Visão medico e espirita da depressão

Marcelo Monteiro
Marcelo MonteiroProject Manager em Eco Sistemas - Secretaria Estadual de Saúde

Depressão tem origem biológica, psicológica, social e espiritual. Constitui-se, portanto, num fenômeno bio-psico-sócio-espiritual.

Depressão: conceitos básicos e terapêutica espírita-cristã
                                                                   Nilson Perissé

1. A depressão como um fenômeno complexo e multifatorial

      Quanta mais ampla for a pesquisa na vasta bibliografia acerca da
depressão, poderá se observar entre os estudiosos mais dúvidas do que
certezas. Duas conclusões, porém, são praticamente consenso:

1ª. A depressão existe.
2ª. A depressão é um fenômeno bio-psico-social.

      Para o pensador espírita-cristão é ainda mais que isso: a depressão tem
origem biológica, psicológica, social e espiritual. Constitui-se, portanto, num
fenômeno bio-psico-sócio-espiritual.

       Essa visão integrada da depressão, com fatores diversos que interagem
entre si, faz sentido no saber espírita. Afinal, ao propor um modelo de homem
integral, há quase cento e cinqüenta anos, Allan Kardec apresentou uma
realidade semelhante à seguinte:

                   MEIO AMBIENTE            Influências visíveis

                                   CORPO
                                P ER ISPÍRITO
                                  ESPÍRITO



                                          Influências invisíveis


       Esse modelo apresenta a idéia de que somos espíritos, revestidos de
um corpo semi-material (perispírito) e, quando encarnados, de um corpo
material. Esse complexo é formado por energias em estados diferenciados que
circulam por todo o sistema, num processo de retroalimentação. Eis, aliás, um
conceito importante para o entendimento da depressão sob o enfoque espírita:
as energias circulam; quando não, são fatores de doença, conforme será
visto mais adiante.
       O modelo apresenta também o homem exposto a influências do meio.
Toda a fundamentação espírita-cristã sobre o entendimento da existência
apresenta o ser humano como um ser social, de interações complexas que
envolvem tanto o relacionamento com espíritos encarnados quanto
desencarnados. Essas influências produzem conseqüências, estabilizando ou
desestabilizando o todo.


                                      1
Todas essas considerações fazem aproximações importantes entre a
visão espírita-cristã e a visão acadêmica acerca da depressão, tornando as
descobertas desta úteis para a abordagem e compreensão daquela doença.

2. Conceituando e identificando a depressão

       Várias são as definições de depressão. Para o estabelecimento de uma
visão inicial, pode ser aceita a seguinte:

Estado psíquico onde a criatura apresenta-se num quadro de melancolia
intensa, sem interesse pelas coisas que antes realizava ou buscava, além
de falta de energia. Nas formas graves, associa-se a sentimentos de ruína
e desejo de morte ou suicídio.

       Trata-se de um conceito genérico, pois existem muitos outros sintomas
de depressão além dos apresentados acima. Na realidade, a forma como a
depressão se manifesta em cada pessoa é bastante variável e muitas vezes se
apresenta com características opostas em pessoas diferentes. É como se
numa festa todas as pessoas bebessem até se embriagar. Os sintomas de
embriaguez de cada convidado variam: uns ficam muito alegres, outros ficam
calados e introspectivos; alguns começam a contar piadas, outros se tornam
agressivos; uns se exaltam, outros se recolhem.
       Os sintomas podem ser classificados de várias formas. Uma forma útil
de agrupamento de sintomas encontra-se na tabela simplificada a seguir1, que
os distribui em:
                 • Sintomas afetivos
                 • Alterações físicas
                 • Alterações ideativas
                 • Alterações de autovalorização


SINTOMAS AFETIVOS                          ALTERAÇÕES FÍSICAS
•   Tristeza, melancolia                   •   Fadiga, cansaço fácil
•   Choro fácil e/ou frequente             •   Insônia ou hipersonia
•   Apatia/indiferença                     •   Perda ou aumento de apetite
•   Tédio crônico                          •   Constipação, palidez
•   Irritabilidade                         •   Redução da libido
•   Angústia/ansiedade                     •   Diminuição da resposta sexual
•   Desespero                              •   Anedonia (incapacidade de sentir
•   Desesperança                               prazer)

ALTERAÇÕES IDEATIVAS                       ALTERAÇÕES DE AUTOVALORIZAÇÃO
•   Idéias de arrependimento e culpa       •   Baixa auto-estima
•   Pessimismo                             •   Sentimentos de insuficiência   e
•   Ruminações com mágoas antigas              incapacidade
•   Visão de mundo entediante              •   Vergonha
•   Idéias de morte                        •   autodepreciação
•   Planos suicidas



                                       2
A literatura aponta que a existência de cinco ou mais desses sintomas
conjugados caracterizam a depressão. Porém, colocando dessa forma, à
primeira vista parece que todos são deprimidos, na medida em que os
sintomas apresentados soam bastante familiares a todos nós. Ao contemplar o
quadro dos sintomas, é natural que se ouça questionamentos como: “O fato de
eu me sentir triste de vez em quando significa que estou com depressão?”; ou
“Quando estou com problema de constipação é porque estou deprimido?”
       Os autores espirituais Hammed e Joanna de Angelis tecem importantes
comentários para desmistificar esses equívocos. Hammed diz: "Somos também
natureza: possuímos as estações da alegria, do entusiasmo, da moderação e
do desânimo, assim como as da primavera, do verão,do outono e do inverno"
De acordo com ele, não existe nada de patológico em alternar emoções, desde
que não se fixe em alguma delas. Joanna explica: "Num estado saudável, o
indivíduo sente-se bem, experimentando também dor, tristeza, nostalgia,
ansiedade, já que esse oscilar da normalidade é característica dela mesma.
Todavia,quando tais ocorrências produzem infelicidade, apresentando-se como
verdadeiras desgraças, eis que a depressão se está fixando". Voltando à visão
de homem como um complexo de energias em movimento, podemos entender
que os sentimentos, mesmo aqueles que não nos são dos mais agradáveis,
são coisa natural no caminho evolutivo do ser. Entretanto, na medida em que
ficamos presos num único padrão de energia, o sistema entra em colapso e
caímos na doença. O Dr. Wilson Ayub Lopes, da Associação de Médicos
Espíritas do Espírito Santo, complementa: “As emoções naturais devem ser
passageiras, circularem normalmente. A tristeza, por exemplo, é uma emoção
natural, que nos leva a entrar em contato conosco, à introspecção e à reflexão
sobre nossas atitudes. Uma vez estagnada, prolongada, acompanhada de
sentimento de culpa, nos leva à depressão”2. É exatamente por isso que ele
considera a depressão como uma emoção estragada, ou seja, qualquer
emoção que, ao invés de circular naturalmente e dar lugar a outras emoções,
acaba provocando o que poderíamos chamar de “engarrafamento” de energias,
tornando-se estragada e, por conseqüência, deteriorando todo o sistema do
qual faz parte.
       Então, se a tristeza ou qualquer um dos sintomas apresentados na
tabela anterior não significa, necessariamente, um estado de depressão, quais
seriam as referências para se diagnosticar a doença?

      A identificação da depressão passa por algumas referências bastante
conhecidas, e consiste no cruzamento de alguns dos sintomas apresentados
com três aspectos:

    Persistência – Quando não há retrocesso desses estados emocionais
      Incapacidade – Quando esses estados emocionais incapacitam para as
atividades normais.
    Desproporção – Sentimentos exagerados diante dos fatos.

     Segundo o médico psiquiatra Gustavo Ballone3, a psicopatologia
recomenda como válida a existência de três sintomas depressivos básicos:



                                      3
- Inibição Psíquica (apatia e desinteresse)
- Estreitamento do Campo Vivencial (perda do prazer)
- Sofrimento Moral (autoestima baixa)
       A Inibição Psiquica é um dos sintomas básicos da Depressão e se
manifesta como uma espécie de freio ou lentificação dos processos psíquicos
em sua globalidade, uma lasidão generalizada de toda a atividade mental. Em
graus variáveis, esta inibição geral torna o indivíduo apático, desinteressado,
lerdo, desmotivado, com dificuldade em suportar tarefas elementares do
cotidiano e com grande perda na capacidade em tomar iniciativas. O campo da
consciência e da motivação estão seriamente comprometidos, daí a dificuldade
em manter um bom nível de memória, de rendimento intelectual, da atividade
sexual e até da agressividade necessária para tocar adiante o dia-a-dia.


       O Estreitamento Vivencial não pode ser diferenciado totalmente da
Inibição Psíquica. A palavra mais adequada para designar este fenômeno é
ANEDONIA,        ou    seja,    a     incapacidade    em      sentir    prazer.
O universo vivencial do deprimido vai sendo cada vez menor e mais restrito e a
preocupação com seu próprio estado sofrível toma conta de todo seu interesse
vivencial. Não há ânimo suficiente para admirar um dia bonito, para interessar-
se na realização ocupacional, para degustar uma boa bebida, para deleitar-se
com um filme interessante, para sorver uma boa companhia, para incrementar
sua discoteca, enfim, em seu rol de ocupações só existe a preocupação
consigo próprio. Nada mais lhe dá prazer, nada mais pode motivá-lo.

       O Sofrimento Moral, ou sentimento de menos-valia, é o fenômeno mais
marcante e mais desagradável na trajetória do depressivo. É um sentimento de
autodepreciação, autoacusação, inferioridade, incompetência, pecaminosidade,
culpa, rejeição, feiúra, fraqueza, fragilidade e mais um sem-número de
adjetivos autopejorativos. Evidentemente, tais sentimentos aparecem em grau
variado; desde uma sutil sensação de inferioridade até profundos sentimentos
depreciativos.
3. O Tamanho do Problema
      Alguns dados estatísticos mostram que a Depressão afeta de 15% a 20%
das mulheres e de 5% a 10% dos homens. Aproximadamente 2/3 das pessoas
com Depressão não fazem tratamento e dos pacientes que procuram o clínico
geral apenas 50% são diagnosticados corretamente.
      A maioria dos pacientes deprimidos que não é tratada irá tentar suicídio
pelo menos uma vez e 17% deles conseguem se matar. Com o tratamento
correto, 70% a 90% dos pacientes recuperam-se da Depressão. A doença
pode surgir a qualquer idade, ainda que os sintomas apareçam mais
freqüentemente entre os 20 e 50 anos.
     Quem já teve um quadro depressivo tem 35% de probabilidade de
desenvolver um segundo episódio, 65% de desenvolver um terceiro episódio e
90% de desenvolver um quarto episódio. A Depressão é, portanto, uma doença
que se manifesta por episódios recorrentes e cada episódio geralmente dura de
alguns meses a alguns anos, com um período normal entre eles. Em cerca de

                                      4
20% dos casos, porém, a Depressão segue um curso crônico e sem remissão,
ou seja, continuamente (OMS), especialmente quando não há tratamento
adequado disponível. Se não tratada, a depressão pode ser tão incapacitante
quanto doenças como artrite, diabetes ou pressão alta. Pode efetivamente
impedir uma participação completa na vida.

4. Causas da Depressão

      De modo geral, pode-se classificar as causas da depressão em três
categorias:

- Depressão Reativa. Como o título sugere, é a depressão que ocorre como
reação a alguma coisa real, a uma fonte externa que pode ser casualmente
relacionada àquela reação. Inicia a partir de acontecimentos significativos,
geralmente perdas ou frustrações: separações, perda de um ente querido,
emprego, moradia, status socioeconômico, etc.

- Depressão Secundária. Causada ou fortemente associada a uma doença de
natureza física capaz de produzir perturbações no funcionamento do sistema
nervoso. Doenças primárias possíveis: tuberculose, hipotireoidismo, síndrome
de Cushing, doença de Addison, doença de Huntington, Aids, diabetes melito,
Lupo eritematoso, anemia grave, doença de Alzheimer, esclerose múltipla,
epilepsia, hidrocefalia, porfiria, artrite reumatóide. Aqui cabe um destaque aos
hormônios. Se os níveis de alguns hormônios entrarem em desequilíbrio, como
por exemplo, os hormônios tireoidianos, a depressão pode surgir, assim como
pode se houver desequilíbrio nos hormônios supra-renais. Estatísticas apontam
que 7 em 10 pacientes depressivos crônicos sofrem de disfunção glandular,
precisamente nas supra-renais ou na tireóide4. Quando a tireóide funciona mal
e produz menos secreção hormonal que o normal, leva o organismo ao
entorpecimento, sonolência e por consequência a um estado muito próximo da
depressão. Problemas nas supra-renais concorrem para a sensação de
tristeza, inapetência e alheamento do indivíduo.

Também dá origem à depressão de ordem secundária o uso de alguns
medicamentos cardiovasculares, analgésicos, antiinflamatórios, antibióticos,
citostáticos, psicotrópicos, hormônios, esteróides e outros.

- Depressão Endógena. Causada por fatores genéticos e de origem biológica,
independentes de fatores psicológicos. Na Grécia antiga, cinco séculos antes
de Cristo, a depressão era chamada de melancolia (do grego melas – escuro –
e khole – bile), pois acreditava-se que sua causa provinha de disfunção
hepática, provocando um acúmulo de bile negra que, tóxica, produziria a
melancolia. Hoje, a compreensão que se tem sobre o aspecto endógeno da
depressão concentra-se em algumas hipóteses importantes:

•   A nível da neurociência, entende-se que a causa da depressão se encontra
    na esfera dos neurotransmissores e neuroreceptores. Sabe-se que o
    sistema nervoso, juntamente com o sistema endócrino (do qual fazem parte
    as glândulas produtoras de hormônios), comanda e coordena todas as
    funções orgânicas. No tecido nervoso, um dos componentes principais são


                                       5
os neurônios (células nervosas), que têm a propriedade de receber e
    transmitir estímulos, permitindo ao organismo responder a alterações do
    meio. Os neurônios conectam-se entre si e aos órgãos por um tipo especial
    de junção, denominada sinapse, que ocorre através de mediadores
    químicos denominados neurotransmissores. Neurotransmissores, portanto,
    são substâncias químicas que permitem a comunicação celular no cérebro,
    conduzindo o impulso nervoso entre um neurônio e outro. Alguns
    neurotransmissores, como a serotonina, a dopamina e a noradrenalina são
    responsáveis por uma espécie de regulagem das emoções: a serotonina
    tem como uma de suas funções a regulação do humor, da ansiedade e do
    ritmo do sono; a dopamina age em regiões do cérebro promovendo, entre
    outros efeitos, a sensação de prazer e a motivação; a noradrenalina
    relaciona-se com a agilidade e a prontidão para a resposta aos estímulos
    externos.
    Já os neuroreceptores são estruturas funcionais situadas nas paredes de
    neurônios nas quais se acoplam os neurotransmissores A carência de
    neurotransmissores, bem como a desregulação no número e na
    sensibilidade dos neuroreceptores são tidos como causas de depressão.

    Miguel Lucas, psicólogo espanhol, utiliza-se de uma interessante metáfora
    para explicar esse mecanismo: “Façamos uma comparação do nosso
    cérebro com um carro. Para um carro andar, existem vários fluidos, como o
    combustível, o fluido do freio, a água do radiador, o óleo. Quando há falta
    desses líquidos, o carro não anda ou logo se quebra: sem o combustível ele
    não anda, sem o fluido de freio ele não breca, sem a água do radiador o
    carro não tem lubrificação adequada. Em nosso cérebro acontece o mesmo.
    As substâncias químicas que há, os neurotransmissores, devem estar na
    quantidade certa: se a quantidade estiver a mais ou a menos, provocará um
    desequilíbrio no cérebro, causando, por exemplo, a depressão, e, como no
    caso do carro, não funcionará 100%. Vale lembrar também que os
    antidepressivos são medicamentos que ajudam a restaurar o equilíbrio das
    substâncias químicas do cérebro, estimulam a produção da serotonina.
    Quando o equilíbrio ocorre, a depressão melhora gradualmente”5.

•   A nível da genética, entende-se que há algo muito importante relacionado
    com a hereditariedade. Quanto maior o número de antecedentes
    deprimidos entre familiares, maior a probabilidade de se desenvolver uma
    depressão. Ballone6 observa que há uma significativa porcentagem de
    filhos de pais deprimidos que desenvolve a doença e uma expressiva
    porcentagem quando os dois pais são deprimidos, mesmo que o filho tenha
    sido criado por outra família não-deprimida.

5. A visão espírita-cristã sobre a depressão

       Uma forma interessante de abordar a depressão segundo a
compreensão da Doutrina Espírita, é classificar suas causas em
predisponentes e preponderantes, conforme o faz o autor espiritual Manoel
Philomeno de Miranda na obra mediúnica “Tormentos da Obsessão”7.
       O fator preponderante (causa principal que dá origem à depressão) é o
próprio Espírito reencarnado: “O órgão doente reflete o desconforto do Espírito,


                                       6
em si mesmo insano, que manifesta naquela área a deficiência, a mazela que o
afeta”8. No Espírito se encontram “as condições indispensáveis para a
instalação do distúrbio a que faz jus, em razão do seu comportamento no
transcurso das experiências sucessivas” 9. Complementando essa informação,
o espírito Joanna de Angelis, que em várias de suas mensagens trata da
depressão, deposita no sentimento de culpa a fonte de desequilíbrio que
predispõe o reencarnante à depressão endógena: “A depressão tem a sua
gênese no espírito que reencarna com alta dose de culpa. Com a consciência
culpada, sofrendo os gravames que lhe dilaceram a alegria íntima, imprime nas
células os elementos que as desconectam, propiciando, em largo prazo, o
desencadeamento dessa psicose”. O mesmo diz o espírito Carneiro de
Campos: “Depressão é o processo de auto-punição que o espírito se impõe
pelos malogros e os crimes em outras vidas (...) O psicótico maníaco-
depressivo traz gravado nas paisagens do inconsciente os hediondos desvios
morais pregressos que escaparam à justiça”.

      Já entre os fatores predisponentes (fatores de influência, responsáveis
pelo desencadeamento do processo) devem ser citados:

   •   Fatores genéticos. Segundo o médico psiquiatra Jaider Rodrigues de
       Paula, “estão no perispírito as matrizes da depressão. Se o
       reencarnante traz insculpido no seu psicossoma as matrizes da
       depressão, elas influenciarão ativamente na seleção genética dos
       elementos que poderão viabiliza-la na vida física”. Na obra já citada,
       Manoel Philomeno de Miranda registra como se dá esse processo: “No
       processo reencarnatório, o Espírito imprime nos genes as suas
       necessidades evolutivas, desencadeando os distúrbios correspondentes
       ao processo de crescimento moral no momento adequado da vida física
       (...). Os genes registram o desconserto vibratório produzido pelas ações
       incorretas no futuro reencarnante, passando a constituir-se um campo
       no qual se apresentarão os distúrbios do futuro quimismo cerebral.
       Quando se apresentam as circunstâncias predisponentes, manifesta-se
       o quadro já existente nas intrincadas conexões neuronais, produzindo
       por fenômenos de vibração eletroquímica o transtorno”. Miranda cita os
       neurotransmissores serotonina e noradrenalina como elementos
       importantes que sofrem impacto dessas alterações.

   •   Problemas hormonais, em especial “os hormônios esteróides,
       estrênios e androgênios, relacionados com o sexo, que desempenham
       papel fundamental no humor e no comportamento mental”10;

   •   Problemas de obsessão espiritual, na qual um espírito estabelece um
       processo de desequilíbrio no homem encarnado. “A obsessão se torna
       possível graças à ação do agente no campo perispiritual do paciente. A
       consciência de culpa do hospedeiro desarticula o campo vibratório que o
       defende do exterior e, nessa área deficiente, por sintonia fixa-se a
       indução perturbadora do hóspede. Em outras ocasiões, quando a culpa
       é de menor intensidade, o cobrador sitia a usina mental do futuro
       hospedeiro, que termina por aceitar a inspiração perniciosa, tendo início
       o intercâmbio telepático, que romperá o campo de defesa, facultando,


                                       7
assim, a instalação da parasitose. Esta, graças à sua intensidade,
    através do perispírito se alojará na mente, gerando alucinações,
    pavores, insatisfação, manias, exacerbação do ânimo ou depressão”11.
    Miranda explica que o cérebro que sofre a obsessão é bombardeado
    sucessivamente, “recebe as partículas mentais que podem ser
    consideradas como verdadeiros elétrons com alto poder desorganizador
    das conexões neuroniais, afetando-lhes os neurotransmissores como a
    serotonina, a noradrenalina, a dopamina e outros mais, aos quais se
    encontra associado o equilíbrio emocional e o do pensamento”12.

•   Nostalgia de vidas anteriores. A obra “O Evangelho Segundo o
    Espiritismo”, de Allan Kardec, traz uma mensagem intitulada “A
    melancolia” (nome que, à época era utilizado para denominar a
    depressão), na qual atribui à nostalgia a causa da depressão: “Sabeis
    por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e
    vos leva a considerar amarga a vida? É que vosso Espírito, aspirando à
    felicidade e à liberdade, se esgota, jungido ao corpo que lhe serve de
    prisão, em vãos esforços para sair dele. Reconhecendo inúteis esses
    esforços, cai no desânimo e, como o corpo lhe sofre a influência, toma-
    vos a lassidão, o abatimento, uma espécie de apatia, e vos julgais
    infelizes”13. Joanna de Angelis corrobora essa tese: “ A depressão é uma
    forma patológica do estado nostálgico. A nostalgia reflete evocações
    inconscientes, que parecem haver sido ricas de momentos felizes, que
    não mais se experimentam. Pode proceder de existências anteriores do
    espírito, que ora as recapitula nos recônditos profundos do ser,
    lamentando, sem dar-se conta, não mais as fruir”14. Izaias Claro
    reproduz em seu livro15 um interessante exemplo contado em palestra
    pelo médium Divaldo Pereira Franco: “Um homem, casado, veio a se
    apaixonar, profundamente, por uma jovem vendedora de ilusões, que
    frequentava a noite de Buenos Aires. Embora devotado à esposa, por
    algum tempo manteve esse relacionamento afetivo-sexual com a jovem,
    até que circunstâncias várias constrangeram-na à busca de uma ruptura.
    Com este propósito, a jovem enceta uma longa viagem saindo do seu
    próprio país. Todas as noites (sempre às quartas-feiras) em que ambos
    se encontravam, por meses consecutivos, o personagem de nossa
    história ia regularmente à casa noturna, na esperança, sempre frustrada,
    de reencontrar sua amada. À medida em que o tempo passava e a
    jovem não retornava, ele entrou em profunda depressão, adoecendo
    rapidamente e definhando-se ao ponto de desencarnar prematuramente.
    A jovem, posteriormente, retorna a Buenos Aires e vem a saber do
    falecimento do seu amado. Buscando uma reação e uma readaptação à
    nova situação, ela trava contato com o Espiritismo. Converte-se a esta
    Doutrina e se transforma sobremaneira, sendo adotada por um casal
    ilustre e respeitável da Argentina. Anos mais tarde, já perfeitamente
    integrada à conduta ética, ela vem a se apaixonar por um rapaz,
    casando-se com ele. Não muitos anos mais tarde, ela ganha seu
    primeiro filho, um lindo e triste menino. Este menino, inobstante todo o
    empenho dos pais amorosos e dos avós devotados, era uma criança
    invariavelmente triste, raramente se alegrando em profundidade. Era o
    amado de outrora que retornava pelos laços sacrossantos da


                                    8
paternidade, incapaz que fora de permanecer por mais tempo no mundo
       espiritual. Como desejasse e necessitasse reencarnar para a busca do
       reequilíbrio, como da retomada do vínculo afetivo, agora com o objetivo
       de sublimação, ele retorna, não se tendo ainda recuperado da
       depressão que o levara à desencarnação , reencarnando deprimido.
       Joanna de Ângelis informa a Divaldo que o garoto não resistirá muitos
       anos no corpo, que desencarnará relativamente jovem, em
       consequência da depressão alimentada intensamente nos últimos anos,
       somando-se os períodos da encarnação anterior, de desencarnado e
       outra vez encarnado”.

   Os pesquisadores espíritas Lamartine Palhano Jr. e Júlia Anália S. Oliveira
apresentaram na obra “Laudos Espíritas da Loucura”16 uma interessante
pesquisa onde propõem a visão das doenças mentais baseada na experiência
de um grupo de médiuns dedicados ao estudo e tratamento de doentes
psíquicos, sob supervisão espiritual de Bezerra de Menezes. O livro apresenta
a classificação das causas de depressão com base em trinta pacientes
deprimidos examinados pela técnica da varredura anamnésica e mediúnica. O
quadro que segue é apresentado na obra citada, seguido por comentarios dos
autores:

        Sintomas                 Mulheres    Homens    Total    %
        Obsessão                    17         4        21     70,00
        Conflitos existências       14         2        16     53,33
        Angústia                    10         2        12     40,00
        Agitação                     6         4        10     33,33
        Ansiedade                    7         1         8     26,66
        Desânimo                     6         2         8     26,66
        Confusão mental              5         3         8     26,66
        Perturbações do sono         5         2         7     23,33
        Apatia                       5         1         6     20,00
        Dor de cabeça                6          -        6     20,00
        Dores musculares             5         1         6     20,00
        Indecisão                    5         1         6     20,00
        Agressividade                4         2         6     20,00
        Adinamia                     5          -        5     16,66
        Sentimento de perda          4         1         5     16,66
        Medo (fobias)                4         1         5     16,66
        Alterações do humor          4         1         5     16,66
        Inapetência                  4          -        4     13,33
        Estafa                       4          -        4     13,33
        Tendências suicidas          2         1         3     10,00
        Baixa estima                 3          -        3     10,00
        Total dos casos             24         6        30       -


•   As mulheres apresentaram-se em maior número: em trinta casos tratados,
    24 eram de mulheres.

                                      9
•   As obsessões apareceram em 70% dos casos, sempre associadas e
    complementares, nunca como causa primeira. Geralmente uma atividade
    perturbadora acrescida ao psiquismo já desarticulado dos pacientes, que,
    por algum motivo de ordem moral ou orgânica, permitiram um campo
    mental propício à aproximação de entidades inferiores. Com relação à
    obsessão, entre os 21 casos constatados mediunicamente, apenas quatro
    eram pacientes homens, isso num total de seis homens examinados
    apenas. Embora a amostragem seja muito pequena, o índice percentual da
    obsessão continua em torno dos 70%.

•   Os conflitos existenciais aparecem em segundo lugar entre as queixas mais
    comuns, 53,33%. Em alguns casos aparecem como a própria causa
    desencadeante da depressão. Esses conflitos provinham de mágoas,
    rancores, perdas de entes queridos, estresse, situação financeira confusa
    ou ruim, transgressões legais ou morais, tendências e lembranças culposas
    atuais ou ancestrais (de outras reencarnações), culpa, doenças físicas e
    psicoses.

•   A angústia definida ou indefinida nos pacientes está em 40% dos casos. A
    insegurança diante dos sentimentos opressivos desconhecidos provoca tal
    perturbação que os pacientes sentem-se indefesos, choram e deprimem-se
    mais ainda. O afastamento das entidades espirituais que aumentam esse
    sentimento e o reforço psíquico do passe e similares providenciam um certo
    alívio, mas o paciente é que deve dar a direção libertadora aos seus
    pensamentos.

•   Segue, na ordem decrescente, a agitação, com 33,33%. Esse
    comportamento ‚ mais um sintoma que mostra a ordem de perturbação do
    paciente, que, inseguro, quer reagir conscientemente, mas não consegue.
    Diante da agressão que está recebendo, diante das agruras físicas e
    morais, ele se defende como pode. Nesse embate, surge a agitação, que é
    a ausência de tranqüilidade, é a inquietude, não há segurança para ele no
    universo, tudo é pressão demasiada, seus nervos estão à flor da pele. A
    meditação seria um caminho.

•   Vê-se a ansiedade em quinto lugar, com 26,66% dos pacientes em estados
    diversos. É um querer e não poder, não conseguir, inquietude, falta de fé,
    ausência de Deus. A prece seria um bom remédio para serenar os ânimos
    exaltados do consciente que deseja, que teme, que não vê saída. Neste
    mesmo nível de queixas, encontram-se o desânimo e a confusão mental. O
    primeiro é a desistência, a falta de coragem e o segundo ‚ o desencontro
    neural, a não-sincronia dos neurônios, pela perda de energia nervosa e o
    encontro de pensamentos diversificados do próprio paciente com os que lhe
    chegam por sintonia com entidades espirituais oportunistas, numa
    infestação psíquica. Seguem-se então as perturbações do sono, apatia,
    cefaléia, dores musculares, agressividade, adinamia, sentimento de perda,
    medo (fobias), alterações do humor, inapetência, tendências suicidas,
    baixa-estima.
  Na obra citada, os autores informam que todos os pacientes conseguiram
melhora significativa permanente após algum tempo em que se dispuseram à


                                      10
disciplina mental, e pouco a pouco os médicos foram diminuindo a dose dos
medicamentos prescritos.
      Da pesquisa, eles destacaram o que           consideram as principais
características presentes em pessoas portadoras de depressão:
   •   a obsessão por espíritos oportunistas, aproveitadores, vingadores,
       vampirizadores das energias vitais, inimigos do paciente, depressivos e
       doentes;
   •   lembranças amargas e de cenas de crimes praticados num passado
       recente ou ancestral, que vêm para a superfície consciencial,
       alimentando o estado depressivo. Esses fatores podem ser controlados
       com os recursos espíritas e disciplina mental adequada. A atitude de
       disciplina do pensamento, por parte do paciente, é de grande valia para
       a pacificação neuropsíquica. Estabelecendo-se defesas nesses dois
       campos da mente, haverá muito mais chances de uma resposta
       satisfatória aos medicamentos de escolha.
   •   Talvez o mais importante: uma revolta surda, vinda de uma raiva (ódio),
       de uma mágoa ou de um orgulho ferido, que o consciente não consegue
       expressar.

6. A terapêutica

      A seguir são apresentadas indicações para um tratamento integrado da
depressão.

- Tratamento medicamentoso

                                “A depressão tem a sua repercussão orgânica (...) O corpo
                                      em desajuste leva a estados emocionais irregulares”
                                                                                        17
                                                                    Joanna de Ângelis

        Palhano Jr. e Júlia Oliveira, na obra recém citada, entendem que
“forçosamente, há responsáveis fisiológicos na manifestação dos estados
mórbidos da mente (...) O tratamento deve contar com a ação de
psicofármacos devidamente acompanhada por psiquiatra, visto que há
necessidades bioquímicas do cérebro a serem recompostas”. Manoel
Philomeno de Miranda ratifica a orientação médica tradicional: “Os fármacos
antidepressivos em geral têm por meta elevar os níveis da serotonina, bem
como da noradrenalina, tendo por meta aumentar a quantidade de
neurotransmissores no cérebro, que lhes sofre carência (...) Os antidepressivos
oferecem resultados positivos de acordo com a ficha cármica de cada paciente
(...) Como todos os fármacos objetivam alterar diretamente a química cerebral,
inevitavelmente produzem dependência e algumas sequelas, que podem ser
contornadas pelo psiquiatra e também pelo esforço do próprio paciente no
processo de recuperação”18.

- Terapia fluídica

                     “Sem o esforço pessoal, mui dificilmente será encontrada uma fórmula


                                         11
ideal para o reequilíbrio, mesmo que sob a ação de neurolépticos”
                                                                                        19
                                                                      Joanna de Ângelis

        Um grande problema para a cura da depressão é justamente encontrar
vigor e ânimo para submeter-se à disciplina que o tratamento exige. Afinal, não
se trata apenas aceitar o tratamento medicamentoso. Como foi visto no início
deste trabalho, o homem é um complexo de energias que circulam no sistema
que ele é: espírito, perispírito e corpo. É necessário, em paralelo ao tratamento
físico, adotar comportamentos e hábitos que cuidem também do corpo
espiritual.
       Frequentar uma Casa Espírita traz, entre outros benefícios, a
possibilidade de dispor da fluidoterapia, através do recebimento de passes e da
ingestão de água fluidificada. Com relação ao passe, são recomendados em
especial passes nos centros de força laríngeo (que abrange a tireóide), gástrico
e esplênico (responsáveis pelo processamento dos alimentos e pela circulação
sanguínea, respectivamente).
        No dia a dia, é importante uma alimentação que estimule o bom
funcionamento dos intestinos: muita fruta e verdura, pouca carne, ovos, leite e
derivados. São recomendados também banhos de sol, exercícios para
absorção de oxigênio e saída do gás carbônico. Joanna diz que “uma bem
orientada disciplina de movimentos corporais, proporcionando exercícios
físicos, contribui de forma valiosa para a libertação de miasmas que intoxicam
os centros de força”20. Os exercícios corporais também são úteis para o corpo
físico, na medida em que contribuem para o aumento da produção de
neurotransmissores21 .

- Terapia Desobsessiva

       Embora nem toda depressão esteja necessariamente associada a
processos obsessivos, é importante, caso esse fator seja diagnosticado por
pessoal capacitado da Casa Espírita, que o paciente seja submetido também
ao tratamento de desobsessão em estabelecimento espírita idôneo.

- Terapia psicológica

        Conforme foi visto na depressão reativa, muitas vezes o processo
depressivo é iniciado como reação a alguma dificuldade de lidar com
problemas externos, situações difíceis com as quais não se consegue lidar com
equilíbrio. Manoel Philomeno de Miranda registra que “as tensões mal
direcionadas e suportadas por largo período, quando cessam, são substituídas
por moléstias de largo porte, na área dos desequilíbrios físicos, dando gêneses
a cânceres, crises asmáticas, insuficiência respiratória, etc. Outras vezes,
propiciando estados esquizofrênicos, catatônicos, neuróticos, psicóticos,
profundamente perturbadores”22. Pensando nessa mesma linha, Joanna de
Ângelis sugere que o paciente “entre em contato com o seu conflito e o libere,
(...) diante de alguém que realmente se interesse pelo seu problema. Idéias
demoradamente recalcadas, que se negam a externar-se – tristezas, medos,
ciúmes, ansiedades – contribuem para as depressões, que somente podem ser
resolvidos à medida que sejam liberados, deixando a área psicológica em que
se refugiam e libertando-a da carga emocional perturbadora”23



                                         12
Para quem frequenta uma Casa Espírita, seguir a recomendação de
Joanna é participar dos serviços de Atendimento Fraterno, no qual pessoal
treinado se disponibiliza para ouvir com carinho as dificuldades do paciente e,
quando necessário, construir juntos possibilidades de solução ou de
convivência com o problema apresentado.

- Terapia do trabalho

       Manoel Philomeno de Miranda apresenta o trabalho pelo próximo como
uma terapêutica essencial para os males da alma: “Ao lado de todos os
tratamentos especializados para a cura da depressão, assim como de outros
distúrbios de comportamento, o trabalho desempenha um papel terapêutico
fundamental”24. Francisco Cândido Xavier é da mesma opinião. Ao ser
perguntado sobre a melhor forma de combater a depressão, respondeu:
“Trabalhando incessantemente para o bem geral, sem qualquer expectativa de
compensação material ou espiritual, de vez que, quem auxilia os outros está,
particularmente, auxiliando a si próprio25”. O trabalho traz inúmeros benefícios,
entre eles o aumento da auto-estima, na medida em que o paciente percebe
que pode ser útil e que suas ações têm o poder de levar felicidade e alívio para
outras pessoas que, como ele próprio, sofrem. Como sugere o espírito Irmão
José, “quando sentirmos que a tristeza insiste em se demorar conosco,
ocupemos as nossas mãos e a nossa mente no serviço do bem. Deixemos a
poltrona do comodismo e desintoxiquemo-nos no suor da caridade26".
      A prática do bem, em última análise, irá igualmente “facultar créditos a
serem considerados no balanço moral da sua existência27”

- Terapia da reforma íntima

                       “Criamos a sociedade dos deprimidos e dos comprimidos, porque no
                     fundo nos sentimos oprimidos. Os efeitos reprimidos dos comprimidos
                       tendem sempre a reaparecer, e se não colocamos a consciência em
                           harmonia com as leis eternas da vida, jamais estaremos a salvo”
                                                                                        28
                                                                      Nazareno Tourinho

       Manoel Philomeno de Miranda sugere que em todo tratamento é básico
demonstrar ao paciente que qualquer doença é sempre efeito, e que somente
atuando sobre suas causas é que se torna possível saná-la. Deve-se, então,
“conscientizá-lo da necessidade de modificação no comportamento moral,
mudando-lhe o condicionamento cármico, por cuja conduta adquirirá mérito
para uma alteração no seu mapa existencial”29 . A contribuição que a Doutrina
Espírita pode trazer para a renovação mental é grande: palestras, cursos, livros
e filmes são excelentes instrumentos para a mudança de pensamento. Em
paralelo a esses recursos, o paciente deve incluir em seus hábitos a prática da
prece e a realização assídua do Culto do Evangelho no Lar. “A irradiação
mental agindo no campo perispiritual alcança a organização fisiológica. Daí por
que a mudança do pensamento para uma faixa superior, a da saúde, propicia
que a energia desprendida sintonize com as vibrações desse campo, alterando
o teor da irradiação que irá estimular o equilíbrio das células e a restauração da
saúde física. Da mesma maneira, a reconquista do comportamento moral,
trabalhando o corpo, produzirá modificações na área do psicossoma, que


                                         13
influenciará a conduta mental. A energia que provém do psiquismo, pelo
perispírito, alcança a matéria, assim como a conduta orgânica disciplinada,
pelo mesmo processo, atinge o psiquismo, imprimindo-se no Espírito. Os
hábitos, portanto, os condicionamentos vêm do exterior para o interior e os
anseios, as aspirações cultivadas partem de dentro para fora, transformando-
se em necessidades que se impõem30”

- Terapia do Evangelho

      Por fim, a maior terapêutica de todas: a evangelização do Espírito.
Quanto mais o paciente vincular sua vida aos ensinamentos seguros do Cristo,
mais habilidade terá para alçar-se acima do momento das circunstâncias atuais
e perceber-se como um espírito livre e imortal, criado para a felicidade. Os
amigos espirituais são unânimes em apontar Jesus e seu Evangelho como o
maior dos remédios:

       “Não há como negar-se: Jesus-Cristo é o Psicoterapeuta excepcional da
Humanidade, o único que pôde penetrar psiquicamente no âmago do ser,
auxiliando-o na reestruturação da personalidade, da individualidade,
harmonizando-o para que não mais incida em compromissos degenerativos.
Por isso mesmo, todos aqueles que Lhe buscaram o conforto moral, a
assistência para a saúde combalida ou comprometida, física e mental,
defrontaram a realidade da vida, alterando a forma existencial do
comportamento que lhes seria de inapreciado valor nas futuras experiências
carnais”.(Manoel Philomeno de Miranda31)

      “Em todas as circunstâncias difíceis de nossa saúde, recorramos ao
mestre, aplicando o seu Evangelho como recurso terapêutico por excelência.
Supliquemos-lhe forças para tudo suportar com mansidão e paciência.
Peçamos-lhe a coragem com que lutemos contra nossas más tendências e
sigamos seus exemplos” (Dias da Cruz32)

       “Jesus informou que Ele é vida e vida em abundância. Recorre-lhe à
ajuda, e deixa-te curar pela sua assistência de psicoterapeuta por excelência”
(Joanna de Ângelis).




                                     14
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
1
 Dalgalarrondo, Paulo., Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais,
Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000
2
    Lopes, Wilson Ayub, A depressão na visão espírita, Internet, disponível em
http://www.sosdepressao.com.br

3
    Ballone, Gustavo, Depressão, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br
4
 Alkimin, Zaydan, Liberte-se da depressão e do medo, Rio de Janeiro: Pallas,
1994
5
 Eichenberger, Lizza, Psicólogo esclarece tudo sobre a doença dos anos 90: a
depressão, Revista da Paulus Editora
6
    Ballone, idem
7
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001
8
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996
9
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001
10
     Miranda, idem
11
  Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996
12
  Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001
13
  Kardec, Allan, O evangelho segundo o espiritismo – 118 ed. – Rio de
Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2001
14
  Angelis, Joanna de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira.
Nostalgia e depressão, Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br
15
  Claro, Izaias, Depressão: causas, consequências e tratamento, Matão/SP:
Casa Editora O Clarim, 1998
16
   Palhano Jr, Lamartine, Oliveira, Júlia Anália S, Laudos espíritas da loucura,
Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br
17
     Angelis, idem
18
     Miranda, idem



                                          15
19
     Angelis, idem
20
     Angelis, idem
21
   Dado disponível na Internet:
http://www.psiquiatra.med.br/neurotransmissor_tireoide.htm
22
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996
23
     Angelis, idem
24
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001
25
     Silveira, A. da, Kardec prossegue, São Paulo: Editora Cultura Espírita União
26
  José, Irmão (Espírito); [psicografado por] Baccelli, Calos A ., Lições da Vida,
Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br.

 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
27

Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996
28
   Tourinho, Nazareno, ........ , Internet, disponível em:
http://www.sosdepressao.com.br
29
     Miranda, idem
30
     Miranda, idem
31
 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo
Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001
32
 Cruz, Dias da, Revista Reformador, Brasília: Federação Espírita Brasileira,
Maio de 1998




                                         16

Recomendados

Depressão na visão Espírita por
Depressão na visão EspíritaDepressão na visão Espírita
Depressão na visão EspíritaARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
3.7K visualizações13 slides
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismo por
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoPalestra 18 o evangelho segundo o espiritismo
Palestra 18 o evangelho segundo o espiritismoJose Ferreira Almeida
10.4K visualizações31 slides
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E Panico por
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E PanicoPalestra Sobre Ansiedade, Medo E Panico
Palestra Sobre Ansiedade, Medo E Panicoguestaa6f1b
11.9K visualizações37 slides
Palestra paciência - 15 de junho 2015 por
Palestra   paciência - 15 de junho 2015Palestra   paciência - 15 de junho 2015
Palestra paciência - 15 de junho 2015Sandra Cecília Rocha
531 visualizações25 slides
Obsessão e influenciação espiritual por
Obsessão e influenciação espiritualObsessão e influenciação espiritual
Obsessão e influenciação espiritualgrupodepaisceb
14.2K visualizações74 slides
A dor na nossa evolução por
A dor na nossa evoluçãoA dor na nossa evolução
A dor na nossa evoluçãoIzabel Cristina Fonseca
7K visualizações12 slides

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo por
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoMarlon Reikdal
22.1K visualizações74 slides
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte por
Slides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parteSlides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parteCélio Alves de Moura
954 visualizações33 slides
Reforma intima sem martírio! por
Reforma intima sem martírio! Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio! Leonardo Pereira
7K visualizações25 slides
VÍCIOS COMUNS NA VISÃO ESPÍRITA por
VÍCIOS COMUNS NA VISÃO ESPÍRITAVÍCIOS COMUNS NA VISÃO ESPÍRITA
VÍCIOS COMUNS NA VISÃO ESPÍRITAARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
3.4K visualizações33 slides
A paciência por
A paciênciaA paciência
A paciênciahome
11K visualizações79 slides
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR por
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORJorge Luiz dos Santos
7.4K visualizações18 slides

Mais procurados(20)

Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo por Marlon Reikdal
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismoTranstornos mentais, obsessão e o espiritismo
Transtornos mentais, obsessão e o espiritismo
Marlon Reikdal22.1K visualizações
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte por Célio Alves de Moura
Slides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parteSlides   autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Slides autodescobrimento e a psicologia espírita - primeira parte
Célio Alves de Moura954 visualizações
Reforma intima sem martírio! por Leonardo Pereira
Reforma intima sem martírio! Reforma intima sem martírio!
Reforma intima sem martírio!
Leonardo Pereira7K visualizações
A paciência por home
A paciênciaA paciência
A paciência
home11K visualizações
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR por Jorge Luiz dos Santos
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
Jorge Luiz dos Santos7.4K visualizações
Doenças da alma por Victor Passos
Doenças da alma Doenças da alma
Doenças da alma
Victor Passos3.5K visualizações
Justiça ou vingança? por Reinaldo Santos
Justiça ou vingança?Justiça ou vingança?
Justiça ou vingança?
Reinaldo Santos4.2K visualizações
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos por Divulgador do Espiritismo
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitosPalestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Palestra Espírita - Bem aventurados os aflitos
Divulgador do Espiritismo10.7K visualizações
Consolador prometido por Luciane Belchior
Consolador prometidoConsolador prometido
Consolador prometido
Luciane Belchior13.9K visualizações
Ansiedade na visão espirita por Lisete B.
Ansiedade na visão espirita Ansiedade na visão espirita
Ansiedade na visão espirita
Lisete B.5.6K visualizações
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz por Lar Irmã Zarabatana
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
26/03/2014 Cap 6 Livro Missionários da Luz
Lar Irmã Zarabatana 4.8K visualizações
Mediunidade doença mental ou oportunidade! por Leonardo Pereira
Mediunidade doença mental ou oportunidade!Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Mediunidade doença mental ou oportunidade!
Leonardo Pereira2.5K visualizações
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz por Lar Irmã Zarabatana
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
Lar Irmã Zarabatana 3.5K visualizações
Palestra Depress O E Melancolia por guestaa6f1b
Palestra Depress O E MelancoliaPalestra Depress O E Melancolia
Palestra Depress O E Melancolia
guestaa6f1b5.3K visualizações

Destaque

Depressão na visão espírita por
Depressão na visão espíritaDepressão na visão espírita
Depressão na visão espíritagrupodepaisceb
4.6K visualizações30 slides
Tristeza e depressão por
Tristeza e depressãoTristeza e depressão
Tristeza e depressãoMarlon Reikdal
16.5K visualizações24 slides
Depressão e Espiritismo por
Depressão e EspiritismoDepressão e Espiritismo
Depressão e EspiritismoFernando Vieira Filho
2K visualizações3 slides
A Depressão por
A DepressãoA Depressão
A DepressãoMarisa Almeida
66.7K visualizações11 slides
Abaixo a depressão, Richard Simonetti por
Abaixo a depressão, Richard SimonettiAbaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard SimonettiPerillo José Nunes
880 visualizações103 slides
Depressão por
DepressãoDepressão
DepressãoMarina Carvalho
14.1K visualizações14 slides

Destaque(20)

Depressão na visão espírita por grupodepaisceb
Depressão na visão espíritaDepressão na visão espírita
Depressão na visão espírita
grupodepaisceb4.6K visualizações
Tristeza e depressão por Marlon Reikdal
Tristeza e depressãoTristeza e depressão
Tristeza e depressão
Marlon Reikdal16.5K visualizações
A Depressão por Marisa Almeida
A DepressãoA Depressão
A Depressão
Marisa Almeida66.7K visualizações
Abaixo a depressão, Richard Simonetti por Perillo José Nunes
Abaixo a depressão, Richard SimonettiAbaixo a depressão, Richard Simonetti
Abaixo a depressão, Richard Simonetti
Perillo José Nunes880 visualizações
Depressão por Marina Carvalho
DepressãoDepressão
Depressão
Marina Carvalho14.1K visualizações
Depressão por Solange Leite
DepressãoDepressão
Depressão
Solange Leite31.1K visualizações
Depressão palestra por Isabel Teixeira
Depressão   palestraDepressão   palestra
Depressão palestra
Isabel Teixeira39.1K visualizações
07 propriedades do perespirito por carlos freire
07   propriedades do perespirito07   propriedades do perespirito
07 propriedades do perespirito
carlos freire1.1K visualizações
Doença de Alzheimer por Eryco Azevedo
Doença de AlzheimerDoença de Alzheimer
Doença de Alzheimer
Eryco Azevedo3.8K visualizações
Mal de Alzheimer: Uma doença Física ou Espiritual? por Marcelo Suster
Mal de Alzheimer: Uma doença Física ou Espiritual?Mal de Alzheimer: Uma doença Física ou Espiritual?
Mal de Alzheimer: Uma doença Física ou Espiritual?
Marcelo Suster4.6K visualizações
O Perispírito por hamletcrs
O PerispíritoO Perispírito
O Perispírito
hamletcrs6.6K visualizações
Períspirito ni 1 aula11 por Nivea Vogel Segato
Períspirito ni 1 aula11Períspirito ni 1 aula11
Períspirito ni 1 aula11
Nivea Vogel Segato1.1K visualizações
Transtornos mentais (visao espirita) por Fatima Carvalho
Transtornos mentais (visao espirita)Transtornos mentais (visao espirita)
Transtornos mentais (visao espirita)
Fatima Carvalho7.2K visualizações

Similar a Visão medico e espirita da depressão

Doenças da alma por
Doenças da almaDoenças da alma
Doenças da almaDinorah Pessoa da Costa
5.5K visualizações35 slides
Resumo para a prova de psicopatologia II por
Resumo para a prova de psicopatologia IIResumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia IISandra Pintos
2.2K visualizações13 slides
DEPRESSÃO E ESPIRITUALIDADE por
DEPRESSÃO E ESPIRITUALIDADEDEPRESSÃO E ESPIRITUALIDADE
DEPRESSÃO E ESPIRITUALIDADEARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
1.3K visualizações22 slides
Cuidador de idoso_29 por
Cuidador de idoso_29Cuidador de idoso_29
Cuidador de idoso_29Liberty Ensino
18 visualizações31 slides
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx por
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSilviaLouro2
3 visualizações11 slides
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo) por
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)didaque
235 visualizações10 slides

Similar a Visão medico e espirita da depressão(20)

Resumo para a prova de psicopatologia II por Sandra Pintos
Resumo para a prova de psicopatologia IIResumo para a prova de psicopatologia II
Resumo para a prova de psicopatologia II
Sandra Pintos2.2K visualizações
Cuidador de idoso_29 por Liberty Ensino
Cuidador de idoso_29Cuidador de idoso_29
Cuidador de idoso_29
Liberty Ensino18 visualizações
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx por SilviaLouro2
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptxSíndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
Síndromes afetivas isoladas (módulo 5).pptx
SilviaLouro23 visualizações
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo) por didaque
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)
Shober, sthephan superando a depressão biblica e naturalmente (artigo)
didaque235 visualizações
Depressão por Lisete B.
DepressãoDepressão
Depressão
Lisete B.5.3K visualizações
Depressão&espiritismo por Val Ruas
Depressão&espiritismoDepressão&espiritismo
Depressão&espiritismo
Val Ruas556 visualizações
Psicologia na vida adulta por edi
Psicologia na vida adultaPsicologia na vida adulta
Psicologia na vida adulta
edi5.5K visualizações
ELETIVAS – a vida em movimento.pptx por Suzy De Abreu Santana
ELETIVAS – a vida em movimento.pptxELETIVAS – a vida em movimento.pptx
ELETIVAS – a vida em movimento.pptx
Suzy De Abreu Santana46 visualizações
depressao.pdf por acl_sousa
depressao.pdfdepressao.pdf
depressao.pdf
acl_sousa81 visualizações
3 - Depressão - Tormentos da Alma. por JPS Junior
3 - Depressão - Tormentos da Alma.3 - Depressão - Tormentos da Alma.
3 - Depressão - Tormentos da Alma.
JPS Junior1.5K visualizações
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd) por Ricardo Akerman
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
12 encontro espírita sobre medicina espiritual (celd)
Ricardo Akerman268 visualizações
Depresao por Isabel Teixeira
DepresaoDepresao
Depresao
Isabel Teixeira2.4K visualizações
Depressão por Miriam Gorender
DepressãoDepressão
Depressão
Miriam Gorender7.3K visualizações
Saúde emocional por Dalila Melo
Saúde emocionalSaúde emocional
Saúde emocional
Dalila Melo11.4K visualizações
depressao.pdf por JanikeleLeite1
depressao.pdfdepressao.pdf
depressao.pdf
JanikeleLeite161 visualizações

Mais de Marcelo Monteiro

Deprimido por
DeprimidoDeprimido
DeprimidoMarcelo Monteiro
323 visualizações31 slides
Cura espiritual (1) por
Cura espiritual (1)Cura espiritual (1)
Cura espiritual (1)Marcelo Monteiro
852 visualizações8 slides
Quem me tocou por
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocouMarcelo Monteiro
1.4K visualizações19 slides
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais por
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisSobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisMarcelo Monteiro
3.3K visualizações16 slides
Conteúdo programático curso basico de processos por
Conteúdo programático   curso basico de processosConteúdo programático   curso basico de processos
Conteúdo programático curso basico de processosMarcelo Monteiro
605 visualizações1 slide
Parentes dificeis por
Parentes dificeisParentes dificeis
Parentes dificeisMarcelo Monteiro
499 visualizações12 slides

Mais de Marcelo Monteiro(12)

Deprimido por Marcelo Monteiro
DeprimidoDeprimido
Deprimido
Marcelo Monteiro323 visualizações
Cura espiritual (1) por Marcelo Monteiro
Cura espiritual (1)Cura espiritual (1)
Cura espiritual (1)
Marcelo Monteiro852 visualizações
Quem me tocou por Marcelo Monteiro
Quem me tocouQuem me tocou
Quem me tocou
Marcelo Monteiro1.4K visualizações
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais por Marcelo Monteiro
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituaisSobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Sobre a quinta dimensao dos seres espirituais
Marcelo Monteiro3.3K visualizações
Conteúdo programático curso basico de processos por Marcelo Monteiro
Conteúdo programático   curso basico de processosConteúdo programático   curso basico de processos
Conteúdo programático curso basico de processos
Marcelo Monteiro605 visualizações
Parentes dificeis por Marcelo Monteiro
Parentes dificeisParentes dificeis
Parentes dificeis
Marcelo Monteiro499 visualizações
O chakra das mãos por Marcelo Monteiro
O chakra das mãosO chakra das mãos
O chakra das mãos
Marcelo Monteiro1.5K visualizações
A grande transição D_franco_J_angelis por Marcelo Monteiro
A grande transição D_franco_J_angelisA grande transição D_franco_J_angelis
A grande transição D_franco_J_angelis
Marcelo Monteiro352 visualizações
Le frances e portugues questão 459 ou 173 por Marcelo Monteiro
Le frances e portugues questão 459 ou 173Le frances e portugues questão 459 ou 173
Le frances e portugues questão 459 ou 173
Marcelo Monteiro169 visualizações
Le frances e portugues questão 459 ou 173 por Marcelo Monteiro
Le frances e portugues questão 459 ou 173Le frances e portugues questão 459 ou 173
Le frances e portugues questão 459 ou 173
Marcelo Monteiro151 visualizações
Carnaval por Marcelo Monteiro
CarnavalCarnaval
Carnaval
Marcelo Monteiro1.3K visualizações
Alem da morte por Marcelo Monteiro
Alem da morteAlem da morte
Alem da morte
Marcelo Monteiro394 visualizações

Visão medico e espirita da depressão

  • 1. Depressão: conceitos básicos e terapêutica espírita-cristã Nilson Perissé 1. A depressão como um fenômeno complexo e multifatorial Quanta mais ampla for a pesquisa na vasta bibliografia acerca da depressão, poderá se observar entre os estudiosos mais dúvidas do que certezas. Duas conclusões, porém, são praticamente consenso: 1ª. A depressão existe. 2ª. A depressão é um fenômeno bio-psico-social. Para o pensador espírita-cristão é ainda mais que isso: a depressão tem origem biológica, psicológica, social e espiritual. Constitui-se, portanto, num fenômeno bio-psico-sócio-espiritual. Essa visão integrada da depressão, com fatores diversos que interagem entre si, faz sentido no saber espírita. Afinal, ao propor um modelo de homem integral, há quase cento e cinqüenta anos, Allan Kardec apresentou uma realidade semelhante à seguinte: MEIO AMBIENTE Influências visíveis CORPO P ER ISPÍRITO ESPÍRITO Influências invisíveis Esse modelo apresenta a idéia de que somos espíritos, revestidos de um corpo semi-material (perispírito) e, quando encarnados, de um corpo material. Esse complexo é formado por energias em estados diferenciados que circulam por todo o sistema, num processo de retroalimentação. Eis, aliás, um conceito importante para o entendimento da depressão sob o enfoque espírita: as energias circulam; quando não, são fatores de doença, conforme será visto mais adiante. O modelo apresenta também o homem exposto a influências do meio. Toda a fundamentação espírita-cristã sobre o entendimento da existência apresenta o ser humano como um ser social, de interações complexas que envolvem tanto o relacionamento com espíritos encarnados quanto desencarnados. Essas influências produzem conseqüências, estabilizando ou desestabilizando o todo. 1
  • 2. Todas essas considerações fazem aproximações importantes entre a visão espírita-cristã e a visão acadêmica acerca da depressão, tornando as descobertas desta úteis para a abordagem e compreensão daquela doença. 2. Conceituando e identificando a depressão Várias são as definições de depressão. Para o estabelecimento de uma visão inicial, pode ser aceita a seguinte: Estado psíquico onde a criatura apresenta-se num quadro de melancolia intensa, sem interesse pelas coisas que antes realizava ou buscava, além de falta de energia. Nas formas graves, associa-se a sentimentos de ruína e desejo de morte ou suicídio. Trata-se de um conceito genérico, pois existem muitos outros sintomas de depressão além dos apresentados acima. Na realidade, a forma como a depressão se manifesta em cada pessoa é bastante variável e muitas vezes se apresenta com características opostas em pessoas diferentes. É como se numa festa todas as pessoas bebessem até se embriagar. Os sintomas de embriaguez de cada convidado variam: uns ficam muito alegres, outros ficam calados e introspectivos; alguns começam a contar piadas, outros se tornam agressivos; uns se exaltam, outros se recolhem. Os sintomas podem ser classificados de várias formas. Uma forma útil de agrupamento de sintomas encontra-se na tabela simplificada a seguir1, que os distribui em: • Sintomas afetivos • Alterações físicas • Alterações ideativas • Alterações de autovalorização SINTOMAS AFETIVOS ALTERAÇÕES FÍSICAS • Tristeza, melancolia • Fadiga, cansaço fácil • Choro fácil e/ou frequente • Insônia ou hipersonia • Apatia/indiferença • Perda ou aumento de apetite • Tédio crônico • Constipação, palidez • Irritabilidade • Redução da libido • Angústia/ansiedade • Diminuição da resposta sexual • Desespero • Anedonia (incapacidade de sentir • Desesperança prazer) ALTERAÇÕES IDEATIVAS ALTERAÇÕES DE AUTOVALORIZAÇÃO • Idéias de arrependimento e culpa • Baixa auto-estima • Pessimismo • Sentimentos de insuficiência e • Ruminações com mágoas antigas incapacidade • Visão de mundo entediante • Vergonha • Idéias de morte • autodepreciação • Planos suicidas 2
  • 3. A literatura aponta que a existência de cinco ou mais desses sintomas conjugados caracterizam a depressão. Porém, colocando dessa forma, à primeira vista parece que todos são deprimidos, na medida em que os sintomas apresentados soam bastante familiares a todos nós. Ao contemplar o quadro dos sintomas, é natural que se ouça questionamentos como: “O fato de eu me sentir triste de vez em quando significa que estou com depressão?”; ou “Quando estou com problema de constipação é porque estou deprimido?” Os autores espirituais Hammed e Joanna de Angelis tecem importantes comentários para desmistificar esses equívocos. Hammed diz: "Somos também natureza: possuímos as estações da alegria, do entusiasmo, da moderação e do desânimo, assim como as da primavera, do verão,do outono e do inverno" De acordo com ele, não existe nada de patológico em alternar emoções, desde que não se fixe em alguma delas. Joanna explica: "Num estado saudável, o indivíduo sente-se bem, experimentando também dor, tristeza, nostalgia, ansiedade, já que esse oscilar da normalidade é característica dela mesma. Todavia,quando tais ocorrências produzem infelicidade, apresentando-se como verdadeiras desgraças, eis que a depressão se está fixando". Voltando à visão de homem como um complexo de energias em movimento, podemos entender que os sentimentos, mesmo aqueles que não nos são dos mais agradáveis, são coisa natural no caminho evolutivo do ser. Entretanto, na medida em que ficamos presos num único padrão de energia, o sistema entra em colapso e caímos na doença. O Dr. Wilson Ayub Lopes, da Associação de Médicos Espíritas do Espírito Santo, complementa: “As emoções naturais devem ser passageiras, circularem normalmente. A tristeza, por exemplo, é uma emoção natural, que nos leva a entrar em contato conosco, à introspecção e à reflexão sobre nossas atitudes. Uma vez estagnada, prolongada, acompanhada de sentimento de culpa, nos leva à depressão”2. É exatamente por isso que ele considera a depressão como uma emoção estragada, ou seja, qualquer emoção que, ao invés de circular naturalmente e dar lugar a outras emoções, acaba provocando o que poderíamos chamar de “engarrafamento” de energias, tornando-se estragada e, por conseqüência, deteriorando todo o sistema do qual faz parte. Então, se a tristeza ou qualquer um dos sintomas apresentados na tabela anterior não significa, necessariamente, um estado de depressão, quais seriam as referências para se diagnosticar a doença? A identificação da depressão passa por algumas referências bastante conhecidas, e consiste no cruzamento de alguns dos sintomas apresentados com três aspectos: Persistência – Quando não há retrocesso desses estados emocionais Incapacidade – Quando esses estados emocionais incapacitam para as atividades normais. Desproporção – Sentimentos exagerados diante dos fatos. Segundo o médico psiquiatra Gustavo Ballone3, a psicopatologia recomenda como válida a existência de três sintomas depressivos básicos: 3
  • 4. - Inibição Psíquica (apatia e desinteresse) - Estreitamento do Campo Vivencial (perda do prazer) - Sofrimento Moral (autoestima baixa) A Inibição Psiquica é um dos sintomas básicos da Depressão e se manifesta como uma espécie de freio ou lentificação dos processos psíquicos em sua globalidade, uma lasidão generalizada de toda a atividade mental. Em graus variáveis, esta inibição geral torna o indivíduo apático, desinteressado, lerdo, desmotivado, com dificuldade em suportar tarefas elementares do cotidiano e com grande perda na capacidade em tomar iniciativas. O campo da consciência e da motivação estão seriamente comprometidos, daí a dificuldade em manter um bom nível de memória, de rendimento intelectual, da atividade sexual e até da agressividade necessária para tocar adiante o dia-a-dia. O Estreitamento Vivencial não pode ser diferenciado totalmente da Inibição Psíquica. A palavra mais adequada para designar este fenômeno é ANEDONIA, ou seja, a incapacidade em sentir prazer. O universo vivencial do deprimido vai sendo cada vez menor e mais restrito e a preocupação com seu próprio estado sofrível toma conta de todo seu interesse vivencial. Não há ânimo suficiente para admirar um dia bonito, para interessar- se na realização ocupacional, para degustar uma boa bebida, para deleitar-se com um filme interessante, para sorver uma boa companhia, para incrementar sua discoteca, enfim, em seu rol de ocupações só existe a preocupação consigo próprio. Nada mais lhe dá prazer, nada mais pode motivá-lo. O Sofrimento Moral, ou sentimento de menos-valia, é o fenômeno mais marcante e mais desagradável na trajetória do depressivo. É um sentimento de autodepreciação, autoacusação, inferioridade, incompetência, pecaminosidade, culpa, rejeição, feiúra, fraqueza, fragilidade e mais um sem-número de adjetivos autopejorativos. Evidentemente, tais sentimentos aparecem em grau variado; desde uma sutil sensação de inferioridade até profundos sentimentos depreciativos. 3. O Tamanho do Problema Alguns dados estatísticos mostram que a Depressão afeta de 15% a 20% das mulheres e de 5% a 10% dos homens. Aproximadamente 2/3 das pessoas com Depressão não fazem tratamento e dos pacientes que procuram o clínico geral apenas 50% são diagnosticados corretamente. A maioria dos pacientes deprimidos que não é tratada irá tentar suicídio pelo menos uma vez e 17% deles conseguem se matar. Com o tratamento correto, 70% a 90% dos pacientes recuperam-se da Depressão. A doença pode surgir a qualquer idade, ainda que os sintomas apareçam mais freqüentemente entre os 20 e 50 anos. Quem já teve um quadro depressivo tem 35% de probabilidade de desenvolver um segundo episódio, 65% de desenvolver um terceiro episódio e 90% de desenvolver um quarto episódio. A Depressão é, portanto, uma doença que se manifesta por episódios recorrentes e cada episódio geralmente dura de alguns meses a alguns anos, com um período normal entre eles. Em cerca de 4
  • 5. 20% dos casos, porém, a Depressão segue um curso crônico e sem remissão, ou seja, continuamente (OMS), especialmente quando não há tratamento adequado disponível. Se não tratada, a depressão pode ser tão incapacitante quanto doenças como artrite, diabetes ou pressão alta. Pode efetivamente impedir uma participação completa na vida. 4. Causas da Depressão De modo geral, pode-se classificar as causas da depressão em três categorias: - Depressão Reativa. Como o título sugere, é a depressão que ocorre como reação a alguma coisa real, a uma fonte externa que pode ser casualmente relacionada àquela reação. Inicia a partir de acontecimentos significativos, geralmente perdas ou frustrações: separações, perda de um ente querido, emprego, moradia, status socioeconômico, etc. - Depressão Secundária. Causada ou fortemente associada a uma doença de natureza física capaz de produzir perturbações no funcionamento do sistema nervoso. Doenças primárias possíveis: tuberculose, hipotireoidismo, síndrome de Cushing, doença de Addison, doença de Huntington, Aids, diabetes melito, Lupo eritematoso, anemia grave, doença de Alzheimer, esclerose múltipla, epilepsia, hidrocefalia, porfiria, artrite reumatóide. Aqui cabe um destaque aos hormônios. Se os níveis de alguns hormônios entrarem em desequilíbrio, como por exemplo, os hormônios tireoidianos, a depressão pode surgir, assim como pode se houver desequilíbrio nos hormônios supra-renais. Estatísticas apontam que 7 em 10 pacientes depressivos crônicos sofrem de disfunção glandular, precisamente nas supra-renais ou na tireóide4. Quando a tireóide funciona mal e produz menos secreção hormonal que o normal, leva o organismo ao entorpecimento, sonolência e por consequência a um estado muito próximo da depressão. Problemas nas supra-renais concorrem para a sensação de tristeza, inapetência e alheamento do indivíduo. Também dá origem à depressão de ordem secundária o uso de alguns medicamentos cardiovasculares, analgésicos, antiinflamatórios, antibióticos, citostáticos, psicotrópicos, hormônios, esteróides e outros. - Depressão Endógena. Causada por fatores genéticos e de origem biológica, independentes de fatores psicológicos. Na Grécia antiga, cinco séculos antes de Cristo, a depressão era chamada de melancolia (do grego melas – escuro – e khole – bile), pois acreditava-se que sua causa provinha de disfunção hepática, provocando um acúmulo de bile negra que, tóxica, produziria a melancolia. Hoje, a compreensão que se tem sobre o aspecto endógeno da depressão concentra-se em algumas hipóteses importantes: • A nível da neurociência, entende-se que a causa da depressão se encontra na esfera dos neurotransmissores e neuroreceptores. Sabe-se que o sistema nervoso, juntamente com o sistema endócrino (do qual fazem parte as glândulas produtoras de hormônios), comanda e coordena todas as funções orgânicas. No tecido nervoso, um dos componentes principais são 5
  • 6. os neurônios (células nervosas), que têm a propriedade de receber e transmitir estímulos, permitindo ao organismo responder a alterações do meio. Os neurônios conectam-se entre si e aos órgãos por um tipo especial de junção, denominada sinapse, que ocorre através de mediadores químicos denominados neurotransmissores. Neurotransmissores, portanto, são substâncias químicas que permitem a comunicação celular no cérebro, conduzindo o impulso nervoso entre um neurônio e outro. Alguns neurotransmissores, como a serotonina, a dopamina e a noradrenalina são responsáveis por uma espécie de regulagem das emoções: a serotonina tem como uma de suas funções a regulação do humor, da ansiedade e do ritmo do sono; a dopamina age em regiões do cérebro promovendo, entre outros efeitos, a sensação de prazer e a motivação; a noradrenalina relaciona-se com a agilidade e a prontidão para a resposta aos estímulos externos. Já os neuroreceptores são estruturas funcionais situadas nas paredes de neurônios nas quais se acoplam os neurotransmissores A carência de neurotransmissores, bem como a desregulação no número e na sensibilidade dos neuroreceptores são tidos como causas de depressão. Miguel Lucas, psicólogo espanhol, utiliza-se de uma interessante metáfora para explicar esse mecanismo: “Façamos uma comparação do nosso cérebro com um carro. Para um carro andar, existem vários fluidos, como o combustível, o fluido do freio, a água do radiador, o óleo. Quando há falta desses líquidos, o carro não anda ou logo se quebra: sem o combustível ele não anda, sem o fluido de freio ele não breca, sem a água do radiador o carro não tem lubrificação adequada. Em nosso cérebro acontece o mesmo. As substâncias químicas que há, os neurotransmissores, devem estar na quantidade certa: se a quantidade estiver a mais ou a menos, provocará um desequilíbrio no cérebro, causando, por exemplo, a depressão, e, como no caso do carro, não funcionará 100%. Vale lembrar também que os antidepressivos são medicamentos que ajudam a restaurar o equilíbrio das substâncias químicas do cérebro, estimulam a produção da serotonina. Quando o equilíbrio ocorre, a depressão melhora gradualmente”5. • A nível da genética, entende-se que há algo muito importante relacionado com a hereditariedade. Quanto maior o número de antecedentes deprimidos entre familiares, maior a probabilidade de se desenvolver uma depressão. Ballone6 observa que há uma significativa porcentagem de filhos de pais deprimidos que desenvolve a doença e uma expressiva porcentagem quando os dois pais são deprimidos, mesmo que o filho tenha sido criado por outra família não-deprimida. 5. A visão espírita-cristã sobre a depressão Uma forma interessante de abordar a depressão segundo a compreensão da Doutrina Espírita, é classificar suas causas em predisponentes e preponderantes, conforme o faz o autor espiritual Manoel Philomeno de Miranda na obra mediúnica “Tormentos da Obsessão”7. O fator preponderante (causa principal que dá origem à depressão) é o próprio Espírito reencarnado: “O órgão doente reflete o desconforto do Espírito, 6
  • 7. em si mesmo insano, que manifesta naquela área a deficiência, a mazela que o afeta”8. No Espírito se encontram “as condições indispensáveis para a instalação do distúrbio a que faz jus, em razão do seu comportamento no transcurso das experiências sucessivas” 9. Complementando essa informação, o espírito Joanna de Angelis, que em várias de suas mensagens trata da depressão, deposita no sentimento de culpa a fonte de desequilíbrio que predispõe o reencarnante à depressão endógena: “A depressão tem a sua gênese no espírito que reencarna com alta dose de culpa. Com a consciência culpada, sofrendo os gravames que lhe dilaceram a alegria íntima, imprime nas células os elementos que as desconectam, propiciando, em largo prazo, o desencadeamento dessa psicose”. O mesmo diz o espírito Carneiro de Campos: “Depressão é o processo de auto-punição que o espírito se impõe pelos malogros e os crimes em outras vidas (...) O psicótico maníaco- depressivo traz gravado nas paisagens do inconsciente os hediondos desvios morais pregressos que escaparam à justiça”. Já entre os fatores predisponentes (fatores de influência, responsáveis pelo desencadeamento do processo) devem ser citados: • Fatores genéticos. Segundo o médico psiquiatra Jaider Rodrigues de Paula, “estão no perispírito as matrizes da depressão. Se o reencarnante traz insculpido no seu psicossoma as matrizes da depressão, elas influenciarão ativamente na seleção genética dos elementos que poderão viabiliza-la na vida física”. Na obra já citada, Manoel Philomeno de Miranda registra como se dá esse processo: “No processo reencarnatório, o Espírito imprime nos genes as suas necessidades evolutivas, desencadeando os distúrbios correspondentes ao processo de crescimento moral no momento adequado da vida física (...). Os genes registram o desconserto vibratório produzido pelas ações incorretas no futuro reencarnante, passando a constituir-se um campo no qual se apresentarão os distúrbios do futuro quimismo cerebral. Quando se apresentam as circunstâncias predisponentes, manifesta-se o quadro já existente nas intrincadas conexões neuronais, produzindo por fenômenos de vibração eletroquímica o transtorno”. Miranda cita os neurotransmissores serotonina e noradrenalina como elementos importantes que sofrem impacto dessas alterações. • Problemas hormonais, em especial “os hormônios esteróides, estrênios e androgênios, relacionados com o sexo, que desempenham papel fundamental no humor e no comportamento mental”10; • Problemas de obsessão espiritual, na qual um espírito estabelece um processo de desequilíbrio no homem encarnado. “A obsessão se torna possível graças à ação do agente no campo perispiritual do paciente. A consciência de culpa do hospedeiro desarticula o campo vibratório que o defende do exterior e, nessa área deficiente, por sintonia fixa-se a indução perturbadora do hóspede. Em outras ocasiões, quando a culpa é de menor intensidade, o cobrador sitia a usina mental do futuro hospedeiro, que termina por aceitar a inspiração perniciosa, tendo início o intercâmbio telepático, que romperá o campo de defesa, facultando, 7
  • 8. assim, a instalação da parasitose. Esta, graças à sua intensidade, através do perispírito se alojará na mente, gerando alucinações, pavores, insatisfação, manias, exacerbação do ânimo ou depressão”11. Miranda explica que o cérebro que sofre a obsessão é bombardeado sucessivamente, “recebe as partículas mentais que podem ser consideradas como verdadeiros elétrons com alto poder desorganizador das conexões neuroniais, afetando-lhes os neurotransmissores como a serotonina, a noradrenalina, a dopamina e outros mais, aos quais se encontra associado o equilíbrio emocional e o do pensamento”12. • Nostalgia de vidas anteriores. A obra “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, de Allan Kardec, traz uma mensagem intitulada “A melancolia” (nome que, à época era utilizado para denominar a depressão), na qual atribui à nostalgia a causa da depressão: “Sabeis por que, às vezes, uma vaga tristeza se apodera dos vossos corações e vos leva a considerar amarga a vida? É que vosso Espírito, aspirando à felicidade e à liberdade, se esgota, jungido ao corpo que lhe serve de prisão, em vãos esforços para sair dele. Reconhecendo inúteis esses esforços, cai no desânimo e, como o corpo lhe sofre a influência, toma- vos a lassidão, o abatimento, uma espécie de apatia, e vos julgais infelizes”13. Joanna de Angelis corrobora essa tese: “ A depressão é uma forma patológica do estado nostálgico. A nostalgia reflete evocações inconscientes, que parecem haver sido ricas de momentos felizes, que não mais se experimentam. Pode proceder de existências anteriores do espírito, que ora as recapitula nos recônditos profundos do ser, lamentando, sem dar-se conta, não mais as fruir”14. Izaias Claro reproduz em seu livro15 um interessante exemplo contado em palestra pelo médium Divaldo Pereira Franco: “Um homem, casado, veio a se apaixonar, profundamente, por uma jovem vendedora de ilusões, que frequentava a noite de Buenos Aires. Embora devotado à esposa, por algum tempo manteve esse relacionamento afetivo-sexual com a jovem, até que circunstâncias várias constrangeram-na à busca de uma ruptura. Com este propósito, a jovem enceta uma longa viagem saindo do seu próprio país. Todas as noites (sempre às quartas-feiras) em que ambos se encontravam, por meses consecutivos, o personagem de nossa história ia regularmente à casa noturna, na esperança, sempre frustrada, de reencontrar sua amada. À medida em que o tempo passava e a jovem não retornava, ele entrou em profunda depressão, adoecendo rapidamente e definhando-se ao ponto de desencarnar prematuramente. A jovem, posteriormente, retorna a Buenos Aires e vem a saber do falecimento do seu amado. Buscando uma reação e uma readaptação à nova situação, ela trava contato com o Espiritismo. Converte-se a esta Doutrina e se transforma sobremaneira, sendo adotada por um casal ilustre e respeitável da Argentina. Anos mais tarde, já perfeitamente integrada à conduta ética, ela vem a se apaixonar por um rapaz, casando-se com ele. Não muitos anos mais tarde, ela ganha seu primeiro filho, um lindo e triste menino. Este menino, inobstante todo o empenho dos pais amorosos e dos avós devotados, era uma criança invariavelmente triste, raramente se alegrando em profundidade. Era o amado de outrora que retornava pelos laços sacrossantos da 8
  • 9. paternidade, incapaz que fora de permanecer por mais tempo no mundo espiritual. Como desejasse e necessitasse reencarnar para a busca do reequilíbrio, como da retomada do vínculo afetivo, agora com o objetivo de sublimação, ele retorna, não se tendo ainda recuperado da depressão que o levara à desencarnação , reencarnando deprimido. Joanna de Ângelis informa a Divaldo que o garoto não resistirá muitos anos no corpo, que desencarnará relativamente jovem, em consequência da depressão alimentada intensamente nos últimos anos, somando-se os períodos da encarnação anterior, de desencarnado e outra vez encarnado”. Os pesquisadores espíritas Lamartine Palhano Jr. e Júlia Anália S. Oliveira apresentaram na obra “Laudos Espíritas da Loucura”16 uma interessante pesquisa onde propõem a visão das doenças mentais baseada na experiência de um grupo de médiuns dedicados ao estudo e tratamento de doentes psíquicos, sob supervisão espiritual de Bezerra de Menezes. O livro apresenta a classificação das causas de depressão com base em trinta pacientes deprimidos examinados pela técnica da varredura anamnésica e mediúnica. O quadro que segue é apresentado na obra citada, seguido por comentarios dos autores: Sintomas Mulheres Homens Total % Obsessão 17 4 21 70,00 Conflitos existências 14 2 16 53,33 Angústia 10 2 12 40,00 Agitação 6 4 10 33,33 Ansiedade 7 1 8 26,66 Desânimo 6 2 8 26,66 Confusão mental 5 3 8 26,66 Perturbações do sono 5 2 7 23,33 Apatia 5 1 6 20,00 Dor de cabeça 6 - 6 20,00 Dores musculares 5 1 6 20,00 Indecisão 5 1 6 20,00 Agressividade 4 2 6 20,00 Adinamia 5 - 5 16,66 Sentimento de perda 4 1 5 16,66 Medo (fobias) 4 1 5 16,66 Alterações do humor 4 1 5 16,66 Inapetência 4 - 4 13,33 Estafa 4 - 4 13,33 Tendências suicidas 2 1 3 10,00 Baixa estima 3 - 3 10,00 Total dos casos 24 6 30 - • As mulheres apresentaram-se em maior número: em trinta casos tratados, 24 eram de mulheres. 9
  • 10. As obsessões apareceram em 70% dos casos, sempre associadas e complementares, nunca como causa primeira. Geralmente uma atividade perturbadora acrescida ao psiquismo já desarticulado dos pacientes, que, por algum motivo de ordem moral ou orgânica, permitiram um campo mental propício à aproximação de entidades inferiores. Com relação à obsessão, entre os 21 casos constatados mediunicamente, apenas quatro eram pacientes homens, isso num total de seis homens examinados apenas. Embora a amostragem seja muito pequena, o índice percentual da obsessão continua em torno dos 70%. • Os conflitos existenciais aparecem em segundo lugar entre as queixas mais comuns, 53,33%. Em alguns casos aparecem como a própria causa desencadeante da depressão. Esses conflitos provinham de mágoas, rancores, perdas de entes queridos, estresse, situação financeira confusa ou ruim, transgressões legais ou morais, tendências e lembranças culposas atuais ou ancestrais (de outras reencarnações), culpa, doenças físicas e psicoses. • A angústia definida ou indefinida nos pacientes está em 40% dos casos. A insegurança diante dos sentimentos opressivos desconhecidos provoca tal perturbação que os pacientes sentem-se indefesos, choram e deprimem-se mais ainda. O afastamento das entidades espirituais que aumentam esse sentimento e o reforço psíquico do passe e similares providenciam um certo alívio, mas o paciente é que deve dar a direção libertadora aos seus pensamentos. • Segue, na ordem decrescente, a agitação, com 33,33%. Esse comportamento ‚ mais um sintoma que mostra a ordem de perturbação do paciente, que, inseguro, quer reagir conscientemente, mas não consegue. Diante da agressão que está recebendo, diante das agruras físicas e morais, ele se defende como pode. Nesse embate, surge a agitação, que é a ausência de tranqüilidade, é a inquietude, não há segurança para ele no universo, tudo é pressão demasiada, seus nervos estão à flor da pele. A meditação seria um caminho. • Vê-se a ansiedade em quinto lugar, com 26,66% dos pacientes em estados diversos. É um querer e não poder, não conseguir, inquietude, falta de fé, ausência de Deus. A prece seria um bom remédio para serenar os ânimos exaltados do consciente que deseja, que teme, que não vê saída. Neste mesmo nível de queixas, encontram-se o desânimo e a confusão mental. O primeiro é a desistência, a falta de coragem e o segundo ‚ o desencontro neural, a não-sincronia dos neurônios, pela perda de energia nervosa e o encontro de pensamentos diversificados do próprio paciente com os que lhe chegam por sintonia com entidades espirituais oportunistas, numa infestação psíquica. Seguem-se então as perturbações do sono, apatia, cefaléia, dores musculares, agressividade, adinamia, sentimento de perda, medo (fobias), alterações do humor, inapetência, tendências suicidas, baixa-estima. Na obra citada, os autores informam que todos os pacientes conseguiram melhora significativa permanente após algum tempo em que se dispuseram à 10
  • 11. disciplina mental, e pouco a pouco os médicos foram diminuindo a dose dos medicamentos prescritos. Da pesquisa, eles destacaram o que consideram as principais características presentes em pessoas portadoras de depressão: • a obsessão por espíritos oportunistas, aproveitadores, vingadores, vampirizadores das energias vitais, inimigos do paciente, depressivos e doentes; • lembranças amargas e de cenas de crimes praticados num passado recente ou ancestral, que vêm para a superfície consciencial, alimentando o estado depressivo. Esses fatores podem ser controlados com os recursos espíritas e disciplina mental adequada. A atitude de disciplina do pensamento, por parte do paciente, é de grande valia para a pacificação neuropsíquica. Estabelecendo-se defesas nesses dois campos da mente, haverá muito mais chances de uma resposta satisfatória aos medicamentos de escolha. • Talvez o mais importante: uma revolta surda, vinda de uma raiva (ódio), de uma mágoa ou de um orgulho ferido, que o consciente não consegue expressar. 6. A terapêutica A seguir são apresentadas indicações para um tratamento integrado da depressão. - Tratamento medicamentoso “A depressão tem a sua repercussão orgânica (...) O corpo em desajuste leva a estados emocionais irregulares” 17 Joanna de Ângelis Palhano Jr. e Júlia Oliveira, na obra recém citada, entendem que “forçosamente, há responsáveis fisiológicos na manifestação dos estados mórbidos da mente (...) O tratamento deve contar com a ação de psicofármacos devidamente acompanhada por psiquiatra, visto que há necessidades bioquímicas do cérebro a serem recompostas”. Manoel Philomeno de Miranda ratifica a orientação médica tradicional: “Os fármacos antidepressivos em geral têm por meta elevar os níveis da serotonina, bem como da noradrenalina, tendo por meta aumentar a quantidade de neurotransmissores no cérebro, que lhes sofre carência (...) Os antidepressivos oferecem resultados positivos de acordo com a ficha cármica de cada paciente (...) Como todos os fármacos objetivam alterar diretamente a química cerebral, inevitavelmente produzem dependência e algumas sequelas, que podem ser contornadas pelo psiquiatra e também pelo esforço do próprio paciente no processo de recuperação”18. - Terapia fluídica “Sem o esforço pessoal, mui dificilmente será encontrada uma fórmula 11
  • 12. ideal para o reequilíbrio, mesmo que sob a ação de neurolépticos” 19 Joanna de Ângelis Um grande problema para a cura da depressão é justamente encontrar vigor e ânimo para submeter-se à disciplina que o tratamento exige. Afinal, não se trata apenas aceitar o tratamento medicamentoso. Como foi visto no início deste trabalho, o homem é um complexo de energias que circulam no sistema que ele é: espírito, perispírito e corpo. É necessário, em paralelo ao tratamento físico, adotar comportamentos e hábitos que cuidem também do corpo espiritual. Frequentar uma Casa Espírita traz, entre outros benefícios, a possibilidade de dispor da fluidoterapia, através do recebimento de passes e da ingestão de água fluidificada. Com relação ao passe, são recomendados em especial passes nos centros de força laríngeo (que abrange a tireóide), gástrico e esplênico (responsáveis pelo processamento dos alimentos e pela circulação sanguínea, respectivamente). No dia a dia, é importante uma alimentação que estimule o bom funcionamento dos intestinos: muita fruta e verdura, pouca carne, ovos, leite e derivados. São recomendados também banhos de sol, exercícios para absorção de oxigênio e saída do gás carbônico. Joanna diz que “uma bem orientada disciplina de movimentos corporais, proporcionando exercícios físicos, contribui de forma valiosa para a libertação de miasmas que intoxicam os centros de força”20. Os exercícios corporais também são úteis para o corpo físico, na medida em que contribuem para o aumento da produção de neurotransmissores21 . - Terapia Desobsessiva Embora nem toda depressão esteja necessariamente associada a processos obsessivos, é importante, caso esse fator seja diagnosticado por pessoal capacitado da Casa Espírita, que o paciente seja submetido também ao tratamento de desobsessão em estabelecimento espírita idôneo. - Terapia psicológica Conforme foi visto na depressão reativa, muitas vezes o processo depressivo é iniciado como reação a alguma dificuldade de lidar com problemas externos, situações difíceis com as quais não se consegue lidar com equilíbrio. Manoel Philomeno de Miranda registra que “as tensões mal direcionadas e suportadas por largo período, quando cessam, são substituídas por moléstias de largo porte, na área dos desequilíbrios físicos, dando gêneses a cânceres, crises asmáticas, insuficiência respiratória, etc. Outras vezes, propiciando estados esquizofrênicos, catatônicos, neuróticos, psicóticos, profundamente perturbadores”22. Pensando nessa mesma linha, Joanna de Ângelis sugere que o paciente “entre em contato com o seu conflito e o libere, (...) diante de alguém que realmente se interesse pelo seu problema. Idéias demoradamente recalcadas, que se negam a externar-se – tristezas, medos, ciúmes, ansiedades – contribuem para as depressões, que somente podem ser resolvidos à medida que sejam liberados, deixando a área psicológica em que se refugiam e libertando-a da carga emocional perturbadora”23 12
  • 13. Para quem frequenta uma Casa Espírita, seguir a recomendação de Joanna é participar dos serviços de Atendimento Fraterno, no qual pessoal treinado se disponibiliza para ouvir com carinho as dificuldades do paciente e, quando necessário, construir juntos possibilidades de solução ou de convivência com o problema apresentado. - Terapia do trabalho Manoel Philomeno de Miranda apresenta o trabalho pelo próximo como uma terapêutica essencial para os males da alma: “Ao lado de todos os tratamentos especializados para a cura da depressão, assim como de outros distúrbios de comportamento, o trabalho desempenha um papel terapêutico fundamental”24. Francisco Cândido Xavier é da mesma opinião. Ao ser perguntado sobre a melhor forma de combater a depressão, respondeu: “Trabalhando incessantemente para o bem geral, sem qualquer expectativa de compensação material ou espiritual, de vez que, quem auxilia os outros está, particularmente, auxiliando a si próprio25”. O trabalho traz inúmeros benefícios, entre eles o aumento da auto-estima, na medida em que o paciente percebe que pode ser útil e que suas ações têm o poder de levar felicidade e alívio para outras pessoas que, como ele próprio, sofrem. Como sugere o espírito Irmão José, “quando sentirmos que a tristeza insiste em se demorar conosco, ocupemos as nossas mãos e a nossa mente no serviço do bem. Deixemos a poltrona do comodismo e desintoxiquemo-nos no suor da caridade26". A prática do bem, em última análise, irá igualmente “facultar créditos a serem considerados no balanço moral da sua existência27” - Terapia da reforma íntima “Criamos a sociedade dos deprimidos e dos comprimidos, porque no fundo nos sentimos oprimidos. Os efeitos reprimidos dos comprimidos tendem sempre a reaparecer, e se não colocamos a consciência em harmonia com as leis eternas da vida, jamais estaremos a salvo” 28 Nazareno Tourinho Manoel Philomeno de Miranda sugere que em todo tratamento é básico demonstrar ao paciente que qualquer doença é sempre efeito, e que somente atuando sobre suas causas é que se torna possível saná-la. Deve-se, então, “conscientizá-lo da necessidade de modificação no comportamento moral, mudando-lhe o condicionamento cármico, por cuja conduta adquirirá mérito para uma alteração no seu mapa existencial”29 . A contribuição que a Doutrina Espírita pode trazer para a renovação mental é grande: palestras, cursos, livros e filmes são excelentes instrumentos para a mudança de pensamento. Em paralelo a esses recursos, o paciente deve incluir em seus hábitos a prática da prece e a realização assídua do Culto do Evangelho no Lar. “A irradiação mental agindo no campo perispiritual alcança a organização fisiológica. Daí por que a mudança do pensamento para uma faixa superior, a da saúde, propicia que a energia desprendida sintonize com as vibrações desse campo, alterando o teor da irradiação que irá estimular o equilíbrio das células e a restauração da saúde física. Da mesma maneira, a reconquista do comportamento moral, trabalhando o corpo, produzirá modificações na área do psicossoma, que 13
  • 14. influenciará a conduta mental. A energia que provém do psiquismo, pelo perispírito, alcança a matéria, assim como a conduta orgânica disciplinada, pelo mesmo processo, atinge o psiquismo, imprimindo-se no Espírito. Os hábitos, portanto, os condicionamentos vêm do exterior para o interior e os anseios, as aspirações cultivadas partem de dentro para fora, transformando- se em necessidades que se impõem30” - Terapia do Evangelho Por fim, a maior terapêutica de todas: a evangelização do Espírito. Quanto mais o paciente vincular sua vida aos ensinamentos seguros do Cristo, mais habilidade terá para alçar-se acima do momento das circunstâncias atuais e perceber-se como um espírito livre e imortal, criado para a felicidade. Os amigos espirituais são unânimes em apontar Jesus e seu Evangelho como o maior dos remédios: “Não há como negar-se: Jesus-Cristo é o Psicoterapeuta excepcional da Humanidade, o único que pôde penetrar psiquicamente no âmago do ser, auxiliando-o na reestruturação da personalidade, da individualidade, harmonizando-o para que não mais incida em compromissos degenerativos. Por isso mesmo, todos aqueles que Lhe buscaram o conforto moral, a assistência para a saúde combalida ou comprometida, física e mental, defrontaram a realidade da vida, alterando a forma existencial do comportamento que lhes seria de inapreciado valor nas futuras experiências carnais”.(Manoel Philomeno de Miranda31) “Em todas as circunstâncias difíceis de nossa saúde, recorramos ao mestre, aplicando o seu Evangelho como recurso terapêutico por excelência. Supliquemos-lhe forças para tudo suportar com mansidão e paciência. Peçamos-lhe a coragem com que lutemos contra nossas más tendências e sigamos seus exemplos” (Dias da Cruz32) “Jesus informou que Ele é vida e vida em abundância. Recorre-lhe à ajuda, e deixa-te curar pela sua assistência de psicoterapeuta por excelência” (Joanna de Ângelis). 14
  • 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1 Dalgalarrondo, Paulo., Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais, Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000 2 Lopes, Wilson Ayub, A depressão na visão espírita, Internet, disponível em http://www.sosdepressao.com.br 3 Ballone, Gustavo, Depressão, Internet, disponível em http://www.psiqweb.med.br 4 Alkimin, Zaydan, Liberte-se da depressão e do medo, Rio de Janeiro: Pallas, 1994 5 Eichenberger, Lizza, Psicólogo esclarece tudo sobre a doença dos anos 90: a depressão, Revista da Paulus Editora 6 Ballone, idem 7 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001 8 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996 9 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001 10 Miranda, idem 11 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996 12 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001 13 Kardec, Allan, O evangelho segundo o espiritismo – 118 ed. – Rio de Janeiro: Federação Espírita Brasileira, 2001 14 Angelis, Joanna de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. Nostalgia e depressão, Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br 15 Claro, Izaias, Depressão: causas, consequências e tratamento, Matão/SP: Casa Editora O Clarim, 1998 16 Palhano Jr, Lamartine, Oliveira, Júlia Anália S, Laudos espíritas da loucura, Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br 17 Angelis, idem 18 Miranda, idem 15
  • 16. 19 Angelis, idem 20 Angelis, idem 21 Dado disponível na Internet: http://www.psiquiatra.med.br/neurotransmissor_tireoide.htm 22 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996 23 Angelis, idem 24 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001 25 Silveira, A. da, Kardec prossegue, São Paulo: Editora Cultura Espírita União 26 José, Irmão (Espírito); [psicografado por] Baccelli, Calos A ., Lições da Vida, Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br. Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo 27 Pereira. – Trilhas da libertação, Brasília: Federação Espírita Brasileira, 1996 28 Tourinho, Nazareno, ........ , Internet, disponível em: http://www.sosdepressao.com.br 29 Miranda, idem 30 Miranda, idem 31 Miranda, Manoel Philomeno de (Espírito); [psicografado por] Franco, Divaldo Pereira. – Tormentos da obsessão, Salvador: Livraria Espírita Alvorada, 2001 32 Cruz, Dias da, Revista Reformador, Brasília: Federação Espírita Brasileira, Maio de 1998 16