Doenças sistema nervoso

708 visualizações

Publicada em

Este trabalho foi feito no âmbito da disciplina de Ciências Naturais no ano letivo 2013/2014.

É de destacar que estes trabalhos não estão de acordo com o novo acordo ortográfico e podem conter erros ortográficos, pois foram efetuados por alunos.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
708
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Doenças sistema nervoso

  1. 1. Doenças do Sistema Nervoso Escola Básica de Lagares Ano Letivo : 2013/2014 Professora : Sandra Costa Disciplina: Ciências Naturais Trabalho Realizado por: Ana Teixeira Nº2 Cátia Moreira Nº5 Cátia Castro Nº6 Maria Freitas Nº18 9ºB2
  2. 2.  O presente trabalho insere-se no âmbito da disciplina de Ciências Naturais.  Neste trabalho vamos falar sobre as doenças do sistema nervoso.  Consideramos o tema bastante interessante, uma vez que é uma oportunidade de aprofundar mais este tema o que se pode reflectir positivamente na compreensão da matéria relacionada com o sistema nervoso. Introdução
  3. 3.  Alzheimer  Parkinson  Meningite  Paraplegia ou tetraplegia  Esquizofrenia  Anorexia  Bulimia  Depressão  Ansiedade Índice
  4. 4. Alzheimer
  5. 5.  O Alzheimer, é uma doença degenerativa atualmente incurável, mas que possui tratamento.  É uma condição que provoca deficiência no ato de adquirir um conhecimento, sentir, pensar, perceber, lembrar, raciocinar, e dar respostas.  Esta doença manifesta-se por volta dos 50 anos e caracteriza- se por uma deterioração intelectual profunda, desorientando a pessoa que perde, progressivamente a memória, as capacidades de aprender e de falar. Em que consiste ?
  6. 6.  Humor , depressão, apatia, choro e baixa autoestima;  Agressão verbal e física deambulação e inquietação;  Perceção, paranoia, delírios e alucinações;  Sono e peso;  Apetite aumentado para doces. Sinais e Sintomas
  7. 7.  Até ao momento, não existe cura. Os avanços da medicina têm permitido que os pacientes tenham uma sobrevivência maior e uma qualidade de vida melhor, mesmo na fase grave da doença.  As pesquisas têm progredido na compreensão dos mecanismos que causam a doença e no desenvolvimento das drogas para o tratamento. Os objetivos dos tratamentos são aliviar os sintomas existentes, estabilizando-os ou, ao menos, permitindo que boa parte dos pacientes tenha uma progressão mais lenta da doença, conseguindo manter-se independentes nas atividades da vida diária por mais tempo. Tratamento
  8. 8.  Praticar exercício físico. Ajuda a diminuir o declínio cognitivo.  Realizar actividades estimulantes para o cérebro (ler, por exemplo). Aumenta o número e a força das conexões entre neurónios.  Ter em conta a máxima, «tudo o que é mau para o coração, é mau para o cérebro».  Privilegiar alimentos que contribuem para a prevenção: mel, alimentos com ómega-3 (salmão, por exemplo) e vinho (com moderação). Prevenção
  9. 9. Parkinson
  10. 10.  A doença de Parkinson, é uma doença degenerativa, crônica e progressiva, que acomete em geral pessoas idosas. Ela ocorre pela perda de neurônios do SNC numa região conhecida como substância negra (ou nigra). Os neurônios dessa região sintetizam o neurotransmissor dopamina, cuja diminuição nessa área provoca sintomas principalmente motores. Entretanto, também podem ocorrer outros sintomas, como depressão, alterações do sono, diminuição da memória e distúrbios do sistema nervoso autônomo. Os principais sintomas motores se manifestam por tremor, rigidez muscular, diminuição da velocidade dos movimentos e distúrbios do equilíbrio e da marcha.  É idiopática, ou seja é uma doença primária de causa obscura. Em que consiste?
  11. 11.  Tremor de uma mão quando se está em repouso, que diminui quando a mão movimenta-se voluntariamente e desaparece completamente durante o sono;  Tremor que aumenta com o stress emocional ou fadiga;  Rigidez muscular, manifestando-se pela dificuldade em iniciar um movimento;  Dor muscular e fadiga;  Face pouco expressiva; músculos faciais responsáveis pelas expressões não se movem;  Olhar vago, boca aberta e diminuição do piscar dos olhos;  Deglutição difícil; paciente baba ou engasga com facilidade;  Fala baixa e monocórdica acompanhado de um "gaguejar"; devido à dificuldade de articulação dos pensamentos; Sintomas
  12. 12.  Tratamento Farmacológico  Levodopa; Agonista da Dopamina; Inibidor da MAO  Inibidor da COMT; Ações Anticolinérgicas; Drogas que aumentam liberação de dopamina na fenda sináptica  Tratamento Fisioterápico  Fisioterapia,fonoaudiológiaeaterapiaocupacionaldesempenhamumpapelfundamentalnaDP.  Possibilitamelhoraacentuadanamarcha,postura,movimentosdamímicafacial,nafala,etc.  TratamentoCrirurgico  Talamotomia - Indicado para pacientes com tremor, alivia a rigidez e diminui a dependência farmacológica.  Pode ser feito a lesão no Núcleo Ventral lateral ou no Núcleo Ventral Intermediário Palidotomia - Indicado para pacientes com bradicinesia e acinesia acentuada, também apresenta melhora significativa na rigidez, até 90% de melhora, e no controle dos tremores. Tratamento
  13. 13.  A Doença de Parkinson é idiopática e ainda não se sabe quais suas causas especificas, portanto, não há medidas preventivas nesse caso. Alguns estudos apontam que o uso de antioxidantes, como a vitamina E e vitamina C, ajudam a prevenir o stresse oxidativo e a degeneração dos neurónios. Além disso, a prática clínica aponta que o uso da selegilina no inicio da doença ajuda a retardar sua progressão. A nutrição adequada à idade da pessoa é fundamental. Estudos conclusivos destacam a importância de magnésio como agente causador de degenerações neurológicas, sendo fundamental o controle alimentar deste mineral. Preservar a saúde mental, evitando conflitos e desgaste emocionais, é muito importante. Manter um ritmo de vida constante, sem grandes atividades seguidas de paradas forçadas, é essencial. Prevenção
  14. 14. Meningite
  15. 15.  A meningite é uma inflamação das meninges, que são as membranas que envolvem o cérebro. A meningite é causada, principalmente, por bactérias ou vírus, portanto são diversos os tipos de meningites. Nem todas são contagiosas ou transmissíveis. Em princípio, pessoas de qualquer idade podem contrair meningite, mas as crianças menores de cinco anos são mais atingidas. A meningite meningocócica é causada por uma bactéria, o meningococo e é contagiosa. Em que consiste ?
  16. 16.  O diagnóstico da meningite é feito através da observação clínica dos sintomas da doença e confirmado por meio de um exame chamado punção lombar, que consiste na retirada de uma pequena quantidade de liquor do canal vertebral. Este exame consegue mostrar se há inflamação nas meninges e qual o agente causador sendo essencial para o diagnóstico e para direcionar o tratamento da doença.  Ao diagnosticar a doença o paciente deve permanecer internado no hospital por alguns dias para que o tratamento seja iniciado, à base de antibióticos em caso de meningite bacteriana ou medicamentos para baixar a febre e diminuir o desconforto em caso de meningite viral.  A tomografia computadorizada e a ressonância magnética só são indicadas quando há suspeita de lesão cerebral e/ou de sequelas deixadas pela meningite. Como se procede ao diagnóstico ?
  17. 17.  Dor de cabeça forte;  Vómitos (nem sempre, inicialmente);  Rigidez no pescoço (dificuldade em movimentar a cabeça);  Manchas cor de vinho na pele;  Estado de desânimo, moleza. Sinais e Sintomas
  18. 18.  Após a avaliação médica e a análise preliminar de amostras clínicas, o paciente ficará internado e o tratamento da meningite será realizado com antibióticos específicos. Tratamento
  19. 19.  Existe vacina contra alguns tipos de Meningite Meningocócica, para os tipos A, C, W135 e Y, porém elas não são eficazes em crianças menores de 18 meses. Em crianças maiores de 18 meses e adultos a proteção da vacina dura de 1 a 4 anos: Prevenção
  20. 20. Paraplegia ou tetraplegia
  21. 21.  As paraplegias ocorrem quando as vias motoras e sensitivas que percorrem a medula espinhal são interrompidas por um acidente ou outro motivo qualquer, geralmente no nível da coluna dorsal ou lombar. Essa interrupção pode ser completa ou incompleta, levando assim a diferentes repercussões e sintomas. As paraplegias levam à perda do controle motor e da sensibilidade dos membros inferiores e de toda a parte inferior do corpo. Quanto mais alta for a lesão, maior será a área corporal comprometida.  Após uma lesão medular completa, os membros afetados deixam de receber e enviar qualquer tipo de estímulo nervoso. A pessoa afetada perde também, na maioria dos casos, o controle das suas funções fisiológicas nas áreas afetadas. Em que consiste?
  22. 22.  A paraplegia é o termo médico utilizado quando o paciente não consegue movimentar ou sentir as pernas, uma situação que pode ser permanente e que geralmente é causada por uma lesão na medula espinhal.  Além de não conseguir mexer as pernas o paraplégico também não controla a urina e os intestinos e por isso é frequente ele sofrer com infecção urinária e prisão de ventre. Como se procede ao diagnóstico ?
  23. 23.  Incapacidade de mover os membros inferiores;  Perda de sensibilidade e formigueiro na parte inferior do corpo;  Incontinência urinária Sinais e sintomas
  24. 24.  A paraplegia geralmente não tem cura, mas quando ela é provocada por uma compressão da medula espinhal ou por algumas doenças infecciosas ou degenerativas, ela pode ser curada. No caso da compressão da medula uma cirurgia pode ser eficaz para descomprimir a área, permitindo a transmissão dos impulsos nervosos e no caso das doenças, quando elas são tratadas adequadamente a paraplegia pode curada. Tratamento
  25. 25.  As causas mais frequentes da paraplegia - ou da lesão medular - são os traumatismos, os processos tumorais e as infecções. Os traumatismos que mais atingem a medula espinhal são aqueles produzidos em acidentes de automóveis, ou mergulho em águas rasas. Daí não haver nenhuma prevenção direta a cumprir, a única mais evidente é viver uma vida saudável e segura sem correr riscos. Prevenção
  26. 26. Esquizofrenia
  27. 27.  A esquizofrenia é um distúrbio mental, uma psicose crônica ou recorrente encontrada principalmente nos jovens adultos que pode causar deterioração da capacidade funcional a longo prazo.  A psicose é uma ruptura na realidade que se manifesta através de uma combinação de delírios, alucinações, comportamento caótico e pensamentos desorganizados / incoerentes. Em que consiste ?
  28. 28.  A esquizofrenia é diagnosticada com base em perfis do sintoma. Correlatos neurais não fornecem critérios suficientemente útil. O diagnóstico é baseado nas experiências auto-relatadas da pessoa, e anormalidades no comportamento relatado por familiares, amigos ou colegas de trabalho, seguido por uma avaliação clínica por um psiquiatra, assistente social, psicólogo clínico ou outro profissional de saúde mental. Avaliação psiquiátrica inclui história psiquiátrica e alguma forma de exame do estado mental. Como se procede ao diagnóstico ?
  29. 29.  Delírios  Alucinações  Discurso desorganizado, que é uma manifestação de transtorno do pensamento formal  Grosseiramente comportamento desorganizado (por exemplo, vestir de forma inadequada, chorando com frequência) ou comportamento catatônico  Sintomas negativos - afetivo achatamento (falta ou diminuição da resposta emocional), alogia (falta ou diminuição da voz), ou avolição (falta ou diminuição da motivação)  Se os delírios são considerados bizarros ou as alucinações consistem de ouvir uma voz que participam em um comentário execução das ações do paciente ou de ouvir duas ou mais vozes conversando entre si, apenas o sintoma que é exigido acima. O critério de desorganização da fala só é respeitado se é grave o suficiente para prejudicar substancialmente a comunicação. Sinais e Sintomas
  30. 30.  Quando a esquizofrenia não apresenta melhora com diversos antipsicóticos, o medicamento clozapina pode ser de grande ajuda. A clozapina é o medicamento mais eficaz na redução dos sintomas da esquizofrenia, mas também tende a causar mais efeitos colaterais do que outros antipsicóticos.  A esquizofrenia é uma doença para a vida toda. A maioria das pessoas com essa doença precisa receber medicamentos antipsicóticos para o resto da vida. Tratamento
  31. 31.  Não existe uma forma conhecida de prevenir a esquizofrenia.  Os sintomas podem ser prevenidos tomando a medicação. Você deve tomar a medicação exatamente como seu médico recomendou. Os sintomas retornarão caso pare de tomar a medicação.  Sempre converse com seu médico se estiver pensando em mudar ou interromper o uso dos medicamentos. Visite seu médico ou terapeuta regulamente. Prevenção
  32. 32. Anorexia
  33. 33.  Essencialmente é o comportamento persistente que uma pessoa apresenta em manter seu peso corporal abaixo dos níveis esperados para sua estatura, juntamente a uma percepção distorcida quanto ao seu próprio corpo, que leva o paciente a ver-se como "gordo". Apesar das pessoas em volta notarem que o paciente está abaixo do peso, que está magro ou muito magro, o paciente insiste em negar, em emagrecer e perder mais peso. Em que consiste ?
  34. 34.  Um diagnóstico de anorexia só pode ser feito por um médico qualificado, habitualmente um psiquiatra. Os critérios padrão para o diagnóstico de anorexia incluem a recusa do indivíduo em manter um peso corporal apropriado para a sua altura e idade, um medo intenso de ficar “gordo” ou com excesso de peso, mesmo quando magríssimo, uma falta de auto-confiança relacionada com uma auto-imagem distorcida e a perda de períodos menstruais durante pelo menos três meses (obviamente não incluído no diagnóstico masculino). Como se procede ao diagnóstico ?
  35. 35.  Uma óbvia, rápida e dramática perda de peso  Obsessão com as calorias e gorduras  Preocupação com a comida, receitas, ou cozinhar; pode cozinhar jantares elaborados por outros, mas não os come  Medo de ganhar peso ou se tornar obeso  Recusa-se a comer ao pé das outras pessoas  Uso de laxantes, pílulas dietéticas, ou pílulas de água; induzir o vómito, pode correr para o banheiro depois de comer para vomitar e rapidamente se livrar das calorias  Podem exercer, frequente extenuante exercício  A auto-percepção do excesso de peso, apesar de ser dito por outros que estão muito magras  Solidão, pode evitar amigos e família  Uso de roupas largas para cobrir a perda de peso Sinais e Sintomas
  36. 36.  Não existe um medicamento próprio para a anorexia, podem ser indicados medicamentos antidepressivos, medicamentos que abram o apetite e os polivitamínicos para combater a anemia, quase sempre presente.  Nos casos mais graves da doença, em que o indivíduo tem muito baixo peso, é necessário internamento hospitalar e até mesmo a colocação de uma sonda nasogástrica para garantir a alimentação correta do paciente.  O tratamento para anorexia pode envolver terapias de grupo, familiar e comportamental são também indicadas para combater a anorexia pois esta é também considerada um distúrbio alimentar de origem psicológica.  Outra parte importante do tratamento são as consultas com um nutricionista que deverá ensinar o paciente a maneira correta de alimentar- se e qual o seu peso ideal através do cálculo do seu IMC. Tratamento
  37. 37.  A atitude da família em ressaltar a importância de uma alimentação saudável e não enfatizar a perda de peso. Se um membro da família dá muita importância à magreza, pode influenciar o resto da família a ter o mesmo pensamento.  É importante conversar com os filhos e filhas sobre o valor da pessoa como um todo e não somente do aspecto exterior.  Os pais não devem restringir a comida dos filhos por acharem que eles estão acima do peso, somente o médico e o nutricionista podem decidir qual é o melhor regime a ser seguido.  Não relacione a comida com negociações e chantagens, como prémios ou castigos pelos pais. Prevenção
  38. 38. Bulimia
  39. 39.  A bulimia é uma doença na qual uma pessoa exagera na ingestão de alimentos ou tem episódios regulares em que come em excesso e sente perda de controle. Dessa forma, a pessoa com bulimia usa vários métodos, como vômitos ou abuso de laxantes, para impedir o ganho de peso. Em que consiste ?
  40. 40.  O médico suspeita de bulimia quando uma pessoa está muito preocupada com o aumento de peso, que apresenta grandes flutuações, em especial se existem sinais evidentes de uma utilização excessiva de laxantes. Outros indícios incluem o inchaço das glândulas parótidas, cicatrizes nos nós dos dedos por terem sido utilizados para induzir o vômito e erosão do esmalte dentário. No entanto, o diagnóstico vai depender da descrição do paciente. Como se procede ao diagnóstico ?
  41. 41.  O principal sintoma da bulimia é comer descontroladamente e logo depois tentar se livrar do alimento ingerido. Além desses sintomas, uma pessoa bulímica pode apresentar:  Problemas nos dentes e gengivas.  Desidratação.  Fadiga.  Ressecamento da pele.  Arritimia cardíaca.  Irregularidade ou perda da menstruação.  Constipação.  Depressão ou oscilações de humor. Sinais e sintomas
  42. 42.  O tratamento para bulimia pode incluir a toma de medicamentos, acompanhamento do nutricionista e de um psicólogo que vão oferecer todas as ferramentas que o indivíduo necessita para fazer as escolhas mais acertadas e então alimentar-se convenientemente.  Uma auto-análise pessoal orientada por um psicoterapeuta e as terapias de grupo podem ser de grande ajuda para quem quer vencer a bulimia. Mas nos casos em que o paciente não colabora, não toma a medicação e não se esforça para mudar sua maneira de pensar pode ser necessário o internamento hospitalar. Tratamento
  43. 43.  Ter uma educação e sensibilização para a doença e os riscos associados  Ter um conhecimento e hábitos alimentares saudáveis  Cultivar uma imagem positiva do corpo  Sentir-se bem psicologicamente  Reduzir os factores de stress  Conciliar o descanso com a escola ou o trabalho.  Desenvolver amizades Prevenção
  44. 44. Depressão
  45. 45.  A depressão ou depressão nervosa é um estado patológico com um humor triste e doloroso associado à redução da atividade psicológica e física. A pessoa afetada pela depressão sente-se impotente e a doença vem quase sempre acompanhada de outros sintomas, como a ansiedade ou a insônia. Em que consiste ?
  46. 46.  Estado deprimido: sentir-se deprimido a maior parte do tempo, quase todos os dias;  Alteração de peso: perda ou ganho de peso não intencional;  Distúrbio de sono: insónia ou hipersônia praticamente diárias;  Problemas psicomotores: agitação ou apatia psicomotora, quase todos os dias;  Falta de energia: fadiga ou perda de energia, diariamente;  Culpa excessiva: sentimento permanente de culpa e inutilidade;  Dificuldade de concentração: habilidade frequentemente diminuída para pensar ou concentrar-se;  Ideias suicidas: pensamentos recorrentes de suicídio ou morte. Como se procede ao diagnóstico ?
  47. 47.  Uma pessoa com uma depressão grave tem pouco interesse, ou até nenhum, no trabalho ou no lazer, e pode até apresentar dificuldades quanto ao levantar-se da cama.  Com um tratamento e apoio, poderá sentir-se melhor. Aprender a compreender em que consiste a depressão – incluindo os sinais, os sintomas e as causas – é o primeiro passo para superar o problema.  Não sente vontade de reagir, não acha graça a nada, sente-se angustiada, sem energia, chora à toa, tem dificuldade para começar uma tarefa, dificuldade em terminar o que começou persistência de pensamentos negativos e um mal-estar generalizado: indisposição, dores pelo corpo, insónia ou sonolência, alterações no apetite, falta de memória, concentração, vulnerabilidade, fraqueza, taquicardia, dores de cabeça, suores ou outros sintomas físicos. Sinais e Sintomas
  48. 48.  Existe cura para a depressão, no entanto o processo pode durar anos. Contudo, cerca de 20% dos casos acaba por torna-se depressão crónica, um estado irreversível.  Pessoas cuja família tem um historial de depressão têm grandes hipóteses de sofrerem de depressão também.  A escolha do tratamento mais adequado deve ser personalizada e feita depois de uma avaliação física e mental completa da pessoa doente. Os tipos de tratamento são diversificados, sendo aplicados de acordo com a situação clínica. Tratamento
  49. 49.  O Inverno é a época mais comum para sofrer desta patologia (depressão sazonal).  Para evitar cair em pensamentos depressivos, é importante procurar uma ocupação.  Quer seja sozinho ou acompanhado, procure uma ocupação agradável, como actividades de lazer e entretenimento, ou desportiva, que o distraia;  Mantenha-se em contacto com outras pessoas, fazendo novas amizades e explore interesses em comum. Prevenção
  50. 50. Ansiedade
  51. 51.  A nível geral pode definir-se a ansiedade como um estado psíquico de apreensão ou medo devido à antecipação de uma situação desagradável ou mesmo perigosa, acompanhado de sintomas somáticos de tensão. O foco de perigo antecipado pode ser interno ou externo. Em que consiste?
  52. 52.  Um bom histórico médico e exame físico são essenciais para o diagnóstico inicial de qualquer transtorno de ansiedade, a fim de excluir qualquer outra condição médica significativa e tratável que poderia estar causando os sintomas. Histórico familiar de transtornos de ansiedade, ou outra doença psiquiátrica, fortalece os indícios para um caso de desordem de ansiedade. Como se procede ao diagnóstico?
  53. 53.  Inquietude;  Sentir fadiga facilmente;  Dificuldade de concentração  Irritabilidade  Tensão muscular  Distúrbios do sono (dificuldade para ter sono ou para continuar dormindo – sono insatisfatório) Sintomas e Sinais
  54. 54.  A ansiedade trata-se compreendendo os problemas de cada pessoa, ajudando-as a afastarem-se das emoções de medo resultante de experiencias vividas no passado, de momentos muitas vezes traumáticos.  Existe uma grande oferta de terapias convencionais e alternativas que podem ajudar no combate á ansiedade, deve refletir bem nas ofertas terapêuticas, pois a nossa saúde mental é um assunto sério. Tratamento
  55. 55.  Faça exercícios físicos regulares;  Reduza o consumo de bebidas alcoólicas ou com cafeína;  Separe um período do dia e relaxe. Respire profundamente e/ou faça algo que lhe dê prazer.  Procure reconhecer as situações que fazem aumentar o nível de ansiedade para poder identificar e lidar com as questões;  Mantenha um diário de ansiedade e procure anotar o sentimento ou pensamento que existia assim que começava a sentir sintomas de ansiedade; Prevenção
  56. 56.  http://pt.wikipedia.org/wiki/Mal_de_Alzheimer#Tratamento  http://pt.wikipedia.org/wiki/Doen%C3%A7a_de_Parkinson  http://www.slideshare.net/CaioUrsine/doena-de-parkinson-11301150  http://www.slideshare.net/adonems/doena-de-alzheimer-diagnstico-e-tratamento- presentation  http://pt.wikipedia.org/wiki/Meningite#Bact.C3.A9rias  http://www.criasaude.com.br/N14432/doencas/dicas-e-prevencao-bulimia.html  http://www.criasaude.com.br/N14432/doencas/dicas-e-prevencao-bulimia.html  http://www.tuasaude.com/tratamento-para-bulimia/  http://www.dicionarioinformal.com.br/anorexia/  http://www.minhavida.com.br/saude http://www.abcdasaude.com.br/artigo.php?282 /temas/esquizofrenia  http://www.abc.med.br/p/348059/paraplegia+o+que+e+quais+os+tipos+e+as+causas+ como+e+o+tratamento.htm  http://www.clinicadamente.com/tratamentos/depressao.html  http://www.clinicadesaudementaldoporto.pt/002.aspx?dqa=0:0:0:52:0:0:-1:0:0&ct=50 Referência Bibliográfica
  57. 57.  Com a realização deste trabalho podemos concluir que no sistema nervoso podem existir vários tipos de doenças como por exemplo Depressão , Parkinson e Alzheimer.  Estas doenças atacam fortemente o sistema nervoso e podem levar a distúrbios mentais, as pessoas perdem a capacidade de aprender e de falar, como é o caso do Alzheimer. Noutros casos as pessoas apresentam movimentos lentos, rigidez corporal, tremor incontrolável o que se verifica na doença do Parkinson.  Estas doenças são muito complexas e exigem o respectivo tratamento, caso contrário podem até levar à morte.  Gostámos de realizar o trabalho, uma vez que ainda não tínhamos falado sobre esse tema. Conclusão

×