SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
A LINGUÍSTICA COMO
CIÊNCIA
Slides by Raquel Salcedo Gomes
Pretensão de ser científica
Saussure - modelo sociológico
Chomsky - modelo matemático - GG
Caráter lógico-dedutivo
Estudo da língua sem praticamente referir-se a ela
Redução
Incompatibilidade com o objeto empírico -
incompreensão
Unidade da Linguística
conjunto de proposições que lhe confere estatuto de
ciência
Saussure - fundamentos
língua - sistema de signos: Linguística como Um
linguagem - muito ampla: fora da Linguística
sujeito - fora do sistema: fora da Linguística
Língua
adquirida convencionalmente
arbitrária
sistema virtual - abstração do linguista
descrição da língua através da afirmação das relações
entre as unidades (exclui essência ou substância) -
Hjelmslev
complexo estruturado dotado de significação -
Benveniste
Método e objeto
método - descrição das relações (valor)
objeto - língua
ambos fundam a Linguística como ciência
estrutura e Estruturalismo - pressupor o sistema em
relação ao elemento é o legado de Saussure - Paradigma
não há hipótese sobre os termos que não seja uma
hipótese sobre sua organização no sistema
A Linguística é mais dura
das ciências humanas
outras ciências humanas e filosofia submetidos ao
estruturalismo
discurso e língua - a língua é a matéria-prima do
discurso
A IDEALIZAÇÃO DO
OBJETO
Ideal de ciência
Ciência ideal
Conceito de signo
O signo possibilita articulação entre ideal de ciência e
ciência ideal
Ideal - imposição de conceitos e axiomas com grande
poder descritivo
O UM em linguística é deduzido do princípio da
diferença que dá existência ao sistema da língua
Realidade de laboratório
objetos simples
mecanicismo
reducionismo - método estruturalista (Bernardez)
imanência - estruturas determinadas por fatores
internos
o objeto é idealizado - simplificado
Combate à idealização
Descrição - GG
Humanismo linguístico - impede o contato
Idealização inevitável
Se desejamos um objeto mais próximo da realidade,
ainda que a realidade linguística seja bastante
“invisível”, devemos realizar uma idealização de menor
alcance, mas ela permanece imprescindível
O conhecimento completo é objeto da arte, não das
ciências
Aproximação de nossa percepção do mundo
Objeto excede o modelo
Competência textual
Língua em uso
E o Sujeito?
Excede o domínio da Linguística, mas está implicado
em seu objeto
O ENFRENTAMENTO
DA COMPLEXIDADE
DO OBJETO
creatividade/complexidade
estudo dos processos criativos - objetos complexos
2 criatividades
impossibilidade de previsão
Chomsky - na língua, mais regras do que leis
a criatividade da linguagem e os textos como produtos
são consequência de sua complexidade
rejeição da ciência clássica à complexidade
discursos, não partículas
algo é complexo porque não se submete ao método -
define-se complexidade como não submissão ao
método
explicitação do discurso da ciência padrão
a natureza, antes do laboratório, é complexa
texto - complexo porque natural
confrontar o objeto
na interação com o meio/contexto se perde a
estabilidade
estudo empírico do texto é fundamental para
comprovar ou falsear predições
retorno do sujeito
irrepetibilidade
sociedade / social / ética - fazer Linguística pra quê?
Referências
FLORES
BÉRNARDEZ, 1995

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminário de Literatura para Ensino Médio
Seminário de Literatura para Ensino MédioSeminário de Literatura para Ensino Médio
Seminário de Literatura para Ensino MédioVal Valença
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaMaria Glalcy Fequetia Dalcim
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoPré Master
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfJliaRamosVieira1
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosWillma Frazão
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGabriela Pileggi
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencialLuciene Gomes
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaismarlospg
 

Mais procurados (20)

Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1Língua e linguagem 1
Língua e linguagem 1
 
Estruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à LinguísticaEstruturalismo - Introdução à Linguística
Estruturalismo - Introdução à Linguística
 
Seminário de Literatura para Ensino Médio
Seminário de Literatura para Ensino MédioSeminário de Literatura para Ensino Médio
Seminário de Literatura para Ensino Médio
 
Aula sobre a história da língua portuguesa
Aula sobre a história da língua portuguesaAula sobre a história da língua portuguesa
Aula sobre a história da língua portuguesa
 
Fonética & fonologia
Fonética & fonologiaFonética & fonologia
Fonética & fonologia
 
Introdução à literatura
Introdução à literaturaIntrodução à literatura
Introdução à literatura
 
Semântica pragmática
Semântica pragmáticaSemântica pragmática
Semântica pragmática
 
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguísticaIntrodução à linguística - linguagem, língua e linguística
Introdução à linguística - linguagem, língua e linguística
 
Benveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoaBenveniste e a noção de pessoa
Benveniste e a noção de pessoa
 
Linguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E TextoLinguagem, Discurso E Texto
Linguagem, Discurso E Texto
 
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdfGêneros e Tipos Textuais.pdf
Gêneros e Tipos Textuais.pdf
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
 
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - MarcuschiGêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
Gêneros textuais no ensino de língua - Marcuschi
 
O que era a humanitas
O que era a humanitasO que era a humanitas
O que era a humanitas
 
Sociolinguística
SociolinguísticaSociolinguística
Sociolinguística
 
Sintaxe
SintaxeSintaxe
Sintaxe
 
1 coesão textual - referencial e sequencial
1   coesão textual - referencial e sequencial1   coesão textual - referencial e sequencial
1 coesão textual - referencial e sequencial
 
Análise de (do) discurso
Análise de (do) discursoAnálise de (do) discurso
Análise de (do) discurso
 
Gêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuaisGêneros e tipos textuais
Gêneros e tipos textuais
 
Gramatica
GramaticaGramatica
Gramatica
 

Destaque

Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosAna Cristina Ramos
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentaçãoMariana Correia
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussureGuida Gava
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentaçãoMariana Correia
 
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informaçãoFundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informaçãoBruno Augusto
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas FormalismoLucas Matos
 
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemTeoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemJanaine_jls
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaMárcio Leitão
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentadoVilmar Vilaça
 
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICO
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICOSAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICO
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICOCarla Ferreira
 
O signo linguístico em saussure, hjelmslev e
O signo linguístico em saussure, hjelmslev eO signo linguístico em saussure, hjelmslev e
O signo linguístico em saussure, hjelmslev eUnternbaumen
 

Destaque (20)

Introdução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticosIntrodução aos estudos linguísticos
Introdução aos estudos linguísticos
 
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
Parte 2   linguística geral saussure - apresentaçãoParte 2   linguística geral saussure - apresentação
Parte 2 linguística geral saussure - apresentação
 
Linguística i saussure
Linguística i  saussureLinguística i  saussure
Linguística i saussure
 
Aula 1 linguística
Aula 1   linguísticaAula 1   linguística
Aula 1 linguística
 
Parte 1 linguística geral apresentação
Parte 1   linguística geral apresentaçãoParte 1   linguística geral apresentação
Parte 1 linguística geral apresentação
 
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informaçãoFundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
Fundamentos da Linguística para a formação do profissional da informação
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
 
Correntes Matematicas Formalismo
Correntes Matematicas   FormalismoCorrentes Matematicas   Formalismo
Correntes Matematicas Formalismo
 
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagemTeoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
Teoria gerativa e_aquisicao_da_linguagem
 
Saussure
SaussureSaussure
Saussure
 
Linguística i gerativismo
Linguística i   gerativismoLinguística i   gerativismo
Linguística i gerativismo
 
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria GerativaIntrodução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
Introdução a alguns conceitos da Teoria Gerativa
 
Dicotomias de saussure gabarito comentado
Dicotomias de saussure   gabarito comentadoDicotomias de saussure   gabarito comentado
Dicotomias de saussure gabarito comentado
 
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICO
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICOSAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICO
SAUSSURE E SUA CONCEPÇÃO DE SIGNO LINGUISTICO
 
Significado e significante
Significado e significanteSignificado e significante
Significado e significante
 
Formalismo
FormalismoFormalismo
Formalismo
 
O signo linguístico em saussure, hjelmslev e
O signo linguístico em saussure, hjelmslev eO signo linguístico em saussure, hjelmslev e
O signo linguístico em saussure, hjelmslev e
 
1696
16961696
1696
 
Manual de linguistica
Manual de linguisticaManual de linguistica
Manual de linguistica
 
20110826 fidalgo antonio-logica_comunicacao
20110826 fidalgo antonio-logica_comunicacao20110826 fidalgo antonio-logica_comunicacao
20110826 fidalgo antonio-logica_comunicacao
 

Semelhante a A Linguística como Ciência

Semelhante a A Linguística como Ciência (8)

Tema 4 sobre gerativismo
Tema 4 sobre gerativismoTema 4 sobre gerativismo
Tema 4 sobre gerativismo
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátiaEstudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
Estudo dirigido linguagens da indexação prof. kátia
 
Estudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livroEstudos da linguagem livro
Estudos da linguagem livro
 
morfologia
morfologiamorfologia
morfologia
 
Gerativismo
GerativismoGerativismo
Gerativismo
 
Curso de lingüística geral saussure
Curso de lingüística geral   saussureCurso de lingüística geral   saussure
Curso de lingüística geral saussure
 
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em  linguística. In: BORGES NET...
Reflexões preliminares sobre o estruturalismo em linguística. In: BORGES NET...
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoRaquel Salcedo Gomes
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaRaquel Salcedo Gomes
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Raquel Salcedo Gomes
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaRaquel Salcedo Gomes
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?Raquel Salcedo Gomes
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoRaquel Salcedo Gomes
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisRaquel Salcedo Gomes
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasRaquel Salcedo Gomes
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Raquel Salcedo Gomes
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Raquel Salcedo Gomes
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisRaquel Salcedo Gomes
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasRaquel Salcedo Gomes
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesRaquel Salcedo Gomes
 

Mais de Raquel Salcedo Gomes (20)

Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdfTrajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
Trajetórias de aprendizagem para navegar o século XXI.pdf
 
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente InformatizadoTrajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
Trajetórias de Aprendizagem Visível em Ambiente Informatizado
 
Cultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da culturaCultura digital ou digitalização da cultura
Cultura digital ou digitalização da cultura
 
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
Trajetórias de aprendizagem e os 20 princípios da APA sobre ensino e aprendiz...
 
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionaisHistória das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
História das tecnologias cognitivas e suas implicações educacionais
 
Desafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemiaDesafios da educação na pandemia
Desafios da educação na pandemia
 
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
What happened to cognitive science? O que aconteceu com a ciência cognitiva?
 
Cognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cogniçãoCognição 4E - Evolução da cognição
Cognição 4E - Evolução da cognição
 
Cognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagemCognição enativa e linguagem
Cognição enativa e linguagem
 
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos EducacionaisBenjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
Benjamin Bloom, Mastery Learning, Objetivos Educacionais
 
Educação na cultura digital
Educação na cultura digitalEducação na cultura digital
Educação na cultura digital
 
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivasPesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
Pesquisa em informática na educação e ciências cognitivas
 
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
Fechamento Pierre Lévy - O que é o virtual?
 
O que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre LévyO que é o virtual? Pierre Lévy
O que é o virtual? Pierre Lévy
 
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
Inteligência Coletiva - Pierre Lévy
 
Pierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitaisPierre Lévy e as humanidades digitais
Pierre Lévy e as humanidades digitais
 
Informática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidênciasInformática na educação baseada em evidências
Informática na educação baseada em evidências
 
Pervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and ChallengesPervasive Computing: Vision and Challenges
Pervasive Computing: Vision and Challenges
 
Bergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha teseBergson e Maturana em minha tese
Bergson e Maturana em minha tese
 
Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)Poesia - Modernistas (1945-1960)
Poesia - Modernistas (1945-1960)
 

A Linguística como Ciência

  • 1. A LINGUÍSTICA COMO CIÊNCIA Slides by Raquel Salcedo Gomes
  • 2. Pretensão de ser científica Saussure - modelo sociológico Chomsky - modelo matemático - GG Caráter lógico-dedutivo Estudo da língua sem praticamente referir-se a ela Redução Incompatibilidade com o objeto empírico - incompreensão
  • 3. Unidade da Linguística conjunto de proposições que lhe confere estatuto de ciência Saussure - fundamentos língua - sistema de signos: Linguística como Um linguagem - muito ampla: fora da Linguística sujeito - fora do sistema: fora da Linguística
  • 4. Língua adquirida convencionalmente arbitrária sistema virtual - abstração do linguista descrição da língua através da afirmação das relações entre as unidades (exclui essência ou substância) - Hjelmslev complexo estruturado dotado de significação - Benveniste
  • 5. Método e objeto método - descrição das relações (valor) objeto - língua ambos fundam a Linguística como ciência estrutura e Estruturalismo - pressupor o sistema em relação ao elemento é o legado de Saussure - Paradigma não há hipótese sobre os termos que não seja uma hipótese sobre sua organização no sistema
  • 6. A Linguística é mais dura das ciências humanas outras ciências humanas e filosofia submetidos ao estruturalismo discurso e língua - a língua é a matéria-prima do discurso
  • 8. Ideal de ciência Ciência ideal Conceito de signo O signo possibilita articulação entre ideal de ciência e ciência ideal Ideal - imposição de conceitos e axiomas com grande poder descritivo O UM em linguística é deduzido do princípio da diferença que dá existência ao sistema da língua
  • 9. Realidade de laboratório objetos simples mecanicismo reducionismo - método estruturalista (Bernardez) imanência - estruturas determinadas por fatores internos o objeto é idealizado - simplificado
  • 10. Combate à idealização Descrição - GG Humanismo linguístico - impede o contato
  • 11. Idealização inevitável Se desejamos um objeto mais próximo da realidade, ainda que a realidade linguística seja bastante “invisível”, devemos realizar uma idealização de menor alcance, mas ela permanece imprescindível O conhecimento completo é objeto da arte, não das ciências Aproximação de nossa percepção do mundo
  • 12. Objeto excede o modelo Competência textual Língua em uso E o Sujeito? Excede o domínio da Linguística, mas está implicado em seu objeto
  • 14. creatividade/complexidade estudo dos processos criativos - objetos complexos 2 criatividades impossibilidade de previsão Chomsky - na língua, mais regras do que leis a criatividade da linguagem e os textos como produtos são consequência de sua complexidade rejeição da ciência clássica à complexidade
  • 15. discursos, não partículas algo é complexo porque não se submete ao método - define-se complexidade como não submissão ao método explicitação do discurso da ciência padrão a natureza, antes do laboratório, é complexa texto - complexo porque natural
  • 16. confrontar o objeto na interação com o meio/contexto se perde a estabilidade estudo empírico do texto é fundamental para comprovar ou falsear predições retorno do sujeito irrepetibilidade sociedade / social / ética - fazer Linguística pra quê?