SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 33
Baixar para ler offline
Resumos de História – 1ºteste
As transformações das primeiras décadas do Seculo XX
As primeiras décadas do século XX foram alvo de inúmeras mudanças quer a nível
cultural e social, quer a nível político e económico. O mundo estava em constante mutação e
tudo se desenvolvia a uma velocidade inimaginável - telefones, rádios e televisões começaram
a aparecer em todas os estabelecimentos e casas e, em poucas décadas, estas tecnologias já se
encontravam totalmente globalizadas.
A nível político e económico as mudanças foram catastróficas quando, a
28 de Junho de 1914, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro ao trono Austro-
húngaro, e a sua esposa Sofia de Hohenberg, foram assassinados por um membro
de um grupo nacionalista-terrorista de nome Mão Negra. Este facto desencadeou
um dos maiores conflitos conhecidos na História, a Primeira Guerra Mundial.
Na altura a Inglaterra e a Alemanha encontravam-se num auge de poder.
Possuíam prósperas colónias, rotas comerciais abundantes, riquezas e as suas capitais eram
grandes centros culturais que atraíam pessoas de todas as partes do mundo. Contudo, após o
incidente Austro-Húngaro a Alemanha aliou-se e rompeu num caos e guerra do qual resultou a
destruição de vários territórios franceses e na tentativa de conquista de colónias que
pertenciam aos Ingleses e Franceses. Esta guerra durou quatro anos e terminou, finalmente, a
11 de Novembro de 1918.
Deste modo, medidas tiveram que ser tomadas e após o conflito as nações vencedoras
reuniram-se em Paris, no início de janeiro de 1919, para a Conferência de Paz. Neste encontro
foram ditadas as condições dos países vencidos, com foco principal na Alemanha, na tentativa
de impedir definitivamente que outra guerra se estabelecesse.
Os resultados reflectiram-se na criação de vários tratados, nomeadamente o Tratado
de Versalhes, cuja assinatura decorreu a 28 de Junho de 1919, onde é estruturado o “castigo”
das nações vencidas. Deste tratado entra em vigor uma nova geografia política e uma nova
ordem internacional. Na Europa, a Áustria torna-se um estado independente, surgem a
Polónia, a Checoslováquia, a Jugoslávia e a Hungria que se separam da Áustria. A França
recupera a Alsácia-Lorena, que havia perdido nos finais do século XIX para a Alemanha. Na
Ásia, a Arábia torna-se independente.
Outras modificações são visíveis e destas a principal perdedora é a Alemanha –
considerada como responsável pela guerra. Humilhada, a nação é obrigada a ceder à França
territórios e minas para substituir aqueles que destruiu; a reconhecer a independência e
aceitar as novas fronteiras ditadas; a renunciar todos os seus direitos sob as colónias; à pose
de um exército exclusivo que não tenha capacidade de implementar outra guerra; à proibição
do fabrico e importação de engenhos militares; à proibição do fabrico de armas que não
tenham sido aprovadas pelas principais potências (EUA, Inglaterra, França e Itália); e ao
reconhecimento da sua responsabilidade e danos causados na guerra. Além disso, este país
sofrerá de um juro excêntrico que terá que pagar aos países que sofreram danos e perdas com
a guerra, nomeadamente a França.
O tratado previa também a criação da Sociedade das Nações. Este projecto, proposto
pelo presidente Wilson, tinha como objetivo a promoção da paz e a solução para os danos do
pós-guerra. Apesar de não ter vingado e se ter dissolvido poucos anos depois da sua criação,
esta sociedade foi, mais tarde, uma inspiração para a criação da ONU.
O fracasso da SDN sucedeu-se com o abandono dos EUA, que não concordavam com
algumas ideias impostas no Tratado de Versalhes, tais como os prejuízos e humilhações dos
países vencidos – que ia contra os ideais de igualdade defendidos pelo presidente Wilson.
Assim, a SDN, na qual já não participavam os países vencidos, perdeu uma das suas principais
nações e, com o tempo, foi perdendo também os países que eram considerados como
“minorias”, tais como Portugal, e que se sentiam revoltados por não terem qualquer mérito
nem serem favorecidos.
A Europa era, no pós-guerra, ainda um palco de guerra. Os países encontravam-se
enfraquecidos com o caos e destruição causados pela guerra e entram numa crise económica,
social e cultural, na tentativa de concertarem os danos. Logicamente, isto reflecte-se num
enclausuramento dos países e gera uma enorme competição entre eles. A batalha contra a
crise e o ambiente de guerra ainda se encontrava nas relações entre as nações.
A Primeira Grande Guerra deixou a Europa arruinada. A crise que se abateu sobre
todos era complexa e várias medidas tiveram que ser impostas para tentar equilibrar a balança
económica, social e comercial. A desvalorização da moeda de modo a estimular o comércio foi
a principal medida; os produtos ficam mais baratos o que aumenta a exportação para outras
partes do mundo, que preferem os seus preços – o que contribui para o aumento da
competitividade entre nações).
Por outro lado, a guerra deixa também marcas que não têm retorno, tais como a
desorganização do comércio e a perda dos mercados para as grandes potências fora da
europa, os EUA e o Japão. Nisto dá-se a ascensão dos Estados Unidos que, intactos da guerra,
tornam-se os credores de uma Europa que procura no exterior um suporte para o seu mercado
e economia.
Esta nação sofre, em 1920, uma pequena mas violenta crise da qual resulta o aumento
do desemprego e diminuição dos salários. Neste sentido, como acontece ao longo da história,
a conjuntura económica e social com que os Estados Unidos se deparam reflecte-se na
formação de um novo modelo económico, baseado nos ideais preconizados por Adam Smith,
que assenta na iniciativa privada e na correcção de possíveis falhas no mercado, assim como
uma aplicação de métodos de racionalização do trabalho, que tinha como objetivo diminuir os
custos de produção e permitir o aumento dos salários.
Neste sentido, nascem dois conceitos mediáticos na história, o Taylorismo e o
Fordismo. O primeiro, criado por Frederick Taylor (1856-1915), preconiza a divisão do trabalho
nas indústrias, baseado na divisão das tarefas e no planeamento prévio do tempo de
produção, que é obtido através da cronometragem. Deste modo, compete aos trabalhadores
uma dada tarefa e um tempo certo para a realizar, gerando, assim, uma maior competição
entre as indústrias, que competem pelo alcance de tempos mais reduzidos de produção. O
segundo, criado por Henri Ford, dono da indústria de automóveis Ford, assentava numa
política de salários mais altos e num aumento (baseado nas teorias de Taylor) da velocidade de
realização de tarefas, que estava altamente dependente das máquinas, sendo que o
trabalhador teria que alcançar uma eficiência de trabalho semelhante àquela que as máquinas
já alcançavam. Estes ideais podem parecer negativos pois o trabalhador é visto como um mero
“objeto”, no entanto, com o aumento dos salários aumenta também o incentivo e um maior
poder de compra na classe operária, o que a satisfaz e cria a ideia que até o mais pobre pode
subir na vida com o esforço, gerando, deste modo, contentamento e aumento da produção e
da qualidade.
A Implantação do modelo Marxista-Leninista na Rússia
- O modelo Soviético
A Rússia dos finais do século XIX encontrava-se ainda muito atrasada em relação às
outras nações. O seu controlo estava sob o poder do Czar, que se assemelhava ao Antigo
Regime da Europa, já posto de parte muitos anos antes. A revolução que terminou a
monarquia absoluta em todos os cantos do continente ainda não tinha marcas visíveis na
Rússia, no entanto, os camponeses, que constituíam quase 90% da população, começavam a
inteirar-se do seu poder e a contrariar o modo de vida em que eram obrigados a viver, com
baixos salários e horas de trabalho extraordinárias – a classe baixa era abusada.
No seio deste reino de terror encontrava-se Nicolau II, que apesar da tensão política e
social que se levantava, resistia a abdicar do poder que lhe tinha sido concedido pela
hierarquia. Todas as classes se debatiam com o desejo de mudança, os camponeses queriam
poder sobre as terras (que estavam, na altura, sob o poder da burguesia e nobreza), o
proletariado exigia um aumento dos salários e melhores condições de vida e a burguesia,
juntamente com a nobreza mais liberal, ansiavam pela modernização do país e a sua abertura
política, como era visível em toda a Europa.
Em 1905 dá-se a primeira Revolução do proletariado que, apesar dos esforços,
fracassa. No entanto, consegue demonstrar a necessidade de mudança e até gerar medo do
poder desta classe social, dado que, em 9 de janeiro desse ano, o denominado Domingo
Sangrento, o povo sai à rua para entregar uma petição no palácio de inverno, quando é parada
pelas tropas czarinas, que disparam sem piedade deixando no chão mais de 200 mortos,
incluindo mulheres e crianças. Assim, o Czar convoca a Duma (que se assemelha à corte) na
tentativa de evitar uma guerra civil.
Neste conselho são abolidos alguns privilégios dos mais ricos e diminuem-se os
impostos dos camponeses. Além disso, dá-se a criação de três partidos que concorrem ao
parlamento: o Partido Constitucional Democrático, um grupo de liberais com ideais burgueses;
o Partido dos Socialistas Revolucionários, que defendem a colectivização do trabalho; e os
Socialistas Democratas, os mais radicais. Estes últimos dividem-se em dois ramos: os
mencheviques, a minoria e os bolcheviques, a maioria, que é liderada por Lenine.
Os bolcheviques trarão enormes mudanças nas primeiras décadas do século XX, tento
efeitos radicais na Rússia e alterando o curso de quase todas as nações europeias, que neles
encontram o medo. Os seus ideais provêm de Karl Marx e Engels e caracterizam-se pela
necessidade de dar mais poder ao proletariado, pela criação de um Estado liderado pelo
partido Comunista, tudo assente pela via da Revolução como único meio de alcançar estas
ideias.
Em 1917 a Rússia encontrava-se no limiar do colapso. A tensão começava a albergar-se
em todas as classes e a necessidade de mudança era clara. Todos os partidos que tinham sido
criados com a Duma encontravam-se revoltados com a incompetência do Czar e com a sua
decisão de participar na Primeira Guerra Mundial, que trouxera o caos e destruição.
Deste modo, entre 22 e 28 de fevereiro a população, principalmente as classes baixas,
saem às ruas para manifestarem o seu descontentamento. Iniciam-se as greves do
proletariado e criam-se as Sovietes – assembleias lideradas por trabalhadores, desde
camponeses a soldados e marinheiros. Além disso, Lenine, líder dos bolcheviques, regressa do
exílio e retoma os seus planos na Rússia, tendo como objetivo primordial derrubar a
monarquia.
Em março dá-se uma manifestação em Petrograd para festejar o Dia Internacional da
Mulher, que rapidamente se sucumbe numa Revolução. A este motim aderiram as forças
populares e dos soldados que faziam parte do Soviete. Isto resultou no assalto ao Palácio de
Inverno onde, desprovido de apoios, Nicolau II vê-se forçado a abdicar do seu poder, que é
colocado nas mãos de um Governo Provisório dirigido por Lvov e, mais tarde, por Kerensky,
que possuía ideais burgueses e tinha como objetivo a instauração da Democracia e a
continuação da guerra com a Alemanha. No entanto, rapidamente se reconhece que o novo
governo não pode proliferar e com a retoma do poder bolchevique de Lenine iniciam-se os
planos que o irão derrubar.
Deste modo, o líder bolchevique publica as famosas “teses de abril”, onde preconiza os
ideais da revolução, clarificando que o seu objetivo é dar o poder ao proletariado e aos
camponeses, dissolver o Governo Provisório, nacionalizar todas as terras, retirando-as do
poder da nobreza e da burguesia e coloca-las à disposição dos sovietes (principalmente dos
camponeses), “introduzir” o socialismo às massas e fazer reconhecer que o futuro está nas
mãos do Comunismo.
Em 24 e 25 de Outubro a Rússia deparou-se com outra Revolução. Os militares
bolcheviques, conhecidos como Guardas Vermelhos, saíram à rua e assaltaram o Palácio de
Inverno, derrubando o Governo Provisório. Este acto, que aconteceu da noite para o dia,
conduziu os bolcheviques ao poder da Rússia, liderados por Lenine, que ocupou a presidência,
juntamente com Trotsky, a quem coube liderar a Pasta de Guerra, e Estaline, com a Pasta das
Nacionalidades.
Assim, após a Revolução mediática, a história conheceu a primeira nação liderada pelo
proletariado – o comunismo triunfara. No entanto, Lenine irá encontrar alguma oposição
regente nas forças czarinas, nos mencheviques e alguns nacionalistas que se opõem aos ideais
comunistas, o que gerará alguma instabilidade política e social.
O novo governo inicia as suas funções com a criação e publicação dos Decretos
Revolucionários. Estes decretos serviram como base ao regimento da nova nação russa. Em
primeiro lugar, o Decreto sobre a Paz tende a pôr fim à sua participação na guerra. O Decreto
Sobre a Terra preconiza a pose de todas as terras pertencentes à burguesia, que passam para a
mão dos sovietes, abolindo, deste modo, a propriedade à terra desta classe. O Decreto sobre o
Controlo Operário atribuía aos operários a possibilidade de gerir a respectiva produção.
Finalmente, o Decreto sobre as Nacionalidades visava a igualdade e soberania dos povos da
Rússia, a abolição dos privilégios religiosos e de classes e a abolição da ideia de sociedade de
classes, como estava regente até então.
Deste modo, Lenine retira a Rússia da guerra com a assinatura do Tratado de Brest-
Litovsk, a 3 de março de 1918, onde fica acordada a cedência de um vasto conjunto de
territórios, tais como a Finlândia, a Polónia, a Estónia e a Ucrânia. Esta perda de territórios não
é propriamente positiva, principalmente quando parte das terras cultiváveis e minas ali se
encontravam, no entanto, é necessária para a paz procurada.
Lenine promulga a primeira constituição em Julho de 1918. Além disso, vai também
organizar os sovietes em dois organismos: a Assembleia do congresso e o Comité dos
Comissários (no qual fazem parte Lenine, Trotsky e Estaline). Finalmente, são creditados os
ideais radicais do comunismo, ou seja, é criado o Partido Único, que impede a criação e
importância de qualquer outro partido; todos os documentos passam a ser alvo de censura;
passa a existir uma polícia única soviete; e dá-se a nacionalização de todos os produtos e
industrias russas.
No entanto, os bolcheviques não foram bem recebidos pelas massas, que continuavam
revoltadas com a ruína económica e com as condições deploráveis em que viviam. Assim, na
resistência ao bolchevismo, na qual reagem os Brancos – nome dado à guarda que se opõe ao
bolchevismo - resulta uma guerra civil que dura desde março de 1918 até 1920 e põe termo à
vida de inúmeros indivíduos.
Apesar das tentativas do exército Branco os Vermelhos, liderados por Trotsky, saem
vencedores e inicia-se uma nova política económica e social que se prolongará até 1927.
Neste novo modelo, inicia-se o processo de Ditadura do Proletariado, mais uma ideia
preconizada por Karl Marx, que é descrita como essencial à edificação do comunismo e implica
a tomada ao poder do Estado por parte do proletariado, que depressa abolirá todos os
privilégios das restantes classes socias, terminando, assim, com as desigualdades sociais.
A resistência do proletariado ao regime bolchevique era imensa e isto gerou alguma
dificuldade na Ditadura do Proletariado, dado que este mostrou resistência aos Decretos
Revolucionários. Além disso, vivia-se ainda um clima de guerra civil pesado e destrutivo. Deste
modo, Lenine toma medidas radicais que ficam conhecidas como Comunismo de Guerra.
Estas medidas preconizavam a censura da imprensa, a nacionalização de todos os
bancos, fábricas e terra, o decreto do trabalho como uma obrigação a todos os povos, a
requisição do aumento da produção agrícola, a reforma agrária, a abolição da propriedade
privada, o congelamento dos salários e o centralismo democrático.
Toda a economia foi nacionalizada e passou a competir ao Estado o racionamento e a
distribuição dos bens de acordo com os ideais comunistas.
A partir de 1922, a Rússia converteu-se na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas
(URSS). No entanto, os Sovietes, anteriormente conhecidos como aliados dos bolcheviques,
eram agora membros do proletariado que não viam no bolchevismo os resultados que
esperavam. Lenine queria, no entanto, que o Estado Soviético tivesse poder, fosse forte e
disciplinado. Assim, formula-se o centralismo democrático, cujas ideias se baseiam que todo o
poder emana da base, ou seja, pelos sovietes, escolhidos por sufrágio universal.
Finalmente, Lenine vê-se obrigado a ceder perante a ruína económica e social em que
a nação se encontrava. Assim, o comunismo cede lugar à Nova Política Económica (NEP), que
recorre ao capitalismo, com a interrupção da colectivização agrária, com a liberdade de
comércio interno, com a privatização de empresas e industrias e com a abertura ao
investimento estrangeiro.
A Regressão do Demoliberalismo
A revolução e implantação do comunismo na Rússia tiveram repercussões nos vários
cantos da Europa liberal, onde a classe do proletariado se via aflita com a crise económica que
os países atravessavam, expondo a sua revolta através de greves e manifestações. Além disso,
a Rússia fazia-se notar como uma luz para os trabalhadores, que viam esperança no
comunismo de libertação e abolição das classes sociais.
A nação russa via nesses movimentos força para continuar com os seus ideais
Marxistas-Leninistas. Deste modo, deu-se a fundação, em Moscovo, em março de 1919, da III
Internacional, também conhecida como Komintern.
O Komintern propunha coordenar e até incentivar a luta da classe trabalhadora a nível
mundial, com o fim de ver triunfar o marxismo-leninismo, tendo que ser chefiada unicamente
por partidos comunistas que fossem fieis aos ideais russos. Além disso, se o objetivo primordial
da III Internacional fosse completo os bolcheviques teriam finalmente a sua vitória, pois
passariam a ser aceites por todo o proletariado (em vês de apenas o mais radicais) e todas as
classes que se opunham aos seus ideais seriam sacudidas ao seu poder.
Esta Internacional Operária realizou dois congressos, sendo que o 2º teve uma enorme
importância na vida social e política das nações. Neste congresso, realizado em julho de 1920,
os partidos socialistas e sociais-democratas são obrigados a abandonar os seus ideais e a
defenderem o bolchevismo e o centralismo democrático. Deste modo, convertem-se estes
partidos em comunistas.
Consequência do declínio económico, político, social e cultural do pós-guerra e dos
ideais socialistas e revolucionários que se faziam notar, a Europa assiste a uma radicalização
social e política, minada de greves e manifestações. Países como a Alemanha, a Hungria e a
Itália viram-se em dificuldades de organizar as multidões enraivecidas e as tentativas de uma
revolução bolchevista, resultando na execução dos líderes destes partidos e na resistência das
classes mais elevadas.
O medo da consagração da revolução bolchevique em alguma nação aumentou e
proliferou pela Europa, que se via escassa em meios para continuar a resistir. Até a burguesia e
as classes médias sucumbiram ao medo de perderem os seus privilégios e poses, o que se
revelou num aumento de adeptos de um governo forte, que garantisse a paz social, a riqueza e
o conforto destas classes.
Deste modo, as soluções apresentadas eram autoritárias e de direita. Partidos
conservadores e nacionalistas começaram a ganhar um enorme número de votos no início dos
anos 20. Isto sucedeu-se particularmente nos países onde as dificuldades e a destruição foram
maiores.
Em 1919, é fundado em Itália o partido FasciItalianidiCombattimento, de onde mais
tarde derivará a expressão Fascismo, por um ex-socialista italiano de nome Benito Mussolini.
Este partido defendia a democracia e o socialismo, no entanto, a sua simpatia com os
burgueses e industriais de direita torna-o mais aderente aos ideais conservadores e
totalitaristas. Deste modo, os fascistas sobem ao poder e tomam posse do Estado italiano,
quando em 27 e 30 de Outubro organizam uma greve geral e dá-se a “Marcha Sobre Roma”,
na qual participam cerca de 30 000 fascistas, liderados por Mussolini, juntamente com a sua
força militar, os “Camisas Negras”.
O rei, perante a situação, convida Mussolini a formar um governo. No entanto, o
desejo deste partido não é a parceria com o rei e com o seu governo, mas sim a tomada do
poder absoluto. Conseguem, deste modo, alterar as eleições de 1924, vencendo por maioria.
Além disso, continuam os seus atos de “poder” e assassinam o líder do partido socialista,
Giacomo Matteoti.
Por sua vez, em Espanha é adoptada entre 1947 e 1975, uma ditadura militar, liderada
pelo general Miguel Primo de Rivera.
Além disso, também a Hungria, a Bulgária, a Lituânia, a Turquia, a Grécia, Portugal e
outros países conheceram o poder dos regimes autoritários.
A Europa liberal cai no abismo a partir dos anos 20 e passa a reconhecer em grande
parte das suas nações o caráter nacionalista e extremista dos seus líderes, o que, mais tarde,
desencadeará na Segunda Guerra Mundial. Esta necessidade da adesão ao autoritarismo
reflete a regressão do Demoliberalismo.
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
O século XX foi alvo de enormes mudanças a todos os níveis, principalmente na Europa
e nos Estados Unidos, onde a industrialização provou a sua capacidade acelerada de evolução
e povoou as cidades com as suas novidades, tais como o carro e o comboio, que alteraram o
modo de mobilidade das populações.
O constante crescimento fez-se notar principalmente no meio urbano, onde a
população se engloba e cresce. Deste modo, é possível verificar-se uma massificação dos
indivíduos, que passam a frequentar os mesmos transportes, os meus locais de lazer, as
mesmas atividades de ócio e horários de trabalho. Pode-se concluir que se torna visível a
despersonalização dos povos, passando estes a ser nada mais que meros números.
A convivência entre os sexos torna-se mais livre e ousada, sobretudo após a Primeira
Grande Guerra, da qual a mulher sai triunfante e adquire mais visibilidade, passando a possuir
alguns direitos que eram, até então, exclusivos ao sexo masculino.
A entrada no século XX trás a notícia de mudança, sob a qual se previam alterações nos
valores da sociedade burguesa. No entanto, esta classe opta por desprezar as previsões e viver
no novo mundo com otimismo e superioridade.
Porém, após a Primeira Guerra Mundial as esperanças desmoronam-se e levanta-se o
pessimismo e o caos. O choque da guerra abale a sociedade e gera contestações, que mais
tarde se fariam sentir em revoltas. Instala-se, deste modo, um clima de anomia, ou seja, de
ausência de normas morais e sociais.
Esta falta de valores acelera as mudanças que se encontravam em curso. Dá-se, então,
uma mudança de paradigma, causada pelos destroços da guerra, que abrem as portas à
possibilidade de um novo recomeço, de um crescimento da cultura e do comércio. Daqui nasce
a classe média, que integra a pequena e média burguesia.
No sentido destas alterações a emancipação feminina é das que mais se faz sentir, com
a mudança radical da ideologia da mulher como dona de casa. Esta deixa de possuir
dependência total do homem e reivindica os seus direitos. O movimento feminista, que
procura a igualdade jurídica, social, económica, intelectual e política dos sexos, faz-se sentir
com a criação das associações das sufragistas, que tinham como primeiro objetivo o direito ao
voto.
Na Europa, destacaram-se as sufragistas britânicas. Indignadas com a oposição e
resistência face aos seus desejos, estes grupos procuraram atrair a atenção recorrendo a
meios extremos e violentos, com manifestações, greves e apedrejamentos.
Os seus meios não conheceram a cedência do governo. No entanto, com a participação
na guerra, as mulheres tiveram que assumir o papel do homem no sustento da família,
revelando-se capazes de substituir o sexo oposto em quase todas as tarefas.
Finalmente, o esforço foi compensado, dado que, após o conflito que provocara tanto
caos e destruição, as mulheres adquirem o direito de intervenção política e abrem-se carreiras
profissionais prestigiadas, tomando a mulher uma nova posição na história.
História – 3º teste
A morte de Lenine, em 1924, deixou a Rússia sem líder e, desse modo, gerou uma
enorme contestação para chefe do Partido Comunista. Neste ambiente de disputa ganha, em
1928, o antigo secretário-geral do Estado, Estaline, contrariando as intenções de Lenine que
escreve no seu testamento “Estaline é demasiado brutal (…). Proponho, pois, aos camaradas
que estudem um meio de demitir Estaline deste cargo”.
Até 1953, data da sua morte, Estaline foi chefe da União Soviética. O seu principal
objetivo era transformar a Rússia numa potência mundial e conseguir propagar o comunismo
pelos vários cantos do mundo, nomeadamente na Europa. Para tal, iniciou um projecto que
visava a melhoria dos sectores do Estado e da economia, entre eles contava-se a colectivização
dos campos, a planificação de uma economia equilibrada e sustentável e, para tal, utilizou um
meio de administração que se contava com o totalitarismo e a repressão.
Em outono de 1929 iniciou-se o plano de colectivização dos campos. Considerava-se
esta medida imprescindível ao avanço da indústria, dado que ao retirar mão de obra dos
campos, estes teriam que, inevitavelmente, encontrar emprego nas fábricas. Este projecto,
que avançou a ritmo acelerado, foi empreendido com brutalidade sobre os pequenos
proprietários (os KULAKS), aos quais confiscaram as terras e o gado – três milhões destes
proprietários camponeses foram executados ou deportados para a Sibéria.
Criaram-se os KOLKHOZES – cooperativas de produção – constituídas pelas famílias
camponesas. Estas foram obrigadas a entregar as suas terras e instrumentos para a
colectividade. Parte da sua produção ficava para o Estado e a restante era distribuída pelos
camponeses em função do trabalho exercido – uma medida que não partilhava os ideais
comunistas de Karl Marx. Em 1930 são criadas as Estações de Máquinas e Tractores que
tinham como função assegurar o controlo da produção e dos campos. Este projecto de
colectivização rapidamente alcançou resultados satisfatórios, apesar da forte oposição do
povo camponês.
Por sua vez, a indústria tinha um atraso ancestral em relação aos restantes países da
Europa e Estados Unidos. Deste modo, Estaline cria os Planos Quinquenais, planeados durante
o período da NEP, pela GOSPLAN (comissão do conselho do trabalho e da defesa). Estes
tinham como objectivo primordial dar prioridade à indústria e à produção agrícola como meios
de melhoria económica, que visavam o aumento da produção em cinco anos. Estaline tinha em
vista continuar a ideia marxista-leninista de que a URSS devia ser auto-suficiente.
Implementou, assim, para os cinco anos várias metas que, caso não fossem cumpridas, seriam
vistas e punidas como um crime contra o Estado. Deste modo, o objetivo final era conseguir
colocar a produção em excesso no mercado e competir com as potências capitalistas, criando
uma imagem mais produtiva do comunismo perante a Europa e os EUA.
O primeiro plano quinquenal é desenvolvido entre 1928 e 1932 e tinha como objectivo
a criação de bases na economia da nação. Deste modo, além da colectivização dos campos,
com a criação dos KOLKHOZES, entre outras, implementa-se uma meta que visava o aumento
da indústria pesada, nomeadamente a siderúrgica e a eléctrica. Isto conduziu ao quase
desaparecimento do sector privado da indústria. Além disso, promoveu investimentos
maciços, recorreu à contratação de técnicos estrangeiros e apostou na formação de
especialistas e engenheiros.
O segundo plano quinquenal é desenvolvido de 1933 a 1937 e, apesar de continuar a
privilegiar a indústria pesada, cria metas que visam o desenvolvimento das indústrias ligeiras e
dos bens de consumo (vestuário e calçado). Além disso, no sector agrícola, dá-se a criação de
pequenas propriedades privadas.
O terceiro plano quinquenal, desenvolvido entre 1938 e 1942, nunca chega a ser
concluído, devido ao despontar da II Guerra Mundial.
Apesar de nunca ter conseguido terminar o seu plano, o governo de Estaline encontra
uma enorme produtividade nas medidas até então tomadas. A indústria do aço aumenta em
de 4 a 18 milhões de toneladas; a colectivização tem efeitos positivos, de modo que continua a
aumentar e a gerar lucro. Assim, a URSS entra na II Guerra Mundial como a terceira maior
potência mundial da altura.
Tudo isto foi possível devido ao regime que Estaline apresentava. Um estado
omnipotente e totalitário que se regia por meio da repressão. Os cidadãos encontravam-se
privados de liberdade e eram totalmente controlados. Os jovens eram obrigados a
inscreverem-se nos Pioneiros e, mais tarde, nas Juventudes Comunistas, sendo este um meio
de os direccionar e de lhes incutir os ideais do comunismo de Estaline. A cultura era reduzida
aos métodos de propaganda e qualquer outro meio de exaltar o Estado. A repressão era
possibilitada pelas forças da polícia política, a NKVD. A partir de 1934 a repressão aumentou
ferozmente, caracterizada por purgas e processos políticos. Os antigos companheiros
bolcheviques de Lenine foram executados, assim como a administração e os líderes do Exercito
Vermelho. Todos aqueles que falassem contra o Estado foram punidos com a deportação para
campos de trabalho ou com a execução.
Entretanto, na outra parte do mundo, os Estados Unidos recuperavam da severa crise
de 1929 (o Crash da bolsa de Nova Iorque). Resultante deste “incidente” a economia estava
mais frágil do que nunca e começam a ponderar-se soluções para evitar que tal voltasse a
acontecer. Deste modo, John Keynes preconiza o intervencionismo do Estado, clarificando que
o Estado se deve comprometer perante as empresas e as indústrias, pois, desse modo, é
possível o controlo da inflação, o investimento nas indústrias, a luta contra o entesouramento,
e o apoio às empresas.
Em 1932, as ideias de Keynes são concretizadas graças à eleição de Roosevelt para a
presidência. Este propunha-se a tirar os EUA da crise e consegue-o através do
intervencionismo do Estado, pondo em prática um conjunto de medidas às quais se deu o
nome de New Deal.
A primeira fase decorreu entre 1933 e 1934. Neste momento estabeleceram-se as suas
metas, do relançamento da economia e da luta contra o desemprego e a miséria. Para tal,
tomaram-se rigorosas medidas financeiras, tais como o encerramento temporário de várias
instituições bancárias para que estas fossem inspeccionadas pelos funcionários federais. Deu-
se uma desvalorização da moeda, o que permitiu baixar as dívidas externas e fez subir os
preços, através de uma inflação controlada, aumentando assim o lucro das empresas.
No sentido de combater o desemprego, Roosevelt apostou na construção de estradas,
vias-férreas, aeroportos, barragens, entre outras, ou seja, edifícios públicos que necessitavam
de muita mão-de-obra. Deste modo, aqueles que se encontravam desempregados conseguiam
um emprego, mesmo que este não fosse ao encontro das suas habilitações.
No que diz respeito à agricultura, foi criada uma lei, a AgriculturalAdjustmentAct
(AAA), que visava proteger a agricultura, através de empréstimos aos agricultores e de
indeminizações dadas aos mesmos pela redução das áreas cultivadas (devido à crise de
excesso de produção).
Em relação à indústria, foi criada a National Industrial RecoveryAct (NIRA), que tinha
como objetivo a proteção da indústria e da produção industrial. Visando isto, foram fixados
preços mínimos e máximos de venda, de modo a evitar a concorrência desleal entre produtos;
e garantiram aos trabalhadores um salários mínimo e a liberdade sindical. As empresas que
seguissem estas medidas à ordem eram premiadas monetariamente – fomentando assim o
avanço da produção e motivando para que esta fosse conseguida justamente.
Entre 1935 e 1938 deu-se a segunda fase do New Deal, talvez a mais significativa na
história. Foi criada a lei de Wagner, que reconhecia a liberdade sindical e o direito à greve.
Além disso, foi também criado o Social SecurityAct, que regulou a reforma e criou o fundo de
desemprego e auxílio aos pobres. Em 1938, o Fair Labor Standard Act estabeleceu o salário
mínimo e reduziu as horas de trabalho semanal. Deste modo, os EUA conseguiram finalmente
um Estado intervencionista para assegurar a felicidade e o bem estar da sociedade.
Entretanto, em França, a crise que se vivia criou um ambiente de disputa entre
regimes radicais, cujas esperanças no regime parlamentarista e liberal caíam por não verem
qualquer resultado positivo. Deste modo, é criada uma coligação de esquerda de nome Frente
Popular, que via na figura de León Blum o seu líder. O seu lema era “pelo pão, pela paz e pela
liberdade” e triunfou em maio de 1936, ganhando as eleições. O seu objetivo prioritário era
deter o avanço fascista, com medo que sucedesse em França o mesmo que na Alemanha.
Inicialmente, um vasto movimento grevista ocupara as fábricas em greves alegres que
visavam demonstrar a necessidade de melhoria mas, no entanto, felizes devido ao
reconhecimento que o Partido ouvia a sua voz. Seguidamente, os patrões das fábricas
começaram a denunciar a ameaça bolchevista que se propagava e o Governo interveio por
meio de mediação. Deste modo, criaram-se os contratos de trabalho, em que se aceitava a
liberdade de sindicato e se previa o aumento salarial. De seguida, diminuíram-se as horas
semanais de trabalho e concederam o direito ao trabalhador de 15 dias de férias pagas por
ano, até então impensável. Além disso, no sentido de melhorar a qualidade de vida e
promover o avanço do país, a Frente Popular tomou outras medidas tais como o aumento da
escolaridade obrigatória até aos 14 anos, a criação de albergues da juventude, o incremento
dos desportos, do cinema, do teatro, e o controlo pelo Estado do Banco de França, que é
finalmente nacionalizado.
Ainda no mesmo ano (1936), em Espanha, é também criada uma Frente Popular,
apoiadas por socialistas, comunistas, anarquistas e sindicatos operários. Este partido, mais
extremista que o de França, inicia o seu mandato enfrentando as forças conservadoras e
separando a Igreja do Estado. Neste sentido, é criada a Frente Nacional, onde os monárquicos,
os conservadores e os falangistas pretendem combater a Frente Popular, dando assim origem
à famosa guerra civil espanhola.
Dimensão Social, Política e Cultural
O principio do século XX trás várias novidades, tanto a nível cultural, como político e
social. Deste modo, emerge a cultura de massas, que se irá propagar estrondosamente até aos
dias de hoje.
A imprensa, a rádio e o cinema são os protagonistas desta época e englobam os meios
de comunicação de massas, os media, ou mass media. Estes proporcionaram não só a
propagação das notícias a ritmo acelerado, mas abriram também um novo mundo do sonho e
das fantasias.
A imprensa, já existente há séculos, passa a ser direccionada à massa, com a utilização
de um vocabulário simples e informal, capaz de ser compreendido por todos. O livro, por sua
vez, passa a ser também criado em prol da sociedade. Aparecem os romances cor-de-rosa, a
banda desenhada, as histórias políticas e os romances policiais – sendo este último de especial
importância, devido à célebre escritora Agatha Christie, considerada a escritora mais vendida
do século XX. Finalmente, os jornais passam a incluir história de guerra e crime, são ilustrados
com fotografias e possuem secções femininas, desportivas, e crónicas para todos lerem.
A rádio, criada por Marconi em 1896, é o meio de comunicação mais popular na época.
Este é acessível a todos, mesmo aos analfabetos, pois não requer qualquer leitura. Transmite
notícias, música, novelas radiofónicas e anúncios publicitários.
O cinema, nascido na França, é considerado uma das maiores invenções do início do
século XX. Este abre as portas a uma completamente nova indústria, onde se fomenta os
sonhos e o imaginário e se criam e divulgam personagem do fantástico.
PORTUGAL: O ESTADO NOVO
Portugal, que se encontrava desde 1910 sob o regime de uma República parlamentar,
é, em 1926, vítima de um golpe de Estado militar que acaba com a democracia, iniciando assim
um longo período de ditaduras.
Inicialmente, instala-se uma ditadura militar, mantida até 1932, que põe termo à crise
social e política até então vivida. Após sucessivas mudanças de líder, sem que nenhum tivesse
a preparação para tomar conta do cargo, o resultado foi desastroso, deixando Portugal cair
mais fundo na crise. Em 1928 sobe ao poder o general Óscar Carmona, que conta com António
de Oliveira Salazar para o cargo da pasta das Finanças.
Salazar, antigo professor de Economia da Universidade de Coimbra, conseguiu grandes
feitos no seu cargo, conseguindo mesmo um saldo positivo no Orçamento do Estado. Deste
modo, os seus adeptos cresciam e, em 1932, é nomeado para a chefia do Governo.
Salazar empenhou-se na criação de uma nova ordem política em Portugal. Para tal, cria
novas instituições que servem de alicerce ao Estado. Entre eles a União Nacional, uma força
política oficial, criada em 1933, que mais tarde se tornará no partido único: o Partido Nacional.
Além disso, é também criado o Ato Colonial, aprovado em 1930, onde se reafirmava o poder
de Portugal sobre as colónias e a relação de dependência das mesmas. Mais tarde, publica o
Estatuto do Trabalho Nacional e cria a que ficou conhecida como Constituição de 1933, onde
se põe fim à ditadura militar e onde ficou consagrada a nova ordem política: o Estado Novo.
Este era um Estado onde se fomentava maioritariamente o Nacionalismo, de caráter
autoritário, corporativo e conservador – ideais inspirados nos modelos totalitários da Europa,
nomeadamente do fascismo italiano. Além disso, os seus ideais assentavam nas ideias
conservadores de Deus, Pátria, Família, Austeridade e Paz Social.
A administração do Estado Novo residia na manipulação do povo e dos media, de
modo a demonstrar que os seus ideais eram os mais acertados. Fortemente inspirado por
Mussolini e o seu lema “tudo no Estado, nada contra o Estado”, Salazar cria também o seu
lema “Tudo pela Nação, nada contra a Nação. Os seus métodos passavam por engrandecer o
culto da vida no mundo rural, onde as populações agricultoras não tinham acesso ao mundo
exterior e, consequentemente, não tinham meios de criticarem ou compreenderem o regime
em que viviam. Além disso, Salazar protege fortemente a Igreja Católica, acabando por
declará-la mesmo a religião da Nação portuguesa.
Salazar enaltece também a imagem da família portuguesa, onde o papel da mulher se
reduz ao papel passivo de submissa à família, esposa carinhosa e mãe atenciosa e sacrificada.
A família portuguesa era, de acordo com os seus ideais, uma família católica, respeitadora e
austera.
O Estado Novo possuía, além disso, ideais de um nacionalismo exacerbado. Deste
modo, Salazar procurava enaltecer os feitos dos portugueses, apresentando-os como heróis,
dotados de enormes qualidades e grandiosos nos seus feitos.
À semelhança do fascismo italiano, o Estado de Salazar era antiliberal, antidemocrático
e antiparlamentar. Para ele, a Nação representava um todo e, como tal, os interesses do
individuo eram colocados de parte. O interesse principal residia na Nação em si. Deste modo, a
ideia da existência de vários partidos tornou-se impensável, pois cada partido defendia os
interesses de um grupo de indivíduos, não indo de acordo com o ideal nacionalista salazarista.
Assim, Salazar opõe-se à democracia parlamentar e faz existir um Partido Único, como
acontecia na Alemanha e em Itália.
Todas estas medidas e ideais só colocadas à prova através do poder administrativo que
cabia ao líder. Isto reconhecia a autoridade de Presidente da República como máxima, o
primeiro poder do Estado, completamente independente do Parlamento. O líder tinha, deste
modo, a capacidade de fazer reger as leis e as medidas necessárias à condução do país na
direcção pretendida.
De modo a fomentar o seu poder, Salazar cria, tal como se vê no fascismo italiano, as
corporações. Estes órgãos agrupavam a população por famílias e funções que estes
desempenhavam. Integravam tanto os trabalhadores como os seus patrões, de modo a que
todos se sentissem iguais. No entanto, estes órgãos tinham como objetivo final o controlo da
economia e das relações laborais por parte do Estado.
Além disso, de modo a concretizar os ideais ditatoriais do Estado salazarista, são
criadas um grupo de instituições e processos que visam o controlo das massas. Entre eles, o
SPN (Secretariado da Propaganda Nacional), em 1933, dirigido por António Ferro, tem o papel
de fazer propagar os ideais do Estado e controlar as artes. Em segundo lugar, funda-se em
1930 a União Nacional, que iria em 1934 tornar-se no Partido Nacional, ou seja, um Partido
Único, concretizado aquando da extinção de todos os partidos políticos.
Com a vitória da Frente Popular, em França, e o início da Guerra Civil em Espanha, um
ambiente de ameaça bolchevique paira sobre o Portugal ditatorial. Deste modo, Salazar obriga
um funcionalismo público, conseguido através de um juramento que provava a fidelidade das
massas e o repúdio ao comunismo. Além disso, recorre a organizações milicianas, tais como a
Legião Portuguesa, destinada a defender o “património espiritual da Nação” e a combater a
ameaça bolchevista – esta legião era de caráter obrigatório em certos empregos públicos. Do
mesmo caráter, foi fomentada a Mocidade Portuguesa, também de inscrição obrigatória para
os estudantes, este órgão era fundamental para o Estado e visava incutir os ideais salazaristas
e os seus valores nacionalistas e patrióticos.
Deu-se, do mesmo modo, um vasto controlo no ensino, no qual se adoptaram os
“livros únicos” do Estado, que enalteciam o nacionalismo e os ideais do Estado Novo, assim
como a religião Cristã. Em vista de continuar a propagar os seus ideais, Salazar toma também
precauções na vida familiar da população, surgindo, em 1936, a Obra das Mães para a
Educação Nacional, que visava criar a imagem da “mãe-modelo” que deveria ser seguida à
regra. Finalmente, é criada a Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT), órgão que
procurava controlava os tempos livres dos trabalhadores, com atividades “educativas” dotadas
de nacionalismo.
Entretanto, o clima de repressão – único modo de impor os ideais do Estado – obriga à
censura prévia de todos os artigos da imprensa, do teatro, do cinema, da rádio e, mais tarde,
da televisão. Para tal, foram criados órgãos capazes de intervir e controlar a censura e as
massas, tais como a polícia política, a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado, ou
Polícia de Vigilância e de Defesa do Estado). Esta assegurou-se, a partir de 1945, de prender,
torturar e até matar todos os opositores ao regime, focando-se principalmente (mas não só)
nos simpatizantes do Partido Comunista.
A nível financeiro, que foi para Salazar a prioridade desde que subiu ao poder como
ministro da Finanças, tomaram-se várias medidas capazes de aumentar o orçamento do Estado
e conseguir um saldo positivo. Para tal, dá-se uma diminuição das despesas e um aumento das
receitas, conseguida com a criação de novos impostos e com o aumento das tarifas
alfandegárias sobre as importações. Além disso, o papel neutro tomado aquando da II Guerra
Mundial foi uma atitude bem tomada no Estado Novo, com isto, criaram-se mais receitas a
nível das exportações, maioritariamente do volfrâmio, e torna possível o aumento das reservas
de ouro, permitindo assim a estabilidade monetária.
A nível social, além de todas as medidas repressivas tomadas na educação e na família,
o Estado Novo fomentou o mundo rural, hostilizando nos seus ideais a cidade industrial, com a
intenção de manter o povo analfabeto em relação ao que se encontrava fora das fronteiras
portuenses para que, deste modo, os seus ideais se mantivessem incontestados. Para tal são
criadas medidas que visavam promover o mundo rural e agrícola, tais como a construção de
numerosas barragens que, ao melhorarem a irrigação dos solos, promoviam a agricultura,
conseguindo assim maior produção, assim como um maior número de produtores. A Junta de
Colonização Interna, criada em 1936, tinha como objetivo trazer a população para certos locais
do interior do país, conseguindo assim o crescimento da produção vinícola, de arroz, de
batata, azeite, cortiça e das frutas.
Entre estas, a mais importante medida foi, sem dúvida, a Campanha do Trigo.
Inspirada na batalha do trigo italiana, este projecto procurava alargar a área de cultura do
trigo, principalmente no Alentejo. Entre 1929 e 1937 os seus feitos foram bastante
satisfatórios e permitiram a autosuficiência da Nação.
A nível nacional foi implantada uma política de obras públicas, cujo protagonista foi o
Eng. Duarte Pacheco, Ministro das Obras Públicas. Neste sentido, foi criada a Lei de
Reconstituição Económica, em 1930, que procurava não só combater o desemprego originado
pela crise, mas também criar no país as infraestruturas necessárias ao desenvolvimento
económico.
Deste modo, foram melhoradas as redes de caminhos-de-ferro e criadas inúmeras
estradas, que duplicaram até 1950, e até auto-estradas, seguindo os modelos da Alemanha.
Foram também edificadas novas pontes, entre elas a ponte sobre o Tejo, que se tornou a mais
célebre e foi considerada a maior ponte suspensa da Europa. Além disso, expandiram-se
também as redes telegráficas, os portos e os aeroportos, o que permitiu o desenvolvimento
crucial do comércio externo e interno. Finalmente, esta política preocupou-se também em
melhorar as condições de vida da população, com a construção de hospitais, escolas,
universidades, bairros de operários, estádios, tribunais e prisões.
Entretanto, ao contrário do que foi feito a nível agrícola, a indústria sofreu um enorme
atraso durante todo o tempo do Estado Novo. Inicialmente foi criada uma política de
condicionamento industrial, entre 1931 e 1937, que impedia qualquer avanço ou criação de
fábricas que não fosse aprovado primeiro pelo Estado – ou seja, não se deu qualquer avanço.
Este dirigismo económico que se pensava ser temporário, resultante de uma política anticrise,
provou-se de caráter definitivo e condicionou o avanço industrial do país.
A RECONSTRUÇÃO DO PÓS-GUERRA
Após a vitória dos Aliados na II Guerra Mundial, um clima caótico prosperou sobre a
Europa. Não só a Alemanha e o Japão saíam da guerra humilhados e destruídos, mas também
a França e a Inglaterra apresentavam grandes dificuldades a nível financeiro, social e político.
Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Roosevelt, Estaline e Churchill reúnem-se na que
ficou conhecida como a Conferência de Ialta. Neste momento, ficaram esclarecidas algumas
medidas a tomar para sustentar a nova ordem mundial, tão dificilmente conseguida.
Em primeiro lugar, definiram-se as fronteiras da Polónia e estabeleceu-se a divisão
provisória da Alemanha em quatro áreas, que seriam administradas separadamente pelas
quatro potências (Rússia, Inglaterra, EUA e França). Em segundo lugar, decidiram-se algumas
bases essenciais à preparação da ONU (Organização das Nações Unidas) e estabeleceu-se a
quantia base de 20 000 milhões de dólares a pagar pela Alemanha, para reparar os estragos
causados pela guerra.
Alguns meses mais tarde, os líderes reuniram-se novamente, desta vez com o fim de
consolidar os alicerces da paz. A Conferência de Potsdam foi, no entanto, mal sucedida e foi
rapidamente encerrada. Isto sucedeu-se devido ao clima tenso liderado pelas divergências de
ideais entre os liberais capitalistas e o comunismo de Estaline.
Neste sentido, inicia-se um período de tensão entre liberais e “Estaline”. Com o papel
preponderante da Rússia para a vitória da II Guerra Mundial, o protagonismo que com ela veio
foi visto por Estaline como oportuno para a propagação dos ideais socialistas. Fomentando
estas ideias veio o poder dado à URSS, a quem coube a libertação dos países da Europa
Oriental. Assim, a vantagem no Leste Europeu rompeu-se e, embora contrárias às ideias da
Conferência de Ialta, todos os países libertados pelo Exército Vermelho tornaram-se
socialistas.
Este acelerado processo de sovietização foi fortemente contestado pelos liberais
ocidentais. Com isto, Churchill denuncia publicamente no famoso discurso de Fulton os meios
de liderar de Estaline e insere o conceito da “cortina de ferro”.
ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS
Após a II Guerra Mundial retoma-se a ideia de criar um organismo capaz de manter a
paz, tal como acontecia com a Sociedade da Nações, antes do seu fracasso. Roosevelt baptiza
o futuro organismo como Organização das Nações Unidas (ONU).
Esta fica inicialmente acordada na Conferência de Teerão, realizada em 1943 e, mais
tarde, é ratificada em Ialta, onde se acorda a convocação de uma conferência que contasse
com figuras políticas dos vários países e onde se redigiria a Carta fundadora das Nações
Unidas.
Iniciada a 25 de abril de 1945, esta Conferência contou com representantes dos vários
países que afirmava, unanimemente, a vontade de promover a paz e a cooperação
internacional.
Manter a paz e reprimir os atos de agressão através de meios pacíficos e de acordo
com a justiça e com os direitos do Homem foi, talvez, um dos mais importantes propósitos
deste organismo. Além disso, também o desenvolver de relações amigáveis entre as várias
nações e desenvolver a cooperação internacional, tanto a nível económico, como social e
cultural.
Maioritariamente, a ONU procurava defender os Direitos do Homem e do cidadão, de
modo a impedir que se repetissem as atrocidades do holocausto. Neste sentido, é aprovada
em 1948 a Declaração Universal dos Direitos do Homem, que ultrapassa a Declaração dos
Direitos do Homem e do Cidadão criadas em França, em 1789. Esta Declaração não se limitava
aos direitos alienáveis do Homem, mas incluía também grande importância às questões
socioeconómicas, tais como o direito ao ensino e ao trabalho – talvez assim fosse porque, com
o desenvolvimento da humanidade, já não se podia considerar que apenas os direitos básicos
fossem de caráter obrigatório.
A ONU encontrava-se organizada em vários órgãos de funcionamento, cada um com o
seu propósito. Em primeiro lugar, a Assembleia-Geral, formada pelos estados-membros,
funciona como um parlamento mundial e tem por objetivo discutir todo o tipo de questões
abrangidas pela organização. Em segundo lugar, o Conselho de Segurança, composto pelos
estados permanentes e mais dez estados rotativos, é o órgão ao qual compete a manutenção
da paz e da segurança; este órgão faz as “recomendações”, atua como mediador, decreta
sanções e decide a intervenção das forças militares da ONU; todas as decisões deste órgão são
realizadas através do voto, no entanto, os estados permanentes têm todos que votar a favor,
tendo, contrariamente, direito de veto. O Secretariado-Geral possui um mandato de cinco
anos que pode ser renovado; neste órgão encontra-se o secretário-geral que, apesar de não te
direito de voto, toma parte em todas as reuniões do Conselho de Segurança.
O Conselho Económico e Social, por sua vez, encontra-se encarregue de promover a
cooperação a nível económico, social e cultural entre as nações. Este é um dos órgãos mais
importantes da ONU e abrange vários pequenos órgãos, criados a partir de 1944 por
economistas de todo o mundo, que visavam evitar o ciclo da crise e da desvalorização da
moeda. Deste modo, além de terem tornado o dólar como a principal moeda na época,
criaram também organismos de proteção às nações com problemas financeiros, o FMI, e o
BIRD (Banco Mundial), destinado a financiar projectos de longo prazo das várias nações.
PRIMEIRA VAGA DE DESCOLONIZAÇÕES
A II Guerra Mundial foi um despertar para as novas realidades do mundo, tanto a nível
económico e social, como político e cultural. Entre todas as “novidades” trazidas com o final da
guerra, a perceção das injustiças e até atrocidades cometidas nas colónias levou a um
propagação do sentimento de liberdade e revoltas nestes locais.
A guerra mostrara que a Europa não era totalmente invencível e, no momento de
ruptura, via-se economicamente destruída e incapaz de lidar com conflitos coloniais. Além
disso, também as duas maiores potências mundiais, os EUA e a URSS, pressionavam o processo
de descolonização. A primeira potência não gostava de ver refletido no “presente” aquilo que
fora no “passado”, ou seja, uma colónia britânica sem liberdade, assim como via os seus
interesses económicos aumentarem, dado que com a ruptura das colónias as matérias-primas
tornavam-se escassas nas nações que, deste modo, teriam que pedir ajuda externa. A segunda
via os ideais marxistas a serem colocados em causa com a repressão colonial e, além disso,
viam ouro na possibilidade de estender o socialismo nos países recém criados.
Deste modo, inicia-se no continente asiático o processo de descolonização. No Médio
Oriente, tornam-se independentes a Síria, o Líbano, entre outros, sendo estes os primeiros. A
Índia apenas em 1947 consegue tornar-se independente, depois dos muitos esforços do líder
da “oposição”, Gandhi. Muitos outros estados vão lutando e conseguindo a sua
independência, alguns a grandes custos, como foi o caso da Indochina, onde a ocupação
japonesa fomentara os sentimentos antifranceses, resultando numa forte oposição comunista
e ditatorial contra a França.
Resumos de História – 4º teste
Após a derrota alemã na II Guerra Mundial, e tendo em conta o sucedido anos antes,
na I Guerra Mundial, os países vencedores sentiram a necessidade de criar medidas capazes de
impedir que uma nova guerra voltasse, jamais, a despontar.
Deste modo, a Alemanha foi dividida em quatro partes essenciais e cada
uma dessas era administrada por uma das grandes potências vencedoras
(Inglaterra, França, URSS e EUA). O país divide-se, assim, em dois núcleos
centrais: os liberais e capitalistas e os comunistas russos. Tendo em conta os
meios administrativos de ambos, a Rússia sentiu-se ameaçada.
Enquanto isto sucedia, os países de leste eram também conquistados
(sovietizados) pela URSS, dado que fora convocada a esta o poder de libertar
estes países do nazismo – que resultou numa oportunidade para os sovietizar.
Este facto dá força ao conceito de “cortina de ferro” preconizada por Churchill,
que evidenciava o clima de tensão que se vivia entre o comunismo e os liberais.
Deste modo, Estaline cria o Kominform (Secretariado de Informação comunista),
em 1947, que vinha substituir o antigo Komintern. Era um organismo que visava o controlo e a
propagação do comunismo pelo mundo.
Entretanto, a 12 de Março do mesmo ano (1947), o presidente norte-americano Harry
Truman põe em evidência a necessidade de resistir às tentativas de dominação russa. O que
este pretendia era combater o comunismo soviético através da contenção e ajudar a Europa a
reerguer-se do caos da guerra – é então lançada a doutrina Truman. Entretanto, o clima
político permanecia instável e propício à propagação dos ideais soviéticos. Deste modo, o
secretário de Estado norte-americano George Marshall propõe um plano de ajuda económica
à Europa que fica conhecido como o Plano Marshall e irá complementar-se na doutrina
Truman. Este projecto concebia fundos monetários aos vários países da Europa, incluindo
aqueles que se encontravam sob o domínio soviético. A Rússia vê esta ajuda dos EUA como um
meio de divulgação dos seus ideais liberais e capitalistas e recusa-a em todos os países sob o
seu domínio.
Neste sentido, a Rússia responde em janeiro de 1949 com a criação do Plano Molotov,
que visava estabelecer uma cooperação entre os países de domínio soviético e estipulavam a
longo prazo a ajuda técnica e financeira, assim como o fomento das trocas comerciais entre
nações. Deste modo, cria-se o COMECON (Conselho de Assistência Económica Mútua), uma
organização de cooperação económica destinada a promover o desenvolvimento financeiro e
as atividades comerciais e industriais destes países.
Além disso, na Alemanha, Berlim era administrado pelas três potências liberais que
viram este território como o campo de batalha ideal a conter o avanço soviético, fazendo dos
seus territórios alemães uma república federal, a República Federal Alemã (RFA). Por sua vez, a
Rússia, após enormes protestos, faz para o seu território semelhante escolha, criando a
República Democrática Alemã (RDA).
No entanto, as três potências mantêm “estacionadas” as suas tropas na cidade de
Berlim, o que é visto por Estaline como uma ameaça. Deste modo inicia-se o Bloqueio de
Berlim, no qual os sovietes bloqueiam todos os acessos terrestres à cidade por parte das
potências aliadas. Para tal, a União Soviética bloqueia as linhas ferroviárias e rodoviárias e
tenta comandar os portos, tendo com isto em vista o bloqueio da produção industrial, para
que, deste modo, estes necessitassem da ajuda soviética e se retirassem da cidade para assim
alargar o seu território para a capital.
Assim, a 24 de Junho de 1948, Estaline decreta o Bloqueio de Berlim. As potências
liberais são forçadas a abastecer a cidade através de uma ponte aérea durante 321 dias
(Operação Vittle), até que, a 12 de Maio de 1949, Estaline suspende o bloqueio, deixando na
capital um clima caótico de pobreza e fome.
Deste modo, inicia-se um período de forte tensão, o qual se deu o nome de Guerra
Fria. Este prolongou-se até meados dos anos 80, no entanto, foi até meados dos anos 50 que a
tensão foi mais visível. Os Estados Unidos e a URSS viram-se hostilizados e intimidados um pelo
outro ao longo deste tempo, que resultou em enormes mudanças pelo mundo inteiro.
Ninguém desejava ou tinha sequer forças para entrar noutro conflito mundial como o ocorrido
poucos anos antes com a II Guerra Mundial, no entanto, a ganância, o poder, e
maioritariamente as diferenças políticas entre as duas potências despontaram um clima
perigoso que se encontrava aliado ao desejo de possuir mais do que o outro, quer em
armamento, como em territórios. Deste modo, o liberalismo e o marxismo-estalinista viram-se
num campo de combate no qual nenhum queria sucumbir à guerra, no entanto queriam
superar o adversário em tudo.
Devido a este conflito, os EUA não tardaram a encontrar aliados que os apoiassem na
contenção do comunismo. Neste sentido, dá-se em 1949 a assinatura do Tratado do Atlântico
Norte, entre os EUA, o Canadá e algumas nações europeias. Mais tarde isto viria a dar origem à
Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN (ou NATO), uma importante organização
militar do pós-guerra que visava “regular por meios pacíficos todas as divergências
internacionais em que possam encontrar-se envolvidas por forma que não façam perigar a paz
e segurança internacionais”.
A partir desta aliança formada formaram-se inúmeras outras, de modo que, em 1959,
já três quartos do mundo se encontravam ligados aos EUA. Estas novas alianças multilaterais
contavam com a Organização dos Estados Americanos (OEA), que ligavam a América; na
Oceânia (ANZUS); no Sudoeste Asiático (Organização do Tratado da Ásia de Sudoeste –
OTASE); Médio Oriente (Pacto de Bagdade).
O mundo encontrava-se então dividido. Por um lado, existia o sistema repressivo e
comunista de Estaline, por outro, o sistema liberal e capitalista que representava o resto da
Europa e EUA. Este segundo “mundo” tinha como objetivo travar a expansão do socialismo
comunista e assegurar a paz e justiça liberal mundial. Era já dado como certo desde o ocorrido
na Grande Depressão que o Estado deveria possuir um papel interventivo na sociedade. Este
facto não foi negado, mas sim priorizado durante esta altura. Em 1945 dão-se as eleições em
Inglaterra que colocam no poder o líder do Partido Trabalhista, ClementAtlee, deixando claro
que a necessidade era o socialismo, em vez o conservadorismo até então preconizado pela
figura de Churchill. Por todo o mundo, partidos com idealismos idênticos começaram a
proliferar – adeptos da social-democracia, que rejeita os ideais de Marx e evidenciam a
necessidade de novas reformas sociais e da melhoria de vida dos trabalhadores. Nisto,
encontra-se apenas a exceção de países como a Itália e a RFA (República Federal Alemã), que
receavam os partidos socialista e deram poder aos democratas-cristãos, que tinham na sua
ideologia a doutrina social da igreja e visavam o bem estar do homem maioritariamente a nível
espiritual.
Deste modo, enfatiza-se a preocupação do Estado como a nação, fomentam-se os
programas de nacionalizações dos bancos, das companhias de seguros, da produção de
energia, dos transportes, entre outras. O Estado torna-se, assim, o principal agente da
economia, nascendo a conceção do Estado como Estado-providência.
O Estado-providência nasce no Reino Unido como walfarestate, ou seja, um Estado
que tem na sua totalidade o objetivo de ver melhorar as condições de vida da sua população.
Para tal, criam-se medidas, tais como o sistema nacional de saúde (NationalHealthService),
que torna gratuitos todos os serviços médicos e que se estende a todos os cidadãos, e um
sistema de proteção social que engloba o abono de família, de desemprego, de reforma, e a
baixa médica para doentes, assim como alguns subsídios aos mais pobres. Estas medidas
permitem uma estabilização social e económica, tornando as nações mais prósperas.
O mundo entrou assim num período que não via fim à sua prosperidade. O governo
trabalhava arduamente para obter resultados e, ao longo de 1945 e 1973 não houve qualquer
crise ou diminuição da economia e das taxas de crescimento. O capitalismo regressou em alta,
maioritariamente na RFA, na França e no Japão, que ficaram denominados como “milagres
económicos”. Um grande apoio a esta causa foram os acordos de BrettonWoods, feitos entre
os EUA e o Japão, nos quais se estabeleceu o dólar como a moeda de maior poder e cujo
objetivo era o de criar instituições monetárias e mecanismos de apoio financeiro que
trouxessem estabilidade económica e facilitassem o câmbio de moedas (deste resultou, entre
outras, a criação do FMI), e a criação da CEE. Estes trinta anos de crescente prosperidade
ficaram conhecidos como os “Trinta Gloriosos” – expressão tornada popular pelo economista
francês Jean Fourastié.
Estes anos conheceram inúmeras mudanças, como já vimos. Entre elas ocorreu um
enorme progresso tecnológico, fomentado pela aposta das novas grandes empresas e fábricas
e que atingia todos os sectores. Além disso, é de destacar também a preferência ao petróleo
em relação ao carvão (que se mantinha como predilecto desde a Revolução Indústrial), dado
que o primeiro era de tal forma abundante e rico cujos preços se viram reduzidos e óptimos
para a sua compra. É também de evidenciar o aumento das grandes empresas e a
concentração industrial, que foi unicamente permitida pela melhoria das condições de vida,
que fomentaram a possibilidade de crescimento da classe média e da classe alta para
patamares mais elevados na sociedade. Não só tudo isto, mas deu-se também um aumento da
população ativa, que ocorreu não só devido ao “baby-boom”, ou seja, ao aumento geral da
natalidade no anos 40 e 50, também devido à maior integração da população feminina no
mercado de trabalho, e além disso, também se fez notar um crescimento da população que
emigrava de países menos desenvolvidos à procura de melhores condições de vida (entre
estes, Portugal estava entre os países com maior taxa de imigrantes). Esta mão-de-obra
crescente era também mais qualificada devido ao aumento da escolaridade obrigatória, o que
contribuo para o bom desenvolvimento das nações.
Não obstante o que foi referido, adicionou-se ainda a modernização da agricultura nos
países desenvolvidos, permitindo a autosuficiência dos mesmos, a capacidade não só de
importar como também de exportar produtos alimentares e diminuiu a dependência externa.
Finalmente, notou-se um crescimento do sector terciário, ou seja, dos serviços. A este sector
dedicava-se maioritariamente a classe média e, deste modo, com o seu aumento, nota-se que
se deu um aumento favorável na classe média, diminuindo a pobreza neste países.
Tudo isto motiva a sociedade ao típico consumismo, com a agravante dos progressos
tecnológicos e da importância dos novos sectores, como é o caso da publicidade, que
permitem também um aumento dos produtos e fomentam a necessidade de os adquirir.
Deste modo, a sociedade mundial capitalista abastece-se de um leque de bens, tais
como automóveis, electrodomésticos, roupas, telefones, televisões, os quais a população tem
agora dinheiro para adquirir. Inventa-se assim as “tendências”, ou seja, os bens que é
necessário adquirir e que, passada uma época, são deitados fora e substituídos por outros
objectos (“passam de moda”). Nisto vem também a publicidade ajudar, criando uma única
“propaganda de consumo” que manipula os indivíduos a adquirirem certos produtos através
de técnicas psicológicas de persuasão.
Entretanto, do outro lado do globo, a URSS divulgava e espalhava a sua palavra e os
seus ideais marxistas. Saído da II Guerra Mundial, o comunismo contava apenas com dois
partidários: a URSS e a Mongólia. No entanto, o tempo e as eventualidades permitiram a
propagação rápida das suas ideias. Entre 1945 e 1949 o comunismo propaga-se até à Europa
Ocidental (Coreia do Norte e China). Já nos anos 50 e 60 alastra-se para até à Ásia (Vietname,
Camboja e Birmânia) e encontra em Cuba o seu local de eleição, devido à sua proximidade dos
EUA.
Foi a partir da URSS que todos os ideais marxistas partiram e foi graças à necessidade
de libertar certos países dos domínios totalitaristas, trabalho que coube à URSS nos acordos de
Ialta (dos quais Estaline se iria aproveitar) e à primeira vaga de descolonização que Estaline viu
a sua oportunidade ser viavelmente conseguida.
A primeira vaga comunista propagou-se pela Europa Oriental e foi realizada sobre
ordem de pressão pela URSS. Em 1948 todos os países de Leste motivados pelo comunismo já
possuíam Partido Único e viviam sob ideais semelhantes aos da União Soviética. Estes novos
partidos receberam a designação de Democracias Populares pois viviam soube a égide dos
ideais comunistas, opunham-se aos regimes liberais, possuíam partido único e tinham um
Estado que controlava tudo, desde a economia à cultura.
Em 1955 os laços entre a Albânia, a Bulgária, a Hungria e a República Democrata
Alemã, a Polónia, a Roménia, a URSS e a Checoslováquia, ou seja, democracias populares
foram reforçados através do Pacto de Varsóvia. Este pacto militar visava a aliança entre os
vários países e a “una” protecção contra qualquer agressão – bastante similar à NATO, nos
EUA. Deste modo, tanto os EUA como a URSS possuíam aliados suficientes para se defenderem
em caso de nova guerra, comprometendo qualquer tentativa de ambas as potências atacarem.
Por sua vez, a segunda vaga deu-se na Ásia. Esta contou apenas com o apoio da URSS e
não foi directamente resultado das ordens e tropas militares dirigidas por Estaline, mas sim
por vontade própria dos trabalhadores das nações em constituírem os ideais do marxismo.
Muitos países assim se revolucionaram, à exceção da Coreia do Norte, que foi resultado direto
das ordens da URSS. Em primeiro lugar, a Coreia fora, na sua totalidade, incumbida de ser
libertada do governo japonês após a II Guerra Mundial, por parte da União Soviética e dos
EUA. No entanto, as duas potências não pareciam encontrar consenso no modo de dirigir a
recém-nação. Deste modo, a Coreia divide-se em duas potências, uma comunista e a outra
liberal e capitalista. Apesar de ainda assim se manterem nos dias de hoje, entre 1950 e 1953
este facto resultou numa severa guerra entre o norte e o sul, até que por força militar as
conseguiram parar.
A China, por sua vez, tornou-se socialista a partir de vários movimentos
revolucionários nacionalistas. Em 1949, Mao Tsé-Tung proclama a instauração de uma
República Popular, após trinta anos de falhadas tentativas. Apesar de não terem contado com
um grande apoio por parte da URSS, a China assina, em Moscovo, um Tratado de Amizade e
Aliança entre as duas nações. Assim, a URSS passa a contar com mais uma aliança, apesar de
anos mais tarde esta ser quebrada.
Além disso, a América Latina é também alvo das tentações comunistas,
nomeadamente nos anos 60 e 70. O seu ponto fulcral foi Cuba onde, em 1959, Fidel Castro e
Che Guevara derrotam o ditador Fulgêncio Batista. Até então estes comunistas não tinham
qualquer ligação com a URSS, no entanto, após serem hostilizados por parte dos EUA, aceitam
o apoio dos soviéticos e transformam Cuba em mais um aliado no comunismo. É devido a esta
aliança que a Guerra Fria se torna mais temível aquando de 1962 uns aviões americanos
avistam em Cuba armas nucleares capazes de atacar território americano. Kennedy, já
presidente, envia um aviso que acaba por se resolver num acordo, no qual a américa se
compromete a não mais tentar derrubar o regime de Cuba.
Tal como é já do conhecimento geral, o comunismo soviético sempre dera prioridade à
indústria, maioritariamente à indústria pesada e às infraestruturas, tais como os complexos
siderúrgicos e as centrais hidroeléctricas. Este factor vai-se propagar para todos os países
Europeus sob a alçada comunista. O que trará enormes consequências. Apesar de certos
países terem visto um crescimento notável na indústria, a vida das suas populações só piorou.
As horas de trabalho mantêm-se, os salários sobem bastante lentamente e as carências de
bens proliferam. Além disso, não demora muito tempo até que os resultados da excessiva
industrialização se mostrem prejudiciais. As empresas vêm-se privadas de quaisquer poder e
entusiasmo e fazem apenas o pedido para alcançar as metas dos planos ditados. Na agricultura
não se fazem quaisquer avanços, sendo que algumas nações exportadoras de cereais passam a
ter que os importar.
Na tentativa de solucionar o problema, o novo líder soviético, NikitaKruchtchev,
efectua um conjunto de reformas. Este plano inicia-se em 1959 com o reforço das indústrias
de consumo e de habitação. Segue-se um aumento das terras cultivadas, no sentido de
aumentar a produção agrícola. No entanto, o resultado destas medidas fica muito aquém do
que era esperado e a economia colapsa quando, na década de 70, sobe ao poder Leonidas
Brejnev, que trás consigo uma era de corrupção e abuso de poder.
Entretanto, as potências Americana e Soviética disputavam tudo o que podiam numa
guerra de tensão e competição que parecia não ter fim. Não apenas o muro de Berlim expunha
as suas divergências, mas também as competições de armamento que foram realizadas.
Em primeiro lugar, os EUA sentiram-se surpreendidos quando, em Setembro de 1949,
os Russos fazem explodir a sua primeira bomba atómica, que estes acreditavam serem os
únicos a possuir até então. A necessidade de superar os Russos fê-los procurar uma receita
mais potente que a bomba atómica, fazendo em 1952, explodir a primeira bomba de
hidrogénio, que no ano seguinte também já se encontrava sob a alçada dos Russos.
Assim, o segundo ponto iniciou-se com o aumento gigantesco do orçamento da nação
americana para o armamento “convencional”. Este orçamento triplica após a invasão da Coreia
do Sul pelos comunistas, e sente-se a necessidade de possuir mais armas e um maior poder
terrestre, aéreo e naval. A este plano segue-se, obviamente, um igual por parte da URSS, que
gasta 80% do seu orçamento em despesas militares.
O mundo encontrava-se, segundo Churchill, resvalado para o “equilíbrio instável do
terror”.
No entanto, nem todas as competições entre as duas superpotências foram perigosas.
A competição mais saudável desenvolveu-se com os progressos tecnológicos a nível da ciência
e da aeroespacial. Devido à receita deixada pela Alemanha nazi que trabalhava secretamente
num projecto de mísseis criam-se os primeiros foguetes que, na Rússia, se desenvolvem em
satélites e foguetes capazes de sobrevoar o espaço e, até, levar consigo passageiros.
Deste modo, em outubro de 1957, a Rússia eleva-se a um nível mais elevado quando
consegue colocar em órbita o primeiro satélite artificial da História, o Sputnik 1. Após inúmeras
tentativas falhadas e a morte de alguns cães domésticos, o Sputnik 2 consegue levar a primeira
passageira no espaço que sobrevive, a cadela Laika. Isto destrói os Americanos, que
rapidamente tentam superar as suas ações, em várias tentativas falhadas. Só em 1958
conseguem o lançamento com sucesso do Explorer 1. Por sua vez, mais algumas sondas são
enviadas até que os Russos conseguem tocar na lua. Assim, continuam a criar-se metas entre
as duas potências que conseguem ser superadas, principalmente pela União Soviética, até que,
em 1969, os Americanos conseguem colocar dois astronautas na superfície lunar, convocando
assim a sua liderança perante a URSS.
Entretanto, no continente asiático, o Japão dava uma reviravolta em relação ao estado
como havia saída da II guerra mundial, ou seja, humilhado e destruído. O “milagre japonês” foi
o nome dado ao seu rápido progresso e à sua prosperidade após a guerra. No início sob a
alçada dos EUA, até conseguir total independência, em 1952, mantendo a aliança entre ambos
e favorando dos apoios financeiros e técnicos americanos.
No entanto, o que realmente permitiu ao Japão ascender foi a sua tradição e cultura
altamente trabalhadores, assim como um pensamento virado para o progresso. Em primeiro
lugar, o Partido Liberal-Democrata era o governo acertado para a época, um Estado
interventivo que criou as condições favoráveis ao avanço económico do país. Em segundo
lugar, dado que na II Guerra Mundial esta nação se encontrava aliada à Alemanha nazi o japão
foi também vítima das condições tratadas que visavam impedir uma nova guerra, ou seja, o
Japão viu-se privado de qualquer armamento militar que pudesse ser prejudicial, o que
resultou numa junção do orçamento até então utilizado para o armamento, canalizando-o
para outros recursos financeiros, dado que promoveu o seu desenvolvimento. Além disso, a
mentalidade japonesa foi um dos factores decisivos para o progresso deste país, dado que a
ligação desde sempre criada no Japão visava que o patrão deveria fazer tudo em função do
trabalhador e, por sua vez, o trabalhador devia dedicar a sua vida à empresa onde é
funcionário. Deste modo, ambos cooperavam de modo amigável e favorável, de tal modo que,
nos primeiros anos, os funcionários abdicaram dos seus aumentos de salários para os dar à
empresa, de modo a promover a renovação tecnológica.
Assim, o Japão ganhou um novo objetivo: tornar-se a primeira sociedade consumista
asiática.
Esta meta foi atingida devido à criação de medidas e planos de produção vários,
bastante similares aos americanos. Em primeiro lugar, deu-se o primeiro “boom” económico
entre 1955 e 1961, devido ao fomento da produção industrial, que triplicou nesse período de
tempo. Dentro desta medida os sectores que adquiriram maior importância foram os da
indústria pesada (construção naval, máquinas, indústria química) e dos bens de consumo, tais
como os televisores, as rádios, os electrodomésticos, entre outros. Além disso, viu-se também
um forte aumento no comércio externo, que duplicou.
Deste modo, em meados dos anos 60 e inícios dos anos 70 a produção industrial
duplicou e criaram-se inúmeros postos de trabalho. Desenvolveu-se também a indústria
siderúrgica, assim como novos sectores, tais como o automóvel, a televisão a cores, os
aparelhos de circuito integrado, entre outros.
Assim, com o segundo “boom” este colocou-se em terceiro lugar nas potências
mundiais, tendo à sua frente a URSS e os EUA.
Entretanto, na China via-se nos anos 50 uma separação na aliança feita com a União
Soviética. Esta separação sucede-se devido às divergências de ideais, pois enquanto o
comunismo via no operariado a “massa”, o líder do Estado, Mao dava esse papel ao camponês,
que protegia e admirava como líder da nação. Assim, os dois blocos dividem-se e o comunismo
chinês passa a ser representado como Maoísmo, devidos aos seus ideais próprios. Além disso,
a China adopta, anos passados, um programa de fomento económico ao qual dará o nome de
“grande salto em frente”. Este programa visava “apanhar, em 15 anos, a Inglaterra”, sem
quaisquer ajudas externas.
A indústria pesada é, deste modo, posta de parte e o enfase passa para os campos e as
pequenas indústrias locais. Para ajudar no enclausuramento da China, Mao faz ferozes críticas
ao actual líder soviético, Kruchtchev, defendendo Estaline e acusa os “novos soviéticos” de se
afastarem do caminho socialista de Marx. A isto, a União Soviética responde com ameaças. A
china Maoísta considera a sua nação como “verdadeiramente socialista”.
No entanto, o seu programa do “grande salto em frente” cai no falhanço e é
abandonado em 1960, o que afasta Mao Tsé-Tung do poder por breves tempos, enquanto
tenta eliminar os seus opositores e restabelecer a “paz” que pretendia. No seu regresso, Mao
lança um novo programa, a “Revolução Cultural” – apoiada pelas suas “Citações”, ou seja,
pelas anotações que colocara no seu “livro vermelho”, publicado em 1964. Este livro foi
durante anos citado e seguidos por milhares de jovens, que viam nas suas citações
mandamentos bíblicos. Alguns jovens criavam até o seu próprio “livro vermelho”, com a
mesma capa vermelha, mas na qual colocavam a sua imagem e as suas citações (sempre
inspiradas nas de Mao). Esta revolução é levada a cabo pelo líder chinês e pelos seus jovens
seguidores, o que rapidamente desencadeia na violência, colocando a China à beira da
anarquia e da guerra civil. Em 1968 recorre-se às forças militares para impor a ordem e
terminar o ambiente caótico e tenso que se vivia.
Entretanto, milhões de mortos foram conseguidos, milhões de perseguidos e milhões
de jovens tiveram que ser enviados para campos de reeducação. No entanto, os esforços de
Mao acabam por dar frutos e, em 1971, o país dá entrada na ONU e recebe o cargo de
Conselho de Segurança.
Anos antes, a Europa do pós-guerra fomenta a necessidade de ascender e voltar a um
patamar aceitável como potência mundial. Esta necessidade de melhorar foi conseguida
através da união entre várias nações, ideia preconizada por Churchill, que apela ao
renascimento europeu semelhante aos EUA.
Criam-se, deste modo, várias organizações europeias que promovem encontros,
debates e congressos. Em primeiro lugar, é criada a CECA, devido às ideais de Shuman (1950),
que coloca em evidência a necessidade de cooperação entre a Alemanha e a França no
domínio da produção do aço e do carvão. CECA – Comunidade Europeia do Carvão e do Aço –
integra, além das nações que Shuman evidenciou, a Bélgica, a Itália, a Holanda e Luxemburgo.
Esta comunidade estabeleceu uma zona de minas e siderurgia colectiva que era orientada e
controlada por uma Alta Autoridade.
Após a criação desta comunidade segue-se a criação de uma comunidade muito mais
vasta e importante, até considerada o início da União Europeia, a CEE (Comunidade Europeia
do Carvão e do Aço). Esta é criada a partir da assinatura do Tratado de Roma, em 1957, no qual
os países que integravam a CECA se comprometeram a implementar a livre circulação de
mercadorias, de capitais e de trabalhadores, bem como a livre prestação de serviços.
Basicamente, deu-se um fomento e facilitou-se os acessos e o comércio entre as várias nações
que assinaram o contrato, de tal modo que, no ano de 1968, se consegue concretizar a união
aduaneira, ou seja, a livre circulação de mercadorias, dando assim mais um passo na direcção
da União Europeia.
Finalmente, a CEE torna-se, em 1970, a maior potência comercial do Mundo, gerando
assim o seu alargamento. Deste modo, em 1973 novos países assinavam o Tratado, tais como
o Reino Unido, a Irlanda e a Dinamarca.
Anos antes, após a II Guerra que abalou o mundo, dá-se uma nova vaga de
descolonizações, nomeadamente em África e na Ásia, e tem o seu início em 1945.
Tem o seu início com a independência da Líbia, que se encontrava sob a proteção da
ONU, em 1951. Cinco anos mais tarde seguem-se Marrocos e a Tunísia, que se encontravam
sob o domínio francês. Além destas, a Argélia era outra colónia de igual importância sob o
domínio francês, no entanto, devido à existência de milhares de colonos franceses que se
recusaram a sair do território, esta entrou numa guerra e só ganha independência em 1961.
O propagar da independência no continente africano resulta na organização de
movimentos nacionalistas que promovem a luta contra os colonizadores, ou seja, fomentam a
independência e a identidade das colónias. Este novo processo conta, obviamente, com o
apoio da ONU, eterna defensora da igualdade e da justiça. Em 1960, a Assembleia Geral
aprova a Resolução 1514, que visa o direito à autodeterminação dos territórios que se
encontram sob administração estrangeira, condenando as forças armadas das suas
metrópoles.
Entre as décadas de 40 e 70 evidenciam-se cerca de 70 novos países, outrora colónias,
que ganham a sua independência. No entanto, apesar de ser direito alienável a sua
independência, este facto não vai retirar as ex-colónias da dependência externa das
metrópoles. Isto sucede dado que o conjunto de colónias que se separaram dos seus
“administradores” constituem o Terceiro Mundo, ou seja, são regiões pobres e altamente
populosas, a adicionar a falta de recursos e meios que estes têm para se desenvolverem, pois
são zonas naturais, fracamente ou nada industrializadas, que passam a depender da
exportação de matérias-primas, que lhes são compradas pelos países desenvolvidos que, por
sua vez, usufruem destas para as transformarem em bens essenciais, que mais tarde as ex-
colónias terão que comprar para sustentarem a sua vida. Isto torna-se um ciclo vicioso, dado
que o preço das matérias-primas é altamente reduzido em comparação ao preço dos produtos
industrializados, permitindo assim o total endividamento destes países. Assim, a dependência
continua a ser um problema real, no entanto, é feito de forma indirecta, pois é através de
companhias e acordos mútuos que esta dependência é “oficializada”.
Além disto, a descolonização tem outros efeitos sobre o globo, como por exemplo a
existência de novos países que terão que se administrar política e economicamente sozinhos.
Este facto revela a possibilidade de estes novos países encontrarem uma nova via, que não
fosse igual à do liberalismo ou do comunismo assente até então. Em via disto, estreitam-se os
laços entre os novos países e dá-se, em 1955, a conferência de Bandung, na Indonésia, onde se
promovem novos princípios: a negação do colonialismo, a rejeição da política de blocos, e a
aliança pacífica entre nações.
Esta conferência tem grandes proporções no mundo “colonial” e inspira o Movimento
dos Não Alinhados, que é criado na Conferência de Belgrado, em 1961, movimento que
estabelece uma nova via política como alternativa ao comunismo e ao liberalismo.
Este movimento cria então uma nova política. Em base, esta visava defender as
restantes colónias, propagar a descolonização, defendia “uma política ativa, positiva e
construtiva” e pretendia estabelecer a paz mundial. No entanto, apenas a medida de luta
contra o colonialismo foi realmente levada a cabo.
Entretanto, em Portugal vivia-se um período de declínio do Estado Novo. O regime
salazarista fraquejava e avistava-se já um fim. Apesar das campanhas que tinham por objetivo
a “revolução agrícola”, na década de 50 a agricultura continuava pobre e pouco produtiva. A
isto culpavam-se as dimensões agrícolas, que se viam no norte divididas em minifúndios, ou
seja, pequenas parcelas que não permitiam o uso de novas indústrias e, no sul, os latifúndios,
propriedades enormes mas que não eram aproveitadas.
Face ao problema de produção elaboraram-se novos planos de reforma, como a mecanização
da exploração agrícola. Assim, dá-se o II Plano de Fomento (1959), que visava aumentar a
produção e a qualidade de vida dos agricultores, no entanto este plano falha.
Resumos de História – 5ºteste
Ente 1985 e 1991 dão-se profundas alterações na história mundial traçada até então. A
Guerra Fria termina de forma inesperada, a Alemanha une-se novamente, a URSS entra em
declínio e desmembra-se e, finalmente, os EUA, sem outros concorrentes à altura, tornam-se a
maior potência mundial.
O início de 1985 na URSS torna-se fundamental para a continuidade da história Russa
até aos tempos de hoje. Em março Mikhail Gorbatchev, um homem novo e de ideais mais
liberais que os seus antecessores, é eleito secretário-geral do Partido Comunista.
Com a sua entrada no poder, Gorbatchev encara as necessidades e os problemas do
sistema soviético que vinham a piorar desde a era de Brejnev. Deste modo, dá início a uma
política de diálogo e aproximação ao Ocidente, nomeadamente dos EUA, com os quais reinicia
conversações no sentido de dar fim ao enorme conflito da Guerra Fria que vinha já desde
1947. Assim, com o desarmamento por parte de ambas as potências, Gorbatchev conseguiu
canalizar a economia – que era em grande parte dirigida no sentido do armamento e da
militarização – para a reestruturação interna.
No sentido de ganhar o apoio popular para a renovação económica pretendida, a
perestroika (que significa reestruturação), o líder inicia, em simultâneo, a glasnost
(transparência), ou seja, uma medida que visa a abertura política, reconciliando o socialismo
com a democracia.
A perestroika tem como função descentralizar a economia, privatizando algumas
empresas, dando-lhe apoio e incentivando essa privatização através de enormes subsídios que
suportavam a sua falta de rentabilidade – criando assim uma balança económica pouco viável,
sustentada pela necessidade de abertura externa.
Por sua vez, a glasnost pretende motivar a população a acreditar na abertura interna
da nação. Assim, este projecto apelava à denúncia da corrupção e da censura (abolindo-a), e à
oportunidade de participação dos cidadãos na vida política. Em março de 1989 dão-se, neste
sentido, as primeiras eleições verdadeiramente livres na URSS, que dão poder ao Congresso
dos Deputados do Povo.
No entanto, aquando do decorrer das políticas de Gorbatchov, os países de Leste que
se encontravam sob o domínio soviético, encontraram nesta “liberalização” política o fomento
para a sua contestação independentista que já vinha dos tempos de Brejnev, nomeadamente
porque, ao contrário do que se passara com os antecessores políticos soviéticos, desta vez a
sua revolta não contava com a intervenção militar russa, que até então era utilizada para
normalizar as situações de revolta popular. Além disso, Gorbatchev considerava que as
democracias populares eram um peso para a URSS e concordou no afastamento daqueles
países nos quais proliferavam os ideais liberais, permitindo-os criar fronteiras e escolher o seu
regime político.
Em 1989 inicia-se um período de democratização das nações que se encontravam sob
o domínio soviético. Dá-se, então, a abertura das fronteiras com o Ocidente e, a 9 de
novembro, cai o mundo de Berlim, dando descontinuidade à “cortina de ferro”, preconizada
por Churchill após a II Guerra Mundial.
Face à queda do muro, que durante quatro décadas dividia a Europa, a divisão da
Alemanha deixa de fazer sentido e, assim, esta reunifica-se no final de 1990, trazendo consigo
a dissolução do Pacto de Varsóvia e do COMECON, resultando num novo clima de paz para a
Europa já há tanto tempo ansiado.
Entretanto, a União Soviética debatia-se com graves problemas políticos e económicos.
Em primeiro lugar, a perestroika trouxera problemas que se tornavam incontroláveis e a
economia entrara, desse modo, num acentuado declínio. Em segundo lugar, o
desmembramento dos países de leste, iniciado com a Estónia que, em 1988, se assume como
estado soberano e em 1990 com a Lituânia que se desmembra oficialmente da URSS, e a
reunificação da Alemanha, impulsionara pela União Soviética os confrontos étnicos e a
propagação das ideias liberais.
Deste modo, Gorbatchev, que nunca quis a destruição da URSS, tenta parar o seu
declínio pela intervenção militar no Estados Bálticos. Assim, o líder começa a perder os seus
apoios mais liberais, nomeadamente de um dos seus ex-colaboradores, Boris Ieltsin, que é
eleito presidente da república da Rússia em 1991, marcando o fim a URSS.
Em 1991 a maioria das repúblicas da União declara a sua independência e, no final
desse ano, cria-se a CEI (Comunidade de Estados Independentes) que agrega 12 das 15
repúblicas que se tornaram independentes. Gorbatchev abandona finalmente a presidência da
URSS, já totalmente desintegrada.
A perestroika, que prometera uma melhoria das condições de vida a nível salarial, de
bens de consumo e de assistência social, tornara-se um fracasso económico. No entanto, o fim
desta política de economia planificada significa, também, o fim dos subsídios às empresas, que
necessitavam dos mesmos para rentabilizar os seus lucros. Por conseguinte, muitas empresas
entram em barrota, reunindo cada vez mais condições para o caos económico da nação.
O desemprego floresce a um nível inimaginável e a liberalização dos preços contribui
para a inflação dos preços, a qual os salários não acompanham. Assim, muitas famílias
soviéticas perdem o seu sustento e veem-se sem meios de subsistência. Entre estes apenas
algumas pessoas enriquecem, conseguindo acumular grandes fortunas. Estes apoderam-se das
empresas privadas que faliram e, outros, canalizam os seus fundos para investimentos no
estrangeiro, fazendo com que, em meados dos anos 90, 45% do rendimento nacional se
encontrasse em 5% da população.
Além disso, também os novos países, independentes da União Soviética, viram-se em
crise económica. Com o afastamento da nação perdem também os seus subsídios e o comércio
torna-se, de modo geral, mais caro, criando um certo ambiente de caos económico.
Externo à União Soviética, o mundo encontra-se sob a égide dos três polos de
desenvolvimento: os EUA, a União Europeia e a Ásia-Pacífico. Entre estes, é nos Estados Unidos
que se encontram as melhores condições políticas, económicas e sociais.
Esta superpotência mantém, até aos dias de hoje, a sua filosofia da “livre empresa”,
que fomenta toda a sua economia. O Estado-Nação mantém-se intacto, permitindo e
incentivando a privatização das empresas, cuja carga fiscal se torna mais baixa, os encargos
com a segurança social são diminutos e as restrições ao despedimento ou deslocação de mão-
de-obra são praticamente inexistentes.
A sua nação, de carácter pós-industrial, apresenta na sua base o poder do sector
terciário, que ocupa aproximadamente 75% da população ativa e é responsável por 70% do
PIB. É também o maior exportador de serviços do Mundo e a sua economia possui momentos
escassos de recessão. Além disso, também o sector agrícola e pecuário apresenta níveis
positivos para a sua economia, possuindo uma elevadíssima produtividade.
Deste modo, a hegemonia dos EUA dá grandes frutos aquando da presidência de Bill
Clinton.
O presidente, querendo contrariar a crescente prevalência do comércio na União
Europeia, procura fazer crescer as relações económicas com o Sudeste Asiático, revitalizando a
APEC (Cooperação Económica Ásia-Pacífico). Além disso, nasce nas suas mãos a NAFTA
(Acordo de Comércio Livre da América do Norte) que tem como objectivo, semelhante ao da
União Europeia, a livre circulação de capitais e mercadorias entre os EUA, Canadá e México. No
entanto, a NAFTA acaba por colocar as nações num estado de dependência face aos Estados
Unidos.
Além disso, a hegemonia norte-americana deve-se também ao grande avanço
tecnológico. A sua economia é de tal forma canalizada para a investigação científica que esta
nação continua a ser aquela que mais investe neste ramo. As novas tecnologias tornam-se
determinantes para o desenvolvimento de um país a partir de meados do século XX e é tendo
consciência deste facto que os EUA conseguem proliferar em relação ao resto do mundo,
sendo que o seu Estado financia 50% da investigação privada e efectua encomendas dos mais
sofisticados materiais militares e paramilitares. Finalmente, o seu avanço tecnológico tão
crescente deve-se também à criação dos tecnopólos – parques gigantescos, associados às suas
mais prestigiadas universidades, onde se encontram laboratórios e fábricas de pesquisa e
avanço tecnológico únicas até então -, sendo o mais famoso Silicon Valley, na Califórnia, onde
nasceu a internet.
Mas em que momento da história é que se pode delimitar o início da hegemonia
americana pós Guerra Fria? Este momento encontra-se descrito por muitos historiadores
como o ano de 1991, aquando da Guerra do Golfo, que fora proposta por George Bush (pai) no
sentido de iniciar uma nova ordem mundial cuja base se encontrava nos ideais pós II Guerra
Mundial, os mesmos que tinham sido o berço da ONU. Assim, a Guerra do Golfo é iniciada
como meio de libertação do Kuwait, um pequeno país petrolífero que havia sido invadido pelo
Iraque, e a supremacia americana torna-se mundialmente conhecida pelo modo como as
tropas iraquianas (4º maior exército mundial) nada conseguiram contra as sofisticadas
tecnologias militares da nação rival.
No entanto, o seu elevado estatuto perante o mundo gerou alguma controvérsia
quando, apercebendo-se do seu enorme poderio, o presidente Bush e, mais tarde, o filho que
o sucede, ditam algumas modificações da “Nova Ordem Mundial”.
Em primeiro lugar, impõe algumas sanções económicas, tais como o bloqueio do
mercado externo e interno, dos países que violassem os direitos humanos, possuíssem uma
política repressiva ou suportassem organizações terroristas, fazendo com que, em 1998, 75
países se encontrassem sob ou em risco de receber estas “punições”. Em segundo lugar,
reforçam o papel da OTAN, que devido ao declínio da URSS perdera as razões para existir, e
contrariam o seu papel unicamente defensivo, sendo que após 1991, esta organização passa a
ter o poder de intervir militarmente na Europa sempre que haja razões para tal. Finalmente, os
EUA assumem um papel militar mais ativo, sendo protagonistas de inúmeras intervenções
armadas de vários motivos, entre elas a do combate ao terrorismo no Afeganistão, em 2001, e
a destituição de regimes repressivos.
Este último factor conduz à polémica invasão do Iraque que, em 2003, consegue
derrubar o regime de Saddam Hussein. No entanto, as verdadeiras razões que levaram a esta
guerra levam a inúmeros debates e divergências de opiniões, fazendo com que o regime
político americano, na altura encabeçado por Bush (filho) perdesse a maioria do seu apoio e
crença. Deste modo, é em 2008 que se elege como novo presidente Barack Obama, que trás
consigo um clima de crença na mudança e na paz mundial.
Anos antes, também a Europa se debatia com a necessidade que vinha desde o
Tratado de Roma, de se unificar e unir o poder de todas as suas nações no sentido de proliferar
como uma superpotência e resolver alguns problemas económicos e sociais que vinham ainda
da II grande guerra.
A sua primeira necessidade foi a união aduaneira, ou seja, a livre circulação de
mercadorias. Neste sentido, a Comunidade Económica Europeia (CEE) cria um conjunto de
instituições que, semelhantes ao que fora feito na ONU, se encarregavam de diferentes ramos
económicos, sociais e políticos entre nações. Assim, os estados-membros conseguem alcançar
alguns resultados e tentam pôr em prática uma política agrícola comum, um projecto de
combate ao desemprego e um de ajuda às zonas menos favorecidas do continente.
No entanto, as suas ideias e tentativas resultam apenas na perda de apoio e de crença,
sendo que no início dos anos 80 a Comunidade começa a colapsar. Felizmente, 5 anos depois,
Jacques Delors entra na presidência da Comissão Europeia e faz sua prioridade o renascer da
CEE. Deste modo, Delors prende-se na necessidade de um avanço económico como União
Europeia, que se reflete na assinatura, em 1986, do Ato Único Europeu, que previa para 1993 o
estabelecimento do tão querido mercado único – adicionando que não seria de livre circulação
de mercadorias apenas, mas também das pessoas, dos capitais e dos serviços, reunindo assim
condições para uma verdadeira União no continente.
Neste sentido, Delors publica o Livro Branco, onde estavam escritas as medidas a
tomar e os seus prazos, assim como um profundo estudo económico sobre os custos da
Europa se esta não se unisse como planificado. É então, em 1990, que o mercado livre se torna
finalmente uma realidade. Além disso, as nações começam a acreditar que esta União poderá
dar mais frutos, criando no horizonte novas medidas e ideias, tais como o alargamento da
moeda, da política migratória, da política externa e da defesa a nível continental (daqueles que
fizessem parte da União).
Estas crenças conduzem, em 1992, ao célebre Tratado de Maastricht, assinado na
cidade holandesa. Este tratado entra em vigor um ano depois e estabelece a existência da
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame
Resumos de História 12ºano - Preparação para exame

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunosVítor Santos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacionalVítor Santos
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5Vítor Santos
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IACarlos Vieira
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonizaçãoCarlos Vieira
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunosVítor Santos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbanaVítor Santos
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependenteVítor Santos
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugalVítor Santos
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismohome
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússiahome
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoCarlos Vieira
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra friaVítor Santos
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacionalVítor Santos
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30Vítor Santos
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaCarlos Vieira
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Culturagofontoura
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado NovoCarlos Vieira
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunosVítor Santos
 

Mais procurados (20)

6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
6 01 as transformações economicas na europa e no mundo_alunos
 
9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional9 03 portugal no novo quadro internacional
9 03 portugal no novo quadro internacional
 
00 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_500 05 revisoes_modulo_5
00 05 revisoes_modulo_5
 
As opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IAAs opções totalitárias - IA
As opções totalitárias - IA
 
2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização2º vaga de descolonização
2º vaga de descolonização
 
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos5 05  a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
5 05 a o legado do liberalismo na primeira metade do seculo xix alunos
 
6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana6 02 a sociedade industrial e urbana
6 02 a sociedade industrial e urbana
 
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
6 04 portugal uma sociedade capitalista dependente
 
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal5 04 a implantação do liberalismo em portugal
5 04 a implantação do liberalismo em portugal
 
A regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismoA regressão do demoliberalismo
A regressão do demoliberalismo
 
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na RússiaImplantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
Implantação do Marxismo-Leninismo na Rússia
 
A construção do modelo soviético
A construção do modelo soviéticoA construção do modelo soviético
A construção do modelo soviético
 
9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria9 01 fim da guerra fria
9 01 fim da guerra fria
 
Teste modulo 7
Teste modulo 7Teste modulo 7
Teste modulo 7
 
7 03 a degradação do ambiente internacional
7 03  a degradação do ambiente internacional7 03  a degradação do ambiente internacional
7 03 a degradação do ambiente internacional
 
7 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 307 02 o_agudizar_anos 30
7 02 o_agudizar_anos 30
 
Do autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à DemocraciaDo autoritarismo à Democracia
Do autoritarismo à Democracia
 
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na CulturaMutações nos Comportamentos e na Cultura
Mutações nos Comportamentos e na Cultura
 
Portugal Estado Novo
Portugal   Estado NovoPortugal   Estado Novo
Portugal Estado Novo
 
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
8 02 portugal do autoritarismo à democracia alunos
 

Destaque

Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIMaria Rebelo
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novoEscoladocs
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitosMaria Rebelo
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoMaria Rebelo
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoMaria Rebelo
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaMaria Rebelo
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordMaria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaMaria Rebelo
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosMaria Rebelo
 
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroMaria Rebelo
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaMaria Rebelo
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisIlda Bicacro
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoDina Baptista
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoMaria Rebelo
 

Destaque (20)

História
HistóriaHistória
História
 
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVIResumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
Resumo da I Parte, Encíclica Deus caritas est do Papa Bento XVI
 
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novoMódulo 7   portugal do pós-guerra ao estado novo
Módulo 7 portugal do pós-guerra ao estado novo
 
História guerra fria - conceitos
História   guerra fria - conceitosHistória   guerra fria - conceitos
História guerra fria - conceitos
 
Montesquieu
MontesquieuMontesquieu
Montesquieu
 
Terceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, PlatãoTerceiro diálogo de górgias, Platão
Terceiro diálogo de górgias, Platão
 
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºanoO Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
O Turismo - As novas oportunidades para o espaço rural Geografia 11ºano
 
Resumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºanoResumos de história 5ºteste 12ºano
Resumos de história 5ºteste 12ºano
 
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºanoResumos de História - 4ºteste 12ºano
Resumos de História - 4ºteste 12ºano
 
Guia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de fariaGuia de apresentação guilherme de faria
Guia de apresentação guilherme de faria
 
Marcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de fariaMarcadores guilherme de faria
Marcadores guilherme de faria
 
O Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - WordO Realismo em Portugal - Word
O Realismo em Portugal - Word
 
Dadaísmo
 Dadaísmo Dadaísmo
Dadaísmo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando PessoaViajar! Perder Países! Fernando Pessoa
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa
 
História 12ºano - Resumos
História 12ºano - ResumosHistória 12ºano - Resumos
História 12ºano - Resumos
 
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais MonteiroCurriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
Curriculum vitae Adolfo Casais Monteiro
 
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesaOs principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa
 
As novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas ruraisAs novas oportunidades para as áreas rurais
As novas oportunidades para as áreas rurais
 
Cesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-SistematizaçãoCesário Verde-Sistematização
Cesário Verde-Sistematização
 
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºanoCapacidades motoras - Educação Física 11ºano
Capacidades motoras - Educação Física 11ºano
 

Semelhante a Resumos de História 12ºano - Preparação para exame

Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História BAndré Torres
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoeunamahcado
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º VaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º VaProfMario De Mori
 
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIAAS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIADANUBIA ZANOTELLI
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MbO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º MbProfMario De Mori
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º MaProfMario De Mori
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MdO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º MdProfMario De Mori
 
Blog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerraBlog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerraDiedNuenf
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaechechurry
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mc
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º McO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mc
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º McProfMario De Mori
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1papathy
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)SARA MARTINS
 
Resumoexamehistoriaa
ResumoexamehistoriaaResumoexamehistoriaa
ResumoexamehistoriaaSARA MARTINS
 
As causas da 2 guerramundial
As causas da 2 guerramundialAs causas da 2 guerramundial
As causas da 2 guerramundialMónica Monteiro
 

Semelhante a Resumos de História 12ºano - Preparação para exame (20)

Resumo de História B
Resumo de História BResumo de História B
Resumo de História B
 
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º anoRevisão bimestral de prova de geografia 2º ano
Revisão bimestral de prova de geografia 2º ano
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º VaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Va
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Va
 
Século xx
Século xxSéculo xx
Século xx
 
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIAAS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
AS GRANDES GUERRAS E A GUERRA FRIA
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MbO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mb
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mb
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MaO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Ma
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Ma
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º MdO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Md
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Md
 
Blog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerraBlog 9 primeira guerra
Blog 9 primeira guerra
 
Europa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra FriaEuropa Ocidental na Guerra Fria
Europa Ocidental na Guerra Fria
 
Período entre guerras
Período entre guerrasPeríodo entre guerras
Período entre guerras
 
História
HistóriaHistória
História
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
Texto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafriaTexto escolar3anoguerrafria
Texto escolar3anoguerrafria
 
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mc
O Mundo No Breve SéCulo Xx   2º McO Mundo No Breve SéCulo Xx   2º Mc
O Mundo No Breve SéCulo Xx 2º Mc
 
Pwpj
PwpjPwpj
Pwpj
 
A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1A geografia no poder mundial 1
A geografia no poder mundial 1
 
Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)Resumoexamehistoriaa (1)
Resumoexamehistoriaa (1)
 
Resumoexamehistoriaa
ResumoexamehistoriaaResumoexamehistoriaa
Resumoexamehistoriaa
 
As causas da 2 guerramundial
As causas da 2 guerramundialAs causas da 2 guerramundial
As causas da 2 guerramundial
 

Mais de Maria Rebelo

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaMaria Rebelo
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoMaria Rebelo
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOMaria Rebelo
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaMaria Rebelo
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Maria Rebelo
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaMaria Rebelo
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaMaria Rebelo
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalMaria Rebelo
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaMaria Rebelo
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Maria Rebelo
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraMaria Rebelo
 

Mais de Maria Rebelo (13)

O Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização HistóricaO Iluminismo - Contextualização Histórica
O Iluminismo - Contextualização Histórica
 
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºanoResumos de História - 3ºteste 12ºano
Resumos de História - 3ºteste 12ºano
 
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃOFundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
Fundamentação da Metafísica dos Costumes - Immanuel Kant 2ª SECÇÃO
 
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentaçãoViajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
Viajar! Perder Países! Fernando Pessoa ortónimo, apresentação
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura PortuguesaO Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
O Realismo em Portugal - Literatura Portuguesa
 
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
Cântigo Negro de José Régio (apresentação + biografia)
 
Apresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel TorgaApresentação Bichos Miguel Torga
Apresentação Bichos Miguel Torga
 
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de FariaPoetas do modernismo Guilherme de Faria
Poetas do modernismo Guilherme de Faria
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + BiografiaCharles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
Charles de Montesquieu - O Espírito das Leis + Biografia
 
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
Trabalho Geografia 11ºano - Termas (Turismo)
 
Contos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreiraContos, vergilio ferreira
Contos, vergilio ferreira
 

Último

AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

Resumos de História 12ºano - Preparação para exame

  • 1. Resumos de História – 1ºteste As transformações das primeiras décadas do Seculo XX As primeiras décadas do século XX foram alvo de inúmeras mudanças quer a nível cultural e social, quer a nível político e económico. O mundo estava em constante mutação e tudo se desenvolvia a uma velocidade inimaginável - telefones, rádios e televisões começaram a aparecer em todas os estabelecimentos e casas e, em poucas décadas, estas tecnologias já se encontravam totalmente globalizadas. A nível político e económico as mudanças foram catastróficas quando, a 28 de Junho de 1914, o arquiduque Francisco Fernando, herdeiro ao trono Austro- húngaro, e a sua esposa Sofia de Hohenberg, foram assassinados por um membro de um grupo nacionalista-terrorista de nome Mão Negra. Este facto desencadeou um dos maiores conflitos conhecidos na História, a Primeira Guerra Mundial. Na altura a Inglaterra e a Alemanha encontravam-se num auge de poder. Possuíam prósperas colónias, rotas comerciais abundantes, riquezas e as suas capitais eram grandes centros culturais que atraíam pessoas de todas as partes do mundo. Contudo, após o incidente Austro-Húngaro a Alemanha aliou-se e rompeu num caos e guerra do qual resultou a destruição de vários territórios franceses e na tentativa de conquista de colónias que pertenciam aos Ingleses e Franceses. Esta guerra durou quatro anos e terminou, finalmente, a 11 de Novembro de 1918. Deste modo, medidas tiveram que ser tomadas e após o conflito as nações vencedoras reuniram-se em Paris, no início de janeiro de 1919, para a Conferência de Paz. Neste encontro foram ditadas as condições dos países vencidos, com foco principal na Alemanha, na tentativa de impedir definitivamente que outra guerra se estabelecesse. Os resultados reflectiram-se na criação de vários tratados, nomeadamente o Tratado de Versalhes, cuja assinatura decorreu a 28 de Junho de 1919, onde é estruturado o “castigo” das nações vencidas. Deste tratado entra em vigor uma nova geografia política e uma nova ordem internacional. Na Europa, a Áustria torna-se um estado independente, surgem a Polónia, a Checoslováquia, a Jugoslávia e a Hungria que se separam da Áustria. A França recupera a Alsácia-Lorena, que havia perdido nos finais do século XIX para a Alemanha. Na Ásia, a Arábia torna-se independente. Outras modificações são visíveis e destas a principal perdedora é a Alemanha – considerada como responsável pela guerra. Humilhada, a nação é obrigada a ceder à França territórios e minas para substituir aqueles que destruiu; a reconhecer a independência e aceitar as novas fronteiras ditadas; a renunciar todos os seus direitos sob as colónias; à pose de um exército exclusivo que não tenha capacidade de implementar outra guerra; à proibição do fabrico e importação de engenhos militares; à proibição do fabrico de armas que não tenham sido aprovadas pelas principais potências (EUA, Inglaterra, França e Itália); e ao reconhecimento da sua responsabilidade e danos causados na guerra. Além disso, este país sofrerá de um juro excêntrico que terá que pagar aos países que sofreram danos e perdas com a guerra, nomeadamente a França. O tratado previa também a criação da Sociedade das Nações. Este projecto, proposto pelo presidente Wilson, tinha como objetivo a promoção da paz e a solução para os danos do pós-guerra. Apesar de não ter vingado e se ter dissolvido poucos anos depois da sua criação, esta sociedade foi, mais tarde, uma inspiração para a criação da ONU.
  • 2. O fracasso da SDN sucedeu-se com o abandono dos EUA, que não concordavam com algumas ideias impostas no Tratado de Versalhes, tais como os prejuízos e humilhações dos países vencidos – que ia contra os ideais de igualdade defendidos pelo presidente Wilson. Assim, a SDN, na qual já não participavam os países vencidos, perdeu uma das suas principais nações e, com o tempo, foi perdendo também os países que eram considerados como “minorias”, tais como Portugal, e que se sentiam revoltados por não terem qualquer mérito nem serem favorecidos. A Europa era, no pós-guerra, ainda um palco de guerra. Os países encontravam-se enfraquecidos com o caos e destruição causados pela guerra e entram numa crise económica, social e cultural, na tentativa de concertarem os danos. Logicamente, isto reflecte-se num enclausuramento dos países e gera uma enorme competição entre eles. A batalha contra a crise e o ambiente de guerra ainda se encontrava nas relações entre as nações. A Primeira Grande Guerra deixou a Europa arruinada. A crise que se abateu sobre todos era complexa e várias medidas tiveram que ser impostas para tentar equilibrar a balança económica, social e comercial. A desvalorização da moeda de modo a estimular o comércio foi a principal medida; os produtos ficam mais baratos o que aumenta a exportação para outras partes do mundo, que preferem os seus preços – o que contribui para o aumento da competitividade entre nações). Por outro lado, a guerra deixa também marcas que não têm retorno, tais como a desorganização do comércio e a perda dos mercados para as grandes potências fora da europa, os EUA e o Japão. Nisto dá-se a ascensão dos Estados Unidos que, intactos da guerra, tornam-se os credores de uma Europa que procura no exterior um suporte para o seu mercado e economia. Esta nação sofre, em 1920, uma pequena mas violenta crise da qual resulta o aumento do desemprego e diminuição dos salários. Neste sentido, como acontece ao longo da história, a conjuntura económica e social com que os Estados Unidos se deparam reflecte-se na formação de um novo modelo económico, baseado nos ideais preconizados por Adam Smith, que assenta na iniciativa privada e na correcção de possíveis falhas no mercado, assim como uma aplicação de métodos de racionalização do trabalho, que tinha como objetivo diminuir os custos de produção e permitir o aumento dos salários. Neste sentido, nascem dois conceitos mediáticos na história, o Taylorismo e o Fordismo. O primeiro, criado por Frederick Taylor (1856-1915), preconiza a divisão do trabalho nas indústrias, baseado na divisão das tarefas e no planeamento prévio do tempo de produção, que é obtido através da cronometragem. Deste modo, compete aos trabalhadores uma dada tarefa e um tempo certo para a realizar, gerando, assim, uma maior competição entre as indústrias, que competem pelo alcance de tempos mais reduzidos de produção. O segundo, criado por Henri Ford, dono da indústria de automóveis Ford, assentava numa política de salários mais altos e num aumento (baseado nas teorias de Taylor) da velocidade de realização de tarefas, que estava altamente dependente das máquinas, sendo que o trabalhador teria que alcançar uma eficiência de trabalho semelhante àquela que as máquinas já alcançavam. Estes ideais podem parecer negativos pois o trabalhador é visto como um mero “objeto”, no entanto, com o aumento dos salários aumenta também o incentivo e um maior poder de compra na classe operária, o que a satisfaz e cria a ideia que até o mais pobre pode subir na vida com o esforço, gerando, deste modo, contentamento e aumento da produção e da qualidade.
  • 3. A Implantação do modelo Marxista-Leninista na Rússia - O modelo Soviético A Rússia dos finais do século XIX encontrava-se ainda muito atrasada em relação às outras nações. O seu controlo estava sob o poder do Czar, que se assemelhava ao Antigo Regime da Europa, já posto de parte muitos anos antes. A revolução que terminou a monarquia absoluta em todos os cantos do continente ainda não tinha marcas visíveis na Rússia, no entanto, os camponeses, que constituíam quase 90% da população, começavam a inteirar-se do seu poder e a contrariar o modo de vida em que eram obrigados a viver, com baixos salários e horas de trabalho extraordinárias – a classe baixa era abusada. No seio deste reino de terror encontrava-se Nicolau II, que apesar da tensão política e social que se levantava, resistia a abdicar do poder que lhe tinha sido concedido pela hierarquia. Todas as classes se debatiam com o desejo de mudança, os camponeses queriam poder sobre as terras (que estavam, na altura, sob o poder da burguesia e nobreza), o proletariado exigia um aumento dos salários e melhores condições de vida e a burguesia, juntamente com a nobreza mais liberal, ansiavam pela modernização do país e a sua abertura política, como era visível em toda a Europa. Em 1905 dá-se a primeira Revolução do proletariado que, apesar dos esforços, fracassa. No entanto, consegue demonstrar a necessidade de mudança e até gerar medo do poder desta classe social, dado que, em 9 de janeiro desse ano, o denominado Domingo Sangrento, o povo sai à rua para entregar uma petição no palácio de inverno, quando é parada pelas tropas czarinas, que disparam sem piedade deixando no chão mais de 200 mortos, incluindo mulheres e crianças. Assim, o Czar convoca a Duma (que se assemelha à corte) na tentativa de evitar uma guerra civil. Neste conselho são abolidos alguns privilégios dos mais ricos e diminuem-se os impostos dos camponeses. Além disso, dá-se a criação de três partidos que concorrem ao parlamento: o Partido Constitucional Democrático, um grupo de liberais com ideais burgueses; o Partido dos Socialistas Revolucionários, que defendem a colectivização do trabalho; e os Socialistas Democratas, os mais radicais. Estes últimos dividem-se em dois ramos: os mencheviques, a minoria e os bolcheviques, a maioria, que é liderada por Lenine. Os bolcheviques trarão enormes mudanças nas primeiras décadas do século XX, tento efeitos radicais na Rússia e alterando o curso de quase todas as nações europeias, que neles encontram o medo. Os seus ideais provêm de Karl Marx e Engels e caracterizam-se pela necessidade de dar mais poder ao proletariado, pela criação de um Estado liderado pelo partido Comunista, tudo assente pela via da Revolução como único meio de alcançar estas ideias. Em 1917 a Rússia encontrava-se no limiar do colapso. A tensão começava a albergar-se em todas as classes e a necessidade de mudança era clara. Todos os partidos que tinham sido criados com a Duma encontravam-se revoltados com a incompetência do Czar e com a sua decisão de participar na Primeira Guerra Mundial, que trouxera o caos e destruição. Deste modo, entre 22 e 28 de fevereiro a população, principalmente as classes baixas, saem às ruas para manifestarem o seu descontentamento. Iniciam-se as greves do proletariado e criam-se as Sovietes – assembleias lideradas por trabalhadores, desde camponeses a soldados e marinheiros. Além disso, Lenine, líder dos bolcheviques, regressa do exílio e retoma os seus planos na Rússia, tendo como objetivo primordial derrubar a monarquia.
  • 4. Em março dá-se uma manifestação em Petrograd para festejar o Dia Internacional da Mulher, que rapidamente se sucumbe numa Revolução. A este motim aderiram as forças populares e dos soldados que faziam parte do Soviete. Isto resultou no assalto ao Palácio de Inverno onde, desprovido de apoios, Nicolau II vê-se forçado a abdicar do seu poder, que é colocado nas mãos de um Governo Provisório dirigido por Lvov e, mais tarde, por Kerensky, que possuía ideais burgueses e tinha como objetivo a instauração da Democracia e a continuação da guerra com a Alemanha. No entanto, rapidamente se reconhece que o novo governo não pode proliferar e com a retoma do poder bolchevique de Lenine iniciam-se os planos que o irão derrubar. Deste modo, o líder bolchevique publica as famosas “teses de abril”, onde preconiza os ideais da revolução, clarificando que o seu objetivo é dar o poder ao proletariado e aos camponeses, dissolver o Governo Provisório, nacionalizar todas as terras, retirando-as do poder da nobreza e da burguesia e coloca-las à disposição dos sovietes (principalmente dos camponeses), “introduzir” o socialismo às massas e fazer reconhecer que o futuro está nas mãos do Comunismo. Em 24 e 25 de Outubro a Rússia deparou-se com outra Revolução. Os militares bolcheviques, conhecidos como Guardas Vermelhos, saíram à rua e assaltaram o Palácio de Inverno, derrubando o Governo Provisório. Este acto, que aconteceu da noite para o dia, conduziu os bolcheviques ao poder da Rússia, liderados por Lenine, que ocupou a presidência, juntamente com Trotsky, a quem coube liderar a Pasta de Guerra, e Estaline, com a Pasta das Nacionalidades. Assim, após a Revolução mediática, a história conheceu a primeira nação liderada pelo proletariado – o comunismo triunfara. No entanto, Lenine irá encontrar alguma oposição regente nas forças czarinas, nos mencheviques e alguns nacionalistas que se opõem aos ideais comunistas, o que gerará alguma instabilidade política e social. O novo governo inicia as suas funções com a criação e publicação dos Decretos Revolucionários. Estes decretos serviram como base ao regimento da nova nação russa. Em primeiro lugar, o Decreto sobre a Paz tende a pôr fim à sua participação na guerra. O Decreto Sobre a Terra preconiza a pose de todas as terras pertencentes à burguesia, que passam para a mão dos sovietes, abolindo, deste modo, a propriedade à terra desta classe. O Decreto sobre o Controlo Operário atribuía aos operários a possibilidade de gerir a respectiva produção. Finalmente, o Decreto sobre as Nacionalidades visava a igualdade e soberania dos povos da Rússia, a abolição dos privilégios religiosos e de classes e a abolição da ideia de sociedade de classes, como estava regente até então. Deste modo, Lenine retira a Rússia da guerra com a assinatura do Tratado de Brest- Litovsk, a 3 de março de 1918, onde fica acordada a cedência de um vasto conjunto de territórios, tais como a Finlândia, a Polónia, a Estónia e a Ucrânia. Esta perda de territórios não é propriamente positiva, principalmente quando parte das terras cultiváveis e minas ali se encontravam, no entanto, é necessária para a paz procurada. Lenine promulga a primeira constituição em Julho de 1918. Além disso, vai também organizar os sovietes em dois organismos: a Assembleia do congresso e o Comité dos Comissários (no qual fazem parte Lenine, Trotsky e Estaline). Finalmente, são creditados os ideais radicais do comunismo, ou seja, é criado o Partido Único, que impede a criação e importância de qualquer outro partido; todos os documentos passam a ser alvo de censura; passa a existir uma polícia única soviete; e dá-se a nacionalização de todos os produtos e industrias russas.
  • 5. No entanto, os bolcheviques não foram bem recebidos pelas massas, que continuavam revoltadas com a ruína económica e com as condições deploráveis em que viviam. Assim, na resistência ao bolchevismo, na qual reagem os Brancos – nome dado à guarda que se opõe ao bolchevismo - resulta uma guerra civil que dura desde março de 1918 até 1920 e põe termo à vida de inúmeros indivíduos. Apesar das tentativas do exército Branco os Vermelhos, liderados por Trotsky, saem vencedores e inicia-se uma nova política económica e social que se prolongará até 1927. Neste novo modelo, inicia-se o processo de Ditadura do Proletariado, mais uma ideia preconizada por Karl Marx, que é descrita como essencial à edificação do comunismo e implica a tomada ao poder do Estado por parte do proletariado, que depressa abolirá todos os privilégios das restantes classes socias, terminando, assim, com as desigualdades sociais. A resistência do proletariado ao regime bolchevique era imensa e isto gerou alguma dificuldade na Ditadura do Proletariado, dado que este mostrou resistência aos Decretos Revolucionários. Além disso, vivia-se ainda um clima de guerra civil pesado e destrutivo. Deste modo, Lenine toma medidas radicais que ficam conhecidas como Comunismo de Guerra. Estas medidas preconizavam a censura da imprensa, a nacionalização de todos os bancos, fábricas e terra, o decreto do trabalho como uma obrigação a todos os povos, a requisição do aumento da produção agrícola, a reforma agrária, a abolição da propriedade privada, o congelamento dos salários e o centralismo democrático. Toda a economia foi nacionalizada e passou a competir ao Estado o racionamento e a distribuição dos bens de acordo com os ideais comunistas. A partir de 1922, a Rússia converteu-se na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas (URSS). No entanto, os Sovietes, anteriormente conhecidos como aliados dos bolcheviques, eram agora membros do proletariado que não viam no bolchevismo os resultados que esperavam. Lenine queria, no entanto, que o Estado Soviético tivesse poder, fosse forte e disciplinado. Assim, formula-se o centralismo democrático, cujas ideias se baseiam que todo o poder emana da base, ou seja, pelos sovietes, escolhidos por sufrágio universal. Finalmente, Lenine vê-se obrigado a ceder perante a ruína económica e social em que a nação se encontrava. Assim, o comunismo cede lugar à Nova Política Económica (NEP), que recorre ao capitalismo, com a interrupção da colectivização agrária, com a liberdade de comércio interno, com a privatização de empresas e industrias e com a abertura ao investimento estrangeiro. A Regressão do Demoliberalismo A revolução e implantação do comunismo na Rússia tiveram repercussões nos vários cantos da Europa liberal, onde a classe do proletariado se via aflita com a crise económica que os países atravessavam, expondo a sua revolta através de greves e manifestações. Além disso, a Rússia fazia-se notar como uma luz para os trabalhadores, que viam esperança no comunismo de libertação e abolição das classes sociais. A nação russa via nesses movimentos força para continuar com os seus ideais Marxistas-Leninistas. Deste modo, deu-se a fundação, em Moscovo, em março de 1919, da III Internacional, também conhecida como Komintern. O Komintern propunha coordenar e até incentivar a luta da classe trabalhadora a nível mundial, com o fim de ver triunfar o marxismo-leninismo, tendo que ser chefiada unicamente
  • 6. por partidos comunistas que fossem fieis aos ideais russos. Além disso, se o objetivo primordial da III Internacional fosse completo os bolcheviques teriam finalmente a sua vitória, pois passariam a ser aceites por todo o proletariado (em vês de apenas o mais radicais) e todas as classes que se opunham aos seus ideais seriam sacudidas ao seu poder. Esta Internacional Operária realizou dois congressos, sendo que o 2º teve uma enorme importância na vida social e política das nações. Neste congresso, realizado em julho de 1920, os partidos socialistas e sociais-democratas são obrigados a abandonar os seus ideais e a defenderem o bolchevismo e o centralismo democrático. Deste modo, convertem-se estes partidos em comunistas. Consequência do declínio económico, político, social e cultural do pós-guerra e dos ideais socialistas e revolucionários que se faziam notar, a Europa assiste a uma radicalização social e política, minada de greves e manifestações. Países como a Alemanha, a Hungria e a Itália viram-se em dificuldades de organizar as multidões enraivecidas e as tentativas de uma revolução bolchevista, resultando na execução dos líderes destes partidos e na resistência das classes mais elevadas. O medo da consagração da revolução bolchevique em alguma nação aumentou e proliferou pela Europa, que se via escassa em meios para continuar a resistir. Até a burguesia e as classes médias sucumbiram ao medo de perderem os seus privilégios e poses, o que se revelou num aumento de adeptos de um governo forte, que garantisse a paz social, a riqueza e o conforto destas classes. Deste modo, as soluções apresentadas eram autoritárias e de direita. Partidos conservadores e nacionalistas começaram a ganhar um enorme número de votos no início dos anos 20. Isto sucedeu-se particularmente nos países onde as dificuldades e a destruição foram maiores. Em 1919, é fundado em Itália o partido FasciItalianidiCombattimento, de onde mais tarde derivará a expressão Fascismo, por um ex-socialista italiano de nome Benito Mussolini. Este partido defendia a democracia e o socialismo, no entanto, a sua simpatia com os burgueses e industriais de direita torna-o mais aderente aos ideais conservadores e totalitaristas. Deste modo, os fascistas sobem ao poder e tomam posse do Estado italiano, quando em 27 e 30 de Outubro organizam uma greve geral e dá-se a “Marcha Sobre Roma”, na qual participam cerca de 30 000 fascistas, liderados por Mussolini, juntamente com a sua força militar, os “Camisas Negras”. O rei, perante a situação, convida Mussolini a formar um governo. No entanto, o desejo deste partido não é a parceria com o rei e com o seu governo, mas sim a tomada do poder absoluto. Conseguem, deste modo, alterar as eleições de 1924, vencendo por maioria. Além disso, continuam os seus atos de “poder” e assassinam o líder do partido socialista, Giacomo Matteoti. Por sua vez, em Espanha é adoptada entre 1947 e 1975, uma ditadura militar, liderada pelo general Miguel Primo de Rivera. Além disso, também a Hungria, a Bulgária, a Lituânia, a Turquia, a Grécia, Portugal e outros países conheceram o poder dos regimes autoritários. A Europa liberal cai no abismo a partir dos anos 20 e passa a reconhecer em grande parte das suas nações o caráter nacionalista e extremista dos seus líderes, o que, mais tarde,
  • 7. desencadeará na Segunda Guerra Mundial. Esta necessidade da adesão ao autoritarismo reflete a regressão do Demoliberalismo. Mutações nos Comportamentos e na Cultura O século XX foi alvo de enormes mudanças a todos os níveis, principalmente na Europa e nos Estados Unidos, onde a industrialização provou a sua capacidade acelerada de evolução e povoou as cidades com as suas novidades, tais como o carro e o comboio, que alteraram o modo de mobilidade das populações. O constante crescimento fez-se notar principalmente no meio urbano, onde a população se engloba e cresce. Deste modo, é possível verificar-se uma massificação dos indivíduos, que passam a frequentar os mesmos transportes, os meus locais de lazer, as mesmas atividades de ócio e horários de trabalho. Pode-se concluir que se torna visível a despersonalização dos povos, passando estes a ser nada mais que meros números. A convivência entre os sexos torna-se mais livre e ousada, sobretudo após a Primeira Grande Guerra, da qual a mulher sai triunfante e adquire mais visibilidade, passando a possuir alguns direitos que eram, até então, exclusivos ao sexo masculino. A entrada no século XX trás a notícia de mudança, sob a qual se previam alterações nos valores da sociedade burguesa. No entanto, esta classe opta por desprezar as previsões e viver no novo mundo com otimismo e superioridade. Porém, após a Primeira Guerra Mundial as esperanças desmoronam-se e levanta-se o pessimismo e o caos. O choque da guerra abale a sociedade e gera contestações, que mais tarde se fariam sentir em revoltas. Instala-se, deste modo, um clima de anomia, ou seja, de ausência de normas morais e sociais. Esta falta de valores acelera as mudanças que se encontravam em curso. Dá-se, então, uma mudança de paradigma, causada pelos destroços da guerra, que abrem as portas à possibilidade de um novo recomeço, de um crescimento da cultura e do comércio. Daqui nasce a classe média, que integra a pequena e média burguesia. No sentido destas alterações a emancipação feminina é das que mais se faz sentir, com a mudança radical da ideologia da mulher como dona de casa. Esta deixa de possuir dependência total do homem e reivindica os seus direitos. O movimento feminista, que procura a igualdade jurídica, social, económica, intelectual e política dos sexos, faz-se sentir com a criação das associações das sufragistas, que tinham como primeiro objetivo o direito ao voto. Na Europa, destacaram-se as sufragistas britânicas. Indignadas com a oposição e resistência face aos seus desejos, estes grupos procuraram atrair a atenção recorrendo a meios extremos e violentos, com manifestações, greves e apedrejamentos. Os seus meios não conheceram a cedência do governo. No entanto, com a participação na guerra, as mulheres tiveram que assumir o papel do homem no sustento da família, revelando-se capazes de substituir o sexo oposto em quase todas as tarefas.
  • 8. Finalmente, o esforço foi compensado, dado que, após o conflito que provocara tanto caos e destruição, as mulheres adquirem o direito de intervenção política e abrem-se carreiras profissionais prestigiadas, tomando a mulher uma nova posição na história. História – 3º teste A morte de Lenine, em 1924, deixou a Rússia sem líder e, desse modo, gerou uma enorme contestação para chefe do Partido Comunista. Neste ambiente de disputa ganha, em 1928, o antigo secretário-geral do Estado, Estaline, contrariando as intenções de Lenine que escreve no seu testamento “Estaline é demasiado brutal (…). Proponho, pois, aos camaradas que estudem um meio de demitir Estaline deste cargo”. Até 1953, data da sua morte, Estaline foi chefe da União Soviética. O seu principal objetivo era transformar a Rússia numa potência mundial e conseguir propagar o comunismo pelos vários cantos do mundo, nomeadamente na Europa. Para tal, iniciou um projecto que visava a melhoria dos sectores do Estado e da economia, entre eles contava-se a colectivização dos campos, a planificação de uma economia equilibrada e sustentável e, para tal, utilizou um meio de administração que se contava com o totalitarismo e a repressão. Em outono de 1929 iniciou-se o plano de colectivização dos campos. Considerava-se esta medida imprescindível ao avanço da indústria, dado que ao retirar mão de obra dos campos, estes teriam que, inevitavelmente, encontrar emprego nas fábricas. Este projecto, que avançou a ritmo acelerado, foi empreendido com brutalidade sobre os pequenos proprietários (os KULAKS), aos quais confiscaram as terras e o gado – três milhões destes proprietários camponeses foram executados ou deportados para a Sibéria. Criaram-se os KOLKHOZES – cooperativas de produção – constituídas pelas famílias camponesas. Estas foram obrigadas a entregar as suas terras e instrumentos para a colectividade. Parte da sua produção ficava para o Estado e a restante era distribuída pelos camponeses em função do trabalho exercido – uma medida que não partilhava os ideais comunistas de Karl Marx. Em 1930 são criadas as Estações de Máquinas e Tractores que tinham como função assegurar o controlo da produção e dos campos. Este projecto de colectivização rapidamente alcançou resultados satisfatórios, apesar da forte oposição do povo camponês. Por sua vez, a indústria tinha um atraso ancestral em relação aos restantes países da Europa e Estados Unidos. Deste modo, Estaline cria os Planos Quinquenais, planeados durante o período da NEP, pela GOSPLAN (comissão do conselho do trabalho e da defesa). Estes tinham como objectivo primordial dar prioridade à indústria e à produção agrícola como meios de melhoria económica, que visavam o aumento da produção em cinco anos. Estaline tinha em vista continuar a ideia marxista-leninista de que a URSS devia ser auto-suficiente. Implementou, assim, para os cinco anos várias metas que, caso não fossem cumpridas, seriam vistas e punidas como um crime contra o Estado. Deste modo, o objetivo final era conseguir colocar a produção em excesso no mercado e competir com as potências capitalistas, criando uma imagem mais produtiva do comunismo perante a Europa e os EUA. O primeiro plano quinquenal é desenvolvido entre 1928 e 1932 e tinha como objectivo a criação de bases na economia da nação. Deste modo, além da colectivização dos campos, com a criação dos KOLKHOZES, entre outras, implementa-se uma meta que visava o aumento da indústria pesada, nomeadamente a siderúrgica e a eléctrica. Isto conduziu ao quase desaparecimento do sector privado da indústria. Além disso, promoveu investimentos maciços, recorreu à contratação de técnicos estrangeiros e apostou na formação de especialistas e engenheiros.
  • 9. O segundo plano quinquenal é desenvolvido de 1933 a 1937 e, apesar de continuar a privilegiar a indústria pesada, cria metas que visam o desenvolvimento das indústrias ligeiras e dos bens de consumo (vestuário e calçado). Além disso, no sector agrícola, dá-se a criação de pequenas propriedades privadas. O terceiro plano quinquenal, desenvolvido entre 1938 e 1942, nunca chega a ser concluído, devido ao despontar da II Guerra Mundial. Apesar de nunca ter conseguido terminar o seu plano, o governo de Estaline encontra uma enorme produtividade nas medidas até então tomadas. A indústria do aço aumenta em de 4 a 18 milhões de toneladas; a colectivização tem efeitos positivos, de modo que continua a aumentar e a gerar lucro. Assim, a URSS entra na II Guerra Mundial como a terceira maior potência mundial da altura. Tudo isto foi possível devido ao regime que Estaline apresentava. Um estado omnipotente e totalitário que se regia por meio da repressão. Os cidadãos encontravam-se privados de liberdade e eram totalmente controlados. Os jovens eram obrigados a inscreverem-se nos Pioneiros e, mais tarde, nas Juventudes Comunistas, sendo este um meio de os direccionar e de lhes incutir os ideais do comunismo de Estaline. A cultura era reduzida aos métodos de propaganda e qualquer outro meio de exaltar o Estado. A repressão era possibilitada pelas forças da polícia política, a NKVD. A partir de 1934 a repressão aumentou ferozmente, caracterizada por purgas e processos políticos. Os antigos companheiros bolcheviques de Lenine foram executados, assim como a administração e os líderes do Exercito Vermelho. Todos aqueles que falassem contra o Estado foram punidos com a deportação para campos de trabalho ou com a execução. Entretanto, na outra parte do mundo, os Estados Unidos recuperavam da severa crise de 1929 (o Crash da bolsa de Nova Iorque). Resultante deste “incidente” a economia estava mais frágil do que nunca e começam a ponderar-se soluções para evitar que tal voltasse a acontecer. Deste modo, John Keynes preconiza o intervencionismo do Estado, clarificando que o Estado se deve comprometer perante as empresas e as indústrias, pois, desse modo, é possível o controlo da inflação, o investimento nas indústrias, a luta contra o entesouramento, e o apoio às empresas. Em 1932, as ideias de Keynes são concretizadas graças à eleição de Roosevelt para a presidência. Este propunha-se a tirar os EUA da crise e consegue-o através do intervencionismo do Estado, pondo em prática um conjunto de medidas às quais se deu o nome de New Deal. A primeira fase decorreu entre 1933 e 1934. Neste momento estabeleceram-se as suas metas, do relançamento da economia e da luta contra o desemprego e a miséria. Para tal, tomaram-se rigorosas medidas financeiras, tais como o encerramento temporário de várias instituições bancárias para que estas fossem inspeccionadas pelos funcionários federais. Deu- se uma desvalorização da moeda, o que permitiu baixar as dívidas externas e fez subir os preços, através de uma inflação controlada, aumentando assim o lucro das empresas. No sentido de combater o desemprego, Roosevelt apostou na construção de estradas, vias-férreas, aeroportos, barragens, entre outras, ou seja, edifícios públicos que necessitavam de muita mão-de-obra. Deste modo, aqueles que se encontravam desempregados conseguiam um emprego, mesmo que este não fosse ao encontro das suas habilitações. No que diz respeito à agricultura, foi criada uma lei, a AgriculturalAdjustmentAct (AAA), que visava proteger a agricultura, através de empréstimos aos agricultores e de
  • 10. indeminizações dadas aos mesmos pela redução das áreas cultivadas (devido à crise de excesso de produção). Em relação à indústria, foi criada a National Industrial RecoveryAct (NIRA), que tinha como objetivo a proteção da indústria e da produção industrial. Visando isto, foram fixados preços mínimos e máximos de venda, de modo a evitar a concorrência desleal entre produtos; e garantiram aos trabalhadores um salários mínimo e a liberdade sindical. As empresas que seguissem estas medidas à ordem eram premiadas monetariamente – fomentando assim o avanço da produção e motivando para que esta fosse conseguida justamente. Entre 1935 e 1938 deu-se a segunda fase do New Deal, talvez a mais significativa na história. Foi criada a lei de Wagner, que reconhecia a liberdade sindical e o direito à greve. Além disso, foi também criado o Social SecurityAct, que regulou a reforma e criou o fundo de desemprego e auxílio aos pobres. Em 1938, o Fair Labor Standard Act estabeleceu o salário mínimo e reduziu as horas de trabalho semanal. Deste modo, os EUA conseguiram finalmente um Estado intervencionista para assegurar a felicidade e o bem estar da sociedade. Entretanto, em França, a crise que se vivia criou um ambiente de disputa entre regimes radicais, cujas esperanças no regime parlamentarista e liberal caíam por não verem qualquer resultado positivo. Deste modo, é criada uma coligação de esquerda de nome Frente Popular, que via na figura de León Blum o seu líder. O seu lema era “pelo pão, pela paz e pela liberdade” e triunfou em maio de 1936, ganhando as eleições. O seu objetivo prioritário era deter o avanço fascista, com medo que sucedesse em França o mesmo que na Alemanha. Inicialmente, um vasto movimento grevista ocupara as fábricas em greves alegres que visavam demonstrar a necessidade de melhoria mas, no entanto, felizes devido ao reconhecimento que o Partido ouvia a sua voz. Seguidamente, os patrões das fábricas começaram a denunciar a ameaça bolchevista que se propagava e o Governo interveio por meio de mediação. Deste modo, criaram-se os contratos de trabalho, em que se aceitava a liberdade de sindicato e se previa o aumento salarial. De seguida, diminuíram-se as horas semanais de trabalho e concederam o direito ao trabalhador de 15 dias de férias pagas por ano, até então impensável. Além disso, no sentido de melhorar a qualidade de vida e promover o avanço do país, a Frente Popular tomou outras medidas tais como o aumento da escolaridade obrigatória até aos 14 anos, a criação de albergues da juventude, o incremento dos desportos, do cinema, do teatro, e o controlo pelo Estado do Banco de França, que é finalmente nacionalizado. Ainda no mesmo ano (1936), em Espanha, é também criada uma Frente Popular, apoiadas por socialistas, comunistas, anarquistas e sindicatos operários. Este partido, mais extremista que o de França, inicia o seu mandato enfrentando as forças conservadoras e separando a Igreja do Estado. Neste sentido, é criada a Frente Nacional, onde os monárquicos, os conservadores e os falangistas pretendem combater a Frente Popular, dando assim origem à famosa guerra civil espanhola. Dimensão Social, Política e Cultural O principio do século XX trás várias novidades, tanto a nível cultural, como político e social. Deste modo, emerge a cultura de massas, que se irá propagar estrondosamente até aos dias de hoje. A imprensa, a rádio e o cinema são os protagonistas desta época e englobam os meios de comunicação de massas, os media, ou mass media. Estes proporcionaram não só a propagação das notícias a ritmo acelerado, mas abriram também um novo mundo do sonho e das fantasias.
  • 11. A imprensa, já existente há séculos, passa a ser direccionada à massa, com a utilização de um vocabulário simples e informal, capaz de ser compreendido por todos. O livro, por sua vez, passa a ser também criado em prol da sociedade. Aparecem os romances cor-de-rosa, a banda desenhada, as histórias políticas e os romances policiais – sendo este último de especial importância, devido à célebre escritora Agatha Christie, considerada a escritora mais vendida do século XX. Finalmente, os jornais passam a incluir história de guerra e crime, são ilustrados com fotografias e possuem secções femininas, desportivas, e crónicas para todos lerem. A rádio, criada por Marconi em 1896, é o meio de comunicação mais popular na época. Este é acessível a todos, mesmo aos analfabetos, pois não requer qualquer leitura. Transmite notícias, música, novelas radiofónicas e anúncios publicitários. O cinema, nascido na França, é considerado uma das maiores invenções do início do século XX. Este abre as portas a uma completamente nova indústria, onde se fomenta os sonhos e o imaginário e se criam e divulgam personagem do fantástico. PORTUGAL: O ESTADO NOVO Portugal, que se encontrava desde 1910 sob o regime de uma República parlamentar, é, em 1926, vítima de um golpe de Estado militar que acaba com a democracia, iniciando assim um longo período de ditaduras. Inicialmente, instala-se uma ditadura militar, mantida até 1932, que põe termo à crise social e política até então vivida. Após sucessivas mudanças de líder, sem que nenhum tivesse a preparação para tomar conta do cargo, o resultado foi desastroso, deixando Portugal cair mais fundo na crise. Em 1928 sobe ao poder o general Óscar Carmona, que conta com António de Oliveira Salazar para o cargo da pasta das Finanças. Salazar, antigo professor de Economia da Universidade de Coimbra, conseguiu grandes feitos no seu cargo, conseguindo mesmo um saldo positivo no Orçamento do Estado. Deste modo, os seus adeptos cresciam e, em 1932, é nomeado para a chefia do Governo. Salazar empenhou-se na criação de uma nova ordem política em Portugal. Para tal, cria novas instituições que servem de alicerce ao Estado. Entre eles a União Nacional, uma força política oficial, criada em 1933, que mais tarde se tornará no partido único: o Partido Nacional. Além disso, é também criado o Ato Colonial, aprovado em 1930, onde se reafirmava o poder de Portugal sobre as colónias e a relação de dependência das mesmas. Mais tarde, publica o Estatuto do Trabalho Nacional e cria a que ficou conhecida como Constituição de 1933, onde se põe fim à ditadura militar e onde ficou consagrada a nova ordem política: o Estado Novo. Este era um Estado onde se fomentava maioritariamente o Nacionalismo, de caráter autoritário, corporativo e conservador – ideais inspirados nos modelos totalitários da Europa, nomeadamente do fascismo italiano. Além disso, os seus ideais assentavam nas ideias conservadores de Deus, Pátria, Família, Austeridade e Paz Social. A administração do Estado Novo residia na manipulação do povo e dos media, de modo a demonstrar que os seus ideais eram os mais acertados. Fortemente inspirado por Mussolini e o seu lema “tudo no Estado, nada contra o Estado”, Salazar cria também o seu lema “Tudo pela Nação, nada contra a Nação. Os seus métodos passavam por engrandecer o culto da vida no mundo rural, onde as populações agricultoras não tinham acesso ao mundo exterior e, consequentemente, não tinham meios de criticarem ou compreenderem o regime em que viviam. Além disso, Salazar protege fortemente a Igreja Católica, acabando por declará-la mesmo a religião da Nação portuguesa.
  • 12. Salazar enaltece também a imagem da família portuguesa, onde o papel da mulher se reduz ao papel passivo de submissa à família, esposa carinhosa e mãe atenciosa e sacrificada. A família portuguesa era, de acordo com os seus ideais, uma família católica, respeitadora e austera. O Estado Novo possuía, além disso, ideais de um nacionalismo exacerbado. Deste modo, Salazar procurava enaltecer os feitos dos portugueses, apresentando-os como heróis, dotados de enormes qualidades e grandiosos nos seus feitos. À semelhança do fascismo italiano, o Estado de Salazar era antiliberal, antidemocrático e antiparlamentar. Para ele, a Nação representava um todo e, como tal, os interesses do individuo eram colocados de parte. O interesse principal residia na Nação em si. Deste modo, a ideia da existência de vários partidos tornou-se impensável, pois cada partido defendia os interesses de um grupo de indivíduos, não indo de acordo com o ideal nacionalista salazarista. Assim, Salazar opõe-se à democracia parlamentar e faz existir um Partido Único, como acontecia na Alemanha e em Itália. Todas estas medidas e ideais só colocadas à prova através do poder administrativo que cabia ao líder. Isto reconhecia a autoridade de Presidente da República como máxima, o primeiro poder do Estado, completamente independente do Parlamento. O líder tinha, deste modo, a capacidade de fazer reger as leis e as medidas necessárias à condução do país na direcção pretendida. De modo a fomentar o seu poder, Salazar cria, tal como se vê no fascismo italiano, as corporações. Estes órgãos agrupavam a população por famílias e funções que estes desempenhavam. Integravam tanto os trabalhadores como os seus patrões, de modo a que todos se sentissem iguais. No entanto, estes órgãos tinham como objetivo final o controlo da economia e das relações laborais por parte do Estado. Além disso, de modo a concretizar os ideais ditatoriais do Estado salazarista, são criadas um grupo de instituições e processos que visam o controlo das massas. Entre eles, o SPN (Secretariado da Propaganda Nacional), em 1933, dirigido por António Ferro, tem o papel de fazer propagar os ideais do Estado e controlar as artes. Em segundo lugar, funda-se em 1930 a União Nacional, que iria em 1934 tornar-se no Partido Nacional, ou seja, um Partido Único, concretizado aquando da extinção de todos os partidos políticos. Com a vitória da Frente Popular, em França, e o início da Guerra Civil em Espanha, um ambiente de ameaça bolchevique paira sobre o Portugal ditatorial. Deste modo, Salazar obriga um funcionalismo público, conseguido através de um juramento que provava a fidelidade das massas e o repúdio ao comunismo. Além disso, recorre a organizações milicianas, tais como a Legião Portuguesa, destinada a defender o “património espiritual da Nação” e a combater a ameaça bolchevista – esta legião era de caráter obrigatório em certos empregos públicos. Do mesmo caráter, foi fomentada a Mocidade Portuguesa, também de inscrição obrigatória para os estudantes, este órgão era fundamental para o Estado e visava incutir os ideais salazaristas e os seus valores nacionalistas e patrióticos. Deu-se, do mesmo modo, um vasto controlo no ensino, no qual se adoptaram os “livros únicos” do Estado, que enalteciam o nacionalismo e os ideais do Estado Novo, assim como a religião Cristã. Em vista de continuar a propagar os seus ideais, Salazar toma também precauções na vida familiar da população, surgindo, em 1936, a Obra das Mães para a Educação Nacional, que visava criar a imagem da “mãe-modelo” que deveria ser seguida à regra. Finalmente, é criada a Fundação Nacional para a Alegria no Trabalho (FNAT), órgão que
  • 13. procurava controlava os tempos livres dos trabalhadores, com atividades “educativas” dotadas de nacionalismo. Entretanto, o clima de repressão – único modo de impor os ideais do Estado – obriga à censura prévia de todos os artigos da imprensa, do teatro, do cinema, da rádio e, mais tarde, da televisão. Para tal, foram criados órgãos capazes de intervir e controlar a censura e as massas, tais como a polícia política, a PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado, ou Polícia de Vigilância e de Defesa do Estado). Esta assegurou-se, a partir de 1945, de prender, torturar e até matar todos os opositores ao regime, focando-se principalmente (mas não só) nos simpatizantes do Partido Comunista. A nível financeiro, que foi para Salazar a prioridade desde que subiu ao poder como ministro da Finanças, tomaram-se várias medidas capazes de aumentar o orçamento do Estado e conseguir um saldo positivo. Para tal, dá-se uma diminuição das despesas e um aumento das receitas, conseguida com a criação de novos impostos e com o aumento das tarifas alfandegárias sobre as importações. Além disso, o papel neutro tomado aquando da II Guerra Mundial foi uma atitude bem tomada no Estado Novo, com isto, criaram-se mais receitas a nível das exportações, maioritariamente do volfrâmio, e torna possível o aumento das reservas de ouro, permitindo assim a estabilidade monetária. A nível social, além de todas as medidas repressivas tomadas na educação e na família, o Estado Novo fomentou o mundo rural, hostilizando nos seus ideais a cidade industrial, com a intenção de manter o povo analfabeto em relação ao que se encontrava fora das fronteiras portuenses para que, deste modo, os seus ideais se mantivessem incontestados. Para tal são criadas medidas que visavam promover o mundo rural e agrícola, tais como a construção de numerosas barragens que, ao melhorarem a irrigação dos solos, promoviam a agricultura, conseguindo assim maior produção, assim como um maior número de produtores. A Junta de Colonização Interna, criada em 1936, tinha como objetivo trazer a população para certos locais do interior do país, conseguindo assim o crescimento da produção vinícola, de arroz, de batata, azeite, cortiça e das frutas. Entre estas, a mais importante medida foi, sem dúvida, a Campanha do Trigo. Inspirada na batalha do trigo italiana, este projecto procurava alargar a área de cultura do trigo, principalmente no Alentejo. Entre 1929 e 1937 os seus feitos foram bastante satisfatórios e permitiram a autosuficiência da Nação. A nível nacional foi implantada uma política de obras públicas, cujo protagonista foi o Eng. Duarte Pacheco, Ministro das Obras Públicas. Neste sentido, foi criada a Lei de Reconstituição Económica, em 1930, que procurava não só combater o desemprego originado pela crise, mas também criar no país as infraestruturas necessárias ao desenvolvimento económico. Deste modo, foram melhoradas as redes de caminhos-de-ferro e criadas inúmeras estradas, que duplicaram até 1950, e até auto-estradas, seguindo os modelos da Alemanha. Foram também edificadas novas pontes, entre elas a ponte sobre o Tejo, que se tornou a mais célebre e foi considerada a maior ponte suspensa da Europa. Além disso, expandiram-se também as redes telegráficas, os portos e os aeroportos, o que permitiu o desenvolvimento crucial do comércio externo e interno. Finalmente, esta política preocupou-se também em melhorar as condições de vida da população, com a construção de hospitais, escolas, universidades, bairros de operários, estádios, tribunais e prisões. Entretanto, ao contrário do que foi feito a nível agrícola, a indústria sofreu um enorme atraso durante todo o tempo do Estado Novo. Inicialmente foi criada uma política de
  • 14. condicionamento industrial, entre 1931 e 1937, que impedia qualquer avanço ou criação de fábricas que não fosse aprovado primeiro pelo Estado – ou seja, não se deu qualquer avanço. Este dirigismo económico que se pensava ser temporário, resultante de uma política anticrise, provou-se de caráter definitivo e condicionou o avanço industrial do país. A RECONSTRUÇÃO DO PÓS-GUERRA Após a vitória dos Aliados na II Guerra Mundial, um clima caótico prosperou sobre a Europa. Não só a Alemanha e o Japão saíam da guerra humilhados e destruídos, mas também a França e a Inglaterra apresentavam grandes dificuldades a nível financeiro, social e político. Entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, Roosevelt, Estaline e Churchill reúnem-se na que ficou conhecida como a Conferência de Ialta. Neste momento, ficaram esclarecidas algumas medidas a tomar para sustentar a nova ordem mundial, tão dificilmente conseguida. Em primeiro lugar, definiram-se as fronteiras da Polónia e estabeleceu-se a divisão provisória da Alemanha em quatro áreas, que seriam administradas separadamente pelas quatro potências (Rússia, Inglaterra, EUA e França). Em segundo lugar, decidiram-se algumas bases essenciais à preparação da ONU (Organização das Nações Unidas) e estabeleceu-se a quantia base de 20 000 milhões de dólares a pagar pela Alemanha, para reparar os estragos causados pela guerra. Alguns meses mais tarde, os líderes reuniram-se novamente, desta vez com o fim de consolidar os alicerces da paz. A Conferência de Potsdam foi, no entanto, mal sucedida e foi rapidamente encerrada. Isto sucedeu-se devido ao clima tenso liderado pelas divergências de ideais entre os liberais capitalistas e o comunismo de Estaline. Neste sentido, inicia-se um período de tensão entre liberais e “Estaline”. Com o papel preponderante da Rússia para a vitória da II Guerra Mundial, o protagonismo que com ela veio foi visto por Estaline como oportuno para a propagação dos ideais socialistas. Fomentando estas ideias veio o poder dado à URSS, a quem coube a libertação dos países da Europa Oriental. Assim, a vantagem no Leste Europeu rompeu-se e, embora contrárias às ideias da Conferência de Ialta, todos os países libertados pelo Exército Vermelho tornaram-se socialistas. Este acelerado processo de sovietização foi fortemente contestado pelos liberais ocidentais. Com isto, Churchill denuncia publicamente no famoso discurso de Fulton os meios de liderar de Estaline e insere o conceito da “cortina de ferro”. ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS Após a II Guerra Mundial retoma-se a ideia de criar um organismo capaz de manter a paz, tal como acontecia com a Sociedade da Nações, antes do seu fracasso. Roosevelt baptiza o futuro organismo como Organização das Nações Unidas (ONU). Esta fica inicialmente acordada na Conferência de Teerão, realizada em 1943 e, mais tarde, é ratificada em Ialta, onde se acorda a convocação de uma conferência que contasse com figuras políticas dos vários países e onde se redigiria a Carta fundadora das Nações Unidas. Iniciada a 25 de abril de 1945, esta Conferência contou com representantes dos vários países que afirmava, unanimemente, a vontade de promover a paz e a cooperação internacional.
  • 15. Manter a paz e reprimir os atos de agressão através de meios pacíficos e de acordo com a justiça e com os direitos do Homem foi, talvez, um dos mais importantes propósitos deste organismo. Além disso, também o desenvolver de relações amigáveis entre as várias nações e desenvolver a cooperação internacional, tanto a nível económico, como social e cultural. Maioritariamente, a ONU procurava defender os Direitos do Homem e do cidadão, de modo a impedir que se repetissem as atrocidades do holocausto. Neste sentido, é aprovada em 1948 a Declaração Universal dos Direitos do Homem, que ultrapassa a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão criadas em França, em 1789. Esta Declaração não se limitava aos direitos alienáveis do Homem, mas incluía também grande importância às questões socioeconómicas, tais como o direito ao ensino e ao trabalho – talvez assim fosse porque, com o desenvolvimento da humanidade, já não se podia considerar que apenas os direitos básicos fossem de caráter obrigatório. A ONU encontrava-se organizada em vários órgãos de funcionamento, cada um com o seu propósito. Em primeiro lugar, a Assembleia-Geral, formada pelos estados-membros, funciona como um parlamento mundial e tem por objetivo discutir todo o tipo de questões abrangidas pela organização. Em segundo lugar, o Conselho de Segurança, composto pelos estados permanentes e mais dez estados rotativos, é o órgão ao qual compete a manutenção da paz e da segurança; este órgão faz as “recomendações”, atua como mediador, decreta sanções e decide a intervenção das forças militares da ONU; todas as decisões deste órgão são realizadas através do voto, no entanto, os estados permanentes têm todos que votar a favor, tendo, contrariamente, direito de veto. O Secretariado-Geral possui um mandato de cinco anos que pode ser renovado; neste órgão encontra-se o secretário-geral que, apesar de não te direito de voto, toma parte em todas as reuniões do Conselho de Segurança. O Conselho Económico e Social, por sua vez, encontra-se encarregue de promover a cooperação a nível económico, social e cultural entre as nações. Este é um dos órgãos mais importantes da ONU e abrange vários pequenos órgãos, criados a partir de 1944 por economistas de todo o mundo, que visavam evitar o ciclo da crise e da desvalorização da moeda. Deste modo, além de terem tornado o dólar como a principal moeda na época, criaram também organismos de proteção às nações com problemas financeiros, o FMI, e o BIRD (Banco Mundial), destinado a financiar projectos de longo prazo das várias nações. PRIMEIRA VAGA DE DESCOLONIZAÇÕES A II Guerra Mundial foi um despertar para as novas realidades do mundo, tanto a nível económico e social, como político e cultural. Entre todas as “novidades” trazidas com o final da guerra, a perceção das injustiças e até atrocidades cometidas nas colónias levou a um propagação do sentimento de liberdade e revoltas nestes locais. A guerra mostrara que a Europa não era totalmente invencível e, no momento de ruptura, via-se economicamente destruída e incapaz de lidar com conflitos coloniais. Além disso, também as duas maiores potências mundiais, os EUA e a URSS, pressionavam o processo de descolonização. A primeira potência não gostava de ver refletido no “presente” aquilo que fora no “passado”, ou seja, uma colónia britânica sem liberdade, assim como via os seus interesses económicos aumentarem, dado que com a ruptura das colónias as matérias-primas tornavam-se escassas nas nações que, deste modo, teriam que pedir ajuda externa. A segunda via os ideais marxistas a serem colocados em causa com a repressão colonial e, além disso, viam ouro na possibilidade de estender o socialismo nos países recém criados.
  • 16. Deste modo, inicia-se no continente asiático o processo de descolonização. No Médio Oriente, tornam-se independentes a Síria, o Líbano, entre outros, sendo estes os primeiros. A Índia apenas em 1947 consegue tornar-se independente, depois dos muitos esforços do líder da “oposição”, Gandhi. Muitos outros estados vão lutando e conseguindo a sua independência, alguns a grandes custos, como foi o caso da Indochina, onde a ocupação japonesa fomentara os sentimentos antifranceses, resultando numa forte oposição comunista e ditatorial contra a França. Resumos de História – 4º teste Após a derrota alemã na II Guerra Mundial, e tendo em conta o sucedido anos antes, na I Guerra Mundial, os países vencedores sentiram a necessidade de criar medidas capazes de impedir que uma nova guerra voltasse, jamais, a despontar. Deste modo, a Alemanha foi dividida em quatro partes essenciais e cada uma dessas era administrada por uma das grandes potências vencedoras (Inglaterra, França, URSS e EUA). O país divide-se, assim, em dois núcleos centrais: os liberais e capitalistas e os comunistas russos. Tendo em conta os meios administrativos de ambos, a Rússia sentiu-se ameaçada. Enquanto isto sucedia, os países de leste eram também conquistados (sovietizados) pela URSS, dado que fora convocada a esta o poder de libertar estes países do nazismo – que resultou numa oportunidade para os sovietizar. Este facto dá força ao conceito de “cortina de ferro” preconizada por Churchill, que evidenciava o clima de tensão que se vivia entre o comunismo e os liberais. Deste modo, Estaline cria o Kominform (Secretariado de Informação comunista), em 1947, que vinha substituir o antigo Komintern. Era um organismo que visava o controlo e a propagação do comunismo pelo mundo. Entretanto, a 12 de Março do mesmo ano (1947), o presidente norte-americano Harry Truman põe em evidência a necessidade de resistir às tentativas de dominação russa. O que este pretendia era combater o comunismo soviético através da contenção e ajudar a Europa a reerguer-se do caos da guerra – é então lançada a doutrina Truman. Entretanto, o clima político permanecia instável e propício à propagação dos ideais soviéticos. Deste modo, o secretário de Estado norte-americano George Marshall propõe um plano de ajuda económica à Europa que fica conhecido como o Plano Marshall e irá complementar-se na doutrina Truman. Este projecto concebia fundos monetários aos vários países da Europa, incluindo aqueles que se encontravam sob o domínio soviético. A Rússia vê esta ajuda dos EUA como um meio de divulgação dos seus ideais liberais e capitalistas e recusa-a em todos os países sob o seu domínio. Neste sentido, a Rússia responde em janeiro de 1949 com a criação do Plano Molotov, que visava estabelecer uma cooperação entre os países de domínio soviético e estipulavam a longo prazo a ajuda técnica e financeira, assim como o fomento das trocas comerciais entre nações. Deste modo, cria-se o COMECON (Conselho de Assistência Económica Mútua), uma organização de cooperação económica destinada a promover o desenvolvimento financeiro e as atividades comerciais e industriais destes países. Além disso, na Alemanha, Berlim era administrado pelas três potências liberais que viram este território como o campo de batalha ideal a conter o avanço soviético, fazendo dos seus territórios alemães uma república federal, a República Federal Alemã (RFA). Por sua vez, a Rússia, após enormes protestos, faz para o seu território semelhante escolha, criando a República Democrática Alemã (RDA).
  • 17. No entanto, as três potências mantêm “estacionadas” as suas tropas na cidade de Berlim, o que é visto por Estaline como uma ameaça. Deste modo inicia-se o Bloqueio de Berlim, no qual os sovietes bloqueiam todos os acessos terrestres à cidade por parte das potências aliadas. Para tal, a União Soviética bloqueia as linhas ferroviárias e rodoviárias e tenta comandar os portos, tendo com isto em vista o bloqueio da produção industrial, para que, deste modo, estes necessitassem da ajuda soviética e se retirassem da cidade para assim alargar o seu território para a capital. Assim, a 24 de Junho de 1948, Estaline decreta o Bloqueio de Berlim. As potências liberais são forçadas a abastecer a cidade através de uma ponte aérea durante 321 dias (Operação Vittle), até que, a 12 de Maio de 1949, Estaline suspende o bloqueio, deixando na capital um clima caótico de pobreza e fome. Deste modo, inicia-se um período de forte tensão, o qual se deu o nome de Guerra Fria. Este prolongou-se até meados dos anos 80, no entanto, foi até meados dos anos 50 que a tensão foi mais visível. Os Estados Unidos e a URSS viram-se hostilizados e intimidados um pelo outro ao longo deste tempo, que resultou em enormes mudanças pelo mundo inteiro. Ninguém desejava ou tinha sequer forças para entrar noutro conflito mundial como o ocorrido poucos anos antes com a II Guerra Mundial, no entanto, a ganância, o poder, e maioritariamente as diferenças políticas entre as duas potências despontaram um clima perigoso que se encontrava aliado ao desejo de possuir mais do que o outro, quer em armamento, como em territórios. Deste modo, o liberalismo e o marxismo-estalinista viram-se num campo de combate no qual nenhum queria sucumbir à guerra, no entanto queriam superar o adversário em tudo. Devido a este conflito, os EUA não tardaram a encontrar aliados que os apoiassem na contenção do comunismo. Neste sentido, dá-se em 1949 a assinatura do Tratado do Atlântico Norte, entre os EUA, o Canadá e algumas nações europeias. Mais tarde isto viria a dar origem à Organização do Tratado do Atlântico Norte – OTAN (ou NATO), uma importante organização militar do pós-guerra que visava “regular por meios pacíficos todas as divergências internacionais em que possam encontrar-se envolvidas por forma que não façam perigar a paz e segurança internacionais”. A partir desta aliança formada formaram-se inúmeras outras, de modo que, em 1959, já três quartos do mundo se encontravam ligados aos EUA. Estas novas alianças multilaterais contavam com a Organização dos Estados Americanos (OEA), que ligavam a América; na Oceânia (ANZUS); no Sudoeste Asiático (Organização do Tratado da Ásia de Sudoeste – OTASE); Médio Oriente (Pacto de Bagdade). O mundo encontrava-se então dividido. Por um lado, existia o sistema repressivo e comunista de Estaline, por outro, o sistema liberal e capitalista que representava o resto da Europa e EUA. Este segundo “mundo” tinha como objetivo travar a expansão do socialismo comunista e assegurar a paz e justiça liberal mundial. Era já dado como certo desde o ocorrido na Grande Depressão que o Estado deveria possuir um papel interventivo na sociedade. Este facto não foi negado, mas sim priorizado durante esta altura. Em 1945 dão-se as eleições em Inglaterra que colocam no poder o líder do Partido Trabalhista, ClementAtlee, deixando claro que a necessidade era o socialismo, em vez o conservadorismo até então preconizado pela figura de Churchill. Por todo o mundo, partidos com idealismos idênticos começaram a proliferar – adeptos da social-democracia, que rejeita os ideais de Marx e evidenciam a necessidade de novas reformas sociais e da melhoria de vida dos trabalhadores. Nisto, encontra-se apenas a exceção de países como a Itália e a RFA (República Federal Alemã), que receavam os partidos socialista e deram poder aos democratas-cristãos, que tinham na sua
  • 18. ideologia a doutrina social da igreja e visavam o bem estar do homem maioritariamente a nível espiritual. Deste modo, enfatiza-se a preocupação do Estado como a nação, fomentam-se os programas de nacionalizações dos bancos, das companhias de seguros, da produção de energia, dos transportes, entre outras. O Estado torna-se, assim, o principal agente da economia, nascendo a conceção do Estado como Estado-providência. O Estado-providência nasce no Reino Unido como walfarestate, ou seja, um Estado que tem na sua totalidade o objetivo de ver melhorar as condições de vida da sua população. Para tal, criam-se medidas, tais como o sistema nacional de saúde (NationalHealthService), que torna gratuitos todos os serviços médicos e que se estende a todos os cidadãos, e um sistema de proteção social que engloba o abono de família, de desemprego, de reforma, e a baixa médica para doentes, assim como alguns subsídios aos mais pobres. Estas medidas permitem uma estabilização social e económica, tornando as nações mais prósperas. O mundo entrou assim num período que não via fim à sua prosperidade. O governo trabalhava arduamente para obter resultados e, ao longo de 1945 e 1973 não houve qualquer crise ou diminuição da economia e das taxas de crescimento. O capitalismo regressou em alta, maioritariamente na RFA, na França e no Japão, que ficaram denominados como “milagres económicos”. Um grande apoio a esta causa foram os acordos de BrettonWoods, feitos entre os EUA e o Japão, nos quais se estabeleceu o dólar como a moeda de maior poder e cujo objetivo era o de criar instituições monetárias e mecanismos de apoio financeiro que trouxessem estabilidade económica e facilitassem o câmbio de moedas (deste resultou, entre outras, a criação do FMI), e a criação da CEE. Estes trinta anos de crescente prosperidade ficaram conhecidos como os “Trinta Gloriosos” – expressão tornada popular pelo economista francês Jean Fourastié. Estes anos conheceram inúmeras mudanças, como já vimos. Entre elas ocorreu um enorme progresso tecnológico, fomentado pela aposta das novas grandes empresas e fábricas e que atingia todos os sectores. Além disso, é de destacar também a preferência ao petróleo em relação ao carvão (que se mantinha como predilecto desde a Revolução Indústrial), dado que o primeiro era de tal forma abundante e rico cujos preços se viram reduzidos e óptimos para a sua compra. É também de evidenciar o aumento das grandes empresas e a concentração industrial, que foi unicamente permitida pela melhoria das condições de vida, que fomentaram a possibilidade de crescimento da classe média e da classe alta para patamares mais elevados na sociedade. Não só tudo isto, mas deu-se também um aumento da população ativa, que ocorreu não só devido ao “baby-boom”, ou seja, ao aumento geral da natalidade no anos 40 e 50, também devido à maior integração da população feminina no mercado de trabalho, e além disso, também se fez notar um crescimento da população que emigrava de países menos desenvolvidos à procura de melhores condições de vida (entre estes, Portugal estava entre os países com maior taxa de imigrantes). Esta mão-de-obra crescente era também mais qualificada devido ao aumento da escolaridade obrigatória, o que contribuo para o bom desenvolvimento das nações. Não obstante o que foi referido, adicionou-se ainda a modernização da agricultura nos países desenvolvidos, permitindo a autosuficiência dos mesmos, a capacidade não só de importar como também de exportar produtos alimentares e diminuiu a dependência externa. Finalmente, notou-se um crescimento do sector terciário, ou seja, dos serviços. A este sector dedicava-se maioritariamente a classe média e, deste modo, com o seu aumento, nota-se que se deu um aumento favorável na classe média, diminuindo a pobreza neste países.
  • 19. Tudo isto motiva a sociedade ao típico consumismo, com a agravante dos progressos tecnológicos e da importância dos novos sectores, como é o caso da publicidade, que permitem também um aumento dos produtos e fomentam a necessidade de os adquirir. Deste modo, a sociedade mundial capitalista abastece-se de um leque de bens, tais como automóveis, electrodomésticos, roupas, telefones, televisões, os quais a população tem agora dinheiro para adquirir. Inventa-se assim as “tendências”, ou seja, os bens que é necessário adquirir e que, passada uma época, são deitados fora e substituídos por outros objectos (“passam de moda”). Nisto vem também a publicidade ajudar, criando uma única “propaganda de consumo” que manipula os indivíduos a adquirirem certos produtos através de técnicas psicológicas de persuasão. Entretanto, do outro lado do globo, a URSS divulgava e espalhava a sua palavra e os seus ideais marxistas. Saído da II Guerra Mundial, o comunismo contava apenas com dois partidários: a URSS e a Mongólia. No entanto, o tempo e as eventualidades permitiram a propagação rápida das suas ideias. Entre 1945 e 1949 o comunismo propaga-se até à Europa Ocidental (Coreia do Norte e China). Já nos anos 50 e 60 alastra-se para até à Ásia (Vietname, Camboja e Birmânia) e encontra em Cuba o seu local de eleição, devido à sua proximidade dos EUA. Foi a partir da URSS que todos os ideais marxistas partiram e foi graças à necessidade de libertar certos países dos domínios totalitaristas, trabalho que coube à URSS nos acordos de Ialta (dos quais Estaline se iria aproveitar) e à primeira vaga de descolonização que Estaline viu a sua oportunidade ser viavelmente conseguida. A primeira vaga comunista propagou-se pela Europa Oriental e foi realizada sobre ordem de pressão pela URSS. Em 1948 todos os países de Leste motivados pelo comunismo já possuíam Partido Único e viviam sob ideais semelhantes aos da União Soviética. Estes novos partidos receberam a designação de Democracias Populares pois viviam soube a égide dos ideais comunistas, opunham-se aos regimes liberais, possuíam partido único e tinham um Estado que controlava tudo, desde a economia à cultura. Em 1955 os laços entre a Albânia, a Bulgária, a Hungria e a República Democrata Alemã, a Polónia, a Roménia, a URSS e a Checoslováquia, ou seja, democracias populares foram reforçados através do Pacto de Varsóvia. Este pacto militar visava a aliança entre os vários países e a “una” protecção contra qualquer agressão – bastante similar à NATO, nos EUA. Deste modo, tanto os EUA como a URSS possuíam aliados suficientes para se defenderem em caso de nova guerra, comprometendo qualquer tentativa de ambas as potências atacarem. Por sua vez, a segunda vaga deu-se na Ásia. Esta contou apenas com o apoio da URSS e não foi directamente resultado das ordens e tropas militares dirigidas por Estaline, mas sim por vontade própria dos trabalhadores das nações em constituírem os ideais do marxismo. Muitos países assim se revolucionaram, à exceção da Coreia do Norte, que foi resultado direto das ordens da URSS. Em primeiro lugar, a Coreia fora, na sua totalidade, incumbida de ser libertada do governo japonês após a II Guerra Mundial, por parte da União Soviética e dos EUA. No entanto, as duas potências não pareciam encontrar consenso no modo de dirigir a recém-nação. Deste modo, a Coreia divide-se em duas potências, uma comunista e a outra liberal e capitalista. Apesar de ainda assim se manterem nos dias de hoje, entre 1950 e 1953 este facto resultou numa severa guerra entre o norte e o sul, até que por força militar as conseguiram parar. A China, por sua vez, tornou-se socialista a partir de vários movimentos revolucionários nacionalistas. Em 1949, Mao Tsé-Tung proclama a instauração de uma
  • 20. República Popular, após trinta anos de falhadas tentativas. Apesar de não terem contado com um grande apoio por parte da URSS, a China assina, em Moscovo, um Tratado de Amizade e Aliança entre as duas nações. Assim, a URSS passa a contar com mais uma aliança, apesar de anos mais tarde esta ser quebrada. Além disso, a América Latina é também alvo das tentações comunistas, nomeadamente nos anos 60 e 70. O seu ponto fulcral foi Cuba onde, em 1959, Fidel Castro e Che Guevara derrotam o ditador Fulgêncio Batista. Até então estes comunistas não tinham qualquer ligação com a URSS, no entanto, após serem hostilizados por parte dos EUA, aceitam o apoio dos soviéticos e transformam Cuba em mais um aliado no comunismo. É devido a esta aliança que a Guerra Fria se torna mais temível aquando de 1962 uns aviões americanos avistam em Cuba armas nucleares capazes de atacar território americano. Kennedy, já presidente, envia um aviso que acaba por se resolver num acordo, no qual a américa se compromete a não mais tentar derrubar o regime de Cuba. Tal como é já do conhecimento geral, o comunismo soviético sempre dera prioridade à indústria, maioritariamente à indústria pesada e às infraestruturas, tais como os complexos siderúrgicos e as centrais hidroeléctricas. Este factor vai-se propagar para todos os países Europeus sob a alçada comunista. O que trará enormes consequências. Apesar de certos países terem visto um crescimento notável na indústria, a vida das suas populações só piorou. As horas de trabalho mantêm-se, os salários sobem bastante lentamente e as carências de bens proliferam. Além disso, não demora muito tempo até que os resultados da excessiva industrialização se mostrem prejudiciais. As empresas vêm-se privadas de quaisquer poder e entusiasmo e fazem apenas o pedido para alcançar as metas dos planos ditados. Na agricultura não se fazem quaisquer avanços, sendo que algumas nações exportadoras de cereais passam a ter que os importar. Na tentativa de solucionar o problema, o novo líder soviético, NikitaKruchtchev, efectua um conjunto de reformas. Este plano inicia-se em 1959 com o reforço das indústrias de consumo e de habitação. Segue-se um aumento das terras cultivadas, no sentido de aumentar a produção agrícola. No entanto, o resultado destas medidas fica muito aquém do que era esperado e a economia colapsa quando, na década de 70, sobe ao poder Leonidas Brejnev, que trás consigo uma era de corrupção e abuso de poder. Entretanto, as potências Americana e Soviética disputavam tudo o que podiam numa guerra de tensão e competição que parecia não ter fim. Não apenas o muro de Berlim expunha as suas divergências, mas também as competições de armamento que foram realizadas. Em primeiro lugar, os EUA sentiram-se surpreendidos quando, em Setembro de 1949, os Russos fazem explodir a sua primeira bomba atómica, que estes acreditavam serem os únicos a possuir até então. A necessidade de superar os Russos fê-los procurar uma receita mais potente que a bomba atómica, fazendo em 1952, explodir a primeira bomba de hidrogénio, que no ano seguinte também já se encontrava sob a alçada dos Russos. Assim, o segundo ponto iniciou-se com o aumento gigantesco do orçamento da nação americana para o armamento “convencional”. Este orçamento triplica após a invasão da Coreia do Sul pelos comunistas, e sente-se a necessidade de possuir mais armas e um maior poder terrestre, aéreo e naval. A este plano segue-se, obviamente, um igual por parte da URSS, que gasta 80% do seu orçamento em despesas militares. O mundo encontrava-se, segundo Churchill, resvalado para o “equilíbrio instável do terror”.
  • 21. No entanto, nem todas as competições entre as duas superpotências foram perigosas. A competição mais saudável desenvolveu-se com os progressos tecnológicos a nível da ciência e da aeroespacial. Devido à receita deixada pela Alemanha nazi que trabalhava secretamente num projecto de mísseis criam-se os primeiros foguetes que, na Rússia, se desenvolvem em satélites e foguetes capazes de sobrevoar o espaço e, até, levar consigo passageiros. Deste modo, em outubro de 1957, a Rússia eleva-se a um nível mais elevado quando consegue colocar em órbita o primeiro satélite artificial da História, o Sputnik 1. Após inúmeras tentativas falhadas e a morte de alguns cães domésticos, o Sputnik 2 consegue levar a primeira passageira no espaço que sobrevive, a cadela Laika. Isto destrói os Americanos, que rapidamente tentam superar as suas ações, em várias tentativas falhadas. Só em 1958 conseguem o lançamento com sucesso do Explorer 1. Por sua vez, mais algumas sondas são enviadas até que os Russos conseguem tocar na lua. Assim, continuam a criar-se metas entre as duas potências que conseguem ser superadas, principalmente pela União Soviética, até que, em 1969, os Americanos conseguem colocar dois astronautas na superfície lunar, convocando assim a sua liderança perante a URSS. Entretanto, no continente asiático, o Japão dava uma reviravolta em relação ao estado como havia saída da II guerra mundial, ou seja, humilhado e destruído. O “milagre japonês” foi o nome dado ao seu rápido progresso e à sua prosperidade após a guerra. No início sob a alçada dos EUA, até conseguir total independência, em 1952, mantendo a aliança entre ambos e favorando dos apoios financeiros e técnicos americanos. No entanto, o que realmente permitiu ao Japão ascender foi a sua tradição e cultura altamente trabalhadores, assim como um pensamento virado para o progresso. Em primeiro lugar, o Partido Liberal-Democrata era o governo acertado para a época, um Estado interventivo que criou as condições favoráveis ao avanço económico do país. Em segundo lugar, dado que na II Guerra Mundial esta nação se encontrava aliada à Alemanha nazi o japão foi também vítima das condições tratadas que visavam impedir uma nova guerra, ou seja, o Japão viu-se privado de qualquer armamento militar que pudesse ser prejudicial, o que resultou numa junção do orçamento até então utilizado para o armamento, canalizando-o para outros recursos financeiros, dado que promoveu o seu desenvolvimento. Além disso, a mentalidade japonesa foi um dos factores decisivos para o progresso deste país, dado que a ligação desde sempre criada no Japão visava que o patrão deveria fazer tudo em função do trabalhador e, por sua vez, o trabalhador devia dedicar a sua vida à empresa onde é funcionário. Deste modo, ambos cooperavam de modo amigável e favorável, de tal modo que, nos primeiros anos, os funcionários abdicaram dos seus aumentos de salários para os dar à empresa, de modo a promover a renovação tecnológica. Assim, o Japão ganhou um novo objetivo: tornar-se a primeira sociedade consumista asiática. Esta meta foi atingida devido à criação de medidas e planos de produção vários, bastante similares aos americanos. Em primeiro lugar, deu-se o primeiro “boom” económico entre 1955 e 1961, devido ao fomento da produção industrial, que triplicou nesse período de tempo. Dentro desta medida os sectores que adquiriram maior importância foram os da indústria pesada (construção naval, máquinas, indústria química) e dos bens de consumo, tais como os televisores, as rádios, os electrodomésticos, entre outros. Além disso, viu-se também um forte aumento no comércio externo, que duplicou. Deste modo, em meados dos anos 60 e inícios dos anos 70 a produção industrial duplicou e criaram-se inúmeros postos de trabalho. Desenvolveu-se também a indústria
  • 22. siderúrgica, assim como novos sectores, tais como o automóvel, a televisão a cores, os aparelhos de circuito integrado, entre outros. Assim, com o segundo “boom” este colocou-se em terceiro lugar nas potências mundiais, tendo à sua frente a URSS e os EUA. Entretanto, na China via-se nos anos 50 uma separação na aliança feita com a União Soviética. Esta separação sucede-se devido às divergências de ideais, pois enquanto o comunismo via no operariado a “massa”, o líder do Estado, Mao dava esse papel ao camponês, que protegia e admirava como líder da nação. Assim, os dois blocos dividem-se e o comunismo chinês passa a ser representado como Maoísmo, devidos aos seus ideais próprios. Além disso, a China adopta, anos passados, um programa de fomento económico ao qual dará o nome de “grande salto em frente”. Este programa visava “apanhar, em 15 anos, a Inglaterra”, sem quaisquer ajudas externas. A indústria pesada é, deste modo, posta de parte e o enfase passa para os campos e as pequenas indústrias locais. Para ajudar no enclausuramento da China, Mao faz ferozes críticas ao actual líder soviético, Kruchtchev, defendendo Estaline e acusa os “novos soviéticos” de se afastarem do caminho socialista de Marx. A isto, a União Soviética responde com ameaças. A china Maoísta considera a sua nação como “verdadeiramente socialista”. No entanto, o seu programa do “grande salto em frente” cai no falhanço e é abandonado em 1960, o que afasta Mao Tsé-Tung do poder por breves tempos, enquanto tenta eliminar os seus opositores e restabelecer a “paz” que pretendia. No seu regresso, Mao lança um novo programa, a “Revolução Cultural” – apoiada pelas suas “Citações”, ou seja, pelas anotações que colocara no seu “livro vermelho”, publicado em 1964. Este livro foi durante anos citado e seguidos por milhares de jovens, que viam nas suas citações mandamentos bíblicos. Alguns jovens criavam até o seu próprio “livro vermelho”, com a mesma capa vermelha, mas na qual colocavam a sua imagem e as suas citações (sempre inspiradas nas de Mao). Esta revolução é levada a cabo pelo líder chinês e pelos seus jovens seguidores, o que rapidamente desencadeia na violência, colocando a China à beira da anarquia e da guerra civil. Em 1968 recorre-se às forças militares para impor a ordem e terminar o ambiente caótico e tenso que se vivia. Entretanto, milhões de mortos foram conseguidos, milhões de perseguidos e milhões de jovens tiveram que ser enviados para campos de reeducação. No entanto, os esforços de Mao acabam por dar frutos e, em 1971, o país dá entrada na ONU e recebe o cargo de Conselho de Segurança. Anos antes, a Europa do pós-guerra fomenta a necessidade de ascender e voltar a um patamar aceitável como potência mundial. Esta necessidade de melhorar foi conseguida através da união entre várias nações, ideia preconizada por Churchill, que apela ao renascimento europeu semelhante aos EUA. Criam-se, deste modo, várias organizações europeias que promovem encontros, debates e congressos. Em primeiro lugar, é criada a CECA, devido às ideais de Shuman (1950), que coloca em evidência a necessidade de cooperação entre a Alemanha e a França no domínio da produção do aço e do carvão. CECA – Comunidade Europeia do Carvão e do Aço – integra, além das nações que Shuman evidenciou, a Bélgica, a Itália, a Holanda e Luxemburgo. Esta comunidade estabeleceu uma zona de minas e siderurgia colectiva que era orientada e controlada por uma Alta Autoridade. Após a criação desta comunidade segue-se a criação de uma comunidade muito mais vasta e importante, até considerada o início da União Europeia, a CEE (Comunidade Europeia
  • 23. do Carvão e do Aço). Esta é criada a partir da assinatura do Tratado de Roma, em 1957, no qual os países que integravam a CECA se comprometeram a implementar a livre circulação de mercadorias, de capitais e de trabalhadores, bem como a livre prestação de serviços. Basicamente, deu-se um fomento e facilitou-se os acessos e o comércio entre as várias nações que assinaram o contrato, de tal modo que, no ano de 1968, se consegue concretizar a união aduaneira, ou seja, a livre circulação de mercadorias, dando assim mais um passo na direcção da União Europeia. Finalmente, a CEE torna-se, em 1970, a maior potência comercial do Mundo, gerando assim o seu alargamento. Deste modo, em 1973 novos países assinavam o Tratado, tais como o Reino Unido, a Irlanda e a Dinamarca. Anos antes, após a II Guerra que abalou o mundo, dá-se uma nova vaga de descolonizações, nomeadamente em África e na Ásia, e tem o seu início em 1945. Tem o seu início com a independência da Líbia, que se encontrava sob a proteção da ONU, em 1951. Cinco anos mais tarde seguem-se Marrocos e a Tunísia, que se encontravam sob o domínio francês. Além destas, a Argélia era outra colónia de igual importância sob o domínio francês, no entanto, devido à existência de milhares de colonos franceses que se recusaram a sair do território, esta entrou numa guerra e só ganha independência em 1961. O propagar da independência no continente africano resulta na organização de movimentos nacionalistas que promovem a luta contra os colonizadores, ou seja, fomentam a independência e a identidade das colónias. Este novo processo conta, obviamente, com o apoio da ONU, eterna defensora da igualdade e da justiça. Em 1960, a Assembleia Geral aprova a Resolução 1514, que visa o direito à autodeterminação dos territórios que se encontram sob administração estrangeira, condenando as forças armadas das suas metrópoles. Entre as décadas de 40 e 70 evidenciam-se cerca de 70 novos países, outrora colónias, que ganham a sua independência. No entanto, apesar de ser direito alienável a sua independência, este facto não vai retirar as ex-colónias da dependência externa das metrópoles. Isto sucede dado que o conjunto de colónias que se separaram dos seus “administradores” constituem o Terceiro Mundo, ou seja, são regiões pobres e altamente populosas, a adicionar a falta de recursos e meios que estes têm para se desenvolverem, pois são zonas naturais, fracamente ou nada industrializadas, que passam a depender da exportação de matérias-primas, que lhes são compradas pelos países desenvolvidos que, por sua vez, usufruem destas para as transformarem em bens essenciais, que mais tarde as ex- colónias terão que comprar para sustentarem a sua vida. Isto torna-se um ciclo vicioso, dado que o preço das matérias-primas é altamente reduzido em comparação ao preço dos produtos industrializados, permitindo assim o total endividamento destes países. Assim, a dependência continua a ser um problema real, no entanto, é feito de forma indirecta, pois é através de companhias e acordos mútuos que esta dependência é “oficializada”. Além disto, a descolonização tem outros efeitos sobre o globo, como por exemplo a existência de novos países que terão que se administrar política e economicamente sozinhos. Este facto revela a possibilidade de estes novos países encontrarem uma nova via, que não fosse igual à do liberalismo ou do comunismo assente até então. Em via disto, estreitam-se os laços entre os novos países e dá-se, em 1955, a conferência de Bandung, na Indonésia, onde se promovem novos princípios: a negação do colonialismo, a rejeição da política de blocos, e a aliança pacífica entre nações.
  • 24. Esta conferência tem grandes proporções no mundo “colonial” e inspira o Movimento dos Não Alinhados, que é criado na Conferência de Belgrado, em 1961, movimento que estabelece uma nova via política como alternativa ao comunismo e ao liberalismo. Este movimento cria então uma nova política. Em base, esta visava defender as restantes colónias, propagar a descolonização, defendia “uma política ativa, positiva e construtiva” e pretendia estabelecer a paz mundial. No entanto, apenas a medida de luta contra o colonialismo foi realmente levada a cabo. Entretanto, em Portugal vivia-se um período de declínio do Estado Novo. O regime salazarista fraquejava e avistava-se já um fim. Apesar das campanhas que tinham por objetivo a “revolução agrícola”, na década de 50 a agricultura continuava pobre e pouco produtiva. A isto culpavam-se as dimensões agrícolas, que se viam no norte divididas em minifúndios, ou seja, pequenas parcelas que não permitiam o uso de novas indústrias e, no sul, os latifúndios, propriedades enormes mas que não eram aproveitadas. Face ao problema de produção elaboraram-se novos planos de reforma, como a mecanização da exploração agrícola. Assim, dá-se o II Plano de Fomento (1959), que visava aumentar a produção e a qualidade de vida dos agricultores, no entanto este plano falha. Resumos de História – 5ºteste Ente 1985 e 1991 dão-se profundas alterações na história mundial traçada até então. A Guerra Fria termina de forma inesperada, a Alemanha une-se novamente, a URSS entra em declínio e desmembra-se e, finalmente, os EUA, sem outros concorrentes à altura, tornam-se a maior potência mundial. O início de 1985 na URSS torna-se fundamental para a continuidade da história Russa até aos tempos de hoje. Em março Mikhail Gorbatchev, um homem novo e de ideais mais liberais que os seus antecessores, é eleito secretário-geral do Partido Comunista. Com a sua entrada no poder, Gorbatchev encara as necessidades e os problemas do sistema soviético que vinham a piorar desde a era de Brejnev. Deste modo, dá início a uma política de diálogo e aproximação ao Ocidente, nomeadamente dos EUA, com os quais reinicia conversações no sentido de dar fim ao enorme conflito da Guerra Fria que vinha já desde 1947. Assim, com o desarmamento por parte de ambas as potências, Gorbatchev conseguiu canalizar a economia – que era em grande parte dirigida no sentido do armamento e da militarização – para a reestruturação interna. No sentido de ganhar o apoio popular para a renovação económica pretendida, a perestroika (que significa reestruturação), o líder inicia, em simultâneo, a glasnost (transparência), ou seja, uma medida que visa a abertura política, reconciliando o socialismo com a democracia. A perestroika tem como função descentralizar a economia, privatizando algumas empresas, dando-lhe apoio e incentivando essa privatização através de enormes subsídios que suportavam a sua falta de rentabilidade – criando assim uma balança económica pouco viável, sustentada pela necessidade de abertura externa. Por sua vez, a glasnost pretende motivar a população a acreditar na abertura interna da nação. Assim, este projecto apelava à denúncia da corrupção e da censura (abolindo-a), e à oportunidade de participação dos cidadãos na vida política. Em março de 1989 dão-se, neste sentido, as primeiras eleições verdadeiramente livres na URSS, que dão poder ao Congresso dos Deputados do Povo.
  • 25. No entanto, aquando do decorrer das políticas de Gorbatchov, os países de Leste que se encontravam sob o domínio soviético, encontraram nesta “liberalização” política o fomento para a sua contestação independentista que já vinha dos tempos de Brejnev, nomeadamente porque, ao contrário do que se passara com os antecessores políticos soviéticos, desta vez a sua revolta não contava com a intervenção militar russa, que até então era utilizada para normalizar as situações de revolta popular. Além disso, Gorbatchev considerava que as democracias populares eram um peso para a URSS e concordou no afastamento daqueles países nos quais proliferavam os ideais liberais, permitindo-os criar fronteiras e escolher o seu regime político. Em 1989 inicia-se um período de democratização das nações que se encontravam sob o domínio soviético. Dá-se, então, a abertura das fronteiras com o Ocidente e, a 9 de novembro, cai o mundo de Berlim, dando descontinuidade à “cortina de ferro”, preconizada por Churchill após a II Guerra Mundial. Face à queda do muro, que durante quatro décadas dividia a Europa, a divisão da Alemanha deixa de fazer sentido e, assim, esta reunifica-se no final de 1990, trazendo consigo a dissolução do Pacto de Varsóvia e do COMECON, resultando num novo clima de paz para a Europa já há tanto tempo ansiado. Entretanto, a União Soviética debatia-se com graves problemas políticos e económicos. Em primeiro lugar, a perestroika trouxera problemas que se tornavam incontroláveis e a economia entrara, desse modo, num acentuado declínio. Em segundo lugar, o desmembramento dos países de leste, iniciado com a Estónia que, em 1988, se assume como estado soberano e em 1990 com a Lituânia que se desmembra oficialmente da URSS, e a reunificação da Alemanha, impulsionara pela União Soviética os confrontos étnicos e a propagação das ideias liberais. Deste modo, Gorbatchev, que nunca quis a destruição da URSS, tenta parar o seu declínio pela intervenção militar no Estados Bálticos. Assim, o líder começa a perder os seus apoios mais liberais, nomeadamente de um dos seus ex-colaboradores, Boris Ieltsin, que é eleito presidente da república da Rússia em 1991, marcando o fim a URSS. Em 1991 a maioria das repúblicas da União declara a sua independência e, no final desse ano, cria-se a CEI (Comunidade de Estados Independentes) que agrega 12 das 15 repúblicas que se tornaram independentes. Gorbatchev abandona finalmente a presidência da URSS, já totalmente desintegrada. A perestroika, que prometera uma melhoria das condições de vida a nível salarial, de bens de consumo e de assistência social, tornara-se um fracasso económico. No entanto, o fim desta política de economia planificada significa, também, o fim dos subsídios às empresas, que necessitavam dos mesmos para rentabilizar os seus lucros. Por conseguinte, muitas empresas entram em barrota, reunindo cada vez mais condições para o caos económico da nação. O desemprego floresce a um nível inimaginável e a liberalização dos preços contribui para a inflação dos preços, a qual os salários não acompanham. Assim, muitas famílias soviéticas perdem o seu sustento e veem-se sem meios de subsistência. Entre estes apenas algumas pessoas enriquecem, conseguindo acumular grandes fortunas. Estes apoderam-se das empresas privadas que faliram e, outros, canalizam os seus fundos para investimentos no estrangeiro, fazendo com que, em meados dos anos 90, 45% do rendimento nacional se encontrasse em 5% da população.
  • 26. Além disso, também os novos países, independentes da União Soviética, viram-se em crise económica. Com o afastamento da nação perdem também os seus subsídios e o comércio torna-se, de modo geral, mais caro, criando um certo ambiente de caos económico. Externo à União Soviética, o mundo encontra-se sob a égide dos três polos de desenvolvimento: os EUA, a União Europeia e a Ásia-Pacífico. Entre estes, é nos Estados Unidos que se encontram as melhores condições políticas, económicas e sociais. Esta superpotência mantém, até aos dias de hoje, a sua filosofia da “livre empresa”, que fomenta toda a sua economia. O Estado-Nação mantém-se intacto, permitindo e incentivando a privatização das empresas, cuja carga fiscal se torna mais baixa, os encargos com a segurança social são diminutos e as restrições ao despedimento ou deslocação de mão- de-obra são praticamente inexistentes. A sua nação, de carácter pós-industrial, apresenta na sua base o poder do sector terciário, que ocupa aproximadamente 75% da população ativa e é responsável por 70% do PIB. É também o maior exportador de serviços do Mundo e a sua economia possui momentos escassos de recessão. Além disso, também o sector agrícola e pecuário apresenta níveis positivos para a sua economia, possuindo uma elevadíssima produtividade. Deste modo, a hegemonia dos EUA dá grandes frutos aquando da presidência de Bill Clinton. O presidente, querendo contrariar a crescente prevalência do comércio na União Europeia, procura fazer crescer as relações económicas com o Sudeste Asiático, revitalizando a APEC (Cooperação Económica Ásia-Pacífico). Além disso, nasce nas suas mãos a NAFTA (Acordo de Comércio Livre da América do Norte) que tem como objectivo, semelhante ao da União Europeia, a livre circulação de capitais e mercadorias entre os EUA, Canadá e México. No entanto, a NAFTA acaba por colocar as nações num estado de dependência face aos Estados Unidos. Além disso, a hegemonia norte-americana deve-se também ao grande avanço tecnológico. A sua economia é de tal forma canalizada para a investigação científica que esta nação continua a ser aquela que mais investe neste ramo. As novas tecnologias tornam-se determinantes para o desenvolvimento de um país a partir de meados do século XX e é tendo consciência deste facto que os EUA conseguem proliferar em relação ao resto do mundo, sendo que o seu Estado financia 50% da investigação privada e efectua encomendas dos mais sofisticados materiais militares e paramilitares. Finalmente, o seu avanço tecnológico tão crescente deve-se também à criação dos tecnopólos – parques gigantescos, associados às suas mais prestigiadas universidades, onde se encontram laboratórios e fábricas de pesquisa e avanço tecnológico únicas até então -, sendo o mais famoso Silicon Valley, na Califórnia, onde nasceu a internet. Mas em que momento da história é que se pode delimitar o início da hegemonia americana pós Guerra Fria? Este momento encontra-se descrito por muitos historiadores como o ano de 1991, aquando da Guerra do Golfo, que fora proposta por George Bush (pai) no sentido de iniciar uma nova ordem mundial cuja base se encontrava nos ideais pós II Guerra Mundial, os mesmos que tinham sido o berço da ONU. Assim, a Guerra do Golfo é iniciada como meio de libertação do Kuwait, um pequeno país petrolífero que havia sido invadido pelo Iraque, e a supremacia americana torna-se mundialmente conhecida pelo modo como as tropas iraquianas (4º maior exército mundial) nada conseguiram contra as sofisticadas tecnologias militares da nação rival.
  • 27. No entanto, o seu elevado estatuto perante o mundo gerou alguma controvérsia quando, apercebendo-se do seu enorme poderio, o presidente Bush e, mais tarde, o filho que o sucede, ditam algumas modificações da “Nova Ordem Mundial”. Em primeiro lugar, impõe algumas sanções económicas, tais como o bloqueio do mercado externo e interno, dos países que violassem os direitos humanos, possuíssem uma política repressiva ou suportassem organizações terroristas, fazendo com que, em 1998, 75 países se encontrassem sob ou em risco de receber estas “punições”. Em segundo lugar, reforçam o papel da OTAN, que devido ao declínio da URSS perdera as razões para existir, e contrariam o seu papel unicamente defensivo, sendo que após 1991, esta organização passa a ter o poder de intervir militarmente na Europa sempre que haja razões para tal. Finalmente, os EUA assumem um papel militar mais ativo, sendo protagonistas de inúmeras intervenções armadas de vários motivos, entre elas a do combate ao terrorismo no Afeganistão, em 2001, e a destituição de regimes repressivos. Este último factor conduz à polémica invasão do Iraque que, em 2003, consegue derrubar o regime de Saddam Hussein. No entanto, as verdadeiras razões que levaram a esta guerra levam a inúmeros debates e divergências de opiniões, fazendo com que o regime político americano, na altura encabeçado por Bush (filho) perdesse a maioria do seu apoio e crença. Deste modo, é em 2008 que se elege como novo presidente Barack Obama, que trás consigo um clima de crença na mudança e na paz mundial. Anos antes, também a Europa se debatia com a necessidade que vinha desde o Tratado de Roma, de se unificar e unir o poder de todas as suas nações no sentido de proliferar como uma superpotência e resolver alguns problemas económicos e sociais que vinham ainda da II grande guerra. A sua primeira necessidade foi a união aduaneira, ou seja, a livre circulação de mercadorias. Neste sentido, a Comunidade Económica Europeia (CEE) cria um conjunto de instituições que, semelhantes ao que fora feito na ONU, se encarregavam de diferentes ramos económicos, sociais e políticos entre nações. Assim, os estados-membros conseguem alcançar alguns resultados e tentam pôr em prática uma política agrícola comum, um projecto de combate ao desemprego e um de ajuda às zonas menos favorecidas do continente. No entanto, as suas ideias e tentativas resultam apenas na perda de apoio e de crença, sendo que no início dos anos 80 a Comunidade começa a colapsar. Felizmente, 5 anos depois, Jacques Delors entra na presidência da Comissão Europeia e faz sua prioridade o renascer da CEE. Deste modo, Delors prende-se na necessidade de um avanço económico como União Europeia, que se reflete na assinatura, em 1986, do Ato Único Europeu, que previa para 1993 o estabelecimento do tão querido mercado único – adicionando que não seria de livre circulação de mercadorias apenas, mas também das pessoas, dos capitais e dos serviços, reunindo assim condições para uma verdadeira União no continente. Neste sentido, Delors publica o Livro Branco, onde estavam escritas as medidas a tomar e os seus prazos, assim como um profundo estudo económico sobre os custos da Europa se esta não se unisse como planificado. É então, em 1990, que o mercado livre se torna finalmente uma realidade. Além disso, as nações começam a acreditar que esta União poderá dar mais frutos, criando no horizonte novas medidas e ideias, tais como o alargamento da moeda, da política migratória, da política externa e da defesa a nível continental (daqueles que fizessem parte da União). Estas crenças conduzem, em 1992, ao célebre Tratado de Maastricht, assinado na cidade holandesa. Este tratado entra em vigor um ano depois e estabelece a existência da