AÇÃO DO GRAVITROPISMO NO
DESENVOLVIMENTO CAULINAR DA
MANGUEIRA (MANGIFERA INDICA)
Marcelo Amorim
Jackeline Bernardo
Janilm...
2
Associação Educacional São Paulo Apóstolo Centro
Universitário da Cidade:
Reitor:
Márcio André Mendes da Costa
Vice-Reit...
3
Sumário
Introdução .............................................................................................. 4
Obje...
4
AÇÃO DO GRAVITROPISMO NO DESENVOLVIMENTO CAULINAR DA
MANGUEIRA (MANGIFERA INDICA)
Alexandre Loureiro¹, Marcelo Manhães d...
5
A cidade de Belém é um exemplo eloquente dessa abundância, tendo se
tornando famosa por suas mangueiras. Noutro extremo ...
6
quantidade de fibras e de fiapos em sua polpa carnuda, e privilegiar as cores
vermelhas e rosadas, mais apreciadas na fr...
7
Descrição e característica da planta: a mangueira apresenta copa bem enfolhada
e pode variar de tamanho em função da var...
8
hectare. Para o estado de São Paulo, a média é estimada em 9 a 10 toneladas por
hectare.
Utilidade: a fruta é consumida ...
9
Utilidades Medicinais:
Anemia – a manga pode ser incluída na dieta dos anêmicos, junto com alimentos
que contenham ferro...
10
Levantamento de campo
Primeiro levantamento: realizado na Rua Artur de Oliveira Vechi, nº 120 no
Centro do Municipio de...
11
Observações: Apesar do anelamento do tronco e da poda corretiva mal
executada, onde alguns galhos foram podados de form...
12
Segundo levantamento: realizado na Avenida Ministro Edgar Romero, nº 807,
Madureira, RJ, mais precisamente no interior ...
13
O gravitropismo nesta árvore apresenta caracteristicas diferentes a da árvore
anterior deixando claro que a auxinas est...
14
Discussão e conclusão:
Geralmente na formação dos eixos da copa, a gema apical é a mais ativa, e
as gemas laterais perm...
15
Referências Bibliográficas:
CORREA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas
Cultivadas. Vol. V. Min...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01

919 visualizações

Publicada em

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
919
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo cientifico gravitropismo da mangueira 01

  1. 1. AÇÃO DO GRAVITROPISMO NO DESENVOLVIMENTO CAULINAR DA MANGUEIRA (MANGIFERA INDICA) Marcelo Amorim Jackeline Bernardo Janilma P. de Almeida Rio de Janeiro, 2011.
  2. 2. 2 Associação Educacional São Paulo Apóstolo Centro Universitário da Cidade: Reitor: Márcio André Mendes da Costa Vice-Reitora: Fernanda Pimentel Pró-Reitor: Wanderley Mardini Cantieri Pró-Reitor de Operações: Fernando Vieira Braga Diretor de Graduação Ricardo Meireles Diretor de Pós-Graduação e Pesquisa Jorge de Abreu Soares Diretor de Desenvolvimento Institucional: Jorge Cássio da Silva Mello Diretor de Tecnologia: Carlos Eduardo Silva Pereira Leite Diretor de Sistemas: Marcio dos Santos Viola Escola de Educação e Meio Ambiente: Coordenadora Geral do Curso: Profª Margot Valle Ferreira
  3. 3. 3 Sumário Introdução .............................................................................................. 4 Objetivo .................................................................................................. 9 Metodologia ........................................................................................... 9 Discussão e Conclusão ........................................................................ 14 Referências Bibliográficas ................................................................... 15
  4. 4. 4 AÇÃO DO GRAVITROPISMO NO DESENVOLVIMENTO CAULINAR DA MANGUEIRA (MANGIFERA INDICA) Alexandre Loureiro¹, Marcelo Manhães de Amorim ², Jackeline Bernardo. ³, Janilma P.de Almeida. 4, Introdução Segundo Lorenzi, (2006), esta fruta deliciosa, refrescante no verão, tem quase quinhentas variedades. Isso mesmo, quinhentas! Nativa da Índia e Burma, de onde foi trazida pelos colonizadores portugueses no século XVI e hoje uma das mais cultivadas nas regiões tropicais do país. A manga é altamente nutritiva, rica em fibras, proteínas, sais minerais e vitaminas (A, B, C). Deve-se evitar, porém, o suco da fruta verde, porque contem substâncias abortivas. Nome cientifico: Mangifera indica; Família: Anacardiácea Nome comum: mangueira, manga. Origem: Índia e Burma. De acordo com Corrêa, M.P. (1974), a mangueira foi à árvore asiática que melhor se adaptou ao clima brasileiro, produzindo inúmeras variedades, tornando-se quase obrigatória na paisagem do norte e do nordeste do país, e sendo facilmente encontrada em cultivo na Amazônia e nas regiões Sudeste e Centro-Oeste. Diferentes árvores que produzem diferentes mangas podem ser encontradas, aos montes, em chácaras e fazendas, em pomares e quintais urbanos e rurais, em pequenas e médias propriedades, além de estarem presentes em espaços públicos como parques, pragas, ruas e avenidas por todo o país.
  5. 5. 5 A cidade de Belém é um exemplo eloquente dessa abundância, tendo se tornando famosa por suas mangueiras. Noutro extremo do país, na cidade do Rio de Janeiro, as mangueiras também eram tantas que acabaram dando o nome a um bairro, a uma parada de trem e a uma escola de samba: a "verde e rosa" Estação Primeira de Mangueira. Se a manga é uma fruta “de verdade’, de polpa carnuda, gostosa, perfumada, consistente, cheia de água e de açúcares, as mangueiras são árvores frondosas, de longuíssima duração e de frutificação abundante”. Tudo isso faz com que sejam árvores muito valiosas para quem as possui. Os frutos são lindos e também variados em seus tamanhos, formatos, sabores e cores: por fora, as mangas podem ser verdes, verdes com pintas pretas, amareladas, alaranjadas, douradas, róseas ou violáceas. Dentro da manga - envolvida por uma polpa de cor e sabor forte, mais ou menos carnudo, mais ou menos doce, mais ou menos fibrosa, dependendo da qualidade da fruta encontra- se o caroço, grande, achatado e fibroso. É notável a grande variação apresentada pelos frutos das mangueiras, em todo o mundo: nos livros encontram- se referências que variam entre um número de 500 e 1000 variedades existentes. No Brasil, as mangas são também encontradas em grande diversidade: apenas entre as mais comuns e conhecidas pela população em geral, Pimentel Gomes, (2006), cita e descrevem 36 variedades, todas elas de fácil ocorrência. No entanto, as variedades de mangas mais cultivadas em pomares comerciais alcançam menor número. Basicamente, são variedades obtidas após cuidadoso processo de seleção e de melhoria da fruta, tendo em vista diminuir a
  6. 6. 6 quantidade de fibras e de fiapos em sua polpa carnuda, e privilegiar as cores vermelhas e rosadas, mais apreciadas na frota destinada à exportação. No Brasil, atualmente, são cultivadas as variedades Alphonso, Bourbon, Carlota, Coração de Boi, Espada, Golden Nuggets, Haden, Keitt, Kent, Rosa, Rubi, Sensation e Tommy Atkins. Algumas delas nasceram e se desenvolveram no país; outras são de origem estrangeira, especialmente proveniente dos Estados Unidos, onde produtores da região da Flórida são grandes pesquisadores da fruta. Os principais produtores da fruta no país são os Estados de São Paulo e de Minas Gerais, que, juntos, alcançam cerca de 50 % da área planta da e 25 % do total da produção. Em seguida vêm os Estados do nordeste do país, responsáveis pela metade da produção nacional, com desta que para Bahia, Pernambuco, Piaui e Ceará. O Brasil tem tido uma crescente participação no mercado mundial produtor de mangus, exportando boas quanti- dades para a Europa e para os Estados Unidos. Mas o grande comércio internacional é ainda dominado pelos países da Ásia, em especial pela Índia com seu volume gigantesco de produção. Basicamente, por suas excelentes qualidades de textura e sabor, a manga é fruta consumida in natura. Com sua polpa prepara-se, no entanto, um bom número de receitas diferentes que resultam em doces, compotas, geleias, purês, sorvetes e mousses de delicioso sabor. Na Índia, sua terra de origem e onde tem grande importância na composição alimentar da população, a manga tem incontáveis outras utilidades: basta lembrar- se do famoso "chutney de mangas", acompanhamento ideal para as carnes e os grelhados da culinária indiana, que é feito com a polpa da fruta verde, cozida e temperada com especiarias e pimentas.
  7. 7. 7 Descrição e característica da planta: a mangueira apresenta copa bem enfolhada e pode variar de tamanho em função da variedade, da fertilidade do solo, da idade e do porta- enxerto. Em geral, as plantas não enxertadas podem atingir 40 metros de altura, enquanto que nas culturas comerciais e com plantas enxertadas, as plantas chegam a 7 metros. A época de frutificação, o tamanho e a cor dos frutos ficam uniformes. Em plantas enxertadas, a frutificação pode ocorrer a partir do segundo ano e, comercialmente, no terceiro ou no quarto ano. O fruto tem uma casca externa e, logo abaixo, a polpa que pode ser fibrosa (“fiapos”) ou com pouca fibra e um caroço (semente) grande ou pequeno conforme a variedade. Externamente, a cor do fruto pode ser vermelha, roxa, amarela ou verde, em várias tonalidades relacionadas às variedades, assim com o seu tamanho. As comerciais mais conhecidas e exportadas têm as seguintes características, segundo Lorenzi, (2006): Haden, de origem americana, filha de “Mulgoba” e “tupertine” plantada por J. Haden em 1902, casca amarela avermelhada, peso médio 480 gramas; Tommy atkins, gerada nos EUA (anos 40) a partir da “Haden” , casca vermelho-amarelada, peso médio 580 Gramas e Keitt, cultivar tardia obtida nos EUA (irmã de “Haden”, filha de “Mulgoba” com pai desconhecido amarelo-esverdeada, tem frutos de mais de 800 gramas. Produção e produtividade: o Brasil é um grande produtor de manga, estando entre os oito maiores produtores mundiais dessa fruta, junto com o México, as Filipinas, a Índia, o Paquistão e a África do Sul. Em 2001, o Brasil produziu 540.000 toneladas em 67.000 hectares e exportou 94.000 toneladas, representando 17,4%.da sua produção. A região Nordeste é a principal produtora com 53% do total. A produtividade média no Nordeste é estimada em 20 toneladas por hectare, mas em áreas onde adotam técnicas mais avançadas chegam produzir 40 toneladas por
  8. 8. 8 hectare. Para o estado de São Paulo, a média é estimada em 9 a 10 toneladas por hectare. Utilidade: a fruta é consumida principalmente ao natural, como fruta fresca, mas é processada também em pedaços em caldas, sucos, néctar, geleias e sorvetes. Quantidade por Porção % VD (*) Valor Energético 39,5 Kcal = 166 Kj 2 Carboidratos 2,7 g 1 Proteínas 2,7 g 4 Gorduras Totais 2,0 g 4 Gorduras Satur. 0,0 g 0 Gorduras Trans. 0,0 g 0 Fibra Alimentar nd 0 Cálcio 14,1 mg 1 Ferro 0,5 mg 4 Sódio nd 0 Fósforo 11,4 mg 2 Vitamina A 140,7 g 23 Vitamina B1 0,0268 mg 2 Vitamina B2 0,0268 mg 2 Niacina 0,335 mg 2 Vitamina C 28,81 mg 64 Valores Diários com base em uma dieta de 2.500 Kcal ou 8.400 Kj seus valores diários podem ser maiores ou menores dependendo de suas necessidades energéticas. *ND = Não Disponível. Fonte: www.polifruta.com.br Partes utilizadas: Casca dos ramos, folha, fruto. Propriedades Medicinais da Manga: Ajuda a tratar de: anemias, bronquites (asmáticas e catarrais), desnutrição, escaras, escorbuto, feridas (incluindo as bucais), gengivites, tosses, úlceras varicosas.
  9. 9. 9 Utilidades Medicinais: Anemia – a manga pode ser incluída na dieta dos anêmicos, junto com alimentos que contenham ferro. Asma – Chá das folhas tenras da mangueira. Tomar morno, com mel. Diarreia – Tomar o chá dos ramos tenros. Digestão – Fazer uma ou mais refeições só de manga. Respiratórias, doenças das vias - Xarope de manga: cozinhar o suco natural de manga com mel, até ficar reduzido à metade. Tomar uma colher de sopa de hora em hora. Sarna - Cataplasma com a goma-resina que se extrai do tronco. Verminoses - Preparar um decocto dos brotos dos ramos e da amêndoa das sementes, bem triturados, e tomar, em jejum, na dose de uma xícara de chá, juntamente com suco de limão. Objetivo Analise dos eixos da M.indica com intuito de entender o gravitropismo da espécie. Métodologia 1. Realizar levantamento de campo, a fim de identificar a éspecie em estudo e sua localização. 2. Fotografar a espécie. 3. Identificar através de medição, D. A. P, copa, altura, e altura do fuste. 4. Identificar através de medição o distanciamento entre os eixos; 5. Ação do gravitropismo; 6. Conclusão do levantamento
  10. 10. 10 Levantamento de campo Primeiro levantamento: realizado na Rua Artur de Oliveira Vechi, nº 120 no Centro do Municipio de Mesquita, mais precisamente no Paço da Prefeitura de Mesquita, RJ. Imagem 1: (Mangifera indica) Imagem 02: Medição do D. A. P – Diâmetro a altura do peito; Imagem 03: Medição da altura do fuste Imagem 04: Medição do distanciamento entre os eixos. Imagem 05: Medição do distanciamento entre os eixos.
  11. 11. 11 Observações: Apesar do anelamento do tronco e da poda corretiva mal executada, onde alguns galhos foram podados de forma incorreta, o estado fitossanitário encontra-se em bom estado. Com relação aos eixos, não houve uma variação muito grande entre eles, variando entre 0,80cm e 1,00m de distância entre eles, com angululação aproximada de 45º. O gravitropismo apresentado deixa claro que a auxinas estão sendo distribuidas de maneira uniforme, proporcionando a homogenização de toda copa, fato este que pode estar diretamente ligado ao ambiente onde a árvore está inserida apresentando como fatores observados, a área livre onde a espécie se encontra e a ausência de sobreamento.
  12. 12. 12 Segundo levantamento: realizado na Avenida Ministro Edgar Romero, nº 807, Madureira, RJ, mais precisamente no interior da Unidade 04 do Capmpus do Centro Universitário da Cidade. Imagem 01: Mangueira (Mangifera indica) Imagem 02: Medição do D. A. P – Diâmetro a altura do peito Imagem 03: Medição da altura do fuste Imagem 04: Medição do distanciamento entre os eixos Observação: a árvore encontra-se em excelênte estado fitossanitário Com relação aos eixos, houve uma variação muito grande entre eles, variando entre 0,50cm e 1,50m de distância entre eles, com angululação aproximada entre 45º e 60º.
  13. 13. 13 O gravitropismo nesta árvore apresenta caracteristicas diferentes a da árvore anterior deixando claro que a auxinas estão sendo distribuidas de forma bastante iregular, onde a de forma bastante iregular, onde a formação cauliforme não está homogenia em toda copa. fato este que pode estar diretamente ligado ao ambiente onde a árvore está inserida apresentando como fatores observados, a área livre onde a espécie se encontra e a ausência de sobreamento. Comparação de Ambientes: Percebemos que na imagem 01 as auxinas, responsáveis pelo gravitropismo, promovem a distrubuição dos eixos da copa uniformemente, pois não há nehum obstáculo ou sobreamento no seu entorno. Na imagem 02 o sentido vetorial promove a distrubuição mais intensa dos eixos apenas para um lado.
  14. 14. 14 Discussão e conclusão: Geralmente na formação dos eixos da copa, a gema apical é a mais ativa, e as gemas laterais permanecem dormentes em conseqüência da dominância apical exercida pela primeira (por meio de hormônios do grupo das auxinas). À medida que aumenta a distância entre o ápice caulinar e as gemas laterais, a influência retardadora do ápice diminui e as gemas laterais tendem a se desenvolver, como pode ser constatado na árvore estudada no primeiro levantamento de campo, onde os eixos foram estimulados para serem distribuidos uniformemente com pouquíssimas variações. No segundo caso já houve uma resistência na distribuição dos eixos, pois se percebe que o desenvolvimento das gemas laterais e a distribuição de auxinas, responsávél pelo gravitropismo, fez com que a distribuição dos eixos da copa tendenciassem apenas para um lado do tronco. Este fato está provavelmente relacionado à interação da árvore com o meio no qual ela foi inserida, pois a proximidade com a lateral do prédio do Campus possívelmente interferiu na sua formação, além do sobreamento provocado pela estrutura, ao contrário da primeira árvore estudada que não possui nenhum obstáculo ao seu entorno e ausência de sobreamento. Dessa forma, conclui-se que apesar das inúmeras variações da M.indica a espécie possui sentido vetorial ou direção claramente previsível interagindo com o ambiente no qual está inserido. Sendo Assim, os sistemas naturais são imprevisíveis e mutáveis, no sentido de se adaptar ao o espaço disponível.
  15. 15. 15 Referências Bibliográficas: CORREA, M. P. Dicionário das Plantas Úteis do Brasil e das Exóticas Cultivadas. Vol. V. Ministério da Agricultura. Rio de Janeiro, 1974. Fruticultura brasileira. Biblioteca rural Autor Pimentel Gomes Edição 11, Editora Nobel, 1973. Frutas Brasileiras e Exoticas Cultivadas - Harri Lorenzi, Editora: Codice. 2ª edição, 2009. www.todafruta.com.br Data Edição: 07/07/04 http://www.ibraf.org.br/x_files/Documentos/Cadeia_Produtiva_de_Frutas_S%C3%A9 rie_Agroneg%C3%B3cios_MAPA.pdf

×