Unopar metodologia c.

166 visualizações

Publicada em

trabalho crack

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unopar metodologia c.

  1. 1. 1 UNOPAR Universidade Norte do Paraná
  2. 2. 2 Oghislayne Corrêa Mota Uso do crack: Um problema social restrito às metrópoles? Trabalho apresentado para avaliação na disciplina de metodologia científica, antropologia, formação social, política econômica do Brasil, acumulação capitalista e desigualdade social. do curso de serviço social, da Universidade Norte do Paraná, ministrado pelo professores: Clarice da Luz, Mariana de Oliveira, Gleiton Lima, Rosane Aparecida, supervisionado pela tutora: Kleila Cristina Coutinho da Silva.
  3. 3. 3 Macapá 2015 SUMÁRIO 1 RESUMO.........................................................................................................4 2 INTRODUÇÃO.................................................................................................5 3 DESENVOLVIMENTO......................................................................................6 3.1 DESENVOLVIMENTO...................................................................................7 4 CONCLUSÃO...................................................................................................8 5 REFERÊNCIA.................................................................................................9
  4. 4. 4 1 Resumo Este artigo apresenta o resultado da pesquisa que teve como temática “O uso do Crack, um problema social restrito às metrópoles?” Objetivou identificar quais as expressões da questão social que desencadeiam a grande demanda de usuários de crack e em segundo momento analisar como ocorre o trabalho em rede entre as diferentes políticas públicas. Utilizou-se como procedimentos metodológicos a pesquisa qualitativa, ancorada no método crítico dialético. Mas essa falta de estatística é uma realidade nacional, ademais essa realidade atinge todos os usuários de diferentes classes sociais que possuem tempo ocioso e que os laços de convivência familiar estão rompidos, principalmente com a ausência paterna.
  5. 5. 5 2 INTRODUÇÃO O objetivo desse trabalho é possibilitar a sociedade compreender que o uso do Crack esta presentes em todas as Regiões do Brasil, tantos nos grandes quanto nos pequenos municípios, e que o mesmo representa um grave problema social que precisa ser enfrentado não apenas pelo Poder Público, mais por toda sociedade. Cerca de cinco vezes mais potente que a cocaína, sendo também relativamente mais barata e acessível que outras drogas, o crack tem sido cada vez mais utilizado, e não somente por pessoas de baixo poder aquisitivo, como vem ocorrendo há alguns anos. Ele está, hoje, presente em todas as classes sociais e em diversas cidades do país. A droga atinge grave e diretamente a saúde física e mental dos usuários. Mais que isso, e de forma muito rápida, debilita laços familiares e relações sociais. Nesta medida, constitui indiscutível fator de aumento das taxas de criminalidade, violência e outros problemas sociais. o assistente social devem abranger ainda o trabalho preventivo, pois a prevenção cria espaços para que os usuários não entrem em situação de risco. Faz-se necessário que o assistente social disponha do seu saber técnico a serviço da população, envolvendo os usuários, as famílias e toda a comunidade em uma mesma perspectiva. No seu campo de atuação o assistente social deve desempenhar seu trabalho com a visão voltada para o ser social, tendo competência de propor mudanças e obter respostas profissionais.
  6. 6. 6 3 DESENVOLVIMENTO Em meados dos anos 80, uma nova droga surgiu. Devido ao seu baixo custo, rápido e intenso, o crack rapidamente ganhou popularidade entre seus usuários, especialmente nas áreas urbanas mais pobres. O uso de crack, no Brasil, vem crescendo de modo avassalador, sendo a maioria de seus usuários do sexo masculino. O problema do crack tem assolado nossas famílias e tem deixado a sociedade em pânico diante do problema e diante das poucas ações que deveriam ser travadas pelo Poder Público em relação ao problema. A situação em questão atinge frontalmente os jovens que ao mergulharem no vício terão em pouco tempo a vida destruída pelos efeitos da droga ou pela violência associada ao tráfico e ao processo de geração de marginalidade ou inclusão no mundo do crime. A constatação imediata de que o problema tem de ser enfrentado pelo Poder Público e pela sociedade é iminente, pois é urgente que sejam tomadas providências fortes que estão relacionadas com a própria estrutura da sociedade. A melhor forma de prevenção contra as drogas é a informação. Esta deve ser clara, objetiva e fundamentada cientificamente. A prevenção passa por toda a sociedade, nelas estão incluídas escolas, famílias, poder público, organizações não governamentais, etc. A luta contra o crack. É um problema de toda a sociedade. Caracterizamos o problema do crack como complexo, pois envolve diversos setores da sociedade, como família, escola e poderes públicos. Um fator importante para o consumo de a droga ter se alastrado por todo o país é a nossa cultura do consumo desenfreado. Neste modo de vida, a felicidade se mede pela quantidade de produtos que uma pessoa consome. Usar uma substância psicoativa é um ato individualista, na busca do prazer. O indivíduo usaria drogas, substituindo o prazer de estar com outras pessoas ou o de estar produzindo algo, por exemplo. Proporciona um prazer rápido e passageiro, em um modo de vida imediatista. O efeito do crack acontece em cinco segundos após o consumo e tem curta duração. O consumo de crack interfere diretamente no aumento da criminalidade e violência. O uso e abuso de substâncias transformou-se em um grave problema de saúde pública em praticamente todos os países do mundo. Está altamente
  7. 7. 7 associado com comportamentos violentos e criminais, como acidentes de trânsito e violência familiar. Os fatos criminosos em todas as partes e em todos os lugares do país, as desagradáveis consequências na área policial, educacional, saúde, social e familiar e o degredo causado pelo crack, comprovam que essa droga trouxe malefícios sem precedências para a nossa sociedade. O crack mata os sonhos das pessoas, aniquila o futuro de tantas outras e aumenta a criminalidade em todo canto que se instala. Em virtude do dependente do crack pertencer em grande maioria à classe pobre ou média da nossa sociedade e assim não dispor de dinheiro para manter o seu vício, então passa ele a prostituir-se em troca da pedra ou de qualquer migalha em dinheiro, a se desfazer de todos os seus pertences e a cometer furtos em casa dos seus pais, dos seus parentes, 3.1 DESENVOLVIMENTO Voltando ao tempo e mais precisamente ao ano de 1903 fica clara a relação que a reforma excludente praticada no início do século passado contribuiu no processo de criação desse cenário, traçadas pelos engenheiros e urbanistas a serviço de Pereira Passos a expansão do grande centro do Rio de janeiro copiando a expansão de Paris. Nesse período inúmeros moradores do Centro receberam ordens de despejo, e seus cortiços foram postos abaixo para a construção de avenidas, praças e novos edifícios. Colocando a classe carente para se alojar em locais de péssimas condições de higiene e moradia, aglomerando-se uns aos outros e limitando ainda mais a socialização geral, favorece ao indivíduo a estimar-se ainda menos, sentir-se excluído e buscar em outros meios a forma de parecer forte e poderoso como nos casos dos morros e sua luta pelo poder local através do tráfico e utilizando-se de meios de violência e terror. Não estamos aqui justificando a violência ou o tráfico de drogas , mas mostrando que por de trás deste cenário existem diversos fatores que colaboraram com tal efeito e a história nos mostra alguns indicadores que nos ajudam a compreender o sistema de coisas e nos leva a refletir sobre as ações e suas consequências em curto e longo período de tempo. As famílias por sua vez sofrem as consequências do uso da droga junto com o usuário e acaba por acentuar ainda mais as dificuldades entre si. O usuário se afasta do círculo familiar e de amizades, passando a isolar-se, isso leva as relações familiares a se fragmentar e se não for alicerçada por coragem e ajuda profissional o viciado pode dar mais espaço as drogas. O apoio incondicional da família no sentido de enfrentar a situação e buscar ajuda médica junto ao usuário são indispensáveis para sua recuperação e reintegração ao meio social. A psicóloga Raquel Barra, da ONG Lua Nova explica que, Em relações frágeis, o uso do crack acaba potencializando a fragilidade e acentuando ainda mais as dificuldades que já existiam”, diz. Portanto as relações familiares vão se prejudicando se não houver um alicerce, pois o usuário muitas vezes quer deixar o vicio, mas no entanto não tem o apoio dos familiares, para um novo recomeço na vida. A família apesar de fragilizada precisa reagir diante da circunstância, não culpar-se, nem esconder-se e enfrentar o problema pois a falta de apoio gera ainda mais fragilidade e impotência e só reforça mais ainda o uso da droga como parte da vida da pessoa. Toda a família necessita de
  8. 8. 8 suporte médico, acompanhamentos de especialistas que ajude a resgatar relações, dar apoio e propiciar vínculos para o tratamento e a reinserção social do usuário. 4 CONCLUSÃO Descobrir coisas novas gera prazer e satisfação principalmente quando este “novo” é algo de teor forte e surpreendente. Assim aconteceu com esta pesquisa, embora confesse que o “novo” traz consigo anseio e às vezes medo e foram neste misturar de sentimentos que nos aprofundamos em diversos textos, livros e pudemos ver o quanto se sofre com o problema das drogas, o quanto não conhecemos a sua realidade e dimensão, o pouco que se faz em torno disto e o muito que pode ser feito por diversos segmentos para nortear a questão em foco. Observar os princípios da história, o mover passado que influenciou a disseminação da classe menos desfavorecida e que o poder público esconde, bem como os problemas que traz consigo. A mesma coisa é o que muitas famílias e até profissionais da saúde o fazem esconder, evitar, rejeitar o problema, os usuários e assim tornar a situação do crack e das demais drogas maior a cada dia. Desenvolver este estudo foi conclusivo para reafirmar que a escolha por este curso foi uma boa escolha e mais que isso a me ater do conhecimento sobre a profunda e chocante realidade social e principalmente quanto ao uso do crack não só em grandes metrópoles, mas em todas as regiões do Brasil e que o mesmo representa um grave problema social que precisa ser enfrentado não só pelo poder público, mas pela sociedade que sofre as consequências na pele e às vezes com a própria vida, pois com o problema está relacionado o alto índice de violência com usuário do crack, homicídios com ligação com o tráfico. É preciso que a sociedade mova-- se para que o governo federal crie e intensifique medidas de combate às drogas.
  9. 9. 9 5 REFERÊNCIA A psicóloga Raquel Barra, da ONG Lua Nova explica que, http://pastoralfamiliarcba.blogspot.com.br/2011/03/efeitoseconsequenciasdo- crack.html Acesso em: 06 mai 2015. A psicoterapeuta familiar Eroy Silva, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), http://www.brasil.gov.br/enfrentandoocrack/efeitose- consequencias/vidasocialefamiliar Acesso em: 06 mai 2015. Chalub & Telles, 2006; Kolling, Silva, Carvalho, Cunha & Kristensen, 2007; Nassif, 2004. Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) B823r Brasil. Presidência da República. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Relatório brasileiro sobre drogas/ Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas; IME USP; organizadores Paulina do Carmo Arruda Vieira Duarte, Vladimir de Andrade Stempliuk e Lúcia Pereira Barroso. Brasília: SENAD, 2009.364p . Guindalini, Vallada, Breen & Laranjeira, 2006; Laranjeira, Rassi, Dunn, Fernandes & Mitsuhiro 2001. Modell et al, (1992) Occhini & Teixeira, 2006. Pesq. [online]. 10.10.2008, O psiquiatra Marcelo Ribeiro Araújo cita em uma entrevista http://www.abead.com.br/entrevistas/exibEntrevista/?cod=32 Acesso em: 06 mai 2015. SCHEFFER,Morgana; PASA, Graciela Gema and ALMEIDA, Rosa Maria Martins de. DEPENDÊNCIA de álcool, cocaína e crack e transtornos psiquiátricos. Psic.: Teor. e Pesq. [online]. 2010, vol.26, n.3, pp. 533541. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sciarttext&pid=S0202- 37722010000300013 Acesso em: 06 mai2015.

×