SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 10
Educação Linguística
LEITURA E MEDIAÇÃO NOS RELATOS DE
ESTUDANTES DE LETRAS
ANA MARIA STAHL ZILLES
Débora Oss
Raquel S. Gomes
★ Análise de relatos de alunos de graduação e especialização,
comvistas à identificação das concepções de LEITURA e
LEITOR e à revelação de quem são os MEDIADORES deste
processo, além de seu PAPEL na aprendizagem de leitura;
★ A leitura, de acordo com os resultados do estudo, é vista
como uma ato individual, restrito à decodificação do texto ou
à fruição (no caso dos textos literários;
★ A leitura não é vista sob a perspectiva crítica e nem é
considerada uma prática social pelos colaboradores.
SÍNTESE:
A PROBLEMATIZAÇÃO DA LEITURA...
★ ... com vistas à compreensão indireta das práticas e das
concepções de leitura de licenciandos, através da associação de
histórias pessoais e de vida, dos valores e das crenças dos
acadêmicos;
★ ... que, para Dalla Zen (1997), trata-se da “tomada de
consciência de sua própria trajetória e a reflexão crítica sobre
ela tem o potencial de conduzir a uma definição mais clara de
objetivos e de orientações para o futuro profissional, e nesse
sentido, levá-lo a buscar uma prática mais condizente com tais
objetivos e orientações” (p. 134);
★ ... a partir de uma “visão sociointeracional da leitura e do
ensino da leitura, valorizando acima de tudo a interlocução do
alunocom seus pares e seu professor para a co-construção de
sentidos, que são sempre situados histórica e socialmente.” (p.
135);
★ ... a partir de uma “visão sociointeracional da leitura e do
ensino da leitura, valorizando acima de tudo a interlocução do
alunocom seus pares e seu professor para a co-construção de
sentidos, que são sempre situados histórica e socialmente.” (p.
135);
★... do ponto de vista da afetividade e da valoração (TERZI,
2002, p. 23), ou seja, a confiança e o respeito mútuo entre o
professor e os alunos interfeririam positivamente na interação
através do componente afetivo. A valoração, por sua vez, de
“caráter sociocultural”, daria conta do engajamento do
sujeito, cujo “objeto da aprendizagem é colocado em relação a
uma experiência que lhe dá sentido” e “reflete crenças e
valores sociais” (p. 136);
★ ... é necessária a desmitificação do próprio ato de ler, uma
vez que o ato, por si só, não colaboraria para “a construção de
uma sociedade equilibrada, em que haveria justiça,
produtividade e criatividade” (p. 137);
★ ... através da proposta dos 5 mitos da leitura (Britto,
2003), que distanciam o leitor “da prática efetiva da leitura,
seja ela informativa, reflexiva, prazerosa, acadêmica, ou ainda
outras possibilidades”uma vez que “tais mitos,
constantemente reiterados na sociedade, tendem a repercutir
na forma como os estudantes (...) compreendem e
representam sua formacão leitora.” (p. 140);
★ ... com vistas ao “desenvolvimento da capacidade de ler
criticamente”, através da promoção de uma “interlocução
aberta e democrática em sala de aula”, onde aos alunos seja
dado o devido valor e apreço quando questionados, avaliados,
ou desafiados (p. 140);
★... no sentido de o educador constituir-se o mediador na
relação do aluno com a leitura e a escrita, colaborando, assim,
para que aquele sujeito construa as suas significações com o
seu entorno: “os objetos, a organização do ambiente, do
mundo cultural” que o rodeia. (p. 141)
AS QUESTÕES PROPOSTAS AOS
COLABORADORES:
1. Qual a concepção de leitura que transparece nos relatos?
2. Quem é mencionado como mediador do processo de
aprender a ler ou de formar o leitor?
3. Que papel é atribuído a esse mediador?
4. Em que eventos de leitura familiares ou escolares o
mediador é lembrado?
5. Qual é a concepção de leitor que os relatos revelam?
OS RELATOS:
★ 51 relatos - 10 de alunos de graduação e 41 de alunos de
especialização (7 homens e 44 mulheres), dos quais a maioria
já atuava como professores em escolas regulares;
★ Foram produzidos a partir das concepções que os
estudantes traziam de sua formação, vivências prévias e
crenças;
★ Tiveram como objetivo principal fazer com que os
estudantes se conscientizassem de sua história de leitura,
refletindo sobre o papel do professor de língua com vistas à
idealização do professor que almejavam ser, trazendo à tona
“a percepção das funções da leitura na vida em sociedade e
das relações entre as concepções de leitura e leitor, de um
lado, e história social, de outro.” (p. 143);
★ Foram analisados os conteúdos dos relatos, com vistas a
responder as perguntas norteadoras;
★ Foi feita a identificação dos temas tratados que, por sua
vez, constituíram as categorias de análise;
★ As categorias de análise ‘responderam’ às perguntas
propostas:A CONCEPÇÃO DE LEITURA - ato individual, frequentemente referido
como decodificação de texto ou resultado da alfabetização; não é vista
como prática social;
O MEDIADOR - normalmente membro da família, do sexo feminino;
raramente professores, exceto professora alfabetizadora;
O PAPEL DO MEDIADOR - alfabetizar, ensinar a ler, ensinar a gostar de
ler, formar um “bom leitor, proporcionar acesso à leitura, oferecer bom
exemplo, contar ou ler histórias;
OS EVENTOS DE LEITURA - familiares: contar histórias antes de dormir,
brincar de escolinha, ajudar nas tarefas escolares, dar aulas, promover
reuniões familiares com leituras, ouvir leitura em voz alta, fornecer material
de leitura, realizar socialment a prática da leitura, propiciar jogos
relacionados com leitura; escolares: promover a hora da leitura, frequentar a
biblioteca, indicar leituras, ler em voz alta individualmente e em coro,
emprestar livros, contar histórias, dar aula e incentivar a leitura;
A CONCEPÇÃO DE LEITOR - “ser leitor” equivale a “gostar de
ler” [livros].
CONSIDERAÇÕES FINAIS:
★ O reducionismo com que a escola trata a leitura reflete
um trabalho escolar onde a visão crítica de leitura não foi
contemplada, de acordo com os relatos no estudo;
★A análise dos relatos repercute, portanto:“o senso comum
do que seja leitura e a percepção de que as referências e
valores culturais das pessoas são determinantes em sua
formação” (p. 156);
★ Os mitos do que seja a boa leitura nascem “da
aprendizagem e da incorporação de concepções de senso
comum que se reproduzem constantemente nos discursos da
mídia e da prática escolar” (p. 156-7).
OBRIGADA.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017cefaprodematupa
 
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...Poliana Pereira
 
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumond
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumondProjeto de pesquisa e esquema simonehelendrumond
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumondSimoneHelenDrumond
 
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.Vilar Vasconcelos
 
Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura BELidiaJorge
 
5360 3477 modelo de artigo 13102012
5360 3477 modelo de artigo 131020125360 3477 modelo de artigo 13102012
5360 3477 modelo de artigo 13102012lethissias
 
Culturas e cotidiano escolar
Culturas e cotidiano escolarCulturas e cotidiano escolar
Culturas e cotidiano escolarIvy Silva Cunha
 
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...Arnaldo Alves
 
Literatura e primeira infância
Literatura e primeira infânciaLiteratura e primeira infância
Literatura e primeira infânciaAna Paula Cecato
 
Literatura na educação infantil
Literatura na educação infantilLiteratura na educação infantil
Literatura na educação infantilJacqueline Campos
 
Ludicidade e alfabetização
Ludicidade e alfabetizaçãoLudicidade e alfabetização
Ludicidade e alfabetizaçãoLuci Panucci
 
Em particular ao universo da literatura infantil
Em particular ao universo da literatura infantilEm particular ao universo da literatura infantil
Em particular ao universo da literatura infantilElisangela Heigon
 
A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoLilian Miranda
 

Mais procurados (20)

Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
Trabalhando com fábulas e historias infantis artigo neli 2017
 
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...
A produção subjetiva da violência nas escolas: indicador de sentido para aval...
 
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumond
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumondProjeto de pesquisa e esquema simonehelendrumond
Projeto de pesquisa e esquema simonehelendrumond
 
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.
A importância da ludicidade na construção da aprendizagem em sala de aula.
 
Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura Folheto de promoção da leitura
Folheto de promoção da leitura
 
10 38-1-pb
10 38-1-pb10 38-1-pb
10 38-1-pb
 
5360 3477 modelo de artigo 13102012
5360 3477 modelo de artigo 131020125360 3477 modelo de artigo 13102012
5360 3477 modelo de artigo 13102012
 
Texto para reflexão
Texto para reflexãoTexto para reflexão
Texto para reflexão
 
Pnaic ludicidade
Pnaic ludicidadePnaic ludicidade
Pnaic ludicidade
 
Culturas e cotidiano escolar
Culturas e cotidiano escolarCulturas e cotidiano escolar
Culturas e cotidiano escolar
 
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...
A constituição do professor que trabalha com literatura infantojuvenil na per...
 
Literatura e primeira infância
Literatura e primeira infânciaLiteratura e primeira infância
Literatura e primeira infância
 
Literatura infantil Adriano
Literatura infantil AdrianoLiteratura infantil Adriano
Literatura infantil Adriano
 
Literatura na educação infantil
Literatura na educação infantilLiteratura na educação infantil
Literatura na educação infantil
 
Ludicidade e alfabetização
Ludicidade e alfabetizaçãoLudicidade e alfabetização
Ludicidade e alfabetização
 
Em particular ao universo da literatura infantil
Em particular ao universo da literatura infantilEm particular ao universo da literatura infantil
Em particular ao universo da literatura infantil
 
A leitura da literatura
A leitura da literaturaA leitura da literatura
A leitura da literatura
 
CARTA À COMUNIDADE
CARTA À COMUNIDADE CARTA À COMUNIDADE
CARTA À COMUNIDADE
 
LITERATURA
LITERATURALITERATURA
LITERATURA
 
A leitura e sua relação
A leitura e sua relaçãoA leitura e sua relação
A leitura e sua relação
 

Semelhante a A problematização da leitura nos relatos de estudantes de letras

PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolarRelações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolarVanessa Biff
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfKelianeCastro3
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silvawaleri
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxEscolaMunicipalMaria16
 
Sobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadasSobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadasKaren Kampa
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraJamille Rabelo
 
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAA IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAcefaprodematupa
 
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINAO PRAZER DA LEITURA SE ENSINA
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINAcefaprodematupa
 
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdf
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdfFUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdf
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdfMariaNecBezerra
 

Semelhante a A problematização da leitura nos relatos de estudantes de letras (20)

PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund I 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
Flavia vanuza monica
Flavia vanuza monicaFlavia vanuza monica
Flavia vanuza monica
 
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolarRelações entre leitura, letramento, identidade  e o papel da biblioteca escolar
Relações entre leitura, letramento, identidade e o papel da biblioteca escolar
 
Artigo rse
Artigo rseArtigo rse
Artigo rse
 
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdfprojeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
projeto_ler_e_uma_aventura1.pdf
 
Cirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E SilvaCirene Sousa E Silva
Cirene Sousa E Silva
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docxPROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
PROJETO Ens Fund II 2023 Ler é Bom Experimente.docx
 
artigo: leitura
artigo: leituraartigo: leitura
artigo: leitura
 
Leitura
LeituraLeitura
Leitura
 
Projeto jucelsa final
Projeto jucelsa finalProjeto jucelsa final
Projeto jucelsa final
 
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdfarte de fazer perguntas[1]-1.pdf
arte de fazer perguntas[1]-1.pdf
 
Sobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadasSobre leituras compartilhadas
Sobre leituras compartilhadas
 
Prática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leituraPrática de metodologia do ensino de leitura
Prática de metodologia do ensino de leitura
 
Monografia Elaine Pedagogia 2010
Monografia Elaine Pedagogia 2010Monografia Elaine Pedagogia 2010
Monografia Elaine Pedagogia 2010
 
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITAA IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
A IMPORTÂNCIA DA LEITURA PARA O DESENVOLVIMENTO DA ESCRITA
 
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINAO PRAZER DA LEITURA SE ENSINA
O PRAZER DA LEITURA SE ENSINA
 
La vem leitura
La vem leituraLa vem leitura
La vem leitura
 
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdf
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdfFUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdf
FUNDAMENTOS_PARA_EDUCACAO_ESPECIAL.pdf
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesGilbraz Aragão
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoJayaneSales1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º BimestreProfaCintiaDosSantos
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024GleyceMoreiraXWeslle
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullyingMary Alvarenga
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 

Último (20)

PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Modelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das ReligiõesModelos Evolutivos em História das Religiões
Modelos Evolutivos em História das Religiões
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitaçãoSer Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
Ser Mãe Atípica, uma jornada de amor e aceitação
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptxSlides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
Slides Lição 2, Betel, Ordenança para participar da Ceia do Senhor, 2Tr24.pptx
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º BimestreLer e compreender 7º ano -  Aula 7 - 1º Bimestre
Ler e compreender 7º ano - Aula 7 - 1º Bimestre
 
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
Apresentação sobre o Combate a Dengue 2024
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao  bullyingMini livro sanfona - Diga não ao  bullying
Mini livro sanfona - Diga não ao bullying
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 

A problematização da leitura nos relatos de estudantes de letras

  • 1. Educação Linguística LEITURA E MEDIAÇÃO NOS RELATOS DE ESTUDANTES DE LETRAS ANA MARIA STAHL ZILLES Débora Oss Raquel S. Gomes
  • 2. ★ Análise de relatos de alunos de graduação e especialização, comvistas à identificação das concepções de LEITURA e LEITOR e à revelação de quem são os MEDIADORES deste processo, além de seu PAPEL na aprendizagem de leitura; ★ A leitura, de acordo com os resultados do estudo, é vista como uma ato individual, restrito à decodificação do texto ou à fruição (no caso dos textos literários; ★ A leitura não é vista sob a perspectiva crítica e nem é considerada uma prática social pelos colaboradores. SÍNTESE:
  • 3. A PROBLEMATIZAÇÃO DA LEITURA... ★ ... com vistas à compreensão indireta das práticas e das concepções de leitura de licenciandos, através da associação de histórias pessoais e de vida, dos valores e das crenças dos acadêmicos; ★ ... que, para Dalla Zen (1997), trata-se da “tomada de consciência de sua própria trajetória e a reflexão crítica sobre ela tem o potencial de conduzir a uma definição mais clara de objetivos e de orientações para o futuro profissional, e nesse sentido, levá-lo a buscar uma prática mais condizente com tais objetivos e orientações” (p. 134); ★ ... a partir de uma “visão sociointeracional da leitura e do ensino da leitura, valorizando acima de tudo a interlocução do alunocom seus pares e seu professor para a co-construção de sentidos, que são sempre situados histórica e socialmente.” (p. 135);
  • 4. ★ ... a partir de uma “visão sociointeracional da leitura e do ensino da leitura, valorizando acima de tudo a interlocução do alunocom seus pares e seu professor para a co-construção de sentidos, que são sempre situados histórica e socialmente.” (p. 135); ★... do ponto de vista da afetividade e da valoração (TERZI, 2002, p. 23), ou seja, a confiança e o respeito mútuo entre o professor e os alunos interfeririam positivamente na interação através do componente afetivo. A valoração, por sua vez, de “caráter sociocultural”, daria conta do engajamento do sujeito, cujo “objeto da aprendizagem é colocado em relação a uma experiência que lhe dá sentido” e “reflete crenças e valores sociais” (p. 136); ★ ... é necessária a desmitificação do próprio ato de ler, uma vez que o ato, por si só, não colaboraria para “a construção de uma sociedade equilibrada, em que haveria justiça, produtividade e criatividade” (p. 137);
  • 5. ★ ... através da proposta dos 5 mitos da leitura (Britto, 2003), que distanciam o leitor “da prática efetiva da leitura, seja ela informativa, reflexiva, prazerosa, acadêmica, ou ainda outras possibilidades”uma vez que “tais mitos, constantemente reiterados na sociedade, tendem a repercutir na forma como os estudantes (...) compreendem e representam sua formacão leitora.” (p. 140); ★ ... com vistas ao “desenvolvimento da capacidade de ler criticamente”, através da promoção de uma “interlocução aberta e democrática em sala de aula”, onde aos alunos seja dado o devido valor e apreço quando questionados, avaliados, ou desafiados (p. 140); ★... no sentido de o educador constituir-se o mediador na relação do aluno com a leitura e a escrita, colaborando, assim, para que aquele sujeito construa as suas significações com o seu entorno: “os objetos, a organização do ambiente, do mundo cultural” que o rodeia. (p. 141)
  • 6. AS QUESTÕES PROPOSTAS AOS COLABORADORES: 1. Qual a concepção de leitura que transparece nos relatos? 2. Quem é mencionado como mediador do processo de aprender a ler ou de formar o leitor? 3. Que papel é atribuído a esse mediador? 4. Em que eventos de leitura familiares ou escolares o mediador é lembrado? 5. Qual é a concepção de leitor que os relatos revelam?
  • 7. OS RELATOS: ★ 51 relatos - 10 de alunos de graduação e 41 de alunos de especialização (7 homens e 44 mulheres), dos quais a maioria já atuava como professores em escolas regulares; ★ Foram produzidos a partir das concepções que os estudantes traziam de sua formação, vivências prévias e crenças; ★ Tiveram como objetivo principal fazer com que os estudantes se conscientizassem de sua história de leitura, refletindo sobre o papel do professor de língua com vistas à idealização do professor que almejavam ser, trazendo à tona “a percepção das funções da leitura na vida em sociedade e das relações entre as concepções de leitura e leitor, de um lado, e história social, de outro.” (p. 143); ★ Foram analisados os conteúdos dos relatos, com vistas a responder as perguntas norteadoras;
  • 8. ★ Foi feita a identificação dos temas tratados que, por sua vez, constituíram as categorias de análise; ★ As categorias de análise ‘responderam’ às perguntas propostas:A CONCEPÇÃO DE LEITURA - ato individual, frequentemente referido como decodificação de texto ou resultado da alfabetização; não é vista como prática social; O MEDIADOR - normalmente membro da família, do sexo feminino; raramente professores, exceto professora alfabetizadora; O PAPEL DO MEDIADOR - alfabetizar, ensinar a ler, ensinar a gostar de ler, formar um “bom leitor, proporcionar acesso à leitura, oferecer bom exemplo, contar ou ler histórias; OS EVENTOS DE LEITURA - familiares: contar histórias antes de dormir, brincar de escolinha, ajudar nas tarefas escolares, dar aulas, promover reuniões familiares com leituras, ouvir leitura em voz alta, fornecer material de leitura, realizar socialment a prática da leitura, propiciar jogos relacionados com leitura; escolares: promover a hora da leitura, frequentar a biblioteca, indicar leituras, ler em voz alta individualmente e em coro, emprestar livros, contar histórias, dar aula e incentivar a leitura; A CONCEPÇÃO DE LEITOR - “ser leitor” equivale a “gostar de ler” [livros].
  • 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS: ★ O reducionismo com que a escola trata a leitura reflete um trabalho escolar onde a visão crítica de leitura não foi contemplada, de acordo com os relatos no estudo; ★A análise dos relatos repercute, portanto:“o senso comum do que seja leitura e a percepção de que as referências e valores culturais das pessoas são determinantes em sua formação” (p. 156); ★ Os mitos do que seja a boa leitura nascem “da aprendizagem e da incorporação de concepções de senso comum que se reproduzem constantemente nos discursos da mídia e da prática escolar” (p. 156-7).