uso da criatividade nas redes sociais para a construção de um mundo inteiramente novo, como uma cidade em ruínas que possui milhares de fragmentos, que quando unidos formam um todo. Porém se cairmos no comum, ou seja, onde tudo é sempre maravilhoso ou um grande show, a imaginação perde sua força e pode ser descartada. Luiz Alberto Oliveira observa que: O novo problema é: se agora qualquer fábula - qualquer País das Maravilhas, Sítio do Pica-pau Amarelo ou Reino das Amazonas Marcianas que se quiser - estiver disponível para ser visualizada, a imaginação pode ser dispensada, basta substituí-la pela percepção direta. (Oliveira, 2005. Virtualidades Reais. NOVAES. Muito além do espetáculo). Fonte: Conta oficial do Instagram do criador do projeto @nitchows Fonte: Instagram oficial @nitchows
  42. 42. 42 Em outras palavras, se qualquer e toda pessoa for uma celebridade, autor, cantor, escritor, modelo, em algum tempo, todos seremos tudo, mas na realidade não seremos nada. As habilidades irão se perder em um mar de senso comum, ninguém será especialista em nada e todos irão vestir a embalagem pré-pronta de alguma marca (ou de várias). A maior cegueira causada por este bombardeio de imagens nas redes sociais, é a que aceita tudo que é oferecido primeiro, que considera a visão imediata como verdadeira. Desta maneira a imaginação e o pensamento se tornam dispensáveis e a exclusão dessa condição da subjetividade deixa os homens presos apenas à imagem exterior e completamente desconectados do seu eu interior. Nossa alienação é semelhante à do operário analisado por Marx: uma parte de nosso tempo de vida é cedida à acumulação do capital, pela via do consumo das imagens, sem que nós tenhamos consciência disso; ou seja, uma parte de nosso tempo de vida é cedida para a acumulação do capital, pela via do consumo das imagens, enquanto nós pensamos que estamos apenas nos divertindo e usufruindo do "excesso" de liberdade de escolhas que nos é oferecido. Não nos damos conta de que todas essas escolhas são a mesma escolha, e que nossa liberdade se limita à liberdade de nos deixar seduzir pela paixão da servidão. A alienação, no modo de produção do capitalismo avançado que é, predominantemente, produção de imagens, abarca a todos na medida em que as imagens convocam a todos sem exceção. (Kehel, 2005. Muito Além do Espetáculo. NOVAES. Muito além do espetáculo). O espetáculo da nossa sociedade abrange todos os cantos da nossa vida social, porque ele se traduz em forma de imagens industrializadas. Mesmo as nossas imagens pessoais, no perfil do Instagram, remetem a estas imagens criadas e produzidas, que nós refletimos, como espelhos, como parte da nossa personalidade, da nossa vida. Durante o período eleitoral no Brasil, ainda em 2014, pudemos ver outro movimento construído em torno da imagem que se tornou viral no Instagram e em outras redes sociais. O segundo turno das eleições, onde Dilma Roussef e Aécio Neves disputaram a presidência, impulsionou uma guerra de imagens nas redes, onde cada indivíduo, com uma foto sua e hashtags como #ForaPT ou #EuSouDilma, mostrava o seu apoio ou o seu ódio político direcionado a determinado candidato.
  43. 43. 43 Por causa da proliferação de imagens e notícias espetaculares em torno das eleições, cada um tomou um partido e expressou os seus argumentos com reprodução de notícias da grande mídia e fotos. Por este argumento ter sido formado pela própria mídia, a opinião de cada um sobre a política do nosso país foi transformada em um espetáculo de intolerância, irracionalidade e, é claro, imagens. Não importa para onde movemos o nosso olhar dentro da sociedade do espetáculo, nos deparamos com imagens que buscam nos representar. Então o que podemos observar não são nossas relações pessoais, mas sim nossas relações com as coisas, marcas, produtos e mercadorias que nos transportam para uma zona de conforto, de modo que não podemos enxergar além. A lógica é simples: quanto mais tempo passamos conectados ao mundo virtual, mais facilmente iremos aceitar e incorporar estas imagens industrializadas e, assim, nos afastaremos das nossas relações sociais. Além disso, se distrair o tempo inteiro, mergulhando no mundo virtual, faz com que a reflexão sobre o verdadeiro eu e seus desejos se dissipe, porque o sujeito se encontra demasiadamente conectado ao seu eu criado.
  44. 44. 44 CONCLUSÃO Se voltarmos algumas décadas, antes da criação da internet, podemos traçar claramente as diferenças nas relações sociais entre o passado e o agora. Quando existia apenas telefone fixo, as pessoas utilizavam o aparelho para conversar e, principalmente, para marcar encontros. Não era preciso mandar mensagens ou ligar novamente, a palavra e o combinado eram seguidos, independente destes outros serviços criados na era da tecnologia. Encontros cara a cara eram muito mais comuns quando ainda não havia esta distração criada pelos smartphones, com redes sociais, email e também telefone - sim, o seu telefone ainda faz ligações, apesar de você não usar este serviço com tanta frequência. Por causa disso as pessoas eram “obrigadas”, olha só, a conversar. Algo que acontece cada vez mais raramente quando me reúno com um grupo de amigos meus, onde mostramos fotos de lugares que visitamos ou interagimos no meio virtual. Vejam o paradoxo que aqui se forma, interagimos com pessoas no mundo virtual enquanto existem pessoas reais bem na nossa frente. Ou seja, além de não conhecermos estas pessoas para além do que está visível, também não refletimos sobre o nosso próprio eu real, nos focando apenas na nossa e na personalidade virtual dos outros. Quero viver o agora, eu estou aqui nesse momento, mas olhando para esta tela que me paralisa. Estou aqui, mas não estou aqui. Estou lá, dentro da minha vida criada por mim mesma. Aqueles que não fazem parte das redes sociais ou não tem internet no celular, acabam excluídos desta sociedade virtual. Muitos diriam que têm “pena” destas pessoas ou não conseguem entender o porquê destes não participarem desta comunidade, já que é tão simples e mais fácil de se comunicar com os outros. Mas, na realidade, invejo estes que ainda conseguem se privar do virtual. Acredito que estes têm um contato maior ou pelo menos diferenciado com outros e com si próprio, porque não se distraem com o virtual, com as personalidades e shows criados no plano digital e, portanto, estão mais conectados ao real.
  45. 45. 45 Enquanto isso, me espanto com a quantidade de pessoas que ficam hipnotizadas pelo virtual, porque estes estão hipnotizados pelo seu próprio reflexo, e transpõem o seu eu criado para a sua vida real, mesmo que de maneira inconsciente. Essa superficialidade me assusta principalmente quando me vejo naquele espelho, o meu celular, mandando beijinho para a câmera. Ou melhor, mandando beijos para mim mesma. Desligar-se das redes sociais e se desconectar da imagem é muito mais difícil do que parece, já que a publicidade passou décadas nos convencendo e nos condicionando a julgar tudo e a todos pela sua imagem. Acabamos esquecendo até mesmo quem somos realmente, porque passamos metade do nosso dia nos preocupando com quem somos na nossa vida virtual. Ou seja, esta se torna uma extensão da nossa vida real. Assim como nossa vida virtual espetacular, acredito que a criação de um movimento espetacular nas redes possa convencer alguns a se desconectar: #desligueocelular. Desligue o celular e se desconecte da sua vida virtual. Viva e valorize o real. Aproveite o momento presente e, depois, compartilhe as fotos que quiser. Não estou aqui lançando um movimento antirredes sociais, mas sim, um movimento a favor da vida real. Acredite, não são as fotos que você tirou que vão ficar na sua memória. Elas só ficarão na memória do seu celular e no mural da sua rede social. Os momentos marcantes de verdade, os acontecimentos importantes, os que valeram a pena, são aqueles que jamais esqueceremos independente de serem capturados pela câmera. E os momentos que estão longe de serem perfeitos, no final das contas, são aqueles que vão nos ensinar lições para toda a vida.
  46. 46. 46 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS1 1.1 LIVROS DEBORD, Guy. 2000. A Sociedade do Espetáculo. Editora Contraponto, Rio de Janeiro. 240p. DELEUZE, Gilles. 1992. Conversações. Ed. 34, Rio de Janeiro. 240p. FOUCAULT, Michel. 2004. A Hermenêutica do Sujeito. Martins Fontes, São Paulo. 528p. GREVE, Bent. Felicidade. Editora Unesp, 2013. 220p. GUMBRECHT, Hans U. Modernização dos Sentidos. Editora 34, 1998. 320p. KLEIN, Naomi. No logo. Picador, 2nd ed.USA, 2002. 490p. LIPOVETSKY, Gilles. 2007. A Felicidade paradoxal - Ensaio sobre a sociedade do hiperconsumo. Primeira Reimpressão. Companhia das Letras. 408p. LISPECTOR, Clarice. Laços de Família. Rocco, 1960. 136p. NOVAES, Adauto. 2005. Muito Além do Espetáculo. SENAC SP, São Paulo. 304p. SIBILIA, Paula. O show do eu - A intimidade como espetáculo. Nova Fronteira, 2008. 286p. WHITE, Nicholas. 2009. Breve história da felicidade. Loyola. 224p.
  47. 47. 47 1.2 ESTUDOS HOUGHTON, D., JOINSON, A., CALDWELL, N. e MARDER, B. 2013. Tagger's Delight? Disclosure and liking behaviour in Facebook: the effects of sharing photographs amongst multiple known social circles. Birmingham Business School. SAADAT, V. The Dopamine High: From Social Networking to Survival. 2012. University of Southern California Review. TAMIR, D. I. e MITCHELL, J. P. 2012. Disclosing information about the self is intrinsically rewarding. Departamento de Psicologia da Universidade de Harvard. 1.3 TEXTOS ELETRÔNICOS Alexander Palace Time Machine. Diaries and Letters – Letters of Grand Duchess Anastasia. Disponível em: http://www.alexanderpalace.org/palace/adiaries.html#slide CORNELIUS, R. Self-Portrait; Believed to Be The Earliest extant American Portrait Photo. Prints & Photographs Online Catalog of The Library of Congress. Disponível em: http://www.loc.gov/pictures/item/2004664436/ . Acesso em: 18/12/2013. LEONARD, H. 2013. There Will Soon Be One Smartphone For Every Five People In The World. Disponível em: http://www.businessinsider.com/15-billion- smartphones-in-the-world-22013-2 . Acesso em: 07/02/2013. 1.4 ACERVOS DIGITAIS Acervo digital do Museu da Cidade de Nova York. http://collections.mcny.org
  48. 48. 48 1.5 FONTES Matthew Pietropaoli. Professor de psicologia em Washington (DC), nos Estados Unidos, na Catholic University of America. Salomon Cytrynowicz. Fotógrafo e professor na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

×