Evolucionismoxcriacionismo

951 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
951
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
220
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Evolucionismoxcriacionismo

  1. 1. Evolucionismo x Criacionismo
  2. 2. 1. Criacionismo Religioso2. Design Inteligente3. Disputas pela Política Educacional4. A Ciência: Introdução ao Método Científico e às Te5. História do Pensamento Evolutivo6. Lamarckismo7. Darwinismo8. Tabela com Argumentos Criacionistas e Evolucioni
  3. 3.  Introdução.Dentro do termo criacionismo várias hipóteses podem serenquadradas que sustentam a interpretação de diversoslivros sagrados.O criacionismo se caracteriza pela oposição às teoriascientíficas sobre fenômenos relacionados à origem doUniverso, da vida e da evolução das espécies. Distinção.Basicamente duas vertentes podem ser detectadas. Oscriacionistas puros, que acreditam na criação divina e ponto,e os criacionistas evolucionistas, que aceitam as teoriasevolucionistas e ao mesmo tempo acreditam que essasteorias descrevam o método como Deus criou todas ascoisas.
  4. 4.  Religiões. Cristãos – Abrigam as duas correntes, criacionistas que apóiama criação da Terra em 6 dias, outros aceitam a idade da Terra edo Universo defendida pelos cientistas, mas mantendo posiçõesconflitantes com a biologia evolucionista. Os criacionistas evolucionistas dizem que a Bíblia e outros livrossagrados dão margem a uma mistura da evolução, origem davida e criação dizendo que Deus deu origem à vida, maspermitiu que ela evoluísse.
  5. 5.  Hinduísmo – Afirmam que o tempo não é linear como nasreligiões anteriores.• O tempo tem uma natureza circular.• Criação e evolução são repetidas eternamente em ciclosde renovação e destruição.• Obs.: O ciclo de renovação e destruição pode serobservado tanto na vida dos seres vivos, nascimento emorte, tantas vezes quantas forem necessárias para a suaevolução, quanto na criação e destruição do Universo (soprode Brahma)
  6. 6.  Criação segundo a Mitologia GregaTudo começa com Caos, deus (ou entidade) quesimboliza a matéria desordenada adesagregação.
  7. 7. De pedaços de Caos surgem Érebo (a escuridão) e Nix (a noite). Caostambém gera Gaia (Mãe terra), tartaro (abismo abaixo de Gaia as trevasprofundas) e Eros (deus do amor, da agregação).
  8. 8. Nix sozinha da origem a deuses comoÉris (a Discórdia), a miséria,os sonhos eos irmão gêmeos Hypnos (Deus do sono)e Thanatos (Deus da morte). Porem darelação com seu irmão Érebo (aescuridão) nascem ÉterÉter (o ar,conhecido como a Luz celestial) eHemeraHemera (o Dia)Já Gaia (a mãe terra) sozinha gera as montanhas (nãosão uma entidade “viva”), Urano (o céu) e Pontos (omar). Gaia se relaciona com seus próprios filhos,tendo com ambos descendentes. De Urano nascem osTitãs surgindo toda uma genealogia que incluiPrometeu e seu irmão Epimeteu.Nyx, deusa da noite(William-AdolpheBouguereau - La Nuit(1883))
  9. 9. A Prometeu e seu irmão Epimeteu foi dada a tarefa de criar os homens e todos osanimais. Epimeteu encarregou-se da obra e Prometeu encarregou-se de supervisioná-ladepois de pronta, assim Epimeteu atribuiu a cada animal seus dons variados. Porém,quando chegou a vez do homem, que deveria ser superior a todos os animais, Epimeteugastara todos os recursos, assim, recorre a seu irmão Prometeu que roubou o fogo eofertou aos homens, ensinando-lhe também como trabalhar com ele, garantindo assimsua superioridade.Porém o fogo era uma exclusividade dos deuses que castigaram Prometeu, Epimeteu etambém a humanidade.voltarvoltar
  10. 10. Definição: é a assertação de que "certas característicasdo universo e dos seres vivos são melhor explicadas poruma causa inteligente, e não por um processo não-direcionado como a seleção natural". Teoria segundo qualcausas inteligentes seriam responsáveis pela origem douniverso e da vida, em toda a sua diversidade. Seusdefensores sustentam que há provas empíricas daexistência de Deus ou de agentes superinteligentes.Em 1987 nos E.U.A após decisão da Corte sobre o casoEdwards vs. Aguilard de incorporar tema religioso naformação dos alunos.A Teoria do Design Inteligente
  11. 11.  Visão Geral: O design inteligente é apresentado como umaalternativa as explicações naturais para a origem e diversidade davida. Ela se situa em oposição à ciência biológica convencional,que depende do método científico para explicar a vida através deprocessos observáveis como mutações e a seleção natural.x
  12. 12.  Complexidade Irredutível:Um único sistema que é composto de várias partesinterativas bem integradas que contribuem para a funçãobásica, e de onde a retirada de qualquer das partes faz comque o sistema deixe de funcionar efetivamente. Complexidade Específica:Uma vez que padrões complexos específicos podem serencontrados em organismos, alguma forma de orientaçãodeve ter sido responsável por sua aparição, sendoimpossível terem se desenvolvido de processos do acaso. Princípio Antrópico:Afirma que o mundo e o Universo estão finamenteajustados para permitir a vida na Terra. Requer que asvariáveis estejam perfeitamente harmonizadas.
  13. 13. Complexidade IrredutívelVisão – Det. OlhoContra producente à sobrevivênciaEliminada pela Seleção NaturalMecanismo Flagelo CelularPara os defendores do D.I.,algumasestruturas biológicas não podemserexplicadas pela Seleção Natural
  14. 14. Complexidade EspecíficaCastelo de AreiaSeria impossível quepadrõescomplexos se desenvolvamatravés do acasoSequência do DNAMensagens transmitidas peloDNA na célula eramespecificadaspor uma inteligência
  15. 15. Princípio AntrópicoAfirma que o mundo e o universo estão “finamente ajustados”para permitir a vida na Terra. A existência e desenvolvimentoda vida na Terra requerem que tantas variáveis estejamperfeitamente harmonizadas que seria impossível que todaselas chegassem a ser como são apenas pelo acaso, por eventosnão-coordenados.
  16. 16. Teoria do Design Inteligente não identifica a fonte dainteligência mas a maioria dos teóricos são teístas.Ateus que não conseguem negar a forte evidência doagente inteligente, porém não admitem a existência deum Deus Criador.A Teoria do D.I. não é Criacionismo Bíblico.Criacionismo Bíblico Teóricos do D IConcluem que o relato bíblico dacriação é confiável e correto.Criação de Deus.Partem a esfera natural e chegam àconclusão subsequente de que avida na Terra foi desenhada porum agente inteligente (quem querque seja)voltarvoltar
  17. 17.  Não pretendemos fazer nenhum juízo de valor Propiciar o questionamento Educação como base para propagação de umalinha de pensamento
  18. 18.  Histórico do ensino religioso no Brasil Catecismo tradicional (jesuítas), religião católica Romana, oficial do Império. 1ª República passa a ser facultativa Proclamação da república 1889, Estado laico, liberdade religiosa, porém naprática predominava o ensino da religião católica CF/88 Art 210 § único “ O ensino religioso, de matrícula facultativa,constituirá disciplina dos horários normais das escolas públicas” LDB/96 Art 33, estabelece que o ensino religioso será oferecido sem ônuspara os cofres públicos. Sendo o mesmo de caráter confessional de acordo coma opção do aluno ou responsável. (sem proselitismo) Escolas particulares religiosas, são autorizadas legalmente a ministrarreligião de acordo com sua proposta estratégica pedagógica
  19. 19.  QUESTÕES IMPORTANTES Será o ensino religioso uma ameaça ao conhecimento científico?“ O principal problema não é levar a religião para escola, mas a forma como ela será abordada” (SilasGuerriero, Sociólogo e professor) Religião e ciência devem estar no mesmo plano ? A dúvida é um pressuposto da ciência, enquanto a religião é uma questão fundamentalmentede fé. “Não vamos contrapor as teses, mas o equivocado seria oferecer só uma informação. O evolucionismoé tão questionado quanto o criacionismo” (Suzana Vieira, secretaria de Educação do Rio deJaneiro) O Criacionismo religioso pode ser considerado ciência? As Escolas particulares religiosas são procuradas por oferecerem ensino religioso ou pelaqualidade dos seus diversos serviços? Será o ensino religioso o problema maior das escolas públicas ? Seria uma prioridade essaquestão ?
  20. 20.  Mensagem importante- “Se te preparas para um ano, plante cereais, se te preparas para umadécada, plante árvores, se te preparas para uma vida, eduque e treineseus homens” (pensador chinês)- Independente do que se é ensinado, o mais importante é aqualidade e a importância da educação.voltarvoltar
  21. 21. Pela primeira vez o homem busca explicação danatureza dentro da natureza e abandona asexplicações mitológicas, aquilo que algunshistoriadores costumam chamar de "milagregrego", ou seja, a passagem do saber mítico para opensamento racional, filosófico. Os pensadoresjônios podem ser vistos como precursores daciência moderna e Tales de Mileto como o primeiroser humano a ser considerado um cientista.
  22. 22. -Criada em 331 a.c.-700.000 livrosBibliotecário-chefe PeríodoDemétrio de Faléreo 284 a.C.Zenôdoto de Éfeso 284-260 a.C.Calímaco de Cirene 260-240 a.C.Apolônio de Rodes 240-235 a.C.Erastóstenes deCirene235-195 a.C.Apolônio Eidógrafo 180-160 a.C.Aristarco deSamotrácia160-145 a.C.
  23. 23. Pelas referências de Arquimedes, sabemos que assuas teorias astronômicas tinham uma clara baseheliocêntrica - quase dois milênios antes deCopérnico.Demonstrou a esfericidade da Terra e mediu comprecisão e engenhosidade o perímetro de suacircunferência.
  24. 24. O último cientista a trabalhar nabiblioteca foi... uma mulher.Distinguiu-se na matemática, naastronomia, na física e foi aindaresponsável pela escola defilosofia neoplatônica. Apesar dogrande perigo que corria,continuou a ensinar e a publicaraté que no ano de 415, a caminhodo seu trabalho, foi atacada porum grupo de partidários doarcebispo Cirilo.Hipátia
  25. 25. No ano de 389, Teófilo é nomeado patriarca deAlexandria e inicia imediatamente uma violentacampanha de destruição de todos os templos esantuários não-cristãos, tendo apoio do imperadorTeodósio. Esta destruição culminou no ano de 391com a destruição do templo de Serapis e da suabiblioteca
  26. 26. Quem tem a coragem de explorar aestrutura e textura do cosmos,mesmo quando difereacentuadamente dos seus desejos ecrenças, penetrará profundamentenos seus mistérios.
  27. 27. As teorias científicas distinguem-sedos mitos por serem criticáveis e porestarem abertas a modificações à luzda crítica.
  28. 28. O conhecimento científico pode serdescrito como um grupo deasserções com graus variáveis deincerteza; algumas mais prováveisque outras, mas nenhumaabsolutamente certa.
  29. 29. OS 7 “PECADOS”*OS 7 “PECADOS”*CAPITAIS DOCAPITAIS DOCONHECIMENTOCONHECIMENTOCIENTÍFICOCIENTÍFICO*Nos termos da Escolástica; pensamento cristão da Idade Média, que tentava conciliar aracionalidade platônica e aristotélica com a concepção cristã de contato direto com a verdaderevelada. Por extensão de sentido, passou a designar qualquer filosofia elaborada em função deuma doutrina religiosa, cujos seguidores perpetuam um pensamento acrítico, ortodoxo,tradicionalista e dogmático.
  30. 30. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ verdadeiro?Não, mas também não é falso.Pretende ser plausível,o máximo que for capaz. Não seapresenta como verdade, seexpressa por probabilidades.PRIMEIRO PECADO CAPITAL:PRIMEIRO PECADO CAPITAL: PROBABILIDADEPROBABILIDADE
  31. 31. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ indubitável?Não, mas também não é duvidoso.Prima por ser dubitável, sendoinseparável da dúvida, que não odeixa se estagnar nodogmatismo.SEGUNDO PECADO CAPITAL:SEGUNDO PECADO CAPITAL: DÚVIDADÚVIDA
  32. 32. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ perfeito?Não, mas também não é malfeito.Por ser imperfeito, é plenamenteperfectível e, por ser uma obraaberta e inacabada, está semprepronto para reformular-se.TERCEIRO PECADO CAPITAL:TERCEIRO PECADO CAPITAL: IMPERFEIÇÃOIMPERFEIÇÃO
  33. 33. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ definitivo?Não, mas também não é indeciso.O seu parecer é decisivo e nãohesita, sabendo que seu risco deerrar foi minimizado, dentro dascontingências, mas não eliminado.QUARTO PECADO CAPITAL:QUARTO PECADO CAPITAL: CONTINGÊNCIACONTINGÊNCIA
  34. 34. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ provado?Não, mas também não é inválido.Observação e experimentaçãofazem dele a representação darealidade mais provável criada atéhoje. Mesmo assim, não pode fazerafirmações categóricas sobre ela.QUINTO PECADO CAPITAL:QUINTO PECADO CAPITAL: REFUTABILIDADEREFUTABILIDADE
  35. 35. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ descoberta?Não, mas também não é ilusório.Inventa modelos que tentamreproduzir, com êxito progressivo,o funcionamento da natureza; o quenão evidencia serem descrições fiéisde como ela exatamente é.SEXTO PECADO CAPITAL:SEXTO PECADO CAPITAL: INVENÇÃOINVENÇÃO
  36. 36. O Conhecimento CientíficoO Conhecimento CientíficoÉ certo?Não, mas também não é errado.Tem um nível de incerteza quesempre está se esforçando paratornar o menor possível.SÉTIMO PECADO CAPITAL:SÉTIMO PECADO CAPITAL: INCERTEZAINCERTEZA
  37. 37. O que defendiam os fixistas ?Espécies permanentes Espécies PerfeitasEspécies ImutáveisIndependentes umas das outrasOs evolucionistas consideram queos seres vivos da atualidade sãoo resultado da modificação dosseres vivos que existiram nopassado.O que defendem osevolucionistas ?
  38. 38. Teorias fixistasCriacionismo: Espontaneísmo:Catastrofismo:Queda de ummeteoritoErupção Vulcânica
  39. 39. Teorias EvolucionistasTeorias EvolucionistasLamarckismo - LamarckEvolução por Seleção NaturalDarwin e Wallacevoltarvoltar
  40. 40. Apesar de, nos tempos antigos, a idéia do fixismo, de que asespécies são imutáveis, dominasse, havia, também, certopensamento evolutivo. Chineses: os filósofos taoístas acreditavam que o céu, anatureza e os seres humanos estavam em um estado de“constante transformação”. Acreditavam, ainda, que os seresvivos desenvolviam atributos diferentes em resposta aambientes diferentes. Gregos: Anaximandro (610-546 a.C) – a vida se originou no mar edepois alcançou a terra;
  41. 41. Empédocles (490-430 a.C) – a origem não foi sobrenatural; sugeriuuma forma de seleção natural: “Onde quer que todas as partesapareçam tal como seriam se tivessem sido feitas para umdeterminado fim, tais coisas sobreviveram, sendo organizadasespontaneamente num modo adequado; enquanto outros que crescerade outra maneira pereceram e continuam a perecer...” ;Platão (438-428 a.C) – foi “o grande anti-herói do evolucionismo”:“Demiurgo” criou todas as formas de vida (isso era essencial paraa criação perfeita) de modo que fossem tão parecidas com elecomo fosse possível, “porque ele é bom”.Aristóteles (384-322 a.C) – é o historiador natural mais antigo:estudos biológicos na Ilha de Lesbos com o objetivo de classificarhierarquicamente os animais em “Scala Naturae”.
  42. 42. Após a queda do Império Romano do Ocidente muitas dasteorias evolutivas sumiram da Europa. Povos Islâmicos – Na Idade de ouro da cultura islâmica(séculos VIII a XIII), teorias evolutivas iniciais foram ensinadas emescolas islâmicas. Os primeiros cientistas islâmicos tentaram explicar os efeitos doambiente nas chances de sobrevivência dos seres vivos e descrevera luta pela vida Outros tentaram mostrar como se deu o desenvolvimento da vida:matéria vapor água minérios plantasanimais primatas seres humanos;
  43. 43.  Renascença e Iluminismo : caráter mais materialista – surge a idéia de umancestral comum. A visão estática da natureza, segundo o fixismo, começa a perdercréditos. Paleontologia : os estudos começam a se basear em registros fósseis. A escalageológica começa a ser descoberta e, então surge a idéia de que a história da vida éum resultado de sucessivos eventos catastróficos de extinção ou de forçasgeológicas graduais. Jean-Baptiste de Lamarck (início do século XIX): teoria da transmutação deespécies – acreditava que o uso e desuso de certas partes do corpo eram a causa desua maior complexidade. Essa característica adquirida seria passada de pai parafilho. Ele creditava em abiogênese e evolução linear. Charles Robert Darwin e Alfred Russel Wallace : durante a sua viagem àsIlhas Galápagos no Beagle, Darwin observou os padrões biogeográficos e supôsuma evolução divergente ou ramificada. A idéia Malthusiana de crescimentopopulacional, que levaria a uma luta pela sobrevivência, aliada ao seuconhecimento de como os criadores selecionavam os seus rebanhos, levaram àconcepção da teoria da seleção natural. Na metade do século XIX, Darwin eWallace publicam a Teoria de Seleção Natural, que é explicada no livro “A Origemdas Espécies”. Apesar de muitos anteciparem aspectos da seleção natural, somenteDarwin conseguiu desenvolver a idéia e convencer a comunidade científica de suaimportância. Levou a uma rápida aceitação da evolução, mas não da seleçãonatural, pois Darwin não conseguiu explicar a fonte de variação em característicasdentro de uma espécie e como ocorria a transmissão dessas características degeração para outra.
  44. 44.  Alternativas à seleção natural :I. Evolucionismo Teísta: A evolução é apenas o meio que Deusadotou para a Criação;II. Neo-Lamarckismo: Lamarck estava mais certo que Darwin, aherança de caracteres adquiridos é o fator mais importantepara a evolução;III. Ortogênese: os seres vivos apresentam uma característicainata à mudança, que leva a uma evolução linear rumo àperfeição;IV. Saltacionismo: as novas espécies surgem apenas através degrandes mutações.
  45. 45.  Genética de Populações: durante os anos 1920 e 1930; síntese dateoria darwiniana de seleção natural com a genética dehereditariedade mendeliana; Síntese Evolutiva Moderna : durante os anos 1930 e 1940;avanço da genética permite a integração da genética depopulações com diversas áreas da Biologia.A partir dos anos 1950 e 1960, com o desenvolvimento dagenética molecular, surge uma visão gene-cêntrica da evolução;percebeu-se, também, a importância da deriva genética e daseleção sexual.Com o desenvolvimento da computação evolutiva e oaprimoramento do seqüenciamento de DNA, pôde-se entendermelhor a história evolutiva.Além disso, a transferência horizontal de genes e fatores desimbiogênese recentemente descobertos introduziram aindamais complexidade à história evolutiva. voltarvoltar
  46. 46.  O primeiro a tentar explicar oprocesso da evolução foi Jean-Baptiste Lamarck (1744-1829) teorias transformistas a tendência dos seres vivos paraum melhoramento constanterumo a perfeição, gerando umalinhagem contínua e progressiva Lei do uso e desuso: pelo usoou pelo desuso de certas partesdo corpo, gera-se alterações noorganismo do indivíduo os seres vivos vãodesenvolvendo determinadosórgãos de acordo com suasnecessidades de sobrevivência
  47. 47.  Lei das características adquiridas: a transmissão dascaracterísticas adquiridas pelo uso ou desuso, degeração a geração as constantes mudanças que o ambiente terrestre sofre,forçam os seres vivos a se adaptarem ao novo meio,transmitindo e acumulando as transformaçõesadquiridas
  48. 48. voltarvoltar
  49. 49. Originalmente, a teoria da evolução por seleção natural, foi publica em 1858,pela leitura de manuscritos de Darwin e Wallace, na Sociedade Lineana deLondres. Ela sugeria que na luta pela sobrevivência os indivíduos que variavamao acaso, nas direções favorecidas pelo ambiente, tendiam a prosperar,enquanto aqueles com variações em outras direções tendiam a ser eliminados.*Seleção Artificial*Teorias uniformitaristas – a Terra é muito antiga e está constantementeem mudançaBaseou-se:Dois aspectos principais:**As diversas formas de vida surgiram a partir de ancestrais pormodificações na descendências**O mecanismo de modificação é a seleção natural
  50. 50. Selecção naturalAntes darevoluçãoindustrialDepois derevoluçãoindustrial
  51. 51. Argumentos a favor :Diferentes áreas contribuíram para a consolidação do conceito de evolução✿✿ Paleontologia✿✿ Anatomia Comparada✿✿ Embriologia✿✿ Biogeografia✿✿ Biologia celular e Molecular
  52. 52.  A Paleontologia é o estudo dos fósseis e estespodem corresponder a formas já extintas ou aformas vivas.
  53. 53. Anatomia Comparada
  54. 54. Embriologia – comparação dos embriões
  55. 55. Darwin - A escolha das fêmeas é um importante mecanismo de seleção e portantode mudança de perfil de uma espécie.Em A origem das espécies, de 1859, Darwin dedicou 3 páginas ao mecanismo daseleção sexual. Em 1871 em seu A origem do homem e a seleção natural (Descentof man and selection in relation to sex), mais de 350 páginas, quase 70%, sãodedicadas a apresentar e tentar explicar as diferenças estruturais secundáriasentre os sexos em inúmeros grupos de animais incluindo os humanos. Osprimeiros 30% do livro tratam de mostrar a origem comum, estrutural ecomportamental, entre a espécie humana, outros primatas e certos mamíferos.Todo o “resto” do livro é para discutir e tentar resolver o enigma das diferençasentre fêmeas e machos. O mecanismo que Darwin propõe é o poderdiscriminatório da fêmea. Mas qual o significado das masculinas caudas dospavões, das galhadas dos alces, dos cantos dos pássaros para elas? Por que sedão ao trabalho de escolher?Wallace - As características sexuais secundárias são de fato úteis. Cores, chifresservem para identificação, por exemplo. Ou em alguns casos, para a defesamesmo. De uma maneira mais genérica: a seleção sexual é apenas umaextensão da seleção natural.
  56. 56. Lamarckismo Darwin e WallaceNeodarwinismoExplica a a hereditariedade porcaracterísticas transmitidasatravés da código genéticovoltarvoltar
  57. 57. Criacionistas x EvolucionistasDeus criou o homem e os demais seres vivos já na formaatual há menos de 10 mil anosO homem e os demais seres vivos são resultado de uma lenta egradual transformação que remonta há milhões de anosOs fósseis (inclusive de dinossauros) são animais que nãoconseguiram embarcar na Arca de Noé a tempo de salvarem-se do dilúvioOs fósseis e sua datação remota confirmam que a extinção deespécies também faz parte do processo evolutivoDeus teria criado todos os seres vivos seguindo um propósitoe uma intençãoAs transformações evolutivas são resultado de mutaçõesgenéticas aleatórias expostas à seleção natural pelo ambienteO homem foi feito à imagem e semelhança de Deus e,portanto, não descende de primatasO homem não é descendente dos primatas atuais, mas temuma relação de parentesco. Ambos descendem de umancestral comum já extintoNão há como comprovar a hipótese evolutiva em laboratórioe, portanto, ela não é científicaSeres vivos com ciclo de vida mais curto comprovam aevolução por seleção e adaptação, como no caso depopulações de bactérias resistentes a determinadosantibióticosDesde Darwin, vários aspectos de sua teoria já foramrevistos, o que prova sua inconsistênciaApenas detalhes científicos que ainda não estavam claros notempo em que Darwin viveu, como os avanços na área daGenética e da Biologia Molecular, foram revistos. No essencial,a teoria é válida há 145 anosA Segunda Lei da Termodinâmica demonstra que os sistemastendem naturalmente à entropia (desorganização)A Segunda Lei da Termodinâmica não se aplica a sistemasabertos, como os seres vivosA perfeição dos seres vivos comprova a existência de umCriador inteligenteOs seres vivos são complexos, mas longe de serem perfeitos. Oapêndice humano é um exemplo de estrutura residual semfunçãoMesmo admitindo a Evolução, ela só poderia ser de origemdivina por caminhar sempre no sentido da maiorcomplexidade e do aperfeiçoamento biológicoA evolução não caminha sempre para a maior complexidade.Insetos atuais são mais simples que seus ancestrais já extintos.Nem sempre evolução significa melhoria, apenas maioradaptação ao meio ambienteA origem da vida ainda não é explicada de modo satisfatóriopelos evolucionistasAspectos fundamentais envolvendo a origem da vida aindaprecisam ser mais bem esclarecidos, mas o método científico enão-dogmático é o caminho mais adequado para atingir essesFimFim
  58. 58. Referências Bibliográficas http://pt.wikipedia.org/wiki/Hist%C3%B3ria_do_pensamento_evolutivo http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT884203-1664-9,00.html http://tempora-mores.blogspot.com/ http://www.folha.uol.com.br/ www.criacionismo.com www.cristianansewrs.net revista eletronica de ciencias sociais O ensino religioso na escola pública Brasileira(Cézar de Alencar de Toledo e Fátima Aparecida) Lei de Diretrizes e Bases e Constituição da República Federativa do Brasil.   http://pt.wikipedia.org/wiki/Design_inteligente  http://darwinismo.wordpress.com/2008/10/04/publicacoes-que-defendem-o-design-inteligente/ http://www.skepdic.com/brazil/di.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Mitologia_grega http://greciantiga.org/ http://geocities.yahoo.com.br/nonagiria http://revistaepoca.globo.com/Epoca/0,6993,EPT884203-1664-8,00.html http://pt.wikipedia.org/wiki/Criacionismo http://pt.wikipedia.org/wiki/Evolucionismo http://pt.wikipedia.org/wiki/Introdução_à_evolução
  59. 59. .BUSS, David M. A paixão perigosa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2000..CRONIN, Helena. A formiga e o pavão: altruísmo e seleção sexual de Darwin até hoje.Campinas: Papirus, 1995..DARWIN, Charles. A origem do homem e a seleção sexual. Belo Horizonte: Itattiaia,2004..DARWIN, Charles. Origem das espécies. Belo Horizonte: Itatiaia, São Paulo: Edusp,1985..DAWKINS, Richard. O gene egoísta. Belo Horizonte/São Paulo, Itatiaia/Edusp, 1979..DENNETT, Daniel C. 1998 A perigosa idéia de Darwin. Rio de Janeiro, Rocco, 1998..DESMOND, Adrian e MOORE, James Darwin: a vida de um evolucionista atormentado.São Paulo: Geração Editorial, 2000..DIAMOND, Jared Armas, germes e aço: os destinos das sociedades humanas.Rio de Janeiro: Record, 2001..Gallavotti, B. 1997. Segredos da Vida. DoGi. Itália..Gribbin, J. 1999. O Pequeno Livro da Ciência. Editorial Bizâncio. Lisboa..MAYR, Ernst O desenvolvimento do pensamento biológico. Brasília, EdunB, 1998..MILLER, Geoffrey F. A mente seletiva. Rio de Janeiro: Campus, 2000..POPPER, K. R., (1959), A lógica da pesquisa científica, Ed. Cultrix (tradução, 1975), São Paulo..RIDLEY, Matt The red queen: sex and the evolution of human nature. New York:Penguin Books, 1995..SAGAN, CARL (1980) Cosmos, Gradiva,Lisboa: 2001.SAGAN, CARL Mundo Assombrado Pelos Demonios, O. COMPANHIA DAS LETRAS, 1996..ZAHAVI, Amotz; ZAHAVI, Avish. The handicap principle: a missing piece of Darwin’s puzzle. Oxford:Oxford University Press, 1999.Site:http://www.bibalex.org/English/index.aspx

×