Dientamoeba fragilis

3.121 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.121
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
107
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
23
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dientamoeba fragilis

  1. 1. DIENTAMOEBA FRAGILIS Graduando: Marcos V. Silva Parasitologia Geral
  2. 2. TAXONOMIA D. FRAGILIS Classificação (de acordo com Adl et al. 2005)  Supergrupo: Excavata  Grupo: Parabasalia  Subgrupo: Trichomonadida  Gênero: Dientamoeba
  3. 3. D. FRAGILIS
  4. 4. MORFOLOGIA  Forma arredondada com grande variações de tamanho;  Os núcleos apresentam-se fragmentados, contendo de 4-8 grânulos, com ausência de cromatina periférica;  Apresenta forma binucleada e mononucleada;  A divisão nuclear é encontrada apenas em trofozoítas mononucleados;  A forma binucleada é a fase típica observada;  Este parasito possui um “fio de conexão” entre os dois núcleos chamado de “centrodesmus”
  5. 5. Smear hematoxilina férrica mostrando trofozoítos pleomórficos. Johnson E H et al. Clin. Microbiol. Rev. 2004;17:553-570
  6. 6. Electron micrograph of a mononucleated trophozoite of D. fragilis. (× 5200) Johnson E H et al. Clin. Microbiol. Rev. 2004;17:553-570
  7. 7. Electron micrograph of a binucleated trophozoite of D. fragilis. (× 25.000) Johnson E H et al. Clin. Microbiol. Rev. 2004;17:553-570
  8. 8. Electron micrograph demonstrating chromatin bodies (Ch) in the nucleus (Nu), surrounded by a double nuclear membrane. (× 15.500) Johnson E H et al. Clin. Microbiol. Rev. 2004;17:553-570
  9. 9. CICLO BIOLOGICO
  10. 10. SINTOMAS DA INFECÇÃO POR D. FRAGILIS  A maioria dos casos são assintomáticos.  Sintomas mais comuns:  Diarreia;  Dores estomacais;  Dores abdominais intermitentes;  Perda de apetite e peso, náuseas, fadiga.
  11. 11. PROFILAXIA  Utilização de água morna e sabão na lavagem das mãos;  Cuidados na preparação de alimentos;  Lavar as mãos após usar o banheiro, trocar fraldas;  Ensinar crianças a importante de lavar as mãos e os cuidados para prevenir uma possível infecção.
  12. 12. REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS  7th Workshop of National Reference Laboratories for Parasites, Rome 28-29 May, 2012;  CARLINA, Contessotto, ALEJANDRA, Siciliano, Hospital del Niño-San justo  REY, L., Parasitologia, 4ª ed., Guanabara Koogan, 2008.  Neves, D. P., “Parasitologia Humana”, 12ª ed., Editora Atheneu, 2011.  Eugene H. Johnson, Jeffrey J. Windsor and C. Graham Clark, Clin. Microbiol. Rev. 2004, 17(3):553. DOI: 10.1128/CMR.17.3.553-570.2004.  Downloaded from http://cmr.asm.org/ on June 13, 2013 by INSTITUTO FEDERAL DO SUL RIO-GRANDENSE
  13. 13. Obrigado!

×