ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ
Assunto: Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores
Nuno...
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO.........................................................................................................
1 INTRODUÇÃO
O livro “A Espiral Dourada” é divido em cinco partes sendo elas prefácio, a
meridiana de St Sulpice, a estrel...
2 ROSA-DOS-VENTOS
2.1 O QUE É A ROSA-DOS-VENTOS?
A Rosa-dos-Ventos é um instrumento antigo utilizado para auxiliar na
loca...
Levante (leste), Siroco (sudeste), Ostro (sul), Libeccio (sudoeste), Ponente (oeste) e
Maestro (nordeste).
2.2 PARA QUE SE...
Fonte: Wikpédia
Fig. 4 - Rosa dos ventos de 32 pontos de uma
carta de Jorge de Aguiar (1492), a carta náutica assinada e
d...
Fig. 5 – Pontos Cardeais.
N - Norte
S - Sul
O - Oeste
E – Este
Fonte: Geografia 7
Fig. 6 – Pontos Colaterais.
NE - Nordest...
Fig. 7 – Pontos Intermediários ou Subcolaterais.
NNE - Nor-Nordeste
ENE - És-Nordeste
ESE - És-Sudeste
SSE - Su-Sudeste
SS...
3 PROCESSO DE ORIENTAÇÃO
3.1 ORIENTAÇÃO PELO SOL NO HEMISFÉRIO NORTE
Apesar de ser a Terra e não o sol a mover-se, pode-se...
3.2 ORIENTAÇÃO PELASESTRELAS
A Estrela Polar indica sempre a direção do norte e só é visível no hemisfério
Norte. É a últi...
Fig. 11 – Orientação por meio da
constelação chamada Cruzeiro do Sul.
Fonte: Geografia 7
3.3 ORIENTAÇÃO ATRAVÉSDA BÚSSOLA
...
4 CONSIDERAÇÕES FINAIS
Desde tempos passados, o homem precisava de um modo para se encontrar
e localizar no espaço, para i...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Escola estadual professor joão cruz 3b

277 visualizações

Publicada em

Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores Nuno Crato, Carlos Pereira dos Santos e Luís Tirapicos, centrado para o tema "A Rosa-dos-Ventos".

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Escola estadual professor joão cruz 3b

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSOR JOÃO CRUZ Assunto: Artigo de Divulgação Científica do livro “A Espiral Dourada” dos autores Nuno Crato, Carlos Pereira dos Santos e Luís Tirapicos Tema: A Rosa-dos-Ventos Nome: Maria Julia Gomes dos Santos Nº: 30 Série: 3º B Professores: Ms. Maria Piedade Teodoro da Silva Carlos Ossamu Cardoso Narita Disciplinas: Língua Portuguesa / Matemática Jacareí 2015
  2. 2. SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO......................................................................................................................3 2 ROSA-DOS-VENTOS..........................................................................................................4 2.1 O QUE É A ROSA-DOS-VENTOS?..............................................................................4 2.2 PARA QUE SERVE A ROSA DOS VENTOS .............................................................5 2.3 PONTOS CARDEAIS, COLATERAIS E SUBCOLATERAIS ...................................6 3 PROCESSO DE ORIENTAÇÃO .......................................................................................9 3.1 ORIENTAÇÃO PELO SOL NO HEMISFÉRIO NORTE ............................................9 3.2 ORIENTAÇÃO PELAS ESTRELAS............................................................................10 3.3 ORIENTAÇÃO ATRAVÉS DA BÚSSOLA.................................................................11 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS .............................................................................................12 5 REFERÊNCIAS ..................................................................................................................12
  3. 3. 1 INTRODUÇÃO O livro “A Espiral Dourada” é divido em cinco partes sendo elas prefácio, a meridiana de St Sulpice, a estrela de cinco pontas e os códigos de Vênus, os números de Fibonacci e o número de ouro. A obra faz uma viagem fascinante pela astronomia e pela matemática, separando a verdade da ficção nas referências científicas d'O Código da Vinci. O livro procurar explicar alguns acontecimentos que vão aparecendo no decorrer dos capítulos, como se mede o tempo solar e porque razão os comboios destronaram os meridianos de Paris e de Lisboa, dentre os diversos temas que o livro aborda, esta também a descoberta do número de ouro e mostra-se como este traça uma curva perfeita a que os matemáticos chamaram espiral dourada. Um dos temas em que o livro também aborda é a rosa-dos-ventos, para que o trabalho seja desenvolvido foram criadas duas perguntas de pesquisas, a primeira é “o que é a rosa-dos-ventos?” e a segunda é “para que serve a rosa-dos-ventos”. Estas perguntas foram criadas com o objetivo de nortear o trabalho, e proporcionar mais conhecimento aos futuros leitores. Abaixo segue a capa do livro em questão. Fig. 1 – Capa do livro “A Espiral Dourada”. Fonte: Livro “A Espiral Dourada”.
  4. 4. 2 ROSA-DOS-VENTOS 2.1 O QUE É A ROSA-DOS-VENTOS? A Rosa-dos-Ventos é um instrumento antigo utilizado para auxiliar na localização relativa, que corresponde à volta completa do horizonte. Ela se divide em 360 partes iguais, denominadas graus, cada quadrante da rosa-dos-ventos corresponde a 90º: considera-se o norte a 0º; o leste a 90º; o sul a 180º, o oeste a 270º, e novamente o norte a 360º. Cada grau, tem 60 minutos, e cada minuto, 60 segundos. Assim, praticamente todos os pontos na linha do horizonte podem ser localizados com máxima exatidão a partir dela. Os pontos cardeais e colaterais servem como orientação, ou seja, pra saber em que direção está determinado lugar. Fig. 2 – Rosa-dos-ventos e suas direções. Fonte: Rodolfo Alves Pena Os rumos dos ventos, termo que originou a rosa dos ventos, são conhecidos desde a Grécia Antiga. Eles tinham dois rumos, que aumentaram para oito tempos depois. Durante a Idade Média, esses rumos ganharam nomes relacionados com as localidades próximas ao Mediterrâneo: Tramontana (norte), Greco (nordeste),
  5. 5. Levante (leste), Siroco (sudeste), Ostro (sul), Libeccio (sudoeste), Ponente (oeste) e Maestro (nordeste). 2.2 PARA QUE SERVE A ROSA DOS VENTOS A rosa-dos-ventos serve de referência para localização absoluta em mapas e cartas. Ela é composta pelo que chamamos de pontos cardeais, que são as diferentes orientações para onde apontam as diferentes direções. O diagrama com coordenadas polares representa a frequência com que sopram os ventos de cada direção. Normalmente são consideradas oito direções cardinais (que correspondem a pontos na bússola). Por sua vez, os raios podem ser subdivididos para mostrar a frequência de diferentes intensidades de vento associadas a cada direção. O número de dias de calmaria costuma ser representado com um círculo traçado a partir do centro do diagrama. Também conhecida como rosa-dos-rumos ou rosa náutica, a rosa-dos-ventos foi, antes da popularização das bússolas magnéticas, a principal referência nas cartas marinhas. As mais antigas rosas-dos-ventos registradas aparecem nas cartas de navegação do século XIII, manejadas pelos navegantes italianos. A partir da expansão do uso da bússola, a rosa-dos-ventos tornou-se uma ferramenta auxiliar dessa última. Abaixo contém dois exemplos de cartas de navegações com a rosa-dos- ventos. Fig. 3 - Rosa-dos-ventos de antiga carta náutica, do cartógrafo português Pedro Reinel (1504).
  6. 6. Fonte: Wikpédia Fig. 4 - Rosa dos ventos de 32 pontos de uma carta de Jorge de Aguiar (1492), a carta náutica assinada e datada mais antiga de Portugal. Fonte: Wikpédia 2.3 PONTOS CARDEAIS,COLATERAIS E SUBCOLATERAIS A Rosa dos Ventos é constituída por quatro pontos cardeais, quatro pontos colaterais e oito pontos subcolaterais, sendo os quatro pontos cardeais os mais fáceis de ser notados, por este fato considera-se os principais que são: norte (0º de azimute cartográfico), sul (180º), este ou leste (90º) e oeste (270º). Dependendo do tamanho da bússola pode-se encaixar mais quatro pontos que são chamados de pontos colaterais; nordeste (45º), sudeste (135º), noroeste (315º) e sudoeste (225º), caso o visor seja maior ainda costumam incluir mais oito pontos , chamados pontos subcolaterais: nor-nordeste (22,5º), lés-nordeste (67,5º), lés-sudeste (112,5º), su- sudeste (157,5º), su-sudoeste (202,5º), oés-sudoeste (247,5º), oés-noroeste (292,5º) e nor-noroeste (337,5º). Abaixo contém as ilustrações da rosa-dos-ventos e seus pontos.
  7. 7. Fig. 5 – Pontos Cardeais. N - Norte S - Sul O - Oeste E – Este Fonte: Geografia 7 Fig. 6 – Pontos Colaterais. NE - Nordeste SE - Sudeste SO - Sudoeste NO - Noroeste Fonte: Geografia 7
  8. 8. Fig. 7 – Pontos Intermediários ou Subcolaterais. NNE - Nor-Nordeste ENE - És-Nordeste ESE - És-Sudeste SSE - Su-Sudeste SSO - Su-Sudoeste OSO - Oés-Sudoeste ONO - Oés-Noroeste NNO - Nor-Noroeste Fonte: Geografia 7 Com todos os pontos citados a cima, obtém-se a rosa-dos-ventos final. Fig. 8 – Rosa-dos-ventos com todos os pontos. Fonte: Geografia 7
  9. 9. 3 PROCESSO DE ORIENTAÇÃO 3.1 ORIENTAÇÃO PELO SOL NO HEMISFÉRIO NORTE Apesar de ser a Terra e não o sol a mover-se, pode-se dizer que o sol nasce aproximadamente a este. Ao meio-dia, se estivermos voltados para o sol, ele aponta-nos o sul, ficando a nossa sombra a apontar o norte . Por fim, ele irá pôr- se a oeste. A hora legal (dos relógios) está adiantada em relação à hora solar: no Inverno está adiantada cerca de 36 minutos, enquanto que no verão a diferença passa para cerca de 1h36m. O processo citado é exemplificado abaixo. Fig. 9 – Orientação pelo sol. Fonte: CNE Escutismo
  10. 10. 3.2 ORIENTAÇÃO PELASESTRELAS A Estrela Polar indica sempre a direção do norte e só é visível no hemisfério Norte. É a última estrela da "cauda" da constelação Ursa Menor. Como podemos observar na ilustração abaixo. Fig. 10 – Orientação por meio da estrela Polar. Fonte: Geografia 7 No hemisfério Sul também existe uma constelação que nos pode ajudar caso necessitemos de orientação. Chama-se Cruzeiro do Sul e, como o nome indica, aponta-nos o sul. Abaixo encontra-se a ilustração da constelação citada.
  11. 11. Fig. 11 – Orientação por meio da constelação chamada Cruzeiro do Sul. Fonte: Geografia 7 3.3 ORIENTAÇÃO ATRAVÉSDA BÚSSOLA A bússola é um dos instrumentos mais utilizados para nos orientarmos porque não depende da meteorologia nem do sinal de satélite. A bússola possui uma agulha magnetizada que se alinha com o pólo norte da Terra, o que permite conhecer, aproximadamente, o norte geográfico. Logo abaixo, encontra-se um exemplo de bússola. Fig. 12 – Exemplo de uma bússola. Fonte: Geografia 7
  12. 12. 4 CONSIDERAÇÕES FINAIS Desde tempos passados, o homem precisava de um modo para se encontrar e localizar no espaço, para isso primeiramente foi utilizado a orientação por meio do sol e das estrelas, logo após surgiram as rosas-dos-ventos e as bússola, todos esses meios se localizam através dos pontos cardeais. A união destes pontos cardeais e suas subdivisões deram origem a Rosa dos Ventos. Portanto a rosa-dos-ventos é e foi um instrumento muito importante de orientação, que se baseia nas quatro direções fundamentais e suas intermediárias, sendo corresponde à volta completa do horizonte, com este instrumento praticamente todos os pontos na linha do horizonte podem ser localizados com exatidão. 5 REFERÊNCIAS CRATO, Nuno; SANTOS, Carlos Pereira dos; TIRAPICOS, Luís. A Espiral Dourada. Lisboa. Portugal. Gradiva, 2006. Disponível em: <http://www.escolakids.com/rosa-dos-ventos.htm >. Acesso em: 6 nov. 2015. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Rosa_dos_ventos >. Acesso em: 6 nov. 2015. Disponível em: <http://www.geografia7.com/rosa-dos-ventos.html >. Acesso em: 10 nov. 2015. Disponível em: <http://www.universodesbravador.com.br/ja/textos_e_manuais/index_rosa_dos_ventos.htm >. Acesso em: 10 nov. 2015. Disponível em: <http://www.cne-escutismo.pt/recursos/orientacao/orient_rosadosventos.htm >. Acesso em: 12 nov. 2015.

×