As origens da filosofia
Os filósofos pré-socráticos
• O homem, diante do mistério da realidade, busca por
uma razão de ser que justifique a sua existência e a
do mundo. Foi n...
A Physis
• Será a partir da Physis que os pré-socráticos irão
ampliar a compreensão da totalidade do real: do
cosmos, dos ...
• Até bem pouco tempo, os pré-socráticos era
considerados filósofos “menores”. Ficavam
escondidos atrás do pensamento de P...
• Algumas dificuldades são encontradas no estudo dos
pré-socráticos: a linguagem utilizada por eles, parece
muitas vezes f...
• Porém, pensamento pré-socrático chega a ser até
mesmo profético, e por isso supera todas as
dificuldade apresentadas em ...
Tales de Mileto
• Mileto era a mais importante cidade da Jônia. Berço
dos epos homéricos. Tornava-se famosa pela
atividade...
• Não há registro de que tenha escrito sua filosofia, mas
era reconhecido por Aristóteles como o pai da
filosofia.
• Diz q...
Anaxímenes de Mileto
• Nasceu provavelmente em 585 a.C e morreu durante
a 63ª Olimpíada, ou seja, 528 e 525 a.C.. É tudo o...
• Foi o primeiro a afirmar que a Lua recebe a sua luz do
Sol.
• Único Fragmento: Como nossa alma, que é ar, nos
governa e ...
Xenófanes de Cólofon
• Acredita-se que tenha vivido 120 anos (580-577 a.C.
até 460 a.C.)
• Rapsodo. Escreveu exclusivament...
Fragmentos
• 15- Tivessem os bois, os cavalos e os leões mãos, e
pudessem, com elas, pintar e produzir obras como os
homen...
Pitágoras de Samos
• O que se conhece de seu pensamento é
fundamentado em fontes posteriores, no tempo de
Platão, não send...
• Há contudo três pontos que são inquestionáveis à sua
autoria:
1. O número é o princípio de tudo e o seu estudo reflete n...
Heráclito de Éfeso
• Nasceu na cidade de Éfeso. Sobre sua data de
nascimento, o que se sabe ao certo é que está uma
geraçã...
• Tudo se move, tudo escorre, nada permanece imóvel
e fixo, tudo muda e se transmuta, sem exceção.
• Fragmento: 91 - Não s...
• O eterno devir dar-se-á pela eterna passagem de um
contrário a outro: as coisas frias, esquentam, as
quentes esfriam, o ...
• Há uma unidade fundamental de todas as coisas.
• Fragmento: 10 – Correlações: completo e incompleto,
concorde e discorde...
• Heráclito já traz alguns elementos sobre a
verdade e o conhecimento: é preciso
atentar aos sentidos, visto que eles se
d...
Parmênides de Eléia
• Natural de Eléia, acredita-se que o ápice de
sua vida tenha sido entre 500 a.C. e 475 a.C.
• Seus pr...
O poema de Parmênides
1. Prólogo: ele é conduzido até a deusa, que lhe
promete revelar “a verdade”. Aqui distingue-se “o
c...
• O grande princípio da verdade de Parmênides é: o ser
é e não pode não ser; o não ser não é e não pode ser
de modo algum....
• Tudo o que alguém pensa e diz, é. Não se pode
pensar, nem dizer o que não é.
• O ser é incriado, visto que se tivesse si...
• O ser é imutável e imóvel, pois a mutabilidade e a
mudança presumem um não ser para o qual devem
se transformar ou mudar...
• O caminho da verdade é o caminho da razão e o
caminho do erro é o caminho dos sentidos. Os
sentidos afirmam o não-ser.
•...
Referências
• ANTISERI, Dario. REALE, Giovanni. História da
filosofia: Antiguidade e Idade Média, V.1. 3º
ed. São Paulo: P...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Historia da filosofia pré socráticos

296 visualizações

Publicada em

Historia dos primeiros pensadores

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
296
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Historia da filosofia pré socráticos

  1. 1. As origens da filosofia Os filósofos pré-socráticos
  2. 2. • O homem, diante do mistério da realidade, busca por uma razão de ser que justifique a sua existência e a do mundo. Foi nessa busca que surgiu a Filosofia. • A Filosofia teve sua origem na cultura grega e será uma das mais importantes contribuições dos gregos para o mundo ocidental. • Os primeiro filósofos foram, o que hoje chamamos de pré-socráticos e Aristóteles, em sua metafísica, chamou-os de físicos, pelo fato de se dedicarem ao conhecimento da physis, ou natureza. Porém esta natureza não deve ser tomada em termos técnicos, como é comum hoje em dia.
  3. 3. A Physis • Será a partir da Physis que os pré-socráticos irão ampliar a compreensão da totalidade do real: do cosmos, dos deuses, do homem, da verdade, do movimento, da justiça. • A physis deve ser, portanto, entendida como aquilo que por si surge e desenvolve-se; designa o que é primário, fundamental e persistente. Opõe-se ao secundário, derivado e transitório. Compreende a totalidade de tudo o que é. Ela é a aurora, o crescimento das plantas, o nascimento de animais e homens.
  4. 4. • Até bem pouco tempo, os pré-socráticos era considerados filósofos “menores”. Ficavam escondidos atrás do pensamento de Platão e Aristóteles, que eram tomados como a única medida do pensamento grego. • Porém, de Nietzsche a Heidegger, muitas foram as interpretações sobre os pré-socráticos, e que ampliaram as perspectivas sobre os problemas filosóficos.
  5. 5. • Algumas dificuldades são encontradas no estudo dos pré-socráticos: a linguagem utilizada por eles, parece muitas vezes fugir ao rigor pretendido pela filosofia, aparentando ser enigmática e mitológica. Além disso a maior dificuldade se dá pelo fato de não conhecermos a obra completa de nenhum deles. Só o que nos restam, são fragmentos.
  6. 6. • Porém, pensamento pré-socrático chega a ser até mesmo profético, e por isso supera todas as dificuldade apresentadas em seu estudo. Encontramos nos fragmentos desses filósofos, muitos fundamentos que determinaram o curso do pensamento ocidental. Sendo assim, estão mais próximos de nós do que muitas vezes imaginamos.
  7. 7. Tales de Mileto • Mileto era a mais importante cidade da Jônia. Berço dos epos homéricos. Tornava-se famosa pela atividade comercial de seus navegadores. • Sobre a vida de Tales pouco se sabe. Mas atribui a ele a previsão do eclipse total do sol de 28 de maio de 585 a.C., o que permititiu aproximações sobre sua data de nascimento – 624 a.C. – e de morte – 547 a.C.. • Participou ativamente da vida política e militar de sua cidade.
  8. 8. • Não há registro de que tenha escrito sua filosofia, mas era reconhecido por Aristóteles como o pai da filosofia. • Diz que a água é a origem de todas as coisas e que deus é a inteligência que faz tudo a partir da água.
  9. 9. Anaxímenes de Mileto • Nasceu provavelmente em 585 a.C e morreu durante a 63ª Olimpíada, ou seja, 528 e 525 a.C.. É tudo o que se sabe sobre sua vida. O ar seria o elemento que constituiria todas as coisas a partir de sua condensação e rarefação: o fogo é ar rarefeito; pela condensação forma-se o vento, as nuvens, a água, a terra e finalmente a pedra.
  10. 10. • Foi o primeiro a afirmar que a Lua recebe a sua luz do Sol. • Único Fragmento: Como nossa alma, que é ar, nos governa e sustém, assim também o sopro e o ar abraçam todo o cosmo.
  11. 11. Xenófanes de Cólofon • Acredita-se que tenha vivido 120 anos (580-577 a.C. até 460 a.C.) • Rapsodo. Escreveu exclusivamente em versos. • Os elementos originários de todas as coisas são a terra e a água. • Combate a visão antropomórfica dos deuses e defende a existência de um deus único, distinto do homem, não gerado, eterno, imóvel, puro pensamento e que age pelo pensamento.
  12. 12. Fragmentos • 15- Tivessem os bois, os cavalos e os leões mãos, e pudessem, com elas, pintar e produzir obras como os homens, os cavalos pintariam figuras de deuses semelhantes a cavalos, e os bois semelhantes a bois, cada (espécie animal) reproduzindo a sua própria forma. • 16 – Os etíopes dizem que os deuses são negros e de nariz chato, os trácios dizem que tem olhos azuis e cabelos vermelhos. • 29 – Tudo o que nasce e cresce é terra e água.
  13. 13. Pitágoras de Samos • O que se conhece de seu pensamento é fundamentado em fontes posteriores, no tempo de Platão, não sendo possível avançar além das conjeturas. Atingiu o ápice de sua existência em 530 a.C. • Defendia uma doutrina muito mais religiosa do que filosófica. Afirmava a imortalidade da alma que transmigra de uma a outra espécie animal. Diz-se que Pitágoras passava diante de um pequeno cão que era castigado, sentiu piedade e mandou que parasse de bater, pois havia reconhecido a alma de um amigo ao ouvir os gemidos.
  14. 14. • Há contudo três pontos que são inquestionáveis à sua autoria: 1. O número é o princípio de tudo e o seu estudo reflete no comportamento humano; 2. A teoria dos opostos; 3. A descoberta de verdades matemáticas. Vale lembrar o famoso teorema cujo nome lhe é atribuido.
  15. 15. Heráclito de Éfeso • Nasceu na cidade de Éfeso. Sobre sua data de nascimento, o que se sabe ao certo é que está uma geração após Xenófanes e uma antes de Parmênides. • Os filósofos de Mileto já haviam dito sobre o dinamismo universal: as coisas nascem, crescem e perecem, porém foi Heráclito que levou a fundo essas idéias.
  16. 16. • Tudo se move, tudo escorre, nada permanece imóvel e fixo, tudo muda e se transmuta, sem exceção. • Fragmento: 91 - Não se pode entrar duas vezes no mesmo rio. Dispersa-se e reúne-se; avança e se retira. • O rio é aparentemente o mesmo, mas na verdade é constituído por águas sempre novas e diferentes, que sobrevem e se dispersam.
  17. 17. • O eterno devir dar-se-á pela eterna passagem de um contrário a outro: as coisas frias, esquentam, as quentes esfriam, o jovem envelhece, o vivo morre, e do que está morto surgirá outra vida e assim segue- se. • Na harmonia, os opostos se coincidem: 1. A ladeira que sobe é também a mesma ladeira que desce; 2. No círculo, o início e o fim se coincidem;
  18. 18. • Há uma unidade fundamental de todas as coisas. • Fragmento: 10 – Correlações: completo e incompleto, concorde e discorde, harmonia e desarmonia, e de todas as coisas, um, e de um, todas as coisas. Esta passagem de um contrário a outro é o devir.
  19. 19. • Heráclito já traz alguns elementos sobre a verdade e o conhecimento: é preciso atentar aos sentidos, visto que eles se detém as aparências das coisas. A verdade consiste em alcançar a inteligência governante de todas as coisas, que está para além dos sentidos.
  20. 20. Parmênides de Eléia • Natural de Eléia, acredita-se que o ápice de sua vida tenha sido entre 500 a.C. e 475 a.C. • Seus primeiros contatos com a filosofia deu-se na escola pitagórica. • O pensamento de Parmênides nos foi deixado em um poema, que se divide em três partes:
  21. 21. O poema de Parmênides 1. Prólogo: ele é conduzido até a deusa, que lhe promete revelar “a verdade”. Aqui distingue-se “o coração inabalável da verdade bem redonda” das “opiniões dos mortais”. A Distinguirá dois caminhos de investigação do ser: o da verdade e o da opinião. 2. O caminho da verdade: – considerado o caminho da certeza, pois conduz a verdade. É o caminho do ser. 3. O caminho da opinião: é o caminho das inverdades criadas pelos mortais, pois foge ao ser. É o caminho do não-ser. Para ele só existe um único caminho: o ser é e o não ser não é.
  22. 22. • O grande princípio da verdade de Parmênides é: o ser é e não pode não ser; o não ser não é e não pode ser de modo algum. • O ser é o positivo puro e o não ser é o negativo puro, um é completamente contraditório ao outro.
  23. 23. • Tudo o que alguém pensa e diz, é. Não se pode pensar, nem dizer o que não é. • O ser é incriado, visto que se tivesse sido gerado, teria sido a partir de um não-ser. • De igual forma, o ser também não pode se corromper, visto que caminharia para o não-ser. • O ser não tem passado nem futuro: é um eterno presente.
  24. 24. • O ser é imutável e imóvel, pois a mutabilidade e a mudança presumem um não ser para o qual devem se transformar ou mudar. • O ser é limitado e finito, ou seja, completo e perfeito. • A única verdade é o ser incriado, incorruptível, imutável, imóvel, igual e uno. • Ao contrário de Heráclito não admite a contradição.
  25. 25. • O caminho da verdade é o caminho da razão e o caminho do erro é o caminho dos sentidos. Os sentidos afirmam o não-ser. • O poema de Parmênides, junto com os fragmentos de Heráclito, nos oferece a doutrina mais profunda de todo o pensamento pré-socrático.
  26. 26. Referências • ANTISERI, Dario. REALE, Giovanni. História da filosofia: Antiguidade e Idade Média, V.1. 3º ed. São Paulo: Paulus, 1990. p. 693, pp. 29-70. • BORNHEIM, Gerd A (org.). Os filósofos pré- socráticos. 15ª ed. São Paulo: Cultrix, 1997. p. 128.

×