SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
__________________________________________________________________________
ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO
BIBLIOGRÁFICA
Ana Caroline Fonseca Landim1
Daniel do Nascimento Tavares1
Fernanda Machado Pinheiro1
Resumo: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser humano, sendo um
estado de emoção que prepara o indivíduo para uma determinada situação no meio e contexto em que ele está
inserido. Sendo assim, vê-se a necessidade da enfermagem, como prestadora de cuidados diretos em tempo
integral ao cliente, possuir conhecimento técnico-científico para assistir ao cliente com este transtorno, de
forma a ajudá-lo a minimizar seus efeitos negativos. Objetivos: buscar produções na literatura científica que
associem o transtorno de ansiedade com a assistência de enfermagem aos clientes vítimas deste sofrimento
mental. Questão norteadora: Os cuidados de Enfermagem estão abordando a ansiedade? Método: trata-se
de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa, sendo construída através da pesquisa de artigos no
banco de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), realizando o cruzamento dos descritores “Cuidados de
Enfermagem” e “Ansiedade”. Resultados: Foram selecionados 6 publicações científicas, onde somente 5
artigos (83,33%) foram encontrados na íntegra no idioma português e somente 1 artigo (16,66%) no idioma
espanhol. Discussão: A Sistematização da Assistência de Enfermagem pautada na humanização guia ao
Enfermeiro a identificação de diagnósticos, tal como a ansiedade, de forma que este possa estrategicamente
intervir de maneira eficaz na minimização desta situação. Conclusão: Atualmente, as mudanças são
constantes e a correria do dia a dia encontra-se cada vez mais intensa, fazendo a população reagir de forma
exacerbada às dificuldades e alterações do cotidiano, convertendo tal situação em ameaça ao psicológico. A
sociedade suporta diferentes níveis de pressão, alguns conseguem manterem-se tranquilos em situações de
estresse, no entanto quando esse equilíbrio emocional é rompido nos deparamos com transtornos de
ansiedade. Por intermédio das perspectivas abordadas, visualizamos o profissional enfermeiro como gestor
do processo de enfermagem que de acordo com sua práxis, coordena uma sistematização que deve abordar o
indivíduo holisticamente utilizando-se de estratégias que minimizem a ansiedade proveniente do ambiente
hospitalar e/ou da doença e seu desconhecido.
Descritores: ansiedade; cuidados de enfermagem
1
Acad. 8º Período da Graduação e Licenciatura em Enfermagem da EEAAC- UFF
Introdução
A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser humano, sendo um estado de
emoção que prepara o indivíduo para uma determinada situação no meio e contexto em que ele está inserido,
e esta se torna patológica quando se apresenta de forma excessiva e desproporcional as necessidades, levando
ao sofrimento1
.
Andrade et al2
refere a ansiedade como um estado emocional que possui componentes psicológicos e
fisiológicos, e constitui um dos transtornos psiquiátricos mais comuns na população geral.
As manifestações clínicas da ansiedade patológica se manifestam nos indivíduos que experimentam
uma variedade de situações ameaçadoras do cotidiano e se prendem aos aspectos negativos das mesmas. Os
sinais e sintomas incluem tensão, inquietação interna, apreensão desagradável, opressão e desconforto
subjetivo, preocupações exageradas, insônia, insegurança, irritabilidade, distraibilidade, desconcentração,
desrealização, despersonalização1
.
Uma situação do cotidiano da maioria dos indivíduos que pode ser um fator gerado de ansiedade
patológica é o trabalho. Em um estudo entre profissionais de enfermagem mostram-se que algumas situações
de trabalho como instabilidade ou agravamento do estado de saúde de clientes, falta de material e recursos
humanos, procedimentos de alta complexidade, relacionamentos com familiares do cliente e a realização da
sistematização de enfermagem são fatores geradores de ansiedade3
.
Vê-se, então, que a demasiada sensação de ansiedade gera alterações emocionais que se projetam tanto
no psicológico dos indivíduos quanto no fisiológico, podendo levar a somatização destas questões. Para
Caplan4
existem duas formas de diminuir a ansiedade, sendo o primeiro resolver logo o problema e superar
os obstáculos através do enfrentamento da situação, e o segundo é fugir da ameaça e buscar criar estratégias
de defesa reais ou imaginárias de forma a minimizar o impacto do transtorno.
Diante destas questões expostas, o trabalho tem como questão norteadora: Os cuidados de Enfermagem
estão abordando a ansiedade? O objetivo compreende encontrar produções na literatura científica que
associem o transtorno de ansiedade com a assistência de enfermagem aos clientes vítimas deste sofrimento
mental.
Método
O trabalho em questão se trata de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa, que segundo
Figueiredo5
, trabalha com significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, correspondendo a um
aprofundamento das relações, processos e fenômenos que não podem ser reduzidos a operacionalização de
variáveis. Sua construção foi realizada através da pesquisa de artigos no banco de dados Biblioteca Virtual
em Saúde (BVS) no período de 10 a 13 de janeiro de 2013.
A pesquisa utilizou o cruzamento dos descritores “Cuidados de Enfermagem” e “Ansiedade” sendo
encontrados 146 artigos no total. Os critérios de inclusão foram artigos com texto na íntegra em português,
inglês e espanhol, estando dentro do corte temporal estipulado como sendo do ano 2010 a 2012.
O resultado final da pesquisa revelou 6 artigos finais, os quais foram utilizados para construir a
categorização das temáticas abordadas nos mesmos.
Resultados
Foram selecionadas 6 publicações científicas, onde somente 5 artigos (83,33%) foram encontrados na
íntegra no idioma português e somente 1 artigo (16,66%) no idioma espanhol. De acordo com as doenças
crônicos degenerativas, como por exemplo neoplasia e doenças respiratórias, dentre as publicações, 3 artigos
(50%) mencionaram sobre a doença cardiovascular.
Um total de 5 artigos (83,33) referiram sobre a importância no processo de humanização durante a
sistematização da assistência de Enfermagem (SAE) do tangente ao acolhimento, percepção, clareza e
interação com o paciente.
Dentre os diagnósticos de Enfermagem citados pelos artigos, 6 (100%) das publicações citaram sobre a
ansiedade em algum momento no ambiente hospitalar pelo paciente ou familiar.
Discussão
As doenças crônicas degenerativas estão correlacionadas com fatores socioeconômicos, alem de
cultural e ambiental6
. Buzatto e Zanei7
referem que estudos recentes apontam que, no Brasil, as doenças
cardiovasculares foram responsáveis por cerca de 32% dos óbitos. Estes fatores interferem de certa forma na
qualidade de vida dos indivíduos e no surgimento das comorbidades.
O processo de Enfermagem é fundamental para uma gestão que utiliza a SAE (Sistematização de
Enfermagem) como ferramenta de assistência, de forma a ordenar e direcionar um cuidado com qualidade.
Para que o processo de enfermagem ocorra, o enfermeiro deve aliar os conhecimentos científicos e
tecnológicos às habilidades de observação, comunicação e intuição8
. Tem-se no Processo de Enfermagem a
base de constituição da SAE, o qual é constituído de etapas que envolvem a identificação dos problemas de
saúde do cliente, a realização do diagnóstico de enfermagem, a implementação do plano de cuidados, a
realização das ações planejadas e a avaliação9-10
.
No processo de entrevista, a anamnese envolve o relacionamento interpessoal e a comunicação entre
enfermeiro e paciente, onde o acolhimento é essencial neste processo e a humanização faz-se
necessariamente presente. A humanização foi citada na maioria dos artigos, o que reforça a importância desta
situação dentro das instituições e serviços de saúde pelos profissionais. Silva e Santos10
citam que a
humanização no cuidar em enfermagem é indispensável para estabelecer a interação e o relacionamento com
os usuários dos serviços de saúde, incluindo os seus familiares e os profissionais de saúde.
Dos mais diversificados diagnósticos que possam surgir no ambiente hospitalar a ansiedade é a mais
referenciada. Pereira et al10
mostrou em um estudo transversal com 30 pacientes (15 homens e 15 mulheres)
internados em uma enfermaria de clínica médica de um hospital universitário, que o diagnóstico de
enfermagem “ansiedade” foi identificado em 12 homens e 11 mulheres, tendo como características
definidoras com frequência acima de 50% a agitação (95,7%), seguida do estado ansioso (69,6%), insônia
(65,2%) e preocupações expressas em razão de mudanças e eventos da vida (52,2%).
Nestas situações referem-se ao medo do desconhecido, desde a ciência da doença até o tratamento e
possíveis resultados. Ressalta-se, ainda, a educação em saúde e o preparo do profissional enfermeiro para
lidar com estratégias que envolvam segurança e clareza ao paciente ou seu familiar 6-7-8-11-12
.
Existem para esta redução, meios farmacológicos e não farmacológicos. Os farmacológicos citados
foram drogas ansiolíticas7
e não farmacológicos, tais como musicoterapia7
e acupuntura13
. A redução da
ansiedade é “evidenciada quando há maior qualidade e conteúdo nas informações” oferecidas. Essa situação
é observada quando o enfermeiro consegue expor e suprir as dúvidas do paciente ou familiar
É importante que se faça minimizar esta ansiedade para que a ação terapêutica não sofra tanta
influência das alterações psico-fisiológicas geradas neste transtorno, uma vez que estas podem acarretar
prejuízos ao tratamento do cliente e possíveis riscos a saúde do mesmo.
Buzzato e Zanei7
referem que a redução da ansiedade é “evidenciada quando há maior qualidade e
conteúdo nas informações” oferecidas. Essa situação é observada quando o enfermeiro consegue expor e
suprir as dúvidas do paciente ou familiar.
Neste contexto, é fundamental que o enfermeiro intervenha junto aos clientes de forma a diminuir a
ansiedade por eles apresentada. Pesquisas revelam que de 15 pacientes acometidos por Aids (Sìndrome da
Imunodeficiência Adquirida), 11 (73,3%) apresentavam ansiedade antes da intervenção do enfermeiro, tendo
este número sido reduzido para 3 (20%) após a orientação do profissional11
.
Conclusão
Atualmente, as mudanças são constantes e a correria do dia a dia encontra-se cada vez mais intensa,
fazendo a população reagir de forma exacerbada às dificuldades e alterações do cotidiano, convertendo tal
situação em ameaça ao psicológico.
A sociedade suporta diferentes níveis de pressão, alguns conseguem manterem-se tranquilos em
situações de estresse, no entanto quando esse equilíbrio emocional é rompido nos deparamos com transtornos
de ansiedade.
O estudo teve como objetivo a identificação dos trabalhos direcionados a temática “ansiedade” e os
cuidados de enfermagem existentes acerca desta patologia cada vez mais crescente. Sendo assim, há duas
maneiras de diminuir o nível de ansiedade de um sujeito: um é lidar diretamente com o problema,
resolvendo-o e o outro é fugir das ameaças, criando estratégias reais ou imaginárias que possam minimizar
seu impacto. Dessa forma, estará criando mecanismos de defesa³.
Por intermédio das perspectivas abordadas, visualizamos o profissional enfermeiro como gestor do
processo de enfermagem que de acordo com sua práxis, coordena uma sistematização que deve abordar o
indivíduo holisticamente utilizando-se de estratégias que minimizem a ansiedade proveniente do ambiente
hospitalar e/ou da doença e seu desconhecido.
Referências Bibliográficas
1. ABAM – PROGRAMA ANSIEDADE [Internet]. 1. Transtornos de ansiedade; 2. Manifestações Clínicas.
[acesso em 15 de janeiro de 2013]. Disponível em: http://www.amban.org.br/content/textos-educativos.
2. Schmidt, DRC et al. Ansiedade e depressão entre profissionais de enfermagem que atuam em blocos
cirúrgicos. Rev. esc. enferm. USP, vol.45, no.2 São Paulo, Apr. 2011. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342011000200026&lang=pt&tlng=.
3. Barros, ALBL et al. Situações geradoras de ansiedade e estratégias para seu controle entre enfermeiras:
estudo preliminar. Rev Lat Am Enferm. 2003;11(5):585-92. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692003000500004&lang=pt.
4. Caplan G. Princípios de Psiquiatria preventiva. Rio de Janeiro (RJ): Zahar; 1982.
5. Figueiredo, AM; Souza, ARG. Como elaborar projetos, monografias, dissertações e teses. 4° edição. Rio
de Janeiro: Lumen Juris, 2011.
6. Pereira, JMV et al. Diagnóstico de enfermagem de pacientes hospitalizados com doenças cardiovasculares.
Esc. Anna Nery, vol.15, no.4 Rio de Janeiro, Oct./Dec. 2011. Disponível em:
http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452011000400012&lang=pt&tlng=.
7. Buzatto, LL; Zanei, SSV. Ansiedade em pacientes no período pré-cateterismo cardáco. Einstein. 2010, 8(4
Pt 1):483-7. Disponível em: http://apps.einstein.br/revista/arquivos/PDF/1517-Einsteinv8n4_pg483-487.pdf.
8. Brasileiro, ME; Cunha, LC. Diagnósticos de enfermagem em pessoas acometidas pela síndrome da
imunodeficiência adquirida em terapia antirretroviral. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011 jul/set;
19(3):392-6. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v19n3/v19n3a09.pdf.
9. Carpenito LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 6a ed. Porto Alegre (RS): Artes
Médicas; 1997.
10. Alfaro-Léfevre R. Aplicação do processo de enfermagem: um guia passo a passo. Porto Alegre (RS):
Artes Médicas; 2002.
11. Silva, FS; Santos, I. Expectativas de familiares de clientes em UTI sobre o atendimento em saúde: estudo
sociopoético. Esc Anna Nery Rev Enferm 2010 abr-jun; 14 (2):230 -235. Disponível em
http://www.scielo.br/pdf/ean/v14n2/03.pdf.
12. Oscco, OT et al. Actitud que adopta la enfermera durante la atencion y nivel de ansiedad del paciente en
el pre operatorio en un hospital público de pisco. Perú, 2010. Rev. méd. panacea, 2011; 1(3). Disponível em
http://rev.med.panacea.unica.edu.pe/documentos/actitud-adopta-enfermera.pdf
13. VILLELA, Maria Patrícia Costa; LEMOS, Maria Elizabeth Siqueira. Os cuidados do Enfermeiro
Acupunturista ao paciente com angina estável: Uma relação ruma à integralidade da Assistência. REME –
Rev. Min. Enferm.;14(4): 577-586, out./dez., 2010. Disponivel em
http://www.enf.ufmg.br/site_novo/modules/mastop_publish/files/files_4db582300901f.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Camila Ferreira
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaAroldo Gavioli
 
As teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemAs teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemjakemarques
 
Artigo emergencias
Artigo emergenciasArtigo emergencias
Artigo emergenciasEliene Meira
 
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoComunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoGabriela Montargil
 
Psicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia_2015
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099jakemarques
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalAroldo Gavioli
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem resenfe2013
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasresenfe2013
 
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúde
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da SaúdeCuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúde
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúdeprojetacursosba
 
Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Ellen Priscilla
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemPaulo Aragão
 

Mais procurados (20)

Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
Pré Projeto: Avaliação do Conhecimento dos Graduandos de Enfermagem sobre asp...
 
Grupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em famíliaGrupos terapêuticos e intervenção em família
Grupos terapêuticos e intervenção em família
 
As teorias de enfermagem
As teorias de enfermagemAs teorias de enfermagem
As teorias de enfermagem
 
Artigo emergencias
Artigo emergenciasArtigo emergencias
Artigo emergencias
 
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidadoComunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
Comunicação terapêutica em enfermagem: instrumento essencial do cuidado
 
Psicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medicaPsicologia e clinica medica
Psicologia e clinica medica
 
1702201605295700000099
17022016052957000000991702201605295700000099
1702201605295700000099
 
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mentalO diagnóstico de enfermagem em saúde mental
O diagnóstico de enfermagem em saúde mental
 
Modulo9 urgencia emergencia
Modulo9 urgencia emergenciaModulo9 urgencia emergencia
Modulo9 urgencia emergencia
 
Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem Teorias de Enfermagem
Teorias de Enfermagem
 
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomiasDiagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
Diagnóstico de Enfermagem: uso das taxonomias
 
Psicologia e pediatria
Psicologia e pediatriaPsicologia e pediatria
Psicologia e pediatria
 
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúde
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da SaúdeCuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúde
Cuidados Paliativos Oncologicos Controle da Dor-Ministerio da Saúde
 
621 2600-1-pb
621 2600-1-pb621 2600-1-pb
621 2600-1-pb
 
Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015Processo de enfermagem 2015
Processo de enfermagem 2015
 
Slide 1
Slide 1Slide 1
Slide 1
 
Etapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de EnfermagemEtapas do Processo de Enfermagem
Etapas do Processo de Enfermagem
 
Psicologia e uti ii
Psicologia e uti iiPsicologia e uti ii
Psicologia e uti ii
 
Tcd finalizado
Tcd finalizadoTcd finalizado
Tcd finalizado
 
Teorias de enfermagem
Teorias de enfermagemTeorias de enfermagem
Teorias de enfermagem
 

Destaque

RSK SEMINAR 10TH MARCH
RSK SEMINAR 10TH MARCHRSK SEMINAR 10TH MARCH
RSK SEMINAR 10TH MARCHDavid Coulter
 
GSB Boule Program
GSB Boule ProgramGSB Boule Program
GSB Boule Programkmoton86
 
2008_NatCat_China_e_302_05851
2008_NatCat_China_e_302_058512008_NatCat_China_e_302_05851
2008_NatCat_China_e_302_05851Rita Hausmann
 
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT: AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT:  AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT:  AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT: AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...IAIN Datokarama Palu
 
Elena Y MóNica1ºF
Elena Y MóNica1ºFElena Y MóNica1ºF
Elena Y MóNica1ºFguest5236a
 
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismoruso
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismorusoRevista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismoruso
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismorusoRevista rusa Russian Inn
 
How To Use Wikis For Business
How To Use Wikis For BusinessHow To Use Wikis For Business
How To Use Wikis For Businessarnoldn
 
Federal Budget Process Overview
Federal Budget Process OverviewFederal Budget Process Overview
Federal Budget Process OverviewDuane Blackburn
 
Pob stage 2 lecture 4 students
Pob stage 2   lecture 4 studentsPob stage 2   lecture 4 students
Pob stage 2 lecture 4 studentsjowebbpearson
 
Be a star!
Be a star!Be a star!
Be a star!Sherry
 
Joint operations
Joint operationsJoint operations
Joint operationsKDaley2735
 
Share some development
Share some developmentShare some development
Share some developmentJi Heon Kim
 
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...Saimaabbasi12
 
Album Cover Analysis
Album Cover AnalysisAlbum Cover Analysis
Album Cover AnalysisKhalid
 

Destaque (17)

RSK SEMINAR 10TH MARCH
RSK SEMINAR 10TH MARCHRSK SEMINAR 10TH MARCH
RSK SEMINAR 10TH MARCH
 
GSB Boule Program
GSB Boule ProgramGSB Boule Program
GSB Boule Program
 
2008_NatCat_China_e_302_05851
2008_NatCat_China_e_302_058512008_NatCat_China_e_302_05851
2008_NatCat_China_e_302_05851
 
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT: AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT:  AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT:  AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...
COORDINATION AND COOPERATION IN E-GOVERNMENT: AN INDONESIAN LOCAL E GOVERNME...
 
Elena Y MóNica1ºF
Elena Y MóNica1ºFElena Y MóNica1ºF
Elena Y MóNica1ºF
 
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismoruso
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismorusoRevista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismoruso
Revista Rusa Russian Inn junio julio 2013 #revistarusa para el #turismoruso
 
How To Use Wikis For Business
How To Use Wikis For BusinessHow To Use Wikis For Business
How To Use Wikis For Business
 
Federal Budget Process Overview
Federal Budget Process OverviewFederal Budget Process Overview
Federal Budget Process Overview
 
Pob stage 2 lecture 4 students
Pob stage 2   lecture 4 studentsPob stage 2   lecture 4 students
Pob stage 2 lecture 4 students
 
Be a star!
Be a star!Be a star!
Be a star!
 
Motivational slides
Motivational slidesMotivational slides
Motivational slides
 
Drizos 19042016
Drizos 19042016Drizos 19042016
Drizos 19042016
 
Joint operations
Joint operationsJoint operations
Joint operations
 
Share some development
Share some developmentShare some development
Share some development
 
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...
Climate Change Hazards in Pakistan. A presentation by Saima Abbasi. www.saima...
 
Album Cover Analysis
Album Cover AnalysisAlbum Cover Analysis
Album Cover Analysis
 
Cr St - TW - Kol
Cr St - TW - KolCr St - TW - Kol
Cr St - TW - Kol
 

Semelhante a Artigo ec i

ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...biacastro
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas PessoasLeonardo Savassi
 
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdfDomingosMagnoMeloCma
 
Psicologia no Hospital Geral
Psicologia no Hospital GeralPsicologia no Hospital Geral
Psicologia no Hospital GeralEduardo Beck
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxdouglas870578
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfAndressaMolina3
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfAndressaMolina3
 
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdfAdmin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdfDomingosMagnoMeloCma
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologiaAndressawm
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSSebástian Freire
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxlvaroCosta22
 
Ansiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdfAnsiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdfEraldo Carlos
 
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoFerramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoRicardo Alexandre
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)LACES1
 

Semelhante a Artigo ec i (20)

Janete ribeiro
Janete ribeiroJanete ribeiro
Janete ribeiro
 
outro.pptx
outro.pptxoutro.pptx
outro.pptx
 
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
ASPECTOS EMOCIONAIS DO PACIENTE IDOSO HOSPITALIZADO E O PAPEL DO PSICÓLOGO HO...
 
Grupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdfGrupo ansiedade act.pdf
Grupo ansiedade act.pdf
 
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas2008  ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
2008 ROA, OLIVEIRA, SAVASSI et al. Medicina Centrada nas Pessoas
 
Modelo artigo janete ribeiro
Modelo artigo janete ribeiroModelo artigo janete ribeiro
Modelo artigo janete ribeiro
 
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
11016-Artigo-126600-5-10-20221003.pdf
 
Psicologia no Hospital Geral
Psicologia no Hospital GeralPsicologia no Hospital Geral
Psicologia no Hospital Geral
 
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptxFUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
FUNDAMENTOS DO CUIDAR EM ENFERMAGEM.pptx
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdfTanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
Tanatologia clinica e cuidados paliativos-luto oncológico pediátrico.pdf
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdfAdmin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
Admin,+10-O+ENFRENTAMENTO+EMOCIONAL.pdf
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Psico-oncologia
Psico-oncologiaPsico-oncologia
Psico-oncologia
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Aula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptxAula 01 Semiologia.pptx
Aula 01 Semiologia.pptx
 
Ansiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdfAnsiedade generalizada.pdf
Ansiedade generalizada.pdf
 
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnósticoFerramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
Ferramentas da epidemiologia clínica para um diagnóstico
 
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
Tese de Doutorado sobre Cuidado Espiritual (Prof. Michell Ângelo)
 

Artigo ec i

  • 1. __________________________________________________________________________ ANSIEDADE E ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Ana Caroline Fonseca Landim1 Daniel do Nascimento Tavares1 Fernanda Machado Pinheiro1 Resumo: A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser humano, sendo um estado de emoção que prepara o indivíduo para uma determinada situação no meio e contexto em que ele está inserido. Sendo assim, vê-se a necessidade da enfermagem, como prestadora de cuidados diretos em tempo integral ao cliente, possuir conhecimento técnico-científico para assistir ao cliente com este transtorno, de forma a ajudá-lo a minimizar seus efeitos negativos. Objetivos: buscar produções na literatura científica que associem o transtorno de ansiedade com a assistência de enfermagem aos clientes vítimas deste sofrimento mental. Questão norteadora: Os cuidados de Enfermagem estão abordando a ansiedade? Método: trata-se de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa, sendo construída através da pesquisa de artigos no banco de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS), realizando o cruzamento dos descritores “Cuidados de Enfermagem” e “Ansiedade”. Resultados: Foram selecionados 6 publicações científicas, onde somente 5 artigos (83,33%) foram encontrados na íntegra no idioma português e somente 1 artigo (16,66%) no idioma espanhol. Discussão: A Sistematização da Assistência de Enfermagem pautada na humanização guia ao Enfermeiro a identificação de diagnósticos, tal como a ansiedade, de forma que este possa estrategicamente intervir de maneira eficaz na minimização desta situação. Conclusão: Atualmente, as mudanças são constantes e a correria do dia a dia encontra-se cada vez mais intensa, fazendo a população reagir de forma exacerbada às dificuldades e alterações do cotidiano, convertendo tal situação em ameaça ao psicológico. A sociedade suporta diferentes níveis de pressão, alguns conseguem manterem-se tranquilos em situações de estresse, no entanto quando esse equilíbrio emocional é rompido nos deparamos com transtornos de ansiedade. Por intermédio das perspectivas abordadas, visualizamos o profissional enfermeiro como gestor do processo de enfermagem que de acordo com sua práxis, coordena uma sistematização que deve abordar o indivíduo holisticamente utilizando-se de estratégias que minimizem a ansiedade proveniente do ambiente hospitalar e/ou da doença e seu desconhecido. Descritores: ansiedade; cuidados de enfermagem 1 Acad. 8º Período da Graduação e Licenciatura em Enfermagem da EEAAC- UFF
  • 2. Introdução A ansiedade configura um sentimento que participa da vivência do ser humano, sendo um estado de emoção que prepara o indivíduo para uma determinada situação no meio e contexto em que ele está inserido, e esta se torna patológica quando se apresenta de forma excessiva e desproporcional as necessidades, levando ao sofrimento1 . Andrade et al2 refere a ansiedade como um estado emocional que possui componentes psicológicos e fisiológicos, e constitui um dos transtornos psiquiátricos mais comuns na população geral. As manifestações clínicas da ansiedade patológica se manifestam nos indivíduos que experimentam uma variedade de situações ameaçadoras do cotidiano e se prendem aos aspectos negativos das mesmas. Os sinais e sintomas incluem tensão, inquietação interna, apreensão desagradável, opressão e desconforto subjetivo, preocupações exageradas, insônia, insegurança, irritabilidade, distraibilidade, desconcentração, desrealização, despersonalização1 . Uma situação do cotidiano da maioria dos indivíduos que pode ser um fator gerado de ansiedade patológica é o trabalho. Em um estudo entre profissionais de enfermagem mostram-se que algumas situações de trabalho como instabilidade ou agravamento do estado de saúde de clientes, falta de material e recursos humanos, procedimentos de alta complexidade, relacionamentos com familiares do cliente e a realização da sistematização de enfermagem são fatores geradores de ansiedade3 . Vê-se, então, que a demasiada sensação de ansiedade gera alterações emocionais que se projetam tanto no psicológico dos indivíduos quanto no fisiológico, podendo levar a somatização destas questões. Para Caplan4 existem duas formas de diminuir a ansiedade, sendo o primeiro resolver logo o problema e superar os obstáculos através do enfrentamento da situação, e o segundo é fugir da ameaça e buscar criar estratégias de defesa reais ou imaginárias de forma a minimizar o impacto do transtorno. Diante destas questões expostas, o trabalho tem como questão norteadora: Os cuidados de Enfermagem estão abordando a ansiedade? O objetivo compreende encontrar produções na literatura científica que associem o transtorno de ansiedade com a assistência de enfermagem aos clientes vítimas deste sofrimento mental. Método O trabalho em questão se trata de uma revisão bibliográfica de abordagem qualitativa, que segundo Figueiredo5 , trabalha com significados, motivos, aspirações, crenças, valores e atitudes, correspondendo a um aprofundamento das relações, processos e fenômenos que não podem ser reduzidos a operacionalização de
  • 3. variáveis. Sua construção foi realizada através da pesquisa de artigos no banco de dados Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) no período de 10 a 13 de janeiro de 2013. A pesquisa utilizou o cruzamento dos descritores “Cuidados de Enfermagem” e “Ansiedade” sendo encontrados 146 artigos no total. Os critérios de inclusão foram artigos com texto na íntegra em português, inglês e espanhol, estando dentro do corte temporal estipulado como sendo do ano 2010 a 2012. O resultado final da pesquisa revelou 6 artigos finais, os quais foram utilizados para construir a categorização das temáticas abordadas nos mesmos. Resultados Foram selecionadas 6 publicações científicas, onde somente 5 artigos (83,33%) foram encontrados na íntegra no idioma português e somente 1 artigo (16,66%) no idioma espanhol. De acordo com as doenças crônicos degenerativas, como por exemplo neoplasia e doenças respiratórias, dentre as publicações, 3 artigos (50%) mencionaram sobre a doença cardiovascular. Um total de 5 artigos (83,33) referiram sobre a importância no processo de humanização durante a sistematização da assistência de Enfermagem (SAE) do tangente ao acolhimento, percepção, clareza e interação com o paciente. Dentre os diagnósticos de Enfermagem citados pelos artigos, 6 (100%) das publicações citaram sobre a ansiedade em algum momento no ambiente hospitalar pelo paciente ou familiar. Discussão As doenças crônicas degenerativas estão correlacionadas com fatores socioeconômicos, alem de cultural e ambiental6 . Buzatto e Zanei7 referem que estudos recentes apontam que, no Brasil, as doenças cardiovasculares foram responsáveis por cerca de 32% dos óbitos. Estes fatores interferem de certa forma na qualidade de vida dos indivíduos e no surgimento das comorbidades. O processo de Enfermagem é fundamental para uma gestão que utiliza a SAE (Sistematização de Enfermagem) como ferramenta de assistência, de forma a ordenar e direcionar um cuidado com qualidade. Para que o processo de enfermagem ocorra, o enfermeiro deve aliar os conhecimentos científicos e tecnológicos às habilidades de observação, comunicação e intuição8 . Tem-se no Processo de Enfermagem a base de constituição da SAE, o qual é constituído de etapas que envolvem a identificação dos problemas de saúde do cliente, a realização do diagnóstico de enfermagem, a implementação do plano de cuidados, a realização das ações planejadas e a avaliação9-10 .
  • 4. No processo de entrevista, a anamnese envolve o relacionamento interpessoal e a comunicação entre enfermeiro e paciente, onde o acolhimento é essencial neste processo e a humanização faz-se necessariamente presente. A humanização foi citada na maioria dos artigos, o que reforça a importância desta situação dentro das instituições e serviços de saúde pelos profissionais. Silva e Santos10 citam que a humanização no cuidar em enfermagem é indispensável para estabelecer a interação e o relacionamento com os usuários dos serviços de saúde, incluindo os seus familiares e os profissionais de saúde. Dos mais diversificados diagnósticos que possam surgir no ambiente hospitalar a ansiedade é a mais referenciada. Pereira et al10 mostrou em um estudo transversal com 30 pacientes (15 homens e 15 mulheres) internados em uma enfermaria de clínica médica de um hospital universitário, que o diagnóstico de enfermagem “ansiedade” foi identificado em 12 homens e 11 mulheres, tendo como características definidoras com frequência acima de 50% a agitação (95,7%), seguida do estado ansioso (69,6%), insônia (65,2%) e preocupações expressas em razão de mudanças e eventos da vida (52,2%). Nestas situações referem-se ao medo do desconhecido, desde a ciência da doença até o tratamento e possíveis resultados. Ressalta-se, ainda, a educação em saúde e o preparo do profissional enfermeiro para lidar com estratégias que envolvam segurança e clareza ao paciente ou seu familiar 6-7-8-11-12 . Existem para esta redução, meios farmacológicos e não farmacológicos. Os farmacológicos citados foram drogas ansiolíticas7 e não farmacológicos, tais como musicoterapia7 e acupuntura13 . A redução da ansiedade é “evidenciada quando há maior qualidade e conteúdo nas informações” oferecidas. Essa situação é observada quando o enfermeiro consegue expor e suprir as dúvidas do paciente ou familiar É importante que se faça minimizar esta ansiedade para que a ação terapêutica não sofra tanta influência das alterações psico-fisiológicas geradas neste transtorno, uma vez que estas podem acarretar prejuízos ao tratamento do cliente e possíveis riscos a saúde do mesmo. Buzzato e Zanei7 referem que a redução da ansiedade é “evidenciada quando há maior qualidade e conteúdo nas informações” oferecidas. Essa situação é observada quando o enfermeiro consegue expor e suprir as dúvidas do paciente ou familiar. Neste contexto, é fundamental que o enfermeiro intervenha junto aos clientes de forma a diminuir a ansiedade por eles apresentada. Pesquisas revelam que de 15 pacientes acometidos por Aids (Sìndrome da Imunodeficiência Adquirida), 11 (73,3%) apresentavam ansiedade antes da intervenção do enfermeiro, tendo este número sido reduzido para 3 (20%) após a orientação do profissional11 . Conclusão
  • 5. Atualmente, as mudanças são constantes e a correria do dia a dia encontra-se cada vez mais intensa, fazendo a população reagir de forma exacerbada às dificuldades e alterações do cotidiano, convertendo tal situação em ameaça ao psicológico. A sociedade suporta diferentes níveis de pressão, alguns conseguem manterem-se tranquilos em situações de estresse, no entanto quando esse equilíbrio emocional é rompido nos deparamos com transtornos de ansiedade. O estudo teve como objetivo a identificação dos trabalhos direcionados a temática “ansiedade” e os cuidados de enfermagem existentes acerca desta patologia cada vez mais crescente. Sendo assim, há duas maneiras de diminuir o nível de ansiedade de um sujeito: um é lidar diretamente com o problema, resolvendo-o e o outro é fugir das ameaças, criando estratégias reais ou imaginárias que possam minimizar seu impacto. Dessa forma, estará criando mecanismos de defesa³. Por intermédio das perspectivas abordadas, visualizamos o profissional enfermeiro como gestor do processo de enfermagem que de acordo com sua práxis, coordena uma sistematização que deve abordar o indivíduo holisticamente utilizando-se de estratégias que minimizem a ansiedade proveniente do ambiente hospitalar e/ou da doença e seu desconhecido. Referências Bibliográficas 1. ABAM – PROGRAMA ANSIEDADE [Internet]. 1. Transtornos de ansiedade; 2. Manifestações Clínicas. [acesso em 15 de janeiro de 2013]. Disponível em: http://www.amban.org.br/content/textos-educativos. 2. Schmidt, DRC et al. Ansiedade e depressão entre profissionais de enfermagem que atuam em blocos cirúrgicos. Rev. esc. enferm. USP, vol.45, no.2 São Paulo, Apr. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342011000200026&lang=pt&tlng=. 3. Barros, ALBL et al. Situações geradoras de ansiedade e estratégias para seu controle entre enfermeiras: estudo preliminar. Rev Lat Am Enferm. 2003;11(5):585-92. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692003000500004&lang=pt. 4. Caplan G. Princípios de Psiquiatria preventiva. Rio de Janeiro (RJ): Zahar; 1982. 5. Figueiredo, AM; Souza, ARG. Como elaborar projetos, monografias, dissertações e teses. 4° edição. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2011. 6. Pereira, JMV et al. Diagnóstico de enfermagem de pacientes hospitalizados com doenças cardiovasculares. Esc. Anna Nery, vol.15, no.4 Rio de Janeiro, Oct./Dec. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-81452011000400012&lang=pt&tlng=. 7. Buzatto, LL; Zanei, SSV. Ansiedade em pacientes no período pré-cateterismo cardáco. Einstein. 2010, 8(4 Pt 1):483-7. Disponível em: http://apps.einstein.br/revista/arquivos/PDF/1517-Einsteinv8n4_pg483-487.pdf.
  • 6. 8. Brasileiro, ME; Cunha, LC. Diagnósticos de enfermagem em pessoas acometidas pela síndrome da imunodeficiência adquirida em terapia antirretroviral. Rev. enferm. UERJ, Rio de Janeiro, 2011 jul/set; 19(3):392-6. Disponível em: http://www.facenf.uerj.br/v19n3/v19n3a09.pdf. 9. Carpenito LJ. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 6a ed. Porto Alegre (RS): Artes Médicas; 1997. 10. Alfaro-Léfevre R. Aplicação do processo de enfermagem: um guia passo a passo. Porto Alegre (RS): Artes Médicas; 2002. 11. Silva, FS; Santos, I. Expectativas de familiares de clientes em UTI sobre o atendimento em saúde: estudo sociopoético. Esc Anna Nery Rev Enferm 2010 abr-jun; 14 (2):230 -235. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/ean/v14n2/03.pdf. 12. Oscco, OT et al. Actitud que adopta la enfermera durante la atencion y nivel de ansiedad del paciente en el pre operatorio en un hospital público de pisco. Perú, 2010. Rev. méd. panacea, 2011; 1(3). Disponível em http://rev.med.panacea.unica.edu.pe/documentos/actitud-adopta-enfermera.pdf 13. VILLELA, Maria Patrícia Costa; LEMOS, Maria Elizabeth Siqueira. Os cuidados do Enfermeiro Acupunturista ao paciente com angina estável: Uma relação ruma à integralidade da Assistência. REME – Rev. Min. Enferm.;14(4): 577-586, out./dez., 2010. Disponivel em http://www.enf.ufmg.br/site_novo/modules/mastop_publish/files/files_4db582300901f.pdf