Dimensões da pobreza

379 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
379
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dimensões da pobreza

  1. 1. Dimensões da pobreza: Do Ser: da personalidade, dignidade, da autoestima e auto reconhecimento; Do Estar: das redes de pertencimento social, desde a família à redes de vizinhança, do convívio e de interação social e a sociedade mais geral; Do Fazer: das tarefas realizadas e socialmente reconhecidas, quer sob forma de emprego remunerado (rendimento traduzível em poder de compra e em estatuto do consumidor)
  2. 2. Do Criar – capacidade de empreender, de assumir iniciativas, de definir e criar ações, quaisquer que sejam; Do Saber: Acesso à informação (escolar ou não, formal ou formal), necessário à tomada fundamental de decisões e de capacidade crítica, face à sociedade; Do Ter: do rendimento , do poder de compra, de acesso a níveis de consumo médio, da capacidade aquisitiva (incluindo a capacidade de estabelecer prioridade de aquisições e consumo)
  3. 3. Como fazer: Acolhimento no centro espírita ( espaço de suporte social) que deverá realizar “ acolhimento, cuidado, reconhecimento, compreensão, informação e orientação. Isso implica em mudança de mentalidade e de organização e do funcionamento do cento espírita. Não mais a classe baixa tendo como acesso ao Centro Espírita pela “porta dos fundos” aquela que historicamente foi emblematizada no “ato de dar as migalhas aos pobres”.
  4. 4. Eixos fundamentais para realizar o processo Acolher: Adotar o diálogo inter – religioso como valor Consolar: Ouvir para identificar a necessidade; Esclarecer: Á Luz do Evangelho, com amorosidade; fazer o irmão refletir sobre a situação; Orientar: Apresentar todos os trabalhos da Casa Espírita, convidar a participar e posteriormente dar encaminhamentos pertinentes aos recursos públicos
  5. 5. Parábola do Bom Samaritano 1º - Observar 2º -Aproximar-se 3º- Utilizar os recursos necessário à assistência imediata 4º -Acompanhar 5º- Tornar-se responsável pelo outro
  6. 6. “Não repilas o que se queixa, com receio de que te engane; vai às origens do mal . Alivia, primeiro; em seguida, informa-te e vê se o trabalho, se os conselhos, mesmo a afeição não serão mais eficazes do que a tua esmola.” E. S. E. Cheverus cap. XVI item II)

×