Sionismo

615 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
615
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sionismo

  1. 1. Sionismo O movimento Sionista e O anti-semitismo moderno. Rodrigo Matheus Nickel Marcos Bueno Sander
  2. 2. O movimento sionista (1880- 1948) Anti-semitismo: catalisador e aglutinador 1880-1914: xenofobia 1. Nacionalismos conservadores (Hobsbawm) 2. Latente beligerância na Europa Ocidental (Ferro)
  3. 3. •Formação de um Estado nacional judeu é encarado como o único recurso para a sobrevivência física e cultural judaica •Valem-se dos argumentos romântico e de auto- determinação O Movimento Sionista
  4. 4. “As inauditas atrocidades dos fascistas alemães, o extermínio total da população judaica que eles proclamaram, e que levaram a termo em muitos países, a propaganda racista, primeiro as injúrias, depois os fornos de Maidanek – tudo isso provocou entre os judeus dos diversos países o sentimento de uma ligação profunda. É a solidariedade dos ofendidos e dos indignados.” (Ilia Ehrenburg, Pravda, 21/09/1948) O Movimento Sionista
  5. 5. Dois centros irradiadores 1. Europa Ocidental: assimilação com reservas; menos numerosos 2. Rússia: russificação e conciliação; muito numerosos O Movimento Sionista
  6. 6. Europa Ocidental Estopim: caso Dreyfus (Capitão Alfred Dreyfus – alsaciano e judeu) 15/10/1894: preso, acusado de alta traição por entregar planos militares franceses aos alemães 23/12/1894: condenado ao exílio na Ilha do Diabo 05/01/1895: degradação pública 1896: Tenente-Coronel Picquart acusa o Comandante Esterhazy 06/11/1896: publicação de Une Erreur Judiciaire, por Bernard Lazare 1906: reabertura do processo e reabilitação 1935: morre
  7. 7. Repercussão Émile Zola: intelectual francês 1898: publica J’Accuse no periódico L’Aurore 1902: morre Theodor Herzl: jornalista judeu vienense 1895: publica O Estado Judeu (criação do Estado promovido pelas grandes potências) – Declaração Balfour (1917 - Grã-Bretanha) Promove a Organização Sionista (entidade financiadora) 1897: proclamação no I Congresso Sionista (Basiléia)
  8. 8. Repercussão Expõe o anti-semitismo à consideração pública e criam o movimento político popular Financiamentos particulares para migração e assentamento O Movimento Sionista
  9. 9. Rússia Império: processo de russificação e clivagem (Pogrom e Protocolos dos Sábios de Sião) 1881: I Aliyá (anti-semitismo e miséria) 1904-1914: II Aliyá (fracasso da revolução de 1905; figuras notáveis imbuídas dos valores revolucionários) O Movimento Sionista
  10. 10. Pós-Revolução Russa Identificação dos judeus com o internacionalismo Concílio entre o anti-sionismo (à favor) e o anti- semitismo (contra) (Lênin) Surgimento do Bund: prega o nacionalismo e identifica-se com os mencheviques O Movimento Sionista
  11. 11. Pós Revolução Russa Stalin: assimilação Através da educação política contra o anti- semitismo Fixação ao campo Considera o sionismo um problema judaico: possibilita a emigração até 1936 O Movimento Sionista
  12. 12. - Carta de Indignação de Émile Zola,o escritor mais lido na França da época; - Publicado dia 13 de Janeiro de 1898; - Escrita ao Presidente Félix Faure em razão da 2ª condenação do Capitão Alfred Dreyfus por traição; - Expõe a público a verdadeira traição do Major Estherhazy e a incompetência do exército em apurar as denúncias; - Denuncia a fabricação de provas pelo Tenente- Coronel du Paty de Clam; - Denuncia de acobertamento de provas que inocentariam Dreyfus;
  13. 13. - Mostra o preconceito anti-semita escancarado dos membros do exército ao escolher justamente um judeu como bode expiratório; - O nacionalismo exarcebado versus o eterno elemento estrangeiro judeu; - Julgamento às portas fechadas; - Torturas a Dreyfus e ameaças a sua família; - O segundo julgamento condenou Dreyfus mesmo com as provas exibidas pelo Major Picquart que foi preso por ocasião de sua atitude; - Decretada a prisão de Zola que foge para fora do país;
  14. 14. - As famosas acusações de Émile Zola contra o Estado Maior: - “Eu acuso o tenente-coronel du Paty de Clam de ter sido artífice do diabólico erro judiciário,inconscientemente,quero crer,e de ter defendido em seguida sua obra nefasta,durante três anos,através de tramas absurdas e culpáveis” - “Eu acuso o General Mercier de ter-se mostrado cúmplice,ao menos por fraqueza de espírito,de umas das maiores injustiças do século” - “Eu acuso o General Billot de ter tido em suas mãos as provas certas da inocência de Dreyfus e de tê-las abafado,de ter se tornado culpado desse crime de lesa- humanidade com um objetivo político e para salvar o Estado-Maior comprometido” - “Eu acuso o general Boisdeffre e o general Gonse por serem cúmplices do mesmo crime,um sem dúvida por razão clerical,o outro talvez por esse espírito corporativista que torna os gabinetes de guerra em arcas santas,inatacáveis” - “Eu acuso o general Pellieux e o comandante Ravary de terem feito sindicância rápida,e quero com isso dizer uma sindicância da mais monstruosa parcialidade, onde temos, no relatório do segundo, um monumento indestrutível de audácia ingênua. -“Eu acuso os três especialistas em grafologia, os senhores Belhomme, Varinard e Couard, de terem redigido relatórios mentirosos e fraudulentos, a menos que um exame médico os declare doentes de algum mal da vista e de julgamento.” - “Eu acuso os gabinetes de guerra de terem liderado na imprensa, particularmente no L'Éclair e no L'Écho de Paris, uma campanha abominável para distrair a opinião e cobrir seu erro.”
  15. 15. -“Eu acuso enfim o primeiro Conselho de Guerra de ter violado a lei ao condenar um acusado apoiado em uma peça de acusação mantida secreta, e acuso o segundo Conselho de Guerra de ter encoberto esta ilegalidade, sob ordem, cometendo também o crime jurídico de inocentar sabidamente um culpado. ” -O caso Dreyfus tem repercussão nacional e internacional; - Por 10 anos se deflagrou um conflito na França entre os anti-dreyfusaard e os dreyfusaard; - Diversos membros da intelectualidade francesa aderiram a causa de Dreyfus,entre o também escritor Marcel Proust,judeu,que retratou diversos personagens dos acontecimentos em seus livros.
  16. 16. O Anti-Semitismo Moderno -As raízes do anti-semitismo moderno foram desenvolvidas da expectativa da era da luzes e da Revolução Francesa e,por conseguinte,sua desilusão; - “O anti-semitismo da Idade Média e seus estereótipos não sumiram com o racionalismo moderno,eles foram laicizados durante a ilustração”Prof. David Bankier; - A filosofia de autores como Voltaire e Spinoza vai influenciar autores na Europa inteira. - Tanto na Independência estado-unidense quanto no período Napoleônico criou-se condições melhores de vida para as comunidades judias nesses países e,por conseqüência,sua migração;
  17. 17. -Os judeus,provenientes da raça semítica,passaram a ser vistos através da ótica racial cientificista como inferiores e portadores de impurezas que contaminariam a raça nacional; - A influência da obra do Conde de Gobineau(A desigualdade das raças humanas) atinge o compositor germânico Richard Wagner; - Também através do darwinismo social os judeus são vistos como ameaças a sociedade,a política e a cultura nacional; - O caso Dreyfus seria o marco da intensificação das ondas de anti- semitismo(anos 1880); - O anti-semitismo passa a ser política de Estado em países com a Alemanha e a Rússia(O problema judeu).
  18. 18. O Movimento Sionista -Obras como de Moses Hess(Roma e Jerusalém,1862) e Leo Pinsker(Auto- Emancipação,1882) propunham uma solução nacionalista para o problema judaico; - Surge então após o caso Dreyfus a obra do Dr.Theodor Herzl Der Judenstaat (O Estado Judeu,1896); - No ano seguinte ocorre na Basiléia,Suíça,o primeiro Congresso Sionista; - Herzl imagina que figuras judias notáveis como o Barão Hirsch e o lorde Rothschild iriam liderar a volta a Terra Israel,o que não acontece; - De fato a maioria dos ilustres judeus nem o recebe,alegando que antes de haver Israel eles estariam sem pátria!;
  19. 19. -O apelo de Herzl se volta para os judeus do leste(Rússia e Polônia),onde é recebido como Messias nas palavras de Ben Gurion com 10 anos na época; - Herzl tenta convecer o governo britânico da necessidade da imigração judaica; - Apesar do apoio de anglo-judeus como Benjamim Disraeli,Herzl não consegue criar o Estado Judeu; - Inglaterra propõe o Projeto Uganda de um lar temporário aos judeus que é recusado pelo judeus do leste em massa!; - Desgaste físico e mental de Herzl leva-o a morte e ao começo do Sionismo prático do judeus russos; - Chaim Waizman assume a liderança do Movimento Sionista;
  20. 20. -Waizman se aproxima do ministro britânico das relações internacionais Lloyd George; - Consegue patrocínio da massificação da imigração judaica após Lloyd George tornar-se primeiro ministro; - Surge a Declaração de Balfour que estabelece regras para criação do lar nacional judeu; - Situação só foi possível após a 1ª Guerra Mundial com o desmembramento dos Grandes Impérios(Otomano,Germânico e Austro-Húngaro); - Waizman inicia os assentamentos agrícolas judeus; - O crescimento da população judia desperta o incipiente nacionalismo árabe; - Os conflitos trazem problemas a administração britânica da Palestina; - Samuel,ministro britânico,mantém as idéias de Balfour;
  21. 21. -Em razão dos ataques árabes Jabotinsky,judeu de Odessa na Ucrânia,inicia a organização da legítima defesa judia; - Como Waizman,Jobotinsky defende a imigração de judeus,mas quer acelerar o processo; - O confronto se prolonga durante boa parte da década de 1920; - O jovem David Ben Gurion surge como líder do Sionismo Trabalhista Socialista; - Ele defende que o capitalismo não pode ser a base de criação do Estado Judeu e nasce a idéia das cooperativas ou dos kibutz; - A tríplice liderança se mantém por um longo período de crescimento da povo judeu na Palestina; - Todavia,ainda muitos judeus voltavam aos seus países de origem e a política britânica restringia a imigração devido aos árabes;
  22. 22. -As colônias judaicas estagnam e projeto do Estado de Israel somente volta a ganhar força após a 2ª Guerra Mundial e o Holocausto Judeu na Europa; - A Inglaterra que pensava ter garantido os direitos civis dos judeus nos países da Europa central inicia nova onda de incentivos; - Refugiados lotam barcos em direção a Israel; - Finalmente,em 1948, cria-se o Estado de Israel e David Ben Gurion de torna seu primeiro-ministro.
  23. 23. Bibliografia: -JOHNSON,Paul.História dos Judeus.Tradução:Henrique Mesquita e Jacob Volízon Filho.IMAGO Editora LTDA,Rio de Janeiro,1995; - COMAY,Michael.Sionismo,Israel e os Árabes Palestinos- Perguntas e Respostas.Assessoria de Divulgação da Embaixada de Israel em São Paulo.1983. - ZOLA,Emile.J’accuse!.Traduzido para o inglês pela Wikisource: - http://en.wikisource.org/wiki/J%27accuse...! .Acessado no dia 09/07/11 às 9h30 ; - BANKIER,David.El antisemitismo moderno.Vídeo You Tube: http://www.youtube.com/watch?v=vH4pNgl_vgE .Acessado no dia 10/07/11 às 22h30; - TSUR,Jacob.A Epopéia do Sionismo.Ed.Documentário,Rio de Janeiro,1977; - GIORDANO,Cláudio(org.).BARBOSA,Rui.O Processo do Capitão Dreyfus(Cartas a Inglaterra).Ed.Giordano,São Paulo,1994; - POLIAKOV,León.Do Anti-Sionismo ao Anti-Semitismo. Ed.Perspectiva,São Paulo,1988.

×