Métodos de observação,
codificação e registo de
elementos coreográficos
maria joão alves
FMH
Métodos de observação, codificação e
registo de elementos coreográficos
 Resumo
Notação coreográfica. Um sistema codifica...
Metodologia observacional
estudo do
comportamento
e/ou contextos
estudo de
informações
diretamente
percetíveis
Métodos de Análise
do movimento
Processos analíticos
•discussões dentro de um contexto
mais amplo do que exploração
prátic...
instrumentos básicos da
metodologia de observação
sistemas de categorias
formatos de campo
combinação dos dois
escalas de ...
Sistemas de categorias
Natureza da
situação
•assuntos
observados
•episódios
•atividades
•contextos
Quadro
teórico
Atribuiç...
Formatos de campo
1. Critérios ou
eixos do
instrumento
2. Lista de
comportamento
s / situações
3. Sistema de
codificação
d...
instrumentos básicos da
metodologia de observação
Combinação sistemas de
categorias e formatos de campo
escalas de avaliaç...
Forma simbólica de representar os
movimentos dos bailarinos usando vários
símbolos gráficos
Notação
Notação
notação
de
dança
documentação
análise
reconstrução
Métodos de Análise
do movimento
LabanMovementAnalisys
BeneshMovementNotation
Laban Movement Analysis (LMA)
Laban, 1928
Kinetographie
Análise e
registo
Movimento
natural
Laban Movement
Analysis
Laban Movement
Analysis
Categorias principais, Corpo,
Energia, Forma e Espaço.
Laban Movement
Analysis
Categorias principais, Corpo,
Energia, Forma e Espaço.
Laban Movement
Analysis
Exemplo de registo
Laban Movement Analysis (LMA)
Aplicação ampla
•expressividade do
movimento
•computação
Prática somática
incorporada
•auto-...
Laban Movement Analysis (LMA)
Corpo
• o quê
Energia
• como
Espaço
• onde
Forma
• relação
Fraseamen
to
• ritmo
Labanotator
Benesh Movement Notation
Benesh
Análise
e
registo
Ballet
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Benesh Movement Notation
Sistemas de
Notação de
movimento
Jeschke
Eshkol–Wachmann
Laban
Benesh
Sutton
Conté
Loring
Morris
Nikolais
Métodos de Análise
do movimento
Jeschke
Inventoryof
Movement
Eshkol–
Wachmann
Movement
Notation
LabanMovement
Analisys
Ben...
Eshkol– Wachmann Movement
Notation (EWMN)
Noa Eshkol
e Avraham
Wachmann
Análise e
registo
Movimento
humano
Eshkol– Wachmann Movement
Notation (EWMN)
Eshkol–Wachmann Movement
Notation (EWMN)
EW Notator
Dancewrite,deValerie
Sutton
Método de Dancewrite, de Valerie
Sutton
Batista, Tourinho &
Freire (2010).
Método de Dancewrite (mão livre),
de Valerie Sutton
Sistemas de Observação de
Habilidades Motoras
Sistema de observação
do comportamento motor
em dança (SOCMD)
(Rodrigues, 19...
Observational System of Motor
Skills (OSMOS)
Castañeretal.(2008)
Observational System of Motor
Skills (OSMOS)
Match Vision Studio
Observational System of Motor
Skills (OSMOS)
Formasdevisualizar
movimento
Linguagens
notacionais em dança
Media fílmicos
Media digitais
Instrumentos para análise de
movimento
Captura de Movimento
(filme, vídeo, Motion
Capture Systems)
Projetos multimedia -
C...
Referências bibliográficas
Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160.
Batista, L.,...
Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos
Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos

221 visualizações

Publicada em

Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos, doutoramento em motricidade humana, especialidade em dança

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
221
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
91
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Na metodologia por observação o problema definido requer o estudo do comportamento e / ou contextos, que por sua vez implica o estudo de informações diretamente perceptíveis


    Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160.
  • Os métodos de análise de movimento são caracterizados por processos analíticos que tornam o movimento acessível para discussões dentro de um contexto mais amplo do que exploração prática feita enquanto dançamos, a perceção pura ou correção de movimento, e a sua análise para efeitos de imitação/reprodução. Estes métodos foram criados para refletir sobre o movimento a partir de uma perspetiva externa. Eles representam uma abordagem sistemática intrinsecamente orientada para extrair perceções específicas.

    HARTEWIG, W. (2014). OBSERVATION TECHNIQUES—MOVEMENT ANALYSIS FOR CONTEMPORARY DANCE TECHNIQUES. In I. Diehl & F. Lampert (Eds.), Dance Techniques 2010 Tanzplan Germany (2nd ed., pp. 126–135). Leipzig: Henschel Verlag. Retrieved from https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CCAQFjAA&url=http://www.kulturstiftung-des-bundes.de/sites/KSB/download/Tanztechniken_2010.pdf&ei=SrspVbP3OsnvUrC-gZAB&usg=AFQjCNHNgrJJw0Vi6cssUIY8eITv4adXRA&
  • Os instrumentos básicos da metodologia de observação são sistemas de categorias, formatos de campo, a combinação dos dois, e, em menor escala, escalas de avaliação.

    Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160.
  • Os Sistemas de Categoria fornecem ao observador uma espécie de recetáculo ou molde que é pensado em função da natureza da situação (assuntos observados, episódios, atividades ou contextos) e um quadro teórico, de tal modo que os comportamentos observados podem então ser atribuídos a uma das categorias incluídas no sistema.
  • Os formatos de campo têm a sua origem numa técnica de registro de dados antigo (Weick, 1968), que é considerado como uma forma de instrumento de observação, e que foi devidamente otimizado de modo a definir de modo aberto, multidimensional e autorregulável, aspetos como

    O estabelecimento de critérios ou eixos do instrumento, fixados de acordo com os objetivos do estudo.
    Lista de comportamentos/situações (catálogo) para cada um dos critérios, anotadas a partir das informações fornecidas pela fase exploratória do estudo.
    Atribuição de um sistema de codificação decimal para cada um dos comportamentos / situações discutidas decorrentes de cada um dos critérios, que podem implantar qualquer um deles num sistema hierárquico de ordem inferior.
    Elaboração da lista de configurações. Registo de formatos de campo, encadeamento de códigos correspondentes ao comportamento simultâneo ou concomitante._____________

    Establecimiento de criterios o ejes del instrumento, fijados en función de los objetivos del estudio.
    Listado de conductas/situaciones (lista no cerrada, denominada catálogo) correspondientes a cada uno de los criterios, anotadas a partir de la información que proporcionó la fase exploratoria del estudio.
    Asignación de un sistema de codificación decimal a cada una de las conductas/situaciones anotadas que deriven de cada uno de los criterios, lo cual permite desplegar cualquiera de ellos en un sistema jerárquico de orden inferior.
    Elaboración de la lista de configuraciones. registro de formatos de campo, y consiste en el encadenado de códigos correspondientes a conductas simultáneas o concurrentes

    Marco teórico no imprescindible, pero recomendable
    Sistema abierto
    Multidimensional
    De código múltiple
    Autorregulable


    Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160.
  • O objetivo de combinar os dois instrumentos é de aproveitar os pontos fortes de cada (consistência de CS, e a multidimensionalidade e de autoregulação dos FC), ao mesmo tempo que compensar suas fraquezas (a unidimensionalidade de CS e sua incapacidade de funcionar em situações de mudança, bem como a coerência limitada de FC, na ausência de um quadro teórico).
    As escalas de avaliação constitui um sistema dimensional para gravação de dados, são menos utilizadas, uma vez que exigem a ordenação de um determinado atributo ou dimensão, algo que nem sempre é fácil ou mesmo possível. Está implícito um risco importante de polarização subjetiva na maioria dos casos, e, consequentemente, deve ser exercido muito cuidado .

    Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160.
  • Muitas formas diferentes de notações de dança como figura palito foram criadas, mas os dois principais sistemas utilizados na cultura ocidental são: a notação Laban e a notação Benesh, sendo que _______
  • A principal utilização da notação de dança é a documentação, análise e reconstrução coreográficas.

    Movement notation can also serve analytical evaluation beyond the purposes of documentation. The advantage over the spoken word is the visual depiction of the examined phenomenon that can better translate the movement’s visual characteristics. Furthermore, this depiction—depending on the notational language used—can allow for better recognition of patterns that can be used analytically.

    Muitas formas diferentes de notações de dança como figura patito foram criadas, mas os dois principais sistemas utilizados na cultura ocidental são: Labanotation e Benesh.

    Kannan, R., Andres, F., & Ramadoss, B. (2010). Tutoring System for Dance Learning. IEEE International Advance Computing Conference IACC’09, 9–11. Retrieved from http://arxiv.org/abs/1001.0440
  • Laban - Procede à análise do movimento através das suas mudanças
    Benesh - Procede à análise das posturas sucessivas com o princípio cinematográfico
    Cada um deles apresenta uma sensibilidade diferente. Como duas linguagens diferentes tentam responder a questões similares.
  • Labanotation é um sistema padronizado de análise e registo de qualquer movimento humano. O inventor original é Rudolf Laban (1879-1958), uma figura importante na dança moderna europeia. Ele publicou esta notação pela primeira vez em 1928 como Kinetographie. Várias pessoas continuaram o desenvolvimento da notação. Labanotation não está ligado a um estilo singular, específico de dança. A base é o movimento natural do ser humano e qualquer variação deste movimento natural do ser humano (por exemplo, pernas virada para fora) tem de ser escritos especificamente para baixo na notação

    Kannan, R., Andres, F., & Ramadoss, B. (2010). Tutoring System for Dance Learning. IEEE International Advance Computing Conference IACC’09, 9–11. Retrieved from http://arxiv.org/abs/1001.0440

  • Os métodos baseados em Laban estão intimamente ligados com corêutica,
    Espaço e movimento são indissociáveis um do outro e espelham um pressuposto de que estava muito de acordo com o seu tempo e a visão holística do mundo. Laban percebe o movimento como tendo a sua própria dinâmica, como um fenômeno que existe independente do contexto de formas de dança tradicionais. Ele propõe a analise do movimento, centrando-se nas trajetórias espaciais, colocando o foco no conteúdo geométrico do movimento, a "arquitectura viva" que cria no espaço e que pode ser descrito utilizando o modelo da kinesphere.

    Rudolf von Laban designed a dance notation system known in England as Kinetography and in the U.S. as Labanotation, where it was further developed, simultaneously with Kinetography in Europe. After World War II in the U.S., Laban’s student Irmgard Bartenieff took his notational system and ideas and merged them with the Laban-based effort / shape theory to create Laban Movement Analysis.1

    HARTEWIG, W. (2014). OBSERVATION TECHNIQUES—MOVEMENT ANALYSIS FOR CONTEMPORARY DANCE TECHNIQUES. In I. Diehl & F. Lampert (Eds.), Dance Techniques 2010 Tanzplan Germany (2nd ed., pp. 126–135). Leipzig: Henschel Verlag. Retrieved from https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CCAQFjAA&url=http://www.kulturstiftung-des-bundes.de/sites/KSB/download/Tanztechniken_2010.pdf&ei=SrspVbP3OsnvUrC-gZAB&usg=AFQjCNHNgrJJw0Vi6cssUIY8eITv4adXRA&
  • O corpo é visto por trás e simetricamente dividido no papel nas metades esquerda e direita; de baixo para cima, o sistema de linhas descreve o movimento do corpo através do espaço e do tempo. A perceção espacial do notador e do bailarino é idêntica. Apesar de os símbolos serem puramente abstratos, é, portanto, bastante fácil para alguém experiente na linguagem de notação notar rapidamente os movimentos e retraduzir.

    The body is viewed from behind and symmetrically divided on paper into a left and right half; from bottom to top, the system of lines describes the body’s movement through space and time. For the dancer and the person doing notation, the body’s left and right sides correspond to one another, their spatial perception is identical. Despite the purely abstract symbols, it is thus fairly easy for someone experienced in the notational language to quickly note the movements and to re-translate the notes into movement.

    HARTEWIG, W. (2014). OBSERVATION TECHNIQUES—MOVEMENT ANALYSIS FOR CONTEMPORARY DANCE TECHNIQUES. In I. Diehl & F. Lampert (Eds.), Dance Techniques 2010 Tanzplan Germany (2nd ed., pp. 126–135). Leipzig: Henschel Verlag. Retrieved from https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CCAQFjAA&url=http://www.kulturstiftung-des-bundes.de/sites/KSB/download/Tanztechniken_2010.pdf&ei=SrspVbP3OsnvUrC-gZAB&usg=AFQjCNHNgrJJw0Vi6cssUIY8eITv4adXRA&
  • A notação Laban tem sido amplamente aplicado em campos que lidam com a expressividade do movimento e computação porque transmite conhecimento epistemológico preciso para o estudo da função movimento e da expressão.

    Como método para observar e analisar o movimento através da prática somática incorporada permite também a auto-observação

    Faz um uso preciso da linguagem para descrever o movimento em termos de mudança no Corpo, Esforço, Espaço e Forma, assim como tem em conta o fraseamento, em que o (passar ao próximo)

    Fdili Alaoui, S., Carlson, K., Cuykendall, S., Bradley, K., Studd, K., & Schiphorst, T. (2015). How do experts observe movement? MOCO ’15: Proceedings of the 2nd International Workshop on Movement and Computing, 84–91. http://doi.org/10.1145/2790994.2791000

  • Corpo representa o que está se movendo. O Esforço ou energia representa como o corpo está em movimento. O espaço representa onde o corpo está em movimento. Forma representa a relação das mudanças de forma do corpo relativamente ao envolvimento e ao bailarino. Fraseamento é uma categoria de nível superior relacionada com o ritmo do movimento
  • A notação movimento inventado por Benesh é particularmente proeminente na dança ballet e foi projetado para escrever a posição de um dançarino no palco, a direção da dançarina, as posições dos membros, e os detalhes da cabeça, mãos e pés.
    Benesh também anota o movimento registando as trajetórias traçadas pelos membros em movimento.

    Kannan, R., Andres, F., & Ramadoss, B. (2010). Tutoring System for Dance Learning. IEEE International Advance Computing Conference IACC’09, 9–11. Retrieved from http://arxiv.org/abs/1001.0440

  • http://www.dancewrite.com/OpenBenesh/Contemporary.html
  • http://sga.fmh.ulisboa.pt/course/view.php?id=514#section-4
    https://books.google.pt/books?id=eWhwhrZzbDoC&lpg=PR9&dq=dance%20notation%20laban&lr&hl=pt-PT&pg=PR13#v=onepage&q=nikolais&f=false
  • Inventory of Movement (Inventarisierung von Bewegung—IVB), a movement analysis method developed by Claudia Jeschke in Germany

    she is now using to target individual movement char- acteristics. Her questions, working hypotheses, and the technique observed are reflected in this model in various ways: For instance, she is paying close attention to the area of energy and use of strength (i.e., regulating), the form of support, the movement flow (an aspect of mobilizing), and combines these with non-IVB observation criteria like ‘impulse for the movement’, ‘direction of view’, and the ‘use of the laws of physics’. She has also expanded the IVB criteria by including observation items about how the dancers interact with one another. During the observation, she ignores all gestures that can be traced back to the individual dancer’s personal movement vocabularies and, instead, concentrates on movement characteristics that are similar among the improvising dancers.13
    After that,
    she examines how the individual characteristics are connected and which general rules of movement can be deduced from these connections. Finally, she asks herself about the relation between motor patterns and the chosen improvisation technique.


    method of movement analysis which has recently been elaborated upon, the movement inventory procedure (MIP) by Claudia Jeschke (Jeschke, 1999). Its focus is on the motoric, mechanical process of the body in dance, and so on my basic category. It aims to collect movement aspects that can count as typical for a dance piece under investigation. This movement profile Jeschke calls motoric identity (Jeschke, 1999, p. 152). What MIP considers thus to be specific for a dance piece can safely count as syntactic, i.e. relevant for meaning, in my semantics, too. Na web em http://www.eurosa.org/volumes/6/SoldatiESA2014.pdf

    HARTEWIG, W. (2014). OBSERVATION TECHNIQUES—MOVEMENT ANALYSIS FOR CONTEMPORARY DANCE TECHNIQUES. In I. Diehl & F. Lampert (Eds.), Dance Techniques 2010 Tanzplan Germany (2nd ed., pp. 126–135). Leipzig: Henschel Verlag. Retrieved from https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CCAQFjAA&url=http://www.kulturstiftung-des-bundes.de/sites/KSB/download/Tanztechniken_2010.pdf&ei=SrspVbP3OsnvUrC-gZAB&usg=AFQjCNHNgrJJw0Vi6cssUIY8eITv4adXRA&
  • Noa Eshkol e Avraham Wachmann introduziram EWMN em 1958 em Israel. Seu objetivo era ser capaz de gravar todos os movimentos do corpo humano, (não necessariamente o movimento na dança) independentemente da expressão emocional ou estilística

    O método centra-se em aspetos mecânicos de movimentos físicos. O corpo é captado a partir de um ponto de vista anatómico, e as partes do corpo são imaginadas como linhas entre duas articulações ou ligadas a uma articulação. Movimento significa alteração das articulações: Esta pode ser registada como coordenadas localizados na superfície de uma esfera. O movimento pode, portanto, ser descrito quantitativamente e abstratamente. Em contraste com Kinetography Laban, EWMN foi especificamente desenvolvido como um instrumento de análise,
  • http://www.dancewriting.org/acrobat/ballet/DW_Quick_Reading_Ballet.pdf
  • http://www.dancewriting.org/acrobat/ballet/DW_Quick_Reading_Ballet.pdf
  • Batista, L., Tourinho, E., & Freire, I. (2010).
  • frases de movimento, acções motoras e componentes das acções motoras
  • Castañer, M., Torrents, C., Anguera, M. T., Dinusová, M., & Jonsson, G. K. (2009). Identifying and analyzing motor skill responses in body movement and dance. Behavior Research Methods, 41(3), 857–67. http://doi.org/10.3758/BRM.41.3.857
  • Castañer, M., Torrents, C., Anguera, M. T., Dinusová, M., & Jonsson, G. K. (2009). Identifying and analyzing motor skill responses in body movement and dance. Behavior Research Methods, 41(3), 857–67. http://doi.org/10.3758/BRM.41.3.857
  • Castañer, M., Torrents, C., Anguera, M. T., Dinusová, M., & Jonsson, G. K. (2009). Identifying and analyzing motor skill responses in body movement and dance. Behavior Research Methods, 41(3), 857–67. http://doi.org/10.3758/BRM.41.3.857
  • Castañer, M., Torrents, C., Anguera, M. T., Dinusová, M., & Jonsson, G. K. (2009). Identifying and analyzing motor skill responses in body movement and dance. Behavior Research Methods, 41(3), 857–67. http://doi.org/10.3758/BRM.41.3.857
  • Along with notational dance languages, filmic and digital media also provide forms of visualizing movement. The following presents a few short, exemplary descriptions of individual projects—in most cases, these are not methods for movement analysis, but tools that can be used for analysis, tools that are gaining relevance in movement research and have their own underlying concepts of movement observation. Film and video recordings work well for visualizing movements as they provide immediacy through visual and kinesthetic proximity to the subject. They are often used for documentation purposes.
    Use Techniques like Motion Capture record movement and translate it into data in such a way that it can be analyzed by computer; the material can be re-animated at any desired level of abstraction. Multimedia formats, in turn, link documents so that movement can be viewed repeatedly from different perspectives with a click of the mouse, and these various perspectives compared directly to one another on the screen—thus presenting manifold points of view.26 A series of multimedia projects in the form of CD-ROMs / DVD-ROMs or online platforms are dedicated to archiving and imparting the movement and choreographic concepts of individual artists or dance techniques. These projects also exploit media potential in order to illustrate movement–analytical thought processes. Among the most famous is William Forsythe’s Improvisation Technologies—the imaginary geometric forms upon which the dancers orient themselves when dancing are traced as white lines and forms by computer animation and then placed on top of the filmed movement sequences.27
    Forsythe’s follow–up project, the interactive online platform Synchronous Objects,
    can be understood as the documentation of a movement analysis study of a group chore- ography’s structure.28
    Using similar graphic means, it makes the ‘cues’ and ‘alignments’
    visible that interconnect dancers during a performance of Forsythe’s piece One flat thing, reproduced. This is based upon empirical data that has been gathered by questioning the participating dancers. This allowed the choreography’s operating rules, which could never be described from outside, to be determined from the inside.29 Both Improvisation Technologies and Synchronous Objects have been used in dance
    classes: With assistance from these digital tools, certain forms of movement observa- tion—especially spatial awareness and awareness of connections between dancers—can be trained in order to be used in practical (improvisation) exercises and thus be trans- ferred into physical processes.30 In contrast to these projects, Henner Drewes and Claudia Jeschke are developing soft-
    ware inside the scope of the Visualizing Dance Archives project at the University of Salzburg that will provide an instrument for movement analysis.31
    Salzburg that will provide an instrument for movement analysis.31
    The software allows
    motor and kinesthetic information from a wide variety of dance documents to be trans- lated into three–dimensional movement sequences. Unlike 3D–animation software such as DanceForms,32
    this program will specifically support movement research and analysis,
    and assist in the reconstruction of movement in particular. The vision is to create a movement archive in which, bit by bit, body positions and movement sequences can be saved, separated into dance styles, techniques, or choreographic signatures.33
    Using these building blocks, users can then choose, combine, and change details within the dance simulation they have just constructed. The instrument could also be used to recognize gaps when reconstructing dance sequences and to design transitions for these gaps through creative trial and error. An archive with this potential would not only be extremely useful for scholarly research and reconstructing historic dances, it could also be employed in contemporary training when dancers need to be aware of historic interweaving of movement materials. They could, then, through experimentation with the animated sequences, experience these in their own dancing.
    All
  • They are often used for documentation purposes.
    Use Techniques like Motion Capture record movement and translate it into data in such a way that it can be analyzed by computer; the material can be re-animated at any desired level of abstraction. Multimedia formats, in turn, link documents so that movement can be viewed repeatedly from different perspectives with a click of the mouse, and these various perspectives compared directly to one another on the screen—thus presenting manifold points of view.26 A series of multimedia projects in the form of CD-ROMs / DVD-ROMs or online platforms are dedicated to archiving and imparting the movement and choreographic concepts of individual artists or dance techniques. These projects also exploit media potential in order to illustrate movement–analytical thought processes. Among the most famous is William Forsythe’s Improvisation Technologies—the imaginary geometric forms upon which the dancers orient themselves when dancing are traced as white lines and forms by computer animation and then placed on top of the filmed movement sequences.
    Forsythe’s follow–up project, the interactive online platform Synchronous Objects, can be understood as the documentation of a movement analysis study of a group choreography’s structure.

    In contrast to these projects, Henner Drewes and Claudia Jeschke are developing software inside the scope of the Visualizing Dance Archives project at the University of Salzburg that will provide an instrument for movement analysis.31
    The software allows motor and kinesthetic information from a wide variety of dance documents to be translated into three–dimensional movement sequences. Unlike 3D–animation software such as DanceForms, this program will specifically support movement research and analysis,
    and assist in the reconstruction of movement in particular. The vision is to create a movement archive in which, bit by bit, body positions and movement sequences can be saved, separated into dance styles, techniques, or choreographic signatures.

  • Sistemas de Observação de Habilidades Motoras. Observational system of Motor Skills (OSMOS) (Castañer, Torrents, Dinušová, Anguera, 2008).
  • Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos

    1. 1. Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos maria joão alves FMH
    2. 2. Métodos de observação, codificação e registo de elementos coreográficos  Resumo Notação coreográfica. Um sistema codificado de registo de coreografias. Sistemas de análise qualitativa do movimento. Laban Movement Analysis (LMA) (Laban, 1950). Eshkol– Wachmann Movement Notation (EWMN). Benesh Movement Notation. Sistemas de Observação de Habilidades Motoras. Observational System of Motor Skills (OSMOS).
    3. 3. Metodologia observacional estudo do comportamento e/ou contextos estudo de informações diretamente percetíveis
    4. 4. Métodos de Análise do movimento Processos analíticos •discussões dentro de um contexto mais amplo do que exploração prática feita enquanto dançamos •perceção pura ou correção de movimento •análise de movimento para efeitos de imitação/reprodução Reflexão sobre o movimento a partir de uma perspetiva externa Abordagem sistemática intrinsecamente orientada para extrair perceções específicas Hartewig(2014)
    5. 5. instrumentos básicos da metodologia de observação sistemas de categorias formatos de campo combinação dos dois escalas de avaliação Anguera(2013)
    6. 6. Sistemas de categorias Natureza da situação •assuntos observados •episódios •atividades •contextos Quadro teórico Atribuição das categorias
    7. 7. Formatos de campo 1. Critérios ou eixos do instrumento 2. Lista de comportamento s / situações 3. Sistema de codificação decimal 4. Lista de configurações (encadeamento de códigos)
    8. 8. instrumentos básicos da metodologia de observação Combinação sistemas de categorias e formatos de campo escalas de avaliação
    9. 9. Forma simbólica de representar os movimentos dos bailarinos usando vários símbolos gráficos Notação
    10. 10. Notação notação de dança documentação análise reconstrução
    11. 11. Métodos de Análise do movimento LabanMovementAnalisys BeneshMovementNotation
    12. 12. Laban Movement Analysis (LMA) Laban, 1928 Kinetographie Análise e registo Movimento natural
    13. 13. Laban Movement Analysis
    14. 14. Laban Movement Analysis Categorias principais, Corpo, Energia, Forma e Espaço.
    15. 15. Laban Movement Analysis Categorias principais, Corpo, Energia, Forma e Espaço.
    16. 16. Laban Movement Analysis Exemplo de registo
    17. 17. Laban Movement Analysis (LMA) Aplicação ampla •expressividade do movimento •computação Prática somática incorporada •auto-observação Precisão do uso da linguagem •Descrição do movimento •Corpo •Energia •Espaço •Forma •Fraseamento
    18. 18. Laban Movement Analysis (LMA) Corpo • o quê Energia • como Espaço • onde Forma • relação Fraseamen to • ritmo
    19. 19. Labanotator
    20. 20. Benesh Movement Notation Benesh Análise e registo Ballet
    21. 21. Benesh Movement Notation
    22. 22. Benesh Movement Notation
    23. 23. Benesh Movement Notation
    24. 24. Benesh Movement Notation
    25. 25. Benesh Movement Notation
    26. 26. Benesh Movement Notation
    27. 27. Benesh Movement Notation
    28. 28. Sistemas de Notação de movimento Jeschke Eshkol–Wachmann Laban Benesh Sutton Conté Loring Morris Nikolais
    29. 29. Métodos de Análise do movimento Jeschke Inventoryof Movement Eshkol– Wachmann Movement Notation LabanMovement Analisys Benesh Movement Notation Sutton Dancewrite
    30. 30. Eshkol– Wachmann Movement Notation (EWMN) Noa Eshkol e Avraham Wachmann Análise e registo Movimento humano
    31. 31. Eshkol– Wachmann Movement Notation (EWMN)
    32. 32. Eshkol–Wachmann Movement Notation (EWMN)
    33. 33. EW Notator
    34. 34. Dancewrite,deValerie Sutton
    35. 35. Método de Dancewrite, de Valerie Sutton
    36. 36. Batista, Tourinho & Freire (2010). Método de Dancewrite (mão livre), de Valerie Sutton
    37. 37. Sistemas de Observação de Habilidades Motoras Sistema de observação do comportamento motor em dança (SOCMD) (Rodrigues, 1999) • Observação das ações motoras • Registo de papel e lápis • Análise de frases de movimento, ações motoras e componentes das ações motoras Observational System of Motor Skills (OSMOS) • Combina o formato de campo com um sistema de categorias de movimento • Registo digital (Match Vision Studio) • Análise em contexto natural
    38. 38. Observational System of Motor Skills (OSMOS) Castañeretal.(2008)
    39. 39. Observational System of Motor Skills (OSMOS)
    40. 40. Match Vision Studio
    41. 41. Observational System of Motor Skills (OSMOS)
    42. 42. Formasdevisualizar movimento Linguagens notacionais em dança Media fílmicos Media digitais
    43. 43. Instrumentos para análise de movimento Captura de Movimento (filme, vídeo, Motion Capture Systems) Projetos multimedia - CD-ROMs / DVD-ROMs ou plataformas online (ex: William Forsythe’s Improvisation Technologies) Softwares de dança (ex: danceforms, MovEngine - visualizing dance archives) Investigação biomecânica (ex:Motion Capture, electromyography, dynamography e dynamometry)
    44. 44. Referências bibliográficas Anguera, M. T. (2013). Observational methodology in sport sciences, 9(3), 135–160. Batista, L., Tourinho, E., & Freire, I. (2010). Notação coreografica : aplicação do sistema dancewrite – shorthand de valerie sutton na notação da dança do ventre. In 1o Encontro de Pós-Graduação em Educação - Semana Educa “Políticas Educacionais e Formação Docente na/para Diversidade” (pp. 1–12). Castañer, M., Torrents, C., Anguera, M. T., Dinusová, M., & Jonsson, G. K. (2009). Identifying and analyzing motor skill responses in body movement and dance. Behavior Research Methods, 41(3), 857–67. http://doi.org/10.3758/BRM.41.3.857 Fdili Alaoui, S., Carlson, K., Cuykendall, S., Bradley, K., Studd, K., & Schiphorst, T. (2015). How do experts observe movement? MOCO ’15: Proceedings of the 2nd International Workshop on Movement and Computing, 84–91. http://doi.org/10.1145/2790994.2791000 Hartewig, W. (2014). Observation techniques—movement analysis for contemporary dance techniques. In I. Diehl & F. Lampert (Eds.), Dance Techniques 2010 Tanzplan Germany (2nd ed., pp. 126–135). Leipzig: Henschel Verlag. Retrieved from https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved= 0CCAQFjAA&url=http://www.kulturstiftung-des- bundes.de/sites/KSB/download/Tanztechniken_2010.pdf&ei=SrspVbP3OsnvUrC- gZAB&usg=AFQjCNHNgrJJw0Vi6cssUIY8eITv4adXRA& Kannan, R., Andres, F., & Ramadoss, B. (2010). Tutoring System for Dance Learning. IEEE International Advance Computing Conference IACC’09, 9–11. Retrieved from http://arxiv.org/abs/1001.0440

    ×