As dinâmicas da dança em espaços abertos

6.723 visualizações

Publicada em

Comunicação apresentada no III Congresso de Educação Artística, 11-12 de Setembro 2012, Funchal, Madeira

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.723
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • A dança é a arte que tem mais características para jogar com o espaço, constantemente inventando novas arquiteturas, no palco, e não só , mas também através do corpo e direção do olhar / foco.Os Coreógrafos têm investido na apresentação de performances de dança em espaços públicos (praças, jardins, o património ...) ou, por contraposição, na exploração da esfera íntima do intérprete (apartamentos, salas para um único espectador ...) para renovar constantemente a experiência do espectador.Podemos, então, perguntar-nos se Esta mudança induz um processo diferente de criação artística? E, na educação formal, Como se processa a aprendizagem das pessoas através do ato de improvisar e compor?Fournier, em 2004, defende que a relação entre coreógrafos e bailarinos representa um modelo de aprendizagem através do trabalho criativoe fornece-nos muitas informações sobre os aspetos percetivos do pensamento e sobre a resolução de problemas em dança. Esta autora explica que este sistema criativo tenta articular e encontrar uma intenção estética usando um vocabulário metafórico, em que a reciprocidade (criativa) entre coreógrafo e bailarinos é uma componente essencial do processo de composição.Dance is the art that have more characteristics to play with space, constantly inventing new architectures not only in stage but also throughthe body and gaze/look. Choreographers and investing public spaces (squares, gardens, heritage...) or explore the intimate sphere (apartments, room for one viewer ...)to constantly renew the viewer's experience. Thus, we ask if This shift induces a different process ofartistic creation?And, in formal educationHow do peoplelearnthroughtheactofcomposingTo the audience is asked to participate sharing an experience and interacting with the space The relationship with the public Is now the heart of creationArtistic? is it looking for another way of relating to the public which is at the source of artistic inspiration? The link with viewer it becomes the challenge of today’s dance? put the viewer in action is it the challenge of dancing today?
  • As dinâmicas da dança em espaços abertos

    1. 1. As dinâmicas da dança em espaços abertos maria joão alves | FMH.UTL
    2. 2. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Espaços público vs. Esfera íntima A renovação da visão da audiência 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    3. 3. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Site-specific dance “Site-specific dance, which is often defined as dance that occurs outside of the conventional theater space, challenges choreographers to look at, listen to, feel, and think about the space in which the dance is performed. (MacBean, 2004, p.97) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    4. 4. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Público Performer Coreógrafo 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    5. 5. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Espectro didático-democrático (Butterworth, 2004) 1. Coreógrafo como perito - dançarino como instrumento 2. Coreógrafo como autor - dançarino como intérprete 3. Coreógrafo como piloto - dançarino como contribuinte 4. Coreógrafo como facilitador - dançarino como criador 5. Coreógrafo como colaborador - dançarino como coproprietário 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    6. 6. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Cadopi (1992) Tipos de tarefas de dança REPRODUÇÃO MODELAÇÃO IMPROVISAÇÃO Cadopi (1992) COMPOSIÇÃO 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    7. 7. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Improvisação em dança “Improvisation is used as a tool in almost any dance form existing today, from (neoclassic) ballet to hybrid forms of modern and postmodern dance, contact improvisation, dance theatre and physical theatre to concept dance.” (Spain, 2003, p.25) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    8. 8. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Perspetiva pessoal do improvisador sobre a organização da performance « L’improvisateur doit opérer un codage sensoriel et perceptuel en temps réel, procéder à une allocation parfaite de l’attention, interpréter les événements, prendre des décisions, faire des prédictions (des actions des autres), stocker en mémoire et rappeler, corriger des erreurs, contrôler ses mouvements et intégrer de manière optimale et ‘sans couture » tous ces éléments dans un ensemble d’états qui reflètent à la fois la perspective personnelle de l’improvisateur sur l’organisation de la performance et une capacité à atteindre le public » (Valet, 2001, p. 248) In Cadopi (2001) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    9. 9. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Características de ação na improvisação Criatividade Intuição surge quando as envolve um grau de "escolhas" são feitas novidade ou desvio da sem o recurso a uma prática padrão análise formal (Sawyer, 2000) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    10. 10. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Comportamento decisional Comportamento decisional Araújo (2009) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    11. 11. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Variação na composição Exploração de movimento Jogos de movimento Imaginação guiada Técnicas de improvisação Discussão focada Inspiração literária 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    12. 12. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos (Mason & Dalman, 2009) Coreografia Colaborativa 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    13. 13. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Variação Seleção (Mason & Dalman, 2009) Complexidade Organização Memorização 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    14. 14. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Aprendizagem colaborativa 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    15. 15. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Improvisação Apresenta condições especiais de Baseia-se no desempenho conhecido Funciona com uma estrutura Espontaneidade 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    16. 16. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Improvisação como prática de atenção (Spain, 2003) 12-IX-2012 11-09-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    17. 17. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Graus de improvisação (Lampert in Jurgens, 2011) Improvisação Improvisação Imitação Interpretação Conectividade não estruturada estruturada 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    18. 18. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Criatividade Vs. Elementos da improvisação 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    19. 19. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos O Produto criativo Investigação no campo da O Envolvimento criativo A Pessoa Criatividade criativa O Processo criativo 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    20. 20. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos “Because many creativity concepts can be found within the structure of improvisation, looking at the similarities between these two phenomena has much to teach us about the tools we can use to encourage creative thinking and innovative problem solving in everyday settings.” (Lemons, 2005, p.25) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    21. 21. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos COMUNICAÇÃO ELEMENTOS DE IMPROVISAÇÃO TRABALHO EM ALEGRIA EQUIPE Lemons (2005) AUTOREALIZAÇÃO RISCO/ DESAFIO EXPRESSÃO EMOCIONAL SEGURANÇA HONESTA 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    22. 22. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Objectivos-base PARA desenvolver a capacidade de improvisar 1. Gerar movimento espontaneamente 2. Concentrar-se 3. Estar fisicamente alerta/disponível 4. Assumir a responsabilidade nas decisões de movimento 5. Relacionar-se com os outros em movimento 6. Observar o movimento dos outros Lord (2001) 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    23. 23. III Congresso Regional de Educação Artística As dinâmicas da dança em espaços abertos Aceitar todas as contribuições Ouvir Tolerar o erro Alternar de funções Incentivar o conforto com ambiguidades e questões não resolvidas Exercícios práticos de improvisação 12-IX-2012 maria joão alves | FMH.UTL
    24. 24. As dinâmicas da dança em espaços abertos maria joão alves | FMH.UTL

    ×