Auto da Índia parte 1

2.199 visualizações

Publicada em

texto dramático; Auto da Índia; Gil Vicente; partida do marido

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.199
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
329
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Introduzir História da Língua, ppt.
  • Auto da Índia parte 1

    1. 1. Plural 9, Raiz Ed., p. 143-144 1ª parte
    2. 2.  1. Argumento: a didascália inicial apenas revela que se trata de uma mulher cujo marido estava de partida para a Índia, quando vieram dizer-lhe que ele já não partiria, tendo ela reagido chorando. Com ela contracena a criada.  A primeira representação aconteceu em 1509, em Almada, perante a rainha D. Leonor.  As personagens intervenientes são cinco: Ama, Moça, Castelhano, Lemos, Marido.
    3. 3.  2. Nesta primeira parte do auto intervêm a Ama e a Moça.  3. A peça começa com a interjeição “Jesu! Jesu!”. A Moça espanta-se por ver a Ama a chorar. O facto de se espantar revela que sabe o que a Ama quer: que o marido parta.
    4. 4.  4.1. “Por minha alma, que cuidei/ E que sempre imaginei/ Que choráveis por nosso amo”  A criada está a fingir, porque, evidentemente, ela não imaginava a patroa a chorar pelo marido e, por isso mesmo, se espanta.  4.2. Profere estas palavras com ironia.
    5. 5.  5. As duas primeiras falas da Moça provocam na patroa irritação.  5.1. A Ama chora porque receia que o marido já não parta, como lhe disseram.  5.2. “Arreceo al de menos.” [Agasta-se-me o coração, /que quero sair de mim.]  Esta gradação sublinha e intensifica o seu receio de que o marido não parta.
    6. 6.  6. A Moça sai de cena e vai ver se a armada parte ou fica.  7. Monólogo da Ama – da linha 38 à linha 47.  7.1. A Ama roga a Santo António que não lhe traga o marido e confessa que é impossível não estar cansada dele. Pede a Deus que realize o seu sonho de ficar sem marido.
    7. 7.  8. “Dai-me alvíssaras, Senhora.” (l. 49)  8.1. A criada pede recompensa porque traz a boa notícia da partida da armada que leva o marido da patroa.  8.2. Quer alguma coisa que ele traga da viagem. Ao fim e ao cabo, a Moça também quer tirar algum proveito da viagem à Índia.
    8. 8.  9. “Agora há de tornar cá? / Que chegada e que prazer!” (ll. 55-56)  9.1. Estas palavras da Ama revelam que ela não apenas desejava que o marido partisse, como também não quer que ele regresse.  9.2. O recurso expressivo presente no segundo verso é a ironia.
    9. 9.  10. “Virtuosa está minha ama! / Do triste dele hei dó” (ll. 57-58)  A Moça não pretende que a patroa ouça estas palavras. Esta fala é um aparte.  11. Sabemos que a Ama não era fiel ao marido, mesmo antes de ele partir para a Índia porque é ela própria que afirma “se vai ele a pescar /Mea légua polo mar?/ Isto bem o sabes tu”, deixando implícita a sua habitual infidelidade nas ausências do marido mesmo para perto.
    10. 10.  12. A função desta primeira parte do Auto da Índia corresponde à exposição, o momento dramático inicial que introduz a ação, apresentando a situação – o marido está de partida para a Índia e a mulher não deseja outra coisa nem tem a intenção de lhe ser fiel – e apresenta a protagonista, revelando em traços muito gerais o seu caráter – a Ama é uma mulher jovem que quer gozar a vida e fá- lo sem escrúpulos.
    11. 11.  1. Arcaísmos - mal estreada, demo, gamo, anojada, desconcerto, leda, eramá, nécia.  2.1. Ama – aceção 2: a dona da casa para os criados; senhora, patroa.  2.2. s.f. substantivo (nome) feminino; p. ext. por extensão; p. ana. por analogia; B Brasil; ant. antigo.  2.3. V. (a entrada do dicionário, com os vários significados da palavra ama, mostra o seu campo semântico).
    12. 12.  3.1. Frases exclamativas:  “Jesu! Jesu!” (admiração);  “Olhade a mal estreada!” (censura irónica);  “Como vos deixa saudosa! /Toda eu fico amargurada!” (pesar fingido);  “Ali muitieramá!” (irritação);  “Mau pesar veja eu de ti” (praga, ameaça).
    13. 13.  3.2 Frases interrogativas retóricas:  “Eu hei de chorar por isso?” (negação com desdém);  “Como pode vir a pelo?” (incredulidade);  “E essa cama, bem, que há?” (censura)
    14. 14.  4. “Dixeram-mo por mui certo/ Que é certo que fica cá” (ll. 17-18)  4.1. Nestes versos, o recurso expressivo usado é o trocadilho certo que sublinha o receio da Ama perante a certeza de que o marido não parte.  4.2. Classe gramatical - “mo” é a contração dos pronomes pessoais me e o.  4.3. Funções sintáticas - Complemento indireto: me + complemento direto: o.
    15. 15.  4.4.  Moça - “Quem diz esse desconcerto?”  Ama - Dixeram-mo por mui certo/ Que é certo que fica cá” (ll. 16-18)  O antecedente do pronome me é eu (subentendido); o antecedente do pronome o é “esse desconcerto”.
    16. 16.  5. “Dai-me alvíssaras, Senhora” (l. 49)  “alvíssaras” da expressão árabe al-bixrã, que significa boa nova.  5.1. A entrada da expressão decorre da existência de um superstrato árabe, conjunto de vocábulos que entraram na língua, em virtude da ocupação árabe da península ibérica.  5.2. Alvíssaras: recompensa dada por boas novas, pela restituição de um objeto perdido ou por prestação de qualquer serviço ou favor.

    ×