1
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
Fernando de Mello Moser *
Para uma Perspectiva
da Cultura Portuguesa * *
1. N...
2
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
o Mediterrâneo, entre a Europa e a África, como também entre a
Europa e asAmé...
3
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
talvez se possa recordar o dito popular: «Deus fez o branco e o
preto, e o po...
4
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
Portugueza; quazi todos a aprendem, especialmente
aqueles (e he a mayor parte...
5
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
O movimento centrípeto é, evidentemente, uma constante
ao longo da História: ...
6
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
Universidade, cultor da poesia trovadoresca, e que impressionou
Dante a ponto...
7
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
Romantismo, época em que assuntos, temas e motivos
portugueses conheceram lar...
8
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
Se, por outro lado, com o historiador indiano K. M. Panikar,
entendermos que ...
9
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
A terceira idade do Mundo é aquela em que vivemos desde há
algum tempo e corr...
10
Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa
consciência das Raízes portuguesas, independentemente da sua
plena integraçã...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Culturaport

172 visualizações

Publicada em

Cultura Futebol

Publicada em: Esportes
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
172
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Culturaport

  1. 1. 1 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa Fernando de Mello Moser * Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa * * 1. Nas reflexões que se seguem, proponho-me apresentar, sinteticamente, a tentativa de conciliação, interpretativa, de alguns modelos que têm sido aplicados à análise de elementos integrantes da Cultura Portuguesa e a esta no seu conjunto. Para evitar ambiguidades, começo por esclarecer qual o conceito, ou conceitos, de cultura, subjacentes a todas estas reflexões. Cultura será, no presente contexto, a «herança so- cial», como a definem os antropólogos, ou ainda «o conjunto de comportamentos e modos de pensar próprios de uma sociedade» (1 ), ou ainda: «o conjunto de expressões e manifestações de actividade humana, que, em determinado espaço e / ou tempo define, por contraste, uma originalidade» (2 ). De acordo com qualquer das definições citadas, uma cultura existe diacronicamente, processa-se no tempo, sendo herdada, foi, necessariamente transmitida. É um fenómeno dinâmico, um devir, um ser tornando-se. Claro que é sempre possível o estudo sincrónico de uma cultura. Mas esse estudo representará como que um corte transversal, numa determinada fase, do passado, ou da actualidade que passa enquanto está a ser observada. No decurso das minhas reflexões, procurarei situar a Cultura Portuguesa no espaço e no tempo, recordando factos sobejamente conhecidos, mas modificando, talvez, as ênfases; ao fazê-lo, sublinharei aspectos que considero particularmente relevantes no modo de relacionação da Cultura Portuguesa com outras culturas, em diversas fases e momentos, sobretudo pelo que se refere aos dois movimentos, por vezes simultâneos, mas de intensidades diferentes e variáveis, que designarei por movimento centrípeto e movimento centrífugo. 2. A Cultura Portuguesa, propriamente dita, surgiu «onde a terra acaba e o mar começa», num território junto do Atlântico, mas já muito próximo da entrada do Mediterrâneo. A localização e o relevo deram ao habitat da Cultura Portuguesa aquelas três variantes geográficas que Mestre Orlando Ribeiro classificou como de três tipos: o atlântico, o mediterrânico e o continental. Com uma linha de costa muito extensa, relativamente ao perímetro do país que emergiu no século XVI, entre o Atlântico e
  2. 2. 2 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa o Mediterrâneo, entre a Europa e a África, como também entre a Europa e asAméricas por descobrir, na zona temperada do Norte, mas na vizinhança da zona tórrida, o povo português possuía no seu habitat factores propícios ao que, por vezes exageradamente, se tem chamado uma vocação marítima, a par de um condicionalismo que talvez tenha dotado os portugueses de várias épocas com apreciáveis qualidades de adaptação a outras lati- tudes e outros climas, qualidades que influenciaram e provavelmente continuam a influenciar a sua presença e o seu destino no Mundo. Sem perfilhar totalmente as interpretações do eminente antropólogo brasileiro Gilberto Freyre, não posso deixar de considerar sugestivas as suas ideias sobre o valor positivo do habitat português entre os factores que permitiram a nossa adaptação nas Sete Partidas do Mundo. Aliás, a componente mediterrânica, a componente continental e a componente atlântica desempenharam um papel relevante na realização dos Descobrimentos marítimos, já que a uma experiência de navegação mediterrânica se juntaram os conhecimentos reunidos de outras proveniências, nomeadamente a continental, sobre matemática e astronomia, desenvolvidos uma e outros à luz da experiência gradualmente adquirida na exploração do Atlântico. Uma vez lançados à descoberta dos Oceanos e de novas terras, os portugueses iniciaram uma espécie de Diáspora, que jamais parou, muito embora tenham mudado as razões e as condições das suas viagens e da sua emigração, temporária ou definitiva. Foi então que adquiriu novas dimensões o processo de contactos e interpenetração cultural, com a aquisição, permuta e retransmissão de conhecimentos ¯ geográficos, botânicos, zoológicos, etc., ¯ com a aquisição, assimilação e retransmis- são de experiência. Então, a Cultura Portuguesa projectou-se para fora do seu habitat original, umas vezes aculturando, outras vezes sofrendo aculturações, de um modo especial naquelas latitudes, áreas e ambientes em que, mais uma vez segundo Gilberto Freyre, surgiu o fenómeno que ele chamou Luso-Tropicalismo, uma cultura própria do encontro do Português com os Trópicos, com o clima tropical, com a flora e a fauna dessas regiões e com os povos que contactou, com os quais aprendeu, e com os quais se misturou. (Não cabe aqui abordar o problema das causas da miscegenação praticada pelos portugueses, ainda recentemente objecto de um estudo, polémico aliás, de Charles Boxer. Mas
  3. 3. 3 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa talvez se possa recordar o dito popular: «Deus fez o branco e o preto, e o português fez o mulato» ¯ a que Gilberto Freyre acrescentaria com entusiasmo: e sobretudo a mulata!) A Cultura Luso-Tropical começa e parte do Velho Portugal, evoluindo em contacto com as culturas autóctones que encon- trou, adquirindo uma identidade própria e reconhecível nas variantes locais, do Minho e Douro a São Salvador da Bahia, a Olinda, na África como na Índia (e não apenas em Goa), em Macau como, em vestígios maiores ou menores, através de todo o Oriente, incluindo, nomeadamente, Shri Lanka (ou Ceilão) e o Império do Sol Nascente. Sem falar nos Estados jovens de expressão oficial portuguesa, onde a permanência da nossa gente foi mais prolongada, onde continua, em novas condições, a presença de Portugal, dos portugueses, da Cultura Portuguesa atestada por vestígios linguísticos, por recordações históricas, por monumentos, por tradições de amizade e convivência, em áreas consideráveis, pela persistência dos efeitos de uma evangelização que teve profundas implicações culturais ¯ como no Brasil e em Goa, por exemplo. Ao transferir-se do seu habitat europeu, atlântico- mediterrânico, a Cultura Portuguesa não só acompanhou o processo histórico português dando «novos mundos ao Mundo», mas tornou-se, ela própria, um fenómeno de significado mundial, à escala mundial. Neste contexto, é interessante recordar o papel desempenhado pela língua portuguesa como língua franca, sobretudo no Oriente. A propósito, permito-me citar um passo da advertência ao Leitor, da Gramática Ingleza, de Carlos Bernardo da Silva Teles de Menezes, impressa em Lisboa em 1762. Aí se lê que: «A Lingua Ingleza, que até os fins do século passado era não somente desconhecida dos estrangeiros, mas desprezada dos seus próprios naturaes, se acha oje tão polida, e tão abundante por benefício dos grandes Autores que nella tem effeito desde o principio do século presente, que merece ser entendida de todos, para se utilizarem dos excelentes originaes que nela se achão impressos.» E mais adiante, o ponto que mais nos interessa, ressalvado algum exagêro: «[Os Inglezes] tem differentes gramáticas da língua
  4. 4. 4 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa Portugueza; quazi todos a aprendem, especialmente aqueles (e he a mayor parte da nação) que se aplicam ao commercio.» Talvez venha a propósito recordar que, aproximadamente por esta altura, Os Lusíadas era exaltado em Inglaterra como epopeia da criação do comércio mundial, por poetas, intelectuais e pelo próprio tradutor William Julius Mickle, que empreendeu a tradução, em parte, com o objectivo de conseguir um bom emprego na East India Company! 3. Por motivos de ordem geográfica, ou histórica, ou de ambas, algumas culturas são mais abertas, mais permeáveis, que outras. Além disso, poderão alternar, em alguns casos, fases de abertura e fases de fechamento ¯ o que é flagrante, por exemplo, se atentarmos na característica insularidade da cultura inglesa, interrompida temporariamente em determinadas circunstâncias, com consequências notáveis. Enquanto «fechada», uma cultura pode, não obstante, estar inserida num contexto cultural mais vasto e, nesse caso, constituirá uma subcultura relativamente a esse mesmo contexto mais vasto, que constituirá uma supercultura. Esta terminologia, desenvolvida por Philip Bagby (3 ) permite-nos considerar a Cultura Portuguesa nos seus dois aspectos fundamentais: como subcultura da cultura europeia ocidental, e como supercultura englobante e integrante, projectada para o Mundo recém- descoberto, para as áreas que Gilberto Freyre designou, em título de livro, como «O Mundo que o Português Criou». A situação que o referido antropólogo e sociólogo brasileiro estudou encontra-se hoje, sob numerosos aspectos, claramente ultrapassada, mas a presença da Cultura Portuguesa como fac- tor e componente de culturas, que possuem um vigor próprio indiscutível, é um facto, que o estreitamento das relações com o mundo de expressão oficial portuguesa testemunha, cimenta e consolida. Enquanto cultura, com identidade, capaz de assimilar inovações trazidas através dos contactos, em especial com as culturas mais próximas ou afins, particularmente aquelas que se inserem na mesma supercultura, a Cultura Portuguesa desenvolveu a força que chamarei centrípeta, ao passo que no movimento de projecção a distância, acompanhando a Diáspora dos portugueses, ela tem desenvolvido, e pode / deve continuar a desenvolver uma força centrífuga.
  5. 5. 5 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa O movimento centrípeto é, evidentemente, uma constante ao longo da História: se e quando cessasse por completo, a própria cultura, como identidade evolutiva, chegaria ao fim. O movimento centrífugo, pelo contrário, é particularmente óbvio em determinados momentos da História, e a ele se prende, em certa medida, o próprio futuro da Cultura e da Língua Portuguesas no Mundo. Até aqui, insisti sobretudo nos resultados da projecção portuguesa no Mundo, que resultaram dos Descobrimentos Marítimos, pondo ênfase na Cultura Portuguesa como supercultura, e como veiculadora, intermediária de aculturações, numa dimensão mundial, no desenvolvimento da força centrífuga. Por esse facto incorri, de certo modo, numa inversão cronológica, que agora me proponho remediar, transferindo a nossa atenção para a Cultura Portuguesa como subcultura da Cultura Europeia Ocidental, pelo menos por algum tempo. Aliás, enquanto Estado, Portugal regressou ao espaço do velho habitat, com as Ilhas Atlânticas. Mas o Mundo sofreu, no decurso destes séculos, profundas transformações, a que os portugueses não foram alheios, e que importa considerar mais adiante, relativamente às «idades» da História, numa visão actualizada. 4. Enquanto subcultura da Cultura Europeia Ocidental, a Cultura Portuguesa despontou inserida numa vasta movimentação sócio-cultural, na transição do chamado período monástico para o período cavalheiresco, muito próximo, no tempo, da chamada Renascença do Século XII, que entre as suas manifestações inclui, precisamente, a ascensão das línguas e literaturas românicas, o aparecimento do estilo gótico, a cultura provençal, enfim, um conjunto de manifestações / expressões de actividade humana, que entre nós se afirmam mais nitidamente no século XIII. Dos substratos culturais, além dos comuns a toda a área românica, poderão talvez salientar-se o visigótico, o árabe e os núcleos de originalidade espalhados pela faixa costeira. Nesse mesmo século XIII, três portugueses se notabilizarão a nível internacional, com raro e prolongado prestígio: Santo António de Lisboa, autêntico pioneiro da vocação missionária e universal dos portugueses; Pedro Hispano Portucalense, filósofo e médico, cujas obras foram lidas e consultadas durante alguns séculos, e que já dá lugar de relevo à observação e à experiência; finalmente, o rei D. Dinis, que o povo cognominou de Lavrador, por uma das tónicas da sua acção governativa, fundador da
  6. 6. 6 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa Universidade, cultor da poesia trovadoresca, e que impressionou Dante a ponto de o ter colocado no Paraíso. Não é possível, evidentemente, numa breve apresentação como esta, historiar todas as grandes relações internacionais da Cultura Portuguesa como subcultura da Cultura Europeia Ocidental, aliás, ainda insuficientemente estudadas ou esclarecidas em muitos pormenores. Só o período final da Idade Média nos daria um material vastíssimo, dadas as implicações culturais de factos de natureza política, militar, diplomática e, evidentemente, económica. Assim, por exemplo, haveria que referir as relações entre Portugal e a Inglaterra durante a Guerra de Sucessão de Castela, com o Tratado de Tagilde e o início da Aliança mais antiga do Mundo: haveria que recordar a inserção da crise de 1383-85 no contexto da Guerra dos Cem Anos, e no do Grande Cisma do Ocidente, ou ainda no das revoltas populares que sacudiram a Europa na fase final do feudalismo. Por outro lado, está ainda por esclarecer, no pormenor, o alcance das consequências do casamento de D. João I com D. Filipa de Lancastre. Mais conhecidas são as relações com a Flandres, em torno do casamento de Isabel de Portugal com o Duque Filipe- o-Bom, a que não faltou a viagem a Portugal de Jean van Eyck; enfim, as relações de Portugal com a Hansa os interesses dos financeiros europeus nomeadamente os Fugger, no desenvolvimento dos Descobrimentos, as relações com a feitoria da Flandres, que também tiveram aspectos culturais, por exemplo, através da amizade entre o rico comerciante português Rodrigo Fernandes e Albrecht Dürer; a introdução da Imprensa; finalmente a gradual introdução do Renascimento em Portugal. Enquanto subcultura da Cultura Europeia Ocidental, a Cultura Portuguesa reflectiu, dando-lhes características próprias, os grandes movimentos ideológicos, intelectuais, literários, artísticos e científicos, adentro de condicionalismos próprios. Assim, por exemplo, das complexas movimentações do movimento da Reforma, foram mais marcados os efeitos da Contra-Reforma; da união política com a Espanha, durante 60 anos, resultaram tanto influências como manifestações de rejeição; movimentos como o Iluminismo e, mais tarde, o Romantismo projectaram-se entre nós com algum atraso, e consequentes distorções ou afastamentos. Ao longo de todo este processo, substratos e elementos ex- tra-europeus nomeadamente através do exotismo, contribuíram para a originalidade da Cultura Portuguesa, projectando-se mesmo, algumas vezes, para outras subculturas do Ocidente Europeu, sobretudo, como seria de esperar durante o
  7. 7. 7 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa Romantismo, época em que assuntos, temas e motivos portugueses conheceram larga popularidade, em diversas línguas. A força centrípeta, trabalhando os elementos inovadores e assimilando-os aos tradicionais, dotou a Cultura Portuguesa de originalidade, que foi investigada, nas manifestações literárias sobretudo, por especialistas que produziram trabalhos muito fecundos. Recordem-se aqui, a título de exemplo, os nomes de Fidelino de Figueiredo, Aubrey Bell, João de Castro Osório, Hernani Cidade, Orlando Ribeiro, Jorge Dias, Jacinto do Prado Coelho, Maria de Lourdes Belchior ¯ para citar apenas os do nosso século, e incompletamente. Para os seus trabalhos remeto todos os que estiveram verdadeiramente interessados no estudo da Cultura Portuguesa e da Literatura Portuguesa. Quanto à Arte ¯ Pintura, Escultura, Arquitectura e Artes ditas Decorativas (das quais salientaria a do azulejo e a do mobiliário) ¯ coloca problemas específicos, além dos de integração na perspectiva cultural sintética. Recordo aqui os estudos de Reynaldo dos Santos, Santos Simões, Robert Smith, José Augusto França e ainda dos professores Mário Chicó e Jorge Henrique Pais da Silva, que tão bem sabiam transmitir o seu entusiasmo pelo objecto estudado. Relativamente à Arte, não quero deixar de salientar um ponto, muito importante no contexto da perspectiva que procuro aqui apresentar-vos: se é certo que aArte Manuelina está intimamente ligada aos Descobrimentos, é a Arte Barroca aquela que assinala verdadeiramente a presença portuguesa nas áreas Luso- Tropicais, o que equivale a dizer, na projecção mundial da Cultura Portuguesa. De certo modo, o Manuelino representa a força centrípeta, enquanto o Barroco representa a força centrífuga. 5. Resta-me apontar o significado da participação da Cultura Portuguesa a par do papel sócio-económico-político da expansão portuguesa, na passagem de uma grande «Idade» da História para outra, e isto segundo mais de um critério. Consideremos, em primeiro lugar, com um grupo de historiadores anglo-saxónicos (a partir de uma sugestão do comentador político W. Lipmann) que o Mundo conheceu uma fase Mediterrânica (do Egipto, da Grécia, de Roma), depois uma fase europeia, à qual se seguiu uma fase atlântica. E desde logo evidente que a passagem da fase europeia para a fase atlântica arrancou graças aos povos da Península Ibérica, nomeadamente, o Povo Português.
  8. 8. 8 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa Se, por outro lado, com o historiador indiano K. M. Panikar, entendermos que os períodos da História devem ser revistos, nas suas balizas e designações convencionais e, com ele, que A Idade Moderna começou em 1498 e terminou em 1947 (isto é, que a Idade Moderna foi a Idade de Hegemonia mundial da Europa, iniciada com a chegada de Vasco da Gama à Índia e encerrada, simbolicamente, com a saída da Índia das autoridades britânicas), temos de novo em evidência o papel histórico do Povo Português, num conjunto de factos históricos de profundas implicações culturais. Mas se, com o Professor Orlando Ribeiro, em parte apoiado em Toynbee, a expansão portuguesa ¯ e a correspondente mudança de dimensão da cultura portuguesa ¯ contribuiu para o início de uma Segunda Idade do Mundo, de novo sobressai o significado da participação portuguesa nos destinos do nosso planeta. Em paráfrase livre, vejamos um pouco a que corresponde esta noção das «três idades» do Mundo, ou mais exactamente, «Três Imagens do Mundo», na terminologia de O. Ribeiro, em artigo que data de 1960. Numa primeira idade, as civilizações existiram (nasceram, cresceram, declinaram e muitas vezes extinguiram-se) em círculos relativamente fechados. Uma ou outra conheceu expansão territorial notável, apogeu ou duração mais longa, mas o isolamento no espaço levou, geralmente, à sua extinção, sem deixar linha de continuidade. Um dos grandes factores de isolamento, porque obstáculo limítrofe, foi o Oceano Atlântico. Na segunda idade deu-se a abertura, por «mares nunca de antes navegados» e dando «novos mundos ao Mundo», modificando a própria imagem do Mundo (4 ) e tornando possível, por uma contribuição directa, um repensar do Universo. Daí por diante, isto é, depois de completado o ciclo dos grandes Descobrimentos marítimos portugueses e espanhóis, pôde dizer- se, parafraseando Giordano Bruno, que o Universo se tornou maior (porque infinito) e o Mundo se tornou mais pequeno (porque conhecido, percorrido, atingido nos seus limites, e relativizado). Esta segunda idade é, pois, a da interpenetração gradual de continentes e respectivas culturas. A hegemonia política, económica e cultural ¯ que nem sempre, infelizmente, foi exercida com o devido respeito pelas culturas autóctones ¯ da Europa sobre os povos e nações dos restantes continentes conduziu, no caso português sobretudo, a uma interpenetração, ou aculturação, na qual os portugueses se revelaram com frequência predispostos a aprender da experiência local, a colaborar nos referidos processos de aculturação (Gilberto Freyre).
  9. 9. 9 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa A terceira idade do Mundo é aquela em que vivemos desde há algum tempo e corresponde à Idade Contemporânea, dos conceitos de K. M. Panikar e Geoffrey Barraclough, por exemplo. Aascensão do chamado Terceiro Mundo é apenas um dos grandes aspectos e acontecimentos que assinalam o início desta nova era, marcada pelos desencantos e consequências da História recente, sob a ameaça da auto-destruição da Humanidade, e em que a exploração do espaço exterior nos recorda a exploração dos mares na outra fase de grande mudança. Aparticipação sem precedentes dos jovens na vida política das nações é mais um traço distintivo. O desenvolvimento espectacular dos meios de comunicação so- cial, com a consequente repercussão, ou possibilidade de repercussão, quase instantânea, de acontecimentos locais a nível mundial, é outra característica fundamental do nosso tempo, ligada a uma interpenetração recíproca das culturas mais variadas e mais longínquas entre si. Tendo desempenhado um papel importante, a nível mundial, na passagem da Idade Média para a Idade Moderna recém- terminada (pelo critério aqui seguido), ou da idade «fechada» para a idade da «abertura», Portugal, o seu povo e a sua cultura entram na nova fase com um regresso do Estado português à área de partida, com uma presença bem marcada em diversos pontos do Globo, e com uma Diáspora, motivada por problemas do mercado laboral, que coloca trabalhadores portugueses em diversos países, de vários continentes, dando o seu contributo, cada vez mais apreciado, aliás, para as sociedades em que constituem elementos activos, produtivos, economicamente válidos. 6. Nas circunstâncias actuais, chegou o tempo de o Povo Português repensar a sua cultura, tomar plena consciência dela, das suas forças centrípeta e centrífuga, postas à prova no passado, para, assumindo o passado, criticamente, mas sem complexos, consciencializar a sua identidade profunda e, com ela, construir o futuro. A História da Cultura Portuguesa é, mais do que muitas outras, a história de encontros enriquecedores, à escala universal. Na assimilação de valores, importa que a força centrípeta continue a exercer-se, para a preservação possível e desejável da identidade cultural e das reservas morais daí resultantes. Mas importa manter, ou porventura criar uma força centrífuga ¯ no sentido figurado do presente contexto ¯ que lance para o exterior os valores humanos, de carácter universalista, que tantas vezes demonstrámos. Diversas comunidades de descendentes de portugueses, em várias partes do Mundo, manifestam de modo crescente a sua
  10. 10. 10 Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa consciência das Raízes portuguesas, independentemente da sua plena integração nas sociedades onde encontraram acolhimento. Nas suas melhores expressões, a Cultura Portuguesa afirmou- se no encontro com outras, e não contra as outras.Assim também, a consciência da origem étnico-cultural portuguesa subjacente em qualquer ponto da Terra, tal como o laço cultural que representa a língua portuguesa como língua comum, deverão constituir um elo de solidariedade a nível universal, sem prejuízo das solidariedades locais ou nacionalmente adquiridas. Em jeito de conclusão, gostaria de manifestar a esperança de que um encontro com a Cultura Portuguesa ¯ na sua Arte, na sua Literatura, mas, acima de tudo, no convívio com a nossa gente ¯, sirva para estabelecer, ou fortalecer, laços de compreensão, respeito mútuo e verdadeira amizade, na melhor tradição do Povo Português. * Professor Catedrático da Faculdade de Letras da Universidade Clássica de Lisboa. Presidente do Instituto de Cultura e Língua Portuguesa (ICALP) de 1981 a 1984, ano do seu falecimento. ** Lição inaugural do Curso de Língua e Cultura Portuguesa para estrangeiros, proferida na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, no ano de 1982. Notas (1 ) P. H. Chombart de Lowe, cit. por M. de Lourdes Belchior, H & L II. (2 ) Adaptado de Kleber & Kluckhon. (3 ) Culture and History, Londres, Macmillan, 1958. (4 ) Cf. W. G. L. Randles. Referência MOSER, F. M. - Para uma Perspectiva da Cultura Portuguesa. Revista ICALP, vol. 1, Março de 1985, 23-32.

×