SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
Cultura juvenil religiosa: BOLA
DE NEVE CHURCH
Carla Torma de Lima
Luciane Velasques
Márcia Fraga
Nara Machado
Raquel Salcedo Gomes
Conceito de juventude
• Pouco considerado até antes da
Revolução Industrial
• Consensual a partir dela - idade e sexo
• A partir do século XX: juventudes
• Pluralismo
• Uma maneira particular de ser/estar na
vida, abrangendo aspirações,
modalidades éticas e estéticas e
linguagens
Bola de Neve
Church
Histórico
“A história da Igreja Bola de Neve em São Paulo confunde-se um
pouco com a própria história do Apóstolo Rina. Depois de uma
hepatite, dores muito fortes e uma experiência pessoal com Deus,
nascia uma reunião descompromissada, mas que precisava de um
nome. Não demorou para aparecer um que expressasse a realização
do sonho, uma Bola de Neve, que começando pequenininha, vira uma
avalanche. Isso foi em Dezembro de 1993. A Bola de Neve, na direção
de Deus, ia rolando e cumprindo seu papel. Em setembro de 1994,
recebemos uma cobertura espiritual e no início de 1999 algumas
mudanças aconteceram. (...) quando não tínhamos nem onde nos
reunir, Deus levantou um empresário do mercado surfwear, o grande
amigo e irmão Jackson, para nos abençoar.” Disponível em: <http://
www.boladeneve.com/quemsomos>.
Internet e cultura digital
“A Bola de Neve Church é uma igreja surgida na virada do milênio, com o
objetivo de evangelizar principalmente jovens de classe média, praticantes
de esportes radicais. Para isso, utiliza uma estratégia de Comunicação
Mercadológica que articula uma forma jovem, “radical” e “descolada” com
um conteúdo doutrinário mais conservador do que outras denominações
evangélicas neopentecostais. Em especial, a internet é uma das maiores
ferramentas para a comunicação, tanto em sites oficiais quanto através de
comunidades espontaneamente criadas por membros.” (Refkalefsky e
Durães, 2007)
“A propaganda religiosa, e a comunicação de modo geral, da igreja
representa um caso eficiente de segmentação mercadológica. A igreja
consegue atrair um público geralmente avesso à temática religiosa em geral
e ao pentecostalismo, em particular: os jovens de classe média, integrantes
da chamada "geração Y". A fórmula, do ponto de vista do planejamento
publicitário, está em criar um "como dizer" (linguagem) criativo, inovador e
semelhante ao ambiente deste público, sem sacrificar o "o que dizer",
representado pela doutrina religiosa. Em outras palavras, a divisão entre
forma e conteúdo, representado na propaganda religiosa por profano e
sagrado.” (Refkalefsky e Durães, 2007)
Raquel
Raquel
Raquel
Incursão - linguagens
“A BNV (...) investe em gêneros musicais que estimulam o envolvimento
emocional do visitante, como o reggae e o rock, ajudando a promover sua
integração ao grupo.” (MARANHÃO FILHO, 2010)
“Vimos que Rina, ao longo da pregação, se vale de uma linguagem despojada e
informal, típica de grupos sociais “praieiros”, o que o deixa mais próximo de seu
auditório, que é, na sua maioria, constituído por jovens. Essa linguagem é, sem
dúvida, um elemento crucial na constituição da persuasão, e pode ser utilizada
como um instrumento para assegurar o interesse do público jovem pela igreja
em questão.” (SANTOS e FIGUEIREDO, 2009)
“ (...) enquanto pessoas acompanham a plenos pulmões as letras que são
colocadas no telão, há indivíduos que correm pelo ambiente, alguns balbuciam
palavras estranhas (fenômeno conhecido como glossolalia), outros preferem
orar ajoelhados, uns caem ao chão sentindo-se visitados pelo Espírito Santo,
enquanto há quem bata palmas de modo aparentemente frenético, também
referindo a manifestação da presença divina. Alguns fiéis dão brados como glória
a Deus e aleluia, mas também ô glória, ô mistério, quebra o vaso, desenrola o
manto, fala Jeová, expressões também usadas durante a audiência das
pregações. (MARANHÃO FILHO, 2010)
Culto de domingo à noite
• Igreja lotada, público predominantemente jovem
• Ambiente alegre, muita vibração (palmas, assobios e palavras
de concordância) e fé
• Música gospel em diferentes ritmos com coreografia,
instrumentos de corda, teclado e bateria
• Vocabulário descontraído, linguagem do surf
• Uma apresentação de street dance
• Pessoas na recepção que recebem os membros e visitantes
com muito carinho e ajudam a procurar um lugar para sentar
Encontros sociais, lugares
• Na própria igreja. Após o culto, retiram as cadeiras e ficam
conversando em diferentes grupos. Não tem hora para fechar.
• Em momentos específicos, por idades (acampamentos, retiros e
seminários) na própria igreja ou em outro lugar como chácaras,
sítio de lazer. Eventos incluem palestras e lazer.
• Todos os seguidores devem pertencer a pequenos grupos que
se reunem semanalmente com a finalidade de receber
ensinamentos e comunhão.
• As atividades de lazer e lugares a visitar são decididos no
próprio grupo que, na maioria das vezes, conta com a
supervisão de um responsável.
• Festas Temáticas (ora no salão da igreja ou em salão alugado).
Incursão - corpos
“Entendo que, de modo similar ao que ocorre em relação aos esportes, a BNC
tenha, na aparência do corpo do fiel e em sua sexualidade, ferramentas
importantes para sua midiatização. Um discurso estético é interpolado com
um doutrinário, em que formas diferentes de olhar, descrever e policiar o corpo
são apresentadas: no primeiro, se privilegia a imagem do corpo como saudável
e desejável, enquanto no segundo, regulamenta-se desejos do fiel. Identificar
estes discursos provavelmente aponte para o amoldamento volitivo e estético
dos frequentadores e também para a constituição do corpo como agenciador
da veiculação e consolidação da igreja.” (MARANHÃO FILHO, 2010)
“O que, no entanto, torna o caso dessas tribos evangélicas um tanto distinto
dos demais é o fato de elas se apresentarem como “comunidades estéticas”
quase que exclusivamente em suas relações com o extramuros evangélico. No
intramuros elas tenderiam a se assumir muito mais como subseções da grande
“comunidade ética” constituída pela cristandade evangélica, que joga o jogo do
mútuo fortalecimento da convicção salvacionista, projeto solidamente
compartilhado e orientado para o futuro.” (JUNGBLUT, 2007)
Atividades esportivas e
vestimenta
Entre os esportes praticados destacam-se:
•Jiu-jitsu,vôlei, futebol, dança
•Se importam com uma vida saudável, não só
espiritualmente, bem como, fisicamente
•Cuidado com a alimentação
•Jovens vestem roupas de passeio em geral: calça jeans,
moleton, camisa social , muitos vestindo camisa xadrez (o
pastor vestia camisa xadrez e jeans), jaquetas de couro,
casacos, botas, tênis (homens), maquiagem leve, alguns
tatuados nos braços e no pescoço, piercing
“Os exercícios identitários que permitem a existência de um rock underground
no intramuros evangélico podem, assim, ser percebidos tanto em suas
convergências com os avanços gerais desta modalidade de cristianismo no
Brasil, como em suas idiossincráticas divergências. Trata-se, talvez, daqueles
recorrentes fluxos de convergências e divergências entre o geral e o
particular que, de muitas formas, parecem caracterizar, há muito tempo, o
crescimento e a (conseqüente?) fragmentação diferencialista da cristandade
protestante.” (JUNGBLUT, 2007)
“(...) o discurso da BNC se dá no sentido de reforçar o processo de
internalização do controle externo e intensificar a auto-censura e a culpa em
relação ao suposto pecado. Entretanto, boa parte dos membros da BDN
entendem este controle como algo positivo e desejável, o que permite
identificar que o discurso religioso doutrinário da BDN, por mais rígido que
seja, só continua existindo porque há uma demanda favorável a isto.
(MARANHÃO FILHO, 2010)
Incursão II - tensões
Considerações
• Igreja voltada a um nicho de mercado
• Proselitismo, discurso e estratégia
publicitárias
• Linguagens específicas
• Centralidade do corpo
• Estética própria
• Tensões entre a estética anunciada e o
discurso religioso pretendido
Implicações para a escola
• Muitos desses jovens estão na escola
• Identidades líquidas e múltiplas
• Pluralidade religiosa
• Limites entre religiosidade, ética e
estética
• Foi apresentado o site da Bola de Neve
aos alunos de uma turma da escola que
tinham entre 12 e 16 anos, de
diferentes religiões.
C. 13 anos, católica “Só encontro minhas amigas
fora da escola se vamos na casa uma da outra.”
D. 13 anos, evangélica “É uma igreja. Eu iria,
mas depende.”
R. 16 anos, evangélica “Não gostaria de ir a um
lugar pra encontrar só gente da minha religião”
As falas foram diversas:
• K. 14 anos, espírita “Cada um tem que ter sua
opinião.”
• G. 12 anos, católica “Não faço parte de um grupo.”
• “Muito chato.”
• D. 13 anos, evangélica “Sou de um grupo que não tem
nada.”
• “Gostaria de ter um lugar para encontrar meus
amigos.”
Todo mundo quer ser
jovem???
Crítica ao paradigma
contemporâneo
A verdadeira beleza
está na sabedoria.
Bibliografia
GARBIN, Elisabete M.; PEREIRA, Angélica S.; PAISAGENS JUVENIS URBANAS: IDENTIDADES
CAMBIANTES NOS MOVEDIÇOS TERRENOS DA CULTURA. In: OLIVEIRA; T. R.; GONTIJO, C. B.;
CASTRO, L. F. (orgs). Políticas públicas de juventudes: Contextos, percepções e desafios da
prática. Barbacena/MG, 2010, p. 31-54.
JUNGBLUT, Airton Luiz. A salvação pelo Rock: sobre a "cena underground" dos jovens
evangélicos no Brasil. Relig. soc. [online]. 2007, vol.27, n.2, pp. 144-162.
MARANHÃO FILHO, Eduardo. As representações do discurso religioso inserido na modernidade
líquida. Revista Brasileira de História das Religiões – ANPUH Maringá (PR) v. 1, n. 3, 2009.
Disponível em http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html.
Refkalefsky, Eduardo; DURÃES, Aline. Segmentação na propaganda religiosa: Bola de Neve Church
e o evangelho para a geração Y1. Intercom. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação,
Santos, 2007.
SANTOS, Giovani Carlos; FIGUEIREDO, Maria Flávia. Bola de Neve Church: a mudança no discurso
evangélico do Brasil. Diálogos Pertinentes – Revista Científica de Letras, Franca(SP), v. 5, n. 5, p.
59-76, jan./dez. 2009.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael GoheenComo Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael GoheenRobson Santana
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia José Vieira Dos Santos
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasViva a Igreja
 
PIEDADE POPULAR E LITURGIA
PIEDADE POPULAR E LITURGIAPIEDADE POPULAR E LITURGIA
PIEDADE POPULAR E LITURGIAPaulo David
 
Liderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalLiderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalArturo Menesses
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaIRINEU FILHO
 
Jornal informativo a terceira hora
Jornal informativo a terceira horaJornal informativo a terceira hora
Jornal informativo a terceira horaMARLI COSTA
 
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.Isaura Miike
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidadesTiago Osb
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesLuís Miguel Rodrigues
 
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidades
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidadesAresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidades
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidadesPe Gil Medeiros
 
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assisGeo Jaques
 
Comunidade de comunidades dom jaime
Comunidade de comunidades dom jaimeComunidade de comunidades dom jaime
Comunidade de comunidades dom jaimeAlexandre Panerai
 
CEBs mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base
CEBs   mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base CEBs   mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base
CEBs mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base Bernadetecebs .
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesAdriano Matilha
 

Mais procurados (20)

Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael GoheenComo Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
Como Seria uma Igreja Missional Hoje? Michael Goheen
 
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades Uma Nova Paróquia
 
Pacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão BatistasPacto e Comunhão Batistas
Pacto e Comunhão Batistas
 
PIEDADE POPULAR E LITURGIA
PIEDADE POPULAR E LITURGIAPIEDADE POPULAR E LITURGIA
PIEDADE POPULAR E LITURGIA
 
Adoração
AdoraçãoAdoração
Adoração
 
Liderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalLiderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missional
 
CNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação práticaCNBB documento 107 - Aplicação prática
CNBB documento 107 - Aplicação prática
 
Jornal informativo a terceira hora
Jornal informativo a terceira horaJornal informativo a terceira hora
Jornal informativo a terceira hora
 
6 a missão da igreja
6 a missão da igreja6 a missão da igreja
6 a missão da igreja
 
Cebs freibetto
Cebs freibettoCebs freibetto
Cebs freibetto
 
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.
Carta do Mestre da Ordem Bruno Cadore.
 
04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades04. comunidade-de-comunidades
04. comunidade-de-comunidades
 
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentesO papel da paróquia na formação dos seus agentes
O papel da paróquia na formação dos seus agentes
 
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidades
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidadesAresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidades
Aresentação doc-100-cnbb-comunidade-de-comunidades
 
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
02 12-2013.103713 material33-assdiocpastoral_comunidade de comunidades_pe. assis
 
Comunidade de comunidades dom jaime
Comunidade de comunidades dom jaimeComunidade de comunidades dom jaime
Comunidade de comunidades dom jaime
 
Beozzo vaticano
Beozzo vaticanoBeozzo vaticano
Beozzo vaticano
 
CEBs mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base
CEBs   mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base CEBs   mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base
CEBs mensagem ao povo de deus sobre as comunidades eclesiais de base
 
Igreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de ComunidadesIgreja Comunidade de Comunidades
Igreja Comunidade de Comunidades
 
Ce bs
Ce bsCe bs
Ce bs
 

Destaque

Destaque (9)

000 cultura juvenil
000 cultura juvenil000 cultura juvenil
000 cultura juvenil
 
Culturas juveniles
Culturas juvenilesCulturas juveniles
Culturas juveniles
 
Jóvenes y cultura juvenil
Jóvenes y cultura juvenilJóvenes y cultura juvenil
Jóvenes y cultura juvenil
 
El papel de la familia como generador de riesgos en el capital humano
El papel de la familia como generador de riesgos en el capital humanoEl papel de la familia como generador de riesgos en el capital humano
El papel de la familia como generador de riesgos en el capital humano
 
Jovenes y cultura juvenil
Jovenes y cultura juvenilJovenes y cultura juvenil
Jovenes y cultura juvenil
 
Culturas Juveniles
Culturas JuvenilesCulturas Juveniles
Culturas Juveniles
 
Cultura juvenil
Cultura juvenilCultura juvenil
Cultura juvenil
 
Qué son las culturas juveniles oscar pérez
Qué son las culturas juveniles   oscar pérezQué son las culturas juveniles   oscar pérez
Qué son las culturas juveniles oscar pérez
 
Juventud y jovenes. Características
Juventud y jovenes. CaracterísticasJuventud y jovenes. Características
Juventud y jovenes. Características
 

Semelhante a Cultura juvenil religiosa Bola de Neve Church

COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?domeduardo
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vanildo Zugno
 
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...Murilo Araújo
 
Documento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBBDocumento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBBCarlos Santos
 
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsCarlos Santos
 
crise de identidade (1).pdf
crise de identidade (1).pdfcrise de identidade (1).pdf
crise de identidade (1).pdfRobisSouza
 
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferenças
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferençasHomens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferenças
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferençasAniervson Santos
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaAlberto Simonton
 
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICO
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICOSANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICO
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICOPaulo David
 
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2domeduardo
 
Trabalho fu religiào vs cultura
Trabalho fu religiào vs culturaTrabalho fu religiào vs cultura
Trabalho fu religiào vs culturaFernando Passos
 
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyanoGenio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyanoPaulo Dias Nogueira
 
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79Karine Serrano
 
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79Marco Aurélio
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre NadaiRodrigo Catini Flaibam
 
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxAula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxssuser54efaa
 

Semelhante a Cultura juvenil religiosa Bola de Neve Church (20)

Um culto bem preparado
Um culto bem preparadoUm culto bem preparado
Um culto bem preparado
 
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?COMO FALAR DE DEUS HOJE?
COMO FALAR DE DEUS HOJE?
 
Igreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/SociedadeIgreja e Cultura/Sociedade
Igreja e Cultura/Sociedade
 
Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!Vocês todos são irmãos!
Vocês todos são irmãos!
 
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...
Por uma queerificação do Catolicismo: disputas de significado sobre fé e sexu...
 
Documento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBBDocumento 25 da CNBB
Documento 25 da CNBB
 
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBsMensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
Mensagem ao povo de Deus sobre as CEBs
 
crise de identidade (1).pdf
crise de identidade (1).pdfcrise de identidade (1).pdf
crise de identidade (1).pdf
 
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferenças
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferençasHomens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferenças
Homens e mulheres de oração, onde a sexualidade não produz diferenças
 
História da Igreja Moderna
História da Igreja ModernaHistória da Igreja Moderna
História da Igreja Moderna
 
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICO
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICOSANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICO
SANTAS MISSÕES - APRESENTAÇÃO GERAL COM HISTÓRICO
 
Elton egydio
Elton egydioElton egydio
Elton egydio
 
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
Dgae da igreja no brasil, dom eduardo 2
 
Trabalho fu religiào vs cultura
Trabalho fu religiào vs culturaTrabalho fu religiào vs cultura
Trabalho fu religiào vs cultura
 
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyanoGenio e espirito_do_metodismo_wesleyano
Genio e espirito_do_metodismo_wesleyano
 
Avivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelsonAvivamento bispo-nelson
Avivamento bispo-nelson
 
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A musica-liturgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
 
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
A música-litúrgica-no-brasil-estudo-cnbb-79
 
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
7º PPO – Encontro de Espiritualidade: Padre Nadai
 
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptxAula 1 - A Igreja em Missão.pptx
Aula 1 - A Igreja em Missão.pptx
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

Último

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESpatriciasofiacunha18
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaFernanda Ledesma
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 

Último (20)

As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕESPRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
PRÉ-MODERNISMO - GUERRA DE CANUDOS E OS SERTÕES
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão LinguísticaA Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
A Inteligência Artificial na Educação e a Inclusão Linguística
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 

Cultura juvenil religiosa Bola de Neve Church

  • 1. Cultura juvenil religiosa: BOLA DE NEVE CHURCH Carla Torma de Lima Luciane Velasques Márcia Fraga Nara Machado Raquel Salcedo Gomes
  • 2. Conceito de juventude • Pouco considerado até antes da Revolução Industrial • Consensual a partir dela - idade e sexo • A partir do século XX: juventudes • Pluralismo • Uma maneira particular de ser/estar na vida, abrangendo aspirações, modalidades éticas e estéticas e linguagens
  • 4. Histórico “A história da Igreja Bola de Neve em São Paulo confunde-se um pouco com a própria história do Apóstolo Rina. Depois de uma hepatite, dores muito fortes e uma experiência pessoal com Deus, nascia uma reunião descompromissada, mas que precisava de um nome. Não demorou para aparecer um que expressasse a realização do sonho, uma Bola de Neve, que começando pequenininha, vira uma avalanche. Isso foi em Dezembro de 1993. A Bola de Neve, na direção de Deus, ia rolando e cumprindo seu papel. Em setembro de 1994, recebemos uma cobertura espiritual e no início de 1999 algumas mudanças aconteceram. (...) quando não tínhamos nem onde nos reunir, Deus levantou um empresário do mercado surfwear, o grande amigo e irmão Jackson, para nos abençoar.” Disponível em: <http:// www.boladeneve.com/quemsomos>.
  • 5. Internet e cultura digital “A Bola de Neve Church é uma igreja surgida na virada do milênio, com o objetivo de evangelizar principalmente jovens de classe média, praticantes de esportes radicais. Para isso, utiliza uma estratégia de Comunicação Mercadológica que articula uma forma jovem, “radical” e “descolada” com um conteúdo doutrinário mais conservador do que outras denominações evangélicas neopentecostais. Em especial, a internet é uma das maiores ferramentas para a comunicação, tanto em sites oficiais quanto através de comunidades espontaneamente criadas por membros.” (Refkalefsky e Durães, 2007) “A propaganda religiosa, e a comunicação de modo geral, da igreja representa um caso eficiente de segmentação mercadológica. A igreja consegue atrair um público geralmente avesso à temática religiosa em geral e ao pentecostalismo, em particular: os jovens de classe média, integrantes da chamada "geração Y". A fórmula, do ponto de vista do planejamento publicitário, está em criar um "como dizer" (linguagem) criativo, inovador e semelhante ao ambiente deste público, sem sacrificar o "o que dizer", representado pela doutrina religiosa. Em outras palavras, a divisão entre forma e conteúdo, representado na propaganda religiosa por profano e sagrado.” (Refkalefsky e Durães, 2007)
  • 9. Incursão - linguagens “A BNV (...) investe em gêneros musicais que estimulam o envolvimento emocional do visitante, como o reggae e o rock, ajudando a promover sua integração ao grupo.” (MARANHÃO FILHO, 2010) “Vimos que Rina, ao longo da pregação, se vale de uma linguagem despojada e informal, típica de grupos sociais “praieiros”, o que o deixa mais próximo de seu auditório, que é, na sua maioria, constituído por jovens. Essa linguagem é, sem dúvida, um elemento crucial na constituição da persuasão, e pode ser utilizada como um instrumento para assegurar o interesse do público jovem pela igreja em questão.” (SANTOS e FIGUEIREDO, 2009) “ (...) enquanto pessoas acompanham a plenos pulmões as letras que são colocadas no telão, há indivíduos que correm pelo ambiente, alguns balbuciam palavras estranhas (fenômeno conhecido como glossolalia), outros preferem orar ajoelhados, uns caem ao chão sentindo-se visitados pelo Espírito Santo, enquanto há quem bata palmas de modo aparentemente frenético, também referindo a manifestação da presença divina. Alguns fiéis dão brados como glória a Deus e aleluia, mas também ô glória, ô mistério, quebra o vaso, desenrola o manto, fala Jeová, expressões também usadas durante a audiência das pregações. (MARANHÃO FILHO, 2010)
  • 10. Culto de domingo à noite • Igreja lotada, público predominantemente jovem • Ambiente alegre, muita vibração (palmas, assobios e palavras de concordância) e fé • Música gospel em diferentes ritmos com coreografia, instrumentos de corda, teclado e bateria • Vocabulário descontraído, linguagem do surf • Uma apresentação de street dance • Pessoas na recepção que recebem os membros e visitantes com muito carinho e ajudam a procurar um lugar para sentar
  • 11. Encontros sociais, lugares • Na própria igreja. Após o culto, retiram as cadeiras e ficam conversando em diferentes grupos. Não tem hora para fechar. • Em momentos específicos, por idades (acampamentos, retiros e seminários) na própria igreja ou em outro lugar como chácaras, sítio de lazer. Eventos incluem palestras e lazer. • Todos os seguidores devem pertencer a pequenos grupos que se reunem semanalmente com a finalidade de receber ensinamentos e comunhão. • As atividades de lazer e lugares a visitar são decididos no próprio grupo que, na maioria das vezes, conta com a supervisão de um responsável. • Festas Temáticas (ora no salão da igreja ou em salão alugado).
  • 12. Incursão - corpos “Entendo que, de modo similar ao que ocorre em relação aos esportes, a BNC tenha, na aparência do corpo do fiel e em sua sexualidade, ferramentas importantes para sua midiatização. Um discurso estético é interpolado com um doutrinário, em que formas diferentes de olhar, descrever e policiar o corpo são apresentadas: no primeiro, se privilegia a imagem do corpo como saudável e desejável, enquanto no segundo, regulamenta-se desejos do fiel. Identificar estes discursos provavelmente aponte para o amoldamento volitivo e estético dos frequentadores e também para a constituição do corpo como agenciador da veiculação e consolidação da igreja.” (MARANHÃO FILHO, 2010) “O que, no entanto, torna o caso dessas tribos evangélicas um tanto distinto dos demais é o fato de elas se apresentarem como “comunidades estéticas” quase que exclusivamente em suas relações com o extramuros evangélico. No intramuros elas tenderiam a se assumir muito mais como subseções da grande “comunidade ética” constituída pela cristandade evangélica, que joga o jogo do mútuo fortalecimento da convicção salvacionista, projeto solidamente compartilhado e orientado para o futuro.” (JUNGBLUT, 2007)
  • 13.
  • 14. Atividades esportivas e vestimenta Entre os esportes praticados destacam-se: •Jiu-jitsu,vôlei, futebol, dança •Se importam com uma vida saudável, não só espiritualmente, bem como, fisicamente •Cuidado com a alimentação •Jovens vestem roupas de passeio em geral: calça jeans, moleton, camisa social , muitos vestindo camisa xadrez (o pastor vestia camisa xadrez e jeans), jaquetas de couro, casacos, botas, tênis (homens), maquiagem leve, alguns tatuados nos braços e no pescoço, piercing
  • 15. “Os exercícios identitários que permitem a existência de um rock underground no intramuros evangélico podem, assim, ser percebidos tanto em suas convergências com os avanços gerais desta modalidade de cristianismo no Brasil, como em suas idiossincráticas divergências. Trata-se, talvez, daqueles recorrentes fluxos de convergências e divergências entre o geral e o particular que, de muitas formas, parecem caracterizar, há muito tempo, o crescimento e a (conseqüente?) fragmentação diferencialista da cristandade protestante.” (JUNGBLUT, 2007) “(...) o discurso da BNC se dá no sentido de reforçar o processo de internalização do controle externo e intensificar a auto-censura e a culpa em relação ao suposto pecado. Entretanto, boa parte dos membros da BDN entendem este controle como algo positivo e desejável, o que permite identificar que o discurso religioso doutrinário da BDN, por mais rígido que seja, só continua existindo porque há uma demanda favorável a isto. (MARANHÃO FILHO, 2010) Incursão II - tensões
  • 16. Considerações • Igreja voltada a um nicho de mercado • Proselitismo, discurso e estratégia publicitárias • Linguagens específicas • Centralidade do corpo • Estética própria • Tensões entre a estética anunciada e o discurso religioso pretendido
  • 17. Implicações para a escola • Muitos desses jovens estão na escola • Identidades líquidas e múltiplas • Pluralidade religiosa • Limites entre religiosidade, ética e estética
  • 18. • Foi apresentado o site da Bola de Neve aos alunos de uma turma da escola que tinham entre 12 e 16 anos, de diferentes religiões.
  • 19. C. 13 anos, católica “Só encontro minhas amigas fora da escola se vamos na casa uma da outra.”
  • 20. D. 13 anos, evangélica “É uma igreja. Eu iria, mas depende.” R. 16 anos, evangélica “Não gostaria de ir a um lugar pra encontrar só gente da minha religião”
  • 21. As falas foram diversas: • K. 14 anos, espírita “Cada um tem que ter sua opinião.” • G. 12 anos, católica “Não faço parte de um grupo.” • “Muito chato.” • D. 13 anos, evangélica “Sou de um grupo que não tem nada.” • “Gostaria de ter um lugar para encontrar meus amigos.”
  • 22. Todo mundo quer ser jovem???
  • 24. A verdadeira beleza está na sabedoria.
  • 25. Bibliografia GARBIN, Elisabete M.; PEREIRA, Angélica S.; PAISAGENS JUVENIS URBANAS: IDENTIDADES CAMBIANTES NOS MOVEDIÇOS TERRENOS DA CULTURA. In: OLIVEIRA; T. R.; GONTIJO, C. B.; CASTRO, L. F. (orgs). Políticas públicas de juventudes: Contextos, percepções e desafios da prática. Barbacena/MG, 2010, p. 31-54. JUNGBLUT, Airton Luiz. A salvação pelo Rock: sobre a "cena underground" dos jovens evangélicos no Brasil. Relig. soc. [online]. 2007, vol.27, n.2, pp. 144-162. MARANHÃO FILHO, Eduardo. As representações do discurso religioso inserido na modernidade líquida. Revista Brasileira de História das Religiões – ANPUH Maringá (PR) v. 1, n. 3, 2009. Disponível em http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pub.html. Refkalefsky, Eduardo; DURÃES, Aline. Segmentação na propaganda religiosa: Bola de Neve Church e o evangelho para a geração Y1. Intercom. XXX Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, Santos, 2007. SANTOS, Giovani Carlos; FIGUEIREDO, Maria Flávia. Bola de Neve Church: a mudança no discurso evangélico do Brasil. Diálogos Pertinentes – Revista Científica de Letras, Franca(SP), v. 5, n. 5, p. 59-76, jan./dez. 2009.