SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Erosão costeira e opções para a proteção do litoral: intervenções e ilusões no litoral de
Ovar
Passaram quase dois anos desde que, em Janeiro e Fevereiro de 2014, uma sequência
extraordinária de tempestades inundou e destruiu várias zonas do litoral ocidental de
Portugal Continental. Vários concelhos do litoral centro e norte do país viram praias
desaparecer quase por completo, estruturas de proteção costeira danificadas,
infraestruturas de apoio ao uso balnear e explorações comerciais destruídas pela força do
mar.
O concelho de Ovar esteve entre os mais afectados, e noticiados também, uma vez
que três dos seus aglomerados urbanos (Esmoriz, Cortegaça e Furadouro) estão
particularmente expostos a tempestades marítimas. Evidência desta exposição são as
variadas obras de defesa costeira construídas no litoral ovarense nas últimas décadas.
Desde esporões ou quebra-mares transversais a paredões ou enrocamentos, passando
por paliçadas ou estacas cravadas e mais recentemente sacos ou tubos de areia em
material geotêxtil. Várias foram as intervenções no litoral ovarense, muitas delas descritas
como inovadoras ou empreendedoras, mas que nunca procuraram responder à principal
causa dos problemas de erosão, a falta de areia. Como amplamente investigado pela
comunidade científica nacional, e confirmado pelo Grupo de Trabalho do Litoral, criado
por iniciativa governamental em Maio de 2014, os problemas de erosão crónica no litoral
ocidental português resultam, em grande parte, da redução drástica do volume de areia
que é transportado pelos rios até ao litoral. Sem “nova” areia a chegar às praias para
substituir a que é naturalmente transportada por ação das ondas e correntes marinhas, o
destino das praias é desparecer.
As praias de Ovar não são exceção a este cenário. Tanto em Esmoriz, como em
Cortegaça, como no Furadouro, existem já secções da frente de mar em que a praia
desapareceu, independentemente de dezenas de milhões de euros investidos em
estruturas de proteção costeira. Nestas zonas resta uma estreita faixa de areia, apenas
acessível em maré baixa e quando o mar está calmo, envolvida por verdadeiras muralhas
de pedra. Estas “muralhas” são o testemunho mais que evidente do fracasso de uma
resposta à erosão costeira que, para proteger a todo o custo edifícios e infraestruturas,
negligenciou as praias que permitem o modo de vida das comunidades piscatórias e que
sustentam a atividade económica nos sectores do turismo e restauração no litoral
ovarense.
O que foi então feito desde o início de 2014 até agora para tentar solucionar ou minimizar
os problemas de erosão costeira em Ovar? Maioritariamente promovidas pela Agência
Portuguesa do Ambiente (APA), mas também por iniciativa da Câmara Municipal de Ovar,
cinco diferentes tipos de intervenção foram realizadas.
O principal tipo de intervenção, tanto pelo investimento como pela extensão de litoral
afectado, foi a recuperação de estruturas de proteção aderente (enrocamentos ou
paredões) promovida pela APA. Em todos os aglomerados urbanos do concelho de Ovar
(Esmoriz, Cortegaça e Furadouro) foram realizadas obras de recuperação de
enrocamentos, uma vez que em alguns sectores as estruturas estavam já parcialmente
desmoronadas, ou apresentavam elevada probabilidade de desmoronamento. Em alguns
casos foi efectuado o aumento da cota de coronamento, ou seja, aumento da altura do
topo da estrutura, numa tentativa de impedir ou minimizar a ocorrência de eventos em que
o mar galga os paredões. Para além da recuperação dos enrocamentos já existentes
nestas três localidades, foi ainda construído um novo enrocamento em Cortegaça, com o
objectivo de proteger o Parque de Campismo de Cortegaça. Contudo, pouco mais de um
ano após a construção desta nova estrutura, são já evidentes os sinais de colapso
(figura 1).
Figura 1 - Secção terminal do novo enrocamento em frente ao Parque de Campismo de
Cortegaça – colapso da estrutura e erosão acentuada da duna (11/02/2016)
Também por iniciativa da APA foram recuperados vários esporões, ou quebra-mares
transversais, existentes no concelho de Ovar. Tal como no caso dos enrocamentos, estas
intervenções visaram a manutenção das estruturas que se encontravam debilitadas à já
vários anos, e por isso mesmo estavam incluídas nos planos de intervenção do ministério
que tutela o Ambiente desde 2007.
Por iniciativa da Câmara Municipal de Ovar e aproveitando as obras em curso no esporão
de Cortegaça, foi também construída uma pequena estrutura paralela à praia entre o
esporão e o enrocamento a norte. Esta estrutura, apenas visível em maré baixa, tinha
como objectivo promover a acumulação de areia neste sector e, como tal, foi designada
como “armadilha de sedimentos”. Contudo, a armadilha de sedimentos não teve os
resultados esperados e a zona em questão continua a sofrer de um défice crónico
de areia, comprovado pelo facto de continuar a ser necessário proceder à colocação
artificial de areia neste sector.
Em articulação com empresas locais e com autorização da APA, a Câmara Municipal de
Ovar promoveu a instalação experimental de geotêxteis, sob a forma de dois tubos de
grandes dimensões, preenchidos com areia. Estes tubos foram colocados na praia
imediatamente a norte do esporão entre Cortegaça e a Praia de São Pedro de Maceda.
Este projeto experimental tinha como objectivo principal avaliar o potencial dos tubos de
geotêxtil na promoção da acumulação de areia na zona envolvente aos tubos, assim
como na redução da erosão das dunas. Apesar de não serem ainda conhecidos dados
oficiais da monitorização desta instalação experimental, uma avaliação preliminar indica
que os tubos não tiveram efeitos significativos tanto no aumento da acumulação de
areia como na proteção das dunas. Fotografias recolhidas imediatamente após a
instalação em Dezembro de 2014, em Março de 2015 , e mais recentemente, em
Fevereiro de 2016 (figura 2), demonstram que os tubos se mantêm na mesma posição, o
que seria de esperar considerando a dimensão e peso das estruturas. Contudo, e no que
diz respeito a um aumento da acumulação de areia na sua envolvente, verifica-se que as
estruturas não permitiram alcançar o objectivo pretendido. Na zona da praia onde foram
colocados os tubos, apesar de localizada imediatamente a norte de um esporão e, por
isso mesmo, ser já uma zona de acumulação preferencial de areia, as variações na
quantidade de areia estão dentro daquilo que são as mudanças naturais, com alguma
acumulação no verão e erosão com os temporais de inverno. Nada mais do que isso. De
igual forma, não foi atingido o objectivo de proteção das dunas junto aos tubos, tendo
estas continuado a recuar e perder areia, tal como as dunas na parte da praia que não
estava protegida por estas estruturas. A continuação da erosão da duna é evidente nas
fotografias de Fevereiro de 2016, onde se vê que a areia continua a cair da duna para a
praia e se percebe que as ondas continuam a atingir a duna em maré alta. Fica assim
demonstrado que os tubos de geotêxtil, apesar das expectativas elevadas na promoção
da acumulação de areia e proteção da costa, não conseguiram atingir os objectivos
propostos.
Figura 2 - Tubos de geotêxtil experimentais colocados no litoral de Ovar – fotografias de
Dezembro de 2014, Março de 2015 e Fevereiro de 2016.
O quinto tipo de intervenção realizado no litoral de Ovar, promovido pela APA, foi a
colocação de estacas cravadas na duna da praia de São Pedro de Maceda (figura 3).
Esta intervenção, concluída em Dezembro de 2013 e com um custo total de
aproximadamente 180.000 €, não teve como objectivo responder aos efeitos dos
temporais do início de 2014, pois é anterior aos mesmos. Foi, contudo, efectuada para
avaliar a eficácia da colocação de estacas cravadas na proteção de dunas. Tratou-se
assim de uma estrutura experimental, que imediatamente após instalação foi sujeita aos
impactos excepcionais dos temporais de Janeiro e Fevereiro de 2014. O impacto destes
temporais foi particularmente gravoso, com continuação da erosão e recuo das dunas
levando a que uma parte significativa das estacas tenha sido rapidamente removida por
ação do mar logo nas semanas seguintes à colocação. Passados pouco mais de dois
anos, quase nada resta desta estrutura experimental, tendo a totalidade das estacas
sido removidas pelo mar. A duna da praia de São Pedro de Maceda continua assim a
recuar de forma acelerada, o que demonstra que esta intervenção experimental não
atingiu os resultados pretendidos.
Figura 3 - Estrutura de estacas cravadas na Praia de São Pedro de Maceda – fotografias de 29 de
Dezembro de 2013 (imediatamente após instalação), 7 de Janeiro de 2014 (após os primeiros
temporais) e 11 de Fevereiro de 2016 (atualmente).
Intervenções e ilusões no litoral de Ovar
Dois anos e cinco tipos de intervenções depois. Algumas experimentais, outras pouco
mais que a necessária manutenção periódica de estruturas de proteção costeira. O
resultado final é pouco animador, mas não surpreendente. Num litoral onde o
problema é a falta crónica de areia, intervenções que não sejam direcionadas de forma
mais direta a este problema têm naturalmente um impacto muito reduzido ou inexistente.
É naturalmente importante romper com o ciclo de criação de mais estruturas em pedra. O
litoral de Ovar, bem como de grande parte da costa Ocidental de Portugal, tem já
demasiados esporões e enrocamentos, e os resultados estão à vista. Colapsos e
centenas de milhões de euros para manutenção das estruturas é o que o futuro reserva.
Por outro lado, é necessário avaliar de forma rigorosa a instalação de estruturas
experimentais, pois por mais inovadoras ou revolucionárias que sejam, os seus
resultados efetivos são frequentemente nulos ou irrelevantes. No caso de Ovar, a
criação de uma armadilha de sedimentos e a instalação de tubos de geotêxtil não
produziu os resultados esperados. Não se verificou aumento na acumulação de areia ou
proteção das dunas nas áreas onde foram instaladas estas estruturas experimentais. Por
isso mesmo não faz sentido considerar a instalação em larga escala de estruturas
semelhantes, com gastos de vários milhões de euros, e sem quaisquer garantias de que
estas estruturas protejam de forma efetiva o litoral. No mesmo sentido, a colocação de
estacas para tentar travar o recuo das dunas demonstrou ter resultados muito pouco
relevantes para o investimento realizado.
Tal como propõe o Grupo de Trabalho do Litoral é necessário mudar de paradigma na
gestão e proteção da costa. O que falta é areia e algum bom senso. No primeiro caso
vai ser preciso investir vários milhões de euros de forma sustentada ao longo do tempo,
no segundo caso vai ser preciso que as autoridades locais, regionais e nacionais, bem
como as populações, pensem no litoral como um espaço dinâmico e não como uma
fronteira rígida.
Carlos Loureiro
Geógrafo. Investigador Marie Skłodowska-Curie

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasIlda Bicacro
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosIlda Bicacro
 
Pois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónPois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónHelena Coutinho
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsIlda Bicacro
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Ilda Bicacro
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdfCludiaMelo29
 
A posição de Portugal
A posição de PortugalA posição de Portugal
A posição de PortugalIdalina Leite
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatóriaIlda Bicacro
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informaisIsabel Moura
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosRaffaella Ergün
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solarCatarina Castro
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarRaffaella Ergün
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansãoIdalina Leite
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. iameliapadrao
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasRicardoFilipe95
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)FranciscoSilva772
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerHelena Coutinho
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Ilda Bicacro
 

Mais procurados (20)

A Agricultura
A AgriculturaA Agricultura
A Agricultura
 
As disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricasAs disponibilidades hídricas
As disponibilidades hídricas
 
Principais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficosPrincipais problemas e soluções sociodemográficos
Principais problemas e soluções sociodemográficos
 
Pois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simónPois nossas madres van a san simón
Pois nossas madres van a san simón
 
Especificidade do clima português
Especificidade do clima portuguêsEspecificidade do clima português
Especificidade do clima português
 
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
Gestão e valorização do litoral e do espaço marítimo (1)
 
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
«Saga», Sophia de Mello Breyner Andresen.pdf
 
A posição de Portugal
A posição de PortugalA posição de Portugal
A posição de Portugal
 
Atividade piscatória
Atividade piscatóriaAtividade piscatória
Atividade piscatória
 
Listas das falácias informais
Listas das falácias informaisListas das falácias informais
Listas das falácias informais
 
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos MarítimosGeografia A 10 ano - Recursos Marítimos
Geografia A 10 ano - Recursos Marítimos
 
Valorização da radiação solar
Valorização da radiação solarValorização da radiação solar
Valorização da radiação solar
 
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação SolarGeografia A 10 ano - Radiação Solar
Geografia A 10 ano - Radiação Solar
 
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
9ºano: Cidades, critérios de definição e formas de expansão
 
Sermão aos peixes cap. i
Sermão aos peixes   cap. iSermão aos peixes   cap. i
Sermão aos peixes cap. i
 
A saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturasA saturação das infra estruturas
A saturação das infra estruturas
 
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
Orações subordinadas (substantiva relativa e adjetiva relativa)
 
Frei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, sínteseFrei Luís de Sousa, síntese
Frei Luís de Sousa, síntese
 
Cantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizerCantigas de escárnio e maldizer
Cantigas de escárnio e maldizer
 
Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)Potencialidades do litoral (1)
Potencialidades do litoral (1)
 

Semelhante a Proteção do litoral de Ovar: intervenções com pouco impacto devido à falta de areia

Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...Marco Lyra
 
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...Marco Lyra
 
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanal
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanalRt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanal
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanalEvandro Lira
 
Erosao Vagueira Patricia Tania Mariana
Erosao Vagueira Patricia Tania MarianaErosao Vagueira Patricia Tania Mariana
Erosao Vagueira Patricia Tania Marianaaritovi
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinho
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara MarinhoWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinho
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinhoportodeaveiro
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiraskatheerine
 
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRANota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRAMarco Lyra
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Secretaria Planejamento SC
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPACláudio Carneiro
 
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...Marco Lyra
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteMaria Paredes
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralJoão Palmeiro
 

Semelhante a Proteção do litoral de Ovar: intervenções com pouco impacto devido à falta de areia (20)

Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...
PROTEÇÃO COSTEIRA COM O USO DO DISSIPADOR DE ENERGIA BAGWALL NA PRAIA DE PAU ...
 
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...
Uso de estrutura rígida do tipo bagwall para controle da erosão costeira na p...
 
Erosão do Mar Aveiro
Erosão do Mar AveiroErosão do Mar Aveiro
Erosão do Mar Aveiro
 
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanal
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanalRt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanal
Rt 28 13 peixe mero boto cinza e pesca artesanal
 
Erosao Vagueira Patricia Tania Mariana
Erosao Vagueira Patricia Tania MarianaErosao Vagueira Patricia Tania Mariana
Erosao Vagueira Patricia Tania Mariana
 
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinho
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara MarinhoWORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinho
WORKSHOP “GESTÃO DE DRAGAGENS” – Bárbara Marinho
 
Destruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas CosteirasDestruição das Áreas Costeiras
Destruição das Áreas Costeiras
 
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRANota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
Nota técnica | CONTENSÃO DE EROSÃO COSTEIRA
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
Geologia da ilha de santa catarina - 26/06/2012
 
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPAVIVER COM A EROSÃO  COSTEIRA  NA EUROPA
VIVER COM A EROSÃO COSTEIRA NA EUROPA
 
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...
Construção do Dissipador de Energia do Tipo Barra Mar Bagwall com extensão de...
 
Mapa Risco - Erosão Costeira 2017
Mapa Risco - Erosão Costeira 2017Mapa Risco - Erosão Costeira 2017
Mapa Risco - Erosão Costeira 2017
 
Trabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norteTrabalho: Visita ao litoral norte
Trabalho: Visita ao litoral norte
 
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoralZonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
Zonas costeiras – ocupação antrópica da faixa litoral
 
Termo referencia
Termo referenciaTermo referencia
Termo referencia
 

Mais de Marco Lyra

Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMedida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMarco Lyra
 
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Marco Lyra
 
11 silusba programa-final
11 silusba programa-final11 silusba programa-final
11 silusba programa-finalMarco Lyra
 
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteErosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteMarco Lyra
 
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASEROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASMarco Lyra
 
Ocma2958 proof
Ocma2958 proofOcma2958 proof
Ocma2958 proofMarco Lyra
 
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.Marco Lyra
 
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaGestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaMarco Lyra
 
Dissipador de Energia - Bagwall
Dissipador de Energia - BagwallDissipador de Energia - Bagwall
Dissipador de Energia - BagwallMarco Lyra
 

Mais de Marco Lyra (9)

Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo BrancoMedida Cautelar Barreira Cabo Branco
Medida Cautelar Barreira Cabo Branco
 
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
Recuperação de Praias com o uso do Dissipador de Energia Bagwall no Litoral d...
 
11 silusba programa-final
11 silusba programa-final11 silusba programa-final
11 silusba programa-final
 
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do NorteErosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
Erosão costeira nas falésias Tibau do Sul – litoral leste do Rio Grande do Norte
 
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOASEROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO | ALAGOAS
 
Ocma2958 proof
Ocma2958 proofOcma2958 proof
Ocma2958 proof
 
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
A Gestão Costeira no Brasil e os dez anos do Projeto Orla.
 
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a NaturezaGestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
Gestão Costeira: resultado de uma relação dúbia entre o Homem e a Natureza
 
Dissipador de Energia - Bagwall
Dissipador de Energia - BagwallDissipador de Energia - Bagwall
Dissipador de Energia - Bagwall
 

Último

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 

Último (7)

AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 

Proteção do litoral de Ovar: intervenções com pouco impacto devido à falta de areia

  • 1. Erosão costeira e opções para a proteção do litoral: intervenções e ilusões no litoral de Ovar Passaram quase dois anos desde que, em Janeiro e Fevereiro de 2014, uma sequência extraordinária de tempestades inundou e destruiu várias zonas do litoral ocidental de Portugal Continental. Vários concelhos do litoral centro e norte do país viram praias desaparecer quase por completo, estruturas de proteção costeira danificadas, infraestruturas de apoio ao uso balnear e explorações comerciais destruídas pela força do mar. O concelho de Ovar esteve entre os mais afectados, e noticiados também, uma vez que três dos seus aglomerados urbanos (Esmoriz, Cortegaça e Furadouro) estão particularmente expostos a tempestades marítimas. Evidência desta exposição são as variadas obras de defesa costeira construídas no litoral ovarense nas últimas décadas. Desde esporões ou quebra-mares transversais a paredões ou enrocamentos, passando por paliçadas ou estacas cravadas e mais recentemente sacos ou tubos de areia em material geotêxtil. Várias foram as intervenções no litoral ovarense, muitas delas descritas como inovadoras ou empreendedoras, mas que nunca procuraram responder à principal causa dos problemas de erosão, a falta de areia. Como amplamente investigado pela comunidade científica nacional, e confirmado pelo Grupo de Trabalho do Litoral, criado por iniciativa governamental em Maio de 2014, os problemas de erosão crónica no litoral ocidental português resultam, em grande parte, da redução drástica do volume de areia que é transportado pelos rios até ao litoral. Sem “nova” areia a chegar às praias para substituir a que é naturalmente transportada por ação das ondas e correntes marinhas, o destino das praias é desparecer. As praias de Ovar não são exceção a este cenário. Tanto em Esmoriz, como em Cortegaça, como no Furadouro, existem já secções da frente de mar em que a praia desapareceu, independentemente de dezenas de milhões de euros investidos em estruturas de proteção costeira. Nestas zonas resta uma estreita faixa de areia, apenas acessível em maré baixa e quando o mar está calmo, envolvida por verdadeiras muralhas de pedra. Estas “muralhas” são o testemunho mais que evidente do fracasso de uma resposta à erosão costeira que, para proteger a todo o custo edifícios e infraestruturas, negligenciou as praias que permitem o modo de vida das comunidades piscatórias e que sustentam a atividade económica nos sectores do turismo e restauração no litoral ovarense.
  • 2. O que foi então feito desde o início de 2014 até agora para tentar solucionar ou minimizar os problemas de erosão costeira em Ovar? Maioritariamente promovidas pela Agência Portuguesa do Ambiente (APA), mas também por iniciativa da Câmara Municipal de Ovar, cinco diferentes tipos de intervenção foram realizadas. O principal tipo de intervenção, tanto pelo investimento como pela extensão de litoral afectado, foi a recuperação de estruturas de proteção aderente (enrocamentos ou paredões) promovida pela APA. Em todos os aglomerados urbanos do concelho de Ovar (Esmoriz, Cortegaça e Furadouro) foram realizadas obras de recuperação de enrocamentos, uma vez que em alguns sectores as estruturas estavam já parcialmente desmoronadas, ou apresentavam elevada probabilidade de desmoronamento. Em alguns casos foi efectuado o aumento da cota de coronamento, ou seja, aumento da altura do topo da estrutura, numa tentativa de impedir ou minimizar a ocorrência de eventos em que o mar galga os paredões. Para além da recuperação dos enrocamentos já existentes nestas três localidades, foi ainda construído um novo enrocamento em Cortegaça, com o objectivo de proteger o Parque de Campismo de Cortegaça. Contudo, pouco mais de um ano após a construção desta nova estrutura, são já evidentes os sinais de colapso (figura 1). Figura 1 - Secção terminal do novo enrocamento em frente ao Parque de Campismo de Cortegaça – colapso da estrutura e erosão acentuada da duna (11/02/2016)
  • 3. Também por iniciativa da APA foram recuperados vários esporões, ou quebra-mares transversais, existentes no concelho de Ovar. Tal como no caso dos enrocamentos, estas intervenções visaram a manutenção das estruturas que se encontravam debilitadas à já vários anos, e por isso mesmo estavam incluídas nos planos de intervenção do ministério que tutela o Ambiente desde 2007. Por iniciativa da Câmara Municipal de Ovar e aproveitando as obras em curso no esporão de Cortegaça, foi também construída uma pequena estrutura paralela à praia entre o esporão e o enrocamento a norte. Esta estrutura, apenas visível em maré baixa, tinha como objectivo promover a acumulação de areia neste sector e, como tal, foi designada como “armadilha de sedimentos”. Contudo, a armadilha de sedimentos não teve os resultados esperados e a zona em questão continua a sofrer de um défice crónico de areia, comprovado pelo facto de continuar a ser necessário proceder à colocação artificial de areia neste sector. Em articulação com empresas locais e com autorização da APA, a Câmara Municipal de Ovar promoveu a instalação experimental de geotêxteis, sob a forma de dois tubos de grandes dimensões, preenchidos com areia. Estes tubos foram colocados na praia imediatamente a norte do esporão entre Cortegaça e a Praia de São Pedro de Maceda. Este projeto experimental tinha como objectivo principal avaliar o potencial dos tubos de geotêxtil na promoção da acumulação de areia na zona envolvente aos tubos, assim como na redução da erosão das dunas. Apesar de não serem ainda conhecidos dados oficiais da monitorização desta instalação experimental, uma avaliação preliminar indica que os tubos não tiveram efeitos significativos tanto no aumento da acumulação de areia como na proteção das dunas. Fotografias recolhidas imediatamente após a instalação em Dezembro de 2014, em Março de 2015 , e mais recentemente, em Fevereiro de 2016 (figura 2), demonstram que os tubos se mantêm na mesma posição, o que seria de esperar considerando a dimensão e peso das estruturas. Contudo, e no que diz respeito a um aumento da acumulação de areia na sua envolvente, verifica-se que as estruturas não permitiram alcançar o objectivo pretendido. Na zona da praia onde foram colocados os tubos, apesar de localizada imediatamente a norte de um esporão e, por isso mesmo, ser já uma zona de acumulação preferencial de areia, as variações na quantidade de areia estão dentro daquilo que são as mudanças naturais, com alguma acumulação no verão e erosão com os temporais de inverno. Nada mais do que isso. De igual forma, não foi atingido o objectivo de proteção das dunas junto aos tubos, tendo estas continuado a recuar e perder areia, tal como as dunas na parte da praia que não
  • 4. estava protegida por estas estruturas. A continuação da erosão da duna é evidente nas fotografias de Fevereiro de 2016, onde se vê que a areia continua a cair da duna para a praia e se percebe que as ondas continuam a atingir a duna em maré alta. Fica assim demonstrado que os tubos de geotêxtil, apesar das expectativas elevadas na promoção da acumulação de areia e proteção da costa, não conseguiram atingir os objectivos propostos. Figura 2 - Tubos de geotêxtil experimentais colocados no litoral de Ovar – fotografias de Dezembro de 2014, Março de 2015 e Fevereiro de 2016.
  • 5. O quinto tipo de intervenção realizado no litoral de Ovar, promovido pela APA, foi a colocação de estacas cravadas na duna da praia de São Pedro de Maceda (figura 3). Esta intervenção, concluída em Dezembro de 2013 e com um custo total de aproximadamente 180.000 €, não teve como objectivo responder aos efeitos dos temporais do início de 2014, pois é anterior aos mesmos. Foi, contudo, efectuada para avaliar a eficácia da colocação de estacas cravadas na proteção de dunas. Tratou-se assim de uma estrutura experimental, que imediatamente após instalação foi sujeita aos impactos excepcionais dos temporais de Janeiro e Fevereiro de 2014. O impacto destes temporais foi particularmente gravoso, com continuação da erosão e recuo das dunas levando a que uma parte significativa das estacas tenha sido rapidamente removida por ação do mar logo nas semanas seguintes à colocação. Passados pouco mais de dois anos, quase nada resta desta estrutura experimental, tendo a totalidade das estacas sido removidas pelo mar. A duna da praia de São Pedro de Maceda continua assim a recuar de forma acelerada, o que demonstra que esta intervenção experimental não atingiu os resultados pretendidos. Figura 3 - Estrutura de estacas cravadas na Praia de São Pedro de Maceda – fotografias de 29 de Dezembro de 2013 (imediatamente após instalação), 7 de Janeiro de 2014 (após os primeiros temporais) e 11 de Fevereiro de 2016 (atualmente). Intervenções e ilusões no litoral de Ovar
  • 6. Dois anos e cinco tipos de intervenções depois. Algumas experimentais, outras pouco mais que a necessária manutenção periódica de estruturas de proteção costeira. O resultado final é pouco animador, mas não surpreendente. Num litoral onde o problema é a falta crónica de areia, intervenções que não sejam direcionadas de forma mais direta a este problema têm naturalmente um impacto muito reduzido ou inexistente. É naturalmente importante romper com o ciclo de criação de mais estruturas em pedra. O litoral de Ovar, bem como de grande parte da costa Ocidental de Portugal, tem já demasiados esporões e enrocamentos, e os resultados estão à vista. Colapsos e centenas de milhões de euros para manutenção das estruturas é o que o futuro reserva. Por outro lado, é necessário avaliar de forma rigorosa a instalação de estruturas experimentais, pois por mais inovadoras ou revolucionárias que sejam, os seus resultados efetivos são frequentemente nulos ou irrelevantes. No caso de Ovar, a criação de uma armadilha de sedimentos e a instalação de tubos de geotêxtil não produziu os resultados esperados. Não se verificou aumento na acumulação de areia ou proteção das dunas nas áreas onde foram instaladas estas estruturas experimentais. Por isso mesmo não faz sentido considerar a instalação em larga escala de estruturas semelhantes, com gastos de vários milhões de euros, e sem quaisquer garantias de que estas estruturas protejam de forma efetiva o litoral. No mesmo sentido, a colocação de estacas para tentar travar o recuo das dunas demonstrou ter resultados muito pouco relevantes para o investimento realizado. Tal como propõe o Grupo de Trabalho do Litoral é necessário mudar de paradigma na gestão e proteção da costa. O que falta é areia e algum bom senso. No primeiro caso vai ser preciso investir vários milhões de euros de forma sustentada ao longo do tempo, no segundo caso vai ser preciso que as autoridades locais, regionais e nacionais, bem como as populações, pensem no litoral como um espaço dinâmico e não como uma fronteira rígida. Carlos Loureiro Geógrafo. Investigador Marie Skłodowska-Curie