Aula tempo e tcnica#

385 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
385
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula tempo e tcnica#

  1. 1. Filosofia Módulo 12 – Tempo e Técnica Prof° Thiago Fev/2011
  2. 2. Tema Filosófico: O TEMPO <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Tempo: Basicamente podemos dizer que se trata de um elemento físico e cultural que regula a vida humana. A humanidade organiza o tempo com base em intervalos, quebras, e períodos de duração socialmente convencionados. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Tempo e Filosofia: A questão filosófica reflete as concepções humanas a respeito da temporalidade, e como isso afeta em nossa existência. </li></ul><ul><li>Outras Noções </li></ul><ul><li>- Eternidade: ou duração imutável do ser. </li></ul><ul><li>- Quem ou o que é eterno? </li></ul><ul><li>- Tempo: Duração dos seres mutáveis, quanto à substância e quanto aos acidentes. </li></ul><ul><li>- Tempo como Movimento. </li></ul>
  4. 4. O Tempo e a Filosofia Medieval <ul><li>- Filósofo: Agostinho. </li></ul><ul><li>- Obra: “ As Confissões”. </li></ul><ul><li>Questões Implícitas: </li></ul><ul><li>Se o tempo é eterno, contínuo, constante, e está sempre em movimento, como podemos mensurá-lo ou dividi-lo? </li></ul><ul><li>Como podemos falar do que é passado, presente ou futuro? </li></ul><ul><li>Como podemos classificar o passado como sendo remoto ou recente? </li></ul><ul><li>Como podemos classificar o futuro como sendo próximo ou distante? </li></ul><ul><li>Ou seja: Como pode ser longo ou breve o que não existe? </li></ul>
  5. 5. Reflexões de Agostinho <ul><li>“ O que é portanto o tempo? Se ninguém me pergunta, eu sei; se quero explicá-lo a quem me pergunta, não sei.” </li></ul><ul><li>“ [...] se nada passasse, não haveria o passado, se nada acontecesse, não haveria o futuro; e se nada fosse, não existiria o presente.” </li></ul><ul><li>“ [...]como existem o passado e o futuro, se o passado não é mais, e o futuro ainda não é? </li></ul>
  6. 6. <ul><li>“ Quanto ao presente, se fosse sempre presente e não transcorresse também no passado, não seria mais tempo e sim eternidade. Se, portanto, o presente, para fazer parte do tempo, deve transcorrer e existir no passado, como podemos dizer que é, se a razão de ser é o cessar de ser[...]”. </li></ul><ul><li>Sendo assim, Agostinho conclui que o TEMPO é o não ser . O passado não existe mais, o futuro ainda não veio, e o presente só existe se quantificado a partir das duas outras noções inexistentes. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Agostinho quebra a linearidade de passado, presente, futuro. </li></ul><ul><li>Propõe pensar a experiência humana do TEMPO a partir da percepção do PRESENTE. </li></ul><ul><li>Existe: o presente do Passado, o presente do Presente, e o presente do Futuro. </li></ul><ul><li>* Presente do Passado = Memória </li></ul><ul><li>* Presente do Presente = Percepção </li></ul><ul><li>* Presente do Futuro = Expectativa/Antecipação </li></ul>
  8. 8. Nietzsche em “ Ciência Gaia” - Mito do Eterno Retorno <ul><li>Discute os impactos psicológicos que a perda do sentido de linearidade do tempo ocasionaria na mente humana. </li></ul><ul><li>“ O que aconteceria se, um dia ou uma noite, um demônio se esgueirasse furtivamente na mais solitária das tuas solidões e te dissesse: Esta vida assim como a vives agora e a vivestes, terás de vivê-la novamente infinitas vezes e nela não haverá nada de novo, mas retornarão a ti cada dor e cada prazer, cada pensamento e suspiro, cada coisa indizivelmente pequena ou grande da sua vida, e tudo na mesma sequência e susessão[...].” </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Não te lançarias ao chão, rangendo os dentes e maldizendo o demônio que assim te falou? Ou então, talvez tendo vivido alguma vez um instante tão imenso, seria esta a tua resposta: tu és um deus e nunca ouvi nada tão divino? </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>Queres isso mais uma vez e ainda inúmeras vezes? – pesaria sobre o teu modo de agir como o maior dos pesos! Ou, então, quanto terias que amar a ti mesmo e à vida, para não desejar nada mais que esta última e eterna confirmação, esta chancela?” </li></ul>
  10. 10. Henri Bérgson em “Matéria e Memória” <ul><li>O presente é determinado psicologicamente pelo sujeito. </li></ul><ul><li>O sujeito constrói um Presente ideal, puro, separado do passado e do futuro. </li></ul><ul><li>O que o sujeito denomina como o “seu presente”, determina também o que é o passado e o futuro para ele. </li></ul><ul><li>A realidade psicológica do presente é a duração do tempo. </li></ul>
  11. 11. Como localizo a duração do presente? <ul><li>Quando determino o “meu presente”, determino também: </li></ul><ul><li>Uma percepção de passado imediato. </li></ul><ul><li>Uma determinação de futuro imediato. </li></ul><ul><li>Passado: Sensação </li></ul><ul><li>Futuro: Ação e Movimento </li></ul><ul><li>Conclusão: O meu presente é um sistema combinado de sensações do que é passado, e de movimentos e ações em prol do que penso como futuro. É um sistema sensório-motor. </li></ul>
  12. 12. A Técnica <ul><li>A técnica apresenta duas faces: </li></ul><ul><li>Humaniza e melhora as condições de vida; </li></ul><ul><li>Desenvolve formas perversas de adaptação humana. </li></ul><ul><li>Ou seja, é contraditória, ambígua, dualista . </li></ul><ul><li>“ A técnica por si só não é boa e nem má. É o seu tipo de uso que a caracteriza como benevolente ou maléfica”. (José Mazzucco) </li></ul>
  13. 13. O que é a Técnica? <ul><li>Conjunto de procedimentos que objetiva um determinado resultado. </li></ul><ul><li>Utilizada nas artes, na ciência, na música, nas tecnologias, etc. </li></ul><ul><li>O homem fabrica artifícios que facilitem e possibilitem sua vida. </li></ul><ul><li>Integra a racionalidade própria do homem: capacidade de planejar, teorizar, improvisar, antecipar acontecimentos e ações. </li></ul>
  14. 14. Homo Sapiens e Homo Faber <ul><li>Homo Sapiens: Quando nos referimos ao homo sapiens, enfatizamos a característica humana de conhecer a realidade, ter consciencia do mundo e de si mesmo. </li></ul><ul><li>Homo Faber: A denominação é usada quando nos referimos à capacidade humana de fabricar utensílios para transformar a natureza a sua volta. </li></ul><ul><li>- Sapiens + Faber = O homem é um ser técnico por ter consciência, e tem consciência por ser capaz de agir e transformar a realidade. </li></ul>
  15. 15. Etapas da Técnica <ul><li>Grosso Modo, a técnica desenvolveu-se em 3 etapas: </li></ul><ul><li>Utensílio : estágio em que a tecnologia em um prolongamento do corpo humano. Exemplo: o martelo como prolongamento do braço. </li></ul><ul><li>Máquina : não se usa mais só energia humana, mas também energia mecânica, hidráulica, elétrica, atômica. Máquinas com fontes de energia. </li></ul><ul><li>Autômato : imita a iniciativa humana, sendo capaz de se auto-regular parcialmente. Tem flexibilidade na tomada de decisões. Capaz de provocar e regular seus movimentos. Exemplo: Radar, Célula fotoelétrica. </li></ul>
  16. 16. Dilema: Técnica e Ciência <ul><li>Relação: A técnica torna a ciência mais precisa e objetiva. A ciência estuda e compreende a técnica levando ao seu aperfeiçoamento. </li></ul><ul><li>Com o passar do tempo, a ciência e o conhecimento deixaram de ser atividades contemplativas, hedonistas, e ligadas à busca pura da realidade. </li></ul><ul><li>A ciência e o conhecimento se encaixaram gradativamente na ideia de lucro, utilidade, especialização, profissionalização, busca e manutenção de poderes. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>No Capitalismo, ocorre o ápice da união entre TÉCNICA E CIÊNCIA , visando: </li></ul><ul><li>lucro, poder político, poder econômico, finalidade prática, divisão do trabalho, especialização para aumento da produtividade, etc. </li></ul><ul><li>Esse modelo de ciência direcionada enfrenta dilemas éticos, morais e humanos. </li></ul><ul><li>O saber técnico, profissionalizante, aliado à crescente divisão do trabalho, causa ALIENAÇÃO. </li></ul>
  18. 18. Técnica e Trabalho <ul><li>As transformações técnicas alteraram as relações sociais de trabalho ao longo do tempo. </li></ul><ul><li>Temos as seguintes fases: </li></ul><ul><li>- Artesanato : uma única pessoa realiza todas as etapas do processo de fabricação de um produto(começo-meio-fim). O trabalho é manual, e o trabalhador é dono de sua força de trabalho e dos meios de produção(ferramentas). </li></ul>
  19. 19. <ul><li>Manufatura: o trabalho é manual, mas dividido em etapas diferentes. Cada pessoa executa apenas uma etapa. A velocidade de produção aumenta devido a especialização. Existe o dono das ferramentas, e o dono da força de trabalho. </li></ul><ul><li>Maquinofatura: o processo de trabalho humano passa a ser mediado pela máquina. Intensa divisão e especialização do trabalho. Maior produção. Separação crescente entre trabalho manual e intelectual. </li></ul>
  20. 20. <ul><li>- Sociedade da Informação: sociedade pós-industrial, marcada pela expansão do setor terciário (serviços). Crescente informatização. O domínio de novas técnologias e o acesso a informação tornam-se centrais. </li></ul>
  21. 21. O que é TECNOCRACIA? <ul><li>O desenvolvimento da Técnica cria o “Mito do Progresso”. Segundo essa crença, tudo tende ao aperfeiçoamento constante. Com base nisso, aumentar a produção, a competitividade e a especialização é sempre necessário. </li></ul><ul><li>É a ideia de que tudo ainda está em fase inicial de desenvolvimento, precisando sempre evoluir mais, mesmo que não se saiba até onde. Busca-se o ápice, sem saber o que ele é. Acredita-se na melhora através do aperfeiçoamento técnico. </li></ul><ul><li>Ocorre a racionalização, o domínio da técnica e dos técnicos. O pensamento crítico sobre o que se está produzindo é dispensado. </li></ul>

×