SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Educação Linguística – PPGLA – UNISINOS
Prof. Dra. Ana Maria Stahl Zilles
Conie Smolinsky
Lisiane Raupp
Raquel Salcedo Gomes
SCHLATTER, M. O ensino de leitura em
língua estrangeira na escola: uma
proposta de letramento. Calidoscópio,
Vol. 7, n. 1, p. 11-23, jan/abr 2009.
Introdução
 Buscar caminhos possíveis para repensar o ensino de LE na escola;
PCNs (EF-1998) e
Orientações
Curriculares do EM
(2006)
Escola deve promover o letramento -
práticas sociais que envolvem a
leitura e a escrita na língua materna e
na LE.
 A aula de LE deve criar condições para o educando engajar-se em
atividades que demandam o uso da língua a partir de temáticas relevantes a
seu contexto;
 O ensino deve visar ao letramento, através de tarefas pedagógicas com
base no gênero do discurso (situações de comunicação com diferentes
propósitos e interlocutores, em determinadas condições de produção e
recepção);
Introdução
 O objetivo da aula de LE é tornar-se um espaço para reflexão, autonomia e
sensibilização do outro na busca por uma compreensão de sua própria
realidade e de uma ampliação de sua participação em práticas sociais onde a
língua estrangeira e as práticas de leitura e escrita são produtos culturais e
simbólicos valorizados.
 O ensino através de textos (como interações dialógicas e situadas) e da
exploração de recursos linguísticos, de modo a terem uma função clara
nessas situações de comunicação, pode se constituir em educação
linguística;
Educação linguística = valorização da
língua como produto cultural e
simbólico
Objetivos de ensino de língua
estrangeira na escola
Educação linguística
Letramento
“[…]estado ou condição de quem
não só sabe ler e escrever, mas
exerce as práticas sociais de leitura
e de escrita que circulam na
sociedade [...], conjugando-as com
as práticas sociais de interação
oral” (Soares, 1999, p. 3)
Objetivos de ensino de língua
estrangeira na escola
Diferentes graus de proficiência:
a) reconhecer a língua estrangeira em um texto escrito ou
oral e não virar as costas a esse texto;
b) compreender textos orais e/ou escritos em língua
estrangeira em determinadas situações comunicativas;
c) interagir (oralmente e/ou por escrito) na língua
estrangeira em diferentes situações comunicativas.
6
Objetivos de ensino de língua
estrangeira na escola
Letramento =
Cidadão plenamente letrado, que recebe na
sua educação linguística em LE, o que
Bourdieu (1998) chama de capital cultural.
Perguntas norteadoras da educação linguística em LE (Garcez,
2008, p. 52):
• Quem sou eu nesse mundo?
• Quais são os limites do meu mundo?
• Quais são as minhas comunidades de atuação?
• Onde está essa língua?
• De quem é essa língua?
• Para que serve essa língua?
• O que é que essa língua tem a ver comigo?
7
Objetivos de ensino de língua
estrangeira na escola
CIDADANIA
INTERDISCIPLINARIDADE,
TRANSDISCIPLINARIDADE E TRANSVERSALIDADE
TEMÁTICAS RELEVANTES PARA A COMUNIDADE
ESCOLAR
8
Objetivos de ensino de língua
estrangeira na escola
O ensino de LE visa a:
ampliar as possibilidades de comunicação do educando para além
de sua comunidade linguística restrita própria e conscientizá-lo da
heterogeneidade contextual, social, cultural e histórica no uso de
qualquer linguagem;
conscientizar o educando de que há diversas maneiras de organizar,
categorizar e expressar a experiência humana e de realizar
interações sociais por meio da linguagem;
desenvolver a sensibilidade linguística do educando para as
características da LE em relação à sua língua materna e em relação
às diversas práticas de uso de uma língua na comunicação cotidiana;
promover, através de experiências bem-sucedidas no uso da LE, a
confiança do educando para lidar com textos em LE (e LM) e
enfrentar os desafios de diversas práticas sociais cotidianas,
adaptando-se, sempre que necessário, a diferentes usos da
linguagem em contextos diversos (OCEM, 2006, p. 92).
O conceito de leitura
Ler é (re) agir criticamente de acordo com a expectativa
criada pelo gênero discursivo.
Atividades
integradas
:
Decodificar – mecânica do texto;
Participar – relação do texto com o
conhecimento prévio;
Usar – (re)agir de acordo com as
expectativas discursivas;
Analisar o texto – ser crítico – inferir ideologias, entrelinhas...
O planejamento de materiais didáticos
para ensino de LE
 Escolha de temas norteadores relevantes e gêneros
discursivos que sirvam aos propósitos do tema;
 Selecionar textos coerentes;
 Decidir habilidades que deverão ser focalizadas;
 Elaborar atividades de uso da língua em diferentes etapas:
• Preparatórias;
• De compreensão;
• De resposta ao texto;
• De resposta aos textos dos alunos;
• Oportunidades para a prática da língua;
• Escolha e produção de materiais autênticos,
contextualizados;
• Reflexão sobre aspectos culturais;
• Reflexão sobre a língua;
• Atividades para além da sala de LE;
• Avaliar atividades.
Uma aula que visa à participação
em língua estrangeira
 Atividade com texto que promove a discussão
sobre o voluntariado, problemas coletivos,
moradia...;
 Gênero – anúncio;
 Texto curto, para trabalhar recursos linguísticos
básicos contextualizados;
Conclusão
 Objetivos: formar cidadãos mais participativos;
 Ensino comprometido com reflexão e participação crítica;
 Professor-autor  relacionar:
teoria e prática;
reflexão e ação;
objetivo em LE e contextualização do ensino;
 Busca de autonomia e autoria por parte dos alunos;
 Para a LE importa criar oportunidades para leitura e escrita em que
os participantes possam engajar-se em práticas proficientes como
analistas de textos;
 Promover projetos conjuntos com outros professores de outras
disciplinas;
14
OBRIGADA
THANKS
GRACIAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livroFabiana Esteves
 
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seaDireitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seamariaelidias
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...Luna Karoline
 
Apresentação da disciplina Plano de Curso LP 2014
Apresentação da disciplina   Plano de Curso LP 2014Apresentação da disciplina   Plano de Curso LP 2014
Apresentação da disciplina Plano de Curso LP 2014Zenilda Ribeiro
 
Apresentação língua texto e ensino
Apresentação  língua texto e ensino Apresentação  língua texto e ensino
Apresentação língua texto e ensino proflena1
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textosmariaelidias
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDenise Oliveira
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2miesbella
 
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...Nadia Biavati
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevanetlfleite
 
TRABALHO: COMO AUTOR: TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...
TRABALHO: COMO AUTOR:  TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...TRABALHO: COMO AUTOR:  TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...
TRABALHO: COMO AUTOR: TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...universigatas
 
Oficinas de produção de textos ii
Oficinas de produção de textos iiOficinas de produção de textos ii
Oficinas de produção de textos iiLorena Vanesa Duthil
 
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im PressaoApresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im Pressaotelasnorte1
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04Lygia Souza
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoFernanda Tulio
 
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5PNAIC - Educação do Campo - unidade 5
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5ElieneDias
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaKelly Moraes
 

Mais procurados (20)

Diversidade textual livro
Diversidade textual livroDiversidade textual livro
Diversidade textual livro
 
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica seaDireitos de aprendizagem análise linguistica sea
Direitos de aprendizagem análise linguistica sea
 
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
CONHECIMENTOS LINGUÍSTICOS E A ORALIDADE NO 8º ANO DA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA AN...
 
Apresentação da disciplina Plano de Curso LP 2014
Apresentação da disciplina   Plano de Curso LP 2014Apresentação da disciplina   Plano de Curso LP 2014
Apresentação da disciplina Plano de Curso LP 2014
 
Apresentação língua texto e ensino
Apresentação  língua texto e ensino Apresentação  língua texto e ensino
Apresentação língua texto e ensino
 
Direitos de aprendizagem produção de textos
Direitos de aprendizagem   produção de textosDireitos de aprendizagem   produção de textos
Direitos de aprendizagem produção de textos
 
Desenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidadeDesenvolvimento da oralidade
Desenvolvimento da oralidade
 
Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2Ppt 5º encontro ano 2
Ppt 5º encontro ano 2
 
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
Múltiplas linguagens para o ensino médio - apresentação da obra de Bunzen e M...
 
A unidade 5 ano 1 e 2
A unidade 5 ano 1 e 2A unidade 5 ano 1 e 2
A unidade 5 ano 1 e 2
 
Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano Planejamento anual 8 ano
Planejamento anual 8 ano
 
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevanePnaic unidade 5  gêneros reformulado - sevane
Pnaic unidade 5 gêneros reformulado - sevane
 
TRABALHO: COMO AUTOR: TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...
TRABALHO: COMO AUTOR:  TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...TRABALHO: COMO AUTOR:  TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...
TRABALHO: COMO AUTOR: TRAVAGLIA TRABALHA SUA SEQUÊNCIA DE LIVRO NO ENSINO FU...
 
Oficinas de produção de textos ii
Oficinas de produção de textos iiOficinas de produção de textos ii
Oficinas de produção de textos ii
 
2 oralidade e letramento
2 oralidade e letramento2 oralidade e letramento
2 oralidade e letramento
 
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im PressaoApresentacao Producao Escrita Im Pressao
Apresentacao Producao Escrita Im Pressao
 
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
O ensino da língua portuguesa 1ª aula 04
 
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de textoPráticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
Práticas de Leitura e Práticas de Produção de texto
 
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5PNAIC - Educação do Campo - unidade 5
PNAIC - Educação do Campo - unidade 5
 
Metodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de línguaMetodologia de ensino de língua
Metodologia de ensino de língua
 

Destaque

Common European Framework for Reference
Common European Framework for ReferenceCommon European Framework for Reference
Common European Framework for ReferenceGonca Arslan
 
Direito Constitucional - Autonomia Administrativa
Direito Constitucional - Autonomia AdministrativaDireito Constitucional - Autonomia Administrativa
Direito Constitucional - Autonomia AdministrativaPreOnline
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosLucio Braga
 
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...Paulinha2011
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioLucio Braga
 
Quadro europeu comum_referencia
Quadro europeu comum_referenciaQuadro europeu comum_referencia
Quadro europeu comum_referenciaIdaleteDias
 
Construcao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeiaConstrucao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeiaJorge Pereira
 

Destaque (11)

Base nacional comum curricular cepeja cópia
Base nacional  comum curricular cepeja   cópiaBase nacional  comum curricular cepeja   cópia
Base nacional comum curricular cepeja cópia
 
Podcast nas Línguas
Podcast nas LínguasPodcast nas Línguas
Podcast nas Línguas
 
Drec [mec] 2012 organização e gestão dos currículos, autonomia pedagógica e o...
Drec [mec] 2012 organização e gestão dos currículos, autonomia pedagógica e o...Drec [mec] 2012 organização e gestão dos currículos, autonomia pedagógica e o...
Drec [mec] 2012 organização e gestão dos currículos, autonomia pedagógica e o...
 
Cefr vs k13 - "MDELT"
Cefr vs k13 - "MDELT"Cefr vs k13 - "MDELT"
Cefr vs k13 - "MDELT"
 
Common European Framework for Reference
Common European Framework for ReferenceCommon European Framework for Reference
Common European Framework for Reference
 
Direito Constitucional - Autonomia Administrativa
Direito Constitucional - Autonomia AdministrativaDireito Constitucional - Autonomia Administrativa
Direito Constitucional - Autonomia Administrativa
 
Cidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanosCidadania e direitos humanos
Cidadania e direitos humanos
 
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...
Política curricular da rede municipal de ensino de Dourados-MS no período de ...
 
Questões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médioQuestões terceiro ano ensino médio
Questões terceiro ano ensino médio
 
Quadro europeu comum_referencia
Quadro europeu comum_referenciaQuadro europeu comum_referencia
Quadro europeu comum_referencia
 
Construcao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeiaConstrucao da uniao_europeia
Construcao da uniao_europeia
 

Semelhante a Ensino LE escola letramento

Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dialiterenata
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1Lais Renata
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialUPE
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialUPE
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula finalNaysa Taboada
 
Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02Jhosyrene Oliveira
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Biblioteca Campus VII
 
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua MaternaPCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua MaternaADRIANOSOUZAMARINHO1
 
Generos apresentação1
Generos apresentação1Generos apresentação1
Generos apresentação1miesbella
 
Portugues i
Portugues iPortugues i
Portugues icrisdays
 
Generos 1 ano
Generos  1 anoGeneros  1 ano
Generos 1 anomiesbella
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Monize Muniz
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiromarta santos
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalNaysa Taboada
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Fundação Victor Civita
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDAweleslima
 
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arruda
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arrudaPnaic sintese unidade 2 from juliana arruda
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arrudatlfleite
 

Semelhante a Ensino LE escola letramento (20)

Estágio 1o.dia
Estágio   1o.diaEstágio   1o.dia
Estágio 1o.dia
 
Unidade 5 parte 1
Unidade 5    parte 1Unidade 5    parte 1
Unidade 5 parte 1
 
Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1Unidade 5 - parte 1
Unidade 5 - parte 1
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
A leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva socialA leitura numa perspectiva social
A leitura numa perspectiva social
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula  finalUnidade 5 a diversidade textual em sala de aula  final
Unidade 5 a diversidade textual em sala de aula final
 
Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02Generosparte2 130818130725-phpapp02
Generosparte2 130818130725-phpapp02
 
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
Monografia Maria Aparecida Pedagogia 2011
 
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua MaternaPCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
PCNs ensino de Língua Portuguesa como Língua Materna
 
Generos apresentação1
Generos apresentação1Generos apresentação1
Generos apresentação1
 
Portugues i
Portugues iPortugues i
Portugues i
 
Generos 1 ano
Generos  1 anoGeneros  1 ano
Generos 1 ano
 
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
Comunicação e interação no aprendizado de línguas estrangeiras: para se compr...
 
Universidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiroUniversidade do estado do rio de janeiro
Universidade do estado do rio de janeiro
 
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão finalUnidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
Unidade 5 a diversidade textual e as áreas de conhecimento versão final
 
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
Panorama de Língua Estrangeira - Prêmio Victor Civita 2011
 
Metodologia do ensino
Metodologia do ensinoMetodologia do ensino
Metodologia do ensino
 
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDATexto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
Texto 05 - FORMAÇÃO DO SEGUNDO CICLO NO MUNICÍPIO DE PONTES E LACERDA
 
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arruda
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arrudaPnaic sintese unidade 2 from juliana arruda
Pnaic sintese unidade 2 from juliana arruda
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Ensino LE escola letramento

  • 1. Educação Linguística – PPGLA – UNISINOS Prof. Dra. Ana Maria Stahl Zilles Conie Smolinsky Lisiane Raupp Raquel Salcedo Gomes SCHLATTER, M. O ensino de leitura em língua estrangeira na escola: uma proposta de letramento. Calidoscópio, Vol. 7, n. 1, p. 11-23, jan/abr 2009.
  • 2. Introdução  Buscar caminhos possíveis para repensar o ensino de LE na escola; PCNs (EF-1998) e Orientações Curriculares do EM (2006) Escola deve promover o letramento - práticas sociais que envolvem a leitura e a escrita na língua materna e na LE.  A aula de LE deve criar condições para o educando engajar-se em atividades que demandam o uso da língua a partir de temáticas relevantes a seu contexto;  O ensino deve visar ao letramento, através de tarefas pedagógicas com base no gênero do discurso (situações de comunicação com diferentes propósitos e interlocutores, em determinadas condições de produção e recepção);
  • 3. Introdução  O objetivo da aula de LE é tornar-se um espaço para reflexão, autonomia e sensibilização do outro na busca por uma compreensão de sua própria realidade e de uma ampliação de sua participação em práticas sociais onde a língua estrangeira e as práticas de leitura e escrita são produtos culturais e simbólicos valorizados.  O ensino através de textos (como interações dialógicas e situadas) e da exploração de recursos linguísticos, de modo a terem uma função clara nessas situações de comunicação, pode se constituir em educação linguística; Educação linguística = valorização da língua como produto cultural e simbólico
  • 4. Objetivos de ensino de língua estrangeira na escola Educação linguística Letramento “[…]estado ou condição de quem não só sabe ler e escrever, mas exerce as práticas sociais de leitura e de escrita que circulam na sociedade [...], conjugando-as com as práticas sociais de interação oral” (Soares, 1999, p. 3)
  • 5. Objetivos de ensino de língua estrangeira na escola Diferentes graus de proficiência: a) reconhecer a língua estrangeira em um texto escrito ou oral e não virar as costas a esse texto; b) compreender textos orais e/ou escritos em língua estrangeira em determinadas situações comunicativas; c) interagir (oralmente e/ou por escrito) na língua estrangeira em diferentes situações comunicativas.
  • 6. 6 Objetivos de ensino de língua estrangeira na escola Letramento = Cidadão plenamente letrado, que recebe na sua educação linguística em LE, o que Bourdieu (1998) chama de capital cultural. Perguntas norteadoras da educação linguística em LE (Garcez, 2008, p. 52): • Quem sou eu nesse mundo? • Quais são os limites do meu mundo? • Quais são as minhas comunidades de atuação? • Onde está essa língua? • De quem é essa língua? • Para que serve essa língua? • O que é que essa língua tem a ver comigo?
  • 7. 7 Objetivos de ensino de língua estrangeira na escola CIDADANIA INTERDISCIPLINARIDADE, TRANSDISCIPLINARIDADE E TRANSVERSALIDADE TEMÁTICAS RELEVANTES PARA A COMUNIDADE ESCOLAR
  • 8. 8 Objetivos de ensino de língua estrangeira na escola O ensino de LE visa a: ampliar as possibilidades de comunicação do educando para além de sua comunidade linguística restrita própria e conscientizá-lo da heterogeneidade contextual, social, cultural e histórica no uso de qualquer linguagem; conscientizar o educando de que há diversas maneiras de organizar, categorizar e expressar a experiência humana e de realizar interações sociais por meio da linguagem; desenvolver a sensibilidade linguística do educando para as características da LE em relação à sua língua materna e em relação às diversas práticas de uso de uma língua na comunicação cotidiana; promover, através de experiências bem-sucedidas no uso da LE, a confiança do educando para lidar com textos em LE (e LM) e enfrentar os desafios de diversas práticas sociais cotidianas, adaptando-se, sempre que necessário, a diferentes usos da linguagem em contextos diversos (OCEM, 2006, p. 92).
  • 9. O conceito de leitura Ler é (re) agir criticamente de acordo com a expectativa criada pelo gênero discursivo. Atividades integradas : Decodificar – mecânica do texto; Participar – relação do texto com o conhecimento prévio; Usar – (re)agir de acordo com as expectativas discursivas; Analisar o texto – ser crítico – inferir ideologias, entrelinhas...
  • 10. O planejamento de materiais didáticos para ensino de LE  Escolha de temas norteadores relevantes e gêneros discursivos que sirvam aos propósitos do tema;  Selecionar textos coerentes;  Decidir habilidades que deverão ser focalizadas;  Elaborar atividades de uso da língua em diferentes etapas: • Preparatórias; • De compreensão; • De resposta ao texto; • De resposta aos textos dos alunos; • Oportunidades para a prática da língua;
  • 11. • Escolha e produção de materiais autênticos, contextualizados; • Reflexão sobre aspectos culturais; • Reflexão sobre a língua; • Atividades para além da sala de LE; • Avaliar atividades.
  • 12. Uma aula que visa à participação em língua estrangeira  Atividade com texto que promove a discussão sobre o voluntariado, problemas coletivos, moradia...;  Gênero – anúncio;  Texto curto, para trabalhar recursos linguísticos básicos contextualizados;
  • 13. Conclusão  Objetivos: formar cidadãos mais participativos;  Ensino comprometido com reflexão e participação crítica;  Professor-autor  relacionar: teoria e prática; reflexão e ação; objetivo em LE e contextualização do ensino;  Busca de autonomia e autoria por parte dos alunos;  Para a LE importa criar oportunidades para leitura e escrita em que os participantes possam engajar-se em práticas proficientes como analistas de textos;  Promover projetos conjuntos com outros professores de outras disciplinas;