Poesia visual

4.869 visualizações

Publicada em

Poesia Visual, definição, vários poemas

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.869
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
835
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Poesia visual

  1. 1. Poesia Visual
  2. 2.  "O Poema Visual utiliza, com rara felicidade, a combinação dos signos verbais com a expressividade da linguagem icónica. Assim, os dois códigos, o digital e o icónico, combinam-se na perfeição para traduzir imagens poéticas e juízos críticos".  Fábio Lucas, escritor e crítico literário.  Permite ao leitor visualizar ideias a partir da disposição gráfica de palavras e/ou letras.
  3. 3.  Até prova em contrário, este seria O PRIMEIRO POEMA VISUAL conhecido: O OVO, do grego Simias de Rodes, três séculos antes de Cristo.
  4. 4.  COMUNICAÇÃO SEM FRONTEIRAS É O QUE BUSCAM TODOS OS POETAS VISUAIS. ACREDITA-SE QUE OS POEMAS DEVEM SER LIDOS, VISTOS SEM BARREIRAS. TANTO CRIANÇAS, JOVENS E ADULTOS; CIDADÃO COMUM, INTELECTUAIS OU ANALFABETOS PODEM LER/VER AS IMAGENS E INTERPRETÁ-LAS DENTRO DAS SUAS EXPERIÊNCIAS EVIVÊNCIA.
  5. 5.  A PRIMEIRA LEITURA QUE FAZEMOS DO MUNDO, PARA O QUAL CHEGAMOS, É A DO UNIVERSO DAS IMAGENS.  VER É UM PROCESSO NATURAL, LER É UMAAPRENDIZAGEM FORMAL.
  6. 6. Liberdade, Fernando Pessoa
  7. 7.  António Miranda, 1960
  8. 8. Salete Tavares, Aranhiço Mário Castrim, S
  9. 9. E. M. Melo e Castro, Ideograma Augusto dos Campos, Roseira
  10. 10. Ilustração do poema por
  11. 11.  Era um homem bem vestido Foi beber no botequim Bebeu muito, bebeu tanto Que saiu de lá assim. As casas passavam em volta Numa procissão sem fim As coisas todas rodando  O moço entra apressado Para ver a namorada E é da seguinte forma escada. a sobe ele Que Mas lá em cima está o pai Da pequena que ele adora E por isso pela escada ele embora. Poeminhas Cinéticos, de Millôr Fernandes
  12. 12. Fernando Pessoa, Liberdade

×