SlideShare uma empresa Scribd logo

Aula 09 Dispositivos

Este documento discute conceitos básicos de dispositivos de visualização como monitores de cristal líquido, monitores de vídeo e projetores. Detalha características como resolução, tamanho, portas de entrada, tecnologias LCD e CRT e padrões de vídeo.

1 de 30
Baixar para ler offline
Aula 09 - Dispositivos de visualização
(displays)
Professor : MARCOS ELOI BASILIO
Conceitos básicos de dispositivos de
visualização
• Os dispositivos de display são praticamente obrigatórios na
montagem de um microcomputador.
• Raras exceções podem ocorrer para servidores, ou micros dedicados
a
• tarefa de controle (industrial, prédio), gerenciados remotamente.
• Os principais dispositivos são:
• Monitor de cristal líquido (LCD)
• Monitores de vídeo (CRT)
• Projetores
• Existe uma nomenclatura específica para dispositivos de visualização,
para que possam ser comparadas as tecnologias e entender
• as diversas configurações possíveis.
• Seguem as principais definições:
• Pixel ("picture element" ou elemento de imagem) - menor partícula
de informação de uma imagem, normalmente correspondente a um
pequeno quadrado na tela (mas não limitado a quadrados, podendo
corresponder a pontos circulares ou ainda pontos difusos
• devido a utilização de filtros).
• Tela - a interface propriamente dita do dispositivo de visualização. Num monitor
de vídeo ou de cristal líquido, corresponde
• à tela de vidro onde a imagem é visualizada. Num projetor, corresponde ao
anteparo onde a imagem é projetada.
• Resolução da imagem – corresponde ao número total de pixels de uma tela em
relação à área da tela. Num monitor padrão VGA existem 640x480 pixels, que
corresponde a 307.200 pixels. Para efeito de comparação uma TV NTSC (similar
ao PAL/M em termos de resolução), a resolução é equivalente a 145.200 pixels.
Uma HDTV tem resolução em torno de 2 mega pixels. Notar que a mesma
quantidade de pixel num monitor grande evidencia os quadradinhos (pontos),
caracterizando uma imagem
• de pior qualidade para o usuário.
• Por outro lado, uma distância maior da tela reduz este efeito. Portanto, deve ser
avaliada a distância do usuário à tela e a dimensão deste para determinar a
resolução, em pixels, requerida
• pelo sistema.
• ▪ Tamanho do monitor - a medida padrão de uma tela é dada pelo comprimento
da diagonal desta, e geralmente fornecida em polegadas (1 polegada = 2,54
centímetros).
Aula 09  Dispositivos
• Medida do tamanho de uma tela ▪ Dot pitch (passo entre pontos) –
corresponde à distância entre dois pixels.
• Quanto maior a resolução (pixels por área), menor o dot pitch.
• Dot pitch
• ▪ Curvatura da tela - a curvatura pode ser esférica, adotada pelos
monitores
• de vídeo CRT, pela facilidade de se obter uma tela com menos
distorções
• de imagem. Estes monitores evoluíram para as chamadas telas
planas, mas que na tecnologia CRT corresponde à tela esférica com
raio muito grande, dando a sensação de tela plana. Já os monitores
de cristal líquido são sempre telas planas. As telas planas
proporcionam um maior conforto visual, menor sensibilidade
• a reflexos de luz e aproveitamento um pouco maior da área útil do
• monitor.
• Proporção(aspect ratio) - diz respeito à proporção entre largura e altura de
uma tela. Hoje as telas dos monitores costumam ser 4x3 ou 16x9 (embora
• existam alguns monitores com outras proporções variando um pouco em
relação a estes). 4x3 é o padrão "histórico", no qual o VGA é baseado (no caso
de pixels quadrados). Já o 16x9 também é chamado de wide
• screen (tela larga). Já o 16x9 é utilizado pelo XGA (wide XGA) e novos padrões.
• ▪ Cores suportadas - significa o número de cores suportadas pelo dispositivo
de
• display. Muitas vezes são referenciados os números de bits por pixel.
Exemplos:
• 32 cores = 4bits; 65536 cores = 16 bits.
• Padrões de vídeo gráfico – existem vários padrões que definem basicamente
• resolução e número de cores suportado. Os principais padrões em uso
atualmente são (referência mais completa pode ser obtida em http://
• en.wikipedia.org/wiki/Computer_ display_standard):
• VGA - suporta vários modos de vídeo, mas normalmente se refere a
640x480, 4 bits para cores, proporção 4:3.
• ▪ SVGA - evolução do VGA, com suporte a 800x600, 4 bits para cores,
proporção 4:3.
• XGA - evolução do VGA, com suporte a 1024x768, 8/16 bits para
cores, proporção 4:3
• WXGA - evolução do XGA, com suporte a 1440x900, widescreen
(proporção 16:10 ou 16:9), 32 bits para cores
• ▪ SXGA - evolução do XGA, com suporte a 1280x900, 32bits para
cores, proporção 5:4 (proporção padrão para grande número de
monitores de LCD 17" e 19")
• UXGA - standard Truecolor, 1600x1200, 32 bits para cores, proporção
16:10
• ▪ QXGA - 2048x1536, proporção 4:3, 32 bits para cores
• ▪ Portas de entrada - portas de entrada de sinal de vídeo. As
principais são:
• DVI - padrão definido pelo consórcio DDWG (Digital Display Working
Group) para envio de dados de vídeo digital não comprimidos para
um display, maximizando a qualidade visual para displays
• LCD e projetores digitais:
• Conector do padrão DVI
• ▪ VGA - padrão surgido com o IBM PS/2 e consolidado como o
padrão básico para os PCs:
Conector do padrão VGA
▪ S-Vídeo (Separated Video) - provê sinal de vídeo analógico, em dois sinais separados
(brilho e cor)
• Conector do padrão S-Video
• ▪ HDMI (High Definition Multimidia Interface) - interface de áudio e
vídeo com conector compacto para transmissão de dados não
comprimidos
Conector do padrão HDMI
▪ Vídeo componente - sinal de vídeo dividido em 3 sinais independentes.
• Conector do padrão vídeo componente
• ▪ DisplayPort - interface de padrão de vídeo digital patrocinado pela
VESA (Vídeo Electronics Standard Association).
• Conector do padrão DisplayPort
• Monitor de cristal líquido (LCD)
• A tecnologia do cristal líquido foi desenvolvida nos laboratórios da
RCA por volta de 1960. Antes de chegar aos micros portáteis, já era
usada em visores de muitas calculadoras eletrônicas de bolso.
• Monitor LCD Princípio de funcionamento
• De maneira simplificada, cada pixel de um LCD consiste de uma
camada de moléculas alinhadas entre dois eletrodos transparentes
• (de óxido de indium/estanho) e dois filtros polarizadores,
normalmente um perpendicular em relação ao outro, e uma
• superfície reflexiva ao fundo (ou fonte luminosa.
• Diagrama de um pixel num LCD
• As moléculas do cristal líquido ficam orientadas de forma que a parte
da luz incidente no display seja refletida de volta (ou a luz fornecida
pela fonte ao fundo atravessa os filtros e a camada de cristal
• líquido) sem caracterizar opacidade, ou seja, sem identificar o pixel.
Ao se aplicar voltagem nos eletrodos, as moléculas se alinham de
forma a resultar numa opacidade progressiva, até o total bloqueio do
• reflexo de luz (ou da passagem da luz da fonte de fundo).
• No caso do monitor colorido, cada pixel é dividido em 3 subpixels,
vermelho, verde e azul, com filtro colorido da respectiva cor
• para cada subpixel.
• Matriz ativa e passiva
• Para fazer com que a energia elétrica chegue a cada pixel, a tela nos
monitores de cristal líquido é formada por uma grade de condutores
verticais. Nas telas de matriz passiva, os pixels são posicionados nas
• intersecções destas linhas, recebendo, diretamente daí, a corrente
elétrica. Nas telas de matriz ativa, também chamadas de TFT (thin
film transistor) é acrescentado um transistor em cada uma das
intersecções, funcionando como um relé.
• Quando recebe uma pequena corrente, este transistor "puxa" uma
corrente maior para controlar a luminosidade do pixel.
• O resultado são cores mais vivas e nítidas na tela.
• Para melhorar a qualidade de imagem, vários fabricantes incluíram
uma segunda passada de corrente elétrica pelas células de monitores
de matriz passiva, como quem reforça o traço de uma escrita à
• mão, denominando este novo tipo de dual scan.
• Características adicionais de um display LCD
• Além das características genéricas para todas as telas, tais como
resolução, dot pitch, tamanho e outras, existem algumas
• características específicas de um LCD:
• Tempo de resposta - tempo necessário para um bit mudar a cor ou
brilho de um pixel
• ▪ Taxa de refresh - número de vezes por segundo que o monitor
"desenha“ a imagem. Uma baixa taxa resulta em sensação de piscar
da tela. Taxa de 120Hz é hoje encontrada nos melhores displays de
LCD.
• Ângulo de visualização - qual o ângulo que um usuário enxerga a
imagem na tela.
• ▪ Brilho - quanta luz é emitida pelo display
• Monitores de vídeo (CRT)
• Este é o periférico de saída mais utilizado desde o início dos
microcomputadores, sendo, nos últimos anos, sendo substituídos
• pelos monitores de cristal líquido. Seu funcionamento é praticamente
igual ao de um televisor. Ao se observar a TV de bem
• próximo, percebe-se que a imagem não é "lisa", contínua, e sim
formada por "pontinhos“ (pixels). Dá para ver também que
• estes "pontinhos" estão uniformemente espalhados pela tela. Cada
um deles tem sua própria cor, que pode mudar de acordo com os
sinais da emissora de TV.
• Visto a certa distância, não se percebe os pixels, mas sim uma
imagem composta pelos milhares deles presentes.
• A sigla CRT significa Cathode Ray Tube - Tubo de raios catódicos.
• A imagem da TV
• Quantos "pontinhos" (pixels) precisam ter em uma tela de TV para
que a imagem pareça "lisa", nítida, quando vista do sofá?
• Um televisor PAL-M (analógico) possui 525 linhas verticais, das quais
cerca de 330 são de fato aproveitadas. Uma linha contém cerca de
440 pontinhos. Isso resulta aproximadamente 145.200 pixels
distribuídos uniformemente numa tela de TV.
• Monitores de vídeo para computadores
• Vídeo é o dispositivo gerador da imagem.
• Monitor é o aparelho como um todo, incluindo alimentação elétrica,
controles, as peças externas, etc.
• Monitores de vídeo para computadores funcionam de forma
semelhante aos aparelhos de TV. A imagem também é formada
• pelos pixels (pontinhos). A diferença está nos diferentes padrões de
entrada de imagem e na resolução da tela, que não segue o padrão
de pixels utilizado para PAL-M.
• Tubos de raios catódicos (CRT)
• Dentro de um monitor CRT há um tubo de raios catódicos com três
canhões de feixes de elétrons.
• Monitor CRT
• Um tubo de raios catódicos é mais ou menos como um garrafão,
daqueles de vinho, só que com a base retangular (que é a tela visível)
e um contorno um pouco diferente.
• Os tais canhões de feixes de elétrons estão posicionados "na boca",
apontados para dentro deste "garrafão" (no esquema acima, a tela
está no "fundo" do garrafão).
• Estes feixes passam por orifícios de uma placa plana de metal,
denominada máscara de sombra. A função desta máscara
• é manter os feixes de elétrons alinhados, ou seja, mirando
corretamente em cada pixel.
• Cada pixel é formado por 3 minipixels de cor vermelho, azul e verde,
num material a base de fósforo
• . Quando o feixe de elétrons é enviado pelo canhão do CRT, o
• material emite luz (na cor desejada). Cada cor básica tem um canhão
(total de 3 canhões).
• Métodos de varredura de vídeo
• O material a base de fósforo tem persistência, mas se apaga
naturalmente, que requer que haja novo "bombardeio" de
• elétrons para se manter um pixel numa determinada cor. Para que
haja uma persistência da imagem e das cores, é necessário
• um "reacendimento" do pixel. Issose dá através de varredura de
vídeo (movimento do feixe de elétrons enviado pelos canhões em
toda a tela).
• A varredura pode ser:
• Entrelaçada - primeiro são atualizadas as informações de imagem das
linhas ímpares seguidas das pares (e assim por diante). Permite que o
CRT tenha um custo menor, uma vez que o "piscar“ (flicker), apesar
de presente, é minimizado por ter uma linha recém atualizada
• a cada linha anteriormente atualizada.
• Não entrelaçada - são atualizadas sequencialmente
• todas as linhas a cada varredura. Requer circuitos mais
• rápidos (e caros) resultando, porém, em melhor qualidade (menor
"piscar"/ flicker).
• Existem duas definições referentes à frequência
• de varredura:
• ▪
• Frequência vertical - quantas telas por segundo são varridas pelos
canhões, não importando se todas as linhas, ou apenas os pares ou as
ímpares são varridas.
• Frequência horizontal - quantas linhas
• por segundo são varridas pelo canhão.
• ▪ Monitores de frequência variável
• A evolução dos padrões gráficos criou dois grandes problemas para os
fabricantes de placas de vídeo:
• os diferentes tipos de sinais de cores (digitais e analógicos) de cada
padrão; e as diferentes frequências (verticais e▪
• horizontais) de operação.
• A solução adotada foi desenvolver monitores que trabalham com
mais de uma combinação de frequências vertical e horizontal
• e também com comutadores para alternar a geração de imagens por
sinais digitais ou analógicos, dependendo do padrão escolhido.
• Geralmente, estes tipos de monitor trabalham com faixas de
frequência, ou seja, as frequências máximas vertical e horizontal
• limitam a resolução máxima da tela.
• Projetores de vídeo
• O projetor de vídeo é um periférico de saída que projeta a imagem
através de um sistema de lentes para um anteparo.
• É utilizado em salas de treinamento, salas de reunião. Hoje existem
equipamentos pequenos utilizados até em escritório menores para
obter uma tela maior que um display convencional. Ainda pode ser
• utilizado em "home theater" ou em eventos ao vivo.
• Na tecnologia atual, são suportados SVGA(800x600), XGA(1024x768),
1280x720 e 1920x1080, mas espera-se resoluções cada vez maiores
em futuro próximo.
• O funcionamento de um projetor é baseado num gerador de imagem
LCD, forte fonte de luz (que costuma ter custo em torno de 1/3 do
valor do equipamento, ou até maior que isso) e um jogo de lentes
• à frente para ajustar o tamanho e foco da imagem projetada.
• Além da entrada do micro, um Projetor normalmente tem entradas
de vídeo para conexão a DVDs ou outras fontes. A seleção do canal de
entrada é feita em comandos do próprio projetor
• Atividades
• 1. Qual é a diferença entre pixel, dot pitch e resolução de uma tela?
• 2. Qual o significado da medida em polegadas de um monitor?
• 3. Qual é a diferença entre dois monitores de 17", um com aspect
ratio (proporção) de 4x3 ou 16x9?
• 4. Qual é a diferença de um display LCD de matriz ativa e de matriz
passiva?
• 5. O que significa o CRT?
• 6.Quantos canhões tem um monitor de vídeo CRT colorido?
• 7. O que é varredura de tela?
• 8.Qual é a diferença entre varredura entrelaçada e não-entrelaçada?

Recomendados

Aula 10 – placas controladoras de vídeo (i)
Aula 10 – placas controladoras de vídeo (i)Aula 10 – placas controladoras de vídeo (i)
Aula 10 – placas controladoras de vídeo (i)Marcos Basilio
 
Aula 11 – placas controladoras de vídeo (ii)
Aula 11 – placas controladoras de vídeo (ii)Aula 11 – placas controladoras de vídeo (ii)
Aula 11 – placas controladoras de vídeo (ii)Marcos Basilio
 
Aula 13 dispositivos de audio
Aula 13   dispositivos de audioAula 13   dispositivos de audio
Aula 13 dispositivos de audioMarcos Basilio
 
Aula 14 - Dispositivos de armazenamento removíveis
Aula 14 - Dispositivos dearmazenamento removíveisAula 14 - Dispositivos dearmazenamento removíveis
Aula 14 - Dispositivos de armazenamento removíveisMarcos Basilio
 
Placas GráFicas Realease1
Placas GráFicas Realease1Placas GráFicas Realease1
Placas GráFicas Realease1spidi_pt
 
Placas Gráficas e Monitores
Placas Gráficas e MonitoresPlacas Gráficas e Monitores
Placas Gráficas e Monitoresdsde
 
Aula 16 conexão à internet
Aula 16   conexão à internetAula 16   conexão à internet
Aula 16 conexão à internetMarcos Basilio
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A história e evolução das placas de video
A história e evolução das placas de videoA história e evolução das placas de video
A história e evolução das placas de videoElaine Cecília Gatto
 
Aula 15 comunicação entre micros
Aula 15   comunicação entre microsAula 15   comunicação entre micros
Aula 15 comunicação entre microsMarcos Basilio
 
Placa de vídeo
Placa de vídeoPlaca de vídeo
Placa de vídeojorofer2
 
Placa Grafica
Placa GraficaPlaca Grafica
Placa GraficaDora Dias
 
Brotero - Apresentação 2 Vídeo
Brotero - Apresentação 2 VídeoBrotero - Apresentação 2 Vídeo
Brotero - Apresentação 2 VídeoJoão Leal
 
Aula 07 8 periféricos de um
Aula 07  8 periféricos de umAula 07  8 periféricos de um
Aula 07 8 periféricos de umMarcos Basilio
 
Aula 17 montagem de microcomputador
Aula 17   montagem de microcomputadorAula 17   montagem de microcomputador
Aula 17 montagem de microcomputadorMarcos Basilio
 
Aula 04 - MA1 - IFES - 1 semestre 2011
Aula   04 - MA1 - IFES -  1 semestre 2011Aula   04 - MA1 - IFES -  1 semestre 2011
Aula 04 - MA1 - IFES - 1 semestre 2011Moises Omena
 
Aula 04 barramentos de expansão
Aula 04   barramentos de expansãoAula 04   barramentos de expansão
Aula 04 barramentos de expansãoMarcos Basilio
 
Treinamento - Soluções de Varejo
Treinamento - Soluções de VarejoTreinamento - Soluções de Varejo
Treinamento - Soluções de VarejoScanSource Brasil
 
Aula 19 instalação de drivers de dispositivos
Aula 19   instalação de drivers de dispositivosAula 19   instalação de drivers de dispositivos
Aula 19 instalação de drivers de dispositivosMarcos Basilio
 
Itautec infoway notebook w7415
Itautec   infoway notebook w7415Itautec   infoway notebook w7415
Itautec infoway notebook w7415Leonardo Pimenta
 
Portas de comunicacao
Portas de comunicacaoPortas de comunicacao
Portas de comunicacaorenatogersos
 

Mais procurados (20)

A história e evolução das placas de video
A história e evolução das placas de videoA história e evolução das placas de video
A história e evolução das placas de video
 
Aula 15 comunicação entre micros
Aula 15   comunicação entre microsAula 15   comunicação entre micros
Aula 15 comunicação entre micros
 
Placa de vídeo
Placa de vídeoPlaca de vídeo
Placa de vídeo
 
Placa Grafica
Placa GraficaPlaca Grafica
Placa Grafica
 
Tp acq
Tp acq Tp acq
Tp acq
 
Brotero - Apresentação 2 Vídeo
Brotero - Apresentação 2 VídeoBrotero - Apresentação 2 Vídeo
Brotero - Apresentação 2 Vídeo
 
Aula 07 8 periféricos de um
Aula 07  8 periféricos de umAula 07  8 periféricos de um
Aula 07 8 periféricos de um
 
Placa de Vídeo
Placa de VídeoPlaca de Vídeo
Placa de Vídeo
 
Aula 17 montagem de microcomputador
Aula 17   montagem de microcomputadorAula 17   montagem de microcomputador
Aula 17 montagem de microcomputador
 
Aula 04 - MA1 - IFES - 1 semestre 2011
Aula   04 - MA1 - IFES -  1 semestre 2011Aula   04 - MA1 - IFES -  1 semestre 2011
Aula 04 - MA1 - IFES - 1 semestre 2011
 
Placa-Mãe
Placa-Mãe Placa-Mãe
Placa-Mãe
 
Hardware 1
Hardware 1Hardware 1
Hardware 1
 
Sr one[1]
Sr one[1]Sr one[1]
Sr one[1]
 
Aula 04 barramentos de expansão
Aula 04   barramentos de expansãoAula 04   barramentos de expansão
Aula 04 barramentos de expansão
 
Treinamento - Soluções de Varejo
Treinamento - Soluções de VarejoTreinamento - Soluções de Varejo
Treinamento - Soluções de Varejo
 
Sistemas operacionais 12
Sistemas operacionais 12Sistemas operacionais 12
Sistemas operacionais 12
 
Aula 19 instalação de drivers de dispositivos
Aula 19   instalação de drivers de dispositivosAula 19   instalação de drivers de dispositivos
Aula 19 instalação de drivers de dispositivos
 
Itautec infoway notebook w7415
Itautec   infoway notebook w7415Itautec   infoway notebook w7415
Itautec infoway notebook w7415
 
Aula 08 instalação de hardware
Aula 08 instalação de hardwareAula 08 instalação de hardware
Aula 08 instalação de hardware
 
Portas de comunicacao
Portas de comunicacaoPortas de comunicacao
Portas de comunicacao
 

Destaque

F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016
F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016
F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016evaminerva
 
Introducción a las Ciencias Sociales I
Introducción a las Ciencias Sociales IIntroducción a las Ciencias Sociales I
Introducción a las Ciencias Sociales Icaelerma2011
 
I've been dieting for five minutes
I've been dieting for five minutesI've been dieting for five minutes
I've been dieting for five minutespremmathan
 
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123Oracle database 12c 2 day developer's guide 123
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123bupbechanhgmail
 
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritage
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritageG3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritage
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritageevaminerva
 
E2 paulo martinez_environmentalhistory
E2 paulo martinez_environmentalhistoryE2 paulo martinez_environmentalhistory
E2 paulo martinez_environmentalhistoryevaminerva
 
Portfolio Project - Hannah Collier
Portfolio Project - Hannah CollierPortfolio Project - Hannah Collier
Portfolio Project - Hannah CollierHannah Calley
 
El cuaderno de las tiendas
El cuaderno  de las tiendasEl cuaderno  de las tiendas
El cuaderno de las tiendasRaquel Ruiz
 
PE Company Profile 13-5-2016
PE Company Profile 13-5-2016PE Company Profile 13-5-2016
PE Company Profile 13-5-2016Pang Chee Eng
 
Charla Ejbs
Charla EjbsCharla Ejbs
Charla Ejbskaolong
 
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglab
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglabE3 wesker kuflik_novel_technologylivinglab
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglabevaminerva
 
Web 2cinetica quimica
Web 2cinetica quimicaWeb 2cinetica quimica
Web 2cinetica quimicaJeison Rosero
 

Destaque (17)

F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016
F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016
F3 sigal arieerez_reconnectingpast_evaminerva2016
 
San gabriel
San gabrielSan gabriel
San gabriel
 
Introducción a las Ciencias Sociales I
Introducción a las Ciencias Sociales IIntroducción a las Ciencias Sociales I
Introducción a las Ciencias Sociales I
 
I've been dieting for five minutes
I've been dieting for five minutesI've been dieting for five minutes
I've been dieting for five minutes
 
Guia de estudio tic
Guia de estudio ticGuia de estudio tic
Guia de estudio tic
 
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123Oracle database 12c 2 day developer's guide 123
Oracle database 12c 2 day developer's guide 123
 
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritage
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritageG3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritage
G3 stoeck and_hayim_lapin_nextgenerationculturalheritage
 
E2 paulo martinez_environmentalhistory
E2 paulo martinez_environmentalhistoryE2 paulo martinez_environmentalhistory
E2 paulo martinez_environmentalhistory
 
Portfolio Project - Hannah Collier
Portfolio Project - Hannah CollierPortfolio Project - Hannah Collier
Portfolio Project - Hannah Collier
 
El cuaderno de las tiendas
El cuaderno  de las tiendasEl cuaderno  de las tiendas
El cuaderno de las tiendas
 
PE Company Profile 13-5-2016
PE Company Profile 13-5-2016PE Company Profile 13-5-2016
PE Company Profile 13-5-2016
 
Charla Ejbs
Charla EjbsCharla Ejbs
Charla Ejbs
 
Mayo oc
Mayo ocMayo oc
Mayo oc
 
Circular cadialpa
Circular cadialpaCircular cadialpa
Circular cadialpa
 
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglab
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglabE3 wesker kuflik_novel_technologylivinglab
E3 wesker kuflik_novel_technologylivinglab
 
OPUS MY Brochure
OPUS MY BrochureOPUS MY Brochure
OPUS MY Brochure
 
Web 2cinetica quimica
Web 2cinetica quimicaWeb 2cinetica quimica
Web 2cinetica quimica
 

Semelhante a Aula 09 Dispositivos

Monitores e Sistema de Vídeos
Monitores e Sistema de VídeosMonitores e Sistema de Vídeos
Monitores e Sistema de VídeosPaulo Brito
 
Monitores
MonitoresMonitores
MonitoresTiago
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitoresdsde
 
Características dos monitores
Características dos monitoresCaracterísticas dos monitores
Características dos monitoresxikofonseca
 
06 hardwere (monitores)
06   hardwere (monitores)06   hardwere (monitores)
06 hardwere (monitores)Elizeu Ferro
 
DOC-20220831.pptx
DOC-20220831.pptxDOC-20220831.pptx
DOC-20220831.pptxErickSitoe
 
Suporte - monitores
Suporte - monitoresSuporte - monitores
Suporte - monitoresRoney Sousa
 
Montagem e configuração de computadores
Montagem e configuração de computadoresMontagem e configuração de computadores
Montagem e configuração de computadoresnunix99
 
Aula 2 periféricos
Aula 2   periféricosAula 2   periféricos
Aula 2 periféricosalex_it
 
Hardware questionario 06
Hardware   questionario 06Hardware   questionario 06
Hardware questionario 06Tiago
 
Sistemas de segurança por cctv
Sistemas de segurança por cctvSistemas de segurança por cctv
Sistemas de segurança por cctvDjcarlinhospap
 
Adobe After Effects CS6 Classroom in a Book
Adobe After Effects CS6 Classroom in a BookAdobe After Effects CS6 Classroom in a Book
Adobe After Effects CS6 Classroom in a BookSandra Abalde
 
Curso de monitores lcd[1]
Curso de monitores lcd[1]Curso de monitores lcd[1]
Curso de monitores lcd[1]Rafaél Malave
 
Curso de monitores lcd
Curso de monitores lcdCurso de monitores lcd
Curso de monitores lcdBatistaBR
 
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRAWorkshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRAMUZIK PRODUÇÕES
 

Semelhante a Aula 09 Dispositivos (20)

Monitores e Sistema de Vídeos
Monitores e Sistema de VídeosMonitores e Sistema de Vídeos
Monitores e Sistema de Vídeos
 
Manual Video
Manual VideoManual Video
Manual Video
 
Monitores
MonitoresMonitores
Monitores
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
 
Graficas e monitores
Graficas e monitoresGraficas e monitores
Graficas e monitores
 
Características dos monitores
Características dos monitoresCaracterísticas dos monitores
Características dos monitores
 
06 hardwere (monitores)
06   hardwere (monitores)06   hardwere (monitores)
06 hardwere (monitores)
 
DOC-20220831.pptx
DOC-20220831.pptxDOC-20220831.pptx
DOC-20220831.pptx
 
Curso de Manutenção de monitores
Curso de Manutenção de monitoresCurso de Manutenção de monitores
Curso de Manutenção de monitores
 
Tipos De T Vs Digitais
Tipos De T Vs DigitaisTipos De T Vs Digitais
Tipos De T Vs Digitais
 
Suporte - monitores
Suporte - monitoresSuporte - monitores
Suporte - monitores
 
Edm 09
Edm 09Edm 09
Edm 09
 
Montagem e configuração de computadores
Montagem e configuração de computadoresMontagem e configuração de computadores
Montagem e configuração de computadores
 
Aula 2 periféricos
Aula 2   periféricosAula 2   periféricos
Aula 2 periféricos
 
Hardware questionario 06
Hardware   questionario 06Hardware   questionario 06
Hardware questionario 06
 
Sistemas de segurança por cctv
Sistemas de segurança por cctvSistemas de segurança por cctv
Sistemas de segurança por cctv
 
Adobe After Effects CS6 Classroom in a Book
Adobe After Effects CS6 Classroom in a BookAdobe After Effects CS6 Classroom in a Book
Adobe After Effects CS6 Classroom in a Book
 
Curso de monitores lcd[1]
Curso de monitores lcd[1]Curso de monitores lcd[1]
Curso de monitores lcd[1]
 
Curso de monitores lcd
Curso de monitores lcdCurso de monitores lcd
Curso de monitores lcd
 
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRAWorkshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
 

Mais de Marcos Basilio

Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletricaMarcos Basilio
 
Manutenção Aula 21 vírus e malware
Manutenção Aula 21   vírus e malwareManutenção Aula 21   vírus e malware
Manutenção Aula 21 vírus e malwareMarcos Basilio
 
Aula 20 manutenção preventiva
Aula 20   manutenção preventivaAula 20   manutenção preventiva
Aula 20 manutenção preventivaMarcos Basilio
 
Manutenção_Aula 18 erros de montagem
Manutenção_Aula 18   erros de montagemManutenção_Aula 18   erros de montagem
Manutenção_Aula 18 erros de montagemMarcos Basilio
 
Aula 12 dispositivos de impressão e imagem
Aula 12  dispositivos de impressão e imagemAula 12  dispositivos de impressão e imagem
Aula 12 dispositivos de impressão e imagemMarcos Basilio
 
Aula 3 barramentos de placa mae
Aula 3 barramentos de placa maeAula 3 barramentos de placa mae
Aula 3 barramentos de placa maeMarcos Basilio
 
Aula 02 importância do chipset na escolha
Aula 02   importância do chipset na escolhaAula 02   importância do chipset na escolha
Aula 02 importância do chipset na escolhaMarcos Basilio
 
Marketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digitalMarketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digitalMarcos Basilio
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrialMarcos Basilio
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrialMarcos Basilio
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrialMarcos Basilio
 

Mais de Marcos Basilio (16)

Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletricaManutenção Aula 22   cuidados na instalacao eletrica
Manutenção Aula 22 cuidados na instalacao eletrica
 
Manutenção Aula 21 vírus e malware
Manutenção Aula 21   vírus e malwareManutenção Aula 21   vírus e malware
Manutenção Aula 21 vírus e malware
 
Aula 20 manutenção preventiva
Aula 20   manutenção preventivaAula 20   manutenção preventiva
Aula 20 manutenção preventiva
 
Manutenção_Aula 18 erros de montagem
Manutenção_Aula 18   erros de montagemManutenção_Aula 18   erros de montagem
Manutenção_Aula 18 erros de montagem
 
Aula 12 dispositivos de impressão e imagem
Aula 12  dispositivos de impressão e imagemAula 12  dispositivos de impressão e imagem
Aula 12 dispositivos de impressão e imagem
 
Aula 06 setup pc
Aula 06   setup pcAula 06   setup pc
Aula 06 setup pc
 
Aula 5 bios
Aula 5 biosAula 5 bios
Aula 5 bios
 
Aula 3 barramentos de placa mae
Aula 3 barramentos de placa maeAula 3 barramentos de placa mae
Aula 3 barramentos de placa mae
 
Aula 02 importância do chipset na escolha
Aula 02   importância do chipset na escolhaAula 02   importância do chipset na escolha
Aula 02 importância do chipset na escolha
 
Aula 01 chipset
Aula 01   chipsetAula 01   chipset
Aula 01 chipset
 
Hardware
HardwareHardware
Hardware
 
Hardware
HardwareHardware
Hardware
 
Marketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digitalMarketing e empreendedorismo digital
Marketing e empreendedorismo digital
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrial
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrial
 
Apostilagestão industrial
Apostilagestão industrialApostilagestão industrial
Apostilagestão industrial
 

Último

ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docxATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoGuilhermeJorgeAragod
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxjosecarlos413721
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docxATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx2m Assessoria
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Daniel Mendes
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx2m Assessoria
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docxATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1- MICROPROCESSADORES E MICROCONTROLADORES - 512024.docx
 
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como CódigoCurso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
Curso de Verão - Aula 03 - Introdução ao CI-CD e Infraestrutura como Código
 
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - PESQUISA OPERACIONAL - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docxATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CONTABILIDADE EMPRESARIAL - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - MATEMÁTICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docxATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
ATIVIDADE 1 - MODELAGEM DE SOFTWARE – 512024.docx
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docxATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TEORIA DAS ESTRUTURAS I - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docxATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - TI - BOAS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA EM TI - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- LÓGICA PARA COMPUTAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docxATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx
ATIVIDADE 1- INFORMÁTICA INDUSTRIAL - 512024.docx
 
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
Power BI: A ferramenta da Microsoft que vem ganhando o mercado.
 
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docxATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - DESENHO TÉCNICO - 512024.docx
 

Aula 09 Dispositivos

  • 1. Aula 09 - Dispositivos de visualização (displays) Professor : MARCOS ELOI BASILIO
  • 2. Conceitos básicos de dispositivos de visualização • Os dispositivos de display são praticamente obrigatórios na montagem de um microcomputador. • Raras exceções podem ocorrer para servidores, ou micros dedicados a • tarefa de controle (industrial, prédio), gerenciados remotamente. • Os principais dispositivos são: • Monitor de cristal líquido (LCD) • Monitores de vídeo (CRT) • Projetores
  • 3. • Existe uma nomenclatura específica para dispositivos de visualização, para que possam ser comparadas as tecnologias e entender • as diversas configurações possíveis. • Seguem as principais definições: • Pixel ("picture element" ou elemento de imagem) - menor partícula de informação de uma imagem, normalmente correspondente a um pequeno quadrado na tela (mas não limitado a quadrados, podendo corresponder a pontos circulares ou ainda pontos difusos • devido a utilização de filtros).
  • 4. • Tela - a interface propriamente dita do dispositivo de visualização. Num monitor de vídeo ou de cristal líquido, corresponde • à tela de vidro onde a imagem é visualizada. Num projetor, corresponde ao anteparo onde a imagem é projetada. • Resolução da imagem – corresponde ao número total de pixels de uma tela em relação à área da tela. Num monitor padrão VGA existem 640x480 pixels, que corresponde a 307.200 pixels. Para efeito de comparação uma TV NTSC (similar ao PAL/M em termos de resolução), a resolução é equivalente a 145.200 pixels. Uma HDTV tem resolução em torno de 2 mega pixels. Notar que a mesma quantidade de pixel num monitor grande evidencia os quadradinhos (pontos), caracterizando uma imagem • de pior qualidade para o usuário. • Por outro lado, uma distância maior da tela reduz este efeito. Portanto, deve ser avaliada a distância do usuário à tela e a dimensão deste para determinar a resolução, em pixels, requerida • pelo sistema. • ▪ Tamanho do monitor - a medida padrão de uma tela é dada pelo comprimento da diagonal desta, e geralmente fornecida em polegadas (1 polegada = 2,54 centímetros).
  • 6. • Medida do tamanho de uma tela ▪ Dot pitch (passo entre pontos) – corresponde à distância entre dois pixels. • Quanto maior a resolução (pixels por área), menor o dot pitch.
  • 7. • Dot pitch • ▪ Curvatura da tela - a curvatura pode ser esférica, adotada pelos monitores • de vídeo CRT, pela facilidade de se obter uma tela com menos distorções • de imagem. Estes monitores evoluíram para as chamadas telas planas, mas que na tecnologia CRT corresponde à tela esférica com raio muito grande, dando a sensação de tela plana. Já os monitores de cristal líquido são sempre telas planas. As telas planas proporcionam um maior conforto visual, menor sensibilidade • a reflexos de luz e aproveitamento um pouco maior da área útil do • monitor.
  • 8. • Proporção(aspect ratio) - diz respeito à proporção entre largura e altura de uma tela. Hoje as telas dos monitores costumam ser 4x3 ou 16x9 (embora • existam alguns monitores com outras proporções variando um pouco em relação a estes). 4x3 é o padrão "histórico", no qual o VGA é baseado (no caso de pixels quadrados). Já o 16x9 também é chamado de wide • screen (tela larga). Já o 16x9 é utilizado pelo XGA (wide XGA) e novos padrões. • ▪ Cores suportadas - significa o número de cores suportadas pelo dispositivo de • display. Muitas vezes são referenciados os números de bits por pixel. Exemplos: • 32 cores = 4bits; 65536 cores = 16 bits. • Padrões de vídeo gráfico – existem vários padrões que definem basicamente • resolução e número de cores suportado. Os principais padrões em uso atualmente são (referência mais completa pode ser obtida em http:// • en.wikipedia.org/wiki/Computer_ display_standard):
  • 9. • VGA - suporta vários modos de vídeo, mas normalmente se refere a 640x480, 4 bits para cores, proporção 4:3. • ▪ SVGA - evolução do VGA, com suporte a 800x600, 4 bits para cores, proporção 4:3. • XGA - evolução do VGA, com suporte a 1024x768, 8/16 bits para cores, proporção 4:3 • WXGA - evolução do XGA, com suporte a 1440x900, widescreen (proporção 16:10 ou 16:9), 32 bits para cores • ▪ SXGA - evolução do XGA, com suporte a 1280x900, 32bits para cores, proporção 5:4 (proporção padrão para grande número de monitores de LCD 17" e 19")
  • 10. • UXGA - standard Truecolor, 1600x1200, 32 bits para cores, proporção 16:10 • ▪ QXGA - 2048x1536, proporção 4:3, 32 bits para cores • ▪ Portas de entrada - portas de entrada de sinal de vídeo. As principais são: • DVI - padrão definido pelo consórcio DDWG (Digital Display Working Group) para envio de dados de vídeo digital não comprimidos para um display, maximizando a qualidade visual para displays • LCD e projetores digitais:
  • 11. • Conector do padrão DVI • ▪ VGA - padrão surgido com o IBM PS/2 e consolidado como o padrão básico para os PCs: Conector do padrão VGA ▪ S-Vídeo (Separated Video) - provê sinal de vídeo analógico, em dois sinais separados (brilho e cor)
  • 12. • Conector do padrão S-Video • ▪ HDMI (High Definition Multimidia Interface) - interface de áudio e vídeo com conector compacto para transmissão de dados não comprimidos Conector do padrão HDMI ▪ Vídeo componente - sinal de vídeo dividido em 3 sinais independentes.
  • 13. • Conector do padrão vídeo componente • ▪ DisplayPort - interface de padrão de vídeo digital patrocinado pela VESA (Vídeo Electronics Standard Association).
  • 14. • Conector do padrão DisplayPort • Monitor de cristal líquido (LCD) • A tecnologia do cristal líquido foi desenvolvida nos laboratórios da RCA por volta de 1960. Antes de chegar aos micros portáteis, já era usada em visores de muitas calculadoras eletrônicas de bolso.
  • 15. • Monitor LCD Princípio de funcionamento • De maneira simplificada, cada pixel de um LCD consiste de uma camada de moléculas alinhadas entre dois eletrodos transparentes • (de óxido de indium/estanho) e dois filtros polarizadores, normalmente um perpendicular em relação ao outro, e uma • superfície reflexiva ao fundo (ou fonte luminosa.
  • 16. • Diagrama de um pixel num LCD • As moléculas do cristal líquido ficam orientadas de forma que a parte da luz incidente no display seja refletida de volta (ou a luz fornecida pela fonte ao fundo atravessa os filtros e a camada de cristal • líquido) sem caracterizar opacidade, ou seja, sem identificar o pixel. Ao se aplicar voltagem nos eletrodos, as moléculas se alinham de forma a resultar numa opacidade progressiva, até o total bloqueio do • reflexo de luz (ou da passagem da luz da fonte de fundo). • No caso do monitor colorido, cada pixel é dividido em 3 subpixels, vermelho, verde e azul, com filtro colorido da respectiva cor • para cada subpixel. • Matriz ativa e passiva
  • 17. • Para fazer com que a energia elétrica chegue a cada pixel, a tela nos monitores de cristal líquido é formada por uma grade de condutores verticais. Nas telas de matriz passiva, os pixels são posicionados nas • intersecções destas linhas, recebendo, diretamente daí, a corrente elétrica. Nas telas de matriz ativa, também chamadas de TFT (thin film transistor) é acrescentado um transistor em cada uma das intersecções, funcionando como um relé. • Quando recebe uma pequena corrente, este transistor "puxa" uma corrente maior para controlar a luminosidade do pixel. • O resultado são cores mais vivas e nítidas na tela.
  • 18. • Para melhorar a qualidade de imagem, vários fabricantes incluíram uma segunda passada de corrente elétrica pelas células de monitores de matriz passiva, como quem reforça o traço de uma escrita à • mão, denominando este novo tipo de dual scan. • Características adicionais de um display LCD • Além das características genéricas para todas as telas, tais como resolução, dot pitch, tamanho e outras, existem algumas • características específicas de um LCD: • Tempo de resposta - tempo necessário para um bit mudar a cor ou brilho de um pixel • ▪ Taxa de refresh - número de vezes por segundo que o monitor "desenha“ a imagem. Uma baixa taxa resulta em sensação de piscar da tela. Taxa de 120Hz é hoje encontrada nos melhores displays de LCD.
  • 19. • Ângulo de visualização - qual o ângulo que um usuário enxerga a imagem na tela. • ▪ Brilho - quanta luz é emitida pelo display • Monitores de vídeo (CRT) • Este é o periférico de saída mais utilizado desde o início dos microcomputadores, sendo, nos últimos anos, sendo substituídos • pelos monitores de cristal líquido. Seu funcionamento é praticamente igual ao de um televisor. Ao se observar a TV de bem • próximo, percebe-se que a imagem não é "lisa", contínua, e sim formada por "pontinhos“ (pixels). Dá para ver também que • estes "pontinhos" estão uniformemente espalhados pela tela. Cada um deles tem sua própria cor, que pode mudar de acordo com os sinais da emissora de TV.
  • 20. • Visto a certa distância, não se percebe os pixels, mas sim uma imagem composta pelos milhares deles presentes. • A sigla CRT significa Cathode Ray Tube - Tubo de raios catódicos. • A imagem da TV • Quantos "pontinhos" (pixels) precisam ter em uma tela de TV para que a imagem pareça "lisa", nítida, quando vista do sofá? • Um televisor PAL-M (analógico) possui 525 linhas verticais, das quais cerca de 330 são de fato aproveitadas. Uma linha contém cerca de 440 pontinhos. Isso resulta aproximadamente 145.200 pixels distribuídos uniformemente numa tela de TV.
  • 21. • Monitores de vídeo para computadores • Vídeo é o dispositivo gerador da imagem. • Monitor é o aparelho como um todo, incluindo alimentação elétrica, controles, as peças externas, etc. • Monitores de vídeo para computadores funcionam de forma semelhante aos aparelhos de TV. A imagem também é formada • pelos pixels (pontinhos). A diferença está nos diferentes padrões de entrada de imagem e na resolução da tela, que não segue o padrão de pixels utilizado para PAL-M.
  • 22. • Tubos de raios catódicos (CRT) • Dentro de um monitor CRT há um tubo de raios catódicos com três canhões de feixes de elétrons.
  • 23. • Monitor CRT • Um tubo de raios catódicos é mais ou menos como um garrafão, daqueles de vinho, só que com a base retangular (que é a tela visível) e um contorno um pouco diferente. • Os tais canhões de feixes de elétrons estão posicionados "na boca", apontados para dentro deste "garrafão" (no esquema acima, a tela está no "fundo" do garrafão). • Estes feixes passam por orifícios de uma placa plana de metal, denominada máscara de sombra. A função desta máscara • é manter os feixes de elétrons alinhados, ou seja, mirando corretamente em cada pixel. • Cada pixel é formado por 3 minipixels de cor vermelho, azul e verde, num material a base de fósforo
  • 24. • . Quando o feixe de elétrons é enviado pelo canhão do CRT, o • material emite luz (na cor desejada). Cada cor básica tem um canhão (total de 3 canhões). • Métodos de varredura de vídeo • O material a base de fósforo tem persistência, mas se apaga naturalmente, que requer que haja novo "bombardeio" de • elétrons para se manter um pixel numa determinada cor. Para que haja uma persistência da imagem e das cores, é necessário • um "reacendimento" do pixel. Issose dá através de varredura de vídeo (movimento do feixe de elétrons enviado pelos canhões em toda a tela). • A varredura pode ser:
  • 25. • Entrelaçada - primeiro são atualizadas as informações de imagem das linhas ímpares seguidas das pares (e assim por diante). Permite que o CRT tenha um custo menor, uma vez que o "piscar“ (flicker), apesar de presente, é minimizado por ter uma linha recém atualizada • a cada linha anteriormente atualizada. • Não entrelaçada - são atualizadas sequencialmente • todas as linhas a cada varredura. Requer circuitos mais • rápidos (e caros) resultando, porém, em melhor qualidade (menor "piscar"/ flicker). • Existem duas definições referentes à frequência • de varredura: • ▪
  • 26. • Frequência vertical - quantas telas por segundo são varridas pelos canhões, não importando se todas as linhas, ou apenas os pares ou as ímpares são varridas. • Frequência horizontal - quantas linhas • por segundo são varridas pelo canhão. • ▪ Monitores de frequência variável • A evolução dos padrões gráficos criou dois grandes problemas para os fabricantes de placas de vídeo: • os diferentes tipos de sinais de cores (digitais e analógicos) de cada padrão; e as diferentes frequências (verticais e▪ • horizontais) de operação.
  • 27. • A solução adotada foi desenvolver monitores que trabalham com mais de uma combinação de frequências vertical e horizontal • e também com comutadores para alternar a geração de imagens por sinais digitais ou analógicos, dependendo do padrão escolhido. • Geralmente, estes tipos de monitor trabalham com faixas de frequência, ou seja, as frequências máximas vertical e horizontal • limitam a resolução máxima da tela. • Projetores de vídeo • O projetor de vídeo é um periférico de saída que projeta a imagem através de um sistema de lentes para um anteparo.
  • 28. • É utilizado em salas de treinamento, salas de reunião. Hoje existem equipamentos pequenos utilizados até em escritório menores para obter uma tela maior que um display convencional. Ainda pode ser • utilizado em "home theater" ou em eventos ao vivo. • Na tecnologia atual, são suportados SVGA(800x600), XGA(1024x768), 1280x720 e 1920x1080, mas espera-se resoluções cada vez maiores em futuro próximo. • O funcionamento de um projetor é baseado num gerador de imagem LCD, forte fonte de luz (que costuma ter custo em torno de 1/3 do valor do equipamento, ou até maior que isso) e um jogo de lentes • à frente para ajustar o tamanho e foco da imagem projetada.
  • 29. • Além da entrada do micro, um Projetor normalmente tem entradas de vídeo para conexão a DVDs ou outras fontes. A seleção do canal de entrada é feita em comandos do próprio projetor
  • 30. • Atividades • 1. Qual é a diferença entre pixel, dot pitch e resolução de uma tela? • 2. Qual o significado da medida em polegadas de um monitor? • 3. Qual é a diferença entre dois monitores de 17", um com aspect ratio (proporção) de 4x3 ou 16x9? • 4. Qual é a diferença de um display LCD de matriz ativa e de matriz passiva? • 5. O que significa o CRT? • 6.Quantos canhões tem um monitor de vídeo CRT colorido? • 7. O que é varredura de tela? • 8.Qual é a diferença entre varredura entrelaçada e não-entrelaçada?