Despedidas em Belém quest

7.718 visualizações

Publicada em

Os Lusíadas, canto IV, Despedidas em Belém, questionário Plural 9, Raiz Editora.

Publicada em: Educação
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.718
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.621
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
150
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Despedidas em Belém quest

  1. 1. Plural 9, Raiz Ed., p. 213 Canto IV Partida de Belém. Velho do Restelo / Óleo de Columbano, 1904, Museu Militar de Lisboa
  2. 2.  1. Este episódio só surge no final do Canto IV porque, segundo as normas da epopeia clássica, a Narração devia começar in media res, ou seja, quando a ação já se encontrava numa fase adiantada. Os momentos iniciais da ação deveriam surgir posteriormente, contados em retrospetiva.  2. O narrador deste episódio é Vasco da Gama. Assume a posição de narrador participante, como se pode ver, por exemplo, nesta transcrição: “… a gente marítima e a de Marte/Estão para seguir-me a toda a parte.”
  3. 3.  3. “Certifico-te, ó Rei…” (est. 87)  O ouvinte e destinatário deste episódio é o rei de Melinde.  4. As naus partiram de Lisboa, mais precisamente da zona onde o rio Tejo desagua no oceano. Integravam a expedição marinheiros e soldados (“gente marítima e de Marte”).
  4. 4.  5. “Despois de aparelhados desta sorte /De quanto tal viagem pede e manda, /Aparelhámos a alma pera a morte”.  5.1. Os dois primeiros versos referem-se aos preparativos das naus e respetivos tripulantes para o momento da partida.  5.2. Fizeram os preparativos “da alma pera a morte” numa igreja próxima do local de embarque, rezando e implorando a Deus que os guiasse e protegesse.
  5. 5.  6. Personagens  6.1. Os que partem, por um lado, sentem insegurança e medo perante aquilo que vão enfrentar e dor por deixarem os seus familiares, mas, por outro lado, sentem entusiasmo e excitação por partirem para uma ousada aventura.
  6. 6.  6.2. Os que ficam sentem descontentamento, medo e até desespero. Mães e esposas, convencidas de que poderão estar a despedir-se para sempre dos seus entes queridos, questionam-nos, expõem as suas dúvidas. Valerá a pena tantos riscos, tanta dor’ valerá a pena deixar a família ao desamparo por uma aventura?  6.3. Os dois grupos sentem o medo e a dor da separação.
  7. 7.  7. Os sentimentos e emoções revelados ao longo deste episódio não retiram grandeza épica à ação e ao herói, pelo contrário. O medo do desconhecido, a dor de deixar as suas famílias e a sua terra, provavelmente para sempre, foi o primeiro grande obstáculo que os navegantes tiveram de superar.. A grandeza épica está em ter consciência do perigo, do sofrimento, do medo e enfrentá-los.
  8. 8.  8. est. 92 “Os montes de mais perto respondiam,/ Quase movidos de alta piedade;”  A personificação usada nesta estrofe mostra que o sofrimento era tal que nem a Natureza conseguia ficar indiferente.  9. Metáfora  As mulheres choram embrulhadas em xailes de dor.  Os homens partiram em caravelas feitas de sonho.
  9. 9.  1. Palavras que sugerem dor, saudade est. 84 85 Nome Adjetivo Verbo lágrimas piadosa magoarmos piedade aparta, fica magoa Palavras que sugerem entusiasmo, festa est. 84 85 Nome Adjetivo Verbo desejo, areia(branca) branca (areia) (não) refreia despejo, cores, doce (Tejo) ondeiam estandarte, estrelas juvenil, fortes (naus) prometem
  10. 10.  2. “Ó filho” (est. 90) “Ó doce e amado esposo” (est.91) 2.1. Nas respetivas frases, estas palavras ou expressões desempenham a função sintática de Vocativo. 2.2. A conjunção “porque” aparece repetida para questionar os maridos ou filhos da razão que os leva a partir. Obrigá-los a pensar sobre o que se preparam para fazer e se vale a pena tanto sofrimento.

×