PROVÉRBIOSPROVÉRBIOS
OBJECTIVOSOBJECTIVOS
DEFINIÇÃODEFINIÇÃO
PESQUISAPESQUISA
AUTORAS
OBJECTIVOSOBJECTIVOS
 Fazer compreender aos alunos que também eles devemFazer compreender aos alunos que também eles deve...
PROVÉRBIOSPROVÉRBIOS
 Provérbios:Provérbios: “Os“Os
adágios são as maisadágios são as mais
aprovadas sentençasaprovadas s...
ProvérbiosProvérbios
 Meses do AnoMeses do Ano
 QuotidianoQuotidiano
 Mar/PescaMar/Pesca
 ValoresValores
 Meteorologi...
Meses do AnoMeses do Ano
 JaneiroJaneiro
 FevereiroFevereiro
 MarçoMarço
 AbrilAbril
 MaioMaio
 JunhoJunho
 JulhoJu...
QuotidianoQuotidiano
 Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e fazDeitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz
crescer.crescer.
...
JaneiroJaneiro
 Não há luar como o de JaneiroNão há luar como o de Janeiro
nem amor como o primeiro.nem amor como o prime...
FevereiroFevereiro
 Fevereiro quente traz o diabo no ventre.Fevereiro quente traz o diabo no ventre.
 A Fevereiro e ao r...
MarçoMarço
 Março marçagão, manhãs deMarço marçagão, manhãs de
Inverno, tardes de Verão.Inverno, tardes de Verão.
 Em Ma...
AbrilAbril
 Em Abril, águas mil.Em Abril, águas mil.
 Altas ou baixas em Abril vêm asAltas ou baixas em Abril vêm as
Pás...
MaioMaio
 Em Maio comem-se as cerejasEm Maio comem-se as cerejas
ao borralho.ao borralho.
 Maio couveiro, não é vinhatei...
JunhoJunho
 Pelo S. João a sardinha pingaPelo S. João a sardinha pinga
no pão.no pão.
 Junho floreiro, paraísoJunho flor...
JulhoJulho
 Água de Julho, no rio não fazÁgua de Julho, no rio não faz
barulho.barulho.
 Julho quente, seco e ventoso,Ju...
AgostoAgosto
 Nem em Agosto caminhar, nem emNem em Agosto caminhar, nem em
Dezembro marear.Dezembro marear.
 O mês de Ag...
SetembroSetembro Agosto tem a culpa, e SetembroAgosto tem a culpa, e Setembro
leva a fruta.leva a fruta.
 Em Setembro, a...
OutubroOutubro
 Em Outubro sê prudente: guarda pão,Em Outubro sê prudente: guarda pão,
guarda semente.guarda semente.
 L...
NovembroNovembro
 Em Novembro, prova o vinho e planta oEm Novembro, prova o vinho e planta o
cebolinho.cebolinho.
 Tudo ...
DezembroDezembro
 Dezembro frio, calor no estilo.Dezembro frio, calor no estilo.
 Em Dezembro, treme de frio cada membro...
Mar/PescaMar/Pesca
 Gaivotas em terra, tempestade noGaivotas em terra, tempestade no
mar .mar .
 Há mais marés que marin...
ValoresValores
 O Sol quando nasce éO Sol quando nasce é
para todos.para todos.
 Na adversidade é que seNa adversidade é...
MeteorologiaMeteorologia
 Baleias no canal, terás temporal (SãoBaleias no canal, terás temporal (São
Jorge) .Jorge) .
 E...
AgriculturaAgricultura
 Até S. Pedro o vinho tem medo.Até S. Pedro o vinho tem medo.
 Chuva de São João, tira vinho eChu...
SociedadeSociedade
 Fazer bem sem olhar a quem.Fazer bem sem olhar a quem.
 Filho que os pais amarguraFilho que os pais ...
CULTURACULTURA
 Para um bom entendedorPara um bom entendedor
meia palavra basta.meia palavra basta.
 Cada terra com o se...
RELIGIÃORELIGIÃO
 Ao menino e ao borrachoAo menino e ao borracho
põe Deus a mão por baixo.põe Deus a mão por baixo.
 Não...
AutorasAutoras
A pesquisa e a apresentação foi realizadaA pesquisa e a apresentação foi realizada
por:por:
 Alda Maria Si...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Proverbiosmusica

650 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Proverbiosmusica

  1. 1. PROVÉRBIOSPROVÉRBIOS OBJECTIVOSOBJECTIVOS DEFINIÇÃODEFINIÇÃO PESQUISAPESQUISA AUTORAS
  2. 2. OBJECTIVOSOBJECTIVOS  Fazer compreender aos alunos que também eles devemFazer compreender aos alunos que também eles devem ser agentes dinâmicos da cultura, na sociedade em que seser agentes dinâmicos da cultura, na sociedade em que se inserem.inserem.  Facilitar a comunicação entre diferentes gerações;Facilitar a comunicação entre diferentes gerações;  Preservar o nosso património linguístico;Preservar o nosso património linguístico;  Criar nos alunos o gosto pela recolha de produções doCriar nos alunos o gosto pela recolha de produções do património literário oral;património literário oral;  Desenvolver a capacidade de retenção da informação oral;Desenvolver a capacidade de retenção da informação oral; • Utilizar técnicas de recolha e de organização daUtilizar técnicas de recolha e de organização da informaçãoinformação  Registar por escrito, produções do património literário oral,Registar por escrito, produções do património literário oral, para os preservar e transmitir.para os preservar e transmitir. VOLTAR
  3. 3. PROVÉRBIOSPROVÉRBIOS  Provérbios:Provérbios: “Os“Os adágios são as maisadágios são as mais aprovadas sentençasaprovadas sentenças que a experiênciaque a experiência achou nas acçõesachou nas acções humanas, ditas emhumanas, ditas em breves e elegantesbreves e elegantes palavras”.palavras”. (Padre António(Padre António Delicado)Delicado) VOLTAR
  4. 4. ProvérbiosProvérbios  Meses do AnoMeses do Ano  QuotidianoQuotidiano  Mar/PescaMar/Pesca  ValoresValores  MeteorologiaMeteorologia  CulturaCultura  ReligiãoReligião  AgriculturaAgricultura  SociedadeSociedade VOLTAR
  5. 5. Meses do AnoMeses do Ano  JaneiroJaneiro  FevereiroFevereiro  MarçoMarço  AbrilAbril  MaioMaio  JunhoJunho  JulhoJulho  AgostoAgosto  SetembroSetembro  OutubroOutubro  NovembroNovembro  DezembroDezembro VOLTAR
  6. 6. QuotidianoQuotidiano  Deitar cedo e cedo erguer dá saúde e fazDeitar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer.crescer.  Depressa e bem há pouco quem.Depressa e bem há pouco quem.  De pequenino é que se torce o pepino.De pequenino é que se torce o pepino.  Devagar se vai ao longe.Devagar se vai ao longe.  É melhor prevenir que remediar.É melhor prevenir que remediar.  Em casa onde não há pão, todos ralham eEm casa onde não há pão, todos ralham e ninguém tem razão.ninguém tem razão. VOLTAR
  7. 7. JaneiroJaneiro  Não há luar como o de JaneiroNão há luar como o de Janeiro nem amor como o primeiro.nem amor como o primeiro.  Janeiro fora mais uma hora.Janeiro fora mais uma hora.  Em Janeiro, um porco ao sol, outro noEm Janeiro, um porco ao sol, outro no fumeiro.fumeiro.  Calças brancas em Janeiro sinal de poucoCalças brancas em Janeiro sinal de pouco dinheiro.dinheiro.  Se queres ser bom ervilheiro, semeia noSe queres ser bom ervilheiro, semeia no crescente de Janeiro (Bairrada).crescente de Janeiro (Bairrada). VOLTAR
  8. 8. FevereiroFevereiro  Fevereiro quente traz o diabo no ventre.Fevereiro quente traz o diabo no ventre.  A Fevereiro e ao rapaz perdoa-se quantoA Fevereiro e ao rapaz perdoa-se quanto faz, desde que o Fevereiro não sejafaz, desde que o Fevereiro não seja secalhão nem o rapaz ladrão.secalhão nem o rapaz ladrão. VOLTAR
  9. 9. MarçoMarço  Março marçagão, manhãs deMarço marçagão, manhãs de Inverno, tardes de Verão.Inverno, tardes de Verão.  Em Março, tanto durmo como faço.Em Março, tanto durmo como faço.  Março virado de rabo, é pior que oMarço virado de rabo, é pior que o diabo.diabo.  Quando em Março arrulha a perdiz,Quando em Março arrulha a perdiz, ano feliz.ano feliz.  Se queres bom cabaço, semeia emSe queres bom cabaço, semeia em Março.Março. VOLTAR
  10. 10. AbrilAbril  Em Abril, águas mil.Em Abril, águas mil.  Altas ou baixas em Abril vêm asAltas ou baixas em Abril vêm as Páscoas.Páscoas.  Em Abril, abre a porta à vaca eEm Abril, abre a porta à vaca e deixa-a ir.deixa-a ir.  Inverno de Março e seca de Abril,Inverno de Março e seca de Abril, deixam o lavrador a pedir.deixam o lavrador a pedir.  Abril frio e molhado, enche o celeiroAbril frio e molhado, enche o celeiro e farta o gado.e farta o gado. VOLTAR
  11. 11. MaioMaio  Em Maio comem-se as cerejasEm Maio comem-se as cerejas ao borralho.ao borralho.  Maio couveiro, não é vinhateiro.Maio couveiro, não é vinhateiro.  Mês de Maio, mês das flores,Mês de Maio, mês das flores, mês de Maria, mês dos amores.mês de Maria, mês dos amores.  Quando em Maio não troaQuando em Maio não troa (troveja), não é ano de broa.(troveja), não é ano de broa. VOLTAR
  12. 12. JunhoJunho  Pelo S. João a sardinha pingaPelo S. João a sardinha pinga no pão.no pão.  Junho floreiro, paraísoJunho floreiro, paraíso verdadeiro.verdadeiro.  A chuva de S. João, tolhe aA chuva de S. João, tolhe a vinha e não dá pão.vinha e não dá pão.  Feno alto ou baixo, em Junho éFeno alto ou baixo, em Junho é cegado.cegado.  Maio frio e Junho quente: bomMaio frio e Junho quente: bom pão, vinho valentepão, vinho valente..  Sol de Junho, madruga muito.Sol de Junho, madruga muito. VOLTAR
  13. 13. JulhoJulho  Água de Julho, no rio não fazÁgua de Julho, no rio não faz barulho.barulho.  Julho quente, seco e ventoso,Julho quente, seco e ventoso, trabalha sem repousotrabalha sem repouso..  Não há maior amigo do queNão há maior amigo do que Julho com seu trigoJulho com seu trigo..  Nevoeiro de S. Pedro, põe emNevoeiro de S. Pedro, põe em Julho o vinho a medo.Julho o vinho a medo.  Quem em Julho ara e fia, OuroQuem em Julho ara e fia, Ouro cria.cria. VOLTAR
  14. 14. AgostoAgosto  Nem em Agosto caminhar, nem emNem em Agosto caminhar, nem em Dezembro marear.Dezembro marear.  O mês de Agosto será gaiteiro, se forO mês de Agosto será gaiteiro, se for bonito o 1º de Janeiro.bonito o 1º de Janeiro.  Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno.Primeiro de Agosto, primeiro de Inverno.  Quando chove em Agosto, não metasQuando chove em Agosto, não metas teu dinheiro em mosto.teu dinheiro em mosto.  Quem em Março come sardinha, emQuem em Março come sardinha, em Agosto lhe pica a espinha.Agosto lhe pica a espinha.  Se queres ver o teu marido morto, dá-Se queres ver o teu marido morto, dá- lhe couves em Agosto.lhe couves em Agosto. VOLTAR
  15. 15. SetembroSetembro Agosto tem a culpa, e SetembroAgosto tem a culpa, e Setembro leva a fruta.leva a fruta.  Em Setembro, ardem osEm Setembro, ardem os montes, secam-se as fontes.montes, secam-se as fontes.  Nuvens em Setembro, chuvaNuvens em Setembro, chuva em Novembro e neve emem Novembro e neve em Dezembro.Dezembro.  Setembro, ou seca as fontes ouSetembro, ou seca as fontes ou leva as pontes.leva as pontes.  Em Setembro ou secam asEm Setembro ou secam as fontes ou alargam açudes efontes ou alargam açudes e pontes.pontes.  Setembro molhado, figoSetembro molhado, figo estragado.estragado. VOLTAR
  16. 16. OutubroOutubro  Em Outubro sê prudente: guarda pão,Em Outubro sê prudente: guarda pão, guarda semente.guarda semente.  Logo que Outubro venha, procura aLogo que Outubro venha, procura a lenha.lenha.  Outubro meio chuvoso, torna oOutubro meio chuvoso, torna o lavrador venturoso.lavrador venturoso.  Quando Outubro for erveiro, GuardaQuando Outubro for erveiro, Guarda para Março o palheiro.para Março o palheiro.  Se em Outubro te sentires gelado,Se em Outubro te sentires gelado, lembra-te do gadolembra-te do gado.. VOLTAR
  17. 17. NovembroNovembro  Em Novembro, prova o vinho e planta oEm Novembro, prova o vinho e planta o cebolinho.cebolinho.  Tudo em Novembro guardado; em casa ouTudo em Novembro guardado; em casa ou arrecadado.arrecadado.  No S. Martinho, mata o teu porco, assaNo S. Martinho, mata o teu porco, assa castanhas e prova o vinho.castanhas e prova o vinho.  O Verão de S. Martinho, a vareja de S.O Verão de S. Martinho, a vareja de S. Simão e a cheia de Santos, são três coisasSimão e a cheia de Santos, são três coisas que nunca faltam nem faltarão.que nunca faltam nem faltarão.  Em dia de São Martinho, vai à adega, provaEm dia de São Martinho, vai à adega, prova o teu vinho e faz um magustinhoo teu vinho e faz um magustinho.. VOLTAR
  18. 18. DezembroDezembro  Dezembro frio, calor no estilo.Dezembro frio, calor no estilo.  Em Dezembro, treme de frio cada membro.Em Dezembro, treme de frio cada membro.  Em Dezembro descansa, mas não durmas.Em Dezembro descansa, mas não durmas.  Noite de Natal estrelada dá alegria ao rico eNoite de Natal estrelada dá alegria ao rico e promete fartura ao pobre.promete fartura ao pobre.  Nos bons anos agrícolas, o Natal passa-seNos bons anos agrícolas, o Natal passa-se em casa e a Páscoa na rua.em casa e a Páscoa na rua. VOLTAR
  19. 19. Mar/PescaMar/Pesca  Gaivotas em terra, tempestade noGaivotas em terra, tempestade no mar .mar .  Há mais marés que marinheiros.Há mais marés que marinheiros.  Há mar e mar, há ir e voltar .Há mar e mar, há ir e voltar .  Lua deitada, marinheiro de pé.Lua deitada, marinheiro de pé.  Não se pescam trutas a bragasNão se pescam trutas a bragas enxutas.enxutas. VOLTAR
  20. 20. ValoresValores  O Sol quando nasce éO Sol quando nasce é para todos.para todos.  Na adversidade é que seNa adversidade é que se prova a amizade.prova a amizade.  Mais depressa se apanhaMais depressa se apanha um mentiroso que umum mentiroso que um coxo.coxo.  É bem vindo quem vier porÉ bem vindo quem vier por bem.bem.  Cada um é como cadaCada um é como cada qual, e cada qual é comoqual, e cada qual é como é.é. VOLTAR
  21. 21. MeteorologiaMeteorologia  Baleias no canal, terás temporal (SãoBaleias no canal, terás temporal (São Jorge) .Jorge) .  Em Abril águas mil.Em Abril águas mil.  Lua nova trovejada, trinta dias éLua nova trovejada, trinta dias é molhada.molhada.  Março, marçagão, de manhã Inverno, àMarço, marçagão, de manhã Inverno, à tarde Verão.tarde Verão.  Ande o frio por onde andar, ao Natal há-Ande o frio por onde andar, ao Natal há- de chegar.de chegar.  Muita trovoada, é sinal de pouca chuva.Muita trovoada, é sinal de pouca chuva. VOLTAR
  22. 22. AgriculturaAgricultura  Até S. Pedro o vinho tem medo.Até S. Pedro o vinho tem medo.  Chuva de São João, tira vinho eChuva de São João, tira vinho e não dá pão.não dá pão.  Se em Novembro ouviresSe em Novembro ouvires trovão, o ano que vem serátrovão, o ano que vem será bom.bom.  Maio hortelão, muita palha eMaio hortelão, muita palha e pouco grão.pouco grão.  P'lo S. Mateus, pega nos bois eP'lo S. Mateus, pega nos bois e lavra com Deus.lavra com Deus.  Pelos Santos trigo semeado,Pelos Santos trigo semeado, fruto arrancado.fruto arrancado. VOLTAR
  23. 23. SociedadeSociedade  Fazer bem sem olhar a quem.Fazer bem sem olhar a quem.  Filho que os pais amarguraFilho que os pais amargura Jamais conte com ventura.Jamais conte com ventura.  A tua fama longe soa e maisA tua fama longe soa e mais depressa a má, que a boa.depressa a má, que a boa.  Quem em novo não trabalhaQuem em novo não trabalha Em velho come palha.Em velho come palha.  Quem conta com panela alheia,Quem conta com panela alheia, fica quase sempre sem ceia.fica quase sempre sem ceia. VOLTAR
  24. 24. CULTURACULTURA  Para um bom entendedorPara um bom entendedor meia palavra basta.meia palavra basta.  Cada terra com o seu usoCada terra com o seu uso cada roca com o seu fuso.cada roca com o seu fuso.  Não tira bom resultadoNão tira bom resultado quem vai onde não é chamado.quem vai onde não é chamado.  Do trabalho e experiênciaDo trabalho e experiência Aprendeu o homem a ciência.Aprendeu o homem a ciência.  De livro fechado não sai letrado.De livro fechado não sai letrado. VOLTAR
  25. 25. RELIGIÃORELIGIÃO  Ao menino e ao borrachoAo menino e ao borracho põe Deus a mão por baixo.põe Deus a mão por baixo.  Não há Sábado sem sol,Não há Sábado sem sol, Nem Domingo sem missa,Nem Domingo sem missa, Nem Segunda sem preguiça.Nem Segunda sem preguiça.  Cada um sabe de siCada um sabe de si e Deus sabe de todos.e Deus sabe de todos.  Dá Deus nozesDá Deus nozes a quem não tem dentes.a quem não tem dentes. VOLTAR
  26. 26. AutorasAutoras A pesquisa e a apresentação foi realizadaA pesquisa e a apresentação foi realizada por:por:  Alda Maria Silva Batista Oliveira –Alda Maria Silva Batista Oliveira – Professora de Português do 3º ciclo eProfessora de Português do 3º ciclo e secundáriosecundário  Marlene Tavares da Silva Vinhas –Marlene Tavares da Silva Vinhas – Professora do 1º cicloProfessora do 1º ciclo

×