Da idade média à idade moderna

1.058 visualizações

Publicada em

Slides da Idade Média. Prof: Laiana

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.058
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Da idade média à idade moderna

  1. 1. Transições e Permanências
  2. 2. * Alta Idade Média – Séc V ao X * Baixa Idade Média – Séc XI ao XV * FEUDO = grande propriedade rural - agricultura de subsistência; - comércio reduzido ou inexistente; - ausência ou baixa utilização de moeda; - 3 divisões= manso senhorial, manso servil e manso comunal (bosques e florestas)  * senhores feudais = nobres ou membros do alto clero, proprietários dos feudos;  Modo de produção feudal
  3. 3.  Clero, nobreza, servos e vilões (livres)  Sociedade Estamental (sem mobilidade social)  Os que rezam, os que batalham e os que trabalham.
  4. 4.  - Corvéia = Trabalho obrigatório no manso senhorial.  - Talha = Parte da produção obtida no manso servil.  - Banalidades = Imposto pago em produtos pela utilização de equipamentos do senhor (forno, moinho, celeiro)  - Mão-morta = Imposto cobrado sobre a herança.  - Capitação = Imposto pago de acordo com os membros da família.  - Tostão de Pedro= Dízimo para a Igreja.
  5. 5.  O Senhor que doava se tornava suserano de quem recebia a doação, prometendo proteger militarmente o seu vassalo.  O Senhor que recebia a doação se tornava vassalo de quem fez a doação, obrigando-se a prestar serviço militar. • Um suserano podia ter diversos vassalos • Um Senhor Feudal podia ser, ao mesmo tempo, Suserano e Vassalo. • *Rei = Suserano dos Suseranos. (Em alguns casos também foi vassalo.)
  6. 6.  As Igrejas eram os únicos centros de cultura letrada da sociedade medieval • Baixo clero e o alto clero (nobreza)  Clero secular e clero regular  1054 = O Cisma do Oriente. (Império Bizantino) Separação da Igreja Católica (Apostólica Romana e Cristã Ortodoxa)  - cesaropapismo ( subordinação da Igreja a um chefe secular) do Oriente  - Apoio do Papa ao Sacro Império Romano-Germânico  - dogmas (filioque = “em nome do filho...”)
  7. 7.  Aumento populacional  Ausência de aumento da produtividade (limitações técnicas e falta de estímulo)  * Arado de ferro e moinho hidráulico = tecnologias disponíveis  Excedente populacional “expulso” dos feudos (servos e nobres vítimas do direito da primogenitura)  Busca de novas terras e riquezas aliada à expansão mulçumana = CRUZADAS
  8. 8.  Expedições militares e religiosas para reconquistar regiões sob domínio mulçumano.  A base dos exércitos era formada por “excluídos” da estrutura feudal  Havia também o interesse econômico, com a busca de produtos orientais e a abertura de novas rotas  O movimento das Cruzadas alimentou as rotas comerciais e estimulou o fortalecimento dos burgos
  9. 9.  Séc XII = Hansas (associações de mercadores)  Liga Hanseática = Reunião de diversos mercadores do norte da atual Alemanha  Grandes Feiras, sobretudo na região central da atual França, proporcionavam o encontro de comerciantes do norte e do sul (principalmente italianos)]  A insegurança das rotas terrestres (Guerra dos Cem Anos) estimulou as rotas marítimas
  10. 10.  Utilização de uma moeda padronizada  Desenvolvimento das atividades bancárias  A terra deixa de ser a única fonte de riqueza  Novo grupo social = burgueses  Os primeiros burgos ainda estavam submetidos ao Senhor Feudal  Busca por Cartas de Franquia (autonomia dos burgos) = direito de organização de tropas e independência política e administrativa. Atuação do Rei.
  11. 11.  GUILDAS = corporações de mercadores  CORPORAÇÕES DE OFÍCIO = trabalhadores  = Busca de monopólio das suas atividades  - mestre-artesãos;  - oficiais;  - aprendizes.
  12. 12.  Delimitação de fronteiras  Moeda Única  Unificação dos impostos  Formação de um exército permanente e nacional  Concentração de poderes nas mãos dos reis (Absolutismo Monárquico)  Manutenção dos privilégios da nobreza  Formação de um corpo burocrático  Unificação de pesos e medidas  Imposição da justiça real
  13. 13.  Enfraquecimento do poder regional do Senhor Feudal:  terras abandonadas  revoltas camponesas  perda de exércitos nas cruzadas  necessidade da nobreza em negociar com os reis a defesa de suas terras.  Os interesses da burguesia:  a unificação territorial significava a unificação da moeda, dos pesos e medidas e das leis.  Impostos pagos pelos mercadores inviabilizavam os negócios da “burguesia”.  O rei fortalecia-se pela dependência da nobreza e pelo apoio financeiro da burguesia.
  14. 14.  Era preciso centralizar poderes – Interessados em mudanças, os comerciantes e banqueiros financiam o rei. Utilizando leis e fórmulas do direito romano, juristas ajudam a justificar o poder real.  A decadência do modelo feudal era irreversível.  O emprego da infantaria permanente e do uso das armas de fogo jogam por terra o uso da cavalaria.  A ICAR oferece resistência à centralização – Medo da perda de poder e de terras
  15. 15.  Aos poucos o rei expande territórios e delimita fronteiras – formação de nações (língua, idioma e cultura).  Do ponto de vista ideológico a centralização só foi possível porque a sociedade, inclusive a Igreja, acabara por aceitar a legitimidade real.  O rei é soberano “pela graça de Deus” e, portanto, passou a exercer o “uso legítimo da força, da justiça e da arrecadação de impostos”.  Os tribunais desapareceram, a Igreja passou a julgar somente os casos relativos à fé e o rei passou a ter o controle da justiça.  Para manter a organização burocrática do Estado foi preciso monopolizar a cobrança de impostos, até então descentralizada nos feudos.
  16. 16.  Nação – contrato político. Seus integrantes não se identificam uns com os outros apenas por solidariedades de ordem étnica, linguística ou religiosa, mas se sentem parte da mesma nação porque compartilham um contrato histórico, estabelecido durante séculos.  Estado – não é definido com precisão por nenhum padrão ou norma. De forma abrangente, podemos denominar o Estado como um organismo político- administrativo que exerce um poder soberano sobre um determinado território, mediante a aplicação de leis e o funcionamento de aparatos judiciais e policiais encarregados de assegurar a obediência ao poder constituído.
  17. 17.  Principal obra : O príncipe (publicado pela primeira vez em 1532)  Defende a necessidade do príncipe de basear suas forças em exércitos próprios  A suprema obrigação do REI é o poder e a segurança do país que governa, ainda que para isso ele tenha que derramar sangue. (Os fins justificam os meios).  Todas as pessoas são movidas exclusivamente por interesses egoístas e ambições de poder pessoal.  A natureza é corruptível. Por isso, o ser humano é capaz de corromper sempre que os desejos se sobrepõem.  O rei deve ser temido antes de ser amado. Nicolau Maquiavel 1469-1527
  18. 18. Thomas Hobbes (1588-1679)  Principal obra: O Leviatã  Para Hobbes a natureza humana é má  Os homens são competitivos e egoístas, em um Estado Natural entram em competição, caminhando para o caos.  O homem é o lobo do homem
  19. 19.  A justificação de Hobbes para o poder absoluto é estritamente racional e friamente utilitária, completamente livre de qualquer tipo de religiosidade e sentimentalismo, negando implicitamente a origem divina do poder  O que Hobbes admite é a existência do pacto social (contratualismo)  O contrato seria implícito, sendo que o rei conduziria a sociedade com amplos poderes por ser o responsável por manter o Estado em progresso e a sociedade organizada.
  20. 20. Jean Bodin (1530-1596) Jacques Bossuet (1627-1704)  Pertenciam a corte de Luís XIV ( o Rei- Sol)  Teoria Divina dos Reis- “ Os reis são enviados de Deus na Terra, para cuidar de assuntos terrestres. Ir contra o rei é cometer um sacrilégio.  “Um Rei, uma lei, uma fé.”
  21. 21. A Reconquista Ibérica  Após a invasão árabe (séc. VII), forma-se a resistência cristã nas Astúrias: Cristãos X Mulçumanos – Luta de Reconquista.  Á medida que a luta avançava, reinos iam surgindo, inclusive Leão, Aragão e Castela.  No fim do século XI, Afonso VI, de Leão e Castela, impôs sucessivas derrotas aos mulçumanos.  Em suas lutas contou com o apoio de Henrique de Borgonha, senhor feudal vassalo do rei de França.  Para compensar Henrique, Afonso ofereceu-lhe o condato portucalense como recompensa de guerra.
  22. 22. A Reconquista Ibérica  Em 1212, os mulçumanos foram derrotados e ficaram restritos à região de Granada, sul da península.  Em 1469, Fernando, rei de Aragão e Isabel, futura rainha de Castela, casam-se e unificam os reinados, tornando-se a base da Espanha.  Fernando e Isabel, “Reis Católicos”, venceram a resistência dos senhores feudais e limitaram a autonomia das cidades.  Em 1480, com o artifício da Inquisição, uniram-se contra qualquer resistência.  Em 1492, a unificação espanhola consolidou-se com a Reconquista de Granada.  Católicos, os reis acabaram impondo aos judeus a conversão ao catolicismo.
  23. 23. Portugal  Em 1139, Afonso Henriques, filho de Henrique de Borgonha, rompeu a ligação do condato portucalense à Leão e Castela e se proclamou rei de Portugal.  Afonso I (1139-1383) iniciou a dinastia de Borgonha.  Ao lado da monarquia, estabeleceram-se as Cortes Gerais, órgão constituído da nobreza e pelo clero.  Em 1383, com a morte de Fernando, sua filha, casada com o rei de Castela, assumiria o trono.  Diante da possibilidade de união dos dois reinos, a “burguesia”, a população e uma parte da nobreza se rebelaram e aclamaram um novo rei – Dom João I (Mestre de Avis).  A Revolução de Avis (1383-1385) consolidou a monarquia centralizada fortaleceu a burguesia mercantil – a velha nobreza saiu enfraquecida.
  24. 24. O Estado Francês  Dinastia dos Capetos (Séc. XIII): Luta contra a Inglaterra:  - substituição das obrigações feudais por tributos pagos à coroa;  - restrição da autoridade plena do papa sobre padres franceses;  - criação progressiva de um exército nacional subordinado ao rei.  - Entre 1309 e 1377, Felipe – o Belo, transfere a sede do papado para Avignon e submete o papa a seu poder. = Cativeiro de Avignon/Cisma do Ocidente(2 papas)  - Criação da Assembléia dos Estados Gerais. (1302)
  25. 25. A guerra dos cem anos  A Guerra dos Cem anos (1337 – 1453) foi decisiva para o fortalecimento da monarquia – No curso do conflito, os reis franceses promoveram reformas militares e financeiras (exército permanente e imposto fixo para mantê-lo) – Joana D’Arc (1412-1431) – figura importante no cenário da guerra (nacionalismo).  Dinastia dos Valois: criação de órgãos administrativos que assessoravam o rei.  Em fins do século XV, a França havia se tornado um Estado – No início do século XVI, sob o reinado de Francisco I (1515-1547), a França tornou-se absolutista.  Processo atinge o ponto máximo com a Dinastia dos Bourbons – Luiz XIV (Rei Sol): L’Etat c’est moi
  26. 26. Inglaterra – Monarquia e Parlamento  - Séc. XII = Justiça real e common law.  - 1189-1199 = Ricardo Coração de Leão (guerra com a França e Cruzadas)  - 1199-1216 = João sem Terra = alta cobrança de impostos e tentativa de taxar os bens da Igreja  Relação entre rei e nobreza era conflituosa – Em 1215, após medidas autoritárias de João Sem Terra, a nobreza se reuniu e aprovou um documento que limitava o poder do soberano (O Grande Conselho – representantes do Clero e da Nobreza).  A “Magna Carta” era o gérmen do constitucionalismo inglês.  Em 1258, o Grande Conselho passou a ser conhecido como Parlamento – Décadas depois, Eduardo I (1272- 1307) promoveu ingresso dos representantes da “burguesia” e da baixa nobreza na instituição.  A partir de 1332, “Os Comuns” passaram a se reunir separadamente dos “Lordes”.
  27. 27.  No século XV, a disputa de poder entre os York e os Lancaster sacode a Inglaterra – Guerra das Duas Rosas (1455-1485).  Aproveitando o enfraquecimento da nobreza e das famílias beligerantes, uma terceira família toma o poder, Os Tudor.  Henrique VIII (1509-1547), deu o maior passo para a centralização. Em 1534, aproveitando-se da Reforma Protestante, Henrique VIII rompeu com o papa e confiscou as terras da Igreja Católica fundando a Igreja Anglicana.
  28. 28. O Sacro Império Romano-Germânico séc. X -XIX  - Otão I = Aliado do Papa, nomeado imperador em 962  - Séc. XI (1073-1085) = disputas entre o imperador e o papa:  - O papa criticava a venda de cargos (simonia) e rejeitava a nomeação de bispos (investiduras) realizadas pelo imperador.  - Concordata de Worms (1122) = limites ao poder imperial.  - Querela das Investiduras = conflito entre o imperador e o papa.  -Fortalecimento da nobreza local.

×