Comportamento eleitoral e indicadores regionais

79 visualizações

Publicada em

Análise do comportamento eleitoral na distribuição do voto a nível geográfico das eleições para as legislativas de 2015 em Portugal continental e sua associação com indicadores estatísticos regionais.

Publicada em: Notícias e política
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Comportamento eleitoral e indicadores regionais

  1. 1. 1 16 Comportamento eleitoral e o voto através de indicadores regionais nas eleições de outubro de 2015 Uma análise geográfica do voto Manuel Rodrigues
  2. 2. 2 Apresentação Passados quatro meses completa-se este trabalho exploratório com base estatísticas cujo objetivo foi, numa situação política e eleitoral excecional, avaliar o comportamen- to eleitoral e o eventual condicionamento do sentido do voto nos vários distritos e regiões de Portugal continental relativamente a determinados indicadores socioeco- nómicos. O trabalho não pretendeu ser de opinião, nem de comentário, nem de explicações mais ou menos especulativas, foi efetuado apenas com dados estatísticos de várias entidades que se relacionaram com o intenção dum confronto com o comentário da realidade política e partidária mais ou menos especulativa para avaliar porque o eleito- rado nas várias regiões, face a condicionantes governativas, vota mais num partido do que noutro. O trabalho não foi conclusivo, nem o pretendia ser, mas ajudou a perceber que o sen- so comum por vezes não faz interpretações corretas dos factos políticos nem das intenções do eleitorado. Quando por vezes de diz que a população de determinada região que, por se mais desenvolvida ou por qualquer outra, vota num partido em lugar de outro, por uma ou outra razão, estamos a cair em vícios de raciocínio político que muitos comentadores da política, por fação, cometem. Feito num tempo relativamente curto, e sem uma revisão pormenorizada, terá com certeza algumas falhas que se pretenderão corrigir posteriormente com ajuda de sugestões de que quem tiver a gentileza de o ler até ao fim, já que se dirige especial- mente a especialistas da área. Oportunamente será preparada uma versão menos técnica, com uma redação menos especializada de modo a despertar interesse a um maior conjunto de pessoas even- tualmente interessadas por questões relacionadas com o comportamento eleitoral e intencionalidade do voto na política nacional e fora do comentário político, e de opi- nião que todos fazemos nos blogs e redes sociais. Para finalizar, e se a alguma conclusão se pode chegar, é que há fatores vários que, não apenas a economia, as finanças, o emprego ou o desemprego, terão influência no comportamento eleitoral das populações em cada região. Em resumo: há outra vida para além da dívida, do défice, da economia e da sociologia que condiciona a mudança nas intenções do voto.
  3. 3. 3 ÍNDICE 1. Introdução 5 2. Variações no comportamento eleitoral na distribuição espacial do voto 9.1 Breve contexto histórico 6 2.2. Caraterização administrativa e estatística do território e análise eleitoral 6 2.3. A distribuição espacial do voto 2011-2015 9 3. Contextualização do comportamento eleitoral e do voto nos partidos 12 4. Análise comparativa do voto nos partidos nas eleições legislativas em 2015 13 4.1. Alguns conceitos de base 13 4.2. Os partidos através do voto distrital 14 4.2.2. O voto distrital do PS e do PSD.CDS-PP 15 4.2.3. Voto distrital do PS e do PCP-PEV 17 4.2.4. Voto distrital PCP-PEV e do PSD.CDS-PP 18 5.3.2Voto distrital do PCP-PEV e do BE 22 4.3. Os distritos através das votações partidárias 26 5. Análise do voto e alguns indicadores socioeconómicos 29 5.2. O voto e o setor terciário 29 5.3. O voto e o setor secundário 34 7.2. O voto e o setor primário 37 8. O voto e os níveis de escolaridade 40 a) O voto no PSD.CDS-PP e o nível de escolaridade 41 b) O voto no PAN e o nível de escolaridade 42 c) O voto no BE e o nível de escolaridade 44 d) O voto no PS e o nível de escolaridade 45 7. O voto e alguns indicadores sociais e económicos 46 7.1. Introdução 46 7.3. O PIB e o voto regional nos partidos 47 7.3. O voto e a taxa de pensões da Caixa Geral de Aposentações 49 7.5. O voto e a percentagem de pensionistas da Segurança Social na população total 52 7.7. O voto e as Pensões da Segurança Social e Caixa Geral de Aposentações no total da população em percentagem 56 a) O voto na coligação PSD.CDS-PP e a taxa de pensionistas 56 b) O voto na coligação PS e a taxa de pensionistas 56 c) O voto na coligação PCP-PEV e a e a taxa de pensionistas 57 7.6. O voto e o índice de dependência de idosos 58 a. O voto e o índice sintético de desenvolvimento regional (ISDR) 61 b) O voto e a competitividade 62 1. O voto e o índice de coesão 64 2. O voto PS e o índice de qualidade ambiental 65 8. O voto a taxa de desemprego e o índice de poder de compra 67 a) O voto e a taxa de desemprego 67 b) O voto e os beneficiários de subsídio de desemprego 69 c) O voto e índice de poder de compra 72 9. Notas conclusivas 74 9.3 Síntese contextual 74
  4. 4. 4 9.2 Relação interpartidária do voto nos distritos 75 9.3. Sobre os indicadores e o comportamento eleitoral 77 24.1. Síntese final 79 ANEXO 80
  5. 5. 5 1. Introdução O estudo dos fenómenos eleitorais tem sido efetuado nos últimos anos por empresas especializadas em marketing que apenas se dedicam em saber e divulgar como é que a distribuição de votos é vista apenas em relação à sua distribuição espacial. As abordagens sociogeográficas e a sua relação com o voto salvo algumas, poucas, exceções que se dedicaram apenas ao comportamento eleitoral histórico. A situação política e os momentos eleitorais que o país viveu desde 2005 até às eleições de 2015 explicam por si mesmos que fosse dedicado algum tempo a um estudo com uma abordagem diferente das habituais que têm sido feitos ao nível da distribuição espacial do voto. Pretendeu-se avaliar em que medida indicadores e índices económicos e sociais terão tido influência no comportamento eleitoral. Não se pretendeu tirar quaisquer ilações favoráveis ou desfavoráveis a qualquer partido dos que foram estudados. A informação estatística utilizada não foi trabalhada para se obterem resultados subjetivos. Os números não enganam são aquilo que mostram já que não foram utilizados quaisquer artifícios que possibilitassem leituras que pudessem dar vantagens fosse a que partido for. Os dados que se utilizaram são de fontes que consideradas fidedignas, como sejam o INE - Instituto Nacional de Estatística, Pordata (Fundação Francisco Manuel dos Santos), MAI - Ministério de Administração Interna, SGMAI - Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna e CNE - Comissão Nacional de Eleições. O reduzido espaço de tempo em que foi efetuado este estudo, acrescido da precaridade de meios disponíveis, elaborado apenas pelo autor, e a quase total ausência no nosso país de estudos semelhantes recentes limitou logo de início uma maior ambição. A linha condutora que presidiu é de natureza geográfica mas, como é característica da própria geografia moderna, frequentemente penetramos noutros domínios afins e, por vezes, pouco convencionais. Este estudo exploratório escrito numa linguagem sem preocupações de estilo literário, mas com o rigor possível, para além das limitações já referidas, foi acrescido de outras como a inexistência de dados e indicadores com desagregação ao nível do mesmo espaço geográfico que serve aos dados eleitorais. Ao contrário do que se pretendia não foi possível, por razões técnicas e de rigor científico, traduzir o estudo numa linguagem mais acessível a um público mais vasto e a todos os interessados que não tivesse formação neste domínio. Assim, tentou-se o mais possível utilizar uma linguagem acessível e próxima das pessoas que não sendo especializadas tivessem interesse em conhecer o estudo para tal, introduziu-se ao longo do texto, informação que ajudasse a perceber alguns conceitos utilizados. Apesar de tudo muita informação ficou por ser trabalhada para não complexificar e tornar demasiado extenso o estudo.
  6. 6. 6 2. Variações no comportamento eleitoral na distribuição espacial do voto 9.1 Breve contexto histórico A análise da distribuição espacial do voto faz parte dos estudos em geografia eleitoral enquadrados no comportamento do eleitorado tarefa a que se procedeu para o período compreendido entre 1991 e 2015, realizaram-se no nosso país sete eleições legislativas, que se podem definir como eleições de primeira ordem. Neste tipo de eleições, à semelhança do que acontece com as eleições presidenciais, o objetivo é definir o controlo do poder executivo nacional. Dos resultados finais destes escrutínios é possível extrair uma síntese:  O panorama político nacional tem sido dominado geograficamente por dois partidos, PS e PSD, e, em 2015, pela coligação PàF formada pelos partidos PSD e CDS-PP. O PSD e O PS venceram as eleições de forma alternada, e, como tal, é este o principal padrão eleitoral. A disputa entre o PS e o PSD, e em 2015 a coligação PSD.CDS-PP é a principal dimensão da competição visto que aqueles dois partidos têm liderado todos os governos desde a democratização.  Quatro partidos (cinco a partir de 1999) têm dominado a escolha política em Portugal desde 1975, sendo os únicos que continuamente viera a alcançar representação parlamentar. Configura-se então à direita, o Partido do Centro Democrático Social-Partido Popular (CDS-PP); no centro-direita, o Partido Social-Democrata (PSD); no centro-esquerda, o Partido Socialista (PS); à esquerda, o Partido Comunista Português (PCP) e desde 1999 o Bloco de Esquerda (BE). Claro que estas classificações não são estáticas porque, de acordo com as evoluções políticas do eleitorado os partidos vão-se ajustando.  A distribuição espacial do voto confirmou até 2015 existência dum bipartidarismo em Portugal, com os dois principais partidos a obterem sistematicamente a maioria dos votos. Curiosamente a soma da percentagem de votos destes dois partidos tem decrescido ao longo do tempo. Com base nos dados da Comissão Nacional de Eleições (CNE), cartografaram-se os resultados eleitorais dos escrutínios que relativos ao conjunto dos distritos de Portugal Continental. Com base nos partidos vencedores em cada um dos distritos foram construídos os diversos mapas de distribuição do voto apresentados na figura 2. 1975 1979 (AD - PSD+CDS) 1983 1987 1991 1995
  7. 7. 7 1999 2002 2005 2009 2011 Legenda 2015 (PSD.CDS-PP) PPD/PSD-PP AD PS ADU, CDU, PCP-PEV Figura 2 - Evolução e retração dos partidos mais votados ao nível distrital nas eleições legislativas 2.1. Caraterização administrativa e estatística do território e análise eleitoral A análise do comportamento eleitoral tem duas vertentes, e, consequentemente, deve ser visto a partir de dois pontos distintos de observação que se complementam. O primeiro ponto de vista relaciona-se com a distribuição do voto no espaço geográfico e, o segundo, com fatores de natureza socioeconómica que pode ter, ou não, nas várias regiões, uma ligação com o voto nos partidos. A abordagem foi efetuada referindo-se apenas a Portugal Continental e trabalhada a duas dimensões regionais. Uma ao nível de distritos e concelho reportada à distribuição espacial dos votos nos partidos; outra onde se faz uma análise quantitativa das votações ao nível das regiões NUTS III.
  8. 8. 8 Fonte: INE NUT é o acrónimo de “Nomenclatura das Unidades Territoriais para Fins Estatísticos”, é uma nomenclatura para fins estatísticos cuja última versão entrou em vigor em 2015 e é uma nova divisão regional em Portugal. As NUTS III em relação à versão anterior (NUTS 2002) houve alterações significativas no que se refere ao número e composição municipal as quais passaram de 30 para 25 unidades territoriais, agora designadas de «unidades administrativas (figura 3). A opção por esta unidade territorial deve-se ao facto das fontes estatísticas e os indicadores socioeconómicos mais recentes que se utilizaram não se encontrarem desagregadas por distrito e concelho contrariamente o que acontece com os resultados eleitorais. Na geografia eleitoral a análise dos mecanismos geoespaciais não se limitam à expressão espacial da ocorrência de factos de natureza socioeconómica mas também dos de natureza puramente espacial e de relação de posição. Encontram-se neste domínio os fenómenos de difusão espacial que têm dois aspetos marcantes: um é a irradiação dum fenómeno a partir de um foco difusor; outro é o de contágio a partir do qual um fenómeno se alastra em mancha de modo semelhante ao dum processo de difusão como a gripe ou dum qualquer processo de inovação tecnológica, por exemplo. Do mesmo modo pode surgir um recuo no processo de difusão, verificando- Figura 3 - Regiões de Portugal Continental ao nível NUTS III
  9. 9. 9 se então o inverso, isto é, o recuo da mancha não no sentido da difusão mas da regressão do fenómeno. Em termos puramente teóricos isto significa que, se considerássemos durante quatro décadas a existência dos mesmos partidos e que havia eleições de quatro em quatro anos, poderíamos, através da representação espacial dos votos nos partidos, verificar os avanços e recuos ao longo dos anos, assim como a sua evolução em termos de difusão ou retração espacial do votos nesses partidos que seria mais visível numa representação ao nível de concelho e de freguesia dando uma visão mais detalhada da evolução/retração. Desde as eleições de 1995 que o PS foi ocupando o espaço do eleitorado do PPD/PSD com algumas perdas e ganhos nos seus distritos tradicionais de voto, com exceção do ano de 2011, recuperando em 2015 alguns dos que tinha perdido em 2011. Se compararmos o ato eleitoral de 4 de outubro de 2015 com os sete atos anteriores verifica-se que teve uma adesão de baixa grandeza, apenas 5.380.451 eleitores o que corresponde a 56,9% dos inscritos que foram 9.439.701 (quadro 1 e figura 4). Quadro 1 - Percentagem de votantes entre 1991 e 2015 Fonte: CNE Figura 4 - Evolução da % de votantes 2.3. A distribuição espacial do voto 2011-2015 A força política mais votada nas eleições de 4 de Outubro de 2015 foi a coligação de direita PàF-Portugal à Frente constituída pelo PSD e pelo CDS-PP que obteve no continente 36,8% dos votos. O PS obteve 32,4%, o BE 10,2% e a CDU PCP-PEV 8,3%. Os restantes partidos juntamente com os votos brancos e nulos atingem 12.3%. O Partido Pessoas, Animais e Natureza, PAN, obteve representação parlamentar, recolhendo 1,4% dos votos. A taxa de participação mais elevada no Continente foi na freguesia de S. Saturnino no concelho de Fronteira, distrito de Portalegre, onde votaram 80,33% dos 239 inscritos. Pelo contrário, na freguesia de Soajo, concelho de Arcos de Valdevez, distrito de Viana 50,0 55,0 60,0 65,0 70,0 75,0 1987 1991 1995 1999 2002 2005 2009 2011 2015 %deVotantes Anos Evoluçãoda % de votantesentre 1987 e 2015 Ano 1987 1991 1995 1999 2002 2005 2009 2011 2015 % Votantes 71,57 67,78 66,30 61,09 61,48 64,26 60,65 58,03 56,90
  10. 10. 10 do Castelo foi onde se registou a maior taxa de abstenção, pois apenas 22,42% dos 1436 inscritos nesta freguesia foram votar. Uma análise por freguesia mostra que a coligação PàF nas eleições de 2011 foi maioritária nas 3092 freguesias, o PS o mais votado em 926 freguesias, o PCP-PEV em 44 freguesias, o Juntos pelo Povo (JPP) em duas e o CDS-PP.PPM em uma. A cartografia representada nas figuras 4 e 5 mostram a retração que se verificou entre 2011 e 2015 do partido que obteve maior percentagem de votos nos concelhos do país nas duas últimas eleições mostrando a rosa o PS e a laranja a coligação PàF, PPD/PSD.CDS-PP. Quando comparado com a situação observada nas eleições de Junho de 2011, vemos que o mapa continua predominantemente "laranja", mas está agora mais "rosa". O PSD, que em 2011 havia sido o partido mais votado em 246 dos 308 concelhos do país, conseguiu agora, apesar da coligação PàF, constituída por dois partidos, a vitória em 179 concelhos (incluindo resultados do PSD-Madeira). O PS que em 2011 tinha obtido maioria em 51 concelhos, ganhou agora em 124. A coligação PCP-PEV que em 2011 tinha obtido maioria em 10 concelhos obteve apenas a maioria em 4 concelhos em 2015. A difusão dos votos do PS e a retração da coligação PàF pode ser vista na cartografia representada nas figuras 5 e 6 onde se encontram representados os resultados obtidos por estes partidos nas eleições de 2011 e de 2015. As figuras 7 a 11 mostram em tom mais escuro os concelhos onde cada força política mais votada obteve resultados acima da média nacional, e vice-versa. Figura 5 - Votação nos concelhos dos principais partidos em 2011 Fonte: MAI e Marktest Figura 6 - Votação nos concelhos dos prin- cipais partidos em 2015 Fonte: MAI e Marktest
  11. 11. 11 A análise destes mapas permite concluir que as regiões do Norte se mantêm fiéis aos partidos da coligação PàF enquanto nas do Sul o PS e a CDU têm mais peso. A votação no BE e no PAN distribui-se sobretudo pelos concelhos do Litoral e grandes cidades e Áreas Metropolitanas, como se pode confirmar pelos mapas que se seguem. Figura 7 - Concelhos com votações no PPD/PSD.CDS-PP acima da média nacio- nal em 2015 Fonte: MAI e Marktest Figura 8 - Concelhos com votações no PS acima da média nacional em 2015 Fonte: MAI e Marktest Figura 10 - Distribuição dos concelhos com valor médio dos votos do PCP-PEV em 2015 Fonte: MAI e Marktest
  12. 12. 12 Os dados dos votos por freguesia permitem-nos uma análise de algumas curiosidades destas eleições.  O BE obteve o seu melhor resultado na freguesia de Enxames (concelho de Fundão), com 21,54% dos 260 votantes da freguesia.  A coligação PàF obteve a melhor votação na associação de freguesias de Codessoso, Curros e Fiães do Tâmega (concelho de Boticas distrito de Viana do Castelo), com 86,9% dos 221 votantes.  O PCP-PEV registou um máximo de 64.5% dos 279 votantes na freguesia de Alcórrego e Maranhão (concelho de Avis, distrito de Portalegre)  O PS obteve melhor votação na freguesia de Negrões (concelho de Montalegre, distrito de Vila Real), com 65.1% dos 109 votos contabilizados 3. Contextualização do comportamento eleitoral e do voto nos partidos As eleições de 2015 tiveram lugar num contexto político nacional que se suponha ser desfavorável aos partidos da coligação no governo saído das eleições de 2011. Passados quatro anos e meio de austeridade, e apesar descontentamento que gerou nas populações, as eleições de 2015 deram uma maioria relativa de votos à coligação PSD.CDS-PP mas sem conseguir o número de deputados suficientes para um apoio maioritário ao Governo indigitado. Nas eleições de 2009 o Partido Socialista perdeu a maioria absoluta que tinha obtido em 2005 ficando minoritário num parlamento em que o PSD, o CDS-PP, o PCP-PEV e o BE tinham uma maioria de deputados o que não tinha acontecido nos dois anteriores atos eleitorais. A austeridade e os PEC's (Planos de Estabilidade e Crescimento) tinham causado um descontentamento geral na população que, juntamente com toda a instabilidade política provocada pela dificuldade de financiamento do Estado nos mercados, teve como consequência a ajuda externa pelas instâncias internacionais, Figura 11 - Distribuição dos concelhos com valor médio dos votos do PAN em 2015 Fonte: MAI e Marktest Figura 9 - Distribuição dos concelhos com valor médio dos votos do BE em 2015 Fonte: MAI e Marktest
  13. 13. 13 Fundo Monetário Internacional, Banco Central Europeu e Comissão Europeia. Esta situação teve como consequência a queda do Governo minoritário do PS que não durou uma legislatura completa tendo sido derrubado com os votos conjuntos do PSD, CDS-PP, PCP, PEV e BE dando lugar à antecipação das eleições em 2011 que deram uma maioria absoluta ao PSD e ao CDS-PP que formaram uma coligação de Governo. Uma verificação por concelhos da distribuição eleitoral do voto em 2015 mostra que o Partido Socialista apresenta-se com a votação predominantemente a sul embora tenha recuperado em alguns concelhos a norte e no interior a norte do vale do rio Tejo com menor predominância no litoral norte. Quer o Partido Socialista, quer a PàF, obtiveram votos espacialmente distribuídos por todo o país, contudo, evidenciam-se por concelho algumas assimetrias em ambos os partidos. O eleitorado do PS ao longo dos anos foi sempres mais reduzido no norte, no distrito de Leiria e em alguns concelhos do Alentejo, excetuando nas eleições legislativas de 2005 onde obteve a maioria em todos os distritos menos o de Leiria. 4. Análise comparativa do voto nos partidos nas eleições legislativas em 2015 Optou-se selecionar para esta análise apenas os partidos que elegeram deputados para a Assembleia da República através das suas votações por distrito. O apuramento das votações dos partidos efetua-se por freguesia, concelho e distrito enquanto os dados socioeconómicos desagregados disponibilizados encontram-se ao nível de regiões NUTS. Assim, para que fosse possível estabelecer correlações com algumas variáveis socioeconómicas, efetuaram-se os cálculos para apuramento dos votos de cada região NUT a partir dos dados das votações por distrito e ou concelho incluídos em cada uma daquelas regiões (c. f. figura 1). 4.1. Alguns conceitos de base Ainda antes de se avançar com o desenvolvimento deste ponto é essencial o esclarecimento de alguns conceitos utilizados ao longo desta análise baseada em correlações entre o voto nos partidos e indicadores e índices socioeconómicos para que seja possível a sua compreensão. O coeficiente de correlação é uma medida estatística que se calcula por comparação entre diversas observações de duas variáveis, x e y, por exemplo. A medida da variação conjunta das variáveis ou covariação observada num diagrama de dispersão é a correlação entre essas duas variáveis. Um diagrama de dispersão representa graficamente a posição relativa dos pontos que são conjugados pela relação entre essas duas variáveis. Essa medida expressa numericamente por meio dos coeficientes de correlação que representam o grau de associação entre duas variáveis. As medidas genéricas de correlação, frequentemente designadas por R, variam entre -1 e +1. No que respeita ao sinal + significa que as variáveis têm um comportamento no mesmo sentido, isto é, que nos distritos ou regiões em que um partido observa valores altos também o outro terá valores elevados. Um sinal - significará, ao contrário, que, quando o primeiro tem valores altos
  14. 14. 14 o segundo terá valores baixos e vice-versa para cada um dos casos. Assim, no caso concreto em estudo compararam-se os valores das votações em cada um dos partidos nos vários distritos e regiões de nível NUT III. A análise de regressão é uma técnica estatística que tem como objetivo investigar o comportamento entre as variáveis. Considerando que exista um relacionamento funcional entre os valores Y e X, responsável pelo aspeto dum diagrama de dispersão, tem como função explicar parcela significativa da variação de Y com X. Contudo, uma parcela da variação permanece inexplicada e deve ser atribuída ao acaso. Colocando em outros termos: admite-se a existência de uma função que explica, em termos médios, a variação de uma das variáveis com a variação da outra. Frequentemente, os pontos observados no diagrama apresentarão uma variação em torno da reta da função de regressão devido à existência de uma variação aleatória adicional denominada de variação residual. A equação de regressão fornece o valor médio de uma das variáveis em função da outra. Obviamente, caso seja conhecida a forma (equação) do modelo de regressão, a análise será facilitada. O problema, então, ficará restringido à apreciação dos parâmetros do modelo de regressão. Esse caso ocorrerá se existirem razões teóricas que permitam saber previamente que modelo rege a associação entre as variáveis. Geralmente, a forma da linha de regressão fica aparente na própria análise do diagrama de dispersão. Em síntese: Uma regressão simples é uma extensão do conceito correlação/covariância e tenta explicar uma variável chamada variável dependente, usando a outra variável, chamada variável independente. Mantendo a tradição estatística, seja Y a variável dependente e X a variável independente. Se as duas variáveis forem representadas uma em relação a outra num gráfico de dispersão, com Y no eixo vertical e X no eixo horizontal, a regressão tenta ajustar uma linha reta através dos pontos. Quando a reta é ajustada, dois parâmetros emergem - um é o ponto em que a linha corta o eixo Y, chamado de interceção da regressão, e o outro é a inclinação da linha de regressão. Um valor de R ao quadrado muito próximo de 1 indica uma forte relação entre as duas variáveis, podendo a relação ser positiva ou negativa. Uma outra medida numa regressão é o erro padrão, que mede a dispersão em volta de cada um dos dois parâmetros estimados - a interceção e a inclinação. Quanto maior for o valor de R, em módulo, maior será o grau de associação linear entre as variáveis. O coeficiente de correlação não é uma medida resistente, isto é, pode ser influenciado pela existência nos dados de alguns valores “estranhos”, ou seja, valores muito maiores ou menores que os restantes, pelo que deve ser interpretado com o devido cuidado. A representação prévia dos dados num diagrama de dispersão, antes de proceder ao cálculo do coeficiente de correlação, permite detetar a existência de daqueles valores estranhos. 4.2. Os partidos através do voto distrital Analisemos agora os cinco partidos que concorreram a todos os distritos e tiveram assento na Assembleia da República aplicando a técnica num espaço de dezoito dimensões em que onde se localizaram os partidos e que não pode ser representado
  15. 15. 15 graficamente. Estas dezoito dimensões correspondem aos dezoito distritos localizando-se cada partido pela percentagem obtida em cada um deles através dos coeficientes de correlação. O facto de só se analisarem quatro partidos alguns partidos e todos terem concorrido a todos os círculos eleitorais facilitou a sua localização nas dezoito dimensões tornando possível estabelecer uma matriz de correlação entre eles e que se encontra representada no quadro 2. Como se verifica os partidos que mais se assemelham na distribuição espacial do seu voto pelo coeficiente de correlação são o BE-Bloco de Esquerda e o PAN-Partido dos Animais e Natureza (R =+0,87). O mais antagónicos são a coligação PáF constituída pela coligação PSD-Partido Social-Democrata e o CDS-PP-Centro Democrático Social-Partido Popular e o PCP-PEV-Partido Comunista Português e o PEV-Partido Ecológico os Verdes (R = -0,91) partidos que passarão doravante a ser designados pelas suas siglas. O PS encontra-se numa posição antagónica com o PSD.CDS-PP e uma aproximação ao PCP-PEV não revelando qualquer ligação com o BE no que se refere aos votos distritais. Vejamos, através de diagramas de dispersão o significado de alguns destes coeficientes de correlação. 4.2.2. O voto distrital do PS e do PSD.CDS-PP A tendência geral do comportamento dos dois partidos ao longo dos dezoito distritos mostra um antagonismo que corresponde à posição real do eleitorado (figura 12). A nível distrital evidenciam-se tendências muito distintas. Este contrate é evidenciado pela correlação negativa relativamente significativa, R=-0,67, que mostra diminuição de votos no PS quando aumenta a votação no PSD-CDS.PP. Comparando agora os grupos de distritos G1 e G2 que correspondem a distritos do norte e do sul e alguns do centro e é clara a maior implantação eleitoral do PS no grupo G2 que corresponde aos distritos mais a sul e interior centro e de Lisboa que fica aproximadamente dentro das médias dos dois partidos. O grupo G1 é o de maior representação do PSD.CDS-PP como votações muito acima da média dos 38,5% e revela o contraste norte-sul. Nos distritos do sul, centro e grandes centros urbanos (Lisboa e Porto), grupo G2, a correlação não sendo muito forte é contudo negativa, R= -0,40, baixando os votos da coligação quando aumenta os do PS (figura 13a). Numa análise mais fina do grupo G2, distritos de Portalegre, Évora, Setúbal e Beja a situação é totalmente diferente, BE PAN PCP-PEV PSD.CDS-PP BE PAN 0,87 PCP-PEV 0,30 0,22 PSD.CDS-PP -0,54 -0,40 -0,91 PS 0,03 -0,13 0,51 -0,67 Quadro 2 - Matriz de correlação das votações distritais dos cinco partidos com assento na Assembleia da República
  16. 16. 16 quando aumenta o PS a coligação PSD.CDS-PP também cresce com uma correlação relativamente forte e de sentido positivo, o que poderá significar um grau de disputa entre estas duas forças políticas por parte do eleitorado adverso ao voto no PCP-PEV e BE (figura 13). Um grupo intermédio que corresponde a alguns distritos onde se verifica uma aproximação entre os dois partidos que obtiveram votações médias nestes distritos entre os 34,63% e os 35,65%. Figura 12 - Votos distritais do PSD.CDS-PP e do PS Aveiro Beja Braga Bragança C. Branco Coimbra Évora Faro Leiria Lisboa Portalegre Porto Setúbal V. Castelo Vila Real Viseu y = -0,2704x + 43,833 R² = 0,4548 r = - 0,67 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 PSD.CDS-PP % PS % G 1 G 2 Linha média votos PS Beja Évora Portalegre Setúbal y= 0,8067x + 18,858 R² = 0,5666 R=0,75 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 15,00 20,00 25,00 30,00 PS% PPD/PSD.CDS-PP % Figura 13 - Correlação entre os votos distritais do PSD.CDS-PP e do PS nos distritos referenciados (G2) da figura 12
  17. 17. 17 Figura 13a - Correlação entre os votos distritais do PSD.CDS-PP e do PS nos distritos referenciados (G2) da figura 12 4.2.3. Voto distrital do PS e do PCP-PEV Apesar da correlação positiva de valor intermédio de R=+0,51, e da tendência para o voto acompanhar estes dois partidos ao nível distrital há contudo disparidades observando-se três grupos distintos (figura 14). Uma correlação mais restrita entre os partidos nos distritos do norte do grupo G3 os dois partidos veem as suas votações evoluir em sentidos opostos, verificando-se um coeficiente de correlação medianamente significativo mas de sentido negativo, (R=-0,59), especialmente nos distritos de Viana do Castelo, Braga e Viseu com uma evolução mais lenta da tendência decrescente do PCP-PEV (figura 15). Quanto ao grupo G1 as votações progridem no mesmo sentido, subindo um quando sobe o outro como mostra o diagrama de dispersão da figura 16, mas a distância entre as votações dos dois partidos são evidentes. Os distritos de Évora e de Beja encontram-se muito próximo da linha nas votações de ambos os partidos mas o Porto Coimbra Santarém Castelo Branco Lisboa Faro Portalegre Évora Setúbal Beja y = -0,1869x + 41,52 R² = 0,1569 R= - 0,40 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 PS% PSD.CDS-CDS % Aveiro Beja Bragança Castelo Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal V. Castelo e Braga V. Real Viseu y = 0,3149x + 30,633 R² = 0,2561 R=0,51 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 PCP-PEV % PS% Votos distritais do PS e do PCP-PEV G1 G2 G3 Figura 14 - Votos distritais do PS e do PCP-PEV
  18. 18. 18 afastamento do PS é nítido em relação ao PCP-PEV. Destaca-se os distritos de Setúbal e de Beja onde as votações entre os dois partidos estão significativamente afastados. 4.2.4. Voto distrital PCP-PEV e do PSD.CDS-PP A oposição geográfica do voto nestes dois partidos é evidente (figura 17) e a intensidade é antagónica variando de área para área. A evolução do voto de um e de outro partido faz-se sempre em sentidos opostos. O coeficiente de correlação do voto nestes dois partidos é muito forte e de sentido negativo R= -0,91 nos 18 distritos (quadro 2). Tendo em conta a distância entre a reta de regressão e os pontos correspondentes aos distritos não se verifica uma manifesta dispersão. No diagrama de dispersão evidenciam-se três grupos de distritos determinados por mudanças de intensidade no sentido dos votos. No grupo G1 a descida de um partido quando o outro sobe é mais intensa que no grupo G2 e neste ainda mais do que no grupo G3. Viseu V. Real Bragança Braga Guarda V. Castelo Porto y= -0,2993x + 13,521 R² = 0,3479 R = - 0,59 27,50 30,00 32,50 35,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 PCP-PEV % PS % Évora Setúbal Beja y = 0,4872x + 25,686 R² = 0,7151 R=0,85 30,00 32,50 35,00 37,50 40,00 15,00 17,50 20,00 22,50 25,00 27,50 PCP-PEV % PS% Figura 15 - Correlação entre os votos distritais do PS e do PCP-PEV nos distritos referenciados (G3) da figura 14 Figura 16 - Correlação entre os votos distritais do PCP-PEV e do PS nos distritos referenciados (G1) na figura 14
  19. 19. 19 Figura 17 - Votos distritais do PCP-PEV e do PSD.CDS-PP Quer dizer que nos distritos com maior implantação do PCP-PEV o voto na coligação é nitidamente fraco. Por outro lado, nos distritos de maior implantação da coligação é menos relevante o voto PCP-PEV relativamente ao outro partido. Para além dos distritos do grupo os distritos do grupo G2, Faro, Portalegre, Coimbra e Castelo Branco, mostram votos no PSD.CDS-PP superiores às que seria de esperar. Nos distritos do grupo G3, tradicionalmente mais conservadores e cujo voto é tendencialmente dirigido para os partidos de direita, os votos no PCP têm sido muito baixos em todos os momentos eleitorais para a Assembleia da República. A figura 18 mostra, com mais pormenor os distritos do grupo G1, Beja, Évora e Setúbal, um coeficiente de correlação entre o voto na coligação PSD.CDS-PP e do PCP-PEV uma tendência relativamente forte mas negativa, R= -0,63, com um fator explicado por 39% do modelo. Quando aumenta o voto na coligação baixa ligeiramente o do PCP-PEV. Embora o primeiro tenha obtido votações superiores às que seria de esperar, visto serem distritos onde o voto é tradicional e significativamente à esquerda (quadro 3). Apenas 4,85 pontos percentuais separaram a coligação PSD-CDS-PP do PCP-PEV chegando nos distritos de Évora e Setúbal a ser inferior aos votos dos partidos da direita coligada, conseguindo o PS obter neste distritos o maior número de votações, o Figura 18 - Correlação entre os votos distritais do PCP-PEV e do PSD.CDS-PP nos distritos referenciados (G1) da figura 17 Évora Setúbal Beja y = -0,9892x + 43,879 R² = 0,3927 R= - 0,63 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 19,00 20,00 21,00 22,00 23,00 24,00 25,00 PCP-PEV % PSD.CDS-PP
  20. 20. 20 que se vem verificando desde 1995 até hoje estes distritos eram de votação dominante no PCP-PEV. Quadro 3 - Votações em três distritos do sul e respetivas diferenças 5.4.2Voto distrital do PCP-PEV e do BE O diagrama de dispersão da figura 19 mostra que nos distritos do norte as votações nestes partidos não se aproximaram e que o BE superou o PCP-PEV mesmo nos distritos onde tradicionalmente os votos nos partidos de direita são elevados como Bragança, Vila Real e Viseu. Figura 19 – Correlação entre os votos distritais do PCP-PEV e do BE Na correlação, apesar de fraca (R= +0,30), entre os votos destes partidos são evidentes dois grandes grupos de distritos: o grupo G1 com distritos do norte do país onde a votação no BE superou em todos o PCP-PEV; o grupo G2 que reúne os distritos de Beja, Évora e Setúbal que se afastam da reta de tendência foram os únicos onde o voto no PCP-PEV superou, largamente, o voto no BE. A sul, o distrito de Faro, é outro caso que sai fora da tendência onde o voto no BE superou consideravelmente o do PCP-PEV Face a eleições anteriores, a progressão significativa do voto BE nas eleições legislativas de 2015 merece uma análise mais detalhada, sobretudo se comparado com o obtido pelo PCP-PEV. Nos resultados globais das eleições de 2011 a nível nacional as votações do PCP-PEV situavam-se nos 7,94% e as do BE nos 5,19% tendo havido em relação a 2009 perdas expressivas ao nível distrito em ambos os partidos. Comparando os votos dos dois partidos entre 2011 e 2015 (quadro 4 e figuras 20 e 21) verifica-se que houve ganhos Aveiro Beja Braga Bragança C.Branco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Setúbal V. Castelo V. Real Viseu y = 0,1065x + 8,3251 R² = 0,0916 R= 0,30 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,00 2,50 5,00 7,50 10,00 12,50 15,00 17,50 20,00 22,50 25,00 27,50 BE % PCP-PEV % G1 G2 Média votos BE 9,27% Média votos PCP-PEV Distritos % de votos PCP-PEV % de votos PSD. CDS-PP Diferença de votos PCP-PEV e PSD.CDS-PP % de votos PS Évora 21,94 23,96 -2,02 37,47 Setúbal 18,8 22,59 -3,79 34,31 Beja 24,96 20,11 4,85 37,29
  21. 21. 21 substanciais por parte do BE e perdas para o PCP-PEV em alguns distritos, mesmo nos distritos que tradicionalmente votam neste partido: Beja, Évora, Portalegre e Setúbal. Distritos Eleições 2009 Eleições 2011 Eleições 2015 Diferenças 2011-2009 Diferenças 2015-2011 BE PCP-PEV BE PCP-PEV BE PCP-PEV BE PCP-PEV BE PCP-PEV Território Nacional 1 9,85 7,88 5,19 7,94 10,22 8,27 -4,66 -0,06 5,03 0,33 Aveiro 9,01 3,83 5,03 4,09 9,60 4,36 -3,98 -0,26 4,57 0,27 Beja 10,06 28,92 5,19 25,39 8,20 24,96 -4,87 3,53 3,01 -0,43 Braga 7,82 4,63 4,22 4,89 8,80 5,19 -3,6 -0,26 4,58 0,3 Bragança 6,2 2,41 2,30 2,59 5,54 3,07 -3,9 -0,18 3,24 0,48 Castelo Branco 9,08 5,05 4,19 4,89 10,03 6,03 -4,89 0,16 5,84 1,14 Coimbra 10,77 5,76 5,75 6,22 9,89 7,03 -5,02 -0,46 4,14 0,81 Évora 11,12 22,32 4,91 22,06 8,64 21,94 -6,21 0,26 3,73 -0,12 Faro 15,38 7,75 8,16 8,57 14,13 8,68 -7,22 -0,82 5,97 0,11 Guarda 7,55 3,28 3,34 3,48 7,42 3,95 -4,21 -0,2 4,08 0,47 Leiria 9,5 5,11 5,37 4,97 9,66 5,11 -4,13 0,14 4,29 0,14 Lisboa 10,81 9,93 5,72 9,55 10,89 9,84 -5,09 0,38 5,17 0,29 Portalegre 10,75 12,87 4,45 12,81 9,20 12,18 -6,3 0,06 4,75 -0,63 Porto 9,21 5,7 5,13 6,23 11,14 6,83 -4,08 -0,53 6,01 0,6 Santarém 11,91 9,26 5,79 9,02 10,76 9,64 -6,12 0,24 4,97 0,62 Setúbal 14,02 20,07 7,03 19,65 13,05 18,80 -6,99 0,42 6,02 -0,85 Viana do Castelo 8,55 4,19 4,39 4,93 7,96 5,23 -4,16 -0,74 3,57 0,3 Vila Real 5,5 2,86 2,34 3,06 5,18 2,95 -3,16 -0,2 2,84 -0,11 Viseu 6,49 2,86 2,85 2,87 6,72 3,50 -3,64 -0,01 3,87 0,63 Quadro 4 – Votos em % por distrito no BE e no PCP-PEV nas eleições de 2009, 2011 e 2015 Fonte dos resultados eleitorais: CNE - Comissão Nacional de Eleições Comparando os resultados das votações do BE em 2011 e 2015 (figura 20) observamos que em todos os distritos verificou-se um aumento significativo das votações neste partido destacando-se Faro e Setúbal com resultados substancialmente mais elevados. Apesar da fraca implantação deste partido nas regiões eleitoralmente favoráveis aos partidos de direita o BE obteve percentagens de voto significativas. A percentagem média de 4,79% em 2011 passou em 2015 para 9,27%, tendo quase duplicado. 1 Inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores
  22. 22. 22 Figura 20 – Votos no BE em 2011 e em 2015 Quanto às votações PCP-PEV também se verificaram em 2015 ligeiros aumentos na maior parte dos distritos sendo de notar que em Beja, Setúbal e Portalegre se verificaram ligeiras descidas no voto nesta coligação de esquerda. Figura 21 – Votos no PCP-PEV em 2011 e em 2015 Figura 22 – Votos no BE e no PCP-PEV em 2011 0 2 4 6 8 10 12 14 16 % V o t o s BE 2011 BE 2015 0 5 10 15 20 25 30 % V o t o s PCP-PEV 2011 PCP-PEV 2015 0 5 10 15 20 25 30 Votaçõesno BE e no PCP-PEV em 2011 BE PCP-PEV
  23. 23. 23 Evidenciam-se nos restantes distritos ligeiros aumentos, mesmo naqueles onde o PCP- PEV habitualmente tem uma fraca representatividade, nomeadamente nos distritos de Viseu, Viana do Castelo, Guarda, Bragança, Braga e Aveiro (figuras 21, 22 e 23). A percentagem média dos votos obtidos neste partido manteve-se aproximadamente estável, situando-se em 2011 nos 8,63%, passando para 8,85% em 2015. Figura 23 – Votos no BE e no PCP-PEV em 2015 Como já se referiu o BE obteve melhores resultados de sempre em todos os distritos enquanto o PCP-PEV apresentou os resultados mais fracos. A comparação dos votos no PS nas eleições de 2011 e nas de 2015 representadas na figura 24 revela um aumento significativo na maioria dos distritos em 2015 ultrapassando a faixa da média dos 32,42%, excetuando os distritos de Leiria e Braga, com maior incidência nos distritos de Beja, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Guarda e Portalegre. É de salientar a baixa percentual de 1,98% que se verificou somente em Braga. Figura 24 – Votos no PS em 2011 e em 2015 Foi no distrito de Portalegre onde se verificou o maior crescimento do PS. 0 5 10 15 20 25 30 Votaçõesno BE e no PCP-PEV em 2015 BE PCP-PEV 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 % de Votos Votações no PS comparadas PS 2011 PS 2015
  24. 24. 24 Distritos 2011 2015 Diferença 2011 2015 PSD.CDS-PP PS PSD.CDS-PP PS PSD.CDS-PP PS Território Nacional 2 38,63 28,05 36,83 32,38 -2,80 4,33 Aveiro 44,45 25,93 48,14 27,91 3,69 1,98 Beja 23,65 29,79 20,11 37,29 -3,54 7,50 Braga 40,07 32,85 45,61 30,87 5,54 -1,98 Bragança 51,99 26,10 49,41 34,06 -2,58 7,96 Castelo Branco 37,96 34,80 35,31 38,86 -2,65 4,06 Coimbra 40,17 29,18 37,18 35,28 -2,99 6,10 Évora 27,47 29,07 23,96 37,47 -3,51 8,40 Faro 37,03 22,95 31,47 32,77 -5,56 9,82 Guarda 46,32 28,31 45,59 33,78 -0,73 5,47 Leiria 47,00 20,71 48,42 24,82 1,42 4,11 Lisboa 34,10 27,53 34,68 33,54 0,58 6,01 Portalegre 32,46 32,43 27,63 42,43 -4,83 10,00 Porto 39,14 32,03 39,59 32,72 0,45 0,69 Santarém 37,72 25,85 35,82 32,91 -1,90 7,06 Setúbal 25,15 27,14 22,59 34,31 -2,56 7,17 Viana do Castelo 43,59 26,18 45,54 29,82 1,95 3,64 Vila Real 51,41 29,12 51,02 33,06 -0,39 3,94 Viseu 48,38 26,69 51,05 29,65 2,67 2,96 Quadro 5 – Votações por distrito no PSD,CDS-PP e no PS nas eleições de 2011 e de 2015 Fonte dos resultados eleitorais: CNE - Comissão Nacional de Eleições Figura 25 – Votos no PSD-CDS-PP em 2011 e em 2015 2 Inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores 0 10 20 30 40 50 60 % de Votos Votaçõesno PSD.CDS-PP comparadas PSD.CDS-PP 2011 PSD.CDS-PP 2015
  25. 25. 25 Comparando as votações da coligação PSD.CDS-PP de 2015 com 2011 verifica-se que perdeu votos em 39% dos distritos (figura 25). Excetuam-se os distritos de Aveiro, Braga, Leiria, Lisboa, Porto, Viana do Castelo e Viseu que foi onde aquela força partidária conseguiu obter alguma margem, salientando-se Aveiro e Braga com os valores positivos mais significativos (quadro 5). Excetuando o distrito de Braga o comportamento do eleitorado em 2015, no que se refere ao Partido Socialista comparado com a coligação PSD.CDS-PP foi no sentido do aumento da votação em todos os distritos não conseguindo, apesar disso, atingir os resultados eleitorais que obteve em 2009 quando atingiu o resultado global nacional de 36,56% contra os 32,38% em 2015. A explicação pode ser encontrada numa eventual passagem de votos para outros partidos à sua esquerda, nomeadamente o para o PS, para o PAN e para o Bloco de Esquerda este dois últimos como recurso a voto de protesto (quadro 5). Figura 26 - Votos no PSD.CDS-PP e no PS em 2011 Outras possíveis explicações podem ser, em parte, justificadas por uma análise sociopolítica que não se enquadra nos objetivos deste trabalho. Figura 17 – Votos no PSD.CDS-PP e no PS em 2015 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 % Votos Votaçõesno PSD.CDS-PP eno PS em 2011 PSD.CDS PS 0 5 10 15 20 25 30 35 40 45 50 55 % Votos Votaçõesno PSD.CDS eno PS em 2015 PSD.CDS-PP PS
  26. 26. 26 Quanto à distribuição espacial por concelho pode ser observada na cartografia das figuras 5 e 6. Se compararmos os anos as eleições de 2011 com 2015 os dois partidos coligação PSD.CDS-PP e o PS é notável a diferença entre os dois partidos em 2011 com uma perda significativa de votos por parte do PS e uma acentuada votação na coligação de direita. Em 2015 mantem-se na maior parte dos distritos uma votação maioritária na coligação de direita PSD.CDS-PP com alguma recuperação do PS em todos eles verificando-se um recuo apenas no distrito de Braga (figuras 26 e 27). Quanto ao PAN não existem dados de referência que possibilitem, uma avaliação anterior nas mesmas circunstâncias que a dos partidos que já tinham assento na Assembleia da República. 4.3. Os distritos através das votações partidárias Nos números anteriores analisaram-se as associações entre as votações nos partidos, vamos agora ver os graus de associação e ligação entre os distritos tendo em conta o comportamento eleitoral dos partidos nos dezoito distritos. Com base nas votações distritais dos partidos com deputados na Assembleia da República calcularam-se os coeficientes de correlação entre os distritos do continente que se encontram no quadro 6. Evidencia-se um elevado número de correlações muito fortes que nos podem dar uma imagem do agrupamento espacial por grupos de distrito em função das votações nos partidos em análise. Aveiro Beja Braga Bragança CasteloBranco Coimbra Évora Faro Guarda Leiria Lisboa Portalegre Porto Santarém Setúbal VianadoCastelo VilaReal Viseu Aveiro 0,475 0,995 0,989 0,903 0,944 0,614 0,908 0,986 0,997 0,934 0,75 0,973 0,946 0,642 0,996 0,993 0,998 Beja 0,55 0,553 0,725 0,693 0,985 0,715 0,578 0,432 0,73 0,88 0,627 0,714 0,959 0,542 0,531 0,487 Braga 0,997 0,94 0,971 0,682 0,94 0,997 0,985 0,964 0,812 0,99 0,972 0,708 1,000 0,997 0,995 Bragança 0,944 0,972 0,685 0,934 0,999 0,977 0,963 0,819 0,987 0,969 0,702 0,997 0,999 0,994 Castelo Branco 0,994 0,83 0,991 0,958 0,868 0,992 0,955 0,976 0,986 0,864 0,932 0,93 0,906 Coimbra 0,806 0,989 0,982 0,917 0,998 0,925 0,994 0,997 0,836 0,966 0,963 0,946 Évora 0,82 0,707 0,573 0,835 0,941 0,75 0,822 0,985 0,674 0,664 0,625 Faro 0,951 0,877 0,99 0,938 0,978 0,987 0,87 0,931 0,921 0,903 Guarda 0,971 0,974 0,843 0,994 0,979 0,73 0,996 0,996 0,989 Leiria 0,908 0,702 0,954 0,922 0,599 0,988 0,983 0,994 Lisboa 0,935 0,99 0,999 0,863 0,959 0,953 0,936 Portalegre 0,878 0,921 0,958 0,801 0,798 0,758 Porto 0,993 0,784 0,987 0,982 0,973 Santarém 0,85 0,968 0,961 0,947 Setúbal 0,696 0,68 0,644 Viana do Castelo 0,998 0,997 Vila Real 0,997 Viseu Quadro 6 - Matriz de correlação entre os distritos segundo o voto de quatro partidos e uma coligação (BE, PAN, PCP-PEV, PSD,CDS-PP e PS)
  27. 27. 27 A matriz dos coeficientes de correlação do quadro 6 e as figuras 28 e 29 traduz o comportamento eleitoral das populações entre distritos que se podem agrupar segundo o menor ou maior grau de associação. Para estas associações selecionaram-se apenas os distritos cujos coeficientes de correlação são superiores a 0,985 considerados como muito significativos. Todavia, selecionaram-se também outros distritos cujos coeficientes de correlação são menores do que o indicado mas que, apesar de serem mais fracos, são também relevantes e mostram uma tendência de associação entre distritos semelhantes no comportamento eleitoral tendo-se o cuidado, nestes casos, colocar essas ligações a tracejado. Apesar de se ter optado, apenas por uma questão de facilidade de representação gráfica pelos dos distritos com os coeficientes de correlação indicados porque evidenciam uma maioria de correlações muito fortes ao nível de 0,9XX que traduzem a existência de grupos de distritos associados. A correlação mais baixa encontrada foi 0,432 verificada entre os distritos de Beja e de Leiria. Através das ligações entre os distritos com iguais coeficientes de correlação evidenciam-se em primeiro lugar as mais fortes que mostra a existência de três grandes grupos: a) Bragança que se liga primeiro a Vila Real e à Guarda com 0,999 e a Viana do Castelo e a Viseu com 0,997 e 0,994 respetivamente; b) utilizando o mesmo critério da correlação do voto entre partidos que lhes são comuns, segue-se ao mesmo nível Aveiro que se liga a Braga, Viana do Castelo, Viseu e Bragança; c) Aveiro associa- se em primeiro lugar a Viseu, este com o coeficiente de correlação de 0,998 que forma um grupo com aqueles três distritos. Os distritos destes três grupos apresentam entre si coeficientes de correlação significativamente elevados e positivos, daí a sua associação. Figura 28 - Graus de associação e ligação entre os distritos correspondentes ao quadro 6 com coeficientes de correlação iguais ou superiores a 0,9 distritos do norte
  28. 28. 28 Definem-se a partir dos coeficientes de correlação com a votação nos partidos dois grandes agrupamentos de distritos que correspondem a uma dicotomia norte-centro e sul, com algumas exceções que provêm do facto do distrito do Porto se associar aos distritos centro-sul, e o distrito de Leiria a associar-se com os do norte (figura 28), enquanto Coimbra que se associa a norte (Porto, Viana do Castelo e Vila Real), Leiria que está no centro encontra-se no grupo de Viseu e de Aveiro. Braga liga-se a Viana do Castelo com o coeficiente de correlação máximo de 1,000 e a Vila Real e a Bragança ambas com 0,997, muito próximos do grupo Viseu-Leiria-Aveiro- Vila Real. Vila Real que, por seu lado, se associa a Bragança, à Guarda e a Vila Real, ambos com 0,999. Vila Real associa-se mais ao grupo Viseu-Aveiro do que ao conjunto Bragança-Viseu (0,997). Os distritos do norte com um elevado coeficiente de associação configuram um grupo com forte conservadorismo eleitoral e afinidades partidárias no sentido do voto apesar de alguns apresentarem um certo afastamento dessas afinidades. Assim, Coimbra apesar de apresentar afinidades com o conjunto dos distritos do norte tem também afinidades com Santarém e com Lisboa, Castelo Branco mas também pode ser incluído no conjunto nortenho por ter resultados semelhantes. Braga associa-se plenamente a Viana do Castelo e muito próximo de Bragança e Vila Real. O grupo Beja, Évora, Setúbal e Portalegre afasta-se do grupo dos distritos do norte e mantêm entre si forte associação. Figura 29 - Grau de associação e ligação entre os distritos correspondente ao quadro 6 com coeficientes de correlação ao nível 0,9 distritos centro e sul As exceções provêm do facto do distrito do Porto associar-se ao nível da correlação 0,97X e 0,98X com alguns distritos quer do centro, quer do sul.
  29. 29. 29 O grau de coesão entre os distritos do sul Beja, Évora e Setúbal é elevado mas inferior ao que seria de esperar por serem, em grande parte, distritos cujo histórico eleitoral foi sempre de votação mais à esquerda enquanto o conjunto dos distritos do norte evidenciam uma maior homogeneidade com a maior parte dos níveis de ligação acima de 0,9, incluindo Coimbra e Porto. As redes de ligação traduzem o voto um comportamento político nos distritos que se agrupam pelo seu maior ou menor grau de conservadorismo manifestado pelas suas populações nos resultados eleitorais, destacando-se à esquerda Beja, Évora e Setúbal com 0,985 com aproximação a Portalegre e, no polo oposto Vila Real, Bragança, Viseu e Guarda ficando os restantes associados em posições intermédias. Estas associações entre distritos consoante o seu voto partidário revelam uma continuidade espacial de proximidade de comportamento eleitoral como se destaca na figura 30 onde não se encontram representados os partidos BE e PAN visto que não obtiveram maioria em nenhum concelho. Destaca-se também um "nicho" de concelhos no distrito de Coimbra onde há uma continuidade espacial de votações no PS. Em síntese, é evidente uma dicotomia em termos de comportamento eleitoral no voto entre os principais partidos que se verifica entre os distritos do norte e os do sul. Excetuando os distritos do Alentejo e Setúbal as redes a sul formam outros conjuntos associados sem ser por proximidade como Lisboa, Santarém, Castelo Branco, Coimbra e Faro que se estendem até ao Porto que está fortemente associado a Santarém. Apesar das votações mais elevadas nos partidos em alguns distritos as correlações menos significativas verificam-se entre os distritos do norte e os do centro e sul, confirmam a dicotomia salientada pela associação dos distritos de Beja, Évora e Setúbal e de Portalegre com Faro. Figura 30 - Votação nos concelhos dos principais partidos em 2015 1. Análise do voto e alguns indicadores socioeconómicos Em estudos de geografia eleitoral procura-se correlacionar o comportamento eleitoral nas várias unidades espaciais com os valores correspondentes de certos indicadores de natureza social, económica, religiosa e outros mais específicos.
  30. 30. 30 A questão que agora se coloca é a de saber se existem fatores sociais, económicos que possam ser explicativos do voto em cada um dos partidos. Embora saibamos que a correlação entre dois fenómenos não significa que exista necessariamente uma relação de causa e efeito é importante, como hipótese de trabalho, avaliar o grau de correlação entre o voto alguns dos indicadores. Como já anteriormente se notou os indicadores estatísticos encontram-se são apurados e desgregados ao nível NUTS e não por distritos pelo que houve necessidade de fazer o apuramento das votações adequado ao mesmo nível para que se pudessem respeitar e poder referir-se às mesmas unidades espaciais tornado assim exequível estabelecer possíveis relações de causa e efeito. Não se dispondo de indicadores e dados estatísticos exatamente no ano do ato eleitoral de 2015 utilizaram-se os que tivessem mais proximidade temporal, se não em termos absolutos pelo menos em termos relativos. Este tipo de análise, como as anteriores, foi efetuado apenas para os partidos com acento na Assembleia da República que forneceram as grandes tendências do eleitorado. 5. O voto da população empregada por setores de atividade 5.2. O voto e o setor terciário Analisaram-se os três grandes setores de atividade económica: o setor Primário que inclui a agricultura, a floresta, a caça, a pesca e a extração mineral; o Secundário que congrega a indústria transformadora e a construção; o Terciário que inclui serviços, tais como comércio, transporte, administração pública, educação e saúde. Calcularam-se as correlações entre a percentagem de voto nos partidos em 2015 por regiões NUTS III e a população empregada por setor de atividade com dados relativos a 2011 cujos valores não terão sofrido alterações significativas nos últimos quatro anos que provocassem o enviesamento dos cálculos. Quadro 7 - Coeficientes de correlação entre o voto nas regiões NUTS III e os setores de atividade em 2011. Partidos Setores de atividade Primário Secundário Terciário BE -0,51 -0,08 0,35 PAN -0,49 -0,23 0,52 PCP-PEV 0,39 -0,40 0,27 Coligação PSD.CDS-PP -0,24 0,47 -0,44 PS 0,41 -0,48 0,36
  31. 31. 31 As correlações dos votos com os três setores de atividade, como se pode verificar no quadro 7, são relativamente baixas e pouco significativas com exceção da correlação entre o BE e o setor secundário que é muito fraco, sem significado e de sinal negativo, mostrando não existir qualquer ligação entre o voto neste partido e a percentagem de população empregada neste setor de atividade. O setor terciário na correlação com o voto nos partidos origina grupos de dois partidos com coeficientes de correlação de sinal oposto: o PS com R= +0,36 e a coligação PSD.CDS-PP com R= -0,44. Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho AMLisboa AM Porto Ave Cávado Região Aveiro Região Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terrade Trás-os- Montes Viseu Dão-Lafões y = 0,1992x + 19,71 R² = 0,1325 R= 0,36 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 PS% % Pop Emp no Setor Terciário 2011 Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AM Lisboa AM PortoAve Médio tejo BeiraBaixa Douro Lezíria do Tejo Médio Tejo Regiões Aveiro e de Leiria Região de Coimbra Tâmega e Sousa TerrasTrás-os- Montes y= -0,5592x + 76,664 R² = 0,1942 R= - 0,44 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 PSD.CDS-PP % % Pop Empregada no setor terciário 2011 Figura 31 - Correlação entre o voto no PS e população empregada no setor terciário por NUTS III Gráfico 32 - Correlação entre o voto no PSD.CDS-PP e a população empregada no setor terciário por NUTS III de 2015
  32. 32. 32 As correlações dos votos no PS e do PSD.CDS-PP com o setor terciário são muito aproximadas, diferença de 0,08 em módulo, mas apresentam variação de sentido oposto o que indicia de certa maneira que o aumento da percentagem de população empregada naquele setor é acompanhado por um aumento do voto no PS e por um decréscimo no voto na coligação PSD.CDS-PP o que é confirmado pelos diagramas das figuras 31 e 32. Com alguma expressividade os diagramas de dispersão mostram uma dicotomia norte-sul do voto e uma separação nítida entre das regiões da Área Metropolitana de Lisboa, mais próxima das regiões do sul, e da Área Metropolitana do Porto que se aproxima das regiões mais a norte apesar de esta ter percentagens de população do setor terciário também mais elevadas, ficando a região de Coimbra num ponto intermédio às duas. A reta de regressão separa, em parte, as regiões do Norte e as do Sul, confirmando que, a uma menor percentagem de população empregada no setor terciário correspondem maiores votações no PS. As percentagens superiores a 60% da população empregada naquele setor concentraram os votos no PS e as com percentagens mais baixas mostraram maior incidência na votação na coligação do PSD.CDS-PP como pode ser verificado no diagrama de dispersão da figura 32. Enquanto o PS, o BE e o PCP-PEV vêm o seu voto aumentado quando sobe a percentagem de população empregada no setor terciário a coligação PSD.CDS-PP, pelo contrário, apresenta votações mais baixas quando aumenta aquela percentagem. Estas conclusões são apenas tendenciais, pois, como se pode ver nas figuras e no quadro dos coeficientes de correlação, a percentagem de população empregada no setor terciário por regiões NUT III leva a distinguir dois grandes grupos que se agrupam acima e abaixo da reta de regressão e que correspondem aproximadamente às regiões localizadas a norte e a sul. As Áreas Metropolitanas do Porto e a Área Metropolitana de Lisboa situadas sobre a reta distanciam-se, a primeira por ter mais elevada votação na coligação mas com menos percentagem de população no setor terciário e a segunda com mais percentagem de população empregada no terciário mas com menos votação. É curioso verificar ainda que neste caso há uma tendência para o aumento da votação no partido quando menor a percentagem de população do setor terciário. Nas regiões do sul tendencialmente com menos votação no caso do PS verifica-se o inverso. Repare-se que a correlação do PSD.CDS-PP com o setor secundário é o mesmo que o do PS mas este de sentido contrário (R = - 48), mostrando que o primeiro ganha o segundo perde. No que se refere ao BE verifica-se uma correlação positiva muito próximas do PS, con- tudo, o diagrama de dispersão (figura 33) mostra diferenças significativas na distribuição do voto naquele partido, nomeadamente na região do Algarve, onde, devido aos serviços ligados ao turismo, se verificou apesar de fraca, uma correlação positiva do voto no BE.
  33. 33. 33 Nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e do Porto as votações praticamente foram iguais sendo a diferença de 0,01% derivado ao cálculo ter sido efetuado ao nível NUTS III que não incluem apenas os concelhos dos respetivos distritos mas abrangem também outros às suas periferias. A AM de Lisboa inclui o antigo distrito de Setúbal e a AM Porto inclui uma parte do distrito de Braga e uma parte do distrito de Aveiro (antiga região de Entre Douro e Vouga). Para esta análise a diferença de décimas ou centésimas não é relevante visto não afetar o apuramento de mandatos. As regiões do norte, Alto Tâmega, Terras de Trás-os-Montes, Douro, Viseu Dão Lafões e Alto Minho, apesar das percentagens relativamente elevadas de população empregada no setor terciário, superior a 60%, não corresponderam a mais votos no BE. Nas regiões do sul o efeito foi contrário ao do PSD.CDS-PP (figura 34). Alentejo Litoral Algarve Região de Coimbra Alto Minho Alto Tâmega AM LisboaAMPorto Ave Douro Lezíriado Tejo OesteRegião de Aveiro e de Leiria Tâmega e Sousa TerrasTrás-os- Montes Viseu Dão Lafões y = 0,0934x + 2,8869 R² = 0,123 R = 0,35 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 BE % % Pop Emp no Setor Terciário em 2011 Alentejo CentralAlentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Tâmega AM de Lisboa AMdo Porto Ave Médio Tejo Beira Baixa Douro Lezía do Tejo Região Coimbra Tâmega e Sousa Terrasde Trá-os- Montes y = 0,2193x - 6,0191 R² = 0,0751 R = 0,27 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 PCP-PEV % % de Pop Emp no Setor Terciário 2011 Gráfico 33 - Correlação entre o voto no BE e população empregada no setor Terciá- rio por NUTS III de 2015 Gráfico 34 - Correlação entre o voto no PCP-PEV e população empregada no setor Terciário por NUTS III de 2015
  34. 34. 34 O coeficiente de correlação com o voto no PCP-PEV e a população empregada no setor terciário é extremamente baixo situando-se em R= +0,27. A comparação da correlação do setor terciário com o voto nos partidos mostra que, excetuando o PCP-PEV, os três outros partidos têm coeficientes de correlação mais elevados e que o único que revela uma correlação negativa com este setor é o PSD.CDS-PP. A explicação para este facto poderá estar em que a percentagem mais elevada da população empregada no terciário, acima dos 65 a 70%, concentra-se sobretudo nas regiões do sul com exceção das Terras de Trás-os-Montes que se encontra no limiar deste valor e que apresenta votos elevados na coligação. Figura 25 - Correlação entre o voto no PAN e a população empregada no setor Terciário por NUTS III de 2015 Entre o conjunto dos partidos analisados o PAN é um caso atípico por ser o único que apresentou com a população empregada no setor terciário uma correlação positiva relativamente mais elevada do que os restantes, R= +0,52. O diagrama de dispersão da figura 35 mostra a relativamente elevada percentagem votação no partido em função da população empregada no setor terciário. A distribuição dos pontos mostra uma concentração das regiões entre os 0,5% e 1% dos votos nas que apresentam mais de 60% de população empregada no setor e uma percentagem ainda mais elevada de votos nas Áreas Metropolitanas de Lisboa e Porto e no Algarve. Não se verifica uma clara dicotomia entre o norte e o sul com o voto neste partido como se verificou nos outros partidos. 5.3. O voto e o setor secundário O setor secundário de atividade inclui indústria transformadora e construção e é ocupada por trabalhadores comumente denominados por operários. Com este setor todos os partidos apresentam correlações negativas com exceção do PSD.CDS-PP que apresenta uma correlação positiva de +0,47 (figura 36). Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AM de Lisboa AM do Porto Ave Médio Tejo Cávado Douro Lezíriado tejo Baixo Alentejo Oeste Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terrasde Trás-os- Montes y = 0,0256x - 0,6868 R² = 0,2667 R = 0,52 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 PAN % Pop Emp no setor Terciário em % 2011
  35. 35. Nas regiões de Aveiro, Leiria, Ave Porto regiões onde existe uma elevada indústria como é o caso, por exemplo nível de industrialização devido à forte presença de empresas ligadas à indústria têxtil, sobretudo vestuário. Sendo intensivo de mão-de-obra que setor secundário, acrescido o facto d postos de trabalho ameaçada pelo eventual fecho de empresas devido a imprevisíveis conjunturas políticas adversas cariz politicamente mais conservador y= 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,0 PS% Figura 37 - Correlação entre o voto n Figura 36 - Correlação entre o voto no PS Nas regiões de Aveiro, Leiria, Ave, Cávado, Tâmega e Sousa e Área Metropolitana do existe uma elevada percentagem de população empregada na por exemplo, do vale do Ave, zona caracterizada por um forte nível de industrialização devido à forte presença de empresas ligadas à indústria têxtil, sobretudo vestuário. Sendo regiões especializada em indústrias com base no uso obra que se reflete num elevado número de empregados acrescido o facto duma possível insegurança na manutenção dos postos de trabalho ameaçada pelo eventual fecho de empresas devido a imprevisíveis conjunturas políticas adversas pode ser um fator explicativo o que lhes cariz politicamente mais conservador. Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Douro Alto Tâmega AMde Lisboa AM do Porto Ave Alto Trás-os-Montes BeiraBaixa Cávado Douro Região de Aveiro Região de Leiria Tâmega e Sousa Viseu Dão Lafões y= -0,2209x + 39,078 R² = 0,2306 R= - 0,48 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 % Pop Emp no Setor Secundário 2011 Correlação entre o voto no PS e população empregada no setor Secundário por NUTS III de 2015 Correlação entre o voto no PSD.CDS-PP e população empregada no setor Secundário por NUTS III de 2015 35 e Área Metropolitana do população empregada na zona caracterizada por um forte nível de industrialização devido à forte presença de empresas ligadas à indústria têxtil, especializada em indústrias com base no uso mero de empregados do insegurança na manutenção dos postos de trabalho ameaçada pelo eventual fecho de empresas devido a imprevisíveis pode ser um fator explicativo o que lhes confere um Tâmega e Sousa 60,0 e população empregada no setor e população empregada no setor
  36. 36. 36 Por sua vez, a correlação do voto no PS com o setor secundário (R= -0,47) sendo praticamente igual à do PSD.CDS-PP (R= +0,48) é no entanto de sentido inverso como mostra o diagrama de dispersão da figura 37. O PS obteve, a norte do Tejo, votos tanto mais quanto menor a população empregada no setor secundário. A tendência mostra o voto no PS a baixar quando aumenta a percentagem do operariado nas regiões mais industrializados do litoral-norte Aveiro, Leiria, Ave, Cávado, Tâmega e Sousa e Área Metropolitana do Porto. Só uma análise mais detalhada ao nível dos concelhos e dos centros urbanos permitiria saber ao certo qual o tipo de voto da população empregada neste setor. Salientam-se regiões como a Área Metropolitana de Lisboa, Algarve, Terras de Trás-os- Montes e Douro onde se encontra menos população empregada no setor secundário e onde o PS obteve relativamente menos votos. O BE apresenta com o setor secundário um coeficiente de correlação negativa sem significância não existindo qualquer relação entre o voto e a população empregada neste setor (figura 38). Como se viu anteriormente voto neste partido tem uma correlação mais significativa com o setor terciário o que leva a admitir que poderá ter mais influência nos trabalhadores dos serviços do que no operariado. No que se refere ao PCP-PEV estes partidos em coligação apresenta um coeficiente de correlação com a população empregada no setor secundário muito próxima do PS e do mesmo sentido. O diagrama de dispersão da figura 39 mostra uma tendência para a uma menor votação no PCP-PEV quando aumenta a percentagem da população empregada no setor secundário nomeadamente nas regiões do litoral-norte mais industrializadas que, como já se viu, mostram uma tendência para um comportamento eleitoral mais direitista. Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AM Lisboa AMPorto Ave BeiraBaixa Cávado Douro Médio Tejo Região de AveiroRegião de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Baixo Alentejo Viseu Dão Lafões y = -0,0177x + 9,5693 R² = 0,0062 R= 0,08 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 BE % Pop Emo no setor Secundário em % 2011 Figura 38 - Correlação entre o voto no BE e população empregada no setor secundário por NUTS III 2015
  37. 37. 37 As regiões do sul, nomeadamente a Área Metropolitana de Lisboa, Alentejo Central, Alentejo Litoral e Baixo Alentejo são que, tendo menos população empregada no setor secundário, abaixo do 25%, mostram uma tendência para o voto na coligação PCP-PEV. A região do Algarve abaixo da reta de regressão que separa em grande medida as regiões do norte e do sul, destaca-se do grupo das regiões do sul tendencialmente de votação no PCP-PEV aproximando-se a algumas regiões do norte e centro onde há uma baixa percentagem de trabalhadores no setor, entre os 15% e os 20%, ficando abaixo da linha de votação dos 10% naquele partido. Sendo o PCP um partido cuja base eleitoral seriam os trabalhadores do secundário, que designada por classe operária, a explicação para esta "fuga" do seu eleitorado tradicional poderá ser idêntica à que se apontou para explicar a forte votação no PSD.CDS-PP da população empregada neste setor. 7.2. O voto e o setor primário O voto nos partidos e os trabalhadores do setor primário, agricultura, silvicultura (floresta), caça, pesca e extração mineral mostram correlações muito baixas de sentido negativo com a coligação PSD.CDS-PP, e médias mas também negativas com o BE e o PAN. Apenas o PS e o PCP-PEV apresentam coeficientes de correlação aproximados e do mesmo sentido positivo. As percentagens mais baixas da população empregada no setor primário ocorrem nas regiões litorais e mais industrializadas. O Algarve insere-se no grupo das que têm percentagens de população no setor próximas da mediana, 4,8%. No diagrama de dispersão da figura 40 pode verificar-se que a coligação PCP-PEV obteve menos votações na maior parte das regiões que apresentam menores percentagens de população a trabalhar no setor primário. As regiões do sul, Alentejo Central, Alentejo Litoral e Baixo Alentejo apresentam um grande afastamento da reta de regressão enviesando a tendência de voto das restantes regiões. A norte, as regiões Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto douro Alto Tâmega AMLisboa AM Porto Ave Baixo Alentejo BeiraBaixa Cávado Douro Lezíriado Tejo Médio Tejo Região Aveiro Região de Coimbra Tâmega e Sousa Terrade Trás-os Montes Viseu Dão Lafões y = -0,2674x + 15,982 R² = 0,1579 R= - 0,40 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 PCP-PEV % PopEmp no setor Secundário em % 2011 Figura 39 - Correlação entre o voto no PCP-PEV e população empregada no setor secundá- rio por NUTS III 2015
  38. 38. 38 Terras de Trás-os-Montes, Douro, Alto Tâmega apresentam inversamente das anteriores percentagens mais elevadas no setor primário com menos percentagem de votos no PCP-PEV. No Alto Alentejo decrescem drasticamente os votos no PCP-PEV assim como na Lezíria do Tejo. As regiões mais rurais a norte, onde se encontram maiores percentagens de trabalhadores no setor primários são as que apresentem menor percentagem de votos neste partido. O voto no PS é o que mais se correlaciona com a distribuição destes trabalhadores (R=+0,41) encontrando-se nas regiões mais rurais um pouco mais à frente do PCP-PEV (R=+39). O voto neste partido aparenta correlacionar-se mais com a população empregada no setor primário e terciário do que no secundário, este com maior predominância no litoral norte onde obtém, como já vimos, uma correlação negativa (R= -40). Nas regiões com maior percentagem de população empregada no setor primário conseguiu percentagens de votos acima dos 25% que tendencialmente também cresce com o aumento dos empregados naquele setor (figura 41) com destaque para as regiões do Alentejo Litoral, Alentejo Central e Baixo Alentejo. As regiões de Aveiro e de Leiria, apesar de terem menos população a trabalhar no primário, é onde obtém percentagem de votos abaixo dos 25%. É ainda nestas regiões mais industrializadas a norte onde este partido baixa a tendência de voto relativamente aos trabalhadores do secundário. O PS mostra assim significativa votação nas regiões com elevada percentagem de população empregada no setor primário não se verificando neste caso uma clara dicotomia entre o norte e o sul, mas, nas regiões abaixo 7,5% de trabalhadores neste setor há um nítido decréscimo dos votos neste partido. Nestas condições encontram- se regiões do norte como o Douro, Tâmega, Trás-os-Montes, abaixo da reta de regressão que estão próximas do Alto Alentejo, Alentejo Central e Baixo Alentejo. Encontra-se ainda um grupo de regiões intermédias em termos de percentagem de Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AMde Lisboa AM do Porto Ave Baixo Alentejo Douro Lezíriado Tejo Região de Aveiro Região de Leiria Alto Trás-os-MpntesViseu DãoLafões y = 0,6083x + 4,9603 R² = 0,1498 R = 0,39 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 PCP-PEV % Pop Emp no setor Primário em % 2011 Figura 40 - Correlação entre votos no PCP-PEV e a população empregada no setor primário por NUTS III 2015
  39. 39. 39 população empregada no setor como a Lezíria do Tejo, Beira Baixa e Beiras e Serra da Estrela que apresentam votos altos no PS. A coligação PSD.CDS-PP apresenta com o setor primário a mais baixa correlação negativa dentre todos os partidos, R= -0,24, que é pouco significativa e com grande dispersão das regiões como mostra a figura 42. O voto neste partido mostra não existir uma relação bem definida com a percentagem de trabalhadores no setor primário. Todavia, menores percentagens de população ocupada no setor primário correspondem a percentagens de voto mais elevadas. Verificam-se contudo exceções como as regiões do Alto Tâmega, Terras de Trás-os-Montes e Douro onde a uma população mais elevada a trabalhar no setor primário correspondem também votações muito superiores à média daquele partido, 39,63%. Alentejo Central Alto Alentejo Tâmega AM Lisboa AMPorto Ave Baixo Alentejo BeiraBaixa Beirase Serrada Estrela Cávado Douro Lezíriado Tejo Médio Tejo Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Trás-os-Montes Dão Lafões y = 0,438x + 30,348 R² = 0,166 R= 0,41 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 PS% PopEmp no setor Primário % 2011 Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AMLisboa AMPorto Ave Baixo Alentejo BeiraBaixa Cávado Douro Lezíriado Tejo Região de Aveiro Oeste Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Alto Trás-os-Montes Viseu Dão Lafões y = -0,5892x + 43,061 R² = 0,0559 R= - 0,24 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 0,0 2,0 4,0 6,0 8,0 10,0 12,0 14,0 16,0 PSD.CDS-PP % Pop Emp no setor Primário em % 2011 Figura 41 - Correlação entre votos no PS e a população empregada no setor primário por NUTS III 2015 Figura 42 - Correlação entre o voto no PSD,CDS-PP e a população empregada no setor primário por NUTS III 2015
  40. 40. 40 A Lezíria do Tejo, Alto Alentejo, Alentejo Central, Alentejo Litoral e Baixo Alentejo com elevadas percentagens de setor primário atribuíram menores votos à coligação PSD.CDS-PP. A região do Algarve onde o setor terciário é dominante o voto neste partido, a par da Área Metropolitana de Lisboa e da Lezíria do Tejo, foram as regiões onde o voto foi mais baixo ficando abaixo da média. Estes resultados denotam, mais uma vez, a dicotomia entre o litoral norte, onde se encontra uma população em certa medida ocupada no setor secundário, e o sul com maior número de trabalhadores no setor primário, em especial nas regiões do Alentejo e Lezíria do Tejo. Salienta-se ainda as regiões do Alto Tâmega, Alto Trás-os-Montes e Douro onde contrariamente à tendência tendo elevado número de trabalhadores no setor primário contribuíram com elevada percentagem para o de voto na coligação. Consultando os resultados eleitorais desde 1975 verifica-se que o PSD sozinho ou coligado obtiveram percentagens de votos maioritários na maior parte das regiões do norte, litoral e interior e que apenas em 2005 o PS ganhou votos em todas as regiões exceto na região de Leiria. 2. O voto e os níveis de escolaridade Neste ponto continuamos a recorrer à técnica estatística da correlação para correlacionar o voto dos partidos. As unidades espaciais foram as regiões ao nível NUT III. Tomando como base aquelas unidades espaciais analisou-se o voto de cada um dos quatro partidos em função do nível de escolaridade segundo os Censos 2011 calculado em percentagem. Estes dados dos níveis de escolaridade são os mais recentes e referem-se a quatro anos antes das eleições o que poderá de algum modo distorcer os resultados ainda que minimamente não afetando em grande medida os coeficientes calculados já que as retas de regressão daí resultantes mostram apenas uma tendência. Em síntese, o objetivo desta parte da pesquisa é tentar identificar no geral a importância de tais características, ou de algumas delas, no comportamento eleitoral em cada uma das unidades espaciais. A análise incidiu sobre o nível de escolaridade do total da população em cada região NUT III e não apenas sobre a escolaridade da população votante visto o que o pretendido não é apenas a população eleitora mas o total em cada região. Para determinação dos coeficientes de correlação considerou-se, como se disse, o voto nos partidos e o nível de escolaridade da população total em cada região cujos valores podem ser verificados no quadro 9. BE PAN PCP-PEV PSD.CDS-PP PS Sem nível de escolaridade -0,54 -0,65 0,23 -0,15 0,44 Básico 1º ciclo -0,73 -0,76 -0,47 0,52 0,04 Básico 2º ciclo -0,05 -0,12 -0,20 0,32 -0,39 Básico 3º ciclo 0,83 0,73 0,30 -0,37 -0,21 Secundário 0,79 0,88 0,35 -0,47 -0,03 Superior 0,39 0,60 -0,02 -0,08 -0,09 Quadro 9 - Coeficientes de correlação entre o voto regional e o nível de escolaridade.
  41. 41. 41 Como se pode verificar os coeficientes de correlação mais fortes e positivos verificam- se nos partidos PAN e BE. O BE apresenta para o nível de escolaridade básico 3º ciclo e secundário coeficientes de correlação significativos de R= +0,83 e R= +0,79 respetivamente. Estes valores contrastam, no mesmo partido, com as correlações também significativas, mas negativas, com os grupos sem nível de escolaridade, R=-0,54 e R= -0,73 para o 1º ciclo do ensino básico. e) O voto no PSD.CDS-PP e o nível de escolaridade O quadro 9 destaca que, contrariamente aos outros partidos, a coligação PSD.CDS-PP apresenta correlações positivas com o voto apenas nos níveis de escolaridade básica do 1º e 2º ciclo, R= +0,52 e R= +0,32 respetivamente. Nos restantes níveis de escolaridade as correlações são fracas e de sentido negativo, ou seja, o voto naquele partido aumenta quando o nível de escolaridade das regiões é mais baixo. O nível do ensino superior mostra uma correlação negativa sem significado com os votos no PSD.CDS-PP. A uma maior percentagem de população com escolaridade básica do 1º ciclo corresponde uma maior percentagem de votos na coligação (R= +0,52), verificando-se uma vez mais assimetrias regionais entre o norte e o sul. O diagrama de dispersão da figura 45 mostra claramente que, com exceção das regiões do sul, a uma percentagem de população mais elevada com o nível de escolaridade do 1º ciclo do ensino básico corresponde uma maior percentagem de votos na coligação o que significa que, nas regiões do norte, a um maior número de votos na coligação corresponde a uma maior percentagem de população com mais baixo nível de escolaridade. Salienta-se ainda que em todas as regiões a percentagem de população que possuí apenas escolaridade ao nível do 1º ciclo é a mais elevada de todos os níveis de escolaridade sendo a média de 29,3% com desvio-padrão de 2,98. Os restantes níveis de escolaridade apresentam médias de 12,6%, 18,2%, 14,4% e 11,2% para o básico 2º ciclo, básico 3º ciclo, secundário e superior respetivamente. Figura 45 - Correlação entre o voto no PSD.CDS-PP e a população com ensino básico 1º ciclo Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Minho A M Lisboa A M do Porto Baixo Alentejo Beira Baixa Cávado Douro Lezíriado tejo Oeste Regiõesde Aveiro e de Leiria Tâmega e Sousa Viseu Dão Lafões y = 1,8143x - 13,604 R² = 0,2683 R= 0,52 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 PSD.CDS-PP % Básico 1º ciclo %
  42. 42. 42 Figura 36 - Correlação entre o voto no PSD.CDS-PP e a população com o nível secundário No nível do ensino secundário no qual o BE e o PAN mostram correlações relativamente fortes e de sinal positivo o PSD.CDS-PP apresenta um coeficiente de correlação negativo fraco (figura 46) R= -0,47. A média de todas as regiões na escolaridade do secundário é de 14,4% com um desvio padrão de 1,87, ocorrendo nas regiões do norte as percentagens regionais mais baixas, portanto abaixo da média, onde o voto na coligação foi também mais elevado. Excetuam-se o Alto Alentejo e Baixo Alentejo onde a coligação obteve votações das mais baixas. A região de Leiria e do Cávado são as que mais se destacam por terem uma percentagem de população com o nível secundário elevada contrariando a tendência apresentando percentagem de voto também elevado. A região de Aveiro apresenta naquele nível de escolaridade uma percentagem muito próxima da média apesar de ser no nível de ensino superior que esta região se salienta com percentagens muito acima da média, 13,2%, numa média de 11,2%, o que a coloca em quarto lugar entre todas as regiões. Um dos fatores explicativo poderá ser a existência da universidade com elevado prestígio e nível de qualidade cujos alunos que dela saem alimentam, em parte, as empresas desta região industrializada. No entanto, é de notar que o coeficiente de correlação da coligação PSD.CDS-PP com este nível de ensino é irrelevante e de sentido negativo, R= -0,08, se comparado com o BE e o PAN. O coeficiente de correlação daquela coligação com a população sem escolaridade, R = -15, explica apenas 0,02% do fenómeno mostra que não existe qualquer relação com os votos na coligação, daí não se apresentar o respetivo diagrama de dispersão. f) O voto no PAN e o nível de escolaridade No grupo dos partidos analisados o PAN evidencia-se apresentando um coeficiente de correlação relativamente elevado entre a percentagem de população com nível do ensino secundário e o voto neste partido. Abaixo deste nível de escolaridade as correlações mais significativas são negativas evidenciando que a diminuição do voto neste partido é acompanhada por elevadas percentagens de baixo nível de escolaridade. Isto é, quanto mais baixo o nível de escolaridade menor a votação no PAN. Alentejo central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega AMLisboa AMdo Porto Ave Baixo Alentejo BeiraBaixa CávadoDouro Lezíriado Tejo Médio Tejo Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terras Trás-os- Montes Viseu Dão Lafões y= -2,6279x + 77,398 R² = 0,2222 R= -0,47 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 50,00 55,00 60,00 10,0 11,5 13,0 14,5 16,0 17,5 19,0 20,5 PSD.CDS.PP% NívelSecundário %
  43. 43. 43 No nível de escolaridade superior é este partido que apresenta a maior correlação positiva o que significa que as regiões com maiores percentagens de escolaridade de nível superior terão votado mais no PAN (figura 47). Figura 47 - Correlação entre o voto no PAN e a população com ensino superior A média nacional neste nível de escolaridade situa-se nos 11,2% com desvio-padrão de 2,72. A maioria das regiões onde o PAN obteve mais votos foi entre os 0,75% e os 1,25%, que se encontram aproximadamente dentro da média de 1,01% com um desvio padrão de 0,4. É este o partido que apresenta percentagens mais elevadas de população com mais elevados níveis de escolaridade ao nível secundário e superior. Todavia, a maior parte das regiões do norte foram as que menos atribuíram voto ao PAN. O retângulo a tracejado demarca as regiões onde se concentram as regiões dentro da média dos votos e do nível de escolaridade superior que se situa dentro das respetivas médias não se verificando uma nítida dicotomia norte-sul. Nas regiões da Área Metropolitana de Lisboa, Área Metropolitana do Porto, Região de Coimbra e Algarve foi nas que e o PAN obteve percentagem de votos mais elevada e também onde se encontra o nível de escolaridade superior mais elevado possivelmente pela influência de ser nessas regiões onde se localizam universidades relevantes. No que respeita à correlação entre o nível secundário da escolaridade e o voto no PAN o coeficiente é positivo e muito significativo, R= +0,88. No diagrama de dispersão da figura 48 observa-se que a dicotomia norte-sul não é nítida como se tem verificado na maior parte dos casos. Os pontos correspondentes às regiões no diagrama acompanham claramente a reta de regressão mostrando que o voto no PAN aumenta quando também aumenta a população com aquele nível de escolaridade. A escolaridade de nível secundário terá tido influência para o voto naquele partido. Alto Minho Alentejo Litoral Algarve Alentejo Central Alto Tâmega A M Lisboa A M Porto Ave Baixo Alentejo Cávado Douro Lezíriado Tejo Oeste Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terrasde Trás-os- Montes y= 0,0899x + 0,0004 R² = 0,3592 R=0,60 0,00 0,25 0,50 0,75 1,00 1,25 1,50 1,75 2,00 2,25 2,50 0,0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 22,5 PAN % Ensino superior %
  44. 44. 44 Figura 48 - Correlação entre o voto no PAN e a população com ensino secundário g) O voto no BE e o nível de escolaridade O BE apresenta uma correlação média e negativa com a percentagem da população sem escolaridade. O diagrama de dispersão da figura 49 mostra a tendência para que a associação de percentagens mais elevadas de população sem nível de escolaridade com a baixa votação neste partido revelando também a dicotomia norte-sul, embora neste caso com disparidades reveladas pelo afastamento da reta de regressão. A região do Algarve é um caso evidente visto que, encontrando-se numa posição um pouco abaixo da média neste nível de escolaridade (13,4%), consegue um resultado em votos muito acima da média de 9,08%. Alto Minho Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo A M Lisboa A M Porto Baixo Alentejo Lezíriado Tejo Oeste Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terrasde Trá-os- Montes y = 0,1927x - 1,7594 R² = 0,7815 R= 0,88 0,00 0,50 1,00 1,50 2,00 2,50 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 PAN % Ensino secundário % Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega A M Lisboa A M Porto Ave Baixo Alentejo Região de Coimbra Região de Leiria Terra de Trãs-os- Montes Viseu Dão Lafões y = -0,3643x + 13,969 R² = 0,2934 R = - 0,54 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,0 5,0 10,0 15,0 20,0 BE % Sem escolaridade % Figura 49 - Correlação entre o voto no BE e a população sem escolaridade
  45. 45. 45 Nas regiões do Alentejo percentagens elevadas de população com falta de escolaridade correspondem votos mais baixos elevados no BE contrariamente às regiões do norte. Relativamente à percentagem de população com o 3º ciclo do ensino básico correlacionada com o voto no BE mostra um coeficiente de correlação muito significativo com, R= +0,83 como mostra a figura 50. Figura 50 - Correlação entre o voto no BE e a população com 3ºciclo ensino básico A dispersão das regiões entre votos e as percentagens de população com escolaridade do 3º ciclo do ensino básico não evidencia uma clara dicotomia norte-sul e que, independentemente da região, verifica uma forte tendência para crescer o número de votos no BE quanto mais elevada a percentagem de população com aquele nível de escolaridade. A norte são as regiões de Terras de Trás-os-Montes, Alto Tâmega e Douro que se afastam nitidamente das outras, apresentando percentagens de população com o nível 3º ciclo abaixo da média dos 18,2% e voto muito baixo da média de 9,08% do BE. h) O voto no PS e o nível de escolaridade A análise das correlações dos níveis de escolaridade com o voto no PS mostra este partido com coeficientes com os níveis de escolaridade extremamente fracos e a não existência de qualquer correlação significativa com os níveis de escolaridade mais altos. Apenas o nível sem escolaridade é o que revela ter algum significado, R= +0,44, aproximando-se do BE mas no sentido inverso. A figura 51 mostra o diagrama de dispersão onde não se observa não existir distinção entre as regiões norte-sul e litoral- interior nos votos do PS com este nível de escolaridade. Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega A M de LisboaA M do Porto Região de Aveiro e Ave Baixo Alentejo BeiraBaixa Cávado Douro Baixo Alentejo Oeste Região de Coimbra Tâmega e Sousa Terrasde Trás-os- Montes Viseu Dão Lafões y = 1,0995x - 10,939 R² = 0,6837 R= 0,83 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 22,5 BE % 3º Ciclo %
  46. 46. 46 Figura 51 - Correlação entre o voto no PS e a população sem escolaridade A linha tracejada define o ponto médio do nível sem escolaridade, 13,4%, que separa as regiões com percentagens de população sem escolaridade acima da média, à direita e abaixo da média à esquerda e onde as assimetrias são menos nítidas. A correlação do voto no PS com a percentagem de população com o nível de ensino do básico 2º ciclo é fraca e de sentido negativo sendo entre os outros partidos a mais elevada neste nível de escolaridade. Como mostra o diagrama de dispersão da figura 52 não acompanha o voto no PS verificando-se uma concentração em torno das médias da escolaridade, 12,6%, e dos votos no PS, 32,90%. Figura 52 - Correlação entre o voto no PS e a população com 2º ciclo ensino básico 3. O voto e alguns indicadores sociais e económicos 1. Introdução Analisam-se neste ponto valores de natureza económica e social que possibilitem traçar um retrato social da população votante e, ao mesmo tempo, verificar desenvolvimentos ocorridos neste domínio. Existe um conjunto de fatores e cadeias de variáveis envolvidos no comportamento eleitoral que podem contribuir para o voto dos sujeitos eleitores, que podem ser Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Alto Minho Alto Tâmega A Mde Lisboa A Mdo Porto Ave Beira Baixa Cávado Médio Tejo Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Viseu Dão Lafões y = 0,6088x + 24,725 R² = 0,1943 R = 0,44 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 PS% Sem escolaridade % Alentejo Central Algarve Alto Alentejo Alto MinhoAlto Tâmega AM de Lisboa AMPorto Ave BeiraBaixa Cávado Baixo Alentejo Região de AveiroRegião de Leiria Tâmega e Sousa Viseu Dão Lafões y = -0,823x + 43,256 R² = 0,1549 R = -0,40 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 0,0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 PS% Básico 2º ciclo %
  47. 47. 47 distanciados como os históricos, socioeconómicos, valores, atitudes e grupos de pertença, e fatores próximos como candidatos, campanha eleitoral, situação política e económica, ação do governo e influência dos amigos. É na entrada de alguns indicadores socioeconómicas, de proteção social e de rendimento que se irá centrar este ponto da análise do voto partidário. Neste âmbito foram analisados três grupos de indicadores regionais ao nível NUTS III: Taxa de Pensões da Caixa Geral de Aposentações e da Segurança Social, Taxa de Desemprego, Índice de Poder de Compra per capita e Índice de Dependência de Idosos. O índice de poder de compra per capita - IPCPC, é um número que serve de indicador para traduzir o poder de compra em termos per capita que permite comparar o poder de compra manifestado quotidianamente nas diferentes regiões. Este índice é útil para comparar o poder de compra das famílias em cada região. Nesta análise utilizou-se este índice para verificar eventuais correlações com os votos nos partidos com assento na Assembleia da República. O objetivo da análise é detetar se determinado indicador foi ou não fator de incidência no voto partidário, avaliando ao mesmo tempo a aceitação maior ou menor das políticas seguidas pelos partidos que governaram durante a última legislatura no espaço geográfico regional de Portugal continental. 7.3. O PIB e o voto regional nos partidos O PIB regional corresponde ao valor acrescentado pelas unidades de produção localizadas num certo espaço geográfico sendo aproximado ao rendimento gerado nesse espaço não sendo, portanto, o mesmo que o rendimento per capita. O objetivo foi verificar qual o eventual contributo que o PIB regional poderia ter no voto dos partidos. As estatísticas do PIB regional de 2013 do INE (dados preliminares) encontravam-se apenas ao nível da NUTS III de 2003 pelo que foi necessário efetuar uma correspondência para o nível das NUTS III de 2015 que pudesse ser compatível com os votos nos partidos, também estes já calculados para as NUTS III, como se fez para os pontos anteriores. Para facilidade de leitura e de análise os valores do PIB regional em euros foram convertidos em valores percentuais para cada região para assim se calcularem os coeficientes de correlação com os votos nos partidos, cujos resultados são apresentados no quadro 10. BE PCP-PEV PSD.CDS-PP PS PIB regional 2013 Dados Preliminares 0,38 0,06 -0,15 -0,02 Quadro 10 - Correlação entre o PIB regional e o voto nos partidos Os coeficientes de correlação referentes ao PIB regional e o voto não se revelaram significativos sendo na generalidade muito fracos destacando-se o BE, o mais forte, com R= +0,38. Verifica-se ainda a não existência de qualquer correlação entre aquele indicador e os votos no PCP-PEV e no PS. A coligação PSD.CDS-PP mostra uma correlação de sentido negativo, R= -0,15. A explicação para este facto poderá ser
  48. 48. 48 devido aos quantitativos do PIB se concentram sobretudo nas regiões da Área Metropolitana de Lisboa, com aproximado a 40%, e na do Porto com cerca de 15%. As regiões do Algarve, um pouco acima da média, e as regiões do Ave, Aveiro, Coimbra, Tâmega e Sousa com valores abaixo da média, 4,35. Verifica-se a concentração das regiões com valores do PIB regional abaixo dos 5%. Os votos no BE confirmam que, independentemente do PIB de cada região, o comportamento do voto neste partido não foi influenciado pelo maior ou menor valor do PIB nas regiões como mostra o diagrama de dispersão da figura 53. De modo geral todas as regiões apresentam um PIB regional muito baixo cujas correlações com os votos não traduzem possibilidades de haver qualquer relação evidente. É nas duas áreas metropolitanas de Lisboa e do Porto que os partidos obtêm maior percentagem de votos. Contudo, e mais uma vez, o BE obtém aí uma tendência para votação mais elevada, enquanto a coligação mostra tendência para naquelas regiões baixar a seu voto. Verifica-se ainda que o voto naquele partido, independentemente do PIB, aumenta nas regiões do sul e áreas metropolitanas enquanto o PSD.CDS-PP aumenta nas regiões do norte e baixa nestas regiões quando aumenta o PIB (figuras 53 e 44). Quanto ao voto nos partidos PS e PCP-PEV, cujos coeficientes de correlação são extremamente baixo e sem significado relevante não se procedeu a uma análise mais detalhada. A riqueza económica das regiões representada pelo PIB regional que é um dos indicadores mais utilizados para quantificar a atividade económica e ser uma agregação de toda a atividade económica (duma região neste caso) não revelou ser um fator explicativo para justificar o sentido de voto nos partidos. Possivelmente obter-se- iam outros resultados efetuando a análise com a desagregação das atividades económicas que contribuíram para a determinação do PIB regional. Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Tâmega AM Lisboa PIB 39,14% AM Porto PIB 14,82 % Cávado Douro Lezíriado TejoRegião de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Terrasde Trás-os- Montes Viseu Dão Lafões y = 0,1024x + 8,6302 R² = 0,1432 R= 0,38 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 10,00 12,00 14,00 16,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 BE % PIBregional % Figura 53 - Correlação entre o voto BE e o PIB regional por NUTS III
  49. 49. 49 7.3. O voto e a taxa de pensões da Caixa Geral de Aposentações Seguindo a meta informação e nomenclatura do INE considerou-se pensionista quem recebe uma ou mais pensões, tais como a pensão de velhice ou de sobrevivência. No caso específico da Caixa Geral de Aposentações (CGA) distingue-se entre quem recebe pensão de aposentação (aposentado), pensão de reforma (reformado) e outras pen- sões (pensionista). No caso da Segurança Social, é o titular de uma prestação pecuniária nas eventualidades de invalidez, velhice, doença profissional ou morte. No caso da Caixa Geral de Aposentações, "é o utente que adquiriu o direito a uma pensão, seja na qualidade de herdeiro hábil do contribuinte falecido, seja na qualidade de titular de pensão de preço de sangue ou outra de natureza especial". É aposentado quem recebe uma pensão de aposentação da Caixa Geral de Aposentações. Esta pen- são é atribuída por velhice ou incapacidade permanente a quem foi funcionário público. As taxas utilizadas referem-se a 2013 e aos pensionistas da Segurança Social e da Caixa Geral de Aposentações no total da população residente com 15 e mais anos em per- centagem. A taxa de pensões refere-se ao cálculo da percentagem total de Pensões no final do ano civil sobre o total da população residente com 15 e mais anos no final do ano civil multiplicado por 100. Considerou-se ser irrelevante para esta análise o facto da idade considerada para o cálculo efetuado pelo INE incluir as faixas etárias a partir dos 15 apesar da idade legal para o exercício do direito ao voto ser a partir dos 18 anos. Para efeito do cálculo dos coeficientes de correlação considerou-se que as taxas de pensão correspondem a um certo número de pensionistas que as recebem em determinada região. De acordo com este pressuposto determinaram-se numa primei- ra análise apenas os coeficientes de correlação entre as percentagens de votos de cada partido e as percentagens nos referidos indicadores nas vinte e três regiões NUTS III com as taxas de pensões referentes a 2014 que se encontram representados no Alentejo Central Alentejo Litoral Algarve Alto Alentejo Minho Alto Tâmega AM Lisboa PIB 39,41% AM Porto PIB 14,82% Ave Cávado Lezíriado Tejo Região de Aveiro Região de Coimbra Região de Leiria Tâmega e Sousa Viseu Dão Lafões y = -0,1875x + 40,441 R² = 0,021 R = - 0,15 0,00 10,00 20,00 30,00 40,00 50,00 60,00 0,00 5,00 10,00 15,00 20,00 25,00 30,00 35,00 40,00 45,00 PSD.CDS-PP % PIBregional % Figura 54 - Correlação entre o voto PSD.CDS-PP e o PIB regional por NUTS III

×