T
Ú
L
I
P
A
Vicent Van Gogh
UC: Floricultura
Doc: Daniela V. Teixeira
Alu: Manuela Alves 2733
OUT/2015
História
As túlipas têm como centro de origem a Ásia Central, da Turquia a Caxemira.
Os primeiros relatos datam de 1000 a....
Tulipomania
O famosos bolbo, da Semper Augustus,
foi vendido por 6.000 florins, em
Haarlem (1630), o equivalente a 20 mil ...
Taxonomia
Reino Plantae
Filo Magnoliophyta
Classe Liliopsida
Ordem Liliales
Família Liliaceae
Género Tulipa
A plate from t...
Túlipa
• Género: 100 a 300 espécies.
• Planta:
• Angiospérmica
• Bulbosa
• Herbácea
• Microtérmica
• Rústica
• A gema term...
Morfologia
• Semente
Semente
• Semente pequena endospérmica e plana
• Embrião com um cotilédone
• A floração ocorre 5 a 6 anos depois da sement...
Morfologia
• Semente
• Raiz
Raízes
• Raiz primária de vida curta
sendo rapidamente substituída
por raízes adventícias,
fasciculadas
Corte transversal ...
Morfologia
• Semente
• Raiz
• Bolbo
Bolbo
• Bolbos tunicados (6 escamas
circulares e carnudas)
• Propagação bolbilhos que se
desenvolvem na base do bolbo
(gru...
Morfologia
• Semente
• Raiz
• Bolbo
• Haste
Haste
• Haste geralmente sem
engrossamento secundário
• Haste com entrenós achatados,
designados por discos
Hastes de túli...
Morfologia
• Semente
• Raiz
• Bolbo
• Haste
• Folha
Folhas
• Folhas com limbo inteiro
e paralelinérveo, verde
ou verde-cinza, ovadas,
peludas ou glabras, às
vezes onduladas, ...
Morfologia
• Semente
• Raiz
• Bolbo
• Haste
• Folha
• Flor
Flor
• Flores trímeras de perianto do tipo perigónio constituído por 6 segmentos
petaloides, por vezes sepaloides, livres ...
Flor - Polinização
• Autopolinização
• Polinização cruzada
• Polinização anemófila
• Polinização entomófila
Androceu e gin...
Flor - Reprodução
• Perianto: 6 tépalas em 2 voltas
imbricadas ou valvares
• Androceu: 6 estames em 2 voltas de 3,
livres ...
Morfologia
• Semente
• Raiz
• Bolbo
• Haste
• Folha
• Flor
• Fruto
Fruto
• Fruto é uma cápsula
• Cápsula trígona
Cápsula de túlipa
Classificação das Cultivares
• Duração do ciclo cultural
• Precoce
• Intermédio
• Tardio
• Número de tépalas
• Simples
• D...
Classificação Hortícola
• Tulipas hortícolas
• Temporãs – floração de meados de Março a meados de Abril
• Temporãs simples...
Rembrandt Parrot Double Late
KaufmannianaFosteriana (Emperor) Greigii
Túlipas Botânicas
Túlipas Hortícolas
Viridiflora
Single Early
Double EarlyTriumph Darwin Hybrid Single Late
Lily-Flowered Fringed (Crispa) Multiflowering
Propagação
• Sementes
• Floração em 5 ou 6 anos
• Obtenção de novas variedades
• Bolbilhos
• Plantados em Outubro e Novemb...
Operações prévias à plantação
Preparação de bolbos para plantação:
• Desinfecção
• Operação importante devido à
infeção do...
Preparação do terreno
• Análise do solo
• Mobilização e correção
• Desinfeção para prevenção de fungos
• Estrutura uniform...
Plantação
• 1º ano – plantação de bolbilhos
• Compasso - 30 cm nas entrelinhas e 1 a 2 cm nas linhas
• Densidade de planta...
Tecnologia de produção
A utilização dos bolbos para produção de flor cortada em estufa é designada por
forçagem, pois reco...
Forçagem em caixas
• Caixas de madeira ou plástico com dimensões variadas
• As dimensões mais usuais são 40 x 60 cm de bas...
Fisiologia do desenvolvimento
Para completar a organogénese os bolbos necessitam de um período
longo de exposição ao frio ...
Exigências climáticas
• A temperatura é fator determinante da floração da tulipa.
• Exigências médias de frio:
• 16 semana...
Solos
• Principal exigência é boa drenagem
• Qualquer textura desde que tenha boa estrutura
• Ligeiro
• Permeável
• Sem ag...
Fertilização
K2O P₂O₅
• Fator de crescimento
• Evita inconveniente de
excessos de N
• Melhor síntese e
migração dos glúcid...
Rega
Cuidados no cultivo:
• Após a plantação, a rega deve ser efetuada com elevada frequência e
baixa dotação
• A rega por...
Colheita
Operações de cultivo:
• O índice de maturação é a cor do botão
• A haste deve ser cortada quando a cor definitiva...
Pós-Colheita
Fisiologia pós-colheita e condições de armazenamento da túlipa
Sensibilidade a danos pelo frio Insensível
Sen...
Conservação dos bolbos
• Conservação em ambiente refrigerado a 5 °C
• Flores necessitam de troca de água a cada 2 dias e c...
Comercialização e Utilização
• Comercialização segundo as normas da EU
• A produção de bolbos é uma fitotecnia importante ...
Acidentes Fisiológicos
• Aborto das flores
• Exposição ao etileno
• Falta de água durante a forçagem
• Salinidade elevada ...
Pragas e Doenças
• Pragas:
• Pulgões
• Nematodes dos talos e dos
bolbos
• Roedores
• Doenças:
• Fogo das túlipas
• Fusario...
Túlipas no mundo
• O maior produtor de tulipas no mundo é a
Holanda
• O parque Keukenhof tem plantados 7 milhões
de bolbos...
Túlipa em Portugal
Explorações Hastes (10³)
EDM 71 653
BL 28 282
RO 22 1182
Gráfico da evolução dos preços anuais das flor...
Comércio de túlipas em Portugal
Túlipas 2011 2012 2013
€/100 unid. 27,61 29,68 29,21
2000 2001 2002 2003 2004
Imp Exp Imp ...
MÓDULO de BOTÂNICA-Manual de Teóricas e Práticas, Mário Lousã (coordenador) ISA
Flores GPP, 2007
García José. Cultivo de p...
Obrigado!
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Túlipa

1.161 visualizações

Publicada em

Itinerário técnico de flores de corte - Túlipa
Floricultura

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.161
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
49
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Clusius verificou que em algumas túlipas desenvolviam pétalas anormais, com quebras de cor, uma incapacidade de desenvolvimento de pigmento em secções da pétala, em flores que normalmente desenvolvem coloração sólida, tornou-se usual as pessoas quererem este tipo de tulipas nos seus jardins. No entanto, o fenómeno (que ficou conhecido como tulipas de Rembrant) não podia ser previsto com exatidão, sendo impossível verificar a quebra de cor antes do desenvolvimento da flor.
    no entanto não era possível prever qual o padrão encontrado na flor dos bolbos e as tulipas eram mais fracas em comparação com as normais
  • Encontram-se um pouco por todo o mundo e nas mais variadas condições climáticas.
  • Tulipas são geófitos, possui órgãos resistentes debaixo da terra para sobrevivência durante a época desfavorável do Verão.
    Caule subterrâneo que geralmente contêm substâncias de reserva, revestido por folhas modificadas denominadas catáfilas que revestem ao prato onde encontramos a gema que originará às raízes e as folhas aéreas.
  • Sincárpico, o gineceu é formado por vários carpelos unidos
  • Classificação hortícola das cultivares atualmente adotada combina os critérios anteriormente citados e tem ainda em conta a espécie e o contributo das espécies silvestres para as cultivares.
  • Multiflowering - Não é propriamente uma divisão mas um grupo que inclui tulipas com mais que uma flor por haste.
  • Rasa devido à grande densidade praticada nesta cultura
  • As primeiras flores começam a aparecer no início de abril. O trabalho mais intenso começa neste período, dependendo do tempo, pode ser absolutamente lindo. Primeiro, as tulipas são selecionadas por pessoal especialmente treinado. Isto significa que as plantas que variam na forma ou cor são removidas para que elas não possam propagar assegurando-se assim a pureza varietal.
  • O tratamento dos bolbos por exposição a determinados regimes de temperaturas permite quebrar a dormência e conduzir à diferenciação dos órgãos da planta. Nas condições normais, com a colheita dos bolbos no início de Julho, a iniciação e diferenciação florais ocorre a uma temperatura de 17 a 20 °C. Para completar a organogénese, estes bolbos requerem um período longo – 14 a 22 semanas – de exposição ao frio, com início em Outubro-Novembro, para completar a diferenciação floral e a floração ocorre em Abril.
  • As plantas bulbosas são exigentes sobretudo em K2O e P2O5
  • A próxima Floriade realiza-se em Almere em 2022.
  • Fonte: ISSN 0079-4139
  • Túlipa

    1. 1. T Ú L I P A Vicent Van Gogh UC: Floricultura Doc: Daniela V. Teixeira Alu: Manuela Alves 2733 OUT/2015
    2. 2. História As túlipas têm como centro de origem a Ásia Central, da Turquia a Caxemira. Os primeiros relatos datam de 1000 a.C.. Os primeiros bolbos entraram na Holanda em 1562, enviados por Ogier Ghislain de Busbecq, mas o suíço Conrad Von Gesner relata a floração da primeira tulipa na europa em 1559, na Baviera, por via seminal. No séc. XVII, o botânico alemão Carolus Clusius iniciou o seu cultivo experimental, e é responsável pela sua propagação na Holanda. Em 1565 Matthiolus descreve a 1ª túlipa do ponto de vista morfológico. As túlipas chegaram a ser a quarta maior fonte de rendimento do país. Desde o séc. XVI o cultiva e comércio de túlipas encontra-se, principalmente na Holanda, sendo este país o principal exportador mundial de flores bolbosas, sendo estas liliáceas sem dúvida as mais exportadas.
    3. 3. Tulipomania O famosos bolbo, da Semper Augustus, foi vendido por 6.000 florins, em Haarlem (1630), o equivalente a 20 mil € nos dias de hoje. Devido ao fenómeno raro na natureza de quebra de cor nas pétalas, as túlipas tornaram-se muito valiosas e deram origem à primeira bolha especulativa da história. Pessoas de todas as classes vendiam propriedades para investir em tulipas. Na década de 1630 surgiram os contratos de futuro, os bolbos eram negociados antes da colheita. Em 1637 houve uma perda de confiança nos títulos, levando os investidores a uma corrida para o resgate dos seus investimentos. Os preços caíram subitamente, e inúmeros negociantes foram à falência. "Pamphlet dutch tulipomania 1637 https://commons.wikimedia.org/w iki/File:Pamphlet_dutch_tulipoma nia_1637.jpg#/media Em 1930 descobriu-se que o agente responsável por este fenómeno era um vírus, o Tulip Breaking Virus (TBV) . Este vírus foi um dos primeiros a ser identificado. Apesar de existirem pelo menos cinco vírus identificados como causa desta patologia, o TBV é o principal agente infecioso e é transmitido pelos afídios.
    4. 4. Taxonomia Reino Plantae Filo Magnoliophyta Classe Liliopsida Ordem Liliales Família Liliaceae Género Tulipa A plate from the Hortus Eystettensis (1613) a record of the collection of flowers in the garden of ther Prince-Bishop of Eichstatt.
    5. 5. Túlipa • Género: 100 a 300 espécies. • Planta: • Angiospérmica • Bulbosa • Herbácea • Microtérmica • Rústica • A gema terminal normalmente diferencia-se em 4 folhas e 1 flor • Durabilidade: 07 dias • Usos da tulipa: flor de corte para decoração de ambientes, arranjos e buquês • Disponibilidade no mercado: de Março a Outubro • Termonastismo a flor abre-se aquando a temperatura sobe e fecha quando desce Buquê de noiva com tulipas brancasArranjo floral
    6. 6. Morfologia • Semente
    7. 7. Semente • Semente pequena endospérmica e plana • Embrião com um cotilédone • A floração ocorre 5 a 6 anos depois da sementeira Cápsula e sementes de túlipa
    8. 8. Morfologia • Semente • Raiz
    9. 9. Raízes • Raiz primária de vida curta sendo rapidamente substituída por raízes adventícias, fasciculadas Corte transversal de uma raiz de túlipa Raiz fasciculada, bolbo e coleóptilo Raízes fasciculadas
    10. 10. Morfologia • Semente • Raiz • Bolbo
    11. 11. Bolbo • Bolbos tunicados (6 escamas circulares e carnudas) • Propagação bolbilhos que se desenvolvem na base do bolbo (grupo criptófitos geófitos) • Apenas bolbos com 6-7cm (8g) são capazes de diferenciar flor • Bolbo “enquistado”, no momento da plantação, todos os órgãos vegetativos estão formados Bolbos
    12. 12. Morfologia • Semente • Raiz • Bolbo • Haste
    13. 13. Haste • Haste geralmente sem engrossamento secundário • Haste com entrenós achatados, designados por discos Hastes de túlipaCorte transversal de uma haste de túlipaHastes de túlipa
    14. 14. Morfologia • Semente • Raiz • Bolbo • Haste • Folha
    15. 15. Folhas • Folhas com limbo inteiro e paralelinérveo, verde ou verde-cinza, ovadas, peludas ou glabras, às vezes onduladas, basais ou caulinares (sésseis), alternas ou verticiladas, por vezes carnudas e espinhosas na margem e raramente reduzidas a escamas (filocládios) Folhas Folha de túlipa vista ao microscópio
    16. 16. Morfologia • Semente • Raiz • Bolbo • Haste • Folha • Flor
    17. 17. Flor • Flores trímeras de perianto do tipo perigónio constituído por 6 segmentos petaloides, por vezes sepaloides, livres ou unidos geralmente com 2 verticilos petaloides, por vezes com um só, ou nulo, hermafroditas ou unissexuais. Óvulos encerrados num pistilo fechado formado em geral por ovário súpero, (hipogínicas) estilete e estigma. Tem 6 sépalas e 6 pétalas isoladas ou aglomeradas. São actinomórficas. Flor Simetria floralInterior da flor
    18. 18. Flor - Polinização • Autopolinização • Polinização cruzada • Polinização anemófila • Polinização entomófila Androceu e gineceu da túlipaGrãos de pólen sobre os carpelos
    19. 19. Flor - Reprodução • Perianto: 6 tépalas em 2 voltas imbricadas ou valvares • Androceu: 6 estames em 2 voltas de 3, livres ou ligado a sépalas • Gineceu: 3 carpelos, sincárpio, trilocular com 2 óvulos em cada lóculo • Óvulos encerrados num pistilo fechado formado em geral por ovário súpero Órgãos reprodutores da flor Diagrama floral Ovário e óvulos
    20. 20. Morfologia • Semente • Raiz • Bolbo • Haste • Folha • Flor • Fruto
    21. 21. Fruto • Fruto é uma cápsula • Cápsula trígona Cápsula de túlipa
    22. 22. Classificação das Cultivares • Duração do ciclo cultural • Precoce • Intermédio • Tardio • Número de tépalas • Simples • Dobrada • Comprimento do escapo floral • Comprido • Curto • Cor da flor Tulipa sorvete
    23. 23. Classificação Hortícola • Tulipas hortícolas • Temporãs – floração de meados de Março a meados de Abril • Temporãs simples - 20 a 40 cm • Temporãs duplas – 20 a 40 cm • Semitemporãs – floração de meados de Abril a meados de Maio • Híbridos de Darwin – 50 a 70 cm • Tardias simples – 50 a 80 cm • Flor de Lis – 50 cm • Serôdias – floração em Maio • Perroquet – 50 a 60 cm • Tardias duplas – 40 a 50 cm • Tulipas botânicas • T. Kaufmanniana – 20 cm • T. Fosteriana – 30 cm • T. Greiggi- 30 cm
    24. 24. Rembrandt Parrot Double Late KaufmannianaFosteriana (Emperor) Greigii Túlipas Botânicas Túlipas Hortícolas Viridiflora
    25. 25. Single Early Double EarlyTriumph Darwin Hybrid Single Late Lily-Flowered Fringed (Crispa) Multiflowering
    26. 26. Propagação • Sementes • Floração em 5 ou 6 anos • Obtenção de novas variedades • Bolbilhos • Plantados em Outubro e Novembro • Temperatura do solo abaixo dos 12 °C • Bolbos (propagação comercial) • Plantados em Outubro e Novembro • Temperatura do solo abaixo dos 18 °C Plantação de bolbos
    27. 27. Operações prévias à plantação Preparação de bolbos para plantação: • Desinfecção • Operação importante devido à infeção dos bolbos com Penicillium. Após o descasque imergem-se os bolbos numa calda fungicida • Descasque • Remoção manual da túnica exterior, indispensável nos bolbos de 5 °C e destina-se ao rápido desenvolvimento das raízes Desinfeção dos bolbos Bolbos descascados
    28. 28. Preparação do terreno • Análise do solo • Mobilização e correção • Desinfeção para prevenção de fungos • Estrutura uniforme nos 20 cm superficiais • Delimitação dos canteiros (rasa) para plantação dos bolbos (1 a 2 cm) • Cobertura com solo/substrato (ápice do bolbo 2 cm de profundidade)
    29. 29. Plantação • 1º ano – plantação de bolbilhos • Compasso - 30 cm nas entrelinhas e 1 a 2 cm nas linhas • Densidade de plantação/ha • 700.000 a 900.000 bolbilhos em França • 1.000.000 a 1.500.000 na Holanda • Época de plantação – outono com temperatura do solo inferior a 12 °C • Recolha –Junho a Julho bolbos de calibre 6-8, 8-10 cm • 2º ano – plantação de bolbos • Compasso – 3 a 5 cm nas linhas • Densidade de plantação/ha • 400.000 a 600.000 bolbos em França • 700.000 a 900.000 na Holanda • Recolha bolbos de calibre 11-12 cm ou maiores Plantação mecânica
    30. 30. Tecnologia de produção A utilização dos bolbos para produção de flor cortada em estufa é designada por forçagem, pois recorre-se a condições que não existiriam naturalmente para programar o desenvolvimento da planta: • Programação • Enraizamento • Crescimento e diferenciação floral • Temperatura • Quente – 17 a 20 °C • Frio – 2 a 9 °C • Quente – 17 a 20 °C A forçagem pode ser: • Solo • Caixas com substrato • Hidroponia
    31. 31. Forçagem em caixas • Caixas de madeira ou plástico com dimensões variadas • As dimensões mais usuais são 40 x 60 cm de base e 18 cm de altura • Substratos com boa capacidade de retenção de água e bom arejamento • Os bolbos usados devem ter calibre superior a 10 cm
    32. 32. Fisiologia do desenvolvimento Para completar a organogénese os bolbos necessitam de um período longo de exposição ao frio ( 14 a 22 semanas). Para programar a duração do ciclo cultural existem tratamentos pelo frio: • Bolbos de ciclo curto ou bolbos de 5 °C • Armazenado a 5 °C durante 12 ou 13 semanas • Colheita das flores em 45 a 55 dias • Corte em Fevereiro (dia de S. Valentim) • Bolbos de ciclo intermédio ou bolbos de 9 °C • Armazenados a 9 °C durante 6 semanas • A planta continua o processo de diferenciação após a plantação O tratamento pelo frio só pode ser iniciado no estádio de desenvolvimento G da planta (gineceu diferenciado).
    33. 33. Exigências climáticas • A temperatura é fator determinante da floração da tulipa. • Exigências médias de frio: • 16 semanas a 9 °C • 9 a 12 semanas a 5 °C • Temperatura de forçagem entre 10 e 17 °C • Pouco exigente em intensidade luminosa • Indiferente ao fotoperíodo • Arejamento para manter HR moderada (70-85%). HR elevadas fragilizam o escapo floral.
    34. 34. Solos • Principal exigência é boa drenagem • Qualquer textura desde que tenha boa estrutura • Ligeiro • Permeável • Sem aglomerados • Isento de pedras • pH de 6 - 7,5 • pH inferior a 5 – enraizamento deficiente ou inibido • Temperaturas do solo acima de 16 °C • enraizamento difícil • podridão por Fusarium Solos humíferos, aluviões arenosos e substratos de mistura de trufa com areia são ideais
    35. 35. Fertilização K2O P₂O₅ • Fator de crescimento • Evita inconveniente de excessos de N • Melhor síntese e migração dos glúcidos para o bolbo • Rigidez do caule • Coloração das flores Antes da plantação aplicar um adubo 2-5-2, a partir da 1ª folha um adubo 14-7-26 • Sulfato amónio • Superfosfato • Sulfato de potassa Em floração aplicar KNO3 Aplicar em cada rega Ca(NO3)2 - 2,4g/l de H2O Ca(NO3)2 • Fortalecer a haste floral • A carência leva ao rompimento da flor
    36. 36. Rega Cuidados no cultivo: • Após a plantação, a rega deve ser efetuada com elevada frequência e baixa dotação • A rega por microaspersão só deve ser usada até o aparecimento do botão, as pétalas são danificadas pela queda direta de água • As regas devem ser regulares e a limpeza de infestantes efetuada com herbicida
    37. 37. Colheita Operações de cultivo: • O índice de maturação é a cor do botão • A haste deve ser cortada quando a cor definitiva das tépalas for evidente em todo o botão, embora este esteja ainda fechado • No corte das flores devem deixar-se as folhas, estas favorecem o desenvolvimento dos bolbos e bolbilhos pela migração dos produtos da fotossíntese. Esta operação evita a perda de peso dos bolbos em 20% • Os bolbilhos com os fotoassimilados armazenados são colhidos em Junho e Julho, calibrados e utilizados novamente na produção de bolbos. Colheita mecânica
    38. 38. Pós-Colheita Fisiologia pós-colheita e condições de armazenamento da túlipa Sensibilidade a danos pelo frio Insensível Sensibilidade ao etileno Reduzida Taxa de respiração a 10 °C (mg CO2 KG¯¹ h¯¹ ) 342 Q10 Entre 0 e 10 °C 3,3 Entre 10 e 20 °C 3,0 Adaptação ao armazenamento a seco Elevada (com bolbos) Temperatura de armazenamento recomendada (°C) 0-2 Grupo de compatibilidade A
    39. 39. Conservação dos bolbos • Conservação em ambiente refrigerado a 5 °C • Flores necessitam de troca de água a cada 2 dias e corte de 2 cm da base de sua haste Lavagem dos bolbos Secagem e calibração dos bolbosBolbos lavados
    40. 40. Comercialização e Utilização • Comercialização segundo as normas da EU • A produção de bolbos é uma fitotecnia importante per se • A tulipa é cultivada principalmente como flor de corte • Utilização das macetas com flores • Flores cortadas para decoração • Planta envasada • Planta de canteiro • Bolbosa de jardim Bolbos em caixas para comercialização
    41. 41. Acidentes Fisiológicos • Aborto das flores • Exposição ao etileno • Falta de água durante a forçagem • Salinidade elevada no substrato • Temperatura elevada durante o transporte ou plantação dos bolbos • Tratamentos pelo frio de bolbos imaturos (anterior ao estádio G) • Colapso do escapo floral • A haste enfraquecida colapsa abaixo do ponto da inserção da flor • Deficiência na acumulação de cálcio Este acidente pode ser minimizado ou eliminado através da fertilização com cálcio e circulação de ar na estufa Flor deformada
    42. 42. Pragas e Doenças • Pragas: • Pulgões • Nematodes dos talos e dos bolbos • Roedores • Doenças: • Fogo das túlipas • Fusariose • Virose ViroseFogo
    43. 43. Túlipas no mundo • O maior produtor de tulipas no mundo é a Holanda • O parque Keukenhof tem plantados 7 milhões de bolbos. Maior exibição de flores mundial • Famoso Mercado de Flores Flutuantes em Amsterdão. As flores são exibidas em barcaças flutuantes no Canal Singel, um dos lugares mais coloridos de Amsterdam • FloraHolland em Naaldwijk é a maior casa de leilão de flores de corte e plantas do mundo, responsável por mais de 90% do comércio na Holanda. A segunda maior casa de leilões é a VBA Aalsmeer • Floriade é uma Exposição Mundial de Horticultura, realizada numa cidade diferente a cada dez anos. Uma feira onde o setor de horticultura holandês apresenta as últimas tendências e avanços para o resto do mundo. É a maior parada de flores do mundo. Cinquenta carros alegóricos decorados com flores num percurso de 40 Km. É vista por centenas de milhares de pessoas Carro alegórico na parada de Floriade
    44. 44. Túlipa em Portugal Explorações Hastes (10³) EDM 71 653 BL 28 282 RO 22 1182 Gráfico da evolução dos preços anuais das flores e folhagens de corte Quadro - Principais regiões produtoras de túlipas em Portugal A produção de tulipas no nosso país situa-se principalmente nas regiões Entre Douro e Minho, Beira Litoral e Ribatejo e Oeste, nas restantes regiões não é significativa.
    45. 45. Comércio de túlipas em Portugal Túlipas 2011 2012 2013 €/100 unid. 27,61 29,68 29,21 2000 2001 2002 2003 2004 Imp Exp Imp Exp Imp Exp Imp Exp Imp Exp Túlipa 335,233 ------ 415,367 ------ 316,568 2,842 305,192 6,439 331,110 13,057 Quadro - Evolução do Comércio Internacional Português de Flores e Plantas Vivas - 2000 a 2004 (EUR) Quadro - Evolução dos preços da túlipa em Portugal - 2011 a 2013 (EUR)
    46. 46. MÓDULO de BOTÂNICA-Manual de Teóricas e Práticas, Mário Lousã (coordenador) ISA Flores GPP, 2007 García José. Cultivo de plantas bulbosas para cortar.Almería-Valencia, Edições Veinte Almeida, D. (2006). Manual de floricultura(1ª edição). Barcarena, Editorial Presença http://aventuresdelhistoire.com/une-folie-du-xviie-siecle-la-tulipomania-des-hollandais/ RHS A-Z Encyclopedia of Garden Plants Hardcover – 10 Mar 1996 by Christopher Brickell (Author), Royal Horticultural Society (Editor) http://www.degenhardt-blumenzwiebeln.de/en/the-company/vermehrung-zuechtung/ Bibliografia
    47. 47. Obrigado!

    ×