O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Os principais problemas sociodemográficos A população portuguesa debate-se com vários problemas sociodemográficos que se f...
activa que desconta para a Segurança Social e será cada vez mais difícil aos governosaumentarem as reformas e as pensões.U...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa

11.613 visualizações

Publicada em

não garanto que parte desta informação não seja copy-paste da wikipédia, atenção!

Publicada em: Educação
  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Os principais problemas sociodemográficos da população portuguesa

  1. 1. Os principais problemas sociodemográficos A população portuguesa debate-se com vários problemas sociodemográficos que se fazemsentir aos mais diversos níveis. Entre os quais, merecem destaque:O declínio da fecundidade;O envelhecimento;O baixo nível educacional;Situação perante o emprego.O declínio da fecundidadeA demografia do nosso país caracteriza-se por baixas taxas de mortalidade e natalidade. Estaúltima está directamente relacionada com o declínio da fecundidade, cujo índice sintético defecundidade reduziu. A baixa taxa de fecundidade é um grave problema que tem marcado aevolução da população portuguesa, pois poderá levar à estagnação do dinamismodemográfico, ou mesmo, ao crescimento negativo. A consequência imediata é que Portugalnão consegue assegurar a renovação de gerações, uma vez que está abaixo do limite mínimode 2,1 filhos por mulher, cerca de metade do que seria necessário para que se dê asubstituição das gerações.A redução crescente dos nascimentos equivale à redução da proporção de jovens. Estasituação irá, decerto, agravar os problemas do sistema de segurança social, já que aumenta onúmero de pensionistas e o número de activos diminui. Estes terão de contribuir com umaparcela maior dos seus rendimentos para garantir o funcionamento do sistema. Assim,Portugal apresenta um índice de fecundidade de 1,5.Para mudar este comportamento, teriam que ser implementadas poderosas políticasnatalistas, de forma a alterara a mentalidade dos jovens casais e tornar compensatório oaumento de filhos. É necessário tomar medidas de carácter económico, nomeadamente:aumentos substanciais dos abonos de família, educação e saúde completamente gratuitos,facilidades de acesso ao crédito e subsídios para a compra de habitação para famíliasnumerosas. Porém, Portugal pouco ou nada tem levado a cabo para incentivar a natalidade.Políticas natalistasMedidas implementadas por um país para incentivar a natalidade, a título de exemplo, agratuitidade dos serviços de educação e saúde.O envelhecimentoOutra marcante realidade da população portuguesa é o seu progressivo envelhecimento, frutodo aumento da esperança média de vida e da redução da mortalidade, verificado nas últimasdécadas.Este problema gera diversas consequências, entre as quais: a diminuição da população activa,principalmente nos meios rurais, a desaceleração do ritmo de inovação e do espíritoempreendedor, o que leva à diminuição da produção, por decréscimo de propensão para oconsumo. Pode acrescentar ainda um conservadorismo político, em consequência de o país ser“dominado” por uma população demasiado madura.Sendo mais alarmante, os encargos com os idosos aumentam consideravelmente,nomeadamente as reformas, pensões, assistência médica e lares de terceira idade.Consequentemente, o aumento de número de idosos aumenta os encargos para a população
  2. 2. activa que desconta para a Segurança Social e será cada vez mais difícil aos governosaumentarem as reformas e as pensões.Uma das formas de valorizar os idosos passa por inclui-los no seio da comunidade, tentandoaproveitar o “saber” que eles compartam, que, infelizmente, na actualidade, tem tendência adesaparecer. Face a este problema, Portugal tem como necessidade aumentar a taxa deactividade das mulheres e de aumentar a idade da reforma, de maneira a que os trabalhadoresde idade superior possam participar no mercado de trabalho por mais tempo.Baixo nível educacionalA educação é um dos aspectos fundamentais para o desenvolvimento de um país, sendo, porisso, o nível de instrução determinante.No caso português, debatemo-nos com um baixo nível educacional, possuindo umasignificativa taxa de abandono escolar e, consequentemente, uma fraca qualificaçãoprofissional. Contudo, revelou-se uma evolução positiva neste tópico na última década,aumentando o número de indivíduos mais instruídos, justificado pela renovação geracional.Este facto resulta, também, do aumento dos sujeitos com cursos médios e superiores, devido àcontribuição feminina.Relativamente à taxa de abandono escolar, apesar da sua quebra, permanece comoalarmante. Por outro lado, a taxa de saída antecipada, portanto, a saída precoce da escola,registou um decréscimo acentuado nos últimos anos.Em última análise, Portugal regista umadiminuição significativa da taxa de analfabetismo, todavia, é ainda elevada no Alentejo e nointerior da região Centro.Situação perante o empregoO emprego e a sua estabilidade são aspectos determinantes para a qualidade de vida e odesenvolvimento pessoal de qualquer cidadão.Contudo, tem aumentado o trabalho precário, portanto, temporário, afectando, sobretudo, osjovens, as mulheres e os idosos. As empresas apostam nas contratações a prazo. Odesemprego e o subemprego são uma realidade vincada entre a população portuguesa,acompanhando a deterioração da situação social, aumentando, escandalosamente, o trabalhoinfantil. Atingindo uma dimensão preocupante, a sinistralidade aumenta no nosso país. Osacidentes laborais matam centenas de portugueses, por ano.O desemprego representa uma riqueza perdida, tendo elevados custos: origina conflitossociais, afecta psicologicamente os indivíduos, provoca a descida de nível de vida e, por último,causa instabilidade ao nível das relações familiares.Em suma, Portugal atinge um universo de desempregados que rondará o meio milhão depessoas.SubempregoEmprego sem as características que tem o pleno emprego, quer em termos de salário, horáriode trabalho, quer de segurança social. Costuma estar associado a economias subdesenvolvidas.

×